Apimec rio - 1 t11

376 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
376
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apimec rio - 1 t11

  1. 1. Apresentação dos Resultados | 4T10 1
  2. 2. Aviso Importante“Declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas dosnegócios da Companhia, projeções de resultados operacionais e financeiros,e referências ao potencial de crescimento da Companhia, constituem merasprevisões e foram baseadas nas expectativas da Administração em relação aoseu desempenho futuro. Estas expectativas são altamente dependentes docomportamento do mercado, da situação econômica do Brasil, da indústria edos mercados internacionais, portanto estão sujeitas a mudanças.” 2
  3. 3. Perfil Corporativo 3
  4. 4. Maior e mais diversificada indústria de cobertura do País 4
  5. 5. Cadeia Produtiva 5
  6. 6. Outros Segmentos 6
  7. 7. Localização das Fábricas – Fibrocimento Filiais de vendas 1) Anápolis/GO; 2) Colombo/PR; 3) Goiânia/GO; 4) Rio de Janeiro/RJ; 5) Simões Filho/BA; 6) Porto Alegre/RS e 7) São Paulo/SP. 7
  8. 8. Localização das Fábricas – Telhas de Concreto 8
  9. 9. Linha do TempoTrajetória de realizações da Eternit desde a sua fundação em 1940. 9
  10. 10. Visão Geral - SAMA 10
  11. 11. Mercado Mundial – Minério Crisotila Canadá 6% Rússia – 48% Cazaquistão – 10% China – 22% Brasil 14%Consumo Mundial (em MM de T) 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2,1 2,3 2,3 2,4 2,4 2,1 2,2 11
  12. 12. Vantagens Competitivas
  13. 13. Vendas de Minério Crisotila (em mil toneladas)CAGR (2004/2010) = 3% 23% 304 306 291 273 249 3% 231 222 125 163 78 80 101 136 88 87 90 36 43 161 172 179 144 155 132 143 42 372004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 4T09 4T10 Mercado Interno Mercado Externo 13
  14. 14. Visão Geral - Eternit 14
  15. 15. Produtos e Soluções para Construção Civil Caixas d’ água e Filtros para Tubulações Componentes para Sistemas Construtivos Coberturas Louças e Assentos Sanitários 15
  16. 16. Mercado de Cobertura – Brasil (2010) Mercado Residencial Mercado Industrial/Comercial Concreto Outros CerâmicasFibrocimento 4% 12% 11% 51% Cerâmicas Fibrocimento Metálicas 45% 42% 35% Mercado Total Evolução do Mercado (milhões de m²) Concreto Metálicas 8% -2% Outros 3% 10% 3% 10% 8% 534 5% 505 495 459 425 406 Cerâmicas Fibrocimento 36% 48% 2005 2006 2007 2008 2009 2010 16
  17. 17. Estrutura do Parque Industrial - 2010 Mercado Capacidade Instalada: Aprox. 2.820.000 toneladas/ano Brasileiro de Utilização da capacidade instalada – em torno de 86% Fibrocimento Consumo: Aprox. 2.434.000 toneladas/ano Empresas: 11 Fábricas: 19 Pontos de Venda: 39.000 ETERNIT Capacidade Instalada: 1.000.000 toneladas/ano Utilização da capacidade instalada – em torno de 83% Consumo: 827.000 toneladas/ano Empresas: Market-share 31% Fábricas: 5 Pontos de Venda: mais de 14.000 17
  18. 18. Vantagens Competitivas Produtos e Soluções para a Construção Civil
  19. 19. Vendas de Fibrocimento* (em mil toneladas)CAGR (2004/2010) = 11% 92% 827 725 731 620 578 523 431 19% 232 1952004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 4T09 4T10* Inclui os componentes para sistemas construtivos 19
  20. 20. Visão Geral - Tégula 20
  21. 21. Principais Produtos de Cobertura de Concreto 21
  22. 22. Solução Completa de Cobertura de Concreto 22
  23. 23. Estrutura do Parque Industrial - 2010 Mercado Capacidade Instalada: Aprox. 22 milhões de m²/ano Brasileiro de Utilização da capacidade instalada – em torno de 70% Cobertura de Consumo: Aprox. 15,4 milhões de m²/ano Concreto Empresas: em torno de 130 TÉGULA Capacidade Instalada: 7,2 milhões de m²/ano Utilização da capacidade instalada – em torno de 74% Consumo: 5,3 milhões de m²/ ano Empresas: Market-share 35% Fábricas: 5 23
  24. 24. Vantagens Competitivas Produtos e Soluções para a Construção Civil
  25. 25. Telhas de Concreto Vendas em mil m² Capacidade Utilizada 35% 1.454 80% 80% 1.300 1.435 70% 60% 1.064 477 587 1T10* 2T10 3T10 4T10 1T10* 2T10 3T10 4T10* A Tégula foi adquirida em 11 de fevereiro de 2010. Os 587 mil m2 foram consolidados na Eternit. 25
  26. 26. Principais Ajustes do IFRS que Impactaram o Balanço da Eternit 26
  27. 27. Adoção do IFRS Instrução CVM n.º 457, torna obrigatória a apresentação dasDemonstrações Financeiras das Sociedades Anônimas de CapitalAberto nos padrões internacionais – IFRS a partir do exercício findoem 2010. A Eternit antecipa a implementação do IFRS já em 2007 e seusimpactos nas Demonstrações Financeiras de 2010 são irrelevantes. 27
  28. 28. Principais Ajustes do IFRS no Lucro Líquido 2007 2008 2009 2010Valores em BRGAAP 43.688 81.201 73.187 102.034Ajustes em IFRSDepreciação Complementar (104) (96) (104) (105)Reversão do Ativo Diferido 35 - - -Reversão do Ágio s/Investimento 8.279 - - -Juros s/Financiamento Imobilizado - - - 182Imposto de Renda Diferido 23 28 36 (26)Valores em IFRS 51.921 81.133 73.119 102.085 A principal variação de GAAP é a reversão do ágio pago naaquisição da controlada SAMA face a expectativa de rentabilidadefutura deste ativo. 28
  29. 29. Principais Ajustes do IFRS no Patrimônio Líquido 2007 2008 2009 2010Valores em BRGAAP 232.583 247.940 373.102 394.732Ajustes em IFRSGoodwill – Reversão Amortização do Ágio 16.558 16.558 16.558 16.558– SAMA MineraçõesCMB Complementar - Imobilizado 1.422 1.422 1.422 1.422Depreciação Complementar (207) (303) (402) (507)Reversão do Ativo Diferido (133) (133) (133) (133)Reversão da Amortização do Ativo Diferido 97 97 97 97Juros s/Financiamento Imobilizado - - - 182Imposto de Renda Diferido 59 117 148 125Valores em IFRS 250.402 265.698 390.792 412.476 29
  30. 30. Desempenho Econômico-Financeiro 30
  31. 31. Receita Líquida Consolidada (em R$ milhões) CAGR (2004/2010) = 14% 759 116% 111 583 544 130 402 120 352 349 355 34% 95 648 97 87 79 211 453 157 424 27 276 307 28255 262 184 1292004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 4T09 4T10 Mercado Interno Mercado Externo 31
  32. 32. Composição da Receita Líquida Consolidada 2004 2008 Componentes Componentes Minério para Sistemas para Sistemas Crisotila Construtivos Minério Crisotila Construtivos 43,1% 3,3% 34,5% 1,7% Outros (*) 0,1% Fibrocimento 55,2% Fibrocimento 62,1% 2010 4T10 Telhas de Telhas de Concreto e Minério Concreto eComponentes Acessórios Crisotila Componentes Acessórios Minério Crisotilapara Sistemas 8,9% 29,1% para Sistemas 9,1% 27,4%Construtivos Construtivos 2,8% 3,2% Outros (*) Outros (*) 3,4% 3,4% Fibrocimento Fibrocimento 55,8% 56,9%(*) Outros: telhas metálicas, caixas d’água de polietileno, louças, assentos sanitários e filtros para tubulações de água. 32
  33. 33. Composição do Custo de Produção - 4T10 Fibrocimento Minério Crisotila Mão-de-Obra Depreciação 4% Outros Custos 11% Mão-de-Obra 14%Matérias- 45%Primas (*) Depreciação 64% 3% Energia 7% Outros Custos 19% Energia Materiais (**) 3% 30%1 - Cimento (46%), minério crisotila (43%) e outros (11%) 2 - Combustível, explosivos, embalagens, entre outros Telhas de Concreto Depreciação Outros Custos 7% 22% Mão-de-Obra 17% Energia 4% Matéria-Prima (***) 3 - Cimento (52%), areia (33%) e outros (15%) 50% 33
  34. 34. EBITDA (em R$ milhões) CAGR (2004/2010) = 10% 78% 144 133 123 81 78 73 69 13% 34 302004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 4T09 4T10 34
  35. 35. Lucro Líquido (em R$ milhões)CAGR (2004/2010) = 21% 102 209% 81 73 44 38 68% 33 34 29 172004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 4T09 4T10 35
  36. 36. Margens 45%44% 44% 42% 43% 41% 40% 41% 38% 25%23% 22% 20% 21% 18% 19% 19% 16% 15% 13% 13% 14% 10% 11% 11% 11% 9%2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 4T09 4T10 Margem Bruta Margem EBITDA Margem Líquida 36
  37. 37. Tégula Desempenho Operacional e Financeiro 4T10 11/02 a 31/12* Volume Vendido em m2 de Telhas 1.434.887 4.776.492 Receita Operacional Líquida R$ 19.133 mil R$ 67.863 mil Lucro Bruto R$ 2.927 mil R$ 19.832 mil Margem Bruta 15% 29% EBITDA R$ 1.281 mil R$ 8.023 mil Margem EBITDA 7% 12% Lucro Líquido R$ 7.962 mil R$ 13.987 mil Margem Líquida* 42% 21%* A margem líquida foi afetada positivamente em função da constituição do IR diferido no valor de R$10,3 milhões 37
  38. 38. Investimentos (em R$ milhões)CAGR (2004/2010) = 24% 93 99 258% 65 14 3 4 34 34 28 32 28 86% 29 4 9 7 8 13 26 30 27 25 21 2 17 13 7 11 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 4T09 4T10 Investimentos Correntes Novos Negócios Aquisição Tégula Aumento de Capacidade – Eternit Aumento de Capacidade – SAMA Aumento de Capacidade – Tégula 38
  39. 39. Novas linhas de produção de produtos acabados Goiânia - GO Colombo - PR Simões Filho - BA Abril/2008 Janeiro/2009 Outubro/2010 39
  40. 40. Construção da Linha de Mármore Sintético Área Externa do Galpão Linha de Produção Silo de Resina 40
  41. 41. Aquisição do Terreno para a Fábrica Multiprodutos Cimenteira Linha Gás Natural 35 km 15 km 41
  42. 42. Governança Corporativa e Mercado de Capitais 42
  43. 43. Órgãos de Governança Conselho de Administração Comitê de Auditoria, Conselho Consultivo Controladoria e Tesouraria Comitê de Planejamento Comitê de Responsabilidade Estratégico Socioambiental Comitê Jurídico Comitê de Recursos Humanos Presidência (*) Controles Internos Auditoria Interna Diretoria de Diretoria de Diretoria Diretoria deRelações com Diretoria Diretoria Desenv. e Diretoria de Admin- RecursosInvestidores Comercial Industrial Novos Mineração Financeiro Humanos (*) Negócios (*) Acumula a função 43
  44. 44. Assembleia na web www.eternit.com.br/ri www.assembleianaweb.com.br 44
  45. 45. Assembleia na web Aperfeiçoar as boas práticas de Governança Corporativa; O sistema permite o voto por procuração eletrônica, mediante certificado digital; Mais da metade dos acionistas da Eternit residem fora do estado de São Paulo; A CVM e o IBGC recomenda que as Companhias incentive a participação dos acionistas em assembleias; Parceiros: 45
  46. 46. Prêmios em Governança A qualidade Eternit também está presente na Governança Corporativa 46
  47. 47. Estrutura Acionária – Mar/11 58,31% Destaques Mar/11 Mar/08 31,63% Geração L. Par. F. I. A. 19,55% 6,89% Luiz Barsi Filho 13,02% 4,96% Victor Adler 6,70% 5,59% Diretoria 1,81% 1,15% Demais Conselheiros 0,07% 0,02% Ações em Tesouraria 0,03% 0,28% 7,77% 2,29% Membro Conselheiros Desde Pessoas Físicas Sérgio Alexandre Melleiro (*) 1993 Pessoas Jurídicas Guilherme Affonso Ferreira (**) 2003 Residentes no Exterior Lírio Albino Parisotto (*) 2004 Mário Fleck (**) 2005 Clubes, Fundos e Fundações Victor Adler (*) 2005 Élio A. Martins 2007 Luiz Barsi Filho (*) 2008 Marcelo Munhoz Auricchio (*) 2011 FREE-FLOAT 76,58% Luis Terepins (*) 2011 (*) Conselheiro Independente (**) Conselheiro Consultivo 47
  48. 48. Número de Acionistas 7.726 7.317 6.615 5.910 6.223 2.482 1.638 1.302 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011(*)(*) Até fevereiro de 2011 48
  49. 49. Média Diária – Volume de Negócios (em R$ mil) 3.708 2.900 1.297 1.108 975 850 604 716 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011(*)(*) Até março de 2011 49
  50. 50. Remuneração aos Acionistas Lucro Líquido X Proventos Pagos (em R$ milhões) 102 81 73 72 65 55 44 44 33 34 38 40 30 27 20 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011* Lucro Líquido Dividendos e JCP(*) Até março de 2011 50
  51. 51. Dividend Yield 17,1% 16,2% 15,1% 13,2% 12,8% 9,3% 8,6% 2,5% 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011*(*) Até março de 2011 51
  52. 52. Desempenho da Ação (Dez/06 - Mar/11)No período de 30/12/2006 a 31/03/2011, as ações da Eternit registraram valorização de65,1% contra uma valorização do índice IBOVESPA de 54,2%.Neste mesmo período, considerando o pagamento de dividendos e JCP as ações da Eternitregistraram valorização de 188,8%.200 ETER3 IBOVESPA170 R$ 11,17 68.586140110 80 50 dez- mar- jun- set- dez- mar- jun- set- dez- mar- jun- set- dez- mar- jun- set- dez- mar- 06 07 07 07 07 08 08 08 08 09 09 09 09 10 10 10 10 11 52
  53. 53. Perspectivas 53
  54. 54. Indicadores Econômicos Salário Mínimo (R$) Massa Salarial (R$ milhões) CAGR: 5,96% CAGR: 10,5% 377.361 404.751 545 365.331 510 465 303.028 321.163 338.501 415 380 350 300 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2005 2006 2007 2008 2009 UDM 2010*Fonte: BACEN Fonte: IBGE * UDM 2010 de dez/09 a nov/10 Cesta Básica SP x Salário Mínimo (poder de compra) 79,2% 79,4% 71,4% 68,7% 66,2% 61,1% 56,5% 57,7% 52,0% 49,1% 52,0% 510,0 545,0 465,0 415,0 350,0 380,0 300,0 240,0 260,0 239,5 265,2 200,0 214,6 228,2 151,0 180,0 164,8 183,4 182,1 119,5 128,6 158,7 172,2 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011Fonte: IBGE e DIEESE Salário Mínimo (R$) Cesta Básica em SP (R$) % 54
  55. 55. Indicadores Econômicos Disponibilidade de Crédito Taxa de Desemprego – Brasil Governo, Indústria, Habitação, Rural, Comércio, Pessoas Físicas de Crédito (R$ bilhões) 1703,8 8,6% 8,4% 1677,6 1613,8 7,4% 1528,9 6,8% 6,8% 1451,9 1410,3 5,3% 1227,3936,0dez/07 dez/08 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 nov/10 dez/10 dez/05 dez/06 dez/07 dez/08 dez/09 dez/10 Fonte: BACEN Fonte: IBGE Crescimento da Poupança Brasileira 20,0% 20,0% 20,0% 20,0% 20,0% 19,0% 19,0% 19,0% 18,0% 17,0% 16,0% 16,0% 15,0% 277,0 280,0 265,0 270,0 257,0 258,0 260,0 262,0 254,0 240,0 245,0 233,0 238,0 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 Fonte: BACEN R$ bilhões (%) Var YoY 55
  56. 56. Déficit Habitacional – milhões de unidades 7,8 7,9 7,9 7,3 6,6 6,3 5,8 2004 2005 2006 2007 2008 Nova Metodologia Metodologia Antiga 56
  57. 57. Comparação do Crescimento PIB vs. Eternit (%) PIB Construção Civil PIB Brasileiro Eternit 34,9 33,3 13,2 11,6 7,5 8,2 5,1 5,0 5,4 5,3 6,6 4,5 -0,2 -6,3 2007 2008 2009 2010 2011(E)(E) - Estimado - Fonte: BACEN.O crescimento da receita bruta consolidada da Eternit é comparando o acumulado de janeiro a dezembro de 2010vs. o ano de 2009. A empresa não divulga expectativa de receita futura. 57
  58. 58. Programa Estruturado de Expansão e Diversificação OBJETIVOConsolidar a Eternit como empresa de produtos e soluções para a construção civil INICIATIVAS - Criação da Diretoria de Desenvolvimento e Novos Negócios - Inclusão de Telhas Metálicas no portfolio - Investimento em novas linhas de produção de fibrocimento na Eternit - Investimento em máquinas de novos produtos nas fábricas atuais - Aumento de capacidade de produção na SAMA - Lançamento de novos produtos - Entrada no segmento de louças sanitárias - Crescimento Inorgânico - Aquisições 58
  59. 59. Lançamentos - 2011Bairro Nova Odebrecht – Angra dos Reis/ RJ Para maiores informações sobre os lançamentos 2011 acesse: www.eternit.com.br 59
  60. 60. Crisotila – O amianto do Brasil 60
  61. 61. Crisotila – O amianto do Brasil O uso do minério crisotila no Brasil éregulamentado pela Lei Federal 9.055/95,Decreto 2.350/97 e normas regulamentadorasdo Ministério do Trabalho. Também estáprevisto na Convenção 162 da OrganizaçãoInternacional do Trabalho (OIT). Amianto branco Fibras curvas, sedosas e sem ponta Alta concentração de magnésio: 3MgOSiO2H2O Biopersistência*: 2,5 dias *Biopersistência: Tempo que uma partícula inalada permanece no pulmão antes de ser eliminada pelos mecanismos de defesa do organismo. Para provocar dano pulmonar, a fibra precisa ter capacidade de penetração e de durabilidade nos alvéolos. Rocha de serpentinito com fibras de minério crisotila 61
  62. 62. Brasil conclui pesquisa inédita sobre os riscos do amianto Projeto Asbesto Ambiental “Exposição Ambiental ao Asbesto: Avaliação do Risco e Efeitos na Saúde” Processo CNPq n. 420001/2006-9O resultado da pesquisa, realizada por renomados médicos ligados aimportantes universidades federais brasileiras, divulgado 25 de novembrode 2010 em Brasília, comprova que:Em relação às avaliações da amostra dos moradores estudados, não foramencontradas alterações clínicas, funcionais respiratórias e tomográficas dealta resolução, passíveis de atribuição à inalação ambiental à fibras deasbesto.Na avaliação ocupacional, não se identificou novas alterações nemprogressão do comprometimento pleural ou intersticial nos indivíduos doGrupo exposto após 1980, que fizeram Tomografia Computadorizada deAlta Resolução - TCAR nos dois estudos.A íntegra desta pesquisa está disponível em www.sectec.go.gov.br. 62
  63. 63. Gestão Corporativa e Socioambiental 63
  64. 64. Gestão Corporativa Programa Portas Abertas Criação .................. Novembro de 2004 Contribuir para o melhor entendimento da sociedade a respeito da extração e Objetivo ................. beneficiamento do minério crisotila e da fabricação de produtos de fibrocimento de forma controlada e responsável. Cinco unidades produtivas do Grupo Eternit e a Abrangência .......... mina da SAMA Visitantes ............... Mais de 42 mil até dezembro de 2010 Público ................... Sociedade em Geral 64
  65. 65. Gestão com Foco no Meio Ambiente Rejeito Zero Monitoramento da Reutilização da Reflorestamento de Qualidade do Ar Água Bancadas Projeto Quelônios - Área de Preservação Animal Viveiro de Mudas Único criadouro de Tartarugas da Amazônia no Brasil e Reintegração de Animais Silvestres a Natureza em parceria com o IBAMA 65
  66. 66. Gestão com Foco Social 66
  67. 67. Maiores InformaçõesÉlio A. Martinselio.martins@eternit.com.brRodrigo Lopes da Luzrodrigo.luz@eternit.com.brBárbara M. Tanure Gonçalvesbarbara.goncalves@eternit.com.brTelefone: (55-11) 3813-6034 ou (55-11) 3038-3818www.eternit.com.br/ri ou www.blogdaeternit.com.br Consultoria de RI Marcelo M. Fonseca marcelo.fonseca@firb.com Este material foi produzido com papeis certificados FSC (Forest Stewardship Council), que é uma garantia de que a matéria- prima advém de uma floresta manejada de forma Tel: (55-11) 3897-6857 ecologicamente correta, socialmente e economicamente viável. 67

×