A divina visão

175 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
175
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A divina visão

  1. 1. (Do livro “Contos e Apólogos” pelo Espírito Irmão X) Muitos anos orara certa devota, implorando uma visão do Senhor. Mortificava-se. Aflitivas penitências alquebraram-lhe o corpo e a alma. Exercitava não somente rigorosos jejuns. Confiava-se a difícil adestramento espiritual e entesourara no íntimo preciosas virtudes cristãs. Em verdade, a adoração impelira-a ao afastamento do mundo. Vivia segregada, quase sozinha. Mas, a humildade pura lhe constituía cristalina fonte de piedade. A oração convertera-se-lhe na vida em luz acesa. Renunciara às posses humanas. Mal se alimentava. Da janela ampla de seu alto aposento, convertido em genuflexório, fitava a amplidão azul, entre preces e evocações.
  2. 2. Muitas vezes notava que largo rumor de vozes vinha de baixo, da via pública. Não se detinha, porém, nas tricas dos homens. Aprazia-lhe cultivar a fé sem mácula, faminta de integração com o Divino Amor. Em muitas ocasiões, olhos lavados em lágrimas, inquiria, súplice, ao Alto: - Mestre, quando virás? Findo o colóquio sublime, voltava aos afazeres domésticos. Sabia consagrar-se ao bem das pessoas que lhe eram queridas. (...) Certa manhã ensolarada, sopitando a emoção, viu que um ponto luminoso se formara no espaço, crescendo... crescendo... até que se transformou na excelsa figura do Benfeitor Eterno. O inesquecível amado como que lhe vinha ao encontro.
  3. 3. (...) Estática, balbuciando comovedora súplica, reparou, no entanto, que o Mestre passou junto dela, como se lhe não percebesse a presença. (...) O Embaixador Divino afagou-lhe os cabelos e respondeu: - Ajuda-me aqui e agora! (...) Ajudemo-lo, bem como a tantos outros irmãos necessitados, aos quais devemos amparar com nosso amor e dedicação. (...) Desde então, a devota transformada não mais esperou por Jesus, imóvel e zelosa, na janela de seu alto aposento. Depois da prece curta, descia para o trabalho à multidão desconhecida, na execução de tarefas aparentemente sem importância, fosse para lavar a ferida de um transeunte, para socorrer uma criancinha doente, ou para levar uma palavra de ânimo ou consolo.
  4. 4. Reflexão: Sabemos que a oração é o ato de louvar e agradecer a Deus e aos Espíritos superiores. A oração sincera, sentida, além de gerar ondas que atravessam o Universo pode ser recebida nos mais diferentes planos espirituais. O que impulsiona a oração é o sentimento sincero, é o desejo firme daquilo que nos move a orar. Não existe oração sem sentimento. Além disto, a oração fecunda predispõe aquele que a utiliza a agir no sentido de melhorar-se, de evoluir seu estado, afim de obter aquilo que deseja. É o sentido pleno do pedi e obtereis, movimentar-se para atingi-lo. Todos nós conhecemos pessoas que dedicam sua vida à devoção a Deus e a Jesus, nosso Mestre e guia maior que se constitui no caminho, na verdade e na vida.
  5. 5. Mas é preciso observar que a fé, por mais fervorosa que seja, não será capaz de substituir as obras na evolução e na iluminação do ser. Passar a vida em adoração ou louvação é perder a oportunidade de exercitar o que a vida nos impõe, a experiência na doação de si mesmo e na construção de um mundo melhor. Aqueles que se retiram da vida no intuito de purificar o coração e o espírito, impedindo que o contato com o mundo possa maculá- lo, enganam-se quanto ao caminho da elevação. Jesus, nosso guia maior, exemplificou com o contato com as pessoas, vivendo entre todos: ricos e pobres; doentes e sãos; poderosos e pequenos, aproveitando as oportunidades para levar a todos sua verdade e seu exemplo de fé.
  6. 6. Falava de um Pai compassivo, amoroso, misericordioso, justo, e que trabalha incessantemente para manutenção do Universo. Assim, a devoção de Jesus não deve fazer com que o devoto ou o candidato à elevação afaste-se da luta. A devoção a Jesus requer a construção de um mundo melhor; requer a doação de si para amenizar dores e sofrimentos; fechar feridas e chagas; harmonizar e reequilibrar o que está em desequilíbrio. Amor requer ação; amor em ação é o que chamamos caridade. Muitas pessoas que se dedicam à religião, não importando qual seja, pois, todas têm o mesmo objetivo moral de elevar o homem, preocupam-se em não fazer o mal, em manter-se ligados em oração com Jesus ou com Deus.
  7. 7. Oram sempre que podem; comparecem à casa religiosa com frequência; praticam, muitas vezes, abstinência e jejuns, como recomendado por algumas seitas, mas vivem voltados para si mesmos, buscando iluminar-se apenas pelo contato com a espiritualidade superior. A Lei de Deus, entretanto, é uma lei de justiça e de caridade. É imutável e se aplica a todas as criaturas. Ninguém há de se tornar santo por manter-se ligado em oração com a divindade, dando graças, louvores, e pedindo a oportunidade de iluminação. Cada qual deverá seguir o seu próprio caminho, vivendo suas provas e expiações, aprendendo e crescendo com o exercício da vida. A oração, para aquele que vive, será sempre um instrumento de apoio e de iluminação dos seres...
  8. 8. ... Que ajuda a suportar as condições e adversidades que lhes são próprias. Mas ela em si nada fará, se não houver o mérito da ação e da lição aprendida. Louvar, agradecer e pedir são práticas habituais de todos nós. Mas a elas devemos acrescentar servir, doar de si, trabalhar, viver, experimentar. Muitas são as dores desse mundo de provas e de expiações, e o devoto que deseja habilitar-se à elevação, deve estar pronto para agir. Esta é a maior das orações, o exemplo do serviço. Dependendo dos nossos sentimentos sinceros de servir, seremos instrumento da misericórdia do Pai para com aquele que sofre, e que nos bate à porta ou que cruza nosso caminho. O poder do exemplo de Jesus está aí há mais de dois mil anos a nos convidar.
  9. 9. Do mesmo jeito que elevamos os pensamentos para pedir, Ele também nos convida ao trabalho fraterno produtivo, construtivo de um mundo melhor. Convida-nos à reforma interior; a aquisição de valores e ao trabalho que engrandece e ensina. Convida-nos a abandonar os velhos hábitos e costumes e a viver no poder de Seu amor, deixando nascer um homem novo, sincero, verdadeiro, que luta para combater suas fraquezas e suas imperfeições. Não devemos aguardar que Jesus venha até nós; não devemos invocar a companhia dos Espíritos superiores, ao contrário, devemos atender ao seu convite e trilhar o caminho do serviço ao próximo e da humildade. O devoto de Jesus deve aprender com a dedicação e a caridade, tornando-se um médium do Cristo, ...
  10. 10. ... E, aí então, candidatar-se à elevação e a pureza. Só os puros verão a Deus. Muita Paz! Agora, vamos elevar o nosso pensamento a Jesus, rogando a luz e o amparo que precisamos, nós que aqui estamos, ligados ao pesado fardo da matéria. Refrigera-nos, Senhor, o nosso Espírito; ameniza as dores e sofrimentos de todos nós. Que possa haver mais esperança em nossos corações; que possa haver mais fé em nossos espíritos; que possa haver mais entendimento e caridade em nossas ações, tudo conforme a vontade de Deus, nosso Pai. E, que, nessa semana que se inicia, possamos vivificar e aprender, levando a todos com quem vamos nos encontrar, ...
  11. 11. A mensagem do trabalho contínuo, da melhoria, da paz, do amor e da caridade. Que assim seja! Graças a Deus! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br Com estudos de O Livro dos Espíritos e do Evangelho Segundo o Espiritismo.

×