Memorial do Convento - Cap. xix

22.602 visualizações

Publicada em

Joana Bexiga

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
22.602
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.872
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
222
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memorial do Convento - Cap. xix

  1. 1. Escola básica 2,3/S Mestre Martins Correia, Golegã Joana Bexiga, nº3 turma 12ºA MEMORIAL DO CONVENTO JOSÉ SARAMAGO Capítulo XIX
  2. 2. TÓPICOS  Baltasar muda de ofício e deixa de ser carreiro (onde trabalha com os carros de mão) e passa a boieiro (onde trabalha com uma junta de bois);  Ida a Pêro Pinheiro buscar a pedra mãe (Benedictione);  Trabalho dos homens em época de calor e descrição da pedra;  Manuel Milho conta uma história;  Morte de Francisco Marques (atropelado pelo carro que transporta a pedra);  Chegada da pedra ao local da Basílica, após oito dias de percurso. 2
  3. 3. O TRANSPORTE DA PEDRA  Neste capítulo, Baltasar conseguiu, com a ajuda de João Pequeno, passar de simples carreiro a boieiro, podendo assim, participar na viagem a Pêro Pinheiro para transportar até Mafra uma grande pedra, que iria ser utilizada na Basílica do Convento. A viagem que duraria oito dias. 3
  4. 4.  Quando chegaram a Pêro Pinheiro todos se espantaram com o gigantesco tamanho da pedra, pelo que tiveram de construir um carro parecido a um “nau da Índia com calhas” para a conseguirem transportar.  É aqui que o narrador faz sobressair a força e a determinação do povo, elegendo-o como o verdadeiro herói da obra, salvando-o do anonimato. O povo é o herói que, humilhado, sacrificado e miserável, alcança uma dimensão trágica e se eleva na sua força e humanidade. 4
  5. 5.  A gente que construiu o convento é o povo anónimo que trabalha e sofre às ordens do rei, não só para cumprir a sua promessa mas também para satisfazer a sua vaidade. É um povo humilde e trabalhador, elogiado e enaltecido pelo autor, que tenta tirá-lo do anonimato e o individualiza em várias personagens e também simbolicamente, atribuindo-lhe um nome para cada letra do alfabeto, num simples desejo de o tornar imortal e de o incluir na História de Portugal: “…Alcino, Brás, Cristóvão, Daniel, Egas, Firmino…”.  Durante a viagem, Manuel Milho conseguiu captar a atenção dos outros trabalhadores, contando uma história de uma rainha que deixou o rei para fugir com um ermitão. 5
  6. 6.  Devido aos contratempos que surgiram durante a viagem, como a morte de Francisco Marques e o acidental choque com os bois, os trabalhadores demoraram oito dias a regressar a Mafra.  Quando finalmente chegaram, cansados da viagem, espantaram os habitantes com o monstruoso tamanho da pedra. No entanto, Baltasar mostrou-se desiludido ao comparar o tamanho da pedra com o da basílica de Mafra.  A descrição do transporte da pedra no carro chamado «nau da Índia» dá conta das dificuldades da viagem e inspira o tom emocional e humorístico do narrador: “…vão aqui seiscentos homens que não fizeram nenhum filho à rainha e eles é que pagam o voto, que se lixam, com perdão da anacrónica voz.” 6
  7. 7. EM SUMA...  A epopeia de pedra: - o transporte do “calhau”; - o número de homens e animais envolvidos na operação; - as dimensões da pedra da varanda a que se chamará Benedictione; - “a nau da Índia”; - as dificuldades/obstáculos do transporte; - o tempo gasto no percurso;  O sofrimento físico e psicológico;  A morte; - os sentimentos vivenciados.  A história de Manuel Milho: - a sua simbologia. 7
  8. 8. CITAÇÕES “Estava Baltasar há pouco tempo nesta sua nova vida, quando houve notícia de que era preciso ir a Pêro Pinheiro buscar uma pedra muito grande que lá estava, destinada à varanda que ficará sobre o pórtico da igreja.” “Era uma laje retangular enorme, uma brutidão de mármore rugoso que assentava sobre troncos de pinheiro, chegando mais perto sem dúvida ouviríamos o gemer da seiva, como ouvimos agora o gemido de espanto que saiu da boca dos homens, neste instante em que a pedra desafogada apareceu em seu real tamanho.” 8
  9. 9. SIMBOLOGIA  Pedra Mãe: o transporte desta grande pedra de mármore de Pêro Pinheiro a Mafra é uma epopeia, uma vez que esta ação é descrita com "grandeza" clássica e é vista como um ato heróico dos operários, que têm de transportar uma pedra gigantesca, num carro especialmente concebido para o seu transporte, que é comparado a uma nau da Índia, com a ajuda de duzentas juntas de bois e os seiscentos homens que a puxam. 9

×