Aula 3 neuroanatomia parte 1

6.934 visualizações

Publicada em

1 comentário
6 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.934
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
175
Comentários
1
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 3 neuroanatomia parte 1

  1. 1. Neurônios Composição: ◦ Dendritos ◦ Corpo Celular ◦ Axônio Forma: ◦ Muito variada (depende do local)Neurônios:Neurônios: são células individuais do SN que recebem, integram e transmitem informação – permite comunicação dentro do sistema nervoso. nervoso. Principal Função:Composição: ◦Transmissão de ◦ Dendritos – são as partes de um neurônio especializadas impulsos nervosos. em receber informação. ◦ Corpo Celular- ou soma contém o núcleo da célula e muito Impulso nervoso: modificações de energia de natureza nervoso: maquinário químico comum a muitas células. elétrica ou química. ◦ Axônio – é uma fibra longa e fina que transmite sinais do Os impulsos nervosos que circulam nos nervos corpo celular a outros neurônios ou músculos ou glândulas. Envoltos pela bainha de mielina (isolante derivado das denomina-se de Influxo Nervoso. Nervoso. células gliais). ◦ O axônio termina em um aglomerado de botões sinápticos A informação é recebida pelos dentritos, é passada terminais, pequenas protuberâncias que segretam através do soma e ao longo dos axônios, e é neurotransmissores. transmitida aos dentritos de outras células nos pontos de encontro chamadas sinapses. 1
  2. 2. O corpo celular está coberto por uma finamembrana e, inclui o núcleo (central de Principal Função Gerar e Conduzir o Função:energia) potencial de ação (impulsos nervosos). Funções: O que é? É a fibra principal de saída ◦ Receber estímulos de outros neurônios Tamanho: Tamanho varia de 1 milímetro a 1 metro, do ◦ Conduzir informações ao corpo celular corpo celular ás terminais axônicas (ou telodendritos), onde se situam os botões. Alguns estão cobertos de uma substância branca (matéria gorda – Bainha de Mielina). Outros apenas são constituídos pela substância cinzenta. 2
  3. 3. CÉLULAS DA GLIAPara sobreviver necessitam de: ◦ Oxigênio ◦ Glicose Formação: Estão todos presentes no momento do nascimento mas o desenvolvimento físico nascimento, provocará o seu crescimento e desenvolvimento de do nº de axônios e dendritos. Fornecimento: pelas células Gliais ou de Glia, Gliais, que alimentam, isolam e controlam o crescimento dos neurônios. Falta de Alimento: é fatal e irreversível irreversível. Substituição: Não se dividem nem se reproduzem http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso2.asp#neurotransmissores ESTRUTURA BÁSICA DO NEURÔNIO DENDRITOS AXÔNIOCORPO CELULAR Bainha de mielina Núcleo Neurônios Aferentes (ou sensoriais): Célula de ◦ Recolhem e transmitem a informação da Schwann periferia à Medula Espinhal e ao Cérebro. Axônio Neurônios de Conexão (ou associação): ◦ Interpretam informações e elaboram as Bainha de Nódulo de respostas. mielina Ranvier Neurônios Eferentes (ou motores): ◦ Transmitem informação do SNC aos órgãos efetores (músculos ou glândulas) 3
  4. 4. TIPOS DE NEURÔNIOS NEURÔNIO SENSORIAL CORPO CELULAR CORPO CELULAR Captação Condução Condução Os terminais Transmissão do Estímulo à Soma aos axônicos ao axônio (pelas (pelas terminais aproximam-se das (pelo corpo Direção da condução dendritos) dendritos) axônicos dentritos receptores celular) AXÔNIO (pelo NEURÔNIO ASSOCIATIVO axônio) Inicio daDENDRITOS SINAPSE AXÔNIO CORPO CELULAR AXÔNIO NEURÔNIO MOTOR DENDRITOS Sinapse: ponto de comunicação entre neurônios Sensor de dor Neurônio Sensorial Neurônio de Associação Na pele do dedo Leva impulsos à Espinal Leva impulsos do Neurónio Aproximação dos Libertação de Captação dos Captação Medula sensorial ao neurónio motor dentritos pré- neurotransmissores neurotransmissores do sinápticos às pós- para o espaço pelo neurônio pós- Estímulo sinápticos sináptico sináptico (dentritos) Músculo bíceps Flexiona o antebraço E assim sucessivamente … Neurônio Motor Medula Espinhal Leva impulsos da Espinal Medula ao músculo Espaço sináptico: espaço cheio de líquido entre os neurônios, onde não há contato físico entre os neurônios mas a libertação e recepção de neurotransmissores. 4
  5. 5. 5
  6. 6. Formado por dois componentes: SNC e SNP. Membrana Pré-sináptica O encéfalo e a medula espinhal formam o SNC, e os nervos cranianos, espinhais e autônomicos formam o SNP. SNC - integra e controla todo o SN, recebendo informação sobre alterações dos ambientes interno e externo, interpretando e integrando essa informação e produzindo sinais para produção de atividades como, movimento ou secreção. Membrana Pós-sináptica SNP – conecta o SNC aos tecidos e órgãos do Neurotransmissores corpo.NEUROTRANSMISSOR FUNÇÕES E CARACTERÍSTICASACETILCOLINA (ACh) Ativa os neurônios motores controlando os músculos do esqueleto. Contribui para regular atenção, estimulação e memória. Alguns receptores de Ach são estimulados pela nicotina. EspinalDOPAMINA (DA) Contribui para controlar os movimentos voluntários, as Sistema Medula emoções e prazer. Nervoso Níveis baixos são associados ao Parkinson. Hiperatividade das sinapses são associados à Central esquizofrenia. Encéfalo SistemaNORADRENALINA (NA) Contribui para a modulação do humor e da estimulação. Cocaína e anfetaminas elevam a atividade nas sinapses Nervoso Nervos Sensoriais de NA. Sistema Nervoso Somático Nervos MotoresSEROTONINA Envolvida na regulação do sono e da vigilia, do ato de comer e da agressividade. Sistema Níveis anormais podem contribuir para a depressão e o distúrbio obsessivo-compulsivo. Nervoso Periférico Divisão Simpática Sistema NervosoENDORFINAS São semelhantes aos opiatos em estrutura e efeitos. Autônomo Divisão Prozac e antidepressivos semelhantes afetam os circuitos da serotonina. Parassimpática 22 6
  7. 7. O SNC é constituído por: Liga o cérebro ao resto do corpo através do SN ◦ Medula Espinhal (no interior Periférico. do canal vertebral coberto pelas vértebras) Cordão de Nervos dentro da coluna vertebral ◦ Parte interior: Substância Cinzenta ◦ Encéfalo (no interior da caixa ◦ Parte exterior: Substância Branca (fibras revestidas por craniana) mielina) … ambos estão protegidos por ossos e entram em continuidade no buraco occipital SNC é banhado pelo fluido cerebroespinhal – alimenta e protege. Funções: ◦ Condutora Receptores cérebro músculos/glândulas ◦ Coordenadora Coordena as atividades reflexas (inconscientes) do individuo.Buraco Occipital 7
  8. 8. Ruptura acidental de feixes nervosos da Espinal Medula provocará: - déficit motor e sensorial nas zonas inferiores á lesão Ex.: Lesão na parte inferior da M.E.: deixa de andar, de controlar os intestinos e a bexiga. Qualquer lesão na Medula Espinhal é irreversível. AR C O R E FLE X OÉ uma resposta do Sistema Nervoso a um estímulo, qualitativamenteinvariável, involuntária, de importância fundamental para a postura e O SNP é formado por todos os nervos quelocomoção do animal e para examinar clinicamente o Sistema Nervoso. ficam fora do cérebro e da medula espinhal.É a unidade Fisiológica do Sistema Nervoso ◦ Nervos são aglomerados de fibras de neurônios (axônios) que estão no SNP. COMPONENTES BASICOS - Todos os arcos reflexos contem 5 componentes básicos necessários para sua ◦ Divide-se em: somático e autônomo. função normal. 1 - RECEPTOR - captam alguma energia ambiental e a ◦ SNSomático: é formado por nervos que transformam em Potencial de Ação (EX: luz na retina, calor, frio e pressão na pele; estiramento pelos se conectam aos músculos esqueléticos receptores do fuso muscular) voluntários e aos receptores sensoriais. 2 - NERVO SENSORIAL - Conduz o P.A. do receptor Fibras aferentes e eferentes. até a sinápse no SNC entrando na medula pela raiz dorsal. 3 - SINAPSE - podendo ser monossinaptica ou ◦ SNAutônomo: é formado por nervos que polissinaptica 4 - NERVO MOTOR - conduz o P.A. do SNC para o se ligam ao coração, aos vasos órgão efetuador saindo da medula pela raiz ventral. sanguíneos, aos músculos lisos e às http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso5.asp#reflexo Transforma um impulso elétrico em ação mecânica. glândulas. Divisão simpática e 5 - ORGAO ALVO OU EFETUADOR - normalmente é parassimpática. um músculo **** Os reflexos podem ser usados para avaliar clinicamente o Sistema Nervoso, pois quando se testa um reflexo, em verdade se está testando seus componentes básicos. 30 8
  9. 9. Desenvolve-se a partir de espessamento do ectodermaEstrutura Placa neural Metade 3ª semana • bulbo raquidiano Romboencéfalo • cerebelo Dobra-se e forma sulco com pregas neurais (posterior) • protuberância ou ponte Mesencéfalo • formação reticular Fundem-se – início com formação do 1º somito, em ambos os sentidos Encéfalo (médio) • tálamo Prosencéfalo • hipotálamo • sistema límbico (anterior) • cérebro Tubo neural Cristas neurais EVOLUÇÃO DO CÉREBRO NOS VERTEBRADOS O Tubo neural – Se diferencia em SNC, que consiste em encéfalo e Medula espinal A Crista neural – dá origem às células formadoras da maior parte do SNP e SNA, constituídos pelos Medula gânglios cranianos, espinhais e autônomos. Bulbo Cerebelo Lobo Óptico Mesencéfalo Cérebro Bulbo olfatório 34 9
  10. 10. DESENVOLVIMENTO DO CÉREBRO HUMANO Rombencéfalo Mesencéfalo Tubo NeuralMedula Extremidade cefálica Diencéfalo Telencéfalo Tálamo encéfalo PROSENCÉFALO Hipotálamo Cérebro Anterior ou prosencéfalo Médio ou mesencéfalo Posterior ou rombencéfalo Cerebelo Tele e diencéfalo Mesencéfalo adulto Meta e mielencéfalo Hemisférios cerebrais (tegumento, teto e Ponte, cerebelo e medula Bulbo Ponte Hipófise pedúnculos (bulbo) 37 tálamo e hipotálamo cefálicos telencéfalo diencéfalo mesencéfalo metencéfalo mieloencéfalo 38 10
  11. 11. DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSOSOB O PONTO DE VISTA ANATÔMICO http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso3.asp#divisao CÉREBRO ENCÉFALO ...... CEREBELO MESENCÉFALO S.N.C TRONCO ENCEFÁLICO PONTE BULBO MEDULA ESPINHAL. NERVOS ...... ESPINHAIS e CRANIANOS S.N.P GÂNGLIOS TERMINAÇÕES NERVOSAS 41 LOBOS CEREBRAIS SISTEMA NERVOSO CENTRAL SULCO CENTRAL Área motora voluntária Tato e outras áreas sensoriais LOBO PARIETAL LOBO FRONTAL: Pensamento, emoções Consiste do encéfalo e da medula espinhal. Área de interpretação Ele está completamente envolvido por ÁREA DE BROCA estruturas ósseas - o encéfalo na cavidade Parte motora LOBO OCCIPTAL da fala craniana e a medula espinal no canal da Visão coluna vertebral. LOBO TEMPORAL Audição PONTE e BULBO CEREBELO respiração e Equilíbrio batimentos cardíacos 11
  12. 12. CÉREBRO-CÉREBRO- Corte Sagital PROTEÇÃO DO S. N. C. O encéfalo e a medula estão protegidos pelos elementos ósseos (crânio e vértebras), por membranas finas chamadas meninges e CORPO CALOSO pelo líquido cefalorraquidiano (cerebroespinal) Existem três meninges: - A dura–máter, a camada mais externa, é espessa, dura e fibrosa, e protege o tecido nervoso do ponto deTÁLAMO vista mecânico. - A aracnóide, a camada intermédia, é mais fina, sendo responsável pela produção do líquido cefalorraquidiano. Em coordenação regulam várias atividades PONTE - A pia-máter, a camada mais interna, é do corpo O hipotálamo detecta alterações no corpo, muito fina e é a única membrana libera neurotransmissores que atuam na vascularizada. hipófise que produz hormônios HIPÓFISE MEDULA HIPOTÁLAMO CEREBELO FUNDAMENTOS DE NEUROANATOMIA FUNCIONAL Divisão anatômica do S N ◦ Sistema nervoso central Encéfalo Cérebro: diencéfalo e telencéfalo Cerebelo Tronco encefálico mesencéfalo ponte bulbo Medula espinhal 12
  13. 13. FUNDAMENTOS DE NEUROANATOMIA FUNCIONAL FUNDAMENTOS DE NEUROANATOMIA FUNCIONAL Diencéfalo ◦ Tálamo - processa os estímulos sensoriais que se projetam para o córtex cerebral e estímulos motores provenientes do Divisão anatômica o SN córtex cerebral para o tronco encefálico e a medula espinhal. ◦ Hipotálamo ◦ Sistema nervoso periférico Conexões com SNA: Nervos anterior - parassimpático; Espinhais posterior - simpático Cranianos Gânglios Conexões com sistema endócrino Terminações nervosas Conexões com sistema motivacional motivações primárias motivações superiores Regula o S.N.A., hipófise, a temperatura corporal, a ingestão de alimentos e o equilíbrio hídrico. SISTEMA N ERVO S O C ENTRALFUNDAMENTOS DIENCEFALO • Tálamo - estação de relé que processa os estímulos sensoriais que se projetam NEURO- DE NEURO- para o córtex cerebral e estímulos motores provenientes do córtex cerebral para o tronco encefálico e a medula espinhal. ANATOMIA • Hipotálamo - Regula o S.N.A., hipófise, a temperatura corporal, a ingestão de FUNCIONAL alimentos e o equilíbrio hídrico. Imagem: BEAR, M.F., CONNORS, B.W. & PARADISO, M.A. Neurociências – Desvendando o Sistema Nervoso. Porto Alegre 2ª ed, Artmed Editora, 2002. http://www.ufba.br/~qualibio/ima gens/capitulo6/f037a.jpg 13
  14. 14. FUNDAMENTOS DE NEUROANATOMIA FUNCIONAL Funções 1. Controle do SN Telencéfalo autonômo ◦ Estrutura 2. Regula temperatura Córtex: subst. cinzenta corporal Centro ovaL: subst. branca 3. Regula sono, vigília, núcleos da base ingestão de alimentos, centro branco medular do cérebro água, diurese e sistema endócrino. SISTEMA N ERVO S O C ENTRALFUNDAMENTOS DE NEUROANATOMIA FUNCIONAL HEMISFERIOS CEREBRAIS • Formados pelo Córtex cerebral, Substância branca subjacente e Gânglios da base Síndrome talâmica ◦ Alterações de sensibilidade • Contém estruturas associadas as funções sensoriais e motoras superiores e à consciência Dor central: metade oposta do corpo Estimulos auditivos se tornam desagradáveis http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso3.asp#divisao 14
  15. 15. SISTEMA N ERVO S O C ENTRAL N E U R ON I O MOTO R S U PE R I OR Eles se dividem em 3 subgrupos = PIRAMIDAL EXTRAPIRAMIDAL CEREBELO O neurônio motor superior começa no cérebro mas emite axônio longo que percorre a medula espinhal para fazer sinapse com o neurônio motor inferior. PIRAMIDAL Desencadeamento do movimento voluntário, hábil, aprendido EXTRAPIRAMIDAL Sua maior importância é Iniciar o tônus muscular extensor postural, antigravitacional subconsciente. CEREBELO Também importante na coordenação dos movimentos da cabeça e olhos na observação do movimento de um objeto. Coordena os movimentos iniciados pelos dois subgrupos anteriores. Ele compara o movimento pretendido com o movimento real e os ajusta. Imagem: McCRONE, JOHN. Como o cérebro funciona. Série Mais Ciência. São Paulo, Publifolha, 2002. Permite o planejamento e a execução dos movimentos É responsável pela manutenção da postura, coordenação dos movimentos da cabeça e dos olhos59 N E U R ON I O MOTO R S U PE R I ORSão todos aqueles neurônios do SNC que influenciam no funcionamento O trato piramidal se origina dos neurônios do neurônio motor inferior motores superiores situados, em sua maioria, na área motora primária, localizada no giro pré-central e na parte anterior do NEURONIO MOTOR I NFERI OR lóbulo paracentral.É o neurônio cujo corpo celular e dendritos estão localizados no SNC e Após saírem do córtex, os axônios descemcujo axônio se estende através dos nervos periféricos para fazer sinapse pela coroa radiada para atingir o ramocom as fibras musculares esqueléticas. posterior da cápsula interna. 58 60 15
  16. 16. Ao passar pela cápsula interna passa pelo joelhodo corpo caloso segue para os pedúnculos domesencéfalo e ao chegarem ao bulbo forma um sófeixe, a pirâmide bulbar. Na pirâmide bulbar, asfibras se cruzam na decussação piramidal.As fibras de decussam passam dorsolateralmentepara formar o Feixe córticoespinhal lateral, quedesce por todos os níveis da medula espinhal.As fibras que não cruzam continuam pelo funículolateral e formam o Trato córtico-espinhal ventral(segmentos cervicais) 16
  17. 17. N E U R O N I O M OTO R S U PE R I O R N E U R O N I O M OTO R S U PE R I O R SISTEMA PIRAM IDAL C E R E B E LO-TRATO CORTICO-ESPINHAL - As fibras partem do córtex e vão até a Pode ser dividido em 3 Partes:medula espinhal contralateral influenciando os neurônios motores inferioresespinhais. VESTIBULOCEREBELO OU ARQUICEREBELO - ajuda a coordenar o equilíbrio e os movimentos oculares-TRATO CORTICO-BULBAR - As fibras partem do córtex e vão até o bulboinfluenciando os neurônios motores inferiores do tronco cerebral para osmúsculos da cabeça. ESPINOCEREBELO OU PALEOCEREBELO - ajuda a coordenar o movimento estereotipado (locomoção e reações-TRATO CORTICOPONTINOCEREBELAR - As fibras partem do córtex posturais) e o tonus muscular.cerebral e fazem sinapse na ponte com um segundo neurônio que vai ao córtexcerebelar informar o cerebelo do movimento pretendido pelo córtex cerebral CEREBROCEREBELO OU NEOCEREBELO - ajuda apara que este faça os ajustes necessários. coordenar a programação de movimentos dos membros, estando ***lesão do sistema piramidal causa fraqueza muscular contralateral a relacionado com os movimentos não estereotipados como aqueles área lesada (Hemiparesia) resultantes de ensinamentos e treinamentos. 65 N E U R O N I O M OTO R S U PE R I O R S I STE MA E XTRAPI RAM I DAL S ISTEMA N ERVO SO AUTON OM O-TRATO RETICULO ESPINHAL - inicia na FORMAÇÃO reticular localizada na É o componente eferente do sistema nervoso visceral, ou seja, émedula oblonga medial, na ponte e mesencéfalo. o sistema motor periférico destinado ao suprimento nervoso dos- TRATO VESTIBULO-ESPINHAL - começa no núcleo vestibular do Bulbo. músculos cardíaco e liso e glândulas, estando sujeito a controleOBS* Estes dois estão ligados principalmente aos músculos próximos da coluna reflexo e cerebral.vertebral responsabilizados pelo tônus postural antigravitacional.-TRATO TECTO-ESPINHAL - começa no tecto visual do mesencéfalo (colículo O sistema nervoso autônomo regula funções ·subconscientessuperior) e termina na medula cervical. tais como: pressão arterial, frequência cardíaca, motilidadeÉ importante na coordenação reflexa dos movimentos da cabeça e dos olhos durante aobservação de um objeto em movimento. intestinal e o diâmetro pupilar.- TRATO RUBRO ESPINHAL - começa no núcleo rubro do mesencéfalo, não tem sua Pode ser dividido em SIMPÁTICO e PARASSIMPÁTICO comfunção bem estabelecida mas influencia neurônios motores inferiores para os músculosmais distais. base na origem anatômica de seus neurônios pré-ganglionares eOBS* O Núcleo Rubro tem sido responsabilizado pelos movimentos voluntários nos neurotransmissores liberados no órgão alvo.instintivos nos animais irracionais. Sendo muito desenvolvido na cabra e nas ovelhas. 66 17
  18. 18. DIFERENÇAS ANATÔMICAS E FUNCIONAIS ENTRE OS SISTEMAS SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO Imagem: LOPES, SÔNIA. Bio 2.São Paulo, Ed. Saraiva, 2002. 18

×