América central

2.409 visualizações

Publicada em

América Central

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.409
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
160
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

América central

  1. 1. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Uma ponte entre o NORTE e o SUL
  2. 2. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia A América Central possui muitos aspectos naturais exclusivos que a diferenciam do restante do continente americano. Tem como principal característica o fato de que se divide em duas porções: uma continental e outra insular.
  3. 3. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  4. 4. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia A parte continental da América Central forma um istmo, uma estreita e alongada faixa que liga as terras do Norte e do Sul.
  5. 5. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Um istmo é uma porção de terra estreita cercada por água em dois lados e que conecta duas grandes extensões de terra. O istmo mais famoso é sem dúvida o istmo através do qual passa o Canal do Panamá e que conecta a América do Norte à América do Sul.
  6. 6. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Canal do Panamá
  7. 7. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Istmo de Corinto - Grécia
  8. 8. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  9. 9. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  10. 10. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia A América Central Insular ou Antilhas é a porção da América Central que se encontra dividida entre diversas ilhas.
  11. 11. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Um país insular é um Estado independente cujo território é composto de uma ilha ou grupo de ilhas.
  12. 12. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Podem ser classificadas segundo três critérios: Origem: artificiais ou naturais.
  13. 13. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Podem ser classificadas segundo três critérios: Origem: artificiais ou naturais. Localização: oceânicas (distantes da costa) e continentais (já estiveram ligadas ao continente e ainda estão perto da costa ou sobre a plataforma continental).
  14. 14. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Podem ser classificadas segundo três critérios: Origem: artificiais ou naturais. Localização: oceânicas (distantes da costa) e continentais (já estiveram ligadas ao continente e ainda estão perto da costa ou sobre a plataforma continental). Formação: vulcânicas (constituídas pela lava de vulcões oceânicos), ilhas de corais (constituídas por recifes ou atóis), ilhas de barreira (criadas por depósitos de sedimentos), flúvio-marinhas (formadas por sedimentos levados pelos rios ao mar) e continentais litorâneas (com constituição geológica parecida com a do continente mais próximo). As artificiais são antrópicas, pois foram construídas pelo homem.
  15. 15. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  16. 16. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  17. 17. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  18. 18. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  19. 19. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  20. 20. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Ilhas artificiais em Dubai.
  21. 21. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Os arquipélagos que compõem a América Central insular formam um arco de ilhas que se estendem do sul da Flórida ao norte da Venezuela. Dividem-se em três grupos: as Grandes Antilhas, as Pequenas Antilhas e as Bahamas.
  22. 22. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia É composta pelos seguintes países: Bahamas, Cuba, Jamaica, Haiti, República Dominicana, São Cristóvão e Nevis, Antígua e Barbuda, Santa Lúcia, Barbados, São Vicente e Granadinas, Granada e Trinidad e Tobago.
  23. 23. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia E ainda pode ser dividida em Grandes Antilhas, que são as grandes ilhas do Mar do Caribe, e Pequenas Antilhas, que são as ilhas caribenhas menores.
  24. 24. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  25. 25. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  26. 26. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia As Bahamas são formadas por ilhas coralíneas, de enorme extensão, relativamente planas (de baixa altitude). Essas características naturais favorecem a formação de lagos, pântanos e manguezais, intercalados com florestas.
  27. 27. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  28. 28. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  29. 29. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  30. 30. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Já as Grandes Antilhas são ilhas de origem sedimentar. Na verdade, essas ilhas eram um prolongamento das planícies centrais dos EUA. Na fase de formação do continente o nível dos oceanos oscilava muito e há aproximadamente 1 bilhão de anos o mar encobriu uma grande parte doo sul da América do Norte, que hoje forma o Golfo do México.
  31. 31. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Algumas terras ficaram acima do nível do mar e e formaram um punhado de ilhas baixas e aplainadas, propícias à pratica da agricultura.
  32. 32. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  33. 33. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia As Pequenas Antilhas, em sua maior parte, constituem o topo de vulcões submarinos, que se formaram com a colisão das placas tectônicas.
  34. 34. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia As Pequenas Antilhas, em sua maior parte, constituem o topo de vulcões submarinos, que se formaram com a colisão das placas tectônicas. São 18 vulcões, que deram origem a uma das mais paradisíacas regiões do mundo. A ilha de Saba pode ser um verdadeiro pesadelo para seus 1,2 mil habitantes em apenas 13 quilômetros quadrados de extensão. Nos últimos 150 anos, a ilha de Saba, foi atingida por mais furacões do que qualquer outra região do planeta. Se não bastasse, ocorreram quinze tempestades de categoria 3 e sete de categoria 5, índices relativamente altos, que marcaram ventos de mais de 250 km/h.
  35. 35. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Este era o único lugar onde era possível construir um aeroporto na Ilha de Saba, no Caribe. Fotos dos aeroportos mais perigosos e incríveis do mundo
  36. 36. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  37. 37. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia -Na faixa central aparecem grandes elevações de origem cenozoica com vulcões ativos e sismos; -na faixa leste aparecem planícies largas e, -na faixa oeste, planícies mais estreitas.
  38. 38. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  39. 39. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia clima quente que abrange a região próxima aos trópicos de Câncer e de Capricórnio. Podemos dividi-lo em dois tipos diferentes: o clima tropical úmido e o tropical seco
  40. 40. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia As áreas mais baixas são mais quentes e por isso favorecem a produção de: -cana-de-açúcar, -banana e -cacau; As áreas intermediárias apresentam temperaturas mais brandas, sendo adequadas para: -a produção de café, -algodão, -milho As áreas mais altas são mais frias, sendo apropriadas para a produção de: -trigo e -milho. Essa variedade de climas possibilita produções agrícolas típicas de diferentes zonas climáticas.
  41. 41. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Economia fundamentada na agricultura, destacando-se o café, o cacau, a banana e o algodão como os seus principais produtos.
  42. 42. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia República das bananas é um termo pejorativo para um país, normalmente latino-americano, politicamente instável, submisso a um país rico e frequentemente com um governador corrompido e opressor. Sua economia é em grande parte dependente da exportação de um único produto limitado de recursos, tais como bananas. O termo foi cunhado por O. Henry, um humorista e cronista estadunidense.
  43. 43. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  44. 44. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  45. 45. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  46. 46. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  47. 47. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Os furacões são especialmente comuns no Mar do Caribe. Essas grandes tempestades tropicais formam-se em razão do forte aquecimento do Atlântico.
  48. 48. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografiahttp://vidaeestilo.terra.com.br/turismo/internacional/fuja-deles-veja-paises-com-maior-risco-de-desastres-naturais,0e58392625237310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html
  49. 49. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia 1) VANUATU É um pequeno arquipélago do pacífico, que faz parte do conjunto de ilhas da região das Novas Hébridas. Vanuatu fica próximo às Ilhas Salomão e Fiji. Composto por 83 ilhas, o arquipélago tem dezenas de vulcões ativos, tantos terrestres quanto submarinos. O grande perigo de se passar férias em Vanuatu é se deparar com uma erupção no meio do passeio. Segundo o relatório da ONU, Vanuatu não é o país que apresenta a maior chance de ocorrência de desastres naturais, mas sim o que apresenta chance elevada e, aliado à falta de infraestrutura, dificulta o gerenciamento de situações de emergências. 2) TONGA Integrante da Polinésia, este território foi descoberto por holandeses em 1616. Hoje, é um país turístico e suas principais atrações são o mergulho, surfe e o campismo. Assim como Vanuatu, Tonga possui pouca infraestrutura, o que dificulta o socorro em caso de eventos naturais adversos. Com solo de pedras calcárias, as ilhas de Tonga apresentam erupções vulcânicas intensas. Um dos maiores vulcões de Tonga, com 515 metros de altura e 5 km de largura, situa-se na ilha de Tofu. Sua última erupção ocorreu em março de 2009. 3) FILIPINAS As Filipinas são formadas por 7107 ilhas, com uma área de quase 300 mil Km². A região é atingida pelos mais variados eventos naturais por causa da volatilidade climática existente. Nos últimos anos, as tempestades estão se tornando cada vez mais intensas, gerando prejuízos aos agricultores e ao turismo local. Furacões e grandes tempestades costumam castigar o país ano após ano e a população local vem lutando para ter um sistema eficaz que os ajude a lidar com os problemas. Na última década, o país vem contando com a ajuda de ONGs e até da ONU para o desenvolvimento de estratégias que diminuam o número de vítimas após os desastres naturais. 4) ILHAS SALOMÃO Localizadas na mesma região de Vanuatu, também possui grande atividade vulcânica e ainda lida com um fator adicional: a baixa altitude. Com o aumento do nível do mar, boa parte do litoral das Ilhas Salomão será engolida pelo oceano. Com um cenário deslumbrante, este paraíso tem que lidar com a força da natureza o tempo inteiro. 5) GUATEMALA Localizado na América Central, este país também possui uma paisagem deslumbrante. Assim como os demais países, este também sofre com a grande quantidade de vulcões, que chegam a atingir os incríveis 4 mil metros, como é o caso do vulcão Tajumulco. Além dos vulcões, é comum a ocorrência de furacões devastadores na região. Somando-se isso à quantidade de chuvas, o país é um dos mais perturbados pelos desastres naturais no mundo. 6) BANGLADESH Este pequeno país asiático é vizinho da Índia e conhecido pelos desastres naturais e confrontos políticos. Próximo ao trópico de câncer, o país é influenciado diretamente pelos clima subtropical das monções. A principal característica da região é a ocorrência de chuvas intensas e grande umidade. Ciclones extratropicais e inundações são comuns em Bangladesh. 7) TIMOR LESTE Conhecido pelos conflitos das últimas décadas, o Timor Leste sofre com a pobreza e com a fúria da natureza. Também localizado na região das monções, enfrenta chuvas frequentes e, pela falta de infraestrutura, a situação da população se agrava com qualquer tipo de ocorrência fora do normal. 8) COSTA RICA Localizado na América Central, possui uma das faixas mais estreitas do continente. Tomada por cordilheiras, a região é formada por vulcões, dos quais alguns ainda estão ativos. Pela localização geográfica, o país é atingido constantemente por terremotos, furacões e tempestades tropicais. 9) CAMBOJA Localizado na região da Indochina, faz fronteira com a Tailândia e Laos. É um país muito povoado e que enfrenta anualmente as inundações do terreno. De setembro a outubro, o país sofre com o maior volume de precipitação, mas entre novembro e março, a seca se faz presente em boa parte do país. Um dos principais perigos do país são os tufões, muito comuns na região. 10) EL SALVADOR Localizado na América Central, enfrenta os mesmos problemas de Guatemala e Costa Rica. Seu território é ocupado por diversos vulcões ativos, como o Santa Ana, San Vicente e Conchagua. A região também faz parte da rota dos furacões, que costumam causar grandes estragos. Além disso, o país está localizado em uma região propensa ao surgimento de terremotos, o que o coloca na décima posição dos países que mais sofrem com os desastres naturais.
  50. 50. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  51. 51. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  52. 52. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Novo Mapa das temperaturas dos oceanos
  53. 53. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Um novo mapa global sobre as temperaturas que ocorrem nos diversos cantos dos oceanos é tão deslumbrante que ele poderia ser confundido com uma obra de arte. Os redemoinhos que podem ser visualizados na imagem, lançado no início deste mês pelo Los Alamos National Laboratory , retratam as temperaturas da superfície global da água. E a imagem resultante é linda. As áreas azuis demonstram temperaturas frias, as partes com tonalidades vermelhas indicam que são as temperaturas mais quentes. O mapa mostra também uma clara divisão entre o Hemisfério Norte e o Hemisfério Sul, com pequenos detalhes, incluindo as regiões que concentram um oceano com a temperatura mais elevada ao lado da Corrente do Golfo, no Oceano Atlântico, e a água quente na região do Mediterrâneo. A simulação é chamada de Modelo de Previsão através de escalas Oceânicas (MPAS-O). É um modelo de resolução variável, o que significa que os pesquisadores podem facilmente utilizar os dados sobre a resolução da simulação em escalas regionais (onde eles têm maiores dados). Na verdade, o mapa tem uma resolução de 9 milhas (15 km) no Atlântico Norte e 47 milhas (75 km) em outros lugares. A simulação vai ajudar os pesquisadores a entender um pouco mais sobre as temperaturas que variam no oceano, o que faz aumentar a temperatura de cada região e a complexidade do clima. A capacidade do modelo para simular remoinhos – pequenas bolsas de água que rompem com a corrente principal e ajudam a mover o transporte de calor pelos oceanos, ajudarão a modelar com precisão os efeitos da mudança climática. O modelo está sendo desenvolvido com recursos provenientes de 14 instituições de pesquisa dos Estados Unidos, incluindo oito laboratórios nacionais. Dentro de alguns anos, serão criados os supercomputadores mais avançados do país, que irão responder a perguntas em três áreas referentes às mudanças climáticas: o ciclo da água na Terra, a biogeoquímica e a criosfera (as regiões cobertas de gelo do planeta). http://climatologiageografica.com/novo-mapa-das-temperaturas-dos-oceanos/
  54. 54. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia 1.Troca de calor - A radiação solar aquece as camadas superiores do oceano. Em resposta, o resfriamento evaporativo cria ar úmido aquecido, que sobe 2.Chuvas Torrenciais - O vapor em ascensão se condensa, produzindo fortes chuvas que liberam calor, o qual, por sua vez, suga o ar ascendente, que se transforma em chuvas torrenciais e em nuvens de tempestade. 3.Tempestade de Relâmpagos - Uma perturbação atmosférica que varre a área ajuda a formar uma zona de baixa pressão (L) na superfície do oceano, que permite a entrada de mais ar úmido. Os ventos e as tempestades de relâmpagos formam um sistema que começa a circular devido à ação das forças de Coriolis criadas pela rotação da Terra. Ventos altos convergentes se acoplam com o ar ascendente, estabelecendo um centro de baixa pressão – o olho do furacão. 4.Ciclone - O ar ascendente se torna mais seco à medida que ganha energia. Parte dele mergulha de volta no olho e entre tempestades de relâmpagos adjacentes; o ar restante espirala para fora e desce por vários quilômetros. Os ciclones podem aumentar a evaporação do oceano numa ordem de grandeza comparável à dos ventos alísios normais, misturando as camadas superiores da água e produzindo um resfriamento efetivo das temperaturas da superfície do oceano, o qual pode chegar a 5ºC.
  55. 55. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia O ar quente e úmido proveniente da superfície do oceano começa a se elevar rapidamente.
  56. 56. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia À medida que esse ar quente se eleva, seu vapor d´água se condensa para formar nuvens de tempestade e gotas de chuva.
  57. 57. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia A condensação libera calor e aquece o ar frio nas alturas, fazendo com que ele suba.
  58. 58. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia O ar que se eleva é substituído por mais ar quente e úmido proveniente do oceano abaixo. Esse ciclo continua, arrastando mais ar quente e úmido e movendo calor da superfície para a atmosfera.
  59. 59. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  60. 60. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  61. 61. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  62. 62. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  63. 63. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  64. 64. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Essa parte do planeta recebe os furacões vindos do oceano, em razão do rápido aumento das temperaturas, variações atmosféricas e alto índice de umidade que entra no continente.
  65. 65. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Entre os principais fatores pode-se citar: -a elevada temperatura das águas oceânicas superficiais, -a forte ação do efeito Coriolis e a localização entre 10° e 20° de latitude.
  66. 66. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia 28/08/2005 - 19h43 Piores furacões na América Central, Caribe, EUA e México Miami, 28 ago (EFE).- O furacão Katrina, cuja passagem espalhou o medo em Nova Orleans, onde as autoridades ordenaram a evacuação obrigatória e imediata da cidade, tem a categoria dos potencialmente mais destrutivos. O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, com sede em Miami, deu ao furacão a categoria 5, a máxima da escala Saffir-Simpson. Hoje, Katrina estava cerca de 240 quilômetros ao sul do delta do Mississippi. Até o momento, o pior fenômeno do tipo registrado desde 1900 na América Central e no Caribe é o furacão Mitch, que matou mais de 10.000 pessoas em outubro de 1998. Três milhões de pessoas foram atingidas por Mitch, e as muitas perdas econômicas desencadearam uma grande operação de ajuda internacional. Os furacões mais destrutivos no Caribe, América Central, EUA e Golfo do México desde 1980 foram: - Agosto 1980.- Furacão Allen, no Caribe. Deixou cerca de 100 mortos e 200.000 pessoas foram evacuadas. - 28 setembro 1980.- Ciclone Herminia, no México. Causou 30 mortes e deixou 175.000 desabrigados, além dos vários prejuízos agrícolas. - 1983.- Furacão Alicia. Costa do Golfo do México. Deixou 22 mortos e US$ 1,3 bilhão em perdas. - Setembro 1984.- Furacão Odilia, em Acapulco (Guerrero, México). Deixou 40 mortos e centenas de desaparecidos. - Novembro 1985.- Furacão Kate. Golfo do México, Panamá, Cuba, Jamaica e Flórida (EUA). Deixou 15 mortos e milhares de pessoas foram evacuadas. - 10 setembro 1988.- Furacão Gilbert. Atingiu o sudeste do México, Jamaica, Guatemala, Nicarágua, Texas (EUA) e Cuba, e deixou 350 mortos e US$ 8 bilhões em perdas. -Outubro 1988.- Furacão Juana, na Nicarágua. Causou 340 mortes e deixou meio milhão de desabrigados. -16 de setembro de 1989.- Hugo atingiu Porto Rico, causando cerca de dez mortes e US$ 600 milhões em perdas. -23/26 agosto 1992.- Furacão Andrew. Atingiu o arquipélago de Bahamas, Flórida e Luisiana (EUA), com o resultado de 44 mortos e US$ 30 bilhões em danos materiais. 16/23 setembro 1993.- Furacão Gert, na América Central - especialmente Honduras e Nicarágua - e México. Causou 100 mortes e deixou 200.000 desabrigados. Na passagem pelo México, deixou 29 mortos, 125 desaparecidos e - 16 setembro 1995.- Furacão Marilyn, nas Ilhas Virgens e Porto Rico (EUA). Quatro pessoas morreram. - 3/5 outubro 1995.- Furacão Opal. Atingiu a costa do sudeste e Golfo do México, Flórida, Alabama e Geórgia (EUA), com o saldo de 35 mortos e 150.000 desabrigados. 13/16 outubro 1995.- Furacão Roxana, no Golfo do México e estados de Tabasco, Campeche, Yucatán e Quintana Roo. Deixou 21 mortos, 22 desaparecidos e 40.000 desabrigados. -25 junho 1996.- Furacão Alma, em Michoacán (México). Sua passagem deixou quatro mortos e 1.500 desabrigados. - 28 julho 1996.- Furacão César, na América Central. Causou 60 mortos, 12 feridos e US$ 60 milhões em perdas. 24 agosto 1996.- Furacão Dolly, no Golfo do México. Quatro mortos e 12.000 desabrigados. -10 setembro 1996.- Furacão Hortensia, em Porto Rico. Sua passagem deixou 14 mortos, 10 desaparecidos e 2.000 evacuados. -13 setembro 1996.- Furacão Fausto, nos estados de Sinaloa e Sonora (México). Houve um morto e 4.000 desabrigados. -17 outubro 1996.- Furacão Lili, em Honduras e Cuba. Deixou seis mortos e 2.000 desabrigados, além de US$ 500 milhões em perdas materiais em Cuba. -20 novembro 1996.- Furacão Marco, em Honduras, Guatemala e Costa Rica. Causou 12 mortes. -9 outubro 1997.- Furacão Pauline, em Acapulco e estados de Chiapas e Oaxaca (México), com o saldo de 210 mortos e 150.000 desabrigados. - 3 setembro 1998.- Furacão Earl, no nordeste da Flórida. Deixou um morto e três desaparecidos. - 21-26 setembro 1998.- Furacão Georges causa a morte de mais de 350 pessoas na passagem pelo Haiti e República Dominicana - onde fez a maioria das vítimas -, Cuba, Porto Rico e sul da Flórida. Danos avaliados em milhões de dólares e centenas de milhares de pessoas desabrigadas. - 26-31 outubro 1998.- Furacão Mitch, o pior do século, deixa mais de 10.000 mortos, 12.000 desaparecidos, cerca de 3 milhões de desabrigados e grandes danos materiais na América Central. Honduras e Nicarágua foram os países mais afetados, mas Guatemala, El Salvador, Panamá, Costa Rica e Belize também sofreram graves danos. - 6/7 setembro 1999.- Furacão Greg. Onze mortos e milhares de desabrigados nos estados mexicanos de Oaxaca e Michoacán, e na Cidade do México.
  67. 67. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia - 14/16 setembro 1999.- Furacão Floyd. Quarenta e cinco mortos em uma grande faixa do nordeste dos EUA, principalmente na Carolina do Norte e Nova Jersey. - 21 fevereiro 2000.- Furacão Carlotta. Oito mortos no México e 10.000 desabrigados nos estados de Chiapas, Tabasco e Guerrero. - 26 de setembro 2001.- Furacão Juliette. Seis mortos e milhares de desabrigados em vários estados do México. - 9 de outubro 2001.- Furacão Iris. Vinte e três mortos, 20 deles no Belize, e mais de 100.000 evacuados na América Central e no México. - 2-5 de novembro 2001.- Furacão Michelle, em Honduras, Nicarágua e Cuba. Deixou 25 mortos, 26 desaparecidos e 732.000 evacuados, em sua imensa maioria em Cuba. - 24 setembro 2002.- Furacão Isidoro. Oito mortes e 150 desaparecidos no sudeste do México. - 29 agosto 2003. Furacão Ignacio. Deixou seis mortos e um desaparecido no norte do México. - 18-19 de setembro 2003.- Furacão Isabel. Deixou 28 mortos e danos superiores aos US$ 2 bilhões na costa leste dos Estados Unidos. - 22-23 setembro 2003.- Furacão Marty. Deixou cinco mortos, oito desaparecidos, 17.000 desabrigados e várias perdas materiais nos estados mexicanos de Baixa Califórnia Sul, Sinaloa e Sonora. - 13-14 agosto 2004.- Furacão Charlie. Causou 27 mortes, quatro deles em Cuba e 23 na Flórida (EUA), além de centenas de milhares de desabrigados e danos avaliados em US$ 17,5 bilhões. - 7 setembro 2004.- Furacão Frances, nas ilhas Bahamas, Flórida e Geórgia (EUA), deixou 16 mortos. - 10-15 setembro 2004.- O furacão Ivan deixa 82 mortos na sua passagem pelo Caribe, sul dos EUA e norte da Venezuela. A maior parte das vítimas eram de Granada e Jamaica. - 17 setembro 2004.- Tempestade tropical Jeanne. ONU cifra em pelo menos 1.330 os mortos e 1.056 os desaparecidos no Haiti, seis mortos na Flórida e pelo menos 22 na República Dominicana. Além disso, deixou mais de mil feridos e mais de 250.000 desabrigados na região. - 12 julho 2005.- O furacão Dennis deixa 45 mortos, 16 desaparecidos e 15.000 desabrigados no Haiti, onde chegou após deixar um saldo de 8 mortos no sudeste dos EUA - principalmente na Flórida. Em Cuba, Dennis deixou 16 mortos e danos materiais superiores aos US$ 1,4 bilhão. - 18 julho 2005.- Furacão Emily deixa cinco mortos na Jamaica e um em Granada, com fortes chuvas e ventos de mais de 250 km/h, antes de continuar sua trajetória para a península mexicana de Yucatán. - 25/27 agosto 2005.- Furacão Katrina deixa nove mortos e vários danos no sul da Flórida, antes de seguir em direção a Louisiana.
  68. 68. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - GeografiaTrajetória do Furacão Katrina O Furacão Katrina causou aproximadamente mil mortes, sendo um dos furacões mais destrutivos a ter atingido os Estados Unidos.
  69. 69. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  70. 70. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia http://www.infoescola.com/geografia/clima-tropical/ http://zipbox.com.br/fotos-dos-aeroportos-mais-perigosos-e-incriveis-do-mundo.html http://www.macacovelho.com.br/8-ilhas-mais-perigosas-do-mundo/ http://www.escolakids.com/eras-geologicas.htm http://www.infoescola.com/geografia/era-cenozoica/ http://educacao.uol.com.br/disciplinas/geografia/eras-geologicas-tabela-mostra- transformacoes-na-terra.htm http://www.guiageo-mapas.com/imagens/mapa-mundi.jpg http://www2.uol.com.br/sciam/reportagens/oceanos_mais_quentes_furacoes_mais_violentos. html

×