Eu sempre observei as paisagens da vida através de minhas janelas.
Houve um tempo em que a minha janela se abria para um c...
Em que jarra, em que sala, diante de quem brilhariam, na sua breve
existência? E que mãos as tinham criado? E que pessoas ...
Mas as crianças tinham tal impressão no rosto, e às vezes faziam com
as mãos arabescos tão compreensíveis, que eu particip...
E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que
caíam de seus dedos magros e meu coração ficava compl...
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas, que estão diante
de cada janela, uns dizem que essas coisas não exist...
Essa página, ela nos fala da arte de viver e da arte de ser feliz. Se
analisarmos bem o texto, fica impossível nós não faz...
Como a doutrina tem aberto para nós janelas de novas possibilidades,
permitindo-nos pensar de maneira diferente, ver as co...
Essa é a opinião dos pessimistas; daqueles que não conseguem
enxergar nenhuma alegria na existência. A vida no nosso plane...
De um lado os pessimistas, afirmando que viver é sofrer. Do outro
extremos as criaturas iludidas, acreditando que a vida s...
A vida na Terra passa a ter um significado muito importante. Viver
significa receber da bondade divina uma abençoada oport...
... Ligados ao pesado fardo da matéria. Refrigera-nos, senhor, o nosso
Espírito; ameniza as dores e sofrimentos de todos n...
A arte de ser feliz
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A arte de ser feliz

302 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
302
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A arte de ser feliz

  1. 1. Eu sempre observei as paisagens da vida através de minhas janelas. Houve um tempo em que a minha janela se abria para um chalé. Na ponta do chalé brilhava um grande ovo de louça azul. Nesse ovo costumava pousar um pombo branco. Ora, nos dias límpidos, quando o céu ficava da mesma cor do ovo de louça, o pombo parecia pousado no ar. Eu era criança e achava essa ilusão maravilhosa e sentia-me completamente feliz. Houve um tempo em que a minha janela dava para um canal. No canal oscilava um barco. Um barco carregado de flores. Para onde iam aquelas flores? Quem as comprava?
  2. 2. Em que jarra, em que sala, diante de quem brilhariam, na sua breve existência? E que mãos as tinham criado? E que pessoas iam sorrir de alegria ao recebê-las? Eu não era mais criança, porém a minha alma ficava completamente feliz. Houve um tempo em que minha janela se abria para um terreiro, onde uma vasta mangueira alargava sua copa redonda. À sombra da árvore, numa esteira, passava quase todo o dia sentada uma mulher, cercada de crianças. E contava histórias. Eu não podia ouvir, da altura da janela; e mesmo que a ouvisse, não a entenderia, porque isso foi muito longe, num idioma difícil
  3. 3. Mas as crianças tinham tal impressão no rosto, e às vezes faziam com as mãos arabescos tão compreensíveis, que eu participava do auditório, imaginava os assuntos e suas peripécias e me sentia completamente feliz. Houve um tempo em que minha janela se abria sobre uma cidade que parecia ser feita de giz. Perto da janela havia um pequeno jardim quase seco. Era uma época de estiagem, de terra esfarelada, e o jardim parecia morto. Mas todas as manhãs vinha um pobre homem com um balde, e, em silêncio, ia atirando com a mão umas gotas de água sobre as plantas. Não era uma rega; era uma espécie de aspersão ritual, para que o jardim não morresse.
  4. 4. E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que caíam de seus dedos magros e meu coração ficava completamente feliz. Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor. Outras vezes encontro nuvens espessas. Avisto crianças que vão para a escola. Pardais que pulam pelo muro. Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais. Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar. Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Veja. Às vezes, um galo canta. Às vezes, um avião passa. Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino. E eu me sinto completamente feliz.
  5. 5. Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas, que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem, outros que só existem diante das minhas janelas, e outros, finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim. Este texto poético, abordando sensações e sentimentos individuais sobre detalhes de pequenos eventos do dia a dia, é de autoria da escritora Cecília Meireles. “É preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim”. Nesta frase está resumida a lição mágica que abre as portas da sensibilidade para que vejamos, com os olhos de ver, as coisas e as pessoas em sua essência.
  6. 6. Essa página, ela nos fala da arte de viver e da arte de ser feliz. Se analisarmos bem o texto, fica impossível nós não fazermos um paralelo dele com a Doutrina Espírita, porque o Espiritismo tem aberto para todos nós inúmeras janelas. O conhecimento da Doutrina Espírita amplia para nós os nossos horizontes de entendimento. Abriu para nós a janela da compreensão, ampliando nossos conhecimentos. Esta doutrina nos permite enxergar além dos horizontes materiais. O Espiritismo é, sem dúvida alguma, bênçãos, novos caminhos à nossa frente. O propósito desse PPS é fazer refletir essas questões: como o Espiritismo tem influenciado nossas vidas;
  7. 7. Como a doutrina tem aberto para nós janelas de novas possibilidades, permitindo-nos pensar de maneira diferente, ver as coisas de modo diferente, agir de forma diferente. Por isso, nós vamos recorrer a três conceitos muito importantes na existência, para que possamos, juntos, refletir como o Espiritismo nos auxilia a mudar a maneira de ver, entender, essas questões da vida. Vejamos, primeiramente, a questão da existência; o que significa para nós viver aqui na Terra. Há aqueles que dizem que viver aqui neste orbe é sofrer. Sendo a Terra um mundo de provas e expiações, viver aqui é caminhar por um caminho de pedras, de espinhos. Viver na Terra é derramar lágrimas.
  8. 8. Essa é a opinião dos pessimistas; daqueles que não conseguem enxergar nenhuma alegria na existência. A vida no nosso planeta não é como pretendem os pessimistas, somente dor e tristeza. A vida nos oferece muito mais. Se de um lado os pessimistas afirmam que viver é sofrer, no outro extremo existem os homens que criaram a ilusão a respeito da vida. Para estes a vida significa gozar, beber na taça dos prazeres, todos os instantes. Para eles só tem sentido se eles estiverem aproveitando intensamente a existência. Passam pela vida como se estivessem deslizando. Para eles a vida significa um passeio turístico, quando insistem em dizer que querem aproveitar a vida.
  9. 9. De um lado os pessimistas, afirmando que viver é sofrer. Do outro extremos as criaturas iludidas, acreditando que a vida só tem sentido quando temos prazer. O Espiritismo vem ao nosso encontro; abre a janela do entendimento e nos explica: nós somos Espíritos; saímos das mãos do Criador, simples e ignorantes. Deus na sua grandeza nos oferece essa senda evolutiva, esse caminho de experiências. Cada existência, uma nova conquista, um novo aprendizado para a nossa meta, a perfeição, a plenitude, a conquista do Reino dos Céus. Para a Doutrina Espírita, nós não somos apenas o corpo. O corpo é o veículo da alma, que é apenas um instrumento de uma manifestação.
  10. 10. A vida na Terra passa a ter um significado muito importante. Viver significa receber da bondade divina uma abençoada oportunidade de crescimento, de aprendizado. Então, a vida não é somente tristeza; a vida não é somente prazeres. O Espiritismo diz que a vida é todo esse complexo maravilhoso. Viver na Terra é receber uma grande oportunidade de crescimento e de adquirir novos conhecimentos. A Doutrina Espírita amplia a nossa visão, e a vida na Terra, do berço ao túmulo, passa a ter para nós um sentido muito maior. Muita Paz! Agora, vamos elevar o nosso pensamento a Jesus, rogando a luz e o amparo que precisamos, nós que aqui estamos, ...
  11. 11. ... Ligados ao pesado fardo da matéria. Refrigera-nos, senhor, o nosso Espírito; ameniza as dores e sofrimentos de todos nós. Que possa haver mais esperança em nossos corações; que possa haver mais fé em nossos espíritos; que possa haver mais entendimento e caridade em nossas ações, tudo conforme a vontade de Deus, nosso Pai. E, que, nessa semana que hoje se inicia, possamos vivificar e aprender, levando a todos com quem vamos nos encontrar, a mensagem do trabalho contínuo, da melhoria, da paz, do amor e da caridade. Que assim seja! Graças a Deus! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br

×