O que é?A reprodução medicamente assistida é o processo segundo o qual sãoutilizadas diferentes técnicas médicas para auxi...
E esterilidade, tem o mesmo significado que infertilidade?Não. Normalmente, há uma confusão entre os dois termos, mas eles...
Inseminação artificial                               Fertilização in vitro (FIV)                            Injeção intrac...
Causas da infertilidade             Feminina                              Masculina•   Anomalias congénitas (ausência     ...
A inseminação artificial consiste em transferir para a cavidade uterina os espermatozoidespreviamente recolhidos e tratado...
Fig.2 – Inseminação artificial
Situações em que é utilizada:• Utilizado em casais cujo homem apresenta oligospermia(quantidade reduzida de espermatozoide...
Consiste na extração cirúrgica de oócitos II, que são colocados em placas de Petricom um meio adequado, e aos quais se jun...
A fertilização in vitro divide-se nas seguintes fases:    Tratamento hormonal    •Inicialmente, a partir do 3º ou 5º dia d...
Situações em que é utilizada• Utilizado em casais cuja mulher tem um bloqueio dastrompas de Falópio, mas ovários e útero f...
Introduzida em 1992, a injeção intracitoplasmática de espermatozoides, tambémconhecida por ICSI (sigla inglesa para intrac...
Este processo divide-se nas seguintes fases:          Recolha do espermatozoide          •É escolhido um espermatozoide no...
Situações em que é utilizada:• Aumenta a taxa de sucesso da fecundação in vitro em casais cujo homem temoligospermia ou um...
• A primeira inseminação artificial, oficialmente registada, ocorreu no ano de 1779,efetuada por um italiano chamado Lazza...
• Em cada 100 ciclos de inseminação artificial, 13 resultam em gestação.• Em cada 100 casais que completam 4 ciclos de ins...
• Bebé proveta é um bebé proveniente de uma inseminação artificial oufertilização in vitro, ou seja, não resulta de uma fe...
Fig.6 - Carlos SaleiroFig.5 - Louise Brown            Fig.7 - Robert Edward e Patrick                                   St...
• Em Portugal, Alberto Barros é um dos especialistas portugueses emreprodução medicamente assistida mais prestigiado, tend...
• Quem são os responsáveis pela infertilidade, os homens ou as mulheres?Cerca de 40% seriam por causas masculinas: alteraç...
Reprodução assistida
Reprodução assistida
Reprodução assistida
Reprodução assistida
Reprodução assistida
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Reprodução assistida

1.862 visualizações

Publicada em

Joana Rodrigues, Maria Vieira e Tatiana Mogas

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.862
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
103
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reprodução assistida

  1. 1. O que é?A reprodução medicamente assistida é o processo segundo o qual sãoutilizadas diferentes técnicas médicas para auxiliar à reprodução humana.Estas técnicas são normalmente utilizadas em casais inférteis.O que é a infertilidade?Infertilidade é a diminuição da capacidade de ter filhos devido a alterações nossistemas reprodutores masculino e/ou feminino. Fig.1 - Incidência percentual das causas de infertilidade
  2. 2. E esterilidade, tem o mesmo significado que infertilidade?Não. Normalmente, há uma confusão entre os dois termos, mas eles sãocompletamente diferentes:• Dizemos que um casal é estéril (esterilidade) quando a capacidade natural degerar filhos é nula (Exemplo: a mulher tem obstrução das duas trompas; o maridonão possui espermatozoides na ejaculação - azoospermia).• Dizemos que um casal é infértil (infertilidade) quando tem apenas umadiminuição da chance da gravidez (mulheres com endometriose; homens comdiminuição do número e motilidade dos espermatozoides).
  3. 3. Inseminação artificial Fertilização in vitro (FIV) Injeção intracitoplasmática de um espermatozoide Transferência intrafalopiana de gâmetas Técnicas dereprodução assistida/Princípios subjacentes Transferência intrafalopiana do zigoto Implantação de embriões após diagnóstico genético Pré-implantação (DGPI) Biópsia ao 1º glóbulo polar
  4. 4. Causas da infertilidade Feminina Masculina• Anomalias congénitas (ausência • Anomalias congénitas dos ou atrofia dos ovários, trompas, testículos; útero…); • Produção de espermatozoides em• Anomalias na secreção hormonal, número insuficiente; desencadeando problemas na • Deficiência na mobilidade dos ovulação; gâmetas;• Obstrução ou alteração das • Percentagem elevada dos trompas; espermatozoides anormais;• Problemas ao nível do • Anomalias na libertação de endométrio; espermatozoides;• Infeções das vias genitais; • Exposição a tóxicos, como o• Muco cervical desfavorável aos tabaco álcool e drogas. espermatozoides;• Exposição a tóxicos, como o tabaco álcool e drogas.
  5. 5. A inseminação artificial consiste em transferir para a cavidade uterina os espermatozoidespreviamente recolhidos e tratados após a seleção dos espermatozoides morfologicamentemais normais e móveis.Este processo divide-se em três fases: Estimulação do ovário com hormonas • Esta estimulação vais desencadear o desenvolvimento de vários folículos e a consequente indução da ovulação. Assim pode-se dispor mais de um oócito para que este possa ser fecundado de forma natural. A preparação do esperma e a seleção dos espermatozoides com maior mobilidade • Analisam-se amostras através de técnicas de capacitação ou de preparação seminal, eliminando-se os restos celulares, espermatozoides mortos, imóveis ou lentos. Conclusão do processo • Uma vez preparada a amostra, a mesma é depositada com uma cânula especial no interior do útero. Depois do esperma depositado, a mulher deve permanecer alguns minutos em repouso. Ao nível da medicação pós-inseminação , será receitado um antibiótico profilático, ácido fólico (para proteção contra defeitos do sistema nervoso do feto).
  6. 6. Fig.2 – Inseminação artificial
  7. 7. Situações em que é utilizada:• Utilizado em casais cujo homem apresenta oligospermia(quantidade reduzida de espermatozoides). Neste caso, podeser inseminado artificialmente esperma de várias ejaculações,concentrado em laboratório.• É utilizado o esperma de um dador quando o elementomasculino do casal é infértil ou quando pode transmitir doençagenética.• Utilizado por mulheres sem companheiro que desejam sermães.• Utilizado em mulheres que produzem secreções vaginaisagressivas.
  8. 8. Consiste na extração cirúrgica de oócitos II, que são colocados em placas de Petricom um meio adequado, e aos quais se juntam espermatozoides. A fecundaçãoocorre in vitro (“no vidro”) e os embriões formados, com cerca de oito células, sãotransferidos para o útero, onde se desenvolvem normalmente. Fig. 3 – Como se processa a FIV ?
  9. 9. A fertilização in vitro divide-se nas seguintes fases: Tratamento hormonal •Inicialmente, a partir do 3º ou 5º dia do ciclo sexual, são praticados estímulos hormonais com FSH de síntese, que vai ativar a maturação de vários folículos. Quando o desenvolvimento folicular é suficiente, inicia-se uma nova fase, através de uma injeção de LH de síntese, que provoca a ovulação. Aspiração dos oócitos e colheita dos espermatozoides •Um pouco antes de ocorrer a ovulação procede-se à aspiração dos oócitos II através de uma agulha unida à sonda da ecografia vaginal. Quanto aos espermatozoides, selecionam-se os mais aptos. Fecundação in vitro •Coloca-se em contacto os oócitos e os espermatozoides num meio de cultura mantido a 37ºC, com uma atmosfera humidificada, reconstituindo as condições do oviduto e do útero. Desenvolvimento e transferência dos embriões •Após a fecundação e formação de embriões, alguns destes são selecionados, sendo transferidos de 1 a 3 para a cavidade uterina.
  10. 10. Situações em que é utilizada• Utilizado em casais cuja mulher tem um bloqueio dastrompas de Falópio, mas ovários e útero funcionais.• Utilizado quando um dos membros do casal tem umadoença de transmissão sexual incurável e as relações sexuaissem preservativo podem contaminar o parceiro.
  11. 11. Introduzida em 1992, a injeção intracitoplasmática de espermatozoides, tambémconhecida por ICSI (sigla inglesa para intracytoplasmic sperm injection), é uma técnicaque consiste na injeção de um único espermatozoide no citoplasma do oócito II,evitando assim as dificuldades do processo natural em que o espermatozoide tem depassar a "barreira" do oócito para nele penetrar. Oócito II Micropipeta com o Micropipeta espermatozoide de contenção Fig.4 – Injeção intracitoplasmática de um espermatozoide num oócito II
  12. 12. Este processo divide-se nas seguintes fases: Recolha do espermatozoide •É escolhido um espermatozoide normal, com boa mobilidade, que é aspirado com uma micropipeta . Injeção do espermatozoide no oócito II •A micropipeta contendo o espermatozoide aproxima-se do oócito II (segurado pela micropipeta de contenção) e penetra no citoplasma do oócito, empurrando o espermatozoide para o seu interior, ocorrendo a fecundação. Verificação da fecundação •É feita após cerca de 18 horas, através do microscópio. Entretanto o ovo ou zigoto inicia as divisões mitóticas dando origem a um embrião, que fica guardado numa incubadora a 37ºC. Implantação dos embriões no útero •Os embriões resultantes são implantados no útero através das mesmas técnicas da fertilização in vitro atrás descritas.
  13. 13. Situações em que é utilizada:• Aumenta a taxa de sucesso da fecundação in vitro em casais cujo homem temoligospermia ou uma percentagem elevada de espermatozoides anormais;• Vasos deferentes danificados ou vasectomia irreversível;• Dificuldades masculinas na ereção ou ejaculação (por problemas de espinalmedula, por exemplo).•Permite utilizar espermatozoides imaturos;•Permite escolher o sexo da criança por seleção dos espermatozoides.
  14. 14. • A primeira inseminação artificial, oficialmente registada, ocorreu no ano de 1779,efetuada por um italiano chamado Lazzaro Spalanzani. Esse homem, padre,fisiologista e estudante das ciências naturais, principalmente Biologia, colheu oesperma de um cachorro e aplicou-o numa cadela com o cio. Dessa experiência,surgiram três cachorrinhos. Todavia, foi no final do século XVII, que um médicoinglês chamado John Hunter obteve os primeiros resultados cientificamentecomprovados, já que nos anos 70 essa técnica não foi devidamente utilizada. Aprimeira gravidez por inseminação artificial data de 1791 e foi realizada pelomédico John Hunter.
  15. 15. • Em cada 100 ciclos de inseminação artificial, 13 resultam em gestação.• Em cada 100 casais que completam 4 ciclos de inseminação, 60 conseguematingir gestação.• Segundo os resultados obtidos através de inseminação artificial, cerca de 15 a 20%das gravidezes concretizadas são gemelares e que 15% terminam com uma situaçãode aborto.
  16. 16. • Bebé proveta é um bebé proveniente de uma inseminação artificial oufertilização in vitro, ou seja, não resulta de uma fecundação em condiçõesnaturais proveniente de uma relação sexual entre um homem e uma mulher, masantes da fecundação gerada em laboratório.Designa-se proveta exatamente para aludir à sua "criação" laboratorial. • O primeiro bebé-proveta do mundo chama-se Louise Brown e nasceu a 25 de Julho de 1978, em Bristol, Inglaterra. Os médicos britânicos envolvidos neste processo foram Robert Edward e Patrick Steptoe, na Bourn Hall Clinic, em Cambridge. • O primeiro bebé proveta a nascer em Portugal, é hoje jogador profissional de futebol, ex-jogador do Sporting Clube de Portugal, o avançado chamado Carlos Saleiro.
  17. 17. Fig.6 - Carlos SaleiroFig.5 - Louise Brown Fig.7 - Robert Edward e Patrick Steptoe
  18. 18. • Em Portugal, Alberto Barros é um dos especialistas portugueses emreprodução medicamente assistida mais prestigiado, tendo sido, juntamentecom a sua equipa, no Porto, responsável pela introdução da metodologia damicroinjeção intracitoplasmática no país. Fig.8 – Alberto Barros Fig. 9 – Logotipo da clínica de Alberto Barros.
  19. 19. • Quem são os responsáveis pela infertilidade, os homens ou as mulheres?Cerca de 40% seriam por causas masculinas: alterações de âmbito testicular,obstrução de canais, patologias da próstata, alterações na ejaculação ou naereção e alterações do esperma. Outros 40% seriam por causas femininas, comoa menopausa precoce, a endometriose, as obstruções ou lesões das trompas deFalópio, as anomalias uterinas e cervicais ou os problemas ovulatórios. Osrestantes 20% correspondem a causas mistas ou combinadas, nas quais ambossão responsáveis. No entanto, nunca é correto afirmar que o responsável pelainfertilidade é o homem ou a mulher. A infertilidade deve ser entendida como umproblema do casal, sendo a colaboração de ambos essencial no seu tratamento• Afeta muitos casais?Aproximadamente nove em cada dez casais em idade fértil que mantêm relaçõessexuais regulares conseguem uma gravidez durante o primeiro ano. Os dadosmanuseados pelos especialistas situam entre cerca de 15% e de 17% aimpossibilidade de ter um filho.

×