Av da composicao corporal

1.942 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.942
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
132
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Av da composicao corporal

  1. 1. 9/26/2011 Avaliação Física Anamnese Avaliação Postural Medidas Antropométricas Composição Corporal Medidas Neuromotoras Prof. Dr. Denis Foschini UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO (UNIFESP) Medidas Metabólicas UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO (UMESP)e-mail= denisfoschini@gmail.com Facebook= Denis Foschini Determinar o progresso do indivíduo; indivíduo; Classificar os indivíduos; indivíduos; Selecionar os indivíduos; indivíduos; Diagnosticar os indivíduos; indivíduos; Estimular / Motivar Manter padrões; padrões; Experiência Indivíduo/profissional; Indivíduo/profissional; Diretriz para a pesquisa. pesquisa. MARINS & GIANNICHI, 2003. 1
  2. 2. 9/26/2011 APLICAÇÕES DA AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL COMPOSIÇÃO CORPORAL Composição corporal é a • Para identificar riscos à saúde associados a níveis excessivamente altos ou baixos de proporção entre diferentes gordura total e regional; regional; componentes corporais e a massa corporal total, sendo normalmente expressa pelas % gordura e massa • Para monitorar mudanças na composição magra. magra. corporal associadas a certas doenças; doenças; COSTA (2001) (HEYWARD e STOLARCZYK, 2000) APLICAÇÕES DA AVALIAÇÃO DA PADRÕES DE PERCENTUAIS DE COMPOSIÇÃO CORPORAL GORDURA CORPORAL Homens Mulheres• Para avaliar a eficiência de intervenções nutricionais e de exercícios físicos na alteração da Risco (a) MacARDLE et al. (2003) < 3% <12% composição corporal; corporal; Abaixo da média 6 - 14% 9 - 22%• Para estimar o “peso ideal” para atletas e não- não- Média 15% 23% atletas; atletas; Acima da média 16 - 24% 24 - 31%• Para monitorar mudanças na composição corporal Risco (b) >25% >32% associadas ao crescimento, desenvolvimento, maturação e idade. idade. (a) Risco de doenças e desordens associadas à desnutrição; (b) Risco de doenças e associadas à obesidade. (HEYWARD e STOLARCZYK, 2000) BOUCHARD, C. (2003) 2
  3. 3. 9/26/2011 Técnicas para avaliação da composição corporal Diretas • Indiretas Dissecação de cadáver -Análise química - dissolução Pesagem hidrostática •Duplamente Indiretas -Análise física Ultra-sonografia Radiografia do braço Impedância bioelétrica Tomografia computadorizada Ressonância magnética Dobras cutâneas DEXA• Duplamente indiretas - Impedância bioelétrica - Dobras cutâneas - Interactância de infravermelho (Costa, 2001) DOBRAS CUTÂNEAS (DOC) DOBRAS CUTÂNEAS VANTAGENS DESVANTAGEM Baixo Custo; Necessita de experiência do Adipômetro Não requer muitos avaliador. procedimentos prévios por parte do avaliado; Facilidade de transporte e• Mede a espessura do tecido adiposo subcutâneo, aplicação. estimando a gordura corporal total (COSTA, 2001). 3
  4. 4. 9/26/2011 FONTES DE ERRO DA MEDIDADOBRAS CUTÂNEAS (3,3%) • Habilidade do avaliador (3-9%); • Tipo de adipômetro (1,5%); (HEYWARD e STOLARCZYK, 2004) FONTES DE ERRO DA MEDIDA (3,3%) ADIPÔMETROS • Habilidade do avaliador (3-9%); • Tipo de adipômetro (1,5%); • Fatores do sujeito; • Equação de predição utilizada (Idade, sexo, etnia, e nível de atividade física) (7,7%) (HEYWARD e STOLARCZYK, 2004) 4
  5. 5. 9/26/2011 ÁRVORE DE DECISÃO PROCEDIMENTO 1- Tomar todas as medidas do lado direito do corpo; 2- Segurar firmemente a DOC entre o polegar e o indicador da mão esquerda. A dobra é destacada 1 cm esquerda. acima do local a ser medido; medido; 3- Separar 8 cm o polegar do indicador para destacar a dobra; dobra; 4- Manter a dobra pressionada enquanto a medida é tomada; tomada; (HEYWARD e STOLARCZYK, 2004) PROCEDIMENTO5- Colocar as hastes do adipômetro perpendicular à dobra; dobra;6- Realizar a leitura em até 4 segundos após a pressão ter sido aplicada; aplicada;7- Realizar 3 medidas rotativas e considerar a média. média. Toráxica: é uma medida oblíqua em relação ao eixo8- Afastar as hastes para removê-lo; removê-lo; longitudinal, na metade da distância entre a linha axilar anterior e o mamilo para os homens e a 1/3 da linha (HEYWARD e STOLARCZYK, 2004) axilar anterior para mulheres. 5
  6. 6. 9/26/2011Biciptal: medida no sentido do eixo longitudinal do Dobra axilar média: localizada no ponto de intersecçãobraço na sua face anterior, no ponto de maior entre a linha axilar média e uma linha imagináriacircunferência aparente do ventre muscular do bíceps transversal na altura do apêndice xifóide do esterno,(vertical). realizada obliquamente (PETROSKI, 1995). Supra-íliaca: é obtida obliquamente em relação ao eixo longitudinal, na metade da distância entre o último Abdominal: é medida aproximadamente a dois centímetros à direita da cicatriz umbilical, arco costal e a crista ilíaca, sobre a linha axilar média. É necessário que o avaliado afaste o braço para paralelamente ao eixo longitudinal (vertical). execução da medida. 6
  7. 7. 9/26/2011Supra-espinal: é medida 5 a 7 cm acima da espinha Dobra tricipital: ponto que compreende a metade dailíaca anterior, na intersecção entre uma linha oblíqua distância entre a borda súpero lateral do acrômio e oproveniente da borda axilar anterior, destacada num olécrano (vertical).ângulo aproximado de 45º (pouco utilizada atualmente). Coxa superior: é medida paralelamente ao eixo Dobra subescapular: executada obliquamente, longitudinal (vertical), sobre o músculo reto femural, a localizada a 2 cm abaixo do ângulo inferior da 1/3 da distância do ligamento inguinal e da borda escápula. superior da patela, segundo proposta de GUEDES (1985). 7
  8. 8. 9/26/2011 Coxa média: é medida paralelamente ao eixo Panturrilha: para a execução desta medida, o longitudinal (vertical), sobre o músculo reto femural, na avaliado deve estar sentado, com a articulação do metade da distância do ligamento inguinal e da borda joelho em flexão de 90º, o tornozelo em posição superior da patela, segundo proposta de POLLOCK & anatômica e o pé sem apoio. A dobra é pinçada no WILMORE (1993). ponto de maior perímetro da perna (vertical). PADRÕES DE PERCENTUAIS DE GORDURA IMPEDÂNCIA BIOELÉTRICA CORPORAL Homens Mulheres Segundo GUERRA et al., (2001) consiste naRisco (a) MacARDLE et al. (2003) < 3% <12% passagem de uma corrente elétrica pelo corpo, baseando-se no fato de que a resistência doAbaixo da média 6 - 14% 9 - 22% tecido biológico a essa corrente é inversamenteMédia 15% 23% proporcional ao volume do tecido.Acima da média 16 - 24% 24 - 31% Mede a resistência à corrente elétrica paraRisco (b) >25% >32% calcular o conteúdo de água do corpo, a massa magra e gordura corporal.(a) Risco de doenças e desordens associadas à desnutrição;(b) Risco de doenças e associadas à obesidade. BOUCHARD, C. (2003) 8
  9. 9. 9/26/2011 BIOIMPEDÂNCIA (ORIENTAÇÕES) Não comer ou beber nada até 4 h antes da avaliação Não praticar exercício moderado ou vigoroso até 12 horas antes da avaliação Abster-se do consumo de álcool até 48 h antes da avaliação BIOIMPEDÂNCIA EQUAÇÕES DE IMPEDÂNCIA BIOELÉTRICA (ORIENTAÇÕES) (17 – 62 ANOS)Não ingerir diurético, incluindo cafeína, MLG (<20% GC) = 0,00066360(EST2) – 0,02117(R) + (<20% 00066360(EST2 02117(R)antes da avaliação, a menos que sejam 0,62854(MC) – 0,12380(idade) + 9,33285 62854(MC) 12380(idade)prescritos pelo médicoEvitar realizar a avaliação no período do MLG (>20% GC) = 0,00088580(EST2) – 0,02999(R) + (>20% 00088580(EST2 02999(R) 0,42688(MC) – 0,7002(idade) + 14,52435 42688(MC) 7002(idade) 14,ciclo menstrual (retenção de água) 9
  10. 10. 9/26/2011 EQUAÇÕES DE BIOIMPEDÂNCIA PARA EQUAÇÕES DE BIOIMPEDÂNCIA PARA CRIANÇAS OBESOS Crianças < 10 anos, recomenda-se a utilização dasequações de BIA1. LOHMAN (1992) Subestima a MLG em indivíduos2. KUSHNER, SCHOELLER, FJELD & DANFORD et al. (1992); obesos submetidos à dieta severa; severa; Equações específicas para raças foram desenvolvidas e - devido a desidratação e utilização devalidadas; glicogênio. Japoneses nativos meninos de 9 a 14 anos meninas de 9 a 15 anos (KIM, et al., 1993 e WATANABE, et al., 1993). VALTUEÑA et al., 1995. EQUAÇÕES DE BIOIMPEDÂNCIA PARA EQUAÇÕES DE BIOIMPEDÂNCIA PARA OBESOS OBESOS Recomenda- Recomenda-se as equações Recomenda- Recomenda-se também a utilização SEGAL específicas ao nível de gordura (> 20% GC para homens e > 30% GC para mulheres); das equações antropométricas de WELTMAN (1987, 1988) específicas 1987, 1988) Também a equação generalizada de GRAY; GRAY; ao nível de gordura corporal. corporal. COSTA, 2001. VALTUEÑA et al., 1995. 10
  11. 11. 9/26/2011EQUAÇÕES DE BIOIMPEDÂNCIA PARA EQUAÇÕES DE BIOIMPEDÂNCIA PARA OBESOS IDOSOS BAUMGARTNER (1991); 1991) Homens e mulheres - 65 a 94 anos HEYWARD & STOLARCZYK (2000); 2000) específica para (50-70 anos)EQUAÇÕES DE BIOIMPEDÂNCIA PARA IDOSOS BIOIMPEDÂNCIA Omrom Tanita 11

×