Memorial do Convento - Cap. xvii

11.478 visualizações

Publicada em

Catarina Alves

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.478
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.884
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
92
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memorial do Convento - Cap. xvii

  1. 1. Convento José Saramago Capítulo XVII: Resumo Trabalho elaborado por: Catarina Alves Nº1 do 12ºA Págs.: 255-281
  2. 2. Personagens: Baltasar Sete-Sois Domenico Scarlatti
  3. 3.  Começa com uma crítica à religião, nomeadamente às freiras que não cumprem o voto de castidade.  Voltam os homens a ser comparados formigas, devido ao seu trabalho em cadeia.  Vemos novamente a riqueza do rei.  Assistimos à viagem de Baltasar e ele imaginou o convento quando voou.  Baltasar começa a trabalhar no convento.  Compara-se o Alto da Vela ao calvário, pelo facto dos trabalhadores sofrerem como Cristo sofreu no calvário. ao modo às como
  4. 4.  Somos alertados para a importância dos terrenos férteis que foram utilizados para a construção do convento.  “… Deus não está a olhar, embora tudo isto seja para serviço e glória do mesmo Deus, e assim não se sabe se ele não estará desviando os olhos de propósito.” .  Os animais além de carregarem excesso, ainda levam com o chicote rudeza e a dificuldade do trabalho).  Referência histórica – terramoto de Lisboa em 1755 que destruiu a cidade, vindo mais tarde a ser reconstruída por Marquês de Pombal. peso, em (nota-se a
  5. 5.  Podemos ver que os trabalhadores respeitam o dia santo, apesar do rei querer o convento pronto no dia do seu aniversário.  Baltasar riscou um sol e uma lua na passarola para o padre Bartolomeu Lourenço saber que eles estavam vivos e que tinham estado ali.  Blimunda vai esperar Baltasar para lhe contar que o senhor Scarlatti está na casa do visconde.  Prolepse, pois já se está a prever a morte da filha do rei, Manuela Xavier.  Refere-se novamente o facto de Scarlatti cravo à água devido ao Santo Ofício.  Morte do padre Bartolomeu Lourenço (informação dada por Scarlatti). atirar o
  6. 6.  Passarola: Defendam-na, cuidem-na – verbos no conjuntivo, com valor imperativo, como que a apelar à necessidade de manter a máquina em condições de voar.  Partida de Scarlatti para Lisboa: “… o italiano vai triste, não admira, se vem da festa, mas tristes vão os outros também, quem diria, se voltam para a festa.”  O que esta frase quer dizer é que Scarllati vai triste, porque a festa já acabou, os que vão para a “festa” vão tristes, pois vão trabalhar, logo ir para a “festa” ou vir da “festa” não causa mudança de estado de espírito, já que a “festa” para onde os outros voltam é o trabalho.
  7. 7. Concluindo:  Baltasar procura trabalho, existindo trabalhar nas obras do convento. a hipótese de ele  Descrição da vida nas barracas de madeira.  Verificação do atraso das obras (feita por Baltasar) – motivos: chuva e transporte dos materiais dificultam o avanço.  Notícias de um terramoto em Lisboa.  Regresso de passarola. Baltasar ao Monte Junto, onde se encontra a  Visita de Scarlatti ao convento e encontro com Blimunda, sendo esta informada de que Bartolomeu de Gusmão morreu em Toledo, no dia do terramoto.

×