O Velho que lia romances de amor

8.035 visualizações

Publicada em

Ficha de Leitura

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.035
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
318
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
130
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Velho que lia romances de amor

  1. 1. Ficha de leitura RealizadaporMaria Elisabete RodriguesVieira,nº8,10º ano  Ficha técnica do livro Autor: Luis Sepúlveda Título: O velho que lia romances de amor Editora: Porto editora Local de edição: Lisboa Ano de edição: 2009 (1ª edição); 2010 (3ª edição) Ano de publicação: 1993  Relatório de leitura Período de leitura: 3 dias Apresentação geral do livro: O velho que lia romances de amor, é um livro que conta a história de Antonio José Bolívar Proaño, um homem que vivia numa aldeia com a sua mulher Dolores Otavalo. Certo dia, o casal decide participar no plano de colonização da Amazónia,pois o Governo prometia grandes extensões de terra e ajuda técnica em troca Capa Contracapa
  2. 2. de povoarem territórios disputados ao Peru. Por outro lado, ambos queriam mudar de clima. Passadodoisanosna floresta,amulherde AntonioProañomorre contagiadapelamalária, doença que matou muitos dos clonos. Mais tarde, Antonio foi mordido por uma serpente e foi salvo por um índio shuar que o levapara a sua aldeiae apósuns diaseste recuperatotalmente. Antonio decide viver com eles e ser como eles, tornando-se, rapidamente, num destemido caçador. Infelizmente,passadoalgumtempode convivência com os Shuar, Antonio Proaño é expulsodaaldeiaporque matouumhomemcomumaespingardae,segundoesta tribo de índios isso estava incorrecto pois a batalha não tinha sido justa. A partir daí, descobriu o seu gosto pela leitura de romances que o dentista daquela zona lhe trazia duas vezes por ano. Mais tarde, já vivendo em El Idílio é forçado por Babosa (administrador daquela aldeia), a partir em perseguição de um predador, uma onça, que andava nas proximidades, a atacar pessoas e animais. António acaba por matar a onça, mas sente-se frustrado com o seu acto e volta para a sua casa, continuando a leitura dos seus livros de romances que lhe faziam esquecer a maldade e o egoísmo humanos. Relação título - livro: O título deste livro relaciona-se muito bem com a sua história, pois elatrata de umvelho,AntonioJosé Bolívar Proaño, que adorava ler os romances de amor que o dentista da aldeia lhe trazia duas vezes por ano. Transcrição de ideias/frases relevantes: “ Antonio José Bolívar Proaño nunca pensou na palavra liberdade, e desfrutava dela à sua vontade na floresta. Por mais que tentasse reviveroseuprojectode ódio,nãodeixavade se sentiraseugosto naquele mundo (…) ” – pág. 45; “Ele era como eles, mas não um deles (…)” – pág. 52 Reacção pessoal ao livro: Eu gostei de lereste livroporque lê-se semgrandesdificuldades e, por outro lado, demonstra as duas facetas do Homen: o Homem tanto pode ser muito generosocomo outro,mesmoque de raças diferentes, como foi o índio Shuar para com o Velho quando este foi mordido pela serpente, como pode ser um pouco rude e egoísta como foram por exemplo os “gringos” e garimpeiros que chegaram à selva armados e mataram muitos animais. Este livro também nos chama à atenção para as consequências
  3. 3. dos nossos actos, pois estas podem prejudicar os que nos rodeiam e podem também deixar-nos de consciência pesada.

×