Etnicidades - Diagnóstico e Considerações: Quilombo Salamina Putumuju - FAUFBA - Prof. Fabio Velame

836 visualizações

Publicada em

Diagnóstico e Considerações
Quilombo Salamina Putumuju
Faculdade de Arquitetura da UFBA
Prof. Fábio Macêdo Velame

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
836
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
292
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Etnicidades - Diagnóstico e Considerações: Quilombo Salamina Putumuju - FAUFBA - Prof. Fabio Velame

  1. 1. Diagnóstico e Considerações Quilombo Salamina Putumuju Maragogipe/BA Aldir, Delania, Graça, Rafael, Romina
  2. 2. Vivencia e raizes.Vivencia e raizes.
  3. 3. Sumário • Aspectos Econômicos • Aspectos Culturais • Aspectos Sociais e Históricos • Aspectos Ambientais e Arquitetônicos • Conclusão
  4. 4. • Boa relação com o trabalho, interesse em expandir trabalho com novas atividades econômicas; • Economicamente os moradores do quilombo vivem das atividades extrativistas da pesca, piaçava e plantio da mandioca. Estas seriam as atividades principais da comunidade, como principais fatores geradores de renda; • Atividades secundárias e esporádicas: dendê e plantio de frutas e cajuína. • Ferramentas de trabalho: Redes para a pesca, facões para a extração da piaçava; · Aspectos Econômicos – Informações Levantadas -1-
  5. 5. Aspectos Econômicos – Informações Levantadas -2- • Produtos são transportados das localidades para Maragogipe, nas costas e cabeça, sem equipamentos e estrutura adequada; • Existência do atravessador para a venda dos produtos. Acreditam que se excluíssem o atravessador do processo de negociação comercial, teriam mais lucratividade nas atividades desenvolvidas; Também realizam venda de produtos ao consumidor final na feira de Maragogipe; • Os produtos são levados por pequenos barcos para Maragogipe; • Homens e mulheres desempenham a mesma atividade econômica quando necessário. Mulher também cuida de filhos e da casa.
  6. 6. Aspectos Econômicos – Propostas de Intervenção: Solicitações da Comunidade • Casa de farinha; • Unidade de beneficiamento do dendê; • Unidade para produção da cajuína.
  7. 7. Aspectos Econômicos – Propostas de Intervenção: Solicitações dos Alunos da UFBA • Estudo de viabilidade econômica para implantação das unidades produtivas, seguido de um estudo de mercado para os produtos; • Plano de Negócios para a atividade economicamente mais viável; • Busca de parceiros financeiros para viabilizar a unidade produtiva; • Projeto da unidade produtiva; • Capacitações em processo produtivo e gestão da qualidade; • Desenvolvimento de rótulos e embalagens; • Busca de canais de distribuição e comercialização.
  8. 8. Aspectos Econômicos – Propostas de Intervenção: Outras Sugestões dos alunos da UFBA • Outras atividades potenciais: artesanato da piaçava, plantio de frutas para compotas, geleias e doces e turismo; • Realizar estudos de viabilidade econômica; • Consultorias e capacitações do grupo para o desenvolvimento da atividade econômica; • Busca de instituições parceiras: SEBRAE, SETUR, entre outras.
  9. 9. Aspectos Culturais – Informações Levantadas -1- • Poucas atividades culturais. Festas foram sendo deixadas de lado e atualmente a comunidade apenas comemora Natal e São João. Em algumas vezes, realiza-se churrascos para comemorar aniversário de algum membro da comunidade, ou ainda festa de casamento; • As festas são elaboradas com comidas típicas: amendoim, canjica, mingau, entre outras e o churrasco; • Informam que os motivos principais da redução das atividades culturais e das festas são: excesso de bebida consumida, ocasionando brigas e desunião;
  10. 10. Aspectos Culturais – Informações Levantadas -2- • Algumas das festas estão ligadas aos eventos religiosos da Igreja Evangélica construída na comunidade; • Poucos comemoram o carnaval, e quando brincam, vão a Maragogipe, onde a festa é mais animada e tradicional. Na comunidade quilombola não tem essa manifestação cultural; • Conhecimento de plantas e ervas medicinais. As utilizam como remédios e paliativos de doenças.
  11. 11. Aspectos Culturais – Propostas de Intervenção: Solicitações da Comunidade Inexistem demandas da comunidade para esse item.
  12. 12. Aspectos Culturais – Propostas de Intervenção: Solicitações dos Alunos da UFBA Levantamento iconográfico da comunidade para transformar em um produto sustentável de turismo.
  13. 13. Aspectos Sociais e Históricos – Informações Levantadas -1- • O quilombo surge da fuga de escravos e de escravos libertos que se instalaram na localidade, dando origem a 5 locais de paradas: Tororó, Ferreiro, Dunda, Olaria e Porto Salamina (forte); • Para evitar a consanguinidade o casamento não está apenas restrito a membros da comunidade, mas aceita casamentos com pessoas de fora do quilombo, desde que parentes dos integrante não sejam inseridos no grupo; • As relações familiares são as convencionais: pai, mãe, filhos, onde o pai e a mãe são os chefes da família. As normas e regras seguem as mesmas de qualquer família convencional brasileira;
  14. 14. ● Na escola existente na comunidade (ensino fundamental) o corpo tecnico chega de barco diariamente. É composto de 6 membros (professoras, diretora, coordenadora, merendeira e auxiliar) os quais não tem onde se instalar e segundo as jovens entrevistadas se amontoam nas unicas duas salas da escola. ● Há uma queixa quanto a qualidade do ensino, as crianças não são devidamente alfabetizadas. O quadro de professores muda anualmente o que acarreta um desnivelamento do ensino. ● Series diferentes ocupam a mesma sala e segundo elas isso atrapalha a aprendizagem. Aspectos Sociais e Históricos – Informações Levantadas -1-
  15. 15. Croqui 01 Planta Baixa Escola Municipal Salamina
  16. 16. Aspectos Sociais e Históricos – Informações Levantadas -2- • O quilombo tem uma escola com ensino fundamental e o principal problema é a logística das crianças e professoras. Para ensino de maior graduação, Maragogipe, Cachoeira e São Félix são na maioria das vezes as soluções mais próximas; • Não existem mais parteiras, rezadeiras e outras atividades tradicionais. • Não existe posto de atendimento médico na comunidade. O atendimento se dá em primeira instância em Maragogipe, Cachoeira e São Félix;
  17. 17. Aspectos Sociais e Históricos – Informações Levantadas -3- • Os visitantes são restritos a parentes, estudiosos e alunos das universidades em princípio; • As drogas passaram a ser um problema na comunidade. A vinda de novas pessoas trouxe esse problema que antes não existia na localidade; • No que se refere a conflitos com fazendeiros, não existem ocorrências graves e de difícil solução. O quilombo foi tombado, o que garante a posse e o reconhecimento da comunidade.
  18. 18. Aspectos Sociais e Históricos – Propostas de Intervenção: Solicitações da Comunidade • Ancoradouro/atracadouro; • Barco para locomoção das crianças para facilitar o acesso à escola; • Melhoria das condições de deslocamento para proporcionar melhor acesso aos locais de parada; • Posto de saúde. • Uma creche para as crianças menores.
  19. 19. Aspectos Sociais e Históricos – Propostas de Intervenção: Sugestão dos alunos da UFBA • Projeto de ancoradouro e atracadouro; • Projeto de guindastes inseridos em locais de topografia deficiente para a locomoção de pessoas e cargas. Objetivo: facilitar o transporte de cargas; • Posto de saúde com rotinas de atendimento médico, com posto de distribuição de medicamentos básicos associados a técnicas tradicionais. • Projeto de instrumentos de acessibilidade entre ao locais de parada.
  20. 20. Aspectos Ambientais e Arquitetônicos – Informações Levantadas -1- • Arquiteturas em terra é a predominância: Taipa de mão. O terreno da casa é escolhido inicialmente próximo ao de parentes e em lugares planos na sua maioria. Existe uma relação de vizinhança entre pessoas de mesmo parentesco e essa relação norteia em princípio a localização das moradias; • Condições de topografia e paisagem e gosto refletem a escolha da localização; • Usos convencionais dos cômodos da casa, algumas apresentam fogão a lenha em espaço localizado externamente e em alguns casos integrados a casa;
  21. 21. Croqui 02 Planta Baixa casa de Taipa (Bié)
  22. 22. Croqui 03 - Planta Baixa - casa de Blocos (Bié)
  23. 23. Croqui 04 Planta Baixa
  24. 24. Aspectos Ambientais e Arquitetônicos – Informações Levantadas -2- • O processo de construção é o método mais tradicional de comunidades quilombolas e edificações rurais; • Interesse por casas e edificações em blocos cerâmicos – Questões de acreditarem como sinônimo de ascensão social principalmente. É o grande sonho da maioria das pessoas entrevistadas. Uma vez realizado o sonho, mostraram-se interessados na demolição da casa de taipa. • Casas sem banheiro, sem água encanada e sistema de esgoto. Geralmente as necessidades básicas são realizadas no mato, cavando buracos e fossas; Água carregada na cabeça das mulheres principalmente pelos moradores em vasilhames, enchidos em bicas;
  25. 25. Aspectos Ambientais e Arquitetônicos – Informações Levantadas -3- • Respeitam o meio ambiente, embora percebeu-se lixo em algumas partes do trajeto percorrido. Falta de locais de armazenagem e serviço de público de coleta do lixo; • Falta de cemitérios. Mortos enterrados em Maragogipe; • Moradores adoram morar na localidade, função da tranquilidade e da sua relação com a natureza.
  26. 26. Aspectos Ambientais e Arquitetônicos – Propostas de Intervenção: Solicitação da Comunidade • Em princípio não existe, além daquelas mencionadas para o desenvolvimento da atividade econômica; • Coleta pública de lixo; • Construir sua casa de bloco.
  27. 27. Aspectos Ambientais e Arquitetônicos – Propostas de Intervenção: Sugestão dos alunos da UFBA • Levantar demanda junto aos moradores sobre interesse de melhoria de técnicas construtivas tradicionais; • Trabalho de conscientização para a não demolição das moradias de Taipa e outras técnicas tradicionais, mesmo que novas técnicas construtivas sejam adotadas. Busca de novas opções de uso para as moradias de técnicas tradicionais; • Levantamento de demandas para a reutilização das instalações e nova consciência (depósito e casa) na parada de Porto Salamina (Forte). Existe uma relação de desconfiança e medo sobre o uso das edificações existentes pela comunidade; • Projeto e Construção de um cemitério local; • Conscientização sobre o despejo de lixo na localidade e processo de coleta de lixo nas áreas afetadas pela falta de sistematização da coleta de lixo.
  28. 28. CONCLUSÃO • Apresentar propostas de projeto de arquiteturas e elementos urbanos para a comunidade; • Viabilizar e prospectar potenciais de parcerias com instituições e órgãos públicos e privados; • Avaliar potencialidades de geração de renda melhorando manejo e técnicas existentes, assim como estudar viabilidade das unidades produtivas e modelos de negócios que sejam sustentáveis e coerentes com as demandas da comunidade.
  29. 29. CONCLUSÃO Potencialmente, a atividade econômica tem grandes possibilidades de desenvolvimento, função da existência de espaço físico, otimização do processo, condições climáticas e interesse da comunidade.
  30. 30. MUITO OBRIGADO pela atenção!

×