GESTÃO DE ENTIDADES QUE SE RELACIONAM COM LCTDI
Projecto de Biblioteca
Dr.ª Cândida Silva & Manuela Cardoso
2013/2014
Cata...
SUMÁRIO:
Introdução
Organização e gestão de arquivos digitais
Sistemas de gestão de conteúdos
Informação
Sistemas de ...
INTRODUÇÃO
▪ Com o objectivo de cada grupo se inteirar do tema de cada projecto, relativo à
unidade curricular Projecto de...
ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE ARQUIVOS DIGITAIS
▪ Nos dias de hoje, uma parte significativa da produção intelectual é realizada ...
ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE ARQUIVOS DIGITAIS
▪ A capacidade que as tecnologias da informação e comunicação provocaram em toda...
ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE ARQUIVOS DIGITAIS
▪ Assim, estes dois conceitos reflectem-se num procedimento que tem como finalid...
SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTEÚDOS
▪ Um sistema de gestão de conteúdos tem como objectivo facilitar a distribuição,
publicaçã...
SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTEÚDOS
▪ Quais as vantagens da implementação de sistema de gestão de conteúdos numa empresa?
 pa...
SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTEÚDOS
▪ Quais os conteúdos que podemos encontrar nos sistemas de gestão de conteúdos?
Conteúdo e...
INFORMAÇÃO
▪ A informação “é aquele conjunto de dados que quando fornecido de forma e a tempo
adequado, melhora o conhecim...
A IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO
A importância da informação para as organizações de hoje é universalmente aceite, constituindo...
SISTEMA DE INFORMAÇÃO
▪ Um sistema de informação “é um sistema que reúne, guarda, processa e faculta
informação relevante ...
A designação “Sistemas de Informação” é indistintamente utilizada para referir
cada um dos diferentes subsistemas de
infor...
FASES DO PLANEAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO SI
Testes
e
Implementação
ManutençãoCodificaçãoDesenho
Análise
detalhada
Identif...
SISTEMA DE INFORMAÇÃO
▪ É um facto o caso dos sistemas de informação se terem expandido notoriamente a quase
todas as acti...
PRÓXIMA TAREFA
gestaoentidadeslctdi.blogspot.pt
16
CONCLUSÃO
▪ Com a realização destas pesquisas o grupo tomou consciência dos conceitos que terá
de ter em conta ao longo de...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
FREITAS (H.) e KLADIS (C.M.). Da informação à política informacional das organizações: um quad...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gestão de Entidades que se relacionam com a LCTDI

218 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
218
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão de Entidades que se relacionam com a LCTDI

  1. 1. GESTÃO DE ENTIDADES QUE SE RELACIONAM COM LCTDI Projecto de Biblioteca Dr.ª Cândida Silva & Manuela Cardoso 2013/2014 Catarina Carvalho, nº9110044 Fábio Dias, nº9110431
  2. 2. SUMÁRIO: Introdução Organização e gestão de arquivos digitais Sistemas de gestão de conteúdos Informação Sistemas de Informação Próxima tarefa Conclusão Referências Bibliográficas
  3. 3. INTRODUÇÃO ▪ Com o objectivo de cada grupo se inteirar do tema de cada projecto, relativo à unidade curricular Projecto de Biblioteca, existe uma primeira fase de trabalho dedicada à revisão de literatura. Cada grupo , nesta fase, terá de tomar consciência de todos os conceitos que abrangem o seu tema de projecto. A pesquisa destes conceitos será baseada na pesquisa de material fidedigno, como por exemplo, artigos científicos, teses, etc. 3
  4. 4. ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE ARQUIVOS DIGITAIS ▪ Nos dias de hoje, uma parte significativa da produção intelectual é realizada com o auxílio de ferramentas digitais. A simplicidade com que o material digital pode ser criado e disseminado através das modernas redes de comunicação e a qualidade dos resultados obtidos são factores determinantes na adopção deste tipo de ferramentas. ▪ “Preservar a memória da Organização, para si própria e para outrem, a par de uma aposta decisiva na plenitude e eficiência máxima de acesso, é sinónimo claro de transparência e eficácia. Custodiar tende inevitavelmente a ser cada vez menos um fim em si mesmo. Pelo contrário, o acesso à informação, seja recente ou antiga, através de dispositivos metainformacionais dinâmicos e actualizados, o acesso em pleno e intensivo, tende a instaurar-se como a essência arquivística da Era onde já estamos”. (Silva, 2007 apud BALCKY, 2011, p.12) 4
  5. 5. ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE ARQUIVOS DIGITAIS ▪ A capacidade que as tecnologias da informação e comunicação provocaram em todas as actividades humanas, não devem ser desconhecidas para os arquivistas, pois diversas aplicações são utilizadas quotidianamente em ambientes de trabalho e têm um impacto positivo na gestão documental e nos arquivos. ▪ “O Arquivo na Era Digital é uma estrutura que compreende tecnologia, recursos humanos e informação de natureza digital – objectos digitais - isto é, com um conteúdo essencialmente numérico, cujo significado é garantido através de processos de codificação e descodificação e, um conjunto de políticas para incorporar, gerir e acessibilizar numa perspectiva continuada objectos digitais de natureza arquivística”. (Barbedo apud BALCKY, 2011, p.14) 5
  6. 6. ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE ARQUIVOS DIGITAIS ▪ Assim, estes dois conceitos reflectem-se num procedimento que tem como finalidade principal criar formas de controlo e monitorizar o armazenamento e tráfego dos documentos nas instituições, isto é, “implementação de um conjunto de medidas que visam a racionalização e a eficácia na constituição, avaliação, aquisição, organização, conservação e comunicação dos Arquivos”. (Alves apud BALCKY, 2011, p.24) ▪ É importante salientar o ganho que se tem em termos práticos com o rápido acesso aos documentos arquivados, através de sistemas de informática próprios, ou caso seja necessário, desenvolver sistemas específicos voltados para as características e necessidades da instituição, é assim no plano organizacional que começa a interoperabilidade. 6
  7. 7. SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTEÚDOS ▪ Um sistema de gestão de conteúdos tem como objectivo facilitar a distribuição, publicação e disponibilização de conteúdos de uma forma fácil e intuitiva. ▪ Um sistema de gestão de conteúdos compreende ferramentas que permitem não só carregar conteúdos (imagens, áudio, vídeo, documentos electrónicos…) para a plataforma, como também proporcionar uma total autonomia na gestão dos conteúdos, possibilitando que todas as alterações possam ser realizadas por um utilizador com conhecimentos gerais de informática. ▪ “A gestão de conteúdos como um processo que permite “recolher, organizar, classificar e estruturar recursos de informação, de qualquer tipo ou formato, de modo a serem guardados, recuperados, publicados, actualizados e usados para outros fins” (YU, 2005, p.2). 7
  8. 8. SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTEÚDOS ▪ Quais as vantagens da implementação de sistema de gestão de conteúdos numa empresa?  padronizar as estruturas de conteúdo e manutenção do controlo de apresentação e uso da marca em toda a organização;  aumentar a eficiência das equipas: usuários (autores) publicam suas informações e técnicos (administradores) cuidam da infra-estrutura;  agregar valor aos conteúdos web estabelecendo fluxos de trabalho com processo de aprovação padronizado;  reduzir custos de actualização dos seus conteúdos e aumentar a velocidade e frequência da publicação de novas informações;  reduzir custos de criação/manutenção/evolução disponibilizando componentes pré-fabricados e processos pré-automatizados. 8
  9. 9. SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTEÚDOS ▪ Quais os conteúdos que podemos encontrar nos sistemas de gestão de conteúdos? Conteúdo estático  Texto, sendo artigos, livros ou notícias  Áudio  Imagens  Vídeo e animações  Ficheiros Conteúdo dinâmico  Conteúdo armazenado em base de dados 9
  10. 10. INFORMAÇÃO ▪ A informação “é aquele conjunto de dados que quando fornecido de forma e a tempo adequado, melhora o conhecimento da pessoa que o recebe ficando a mesma mais habilitada a desenvolver determinada actividade ou a tomar determinada informação”. 10 Galliers, R. (EDS.), Information Analysis: selected readings, Addison-Wesley, 1987.
  11. 11. A IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO A importância da informação para as organizações de hoje é universalmente aceite, constituindo, senão o mais importante, pelo menos um dos recursos cuja gestão e aproveitamento mais influencia o sucesso das organizações. Cada vez mais, o sucesso duma organização é uma função que depende dos seus recursos de informação e da forma como são utilizados esses recursos para competir no ambiente dinâmico dos nossos dias. Todas as organizações possuem um SI com o propósito de as auxiliar no cumprimento da sua missão. Este sistema é normalmente composto de diversos subsistemas com características específicas quanto à sua finalidade e justificação. 11
  12. 12. SISTEMA DE INFORMAÇÃO ▪ Um sistema de informação “é um sistema que reúne, guarda, processa e faculta informação relevante para a organização (…), de modo que a informação seja possível e útil para aqueles que a querem utilizar, incluindo gestores, funcionários, clientes, (…). Um SI é um sistema de actividade humana (social) que pode envolver ou não a utilização de computadores”. 12 Buckinghan, R., R. Hirschheim, F. Land e C. Tully, Information Systems Curriculum: A basis for a course, in Buckinghan, R., R. Hirschheim, F. Land e C. Tully (Eds.), Information Systems Education: Recommendations and Implementation, Cambridge University Press, 1987
  13. 13. A designação “Sistemas de Informação” é indistintamente utilizada para referir cada um dos diferentes subsistemas de informação o SI da organização na sua globalidade
  14. 14. FASES DO PLANEAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO SI Testes e Implementação ManutençãoCodificaçãoDesenho Análise detalhada Identificação dos requisitos Estudo preliminar 14
  15. 15. SISTEMA DE INFORMAÇÃO ▪ É um facto o caso dos sistemas de informação se terem expandido notoriamente a quase todas as actividades de uma organização, e ainda, o caso de quase todos os produtos inerentes às organizações, virem assentar basicamente sobre informação – serviços de informação. ▪ Tanto o desenvolvimento dos Sistemas de Informação, quanto a sua análise, necessitam ser executados de forma independente, uma vez que depois de desenvolvidos os processos, basta somente transmiti-los à máquina. Mais do que um modernismo, a tecnologia deve ser compreendida como um instrumento, metodologia garantindo qualidade, competitividade, redução de custos e principalmente, satisfazer os anseios e pretensões dos clientes, ou seja, o exacto motivo da existência das organizações. “ A velha frase ‘informação é poder’ deve ser complementada com ‘informação é vantagem competitiva”. 15 FREITAS (H.) e KLADIS (C.M.). Da informação à política informacional das organizações: um quadro conceitual. São Paulo – SP:RAP, v.29, n.03, Junho - Setembro 1995, p.73-86.
  16. 16. PRÓXIMA TAREFA gestaoentidadeslctdi.blogspot.pt 16
  17. 17. CONCLUSÃO ▪ Com a realização destas pesquisas o grupo tomou consciência dos conceitos que terá de ter em conta ao longo de todo o trabalho. O grupo tem a consciência que o trabalho de pesquisa não se ficará por esta fase, pois ao longo de todo o projecto será necessário que o grupo vá adquirindo novos conhecimentos, referentes a cada passo que é dado no sentido de conclusão do projecto, pois o conhecimento é a peça fundamental para a realização de qualquer projecto. 17
  18. 18. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FREITAS (H.) e KLADIS (C.M.). Da informação à política informacional das organizações: um quadro conceitual. São Paulo – SP:RAP, v.29, n.03, Junho - Setembro 1995, p.73-86.  PORTUGAL - Decreto-Lei n.º 16/93, de 23 de Janeiro - Artigo 13.º - Diário da República, I Série-A. Lisboa. N.º 19, p. 265. Galliers, R. (EDS.), Information Analysis: selected readings, Addison-Wesley, 1987. Buckinghan, R., R. Hirschheim, F. Land e C. Tully, Information Systems Curriculum: A basis for a course, in Buckinghan, R., R. Hirschheim, F. Land e C. Tully (Eds.), Information Systems Education: Recommendations and Implementation, Cambridge University Press, 1987 Alter, S., Information Systems: a management prespective, Addison-Wesley, 1992. M. Ferreira, Introdução à preservação digital- Conceitos, estratégias e actuais consensos. Guimarães, Portugal: Escola de Engenharia da Universidade do Minho, 2006. PEREIRA, Júlio C. I.; BAX, Marcelo P. – Introdução à Gestão de Conteúdos [em linha]. S.l.: 2002. [Consult. 3 Mar. 2014]. <Disponível em WWW:<URL: http://revistagt.fpl.edu.br/get/article/view/104/103 NEVES, Bruno Daniel Pinheiro – Os Sistemas de Gestão de Conteúdos aplicados à gestão da informação em bibliotecas [em linha]. Coimbra: 2010. [Consult. 3 Mar. 2014]. <Disponível em WWW:<URL: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/14462/1/Sistemas%20de%20Gest%C3%A3o%20de%20Conte%C3%BAdos%20em%20bibliotecas%20universit%C3%A1rias.pdf NOBRE, Catarina João da Silva Riba – Sistema De Gestão de Conteúdos e de Documentação de Processos de trabalho [em linha]. Porto: 2009. [Consult. 3 Mar. 2014]. <Disponível em WWW:<URL: http://www.winkingbooks.com/projectos/sportmotores/Img/Fotos/19632.pdf DGARQ – Recomendações para a produção de Planos de Preservação Digital [em linha]. Lisboa: 2011. [Consult. 3 Mar. 2014]. <Disponível em WWW:<URL: http://arquivos.dglab.gov.pt/wp-content/uploads/sites/16/2014/02/Recomend_producao_PPD_V2.1.pdf

×