Climas2

537 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
537
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Climas2

  1. 1. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  2. 2. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia “Poucos países no mundo têm tanta responsabilidade com a preservação das biodiversidades regionais quanto o Brasil. Pelo fato de ter herdado grandes espaços físicos e ecológicos, de máxima riqueza em termos de diversidade biológica; acrescido o fato de termos podido manter, praticamente intactas, até a década dos 60, nossas grandes florestas tropicais úmidas do norte do país; temos o privilégio e o peso de uma herança que ultrapassa o nível de percepção de nossas elites políticas e tecnocratas (…).” AB’SÁBER, Aziz Nacib. Amazônia: proteção ecológica e desenvolvimento, com o máximo da floresta-em-pé. Revista do Instituto de Estudos Avançados. São Paulo: USP, 1993. p. 20. (Série Ciências Ambientais n. 14.)
  3. 3. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia “...na verdade (a paisagem) é uma herança em todo o sentido da palavra: herança de processos fisiográficos e biológicos, e patrimônio coletivo dos povos que historicamente as herdaram como território de atuação de suas comunidades.” AB’SABER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil. (2003)
  4. 4. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  5. 5. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Devido à inclinação do eixo terrestre, a faixa intertropical, recebe consideravelmente mais radiação solar do que as áreas mais próximas ao polo.
  6. 6. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  7. 7. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  8. 8. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia A temperatura diminui com o aumento da LATITUDE, uma vez que a fonte de calor é mais intensa no Equador e diminui no sentido dos polos
  9. 9. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Quanto maior a altitude, mais rarefeito torna-se o ar, ocorrendo também menor irradiação e, por consequência, menores temperaturas
  10. 10. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia A temperatura diminui em média 1°C a cada 180m de altitude. Isso ocorre porque o calor do ar é transmitido pelo solo aquecido por meio de irradiação solar.
  11. 11. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Faz frio em lugares altos porque a pressão do ar vai se tornando cada vez menor, fazendo o ar se expandir, retendo menos calor do sol. A altitude exerce grande influência sobre a temperatura. O calor é irradiado para cima, e a atmosfera aquece-se por irradiação.
  12. 12. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  13. 13. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografiahttp://www.unicerj.org.br/cgi-local/web/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=29&sid=43
  14. 14. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  15. 15. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografiahttp://www.unicerj.org.br/cgi-local/web/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=29&sid=43 Porque existem outros fatores que condicionam o clima: altitude, disposição do relevo, proximidade do mar, continentalidade etc.
  16. 16. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  17. 17. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  18. 18. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Outro exemplo, ocorre no estado de São Paulo, em um mesmo dia de verão nos municípios de Campos do Jordão e de Guarujá, os termômetros registraram temperaturas bem diferenciadas, isso porque Campos do Jordão está localizado a mais de 1.500 metros de altitude, enquanto Guarujá se encontra praticamente no nível do mar.
  19. 19. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  20. 20. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  21. 21. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Quanto mais próximo dos grandes corpos hídricos, menor será a variação da temperatura (MARITIMIDADE) e quanto mais distante das grandes massas líquidas maior será a variação da temperatura (CONTINENTALIDADE).
  22. 22. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  23. 23. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  24. 24. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia As correntes marítimas são massas menores de água que se deslocam por distintas direções, mantendo suas características de cor, salinidade e temperatura, isso quer dizer que elas não se misturam. Esse deslocamento é proveniente da ação dos ventos e também pelo movimento de rotação da Terra.
  25. 25. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  26. 26. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  27. 27. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  28. 28. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  29. 29. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  30. 30. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia •TEMPO→ se refere a uma escala muito menor. Características atmosféricas de determinado lugar em um momento específico. O tempo pode mudar em questão de horas, dias, semanas.
  31. 31. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia •CLIMA→ o conceito de clima envolve uma escala temporal mais ampla (Não inferior a 30 anos). Um extenso período de observações em que climatologistas verificam se determinados índices são constantes na maior parte do período estudado. •TEMPO→ se refere a uma escala muito menor. Características atmosféricas de determinado lugar em um momento específico. O tempo pode mudar em questão de horas, dias, semanas.
  32. 32. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia As massas de ar que se formam sobre o continente são secas (com exceção das formadas sobre áreas de densas florestas tropicais) As massas que se formam sobre os oceanos, por sua vez, são úmidas
  33. 33. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  34. 34. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia •mEa – atua principalmente na região NE, porém, conforme avança pelo interior do país a massa vai perdendo a umidade, por isso não causa chuvas significativas na porção norte do litoral nordestino. •mEc – é a massa que exerce maior influência no Brasil. •mTa – No litoral das regiões Sul e Sudeste, o encontro da mTa com as áreas elevadas da Serra do Mar, provoca chuvas orográficas ou de montanha. •mTc – No Brasil atua no Centro Oeste e noroeste das regiões Sul e Sudeste, onde ocorrem longos períodos de tempo quente e seco.
  35. 35. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia •mEa – perde um pouco a sua intensidade. •mEc – no inverso a mEc recua e sua ação fica restrita a Amazônia Ocidental. •mTa – aumenta de intensidade nos meses mais frios. •mTc – se forma no final do inverno e início da primavera. •mPa – massa que atua praticamente nas épocas frias (inverno). Algumas vezes pode chegar até a região amazônica.
  36. 36. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  37. 37. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia TUBELIS, A; NASCIMENTO, F. L. do. Meteorologia descritiva: fundamentos e aplicações brasileiras. São Paulo: Nobel, 1980. [Adaptado]. A dinâmica das massas de ar é um dos fatores que explica a caracterização climática de uma área. A leitura e a interpretação dos mapas indicam que o clima do território goiano é influenciado pela atuação da massa a) Equatorial continental durante o ano todo. b) Tropical atlântica no verão e Polar atlântica durante o inverno. c) Equatorial continental no verão e Equatorial atlântica no inverno. d) Tropical atlântica durante o ano todo. e) Equatorial continental no verão e Tropical atlântica no inverno
  38. 38. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia TUBELIS, A; NASCIMENTO, F. L. do. Meteorologia descritiva: fundamentos e aplicações brasileiras. São Paulo: Nobel, 1980. [Adaptado]. A dinâmica das massas de ar é um dos fatores que explica a caracterização climática de uma área. A leitura e a interpretação dos mapas indicam que o clima do território goiano é influenciado pela atuação da massa a) Equatorial continental durante o ano todo. b) Tropical atlântica no verão e Polar atlântica durante o inverno. c) Equatorial continental no verão e Equatorial atlântica no inverno. d) Tropical atlântica durante o ano todo. e) Equatorial continental no verão e Tropical atlântica no inverno Resposta certa: letra e
  39. 39. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia O planalto de Borborema (região Nordeste do Brasil) sofre intervenção direta do relevo no clima. Devido às maiores altitudes do planalto, a chegada de chuvas ao interior do Nordeste é dificultada, contribuindo para a ocorrência do clima semiárido.
  40. 40. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  41. 41. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia O contato do vapor de água com as temperaturas mais baixas das áreas de maior altitude leva à condensação do vapor e provoca as chamadas chuvas orográficas ou de relevo. Ao encontrarem um relevo de altitude mais elevada, as massas de ar sobem. Em contato com o ar atmosférico mais frio, o vapor de água transportado pela massa de ar úmida se condensa e pode ocorrer chuva. Ocorrem na serra do Mar.
  42. 42. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia No Sudeste, a mTa provoca chuvas de relevo quando entra em contato com a serra do Mar. Atua o ano todo. De forma geral ocorrem chuvas fracas e constantes.
  43. 43. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia A chuva de convecção ocorre quando o vapor de água ascende e, ao entrar em contato com camadas mais altas de ar frio, sofre condensação e se precipita.
  44. 44. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia As chuvas de convecção ocorrem quando o vapor produzido pela evaporação da água e pela evapotranspiração das plantas entra em contato com o ar frio e sofre condensação. Nas áreas de floresta, como na Amazônia ocidental, o processo de evaporação e evapotranspiração é intenso, o que torna comum a ocorrência de chuvas convectivas. Chuvas fortes.
  45. 45. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Ocorrem no encontro de massas de ar de características distintas (ar quente + ar frio). São caracterizadas por serem contínuas, apresentarem intensidade baixa a moderada, abrangem grande área.
  46. 46. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  47. 47. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  48. 48. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  49. 49. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Climograma é uma forma de representação gráfica do clima, o qual permite de uma maneira simples e eficaz a verificação da sazonalidade climática de determinada região.
  50. 50. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Climograma é uma forma de representação gráfica do clima, o qual permite de uma maneira simples e eficaz a verificação da sazonalidade climática de determinada região. Um climograma tem duas ordenadas: uma à esquerda, onde normalmente são representadas as precipitações, e outra à direita, onde são marcadas as temperaturas. No eixo das abscissas são assinalados os meses do ano.
  51. 51. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Climograma é uma forma de representação gráfica do clima, o qual permite de uma maneira simples e eficaz a verificação da sazonalidade climática de determinada região. Um climograma tem duas ordenadas: uma à esquerda, onde normalmente são representadas as precipitações, e outra à direita, onde são marcadas as temperaturas. No eixo das abscissas são assinalados os meses do ano. TEMPERATURAS são representadas por uma linha e as PRECIPITAÇÕES são representadas por barras.
  52. 52. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - GeografiaPágina 9 da Apostila. Climograma de Cuiabá. COMO ANALISAR UM CLIMOGRAMA ? CHUVAS -Deve-se observar o total de precipitações -Sua distribuição ao longo do ano -Meses mais chuvosos e menos chuvosos -Se há períodos sem precipitações (secas) TEMPERATURAS -Mês com a temperatura mais elevada -Mês com a temperatura menos elevada -Amplitude Térmica *OBS: Se a localidade está no Hemisfério Sul, os meses mais quentes serão entre dezembro e Março; no Hemisfério Norte, serão entre Junho e Setembro.
  53. 53. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia (Ufscar) Os climogramas referem-se a três localidades de diferentes partes do mundo. A sua análise permite afirmar que: a) na localidade I, o inverno apresenta grande pluviosidade, sendo característico do clima mediterrâneo. b) nas localidades II e III, a amplitude térmica é pequena, característica de climas equatoriais. c) a menor amplitude térmica está na localidade II e a maior amplitude pluviométrica está na localidade I. d) o pequeno volume pluviométrico do inverno, na localidade III, caracteriza o clima monçônico. e) os climogramas das localidades I e II referem-se a climas do hemisfério norte e o climograma da localidade III, a clima do hemisfério sul.
  54. 54. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia (Ufscar) Os climogramas referem-se a três localidades de diferentes partes do mundo. A sua análise permite afirmar que: a) na localidade I, o inverno apresenta grande pluviosidade, sendo característico do clima mediterrâneo. b) nas localidades II e III, a amplitude térmica é pequena, característica de climas equatoriais. c) a menor amplitude térmica está na localidade II e a maior amplitude pluviométrica está na localidade I. d) o pequeno volume pluviométrico do inverno, na localidade III, caracteriza o clima monçônico. e) os climogramas das localidades I e II referem-se a climas do hemisfério norte e o climograma da localidade III, a clima do hemisfério sul. Resposta certa: letra e
  55. 55. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia http://professoralexeinowatzki.webnode.com.br/climatologia/chuvas/ http://geoprotagonista.blogspot.com.br/2014/03/a-acao-do-planalto-da-borborema-no.html http://sesi.webensino.com.br/sistema/webensino/aulas/3070_166/058_ENS_FUN_F05_05/para_comeco_de_conversa.html http://slideplayer.com.br/slide/1223193/ http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://images.slideplayer.com.br/3/1223193/slides/slide_68.jpg&imgrefurl=http://sli deplayer.com.br/slide/1223193/&h=720&w=960&tbnid=q6M4yJf0cM51UM:&zoom=1&docid=ErZFvXuFGyE2rM&ei=hShiVfL8FtD fggSWyYG4AQ&tbm=isch&ved=0CB0QMygBMAE http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/blog-do-clima/files/2013/08/efeitos-mudancas-climaticas-brasil-pbmc1.jpg

×