Crítica, cartoon e crónica

447 visualizações

Publicada em

Crítica, cartoon e crónica

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
447
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
135
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crítica, cartoon e crónica

  1. 1. CRITICAR - Para se tomar essa atitude de julgar temos de saber analisar o contexto a ser discutido, para depois criticá-lo de uma maneira bem coerente e clara. - fazer julgamentos, a partir de um conhecimento mais aprofundado, sobre qualquer debate, ou discussão; - a crítica pode ser construtiva ou não; - algumas pessoas podem criticar para se sentirem valorizadas diante do criticado;
  2. 2. FORMAS DE CRÍTICA
  3. 3. - filmes; - teatro; - música; - livros; - temas atuais; Opinião/argumentativo
  4. 4. A crónica é, primordialmente, um texto escrito para ser publicado no jornal. Há semelhanças entre a crónica e o texto exclusivamente informativo. Assim como o repórter, o cronista inspira-se nos acontecimentos diários, que constituem a base da crónica. Após cercar-se desses acontecimentos diários, o cronista dá-lhes um toque próprio, incluindo no seu texto elementos como ficção, fantasia e criticismo, elementos que o texto essencialmente informativo não contém. Opinião/argumentativo
  5. 5. É um cartoonista e ilustrador profissional polaco. Também é especialista em pintura e fotografia. Nasceu em 1976 em Starachowice, na Polónia, onde vive como artista freelance. Marcin Bondarowicz
  6. 6. Uma imagem forte, com o intuito de sensibilizar as pessoas. O autor escolheu cores quentes para o fundo. Forte impacto visual – captar a atenção das pessoas e chocá- las Vermelho – vida e morte Amarelo/laranja – intensidade, violência, abismo
  7. 7. Descrição – braço com mão fechada onde se está a inserir um cabo USB. Veias salientes rodeiam o cabo e a pele apresenta vermelhidão na zona da inserção. A introdução do cabo está a ser forçada e parece ser dolorosa. No pulso surge um símbolo que significa “a carregar”.
  8. 8. Associa-se o cabo a uma seringa com droga a ser injetada. Compara-se a tecnologia à droga.
  9. 9. Droga Tecnologia Prazer momentâneo Prazer momentâneo Problemas de saúde: - overdose; - morte. Problemas de saúde: - cancro (estudos comprovam que as radiações provenientes do telemóvel podem causar o cancro); - trombose (relacionada com a má posição em frente a computadores ou consolas); - dor de cabeça; - visão turva; - dores no pescoço; - fadiga; - irritação; - visão dupla…
  10. 10. O caso mais extremo das consequências que a dependência das novas tecnologias pode trazer é a morte. E não é algo que aconteça com pouca frequência. Por exemplo, recentemente, um jovem de 28 anos morreu de ataque cardíaco depois de passar 50 horas seguidas a jogar num computador num cibercafé. De acordo com a polícia da cidade sul-coreana de Daegu, o rapaz passou as suas últimas horas “agarrado” a um jogo de estratégia pelo qual estava obcecado. Parava apenas para ir à casa de banho até que o seu coração não resistiu ao esgotamento. EXEMPLO
  11. 11. Drogas •Depressão •Fadiga •Perda de apetite Tecnologia •Exclusão social •Perda de apetite
  12. 12. Deixar de utilizar a tecnologia também é muito difícil e requer muito esforço. Uma pessoa viciada em drogas, quando não as toma, fica nervosa e sente um forte desejo ou compulsão para as consumir. Com a tecnologia, hoje em dia, acontece o mesmo. Uma pessoa que deixe o telemóvel em casa fica logo preocupada, nervosa. Existem até algumas tecnologias das quais a nossa sociedade é totalmente dependente. Por exemplo, a calculadora ou a máquina de lavar roupa. Antigamente não existiam, no entanto isso hoje parece impossível de imaginar. A sociedade já não consegue ver o mundo sem a tecnologia.
  13. 13. LUÍS AFONSO
  14. 14. 1. Esclarece o sentido da expressão «meter água» no contexto da imagem. R: “Meter água” significa que o saxofonista considera que não toca bem e, por isso, é como um barco que se afunda, o que, para ele, acaba por ter a ver com o dia mundial da água e da música.
  15. 15. 2. Explica, agora, onde reside o humor deste cartoon. R: O humor deste cartoon reside na utilização de uma expressão idiomática (“meter água”) que nunca se interpreta à letra numa situação em que temos de a ler no seu sentido literal e, ao mesmo tempo, inferencial.
  16. 16. 1. Comenta o cartoon tendo em conta, entre outros, os seguintes elementos: - as personagens (o número, o tamanho, como se identificam, de que forma se repetem...); - a representação das personagens como sombras; - o título: "O Facto"; - o uso da cor. 2. Explicita a mensagem que se pretende transmitir. 3. Explica de que forma o cartoon se pode relacionar com a profissão de jornalista.
  17. 17. 1. R: No cartoon aparecem duas personagens que se identificam pela forma do cabelo. No primeiro momento, a personagem da esquerda, pintada de preto, aparece maior que a da direita, a branco, apresentando-se a primeira numa atitude agressiva em relação à segunda. No segundo momento, as posições invertem-se. No terceiro momento, as personagens passam a ter o mesmo tamanho e são ambas cinzentas. Ao serem apresentadas como sombras, as figuras universalizam-se, isto é, não se trata de ninguém em concreto, de um facto em particular mas do facto - do acontecimento em geral, o que vai ao encontro do título do cartoon ("O Facto").
  18. 18. Tomando esta linha de leitura, as personagens/sombras simbolizam o facto que, visto de um lado (da esquerda), tem uma determinada interpretação, visto do outro (da direita), tem uma interpretação oposta à primeira e que, finalmente, visto como é na realidade, não corresponde a nenhuma das interpretações anteriores. Esta interpretação, explicitada nas legendas, relaciona- se com as cores usadas: o facto não é branco nem é preto, é cinzento que é uma mistura das duas cores.
  19. 19. 2. R: O que se pretende transmitir com este cartoon é o facto de um acontecimento poder ter várias interpretações. 3. R: O cartoon pode relacionar-se com a profissão de jornalista porque este tem como missão levar até ao público os acontecimentos tal como eles são - de forma objetiva - e não como eles são interpretados por uns e por outros ou por ele próprio (sem dar opiniões).
  20. 20. Século XXII? Como irá ser a vida no século XXII? Irá a nossa sociedade evoluir de tal forma que as barreiras da tecnologia serão ultrapassadas? Irão as árvores ser desnecessárias para o processo de transformação do dióxido de carbono em oxigénio? Quem sabe... Há alguns séculos atrás, não tínhamos nem metade do que temos hoje em dia, falando de tecnologia e, no entanto, hoje não sobreviveríamos sem ela... Mas então e em termos ecológicos? Estamos ainda no início do século XXI e já nos debatemos com problemas particularmente preocupantes, como o buraco da camada do ozono ou o excesso de poluição no ar. Conseguiremos chegar ao ponto em que as máquinas façam o trabalho dos seres vivos? Ou iremos acabar como no desenho de Luís Afonso?
  21. 21. Ser filho é difícil. Mais difícil que ser pai. É raro ouvir-se falar de um "bom filho". Por alguma razão. Os filhos são sempre maus. Mamam e fogem. Sugam os pais até o tutano, dando-lhes cabo da paciência, da saúde e do orçamento e quando estão anafados e nutridos, licenciados e fresquinhos, chamam-lhes senis e dão o solex à primeira oportunidade. O que mais notabiliza o assassino português é já estar morto. Ou pelo menos preso. Os nossos homicidas matam-se e entregam-se mal estejam despachados. Os assassinos estrangeiros fazem questão de continuarem vivos. Combinam, premeditadamente, os seus crimes, planejam fugas, arranjam álibis, dão luta aos investigadores. Os nossos, está quieto. Os assassinos estrangeiros voltam ao local do crime: os portugueses nem sequer se dão ao trabalho de abandoná-lo. O PENSAMENTO VIVO DE MIGUEL ESTEVES CARDOSO
  22. 22. 1. Ao longo dos anteriores excertos da crónica nota-se um tom largamente crítico. Indica que críticas são tecidas. R: As críticas tecidas na crónica de Miguel Esteves Cardoso são várias: aponta o facto de os filhos se “aproveitarem” dos pais enquanto precisam deles e depois abandonarem- nos quando já são mais idosos; ou trata os portugueses por preguiçosos através da comparação dos assassinos portugueses aos estrangeiros: “Os nossos homicidas matam-se e entregam-se mal estejam despachados”.
  23. 23. 2. Explica por palavras tuas esta frase "quando estão anafados e nutridos, licenciados e fresquinhos". R: A frase “quando estão anafados, nutridos, licenciados e fresquinhos” chama a atenção para o facto de os jovens, depois de crescidos, criados e bem tratados, após terem tirado o curso e ainda terem a vida toda pela frente (“anafados”, “nutridos”, “licenciados”, “fresquinhos”) abandonarem os pais que tanto fizeram por eles.
  24. 24. Chamem a polícia e os GNR também Nem sempre a idade mais avançada é sinal de menor vitalidade ou falta de energia em palco. Dois veteranos, Sting e os GNR souberam perceber que num festival como o Rock in Rio seria necessário oferecer aos espectadores presentes (65 mil, no domingo) um sortido de êxitos... mexidos.
  25. 25. Uma apreciação crítica consiste em analisar quer os aspetos negativos quer os aspetos positivos do objeto em análise. Por exemplo, faz-se a crítica de um livro, de um filme, de um jogo, de uma peça de teatro, de um anúncio, de um desfile de moda, de um quadro, de um jornal, de um programa. É uma modalidade de texto expositivo-argumentativo. Os artigos de apreciação crítica podem ser de âmbito cultural, económico, político e social.
  26. 26. LINGUAGEM - Frases declarativas e exclamativas; - Título sugestivo; - Linguagem valorativa ou depreciativa; - Figuras de estilo OPINIÃO Opinião pessoal clara e precisa; justificada com argumentos objetivos. APRESENTAÇÃO Uma crítica integra sempre uma breve apresentação do objeto a ser criticado.
  27. 27. ESTRUTURA INTRODUÇÃO • referência ao tema que origina o texto, isto é, uma breve apresentação do objeto de apresentação. Deve ser breve e de modo a suscitar o interesse do leitor, colocando, por exemplo, questões pertinentes, sem lhes responder. DESENVOLVIMENTO • a apreciação crítica do texto é elaborada através da síntese de opiniões pessoais, com recurso à argumentação e com citações do texto-fonte. CONCLUSÃO • deve ser breve, clara, sintetizando, de forma expressiva e original, os argumentos mais importantes
  28. 28. À Procura de Nemo
  29. 29. O texto que a seguir te apresento é uma crítica sobre o filme À Procura de Nemo. Na parte inicial refere-se, em traços gerais, o conteúdo do filme. Os sublinhados correspondem à parte do texto em que o seu autor emite juízos de valor sobre o filme. Propõe-se que, da parte sublinhada, distingas o que é uma opinião e quais são os argumentos que a suportam.
  30. 30. À Procura de Nemo é um vencedor em toda a linha, tornou-se um fenómeno de bilheteiras em todo o mundo e é a única aposta certa para os Óscares deste ano. O filme aborda a relação entre Marlin e o seu filho Nemo, dois peixes que se veem separados por uma tragédia que só a força das suas vontades poderá superar. Nemo é pescado por um mergulhador, e enquanto o seu pai percorre meio oceano numa desvairada busca com probabilidades ínfimas de sucesso, Nemo tenta desesperadamente evadir-se do aquário de um dentista em que foi colocado. O tema central do filme é a relação de amor entre pai e filho, o primeiro traumatizado pelo desaparecimento da companheira e da restante família e o segundo inferiorizado pela deficiência de ter uma barbatana mais pequena do que o normal. E se o tema parece ser mais pesado do que o costume, […] a Pixar aliviou a densidade da película condimentando-a com toda uma panóplia de delirantes gags visuais e personagens humorísticas, […] que, mesmo assim, não escondem o facto deste ser o filme mais sombrio do estúdio, em que o humor não consegue sobrepor-se à sombra sempre presente da perda de um ente querido. Nesse
  31. 31. campo, Toy Story 2, também uma obra sobre a morte, ainda continua imbatível no seu equilíbrio absolutamente perfeito entre comédia e tragédia, capaz de gerar a alegria mais contagiante e a lágrima mais emocionada. Visualmente, À Procura de Nemo é extraordinário. Parece que a cada novo filme, a Pixar decide colocar-se um obstáculo quase impossível, que consegue sempre ultrapassar. Desta feita, a dificuldade foi dominar tudo o que envolvesse animação informática de objetos na água, e o resultado foi triunfal, com o filme a revelar um caleidoscópio de imagens coloridas verdadeiramente extasiante. Sem ser uma obra-prima (e não se pode exigir isso de todos os filmes), À Procura de Nemo é um grande filme para toda a família, capaz de fundir tragédia e comédia, com um argumento de enorme solidez e inteligência. E, nunca é demais sublinhá-lo, isso não tem nada a ver com computadores… Luís Salvado in revista Première, nº 51, Janeiro de 2004
  32. 32. Como redigir um artigo de apreciação crítica? 1. Regista em forma de tópicos: - os aspetos que mais gostaste; - os aspetos que menos gostaste; - os argumentos que fundamentam a tua apreciação. 2. Enumera os tópicos que registaste segundo a ordem que consideras mais coerente.
  33. 33. 3. Redige: - a introdução, apresentando o objeto em análise e a tua perspetiva crítica de forma reduzida; - o desenvolvimento, baseando-te na enumeração que fizeste e expondo os motivos que fundamentam a tua apreciação inicial; - a conclusão, expressando sumariamente as tuas considerações finais.
  34. 34. 4. Verifica: - se expressaste os pontos de vista que adotaste; - se encadeaste os tópicos e os argumentos de forma lógica; - se empregaste um vocabulário adequado à linguagem valorativa ou depreciativa que pretendes utilizar.

×