 Mastofauna• Amostragem de Mamíferos de pequeno porte não voadoresPara registro e captura de mamíferos de pequeno porte n...
Foto 01 e 02: Armadilhas utilizadas durante as campanhas para capturade pequenos e médios mamíferos. A) Armadilha do tipo ...
Em cada um dos cinco sítios de amostragem foram instaladas, emmédia, 6 armadilhas, distando 15 metros entre si, sendo os d...
Outro tipo de amostragem adotado foi a disposição de armadilhas dequeda “pitfalls” que consistem baldes enterrados, onde a...
Ao todo, foram instaladas 5 estações em Y, uma em cada sítio deamostragem, dispostos em ambientes diferentes (áreas aberta...
Para localização de evidências indiretas de mamíferos de médio e grandeporte, os sítios de amostragem foram percorridos em...
No presente trabalho, entrevistas informais não estruturadas foramaplicadas aos moradores locais, a fim de se obter dados ...
Como o objetivo deste estudo não foi estimar a densidade populacionaldos animais registrados, a metodologia foi adaptada a...
Com o intuito de registrar mamíferos noturnos, foram realizados trêscensos noturnos por campanha, onde todos os acessos do...
A condição de conservação das espécies da fauna em âmbito estadual foiincluída no processo de análise seguindo apenas a Re...
O método de observação direta utilizado no estudo foi o método das listasde Mackinnon, com dez listas como unidade amostra...
A aplicação deste método visa à obtenção de um índice de abundânciarelativa das espécies de aves, denominado Índice de Fre...
• Captura/Marcação das avesForam definidas por campanha, pelo menos duas áreas maisrepresentativas (uma na ADA e outra na ...
As redes foram instaladas em trilhas previamente abertas nas áreasescolhidas, abertas ao amanhecer, vistoriadas em interva...
 Entomofauna• MetodologiaAs coletas referentes à primeira campanha foram realizadas em setembrode 2010 no final da estaçã...
• Armadilha tipo pitfall: para as armadilhas foram utilizados copos plásticode 300 ml colocados no solo com a abertura ren...
• Coleta direta: este método consiste na procura ativa de espécies deinsetos forrageando sobre o solo, na serrapilheira, e...
• Coleta por rede entomológica: este tipo de rede é o método maiscomumente utilizado na captura de insetos voadores diurno...
• Coleta por armadilha luminosa: armadilhas luminosas são consideradasum dos métodos mais eficientes para captura de inset...
Após as coletas os insetos foram levados ao laboratório, triados eseparados. Devido à alta diversidade de insetos, associa...
 Herpetofauna• MetodologiaA primeira campanha foi realizada no final do mês de setembro de 2010 ea segunda campanha no mê...
Os anfíbios foram amostrados utilizando-se duas metodologiasbásicas, amostragens visual e auditiva simultaneamente, dois m...
• Amostragem de Escamados (Lagartos e Serpentes)O método aplicado para o levantamento de répteis foi a procura limitadapor...
• Armadilhas de queda (pitfall traps)As armadilhas de queda (pitfall traps) permitem a coletapadronizada, independente da ...
Metodologia fauna faz. salto
Metodologia fauna faz. salto
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Metodologia fauna faz. salto

1.581 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.581
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
60
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Metodologia fauna faz. salto

  1. 1.  Mastofauna• Amostragem de Mamíferos de pequeno porte não voadoresPara registro e captura de mamíferos de pequeno porte nãovoadores, foram adotados dois tipos de amostragem. Em uma delasutilizaram-se armadilhas convencionais do tipo “sherman”, de formatoretangular, confeccionada em chapas de alumínio, medindo 30 cm decomprimento x 8 cm de largura x 9 cm de altura, associada a gaiolas“tomahawk” de formato retangular, confeccionada em aramegalvanizado, medindo 36 cm de comprimento x 16 cm de largura x 16 cmde altura.
  2. 2. Foto 01 e 02: Armadilhas utilizadas durante as campanhas para capturade pequenos e médios mamíferos. A) Armadilha do tipo sherman emformato retangular confeccionada em alumínio. B) Armadilha do tipo gaiola– tomahawk em formato retangular, confeccionada em arame galvanizado.
  3. 3. Em cada um dos cinco sítios de amostragem foram instaladas, emmédia, 6 armadilhas, distando 15 metros entre si, sendo os diferentesmodelos (Shermans e Gaiolas) colocados quando possível, a diferentesalturas (ao nível do solo e até 2,0 m de altura) no intuito de capturarespécies de tamanhos e hábitos diferentes.As armadilhas do tipo sherman foram iscadas com uma mistura desardinha, banana, paçoca de amendoim e fubá. Já as gaiolas foramiscadas com abacaxi embebido em óleo de fígado de bacalhau (EmulsãoScotti), e mantidas abertas ininterruptamente durante os dias deamostragem, sendo checadas diariamente para verificar a captura depequenos mamíferos e reposição das iscas.Em cada sítio amostrado as armadilhas sherman e gaiola, permaneceramabertas por cinco noites consecutivas, durante cadacampanha, totalizando um esforço amostral de 300 armadilhas-noite.
  4. 4. Outro tipo de amostragem adotado foi a disposição de armadilhas dequeda “pitfalls” que consistem baldes enterrados, onde a abertura ficanivelada com o substrato, associados a cercas que interceptam osindivíduos em deslocamento, conduzindo-os aos baldes.O formato utilizado para disposição dos pitfalls foi o de “Y”, constituído porum balde central, de onde partem três cercas guias separadas por umângulo de 120º, sendo que no extremo oposto de cada cerca há outrobalde. As cercas foram instaladas com 5 m de extensão e 1 m de altura, eos baldes, com volume de 60 litros, sofreram pequenas perfurações nabase para facilitar o escoamento da água em dias de chuva. Portanto, ascercas foram bem instaladas, com reforço de terra e folhiço nasbordas, para evitar que os animais passassem embaixo delas.Neste método de captura os baldes permaneceram abertos por cinconoites consecutivas em cada campanha, totalizando 48.000 horas-balde.
  5. 5. Ao todo, foram instaladas 5 estações em Y, uma em cada sítio deamostragem, dispostos em ambientes diferentes (áreas abertas e áreasflorestadas). As armadilhas foram mantidas abertas ininterruptamentedurante os dias de amostragem, sendo checadas diariamente paraverificar a captura de pequenos e médios mamíferos.Os exemplares capturados tanto nas armadilhas Shermans, Gaiolasquanto Pitfalls foram identificados quanto àespécie, pesados, sexados, marcados com brincos numerados e liberadosno mesmo local.• Amostragem de Mamíferos de médio e grande porteOs mamíferos de médio e grande porte foram alvos de levantamentosnão-sistemáticos, obtidos por meio de evidências indiretas (procura porrastros, fezes, realização de entrevistas) e diretas (visualizações eregistros fotográficos - câmeras trap).
  6. 6. Para localização de evidências indiretas de mamíferos de médio e grandeporte, os sítios de amostragem foram percorridos em busca de sinaisacústicos (vocalizações), tocas, fezes, pegadas ou outros sinaisindicativos da presença das espécies. Para auxiliar nas identificações daspegadas, foram utilizados manuais de campo. Becker, Dalponte (1999) eBorges, Tomás (2004).O método de entrevistas constitui outro método indireto que, quandocorretamente aplicado, pode constituir uma ferramenta importante noinventário da fauna, permitindo o registro de algumas espécies e aconfirmação do desaparecimento local de outras. Além disso, este métodoé uma fonte essencial de informações para aqueles mamíferos facilmenteidentificáveis por característica externas como, por exemplo, os xenarthra(tatus e tamanduás), carnívoros, primatas, ungulados, etc(Voss, Emmons, 1996).
  7. 7. No presente trabalho, entrevistas informais não estruturadas foramaplicadas aos moradores locais, a fim de se obter dados referentes àsespécies de mamíferos ocorrentes na região. Durante essas entrevistasforam apresentados, aos moradores, fotos de animais com distribuiçãoregional, objetivando a confirmação das espécies já mencionadas. Nessaoportunidade aproveitou-se para investigar alguns hábitos e costumes dapopulação residente com relação à fauna nativa.O armadilhamento fotográfico, por sua vez, permite o registro da faunaterrestre, escansorial ou arborícola, tornando possível confirmar apresença e ou esclarecer a identificação de espécies, obtidas por meio deindícios indiretos (Alves e Andriolo, 2005). Essa metodologia colaboraprincipalmente para o registro de espécies arredias à presença humana edifícil de serem identificadas por meio de outros métodos. Alémdisso, podem individualizar os animais por meio decicatrizes, manchas, listras, permitindo uma estimativa inicial dedensidade das espécies.
  8. 8. Como o objetivo deste estudo não foi estimar a densidade populacionaldos animais registrados, a metodologia foi adaptada apenas paraobtenção de dados para confirmação da presença das espécies na região.Foram instaladas cinco câmeras armadilha fotográfica da marca (Trapacâmera) modelo digital, dispostas uma em cada sítio amostrado. Estaspermaneceram ativas no campo por um período de cinco noites em cadacampanha, totalizando 1200 horas-noite. A fim de atrair os animais foiusada uma mistura de iscas incluindo batata-doce, abacaxi, banana, fígado de vaca e enlatado de carne para felinos.Também foram realizados sensos, onde todos os acessos dos cinco sítiosde amostragem foram percorridos de carro, durante o dia e também atransição do crepúsculo para o anoitecer.
  9. 9. Com o intuito de registrar mamíferos noturnos, foram realizados trêscensos noturnos por campanha, onde todos os acessos dos cinco sítiosde amostragem foram percorridos durante a transição do crepúsculo parao anoitecer. Esses censos foram realizados utilizando-se de automóvel eum possante refletor manual (silibim – potência 1.000.000 de velas) paralocalização de animais isolados ou grupos deles, no campo ou bordas demata. As rotas noturnas seguiram aproximadamente o mesmo roteirodurante o dia, sendo que no censo diurno incursões adentrando osfragmentos foram efetuadas, permitindo a localização de vestígios(toca, fezes e ninhos) somados à possibilidade de visualizar os animais.Paralelamente rodovias próximas foram percorridas em busca de faunaatropelada para aumentar as chances de detecção desses animais nasáreas de estudo.
  10. 10. A condição de conservação das espécies da fauna em âmbito estadual foiincluída no processo de análise seguindo apenas a Revisão das ListasVermelhas da Flora e da Fauna Ameaçadas de Extinção de Minas Gerais(Biodiversitas, 2007). Para espécies endêmicas seguiu-se Marinho-Filhoet al. (2002). Aviafauna• MetodologiaAs observações das aves foram feitas com o auxílio de binóculos (7X50;8X40mm) e iniciadas ao amanhecer, com duração de, no mínimo, cincohoras, bem como no final da tarde. Foram realizadas em trilhas pré-existentes e estradas. Todas as aves vistas e/ou ouvidas durante opercurso foram registradas.
  11. 11. O método de observação direta utilizado no estudo foi o método das listasde Mackinnon, com dez listas como unidade amostral, que consiste emregistrar as dez primeiras espécies encontradas em uma lista. Nessemétodo não se registra espécies repetidas em uma mesma lista, e quandocompletar as dez espécies inicia-se então uma nova lista. Listas commenos de dez espécies foram descartadas, e as espécies registradasincluídas apenas na lista final de espécies (Ribon, 2010). A vantagemdessa metodologia é que pode ser realizada ao longo de todo o dia, alémde oferecer parâmetros quantitativos sobre a comunidade de aves, vistoque suas amostras são as dezenas de listas obtidas ao longo do estudo.Durante as observações foram registradas as espécies detectadas, hábitatem que se encontram e o método de registro (acústico e/ou visual).
  12. 12. A aplicação deste método visa à obtenção de um índice de abundânciarelativa das espécies de aves, denominado Índice de Frequência nasListas (IFL). Para calcular esse índice, divide-se o número de listas de dezespécies em que determinada espécie ocorreu, pelo número total de listasobtido. Desta forma, assume-se que quanto mais comum for umaespécie, mais vezes ela será registrada e consequentemente maior seráseu IFL. Apesar de existirem métodos mais adequados para determinar aabundância das espécies, o método das listas de Mackinnon é maiseficiente na realização de inventários, pois, além de verificar ariqueza, avalia também a abundância relativa dasespécies, independentemente de suas falhas quanto a estimativas deabundância e verificações de associações de aves a habitats(Ribon, 2010).
  13. 13. • Captura/Marcação das avesForam definidas por campanha, pelo menos duas áreas maisrepresentativas (uma na ADA e outra na AID) para realização dascapturas/marcações usando redes de neblina (mistnets), de 12 m decomprimento por 2,8 m de altura (cada). Dados morfométricos e biológicosdas aves capturadas e identificadas foram coletados e foi realizado oprocedimento de marcação com anilhas metálicas cedidas peloCemave/IBAMA. Após o processamento e documentação fotográfica, osexemplares de aves capturados foram soltos no próprio local de captura.
  14. 14. As redes foram instaladas em trilhas previamente abertas nas áreasescolhidas, abertas ao amanhecer, vistoriadas em intervalos regulares efechadas ao final da manhã. A quantidade de redes de neblina utilizada foidefinida de acordo com o tamanho e condições das áreasescolhidas, obedecendo ao mínimo de 10 redes em cada local. O númerode amostragens em cada área foi o mesmo - no mínimo 01 (um) dia deamostragem por área escolhida em cada campanha. Câmeras fotográficasdigitais foram usadas para documentação das espécies de avescapturadas.Para ambos os métodos, foram utilizados, quando necessários, guias decampo para a identificação precisa das espécies (Develey; Endrigo, 2004;Sigrist, 2007). Para a nomenclatura e ordem taxonômica serão utilizadasas normas do Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (CBRO, 2009).
  15. 15.  Entomofauna• MetodologiaAs coletas referentes à primeira campanha foram realizadas em setembrode 2010 no final da estação seca e as coletas referentes à segundacampanha foram realizadas na estação chuvosa em fevereiro de 2011.Para abranger um maior número de espécies, as coletas foram realizadasno período diurno e noturno, sendo utilizadas quatro metodologias:armadilha de solo tipo pitfall, coleta direta (manualmente), redeentomológica e armadilha luminosa. Os quatro métodos de coletautilizados estão detalhados a seguir:
  16. 16. • Armadilha tipo pitfall: para as armadilhas foram utilizados copos plásticode 300 ml colocados no solo com a abertura rente à superfície epreenchidos até um 1/3 com água e detergente. Em cada área decoleta foram colocadas 10 armadilhas distantes 10 metros uma daoutra e após 48 horas as armadilhas foram retiradas e seu conteúdopreservado em um recipiente contendo álcool.
  17. 17. • Coleta direta: este método consiste na procura ativa de espécies deinsetos forrageando sobre o solo, na serrapilheira, embaixo de troncoscaídos, pousados em folhas ou em ocos de troncos e cascas deárvores. A procura ativa foi feita por uma hora em cada área e osinsetos encontrados foram capturados com o auxílio de pinças epincéis. Os insetos coletados foram colocados em câmara mortuáriaconfeccionada com um vidro de boca larga contendo algodão embebidoem acetato de etila no fundo (Azevedo-Filho & Prates-Júnior 2000). Emseguida os insetos foram conservados em recipientes contendo álcool.
  18. 18. • Coleta por rede entomológica: este tipo de rede é o método maiscomumente utilizado na captura de insetos voadores diurnos (Azevedo-Filho & Prates-Júnior 2000). A rede entomológica é também conhecidacomo rede aérea ou puçá e trata-se de um saco de filó em forma decone (60 cm de profundidade), preso a um aro de arame deaproximadamente 30 cm de diâmetro acoplado a um cabo de madeiraou metal de tamanho variável (normalmente um metro decomprimento). Os insetos são capturados em voo ou sobre a vegetaçãoatravés de movimentos rápidos, posicionando a área aberta da rede nadireção dos mesmos. As coletas ocorreram durante 1 hora em cadaárea na procura de insetos e depois de capturados foram colocados emcâmara mortuária e posteriormente conservados em recipiente comálcool.
  19. 19. • Coleta por armadilha luminosa: armadilhas luminosas são consideradasum dos métodos mais eficientes para captura de insetos noturnos. Essemétodo captura vários grupos de insetos nas formas aladas e queapresentam fototropismo positivo. Essa armadilha conta com umaparato de metal em forma de funil que suporta uma lâmpada. Na basedesse aparato é fixada uma rede onde os insetos são capturados. Afonte luminosa utilizada foi radiação ultravioleta, que é considerada amais eficiente em relação à atratividade dos insetos. As armadilhasforam colocadas nas áreas 1, 2, 3 e 5 e deixadas em funcionamentoaproximadamente entre 19 horas e 4 horas do dia seguinte. Apenas naárea 4 não foi realizada coleta com armadilha luminosa devido àproximidade com a área 2.
  20. 20. Após as coletas os insetos foram levados ao laboratório, triados eseparados. Devido à alta diversidade de insetos, associada ao baixoconhecimento taxonômico e ao reduzido número de especialistas em cadagrupo de insetos, a maioria das espécies foi separada até morfoespéciecom a finalidade de analisar a riqueza de espécies coletadas e asdiferenças na composição de espécies entre as áreas. Apenas quandopossível, os insetos coletados foram identificados em espécie. Os insetosamostrados foram triados no Laboratório de Ecologia de Insetos Sociaisda Universidade Federal de Uberlândia e estão incluídos na coleçãoentomológica do laboratório.
  21. 21.  Herpetofauna• MetodologiaA primeira campanha foi realizada no final do mês de setembro de 2010 ea segunda campanha no mês de fevereiro de 2011, com observaçõesdiurnas e noturnas. Além da procura por espécimes na natureza, foramconsultados moradores e/ou funcionários das fazendas amostradas, a fimde se coligir informações sobre espécimes que não foram encontradasdurante o período de procura.
  22. 22. Os anfíbios foram amostrados utilizando-se duas metodologiasbásicas, amostragens visual e auditiva simultaneamente, dois métodosconsiderados complementares (Zimmerman, 1994). Caminhadas, duranteo dia e à noite, revirando pedras, cupinzeiros, folhiço e outros abrigospotenciais, ou mesmo identificando as espécies a partir de suavocalização. Esse método propicia um acréscimo significativo naslistas, permitindo uma comparação da riqueza de espécies entre asdiversas unidades de amostragem. Por outro lado, a sua eficiência variamuito com a experiência do coletor (Lips, et al., 2001).
  23. 23. • Amostragem de Escamados (Lagartos e Serpentes)O método aplicado para o levantamento de répteis foi a procura limitadapor tempo (Martins, 1994) que consiste no deslocamento a pé, muitolento, através de trilhas, à procura destes espécimes. O esforço deprocura abrangeu todos os ambientes visualmente acessíveis, sendopercorridas trilhas durante a noite e o dia. Com relação à procura deserpentes foi dada ênfase no período noturno, uma vez que o maioresforço a ser empregado à noite, deve-se a maior taxa de encontros deescamados, principalmente serpentes (Martins, 1994). Além disso, galhose troncos foram revirados durante o dia a fim de se encontrar escamadosem repouso ou dormindo.
  24. 24. • Armadilhas de queda (pitfall traps)As armadilhas de queda (pitfall traps) permitem a coletapadronizada, independente da experiência do coletor, facilitando asanálises de abundância relativa das espécies e de similaridade dascomunidades. Além disso, é um método amplamente utilizado emlevantamentos e monitoramentos de anfíbios (Heyer et al., 1994; Brandão& Péres JR., 2001). Consiste na colocação de baldes plásticos de 50litros, enterrados no solo até a borda. Para cada unidade deamostragem, foram utilizadas armadilhas dispostas em arranjos de quatroe os baldes de cada linha foram unidos por uma barreira de lona plásticapreta (drift fence), de modo a direcionar a movimentação dos animais paraas armadilhas. As armadilhas foram montadas na primeira excursão acampo, fechadas no período entre as excursões e abertas novamente nacampanha de campo seguinte. Durante cada campanha de campoocorreram inspeções diárias, para a retirada dos animais capturados.

×