Magnetismo e corrente elétrica

398 visualizações

Publicada em

Magnetismo e corrente elétrica

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
398
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Magnetismo e corrente elétrica

  1. 1. Ciências da Natureza e suas Tecnologias - Física Ensino Médio, 3ª Série Campo magnético produzido por corrente elétrica
  2. 2. FÍSICA, 3ª Série Campo magnético produzido por corrente elétrica A DESCOBERTA DO ELETROMAGNETISMO Hans Christian Oersted -1820 Imagem: Hans Christian Ørsted quando jovem. Pintura do Século 19. / Autor Desconhecido / Domínio Público, United States Public Domain
  3. 3. Experiência de Oersted • Quando a corrente elétrica “ i ” se estabelece no condutor, a agulha magnética assume uma posição perpendicular ao plano definido pelo fio e pelo centro da agulha. Imagem: Experiência de Oersted / Autor Desconhecido / Creative Commons Atribuição-Partilha nos Termos da Mesma Licença 2.5 Genérica
  4. 4. Campo Magnético Gerado em um Condutor Reto A limalha de ferro serve para visualizarmos as linhas de força do campo magnético gerado pelo condutor retilíneo Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  5. 5. • Em cada ponto do campo o vetor B é perpendicular ao plano definido pelo ponto e o fio. • As linhas de indução magnética são circunferências concêntricas com o fio. • O vetor B é tangente em cada pondo das linhas de indução magnética(1).Imagem:AutorDesconhecido/GNUFreeDocumentationLicense
  6. 6. Sentido das Linhas de força do Campo Magnético Imagem: Regra da mão direita / Autor Desconhecido / Public Domain
  7. 7. • Vista em perspectiva • Vista de cima • Vista de lado Grandeza orientada do plano para o observador (saindo do plano) Grandeza orientada do observador para o plano (entrando no plano) Imagem: Talos / Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported Imagem: Autor Desconhecido / GNU Free Documentation License Imagem:SEE-PE,redesenhadoapartirde imagemdeAutorDesconhecido.
  8. 8. Intensidade do vetor campo magnético – Condutor Retilíneo • A intensidade do vetor campo magnético, produzido por um condutor retilíneo pode ser determinada pela Lei de Biot-Savart d i B o .2      i  corrente em ampère (A) d  distância do ponto ao condutor, perpendicular a direção do mesmo em metros(m) o  permeabilidade magnética do vácuo. AmTo  7 104  Imagem: Regra da mão direita / Autor Desconhecido / GNU Free Documentation License
  9. 9. Exemplo • Um condutor reto e extenso no vácuo é percorrido por uma corrente de 5A. Calcule o valor da intensidade do vetor indução magnética em um ponto P que dista 20cm do condutor. Indique o sentido do vetor. i P
  10. 10. Solução • Pela regra da mão direita, o vetor tem o sentido indicado na figura a seguir: Vista em perspectiva i P B A mT mcmd Ai Dados o       7 1 104 10220 5 :  • A intensidade de B vale: TB d i B o 6 1 7 105 1022 5104 .2               Imagem:Regradamãodireita/ AutorDesconhecido/Public Domain
  11. 11. Campo Magnético em uma Espira Circular • Considere uma espira circular (condutor dobrado segundo uma circunferência) de centro O e raio R. • As linhas de campo entram por um lado da espira e saem pelo outro, podendo este sentido ser determinado pela regra da mão direita. Linhas obtidas experimentalmente com limalha de ferro Imagem:Ocampomagnéticodeuma barramagnéticareveladoporlimalha deferroempapel/NewtonHenry Black/PublicDomaineUnitedStates publicdomain Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  12. 12. Campo Magnético no centro de uma Espira Circular • A intensidade do vetor B no centro O da espira vale: R i B o    2  i  corrente em ampère R  raio da espira em metros o  permeabilidade magnética do vácuo. AmTo  7 104 
  13. 13. Polos de uma espira • Note que a espira tem dois polos. O lado onde B “entra” é o polo sul; o outro, o norte. Para o observador 1, as linhas de indução da espira saem pela face que está voltada para ela. Portanto, essa face da espira se caracteriza como um polo norte. Para o observador 2, as linhas de indução da espira entram pela face que está voltada para ele. Portanto, essa face da espira se caracteriza como um polo sul. Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  14. 14. Campo Magnético em uma Bobina Chata • Uma bobina chata é constituída de várias espiras justapostas. R i NB o    2  N  Número de espiras • A intensidade do vetor B no centro da bobina vale: Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  15. 15. Polos de uma Bobina Chata • Aproximando-se um ímã de uma bobina, verifica- se que o polo norte daquele atrai o sul da bobina, repelindo o norte da mesma. Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  16. 16. Campo Magnético em um Solenoide • O solenoide é um dispositivo em que um fio condutor é enrolado em forma de espiras não justapostas. • O campo magnético produzido próximo ao centro do solenoide (ou bobina longa) ao ser percorrido por uma corrente elétrica i , é praticamente uniforme (intensidade, direção e sentido constantes). Imagem: Uma renderização tridimensional de uma solenóide / Zureks / domínio público
  17. 17. Linhas de Indução em um Solenoide • O solenoide se comporta como um ímã, no qual o polo sul é o lado por onde “entram” as linhas de indução e o lado norte, o lado por onde “saem” as linhas de indução. Linhas de indução obtidas com limalha de ferro Imagem: SiriusA / public domain
  18. 18. Direção e sentido do vetor B no interior do solenoide • Para determinar o sentido das linhas de indução no interior do solenoide, podemos usar novamente a regra da mão direita. Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  19. 19. Intensidade do vetor B no interior do solenoide • A intensidade do vetor indução magnética uniforme no interior do solenoide é dada por L iN B o    N  Número de espiras Imagem: SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido.
  20. 20. Exemplo • Um solenóide de 1000 espiras por metro está no vácuo e é percorrido por uma corrente de 5,0A. Qual a intensidade do vetor indução magnética no interior do solenoide? Solução A mT mL espirasN Ai Dados o      7 104 1 1000 5 :  TB B L iN B o 3 37 102 1 510104          
  21. 21. O Eletroímã • Uma bobina com núcleo de ferro constitui um eletroímã. • Em virtude da imantação do pedaço de ferro, o campo magnético resultante assim obtido é muito maior do que o campo criado apenas pela corrente que passa pela bobina. (1) Imagem: Eletroímã / Letanure / Domínio Público Imagem: Guindaste com eletroímã / Zwergelstern / Creative Commons Atribuição-Partilha nos Termos da Mesma Licença 3.0 Unported
  22. 22. Exercícios • 1. (UFSC) Assinale a(s) alternativa(s) correta(s). a) Polos magnéticos de mesmo nome se atraem, enquanto polos de nomes contrários se repelem. b) Num campo magnético uniforme, as linhas de indução magnética são retas paralelas igualmente espaçadas e igualmente orientadas. c) As linhas de indução magnética “saem” do polo norte e “chegam” ao polo sul. d) As linhas de indução magnética, do campo magnético produzido por uma corrente i, que percorre um condutor reto, são ramos de parábolas situadas em planos paralelos ao condutor. e) No interior de um solenoide, o campo de indução magnética pode ser considerado como uniforme e tem a direção do seu eixo geométrico.
  23. 23. 2. É correto afirmar que: a) Quando passa uma corrente elétrica pelo fio, é gerado um campo magnético que tende a alinhar a agulha imantada com a direção deste campo. b) Ao inverter-se o sentido da corrente elétrica no fio, a agulha tende a inverter sua orientação. c) A intensidade do campo magnético num ponto do espaço, gerado pela corrente no fio, será tanto maior quanto mais distante o ponto estiver do fio. d) As linhas de força do campo magnético gerado pela corrente no fio são semirretas com origem no fio e perpendiculares a ele. e) A posição original da agulha da bússola indica, na ausência de correntes elétricas ou outros campos magnéticos, a direção do componente horizontal do campo magnético terrestre. f) O fenômeno físico citado no enunciado é conhecido como indução eletromagnética e é descrito pela lei de Faraday.
  24. 24. • 3. (UFMG) Essa figura mostra três fios paralelos, retos e longos, dispostos perpendicularmente ao plano do papel, e, em cada um deles, uma corrente i. Cada fio separadamente, cria em um ponto a 20cm de distância dele, um campo magnético de intensidade B. O campo magnético resultante no ponto P, devido a presença dos três fios, terá intensidade igual a: 20cm 20cm 20cm i i iP
  25. 25. • 4. (UFMG) A figura mostra dois fios M e N, paralelos, percorridos por correntes de mesma intensidade, ambas saindo da folha de papel. O ponto P está a mesma distância dos dois fios. A opção que melhor representa a direção e o sentido corretos para o campo magnético, que as correntes criam em P, é: M N P
  26. 26. • 5. (UFSC) Seja uma espira circular de raio r , na qual passa uma corrente de intensidade i . Considere o campo magnético gerado por esta espira. Marque a(s) proposição(ões) verdadeiras. a) O campo no centro da espira é perpendicular ao plano definido pela espira. b) O campo no centro da espira está contido no plano definido pela espira. c) O campo gerado fora da espira, no plano definido por ela, tem mesma direção e mesmo sentido do campo gerado no interior da espira, também no plano definido por ela. d) Se dobrarmos a corrente i , o campo gerado cai à metade. e) Se dobrarmos o raio da espira, o campo gerado em seu centro cai a ¼ do valor anterior. f) Se invertermos o sentido da corrente, a direção e o sentido do campo gerado não se alteram.
  27. 27. Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 2a Hans Christian Ørsted quando jovem. Pintura do Século 19. / Autor Desconhecido / Domínio Público, United States Public Domain http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:%C3%98rste d.jpg 05/04/2012 3 Experiência de Oersted / Autor Desconhecido / Creative Commons Atribuição-Partilha nos Termos da Mesma Licença 2.5 Genérica http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Oersted %27s_experiment.JPG?uselang=pt-br 05/04/2012 4a e 4b SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido. Acervo SEE-PE. 17/04/2012 5 Autor Desconhecido / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:RechteH and.png?uselang=pt-br 09/04/2012 6 Regra da mão direita / Autor Desconhecido / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Right_h and_rule.png 05/04/2012 7a Talos / Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Gerader _leiter.svg 11/04/2012 7b Autor Desconhecido / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:VFPt_wi re_out.svg?uselang=pt-br 11/04/2012 7c SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido. Acervo SEE-PE. 17/04/2012 8 Regra da mão direita / Autor Desconhecido / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Manode recha.svg 11/04/2012 10 Regra da mão direita / Autor Desconhecido / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Right_h and_rule.png 05/04/2012 Tabela de Imagens
  28. 28. Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 11a SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido. Acervo SEE-PE. 17/04/2012 11b O campo magnético de uma barra magnética revelado por limalha de ferro em papel / Newton Henry Black / Public Domain / United States public domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Magnet 0873.png 11/04/2012 a 15 SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido. Acervo SEE-PE. 17/04/2012 16 Uma renderização tridimensional de uma solenóide / Zureks / domínio público http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Solenoid -1.png?uselang=pt-br 11/04/2012 17a SiriusA / public domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Solenoid spole.svg?uselang=pt-br 11/04/2012 18b SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido. Acervo SEE-PE. 17/04/2012 19 SEE-PE, redesenhado a partir de imagem de Autor Desconhecido. Acervo SEE-PE. 17/04/2012 21a Eletroímã / Letanure / Domínio Público http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Eletroim a.png?uselang=pt-br 09/04/2012 21b Guindaste com eletroímã / Zwergelstern / Creative Commons Atribuição-Partilha nos Termos da Mesma Licença 3.0 Unported http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Loading _Machine_Scrap_01.jpg?uselang=pt-br 09/04/2012 Tabela de Imagens

×