Reprodução assistida

4.000 visualizações

Publicada em

Catarina Alves, Joana Bexiga e Joana Dias

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.000
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
162
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reprodução assistida

  1. 1. Trabalho elaborado por: Catarina Alves nº1 Joana Bexiga nº3 Joana Dias
  2. 2. De forma a garantir a continuidade da sua espécie naTerra, o Homem necessita de se reproduzir.Normalmente, ocorre a união dos gâmetas feminino emasculino, no interior do sistema reprodutor feminino, semqualquer problema. Porém, devido a anomalias, isso podenão se verificar, tendo de se recorrer a outros métodos.Este trabalho foi realizado com o objetivo de divulgar ascausas da infertilidade, bem como os seustratamentos, tais como as técnicas de reproduçãoassistida. 2
  3. 3.  Anomalias congénitas (ausência ou atrofia dos ovários, trompas, útero…) Ausência de produção de oócitos ou de ovulações. Anomalias na secreção hormonal, desencadeando problemas na ovulação. Obstrução ou alteração das trompas. Problemas ao nível do endométrio. Infeções das vias genitais. Muco cervical desfavorável aos espermatozoides. Exposição a tóxicos, como tabaco, álcool e drogas. Idade da mulher. 4
  4. 4.  Anomalias congénitas dos testículos. Ausência de produção de espermatozoides. Produção de espermatozoides em número insuficiente. Deficiência na mobilidade dos gâmetas. Percentagem elevada de espermatozoides anormais. Anomalias na libertação de espermatozoides. Exposição a tóxicos, como tabaco, álcool e drogas. 5
  5. 5. Um conjunto de técnicas que visam obteruma gestação substituindo ou facilitandouma etapa deficiente no processoreprodutivo. 6
  6. 6. Existem várias técnicas para o tratamento da infertilidade. As técnicas mais comuns de reprodução assistida incluem: A inseminação artificial; Fertilização in vitro; Injeção intracitoplasmática (ICSI). 7
  7. 7. 8
  8. 8. Transferência mecânica de espermatozoides, previamente recolhidos, tratados e selecionados, para o interior do aparelho genital feminino, na altura da ovulação, sendo mais frequente realizá-lo no interior da cavidade uterina.Desta forma, tenciona-se diminuir a distância que separa o óvulo e o espermatozoide, e facilitar o encontro dos dois. 9
  9. 9. 10
  10. 10.  A inseminação artificial pode ser realizada com o esperma do marido (IAM) ou com o esperma de um dador (IAD). Para a IAM é geralmente utilizado esperma fresco. Para a IAD o esperma é congelado em azoto líquido e depois armazenado em criotubos a -196 C. 11
  11. 11.  Na inseminação artificial, os espermatozoides são separados do liquido seminal, através de centrifugação, já que como são colocados acima do orifício interno do colo do útero, o líquido seminal, como meio de transporte é desnecessário, sendo assim substituído por um meio de cultura adequado. A fertilização é então in vivo, dentro das trompas de Falópio. 12
  12. 12.  Para que a inseminação artificial seja bem sucedida, é imprescindível que pelo menos uma das trompas de Falópio se encontre permeável. Além disso, o esperma do homem deve cumprir as exigências espermáticas mínimas (a concentração de espermatozoides móveis após a sua preparação em laboratório deve ser superior a 3 milhões). 13
  13. 13. 14
  14. 14.  Método de tratamento da esterilidade em que um óvulo é removido cirurgicamente do ovário e fertilizado fora do corpo. O termo «in vitro», literalmente em vidro, refere-se à placa de Petri, de vidro, utilizada neste procedimento. 15
  15. 15.  Estimulação da produção de oócitos pelos ovários. Recolha dos oócitos, por laparoscopia ou passando uma agulha através da parede vaginal. Mistura, em laboratório, de gâmetas masculinos e femininos. Incubação, in vitro, do zigoto até à sua divisão (2 a 8 células). Transferência do embrião ou embriões para o útero, para que se possam implantar e desenvolver. 16
  16. 16. 17
  17. 17. 18
  18. 18. 19
  19. 19.  A técnica ICSI é uma técnica relativamente nova, realizada pela primeira vez em 1992 e conta com o auxílio de micromanipuladores unidos ao microscópio e consiste em injectar um único espermatozóide directamente dentro do oócito, levando assim à fecundação. A mulher usa estimuladores ovarianos (drogas de fertilidade) com o objetivo do crescimento de vários folículos maduros. Os oócitos são aspirados por via transvaginal (orientado pelo ultra-som) e armazenados em meios de cultura no laboratório. A qualidade dos oócitos é examinada ao microscópio. 20
  20. 20.  Posteriormente os oócitos são incubados entre 3 a 6 horas. Após esse período são classificados. Se maduros, são preparados para a injeção. Este processo é feito numa placa de Petri com duas micropipetas: uma delas vai segurar o oócito e a outra vai pegar no espermatozoide, imobilizá-lo e injetá-lo dentro do oócito, ultrapassando a zona pelúcida. 21
  21. 21.  Neste procedimento existe o risco (aproximadamente de 5%) dos oócitos se romperem. Os restantes são posteriormente colocados em incubadoras a 37ºC, até à transferência dos embriões para o útero. 22
  22. 22.  No dia seguinte os óvulos são examinados quanto à presença dos sinais de fertilização (pró-núcleos). Permanecem no laboratório por mais 24 a 48 horas onde se dividem várias vezes. São escolhidos os embriões para transferência e o restante é congelado para futuras transferências. 23
  23. 23. 24
  24. 24. 25
  25. 25. 26
  26. 26. 27
  27. 27. 28
  28. 28.  O primeiro bebé-proveta português foi Carlos Saleiro? É futebolista, nasceu há 26 anos, a 25 de Fevereiro de 1986, um acontecimento que mudou a forma como a sociedade via a infertilidade e foi vivido pelo médico responsável, António Pereira Coelho que já fez nascer mais de mil crianças com recurso à fertilização in vitro. 29
  29. 29.  Carlos Saleiro 30
  30. 30.  Foi produzido na Unidade de FIV do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e no Laboratório de Biologia Molecular do Instituto Gulbenkian de Ciência. 31
  31. 31.  A ICSI tem sido usada desde à 14 anos e mais de 26.000 crianças já nasceram como resultados dessa técnica no mundo. Com essa técnica as taxas de fertilização são de 60-70% dos óvulos injetados e as taxas de divisão cerca de 80%. As taxas gerais de nascimento vivo são de 23,1%. Na generalidade dos relatórios internacionais mais recentes, as taxas de sucesso para os ciclos de FIV com embriões frescos são de cerca de 30% e para os ciclos com embriões congelados rondam os 20%. De modo geral, a taxa de sucesso da inseminação artificial é de 15% a 20% com a inseminação intrauterina. 32
  32. 32. 33
  33. 33. Nos paísesdesenvolvidos, verifica-se uma subida gradualnos casos deinfertilidade, devido afatores como ostress, hábitossedentários, umaalimentação rica emgorduras, tabaco, álcoole drogas, bem como osfatores ambientais. 34
  34. 34.  http://www.slideshare.net/tiafer96/reproduo- medicamente-assistida http://www.slideboom.com/presentations/26426/C ausas-da-Infertilidade-e-T%C3%A9cnicas-de- Reprodu%C3%A7%C3%A3o-Assistida http://www.slideboom.com/presentations/429975/ Manipula%C3%A7%C3%A3o-da-Fertilidade--- Reprodu%C3%A7%C3%A3o-Assistida http://expresso.sapo.pt/primeiro-bebe-proveta- portugues-nasceu-ha-25-anos=f634119 http://www.youtube.com/watch?v=5hmaGBuNAXk http://www.youtube.com/watch?v=ErwJZjiduvU http://www.youtube.com/watch?v=8aLHScWL9CQ 35
  35. 35. 36

×