e as redes sociais
Crise no
jornalismo
1. A Crise
2. Cenário emergente
3. As redes sociais e o
jornalismo
1. A Crise
2. Cenário emergente
3. As redes sociais e o
jornalismo
Jornais impressos
Globalmente, a queda de receita da indústria de jornal
deve se estabilizar, com pequena recuperação.
- A...
Mercado local
Quebra na visão otimista do mercado brasileiro
Os jornais registraram uma queda
expressiva ( - 11,63%), com ...
Televisão
Queda na audiência
Segundo Ibope, em 2014 foi registrada
maior queda de audiência em todos os
principais telejor...
Televisão
Envelhecimento da audiência
No Brasil, em março 2010, 29 de cada cem
telespectadores tinham mais de 50 anos. No ...
A Crise
Em 2012, jornais perderam U$16 em anúncios impressos
para cada US$ 1 ganho em anúncios digitais
1. A Crise
2. Cenário emergente
3. As redes sociais e o
jornalismo
InternetConteúdo
Telecoms Fabricantes
Quatro setores em disputa
o Redes sociais como fonte
de notícias
o 50% das pessoas sabem do
que acontece pelos SRS
o 46% se informam online 3
vezes ...
A Crise
Em 2012, jornais perderam U$16 em anúncios impressos
para cada US$ 1 ganho em anúncios digitais
Dispositivos móveis atingiram a massa crítica, nas economias desenvolvidas
e nas economias de amplo crescimento, que agora...
QUE TIPO DE
APARELHOS
USAMOS?
SMARTPHONE
INCLUI APARELHOS
COM E SEM
TOUCHSCREEN
TELEFONES
MULTIMÍDIA
TOUCHSCREEN E/OU
TECL...
QUANTOS
CELULARES
POSSUÍMOS?
Enquanto os celulares ganham cada vez mais relevância nas nossas
vidas privadas e profissiona...
QUAIS APLICATIVOS
USAMOS?
Apps continuam cada vez mais populares. Chineses e Americanos são os
que mais usam aplicativos, ...
Jovens (Millenials):
“Eu realmente não pagaria por
nenhum tipo de notícia,
porque este é um direito de todo cidadão.”
Niem...
Resumo
Engajamento: conteúdo original,
construído para cada aplicativo
Mobilidade: experiência móvel
para notícias é ruim,...
1. A Crise
2. Cenário emergente
3. As redes sociais e o
jornalismo
Projeto Instant Articles Facebook:
“Detenha o conteúdo,
não a empresa de mídia”
David Carr:
“A transferência de conteúdo significa um gélido,
obscuro frio na espinha dorsal coletiva
de editores, tanto d...
• É uma experiência
• Foco no usuário
• Conversão em assinaturas
Click-through-rates (CTR) de 114 % para
notícias. CTRs no Facebook de 63%.
- Conexão e interação imediata com a
audiência;...
Projeto Discover Snapchat:
“Tentamos construir algo para trazer de volta a
perspectiva editorial, porque acreditamos que
é...
Twitter x Mic.com/Circa:
“Twitter não quer canibalizar sua relação com
as empresas de comunicação. Quer ser a fonte
primei...
Blogs e Pulse:
“Mais do que um repositório
de cvs” – Jeff Weiner
Programa de blogs, formação
específica para jornalistas, ...
“A plataforma de vídeo expande o
alcance jornalístico, mas precisa dos
jornalistas para análise e
contextualização.” - Sal...
BuzzFeed:
“Estamos na era pós-tráfego. Precisamos ser
agnósticos ou indiferentes em relação à
plataforma. No cenário ideal...
Algumas questões
• Que jornalismo queremos?
• Queremos mais estas camadas de
Intermediação?
• Qual o nosso papel?
Obrigada 
lorenatarcia@gmail.com
@lorenatarcia
Facebook/lorenatarcia
Lorena Tárcia - A Crise no Jornalismo e as Redes Sociais
Lorena Tárcia - A Crise no Jornalismo e as Redes Sociais
Lorena Tárcia - A Crise no Jornalismo e as Redes Sociais
Lorena Tárcia - A Crise no Jornalismo e as Redes Sociais
Lorena Tárcia - A Crise no Jornalismo e as Redes Sociais
Lorena Tárcia - A Crise no Jornalismo e as Redes Sociais
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lorena Tárcia - A Crise no Jornalismo e as Redes Sociais

186 visualizações

Publicada em

- Lógicas transmissiva e de compartilhamento no cerne da relação entre empresas jornalísticas e empresas web
- Em busca da audiência dispersa e espraiada
- Distribuição terceirizada de conteúdo
- Novos modelos de negócio

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
186
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lorena Tárcia - A Crise no Jornalismo e as Redes Sociais

  1. 1. e as redes sociais Crise no jornalismo
  2. 2. 1. A Crise 2. Cenário emergente 3. As redes sociais e o jornalismo
  3. 3. 1. A Crise 2. Cenário emergente 3. As redes sociais e o jornalismo
  4. 4. Jornais impressos Globalmente, a queda de receita da indústria de jornal deve se estabilizar, com pequena recuperação. - A receita global total dos jornais, depois de um período de declínio, vai começar a subir novamente em 2015. - Crescimento da receita nos países em desenvolvimento. - - Recuperação vai se estabilizar até 2018.
  5. 5. Mercado local Quebra na visão otimista do mercado brasileiro Os jornais registraram uma queda expressiva ( - 11,63%), com faturamento de R$ 2,9 bilhões, em 2014. Fonte: Associação Nacional de Jornais
  6. 6. Televisão Queda na audiência Segundo Ibope, em 2014 foi registrada maior queda de audiência em todos os principais telejornais brasileiros, com exceção da Record. Fonte: Associação Nacional de Jornais
  7. 7. Televisão Envelhecimento da audiência No Brasil, em março 2010, 29 de cada cem telespectadores tinham mais de 50 anos. No março de 2015, 37 já tinha ultrapassado essa idade. Fonte: Associação Nacional de Jornais
  8. 8. A Crise Em 2012, jornais perderam U$16 em anúncios impressos para cada US$ 1 ganho em anúncios digitais
  9. 9. 1. A Crise 2. Cenário emergente 3. As redes sociais e o jornalismo
  10. 10. InternetConteúdo Telecoms Fabricantes Quatro setores em disputa
  11. 11. o Redes sociais como fonte de notícias o 50% das pessoas sabem do que acontece pelos SRS o 46% se informam online 3 vezes por semana o Em 2012, receita online passou receita impresso nos EUA.
  12. 12. A Crise Em 2012, jornais perderam U$16 em anúncios impressos para cada US$ 1 ganho em anúncios digitais
  13. 13. Dispositivos móveis atingiram a massa crítica, nas economias desenvolvidas e nas economias de amplo crescimento, que agora possuem mais celulares do que na primeira metade de 2012. Ainda assim, há grande diferença entre os aparelhos. Por exemplo, na China e Índia – os mercados mais amplos e em maior crescimento – consumidores estão em lados opostos do espectro em relação ao tipo de celular que possuem: dois terços dos chineses pesquisados possuem um smartphone; já na Índia, apenas 10% são smartphones e 80% são telefones comuns. Na Coreia do Sul, sede da popular Samsung, 99% das pessoas possuem celular, sendo 67% smartphones. Entre os mercados desenvolvidos, a menor porcentagem de smartphones está nos Estados Unidos, de acordo com dados coletados no começo de 2012, mas esse total tem crescido de forma consistente nos últimos anos. Assinantes brasileiros e turcos são os que mais possuem celulares multimídia, com capacidade similar às dos smartphones, mas sem sistemas operacionais avançados como Android ou iOS. QUEM, O QUE, & ONDE? QUANTOS DE NÓS USAMOS CELULARES? Entre consumidores com mais de 16 anos
  14. 14. QUE TIPO DE APARELHOS USAMOS? SMARTPHONE INCLUI APARELHOS COM E SEM TOUCHSCREEN TELEFONES MULTIMÍDIA TOUCHSCREEN E/OU TECLADO QUERTY , MAS SEM UM SISTEMA OPERACIONAL AVANÇADO TELEFONES COMUNS SEM TOUCHSCREEN, TECLADO QUERTY , OU SISTEMA OPERACIONAL AVANÇADO QUE TIPOS DE APARELHOS USAMOS? TELEFONE COMUM TELEFONE MULTIMÍDIA
  15. 15. QUANTOS CELULARES POSSUÍMOS? Enquanto os celulares ganham cada vez mais relevância nas nossas vidas privadas e profissional, alguns consumidores estão confiando em múltiplos aparelhos para permanecerem contectados. Mais da metade dos assinantes de celulares na Rússia (51%) possuem dois ou mais aparelhos.
  16. 16. QUAIS APLICATIVOS USAMOS? Apps continuam cada vez mais populares. Chineses e Americanos são os que mais usam aplicativos, com os jogos sendo os mais populares em mais da metade dos países analisados (China, Austrália, Itália e Brasil). Redes Sociais são mais fortes nos Estados Unidos, com 85% dos proprietários de smartphones utilizando regularmente. Índia e Turquia são os que menos utilizam Apps regularmente, mas os que utilizam preferem também o entretenimento, como redes sociais e jogos.
  17. 17. Jovens (Millenials): “Eu realmente não pagaria por nenhum tipo de notícia, porque este é um direito de todo cidadão.” Nieman Report
  18. 18. Resumo Engajamento: conteúdo original, construído para cada aplicativo Mobilidade: experiência móvel para notícias é ruim, pior ainda na mWeb. Reconhecimento de hábitos da audiência e reformulação de estratégias Reconhecimento de hábitos da audiência e reformulação o de estratégias Remuneração: ampliação do mercado.
  19. 19. 1. A Crise 2. Cenário emergente 3. As redes sociais e o jornalismo
  20. 20. Projeto Instant Articles Facebook: “Detenha o conteúdo, não a empresa de mídia”
  21. 21. David Carr: “A transferência de conteúdo significa um gélido, obscuro frio na espinha dorsal coletiva de editores, tanto das mídias tradicionais, quanto insurgentes.”
  22. 22. • É uma experiência • Foco no usuário • Conversão em assinaturas
  23. 23. Click-through-rates (CTR) de 114 % para notícias. CTRs no Facebook de 63%. - Conexão e interação imediata com a audiência; - Sugestão de pautas e envio de imagens, vídeo e áudio; - Pesquisas; - Atendimento personalizado; - Resposta rápida.
  24. 24. Projeto Discover Snapchat: “Tentamos construir algo para trazer de volta a perspectiva editorial, porque acreditamos que é muito importante ter alguém que é mais inteligente do que nós para descobrir o que é importante. Este é um emprego de tempo integral e muito difícil.” – Evan Spiegel
  25. 25. Twitter x Mic.com/Circa: “Twitter não quer canibalizar sua relação com as empresas de comunicação. Quer ser a fonte primeira para notícias. Seu objetivo é bater o Facebook.” – Business Inside
  26. 26. Blogs e Pulse: “Mais do que um repositório de cvs” – Jeff Weiner Programa de blogs, formação específica para jornalistas, conteúdo jornalístico específico .
  27. 27. “A plataforma de vídeo expande o alcance jornalístico, mas precisa dos jornalistas para análise e contextualização.” - Salar Kamangar (ex-ceo)
  28. 28. BuzzFeed: “Estamos na era pós-tráfego. Precisamos ser agnósticos ou indiferentes em relação à plataforma. No cenário ideal, estaremos onde for melhor para o público. Há mais empresas precisando de conteúdo, do que empresas que sabem fazer isso com qualidade.” – Jonah Peretti
  29. 29. Algumas questões • Que jornalismo queremos? • Queremos mais estas camadas de Intermediação? • Qual o nosso papel?
  30. 30. Obrigada  lorenatarcia@gmail.com @lorenatarcia Facebook/lorenatarcia

×