História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar

48.773 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Negócios, Tecnologia
3 comentários
14 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
48.773
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
78
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
593
Comentários
3
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar

  1. 1. Trabalho realizado por: Maria Vieira, 10ºA
  2. 2. Autor: LuísSepúlveda Título: Históriade umagaivotae do gato que a ensinoua voar Editora: PortoEditora Local de edição:Lisboa Anode edição:2010 Anode publicação:1996 (1997com ilustrações) Nota: Todas as ilustrações que estãonesta apresentaçãosão de Sabine Wilharm
  3. 3. LuisSepúlvedanasceu emOvalle, no Chile,em 1949. É um romancista, realizador, roteirista, jornalista e activistapolíticochileno. Da sua vastaobra, toda ela traduzida emPortugal,destacam-seos romances O VelhoqueliaRomancesdeAmor e Históriade umaGaivota e doGatoquea Ensinoua Voar, ambosjá adaptados ao cinema. Mas MundodoFimdoMundo, Nomede Toureiro, PatagóniaExpress, EncontrosdeAmornumPaísemGuerraou Diáriode umKiller Sentimental, por exemplo, conquistaramtambém, em todoo mundo, a admiração de milhões de leitores. Em 2009,publicou A SombradoqueFomos, distinguidocomo Prémio Primavera de Romance,e, em 2010,HistóriasDaquie Dalie A Lâmpada deAladino.
  4. 4. Tudo começou no Mar do Norte, perto de Hamburgo, quando Kengah, uma gaivota de penas cor de prata, tentando apanhar mais algum peixe do mar, foi surpreendida por uma onda. Quando veio ao de cima uma camada espessa de petróleo, cobria-lhe o corpo, deixando-o pesado.
  5. 5. Com todas as suas forças, Kengah voou o mais que pôde até chegar à cidade de Hamburgo. A gaivota aterrou na varanda de Zorbas, um gato do porto, grande, preto e gordo, interrompendo-lhe o descanso.
  6. 6. Zorbas foi muitoamigávelcom Kengahe esta, vendoque o gatoera de confiança, pediu-lhe quelhe fizessetrêspromessas: • Não comero ovo; • Cuidardeleaté nascer agaivotinha; • Ensiná-laa voar, a tarefamais difícil. Zorbas pensandoque a pobre da gaivotaestava a delirar,aceitoucumprir todasas promessase foi rapidamentepedir ajudaaos seusamigos: Secretário(umgatoromanomuitomagro e apenas com doispêlos de bigode),Colonello(umgatovelhoe talentoso, vistocomouma autoridade pelosgatos daquelelocal)e Sabetudo(umgatoque era conhecidopor sabertudo) para tentaremsaberuma formade limparo petróleodas penasda gaivota. Os gatos,depois de muitapesquisa, conseguiram descobrir uma formade limparo petróleo,mas, infelizmente, quandochegaramao pé de Kengahjá ela estavamortae como ovo ao lado.
  7. 7. Como um bom gato do porto, Zorbas começou a cumprir as suas promessas e cuidou muito bem do ovo até nascer Ditosa, a pequenagaivota. Zorbas sempre protegeu Ditosa de todos os perigos e eles criaram uma grande cumplicidade, tanto que a pequenagaivota chamavaZorbas de “mamã”.
  8. 8. Passadoalgumtempo, chegara a altura de cumprira promessamais difícil: ensinarDitosa a voar. Zorbas e os seus amigos tentaram de tudo, mas, sozinhos, não conseguiram ensinar a gaivota a voar. Tiveram então de quebrar o tabu, pedindo ajuda a um humano, o dono de Bubulina, que rapidamentese mostroudisponível paraos ajudar. Com a ajuda deste humano, Ditosa finalmente conseguiu voar e Zorbas cumpriu todas as suas promessashonrandoassimo prestígiode todosos gatosdo porto.
  9. 9. • “ – Porcamiseria!É preciso ajudar essa pobre gaivotapara poder continuaro seu voo (…) - Vamostodos. Os problemas de um gatodo portosãoproblemas de todosos gatosdo porto – declarouColonellosolenemente.” (pág. 40) • “ Zorbaslambeu-lhe as lágrimas e de repente deu consigoa miar comonunca fizera: - Tu és uma gaivota. Nissoo chimpazé tem razão, mas só nisso. Todosgostamosde ti, Ditosa. (…) Nãote contradissemos quandote ouvimos grasnarque és um gato, porquenos lisonjeia que queiras ser comonós;(…) Demos-te todoo nossocarinho(…). (…) é bom que saibasque contigoaprendemosuma coisa que nos enchede orgulho: aprendemos a apreciar, a respeitare a gostar de um ser diferente. É muitofácil aceitare gostar dos que são iguais a nós, mas fazê-locomalguémdiferenteé muitodifícil, e tu ajudaste-nos a consegui-lo.”(pág. 102)

×