Apresentadores:  Sebastião Mesquita  Marília Costa  Francione Brito  Elvis Alves  Josefa JesusDisciplina: Metodologia da P...
CARTA AO LEITOR                            Apresenta o texto contando motivações iniciais:                             Pri...
I – A QUESTÃO É COMEÇAR Coçar e comer é só começar.Conversar e escrever também. Quebrar o gelo Alfabetização da escrita...
Para começo de conversa Definição de um tema/título (problema, assunto,  hipótese) Título: é o começo da obra como um to...
De como se chega ao tema   “Se esse é agora meu ponto de partida, como chegarei a ele?” (p. 18)   Tudo começou com uma d...
As interlocuções do escrever   O ato de escrever é uma interlocução.   Quem são os possíveis interlocutores?   Os possí...
A aventura do escrever   “Escrever é o começo dos começos. Depois é a aventura”. (p. 30)   Bússola = título;   Uma lâmp...
II – NAVEGAR É PRECISO – A MÁGICA    AVENTURA DO ESCREVER                      Navegar é Preciso                      Nave...
Na Canoa da Psicanálise   Osório destaca as pesquisas de Freud quando ligava o escrever ao fluir de um    líquido de dent...
No ônibus da história   Neste ponto do capítulo, Osório compara o escritor como o viageiro que compõe e    recompõe seus ...
No ônibus da história   O autor enumera ainda as peculiaridades da escrita de autores    como: Clarice Lispector, Kafka, ...
Ao sabor dos ventos da imaginação   O último tópico do capítulo destaca o papel do imaginário do escrevente    visto como...
Ao sabor dos ventos da imaginação   Osório conclui o capítulo com as seguintes palavras:   O texto escrito se faz assim ...
III – A OBRA DO ESCREVER NO PÉRIPLO DE SEU ENCONTRO COM O LEITOR                                Texto                     ...
O escrever na história da escrita História da escrita – antes mesmo da história e da escrita. Ler precede o escrever – n...
O escrever na história da escrita   Escrita pictográfica ( imagem física de um objeto representando outros da    mesma es...
O escrever na história da escrita   Progresso na história do pensamento: palavra e pensamento tidos como    objeto de con...
As resistências ao escreverTerão essas resistências suas razões?  As vantagens da escrita não são tão obvias e indiscutív...
As resistências ao escrever           Contribuíram positivamente: Wittgenstein, com a vinculação            entre linguag...
O leitor presente no ato de escrever   “Na leitura estão implicados o sujeito que escreve deixando no    escrito suas mar...
IV – ESCREVER, O PRINCÍPIO DA PESQUISA Escrever é iniciar uma aventura que não se sabe onde nos vai levar; ou melhor,que,...
A constituição do Tema/Hipótese   Estabelecer um tema de pesquisa é, assim, demarcar um campo    específico de desejos e ...
A constituição do Tema/Hipótese   O assunto pode justificadamente mudar, o que não pode é deixar-se de ter um    assunto ...
A convocação de uma Comunidade Argumentativa Cumprida a primeira tarefa de desenhar seu tema, ou o  eixo central, a espin...
A convocação de uma Comunidade Argumentativa   A) Testemunham do campo empírico os que o habitam, seja ele uma dada    ex...
Andamento da Pesquisa: o trabalho da citação   Percebendo-se a pesquisa como trabalho de uma comunidade convocada de    t...
Andamento da Pesquisa: o trabalho da citação
Os passos andados, o estilo e a versatilidade   Se é no andar da carroça que se ajustam as abóboras, também é no andar   ...
A sistematização e validação dos saberes earrumação final da Pesquisa   O pesquisador é como o arquiteto que pensa a casa...
A apresentação do texto na perigrafia dele   Não é a lógica da inteireza do texto direta e imediata mente    acessível ao...
A apresentação do texto na perigrafia dele   Deve assim o corpo do texto ser preanunciado por uma casca que o    proteja ...
V – ESCRITA E PESQUISA NA UNIVERSIDADE Qual o lugar do escrever e do pesquisar na  universidade? E qual é o compromisso ...
Universidade: Biblioteca e Scriptorium   Diferença oralidade-escrita     Processos "artificiais" de   Peculiaridades da...
Universidade: Biblioteca e Scriptorium        Paradigmas de produção e transmissão de         conhecimentos              ...
Universidade, Instituição de Pesquisa   Universidade contemporânea, em especial a brasileira;   A universidade que confe...
Os níveis da pesquisa na Universidade   Iniciação científica   Nos próprios programas de pós-graduação se vê    frequent...
PARA CONCLUIR NUNCA   O próprio termo que passa a designar o processo do escrever em    que se efetua a pesquisa - monogr...
REFERENCIAS      MARQUES, M. O. Escrever é preciso:      o princípio da pesquisa. 5 ed. Ijuí:      Editora da Unijuí, 2006...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ESCREVER É PRECISO livro Osório Marques

1.036 visualizações

Publicada em

Texto apresentando durante aula ministrada na disciplina Metodologia da Pesquisa do PPGL - CAMEAM - UERN (semestre 2012.2).

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.036
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ESCREVER É PRECISO livro Osório Marques

  1. 1. Apresentadores: Sebastião Mesquita Marília Costa Francione Brito Elvis Alves Josefa JesusDisciplina: Metodologia da PesquisaProfessora: Lúcia Pessoa Sampaio
  2. 2. CARTA AO LEITOR Apresenta o texto contando motivações iniciais: Primeira aprendizagem – reconhecimento da presença do leitor; Segunda aprendizagem – maior desafio da escrita é começá-la; Terceira aprendizagem – não confundir o escrever com a escrita ( ação com obra finalizada).“O escrever é o princípio da pesquisa, tanto no sentido de por onde deveela iniciar sem perda de tempos, quanto no sentido de que é o escrever quea desenvolve, conduz, disciplina e faz fecunda. “(p. 12)
  3. 3. I – A QUESTÃO É COMEÇAR Coçar e comer é só começar.Conversar e escrever também. Quebrar o gelo Alfabetização da escrita: Introdução,desenvolvimento e conclusão. Escrever é iniciar uma conversa cominterlocutores, invisíveis, imprevisíveis,mas sempre presentes.
  4. 4. Para começo de conversa Definição de um tema/título (problema, assunto, hipótese) Título: é o começo da obra como um todo, é o que vai dar nome ao que vamos procurar. Escrever é uma obsessão, paixão. É uma atividade diária. O título é sempre instável, pois pode sempre mudar para atender princípios comerciais.
  5. 5. De como se chega ao tema “Se esse é agora meu ponto de partida, como chegarei a ele?” (p. 18) Tudo começou com uma dificuldade de aprendizagem da escrita (redação). Leitura em voz alta. Treinamento com base nos cânones da gramática. Crônicas escritas durante o Ensino Médio. No Ensino Superior a escrita se tornou quase um vício. O sofrimento da escrita acadêmica a nível de mestrado e doutorado. Membro de equipe encarregada de pensar a instalação de um curso de Mestrado em Educação.
  6. 6. As interlocuções do escrever O ato de escrever é uma interlocução. Quem são os possíveis interlocutores? Os possíveis leitores; Os amigos; Os muitos autores, com o apoio bibliográfico. O próprio escritor quando ler sua escrita.
  7. 7. A aventura do escrever “Escrever é o começo dos começos. Depois é a aventura”. (p. 30) Bússola = título; Uma lâmpada. (Informações externas); Dicionário; Bibliografia; O suporte físico (Folha ou tela do computador). Suporte: Parede rochosa, argila, pergaminho, papiro, minha lousa de criança, as paredes da casa paterna. E agora passa a ser a tela do computador. (p. 32)
  8. 8. II – NAVEGAR É PRECISO – A MÁGICA AVENTURA DO ESCREVER Navegar é Preciso Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: A metáfora se "Navegar é preciso; viver não é preciso". sustenta na seguinteMário Osório neste Quero para mim o espírito [d]esta frase, passagem do capítulo:capítulo constrói a transformada a forma para a casar como eu sou:metáfora do ato de Viver não é necessário; o que é necessário é criar.escrever com o Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso. Computador ligado àpoema Navegar é Só quero torná-la grande, corrente que lhe dápreciso de ainda que para isso tenha de ser o meu corpo vida, a tela vazia: umFernando e a (minha alma) a lenha desse fogo. convite a navegar porPessoa, como Só quero torná-la de toda a humanidade; ela. Navegar épodemos ler a ainda que para isso tenha de a perder como minha. preciso, na folha em Cada vez mais assim penso. branco ou na tela doseguir: Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue computador, e daí por o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir mares e terras, pelos para a evolução da humanidade. É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça. ares. (pag. 35 e 36) Fernando Pessoa
  9. 9. Na Canoa da Psicanálise Osório destaca as pesquisas de Freud quando ligava o escrever ao fluir de um líquido de dentro de nós, assumindo a significação simbólica do coito. Também acrescenta as contribuições de Humboldt, Husserl e Austin. Ainda na construção da metáfora como viagem, navegação, Osório destaca estas palavras de Machado (1989,157): O ato de escrever precisa ser exercido graciosamente, isto é, sem pretender tal ou qual objetivo, para que possa surpreender-nos como algo da ordem do inusitado, do saber inconsciente... produz uma significação circulante... uma significância que não tem ponto de partida nem ponto de chegada: ela circula disseminando sentidos (Machado, 1989, p. 157).
  10. 10. No ônibus da história Neste ponto do capítulo, Osório compara o escritor como o viageiro que compõe e recompõe seus itinerários à mercê das intencionalidades mudadas, dos encontros e desencontros, das emergências circunstanciais, dos loucos rompantes de um momento singular. A história que o conduz é também por ele conduzida. Quem fala ou quem escreve termina por ser conduzido pelo que expressa. Cada passo descortina os próximos, como um convite à liberdade de escolha. Dessa forma, a escrita não tem simplesmente uma história; ela possui historicidade, isto é, a capacidade de produzir-se e produzir seu próprio campo simbólico, social e cultural, de constituir-se na constituição da história, a sua e a geral, e na ruptura com as formas que criou. É o escrever que constitui a escrita em sua função primeira de significante, depois de produtora de sentidos. E, por outra parte, a escrita precede o escrever. Os traços deixados pela passagem ou ação do homem sobre os elementos naturais podem ser lidos, interpretados: são, portanto, escrita sem o escrever, sem a intenção de serem lidos, sem a pressuposição de um eventual leitor.
  11. 11. No ônibus da história O autor enumera ainda as peculiaridades da escrita de autores como: Clarice Lispector, Kafka, Montaigne, Louis Aragon, Foucault, Truman Capote, T. Eliot e Sartre quando diz: Estou a tentar explicar em que consiste escrever, ter um determinado estilo. É preciso que isso nos divirta. E para nos divertir torna-se necessário que a nossa narração ao leitor, através das significações puras e simples que lhe apresentamos, nos desvende os sentidos ocultos, que nos chegam através da nossa história, permitindo-nos jogar com eles, ou seja, servir-nos deles não para os apropriarmos, mas, pelo contrário, para que o leitor os aproprie. O leitor é, assim, como que um analista, a quem o todo
  12. 12. Ao sabor dos ventos da imaginação O último tópico do capítulo destaca o papel do imaginário do escrevente visto como um reservatório onde se agregam as experiências do viver e donde a cada momento podem emergir, convocadas pelo ato de escrever. Dessa maneira, no escrever enquanto ato de revelar o que surge à luz da consciência imbricam-se a razão do imaginário e a razão discursiva dos conceitos, na unidade dialética em que se autoexigem na história das ideias e na tessitura da ação humana na fala e na escrita. A partir desta visão, Osório ilustra melhor este papel com os conceitos de mímesis e mythos segundo Platão e Aristóteles, conceitos que se estenderam durante a Idade Média e nos tempos modernos foram reforçados e alargados como papel mediador da imaginação transcendental ou produtiva, segundo Kant.
  13. 13. Ao sabor dos ventos da imaginação Osório conclui o capítulo com as seguintes palavras: O texto escrito se faz assim ponto de mediação entre o autor e o leitor, ambos figuras indispensáveis. Se cabe ao autor dar conteúdo e forma legível a seu texto pela inscrição dele na anterioridade da língua em uso, cabe ao leitor não apenas assimilar a mensagem escrita, mas transcendê-la, integrando sua leitura na programação de seus interesses. A pesquisa, por exemplo, exige não que se façam leituras para depois inseri-las no texto, mas que tenha o pesquisador bem-definidos seus propósitos, e então busque leituras a eles adequadas. (pág.: 61)
  14. 14. III – A OBRA DO ESCREVER NO PÉRIPLO DE SEU ENCONTRO COM O LEITOR Texto Autor Leitor O texto quando chega nas mãos do leitor está a mercê dele em sua presença ativa de reconstrução interpretativa na busca de sentidos, de modo que escapa do domínio do autor , mas não se desprende totalmente do mesmo, pois sendo este conhecido ou não, sempre é suposto.
  15. 15. O escrever na história da escrita História da escrita – antes mesmo da história e da escrita. Ler precede o escrever – necessidade de significação → criação de código(ex.: pegadas elementos fundantes do mundo humano da significação para entãoconstituir-se símbolos) A escrita tem suas raízes no desenho significante, expressivo (representaçãofeita pela criança nos rabiscos com pluralidade de significados).A existência anterior da língua falada como sistema de interação parece sercondição para essas formas reflexas do ato de significar.
  16. 16. O escrever na história da escrita Escrita pictográfica ( imagem física de um objeto representando outros da mesma espécie por convenção); escrita ideográfica ( imagem-ideia, ex: jarro significativo de conteúdo em certa quantidade no interior); sistema logográfico consociando imagem-palavra (ex: não deve fumar onde há uma tabuleta com cigarro cortado ao meio por traço vermelho); escrita fonética (ajustar signos escritos à língua falada representando elenco de valores silábicos); escrita hieroglífica (própria dos monumentos – sagrada); a escrita hierática (cursiva e esquematizada dos documentos); a escrita demótica (fonética de uso comum). Escrita alfabética marcando uma autonomia ideal e fonética constituída por elementos distintos: consoantes e vogais (origem entre fenícios e gregos) “O alfabeto grego forneceu uma completa tabela de elementos atômicos dos sons acústicos que, por meio de diversas combinações, podiam representar, por assim dizer, as moléculas do discurso linguístico...” (Havelock, 1995)
  17. 17. O escrever na história da escrita Progresso na história do pensamento: palavra e pensamento tidos como objeto de conhecimento abrindo caminho para as ciências (gramática e lógica). Agora cada indivíduo podia opinar e formular questões filosóficas. A escrita dá uma existência objetiva e autônoma às unidades da língua, permitindo fazer-se uma ciência do escrito voltada ao aprendizado das letras e dos conjuntos de letras no texto, de que resulta a sistematização das categoriais gramaticais. (p. 69) A cultura escrita não mais como somente codificação de sons da fala via alfabeto, mas como capacidade de participação no processo de comunicação ampliada e armazenamentos/ manipulação dos conhecimentos. Relações complexas entre o texto e sua forma: suporte de escrita e suas influências editoriais, estratégias do escrever e intenções do autor, suposto apoderar-se do leitor.
  18. 18. As resistências ao escreverTerão essas resistências suas razões?  As vantagens da escrita não são tão obvias e indiscutíveis se retrocedermos a Antropologia e suas tradições orais. Vários pensadores ocidentais faziam recusa à escrita, como é o caso de Rousseau, e preferiam a oralidade em detrimento da escritura.  Para ele, a propagação da escritura, o ensino de suas regras, a produção dos seus instrumentos e objetos configuravam-se como empresa política de escravização, onde a pontuação era outro mal.  Muitos foram os linguistas clássicos que relacionava a escritura como simples imagem da palavra falada, limitando a língua e relegando a escrita a uma posição secundária. (Saussure, Condillac, Sapir, Bloomfield, Chomski)
  19. 19. As resistências ao escrever  Contribuíram positivamente: Wittgenstein, com a vinculação entre linguagem e práxis – significado nas situações de uso; Lacan, na significância em que se relacionam sujeitos em interlocução; Habermas, na esteira de Austin e Searle com a performatividade dos atos linguísticos dos falantes no desenvolver de sua competência comunicativa.  Os próprios linguistas só podem fazer ciência com o apelo ao uso da escrita. (p. 80)  Lacan suscita a marca do sujeito até mesmo na fala, de maneira que o registro do seu estilo só é possível mediante gravação em algo. Assim o que solidifica a “existência do rastro” é o signo escrito.  O ato de escrever remete a uma multiplicidade de ciências em que se inscreve numa caminhada de camaradagem com o leitor.
  20. 20. O leitor presente no ato de escrever “Na leitura estão implicados o sujeito que escreve deixando no escrito suas marcas e os sujeitos que ao ler atualizam, dão vida outra ao que foi escrito. [...] A folha de papel não é apenas suporte passivo, é campo aberto à concriativiade do escrever e do ler, convite e incitamento à intercomplementaridade de atos separados por um hiato de tempo [...]” (p. 84) Cada leitor introduz no texto que lê seu próprio ritmo e ritos de leitura, suas reflexões, suas memórias literárias e referencias culturais. Autor & leitor se reclamam em reciprocidade ao imprimirem ao texto escrito suas capacidades de significância (cf, Machado, 1989, p. 25-30, 64-73). Ao lado do escrevente está de prontidão o leitor, não se sabendo qual deles escreve: certamente ambos em parceria. (p. 85)
  21. 21. IV – ESCREVER, O PRINCÍPIO DA PESQUISA Escrever é iniciar uma aventura que não se sabe onde nos vai levar; ou melhor,que, depois de algum tempo, se saiba não ser mais possível abandonar. [...]Mas nopesquisar o escrever está polarizado,persegue um tema preciso. Escreve-se àprocura de um assunto. E quando se chega ao assunto, o escrever se faz pesquisar,sem que o assunto seja o mais importante. Na pesquisa o escrever se torna regrado, conduzido por intencionalidadesprecisas: a) a tematização, ou constituição do tema que se pretenda abordar, [...]b)a convocação de uma comunidade argumentativa; c) o desenvolvimento dainterlocução de saberes no trabalho da citação sob a ótica da hipótese guia e naforma de argumentação discursiva; d) nos passos andados e na versatilidade dométodo, a afirmação de um estilo; e) um processo permanente de sistematização,validação discursiva e certificação social, que perpasse todos os momentos dapesquisa em causa; f) a apresentação clara e objetiva da pesquisa com vistas aoentender-se o pesquisador com seus possíveis leitores interessados.
  22. 22. A constituição do Tema/Hipótese Estabelecer um tema de pesquisa é, assim, demarcar um campo específico de desejos e esforços por conhecer, por entender nosso mundo e nele e sobre ele agir de maneira lúcida e consequente. Mas o tema não será verdadeiro, não será encarnação determinada e prática do desejo, se não estiver ancorado na estrutura subjetiva, corporal, do desejante. Não pode o tema ser imposição alheia. Deve ele tornar-se paixão, desejo trabalhado, construído pelo próprio pesquisador. Da experiência antecedente, dos anteriores saberes vistos como insuficientes e limitantes nasce o desejo de conhecer mais e melhor a partir de um foco concentrado de atenções.
  23. 23. A constituição do Tema/Hipótese O assunto pode justificadamente mudar, o que não pode é deixar-se de ter um assunto em vista. Um assunto que, por outra parte,se já estivesse claramente estabelecido e explorado, não seria objeto de pesquisa. O que não se pode é deixar de cutucar as moitas. Não se busca o que já se tem, nem se descobre o que já se sabia. O tema da pesquisa é o objeto dela, justamente o que se procura. Nele não se afirma ou nega algo, apenas se enuncia uma hipótese à busca de verificar-se, ou não. Por isso, a forma do tema na pesquisa não é forma de proposição acabada, de juízo definitivo. É, sim, a forma da hipótese, isto é, de nova pergunta feita à experiência antecedente do conhecimento que se tem a partir de práticas desenvolvidas ou de leituras feitas. Enunciar uma hipótese é, portanto, ter uma proposta de encaminhamento do tema,uma perspectiva dos procedimentos heurísticos adequados; e é assumir o compromisso de aduzir e considerar argumentos que confirmem ou infirmem a proposição enunciada.
  24. 24. A convocação de uma Comunidade Argumentativa Cumprida a primeira tarefa de desenhar seu tema, ou o eixo central, a espinha dorsal, de sua pesquisa, cabe agora ao pesquisador convocar uma específica comunidade de argumentação em que se efetive o unitário processo de interlocução e certificação social de saberes postos à discussão em cada tópico a ser desenvolvido. Há três tipos de interlocutores: os do campo empírico, os do campo teórico, os interessados à escuta.
  25. 25. A convocação de uma Comunidade Argumentativa A) Testemunham do campo empírico os que o habitam, seja ele uma dada experiência de vida ou de trabalho, seja o âmbito de uma dada instituição ou organização: alunos, professores e direção, quando se trate de uma escola; operários, engenheiros, administradores, em se tratando de uma fábrica; B) O campo teórico não baixa das nuvens. Brota ele do chão das práticas; não espontaneamente mas sob o acicate da interrogação,da reflexão, da pesquisa em nosso caso."A teoria se constrói através da pesquisa", [...]Surge ela como explicação, que se quer provisoriamente válida, para determinado sistema de relações. C) Referimo-nos aqui aos que sem serem convidados se metem em nossa pesquisa, silenciosos e pacientes, em atitudes que desafiam e incomodam. São os leitores que não esperam pela escrita realizada para lê-la.
  26. 26. Andamento da Pesquisa: o trabalho da citação Percebendo-se a pesquisa como trabalho de uma comunidade convocada de testemunhos sobre tema proposto se faz ela uma combinatória de citações ou de reescritas sob o ponto de vista de outro autor, um outro responsável jurídica, institucional e pessoalmente por obra outra. Nela os enunciados se transferem a outro campo de discurso onde assumem significados outros. Quando sublinhamos um fragmento ou o transcrevemos, a leitura pratica um ato de citação ao desagregá-lo do texto e destacá-lo do contexto. Há nisso, nesse sublinhar, um ato de posse, de acomodação do leitor ao texto e do texto a ele assim como ao olho se acomoda o objeto e o objeto a ele. São, por isso, diversos os níveis da citação, desde a citação literal sinalizada por aspas e destacada de nosso texto, passando pela citação livre, ou tradução em linguagem nossa, de passagens mais amplas, de um capítulo, ou mesmo de todo um livro, até as citações que emergem do cadinho de nossa memória, já de origens incertas. No primeiro e segundo casos, se faz indispensável a referência ao autor, à obra dentre as dele e à(s) página(s) lida(s). Já no terceiro caso tais referências são dispensáveis, até porque já esquecidas.
  27. 27. Andamento da Pesquisa: o trabalho da citação
  28. 28. Os passos andados, o estilo e a versatilidade Se é no andar da carroça que se ajustam as abóboras, também é no andar da pesquisa que se reorganiza ela e se reconstrói de contínuo harmonizando seus distintos momentos. A criatividade e persistência do pesquisador se deve a unidade de seu estilo, não a regras pré-definidas. Na pesquisa, como em toda obra de arte, a segurança se produz na incerteza dos caminhos. [...]Se os caminhos se fazem andando, também o método não é senão o discurso dos passos andados, certamente muito pertinente para a certificação social do trabalho concluído, mas de pouca serventia para a orientação do que se há de fazer. Necessita, sim, o pesquisador de sua própria bússola e de saber o que procura. Não do saber as respostas, mas do saber perguntar ao que lhe vier pela frente, na perspectiva do tema-centro de seu desejo de mais e melhor saber e sob o contínuo acicate e a inspiração da hipótese-guia de seus passos.
  29. 29. A sistematização e validação dos saberes earrumação final da Pesquisa O pesquisador é como o arquiteto que pensa a casa ao estilo de seus futuros moradores, e a pensa na correlação de seus aposentos e neles dos móveis, ao mesmo passo que cercada de jardins e ruas enquadradas no plano da cidade. Sabe o arquiteto que os moradores se hão de afeiçoar/modelar aos móveis e aos aposentos, à vizinhança e ao plano da cidade numa série de sistemas inclusivos. Dessa forma se trabalhe cada tópico até uma densidade desejável e se retrabalhem eles no interior de cada capítulo, para depois harmonizarem-se os capítulos entre si e na composição do inteiro sistema das citações transpostas ao contexto da pesquisa em sua globalidade.
  30. 30. A apresentação do texto na perigrafia dele Não é a lógica da inteireza do texto direta e imediata mente acessível ao leitor. Necessária por outros aspectos, pois as partes não se percebem como tais sem entender-se o lugar de cada uma na composição do todo. O próprio autor, para que sua obra tenha unidade e coerência deve realizar o reequilibramento dela nas partes que a compõem. Por isso, a primeira leitura exigida é o do todo permitindo a leitura capaz de destacar a significância de cada elemento.
  31. 31. A apresentação do texto na perigrafia dele Deve assim o corpo do texto ser preanunciado por uma casca que o proteja e antecipe enquanto correlação de partes tencionadas.Não basta à capa a função de invólucro protetor do miolo do relatório,ou do livro, deve também poder ser lida para que anuncie o que está por dentro e indique suas vias de acesso e suas ligações com suas referências externas. A esta periferia sinalizada ou a esta capa protetora e indicadora do que está por dentro, denomina Compagnon(1979, p. 328-356) de perigrafia, uma zona intermediária, sala de visitas onde o autor seguro do controle de seu texto recebe seus leitores para dizer-lhes de suas intenções, dos caminhos que percorreu e das parcerias com que trabalhou.
  32. 32. V – ESCRITA E PESQUISA NA UNIVERSIDADE Qual o lugar do escrever e do pesquisar na universidade? E qual é o compromisso da universidade numa sociedade cada vez mais penetrada pela escrita em suas infindas novas formas e mais dependente de conhecimentos que se renovem e reconstruam pela pesquisa? Universidade: Biblioteca e Scriptorium Universidade, Instituição de Pesquisa Os Níveis da Pesquisa na Universidade
  33. 33. Universidade: Biblioteca e Scriptorium Diferença oralidade-escrita  Processos "artificiais" de Peculiaridades da escrita aprendizagem, intencionados, Origem da escola e imposição regrados e sistemáticos: da escrita escolarizados;  A palavra e o pensamento - objeto de conhecimento explícito.
  34. 34. Universidade: Biblioteca e Scriptorium  Paradigmas de produção e transmissão de conhecimentos  Anísio Teixeira – (Humboldt)Com Humboldt, surge para auniversidade a função de elaborar acultura nacional que vai ser ensinada...Assim como a universidade da IdadeMédia elaborou a cultura universal daIdade Média, a universidade da IdadeModerna teve de elaborar a culturamoderna e nacional para ensiná-la.
  35. 35. Universidade, Instituição de Pesquisa Universidade contemporânea, em especial a brasileira; A universidade que confere diplomas, distribui títulos de nobreza intelectual e transmite saberes acabados se tornou obsoleta; A universidade como comunidade da argumentação das ciências; Órgãos de fomento da pesquisa e o desempenho da universidade
  36. 36. Os níveis da pesquisa na Universidade Iniciação científica Nos próprios programas de pós-graduação se vê frequentemente a pesquisa posta ao final de um plano de estudos que pouco tem a ver com ela. uma clara e abrangente política de pesquisa para todos - professores, alunos e corpo funcional e abrangente política de pesquisa que se acompanhe o tempo todo das práticas do escrever
  37. 37. PARA CONCLUIR NUNCA O próprio termo que passa a designar o processo do escrever em que se efetua a pesquisa - monografia - significa a redução da abordagem a um só e unitário tema ou assunto. Mas o tratamento dessa unidade temática é apenas incoativo, uma espécie de sobrevoo para mapeamento do terreno, contatos mais assíduos com o campo A substância da pesquisa está em ter-se um tema, colocar-se uma questão que centralize nossas incessantes buscas de esclarecê-lo sempre melhor, de entendê-lo em suas sempre novas dimensões e desdobramentos. Não se esgota nunca, por isso, a pesquisa; não se conclui de todo, exigindo, isto sim, um suceder de etapas encadeadas, sinais de que não se está parado.
  38. 38. REFERENCIAS MARQUES, M. O. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. 5 ed. Ijuí: Editora da Unijuí, 2006, 154 p. (Coleção: Mário Osório Marques). Vídeo: “Um conto sobre plágio” disponível em: http://youtu.be/d0iGFwqif5c

×