O princípio de todas as coisas

18.174 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
18.174
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
137
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O princípio de todas as coisas

  1. 1. O PRINCÍPIO DE TODAS AS COISASOs pré-socráticos
  2. 2. Os primeiros filósofos procuravam aracionalidade constitutiva do Universo; elesprocuravam explicar como, diante damudança(devir) podemos encontrar estabilidade,como diante do plural descobrimos o uno. Ao se perguntarem como era possível surgir ocosmo do caos, os filósofos buscam a arkhé, ouseja, o elemento constitutivo de todas as coisas.Cada filósofo tinha a sua ideia de arkhé:
  3. 3. TALES DE MILETO(640-548 A.C.) A arkhé é a água. No Egito, Tales observou que os campos ficavam fecundos após serem inundados pelo Nilo. Tales então viu que o calor necessita de água, que o morto resseca, que a natureza é úmida, que os germens são úmidos, que os alimentos contêm seiva, e concluiu que o princípio de tudo era a água. É preciso observar que Tales não considerava a arché água como nosso pensamento de água líquida, e sim, na água em todos os seus estados físicos. Tudo, então, seria a alteração dos diferentes graus desta. Aristóteles atribuiu a Tales a idéia de uma causa material como origem de todo o universo. “... a água é o princípio de todas as coisas...”
  4. 4. ANAXIMANDRO (640-547 A.C) Matéria indeterminada, ilimitada. O elemento primordial não poderia ser um dos elementos visíveis, teria que ser um elemento neutro, que está presente em tudo, mas está invisível. Anaximandro foi um o que mais se diferenciou na sua concepção da arché por não a ver como um elemento determinado, material. Considerava o infinito como o princípio das coisas, e o chamou de apeíron. Explica que as coisas nascem do infinito através de um processo de separação dos contrários (seco-úmido). “... o ilimitado é imortal e indissolúvel...”
  5. 5. HERACLITO (SÉC. VI-V A.C.) Tudo flui, e tudo que é fixo é ilusão. “Não nos banhamos duas vezes no mesmo rio”. "O fogo transforma-se em água, sendo que uma metade retorna ao céu como vapor e a outra metade transforma-se em terra. Sucessivamente, a terra transforma-se em água e a água, em fogo." Mas Heraclito era mobilista e afirmava que todas as coisas estão em movimento como um fluxo perpétuo. Ou seja, usa o fogo apenas como símbolo de todo este movimento. Heraclito imaginava a realidade dinâmica do mundo sob a forma de fogo, com chamas vivas e eternas, governando o constante movimento dos seres.
  6. 6. PARMÊNIDES (544-450 A.C) O ser real é imóvel, imutável e o movimento é uma ilusão. “Nada nasce do nada e nada do que existe se transforma em nada”. Com isso quis dizer que “tudo o que existe sempre existiu”. Sobre as transformações que se pode observar na natureza: ”Achava que não seriam mudanças reais”. De acordo com ele, nenhum objeto poderia se transformar em algo diferente do que era.
  7. 7. PITÁGORAS(SÉC. VI A.C.) O número é a essência de tudo. Todo cosmo é harmonia porque é ordenado por número. Interessava-se pelo estudo das propriedades dos números - para ele o número (sinônimo de harmonia) era considerado como essência das coisas - é constituído então da soma de pares e ímpares, noções opostas (limitado e ilimitado) respectivamente números pares e ímpares expressando as relações que se encontram em permanente processo de mutação. Teriam chegado à concepção de que todas as coisas são números. “... o princípio das matemáticas é o princípio de todas as coisas...”
  8. 8. FRASES PARA ESCREVER: Nada é permanente, exceto a mudança. Heraclito Escuta e serás sábio. O começo da sabedoria é o silêncio. Pitágoras

×