Apresentação de resultados financeiros e operacionais do 1 t07

2.440 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.440
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
51
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação de resultados financeiros e operacionais do 1 t07

  1. 1. Apresentação dosResultados Financeiros e Operacionais Primeiro Trimestre, 2007
  2. 2. Agenda Destaques Resultados Operacionais Resultados Financeiros2
  3. 3. Agenda Destaques Resultados Operacionais Resultados Financeiros3
  4. 4. Destaques Resultados Financeiros • A Receita Líquida atingiu R$195,1 MM no 1T07, 13,6% acima do 1T06. • O EBITDA atingiu R$77,0 MM (39,5% de Margem EBITDA) no 1T07, 13,8% maior do que os R$67,6 MM do 1T06. • O Lucro Líquido do 1T07 foi de R$30,8 MM, 245,2% acima do 1T06. • A CEMAR emitiu debêntures não-conversíveis em ações • Montante de R$267,3 milhões • Vencimento em 2013, • Custo de 105,8% do CDI • Rating nacional de longo prazo “A (bra)” atribuído pela Fitch Ratings. • Cemar obteve novo benefício fiscal (depreciação acelerada) Resultados Operacionais • Crescimento de energia faturada (MWh) em 8,3% no 1T07 • No 1T07, os índices de DEC e FEC da CEMAR melhoraram de 36,8% e 22,7%, respectivamente, em comparação ao 1T06. • O novo presidente da CEMAR, Nuno Neves, tomou posse no dia 12 de março, agregando 15 anos de experiência corporativa à equipe da Controlada.4
  5. 5. Agenda Destaques Resultados Operacionais Resultados Financeiros5
  6. 6. Base de Clientes Clientes (mil) Composição (%) 8,9% 8,7% 8,9% Industrial 7,5% 7,2% 0,7% Comercial 1.373 1.349 7,2% 1.327 1.307 1.281 Outros 5,8% Residencial 1T06 2T06 3T06 4T06 1T07 86,3% Número de Clientes Variação Anual • Crescimento no 1T07 de 7,2% da base comparado ao 1T06 (92,1 mil novos clientes)6
  7. 7. Volume de Energia Volume de Energia Faturada (MWh) Energia Vendida (% por Classe)CLASSE DE CONSUMO (MWh) 1T06 1T07 Var. % OutrosResidencial 282.450 310.250 9,8% 24,2%Industrial 85.931 95.104 10,7%Comercial 137.979 144.146 4,5% Res. 42,8%Outros (não inclui cons. próprio) 163.124 175.600 7,6%TOTAL 669.484 725.100 8,3% Com. 19,9% Ind. Carga (Var.% MWh): Brasil vs. NE vs. CEMAR – 1T07 x 1T06 13,1% 8,5% 3,8% 3,7% • Crescimento de 8,3% no volume de energia faturada no 1Q07 • Forte crescimento nas classes Brasil - SIN Nordeste CEMAR residencial e industrial: 9,8% e 10,7%, respectivamente7
  8. 8. Balanço Energético e Perdas de Energia Balanço Energético MWh Bal. Energético (MWh) 1T06 1T07 Var. % Energia Requerida * 966.627 1.052.179 8,9% Energia Vendida ** 670.665 726.269 8,3% Perdas 295.962 325.910 10,1% * Inclui geração própria ** Inclui vendas às classes, consumo próprio e fornecimento à CEPISA Perdas de Energia (acumuladas nos últimos 12 meses) 29,8% 29,6% 29,9% 29,8% 29,9% 1T06 2T06 3T06 4T06 1T078
  9. 9. DEC e FEC DEC (média de horas por consumidor – últ. 12 meses) FEC (média de vezes por consumidor – últ. 12 meses) 15,5 1,1 36,8% 7,8 7,8 24,4% 9,8 0,9 5,9 5,9 2,4 Supridora Supridora 1,6 14,4 7,4 6,7 4,3 CEMAR CEMAR 1T06 1T07 1T06 1T07 DEC Supridora Var. %: 118,2% FEC Supridora Var. %: 77,8% DEC CEMAR Var. %: -48,6% FEC CEMAR Var. %: -35,8% A qualidade do serviço tem evoluído consistentemente: Os índices de DEC e FEC da CEMAR melhoraram 36,8% e 24,4% nos últimos 12 meses9
  10. 10. Agenda Destaques Resultados Operacionais Resultados Financeiros10
  11. 11. Receita Líquida Receita Líquida (R$ MM) 13,6% 195,1 171,8 1T06 1T07 •A Receita Líquida registrou um aumento de 13,6% entre o 1T07 e o 1T06 •A boa performance deve-se principalmente: a) ao crescimento no volume de energia vendida de 8,3% b) ao reajuste tarifário de Agosto de 2006 (14,58%)11
  12. 12. Custos e Despesas Gerenciáveis R$ MM 1T06 1T07 Var. Pessoal 15,2 12,9 -15,4% Material 1,4 1,6 15,6% Serviço de Terceiros 13,4 16,4 22,3% Outros 2,7 0,1 -95,8% PMSO 32,7 30,9 -5,3% PMSO (% Rec. Liq) 19,0% 15,9% -3,1 p.p. Provisões 1,9 9,9 428,1% PDD e Perdas 0,4 7,6 1806,3% Provisôes para Contingências e Outras Provisões 1,5 2,3 54,6% CUSTOS E DESPESAS GERENCIÁVEIS 34,6 40,9 18,3% CUSTOS E DESPESAS GERENCIÁVEIS (% Rec. Liq.) 20,1% 21,0% 0,9 p.p. •PMSO (excluindo provisões) atingiu 15,9% da Receita Líquida no 1T07, uma queda de 3,1 p.p. comparando ao 1T06 •Pessoal: queda anual de 15,4% no 1T07, diante da redução de 7,5% no quadro funcional e das despesas não recorrentes de reestruturação registradas no 1T06 (R$3,9 MM) •PDD e Perdas atingiram 2,7% da Receita Operacional Bruta (ROB) no 1T07 – crescimento é atribuído à performance não recorrente no 1T06 diante de: • arrecadação com o clientes dos poderes públicos; e • campanhas de parcelamento de débitos promovidas pela CEMAR12
  13. 13. EBITDA e Margem EBITDA EBITDA (R$ MM) e Margem EBITDA (% da Receita Líquida) 39,4% 39,5% 13,9% 77,0 67,6 1T06 1T07 EBITDA Margem EBITDA •EBITDA alcançou R$77,0 MM no 1T07, 13,9% acima dos R$67,6 MM do 1T06 •Margem EBITDA de 39,5% no 1T07, estável em relação ao 1T0613
  14. 14. Imposto de Renda e Contribuição Social I.R / C.S.L.L. Consolidado (R$MM) 2006 1T07 Despesa I.R. / C.S.L.L. (42,6) (18,4) Reversão da Provisão 2005 (6,1) - ( - ) Ativo Fiscal Diferido 19,1 9,1 ( - ) Incentivo ADENE 10,8 2,7 = Imposto Caixa (18,7) (6,7) LAIR 157,4 62,8 Taxa Efetiva de I.R. / C.S.L.L. (%) - Caixa 11,9% 10,6% •O ativo fiscal diferido e os benefícios fiscais obtidos da ADENE (Agência de Desenvolvimento do Nordeste) diminuíram o imposto de renda e contribuição social a pagar para 10,6% do LAIR no 1T0714
  15. 15. Lucro Líquido Lucro Líquido (R$ MM) 1T06 – 1T07 43,9% 30,8 245,2% 21,4 8,9 1T06 Pró-Forma 1T06 1T07 • O lucro Líquido do 1T07 foi de R$30,8 MM, 245,2% superior aos R$8,9 MM do 1T06 •O lucro líquido do 1T07 teria sido 43,9% maior do que o 1T06 Pro Forma, de R$21,4 MM, que desconsidera as despesas não recorrentes com o IPO * Lucro Líquido pró forma do 1T06 exclui os gastos não recorrentes com o IPO da Equatorial da ordem de R$12,5 MM15
  16. 16. Endividamento Endividamento Bruto – 1T07 Spread Médio Prazo Final Médio Prazo Médio Part. Vencimento R$ MM % do Total Indexador (ao ano) (mês/ano) (em anos) (%) Libor 6 meses 0,8% abr-18 11,0 0,7% Curto Prazo 51,0 5,7% IGP-M 2 anos 12,0% jun-09 2,2 8,1% Longo Prazo 846,6 94,3% IGP-M 9 anos 12,7% jan-16 8,8 19,8% 2008 46,9 5,2% IGP-M 17 anos 4,4% jan-24 16,8 14,5% 2009 64,6 7,2% TJLP 4,2% jul-13 6,2 0,2% Pré Fixado (R$) 11,9% mar-17 9,9 10,4% 2010 53,3 5,9% RGR 6,2% fev-17 9,8 5,5% 2011 123,6 13,8% Pré Fixado (US$) 6,8% jun-20 13,1 0,9% Após 2011 558,3 62,2% FINEL* 9,8% jan-16 8,8 6,5% CDI 105,4% do CDI mai-13 6,1 33,4% Total 897,6 100,0% * FINEL é um índice setorial que representa 20,0% do IGP-M •Endividamento Bruto de R$897,6 MM em 31-mar-07 •Emissão de debêntures no valor de R$267,3 MM •Liberação da linha de financiamento do RGR para financiar investimentos em sub- transmissão, no total de R$5,8 MM •Liberação de parcela de financiamento do BNB no valor de R$28,0 MM •Perfil da Dívida: manutenção do baixo custo médio, de 13,2% a.a. nos últimos 12 meses ou 95,3% do CDI, com prazo médio de 8,7 anos16
  17. 17. Nova Emissão de Debêntures •Em 28 de Março, a CEMAR realizou com sucesso sua 3ª Emissão Pública de Debêntures Não Conversíveis em Ações Termos Descrição Tipo de Oferta Debêntures Não Conversíveis em Ações Tamanho da R$267,3 milhões Oferta Colocação da Melhores Esforços Oferta Prazo 6 anos Custo 105,8% do CDI Uso dos Prioritariamente para o pré-pagamento de Recursos dívidas mais onerosas para a Controlada Bookrunners UBS Pactual e Itaú BBA17
  18. 18. Dívida Líquida Dívida Líquida Consolidada (R$ MM) Dívida Líquida Ajustada pela Participação (R$ MM) 96,5 96.5 63,1 434,8 434.8 284,4 284.4 897,6 897.6 587,0 587.0 190,3 190.3 190,3 190.3 49,2 176,0 176.0 Regulatório Regulatório CEMAR Liquido Dív. Liq. CEMAR Liquido Dív. Liq. Dívida Dívida EQTL Bruta Ativo Bruta EQTL Disp. Disp. Ativo Disp. Disp. 1T07 1T07 Dív. Líq. Consolidada Ex- Dividendos (R$ MM) Dív. Líq. Ajustada pela Part. Ex-Dividendos (R$ MM) 96,5 96.5 270,5 270.5 63,1 176,9 176.9 897,6 897.6 190,3 190.3 587,0 587.0 190.3 190,3 340,3 340.3 156.7 156,7 Regulatório Regulatório CEMAR CEMAR Liquido Liquido Dív. Liq. Dív. Liq. Dívida Dívida Bruta EQTL Bruta EQTL Ativo Ativo Disp. Disp. Disp. Disp. 1T07 1T0718
  19. 19. Dívida Líquida Consolidada Dívida Líquida Consolidada (R$ MM) e Dívida Líquida / EBITDA (últ. 12 m) 1,6 1,5 331,9 0,7 305,0 0,5 0,3 0,3 179,8 176,0 105,1 105,0 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 1T07 Div . Líquida Div . Líq . / EBITDA ( últ . 12 m )19
  20. 20. Investimentos Investimentos Próprios CEMAR (R$ MM) 16,7% 31,5 27,0 2,9 1,9 Outros 2,2 3,8 Equipamentos e Sistemas 18,1 8,3 Expansão da Rede Manutenção da Rede 12,8 8,7 1T06 1T07 Os investimentos próprios da CEMAR* alcançaram R$31,5 MM no 1T07 Para 2007 esperamos que os investimentos próprios* da CEMAR alcancem R$180,0 MM *excluindo investimentos diretos relacionados ao PLPT20
  21. 21. PLPT Investimentos Diretos do PLPT (R$ MM) 14,6% 35,4 30,9 1T06 1T07 Clientes Conectados 103.067 111.826 • Até Mar/07, a CEMAR 80.577 conectou 111,8 mil 62.443 clientes adicionais 50.824 através do PLPT 1T06 2T06 3T06 4T06 1T0721
  22. 22. Índices de Eficiência Clientes por Colaborado:r 1T06 – 1T07 PMSO* por Clientes: 1T06 – 1T07 17,8% 1.176 25,7 -11,7% 22,7 998 1T06 1T07 1T06 1T07 EBITDA (R$) por Cliente: 1T06 – 1T07 EBITDA (R$) por MWh: 1T06 – 1T07 6,1% 107,2 7,1% 57,1 101,0 53,4 1T06 1T07 1T06 1T07 * Excluindo provisões e gastos com reestruturação22
  23. 23. Dividendos Na AGO realizada em 5 de Abril de 2007, os acionistas aprovaram a distribuição dos dividendos no montante de R$107,8 MM (R$1,64/UNIT). Em comparação aos R$54,4 MM pagos em 2006 (R$1,03/UNIT), esta distribuição registrou um crescimento de 98,2%. O pagamento dos dividendos iniciou-se a partir de 7 de maio de 2007. Dividendos (R$MM e R$/UNIT) Pagos em 2006 e 2007 1,64 107,8 1,03 54,4 05/06 06/07 Dividendos (R$ MM) R$/UNIT23
  24. 24. Desempenho da Equatorial – EQTL11 As UNITs da Equatorial Energia obtiveram rentabilidade acumulada acima do IBOVESPA e do IEE Evolução do Preço: EQTL11, Ibovespa e IEE (31/03/06 = 100) 150 Evolução do Preço (31/3/06 = 100 até 2/5/07): 140 Evolução do Preço EQTL11: 37,9%, 130 EQTL11 Retorno Total 120 (Div.-R$1,64/UNIT): 49,2% IBOV: 30,3%, 110 IEE: 27,9% 100 Volume Médio Diário: 2006 - R$3,1 MM, 90 Últ. 60 dias - R$4,5 MM; 80 Últ. 30 dias - R$5,1 MM 27/10/06 25/4/07 29/7/06 28/8/06 27/9/06 25/1/07 24/2/07 26/3/07 29/6/06 30/4/06 30/5/06 31/3/06 26/11/06 26/12/06 EQTL11 IBOV IEE Média Diária de Volume Negociado (R$ MM) 8,1 7,3 4,6 4,9 4,1 3,0 3,1 1,6 1,9 2,0 1,4 2,1 0,8 set/06 out/06 nov/06 jun/06 ago/06 fev/07 abr/07 abr/06 mar/07 jul/06 jan/07 dez/06 mai/0624
  25. 25. Contato Leonardo Dias Diretor Financeiro e de Relações com Investidores Arnaldo Faissol Gerente de Relações com Investidores Telefone 1: +0 XX (98) 3217-2245 Telefone 2: +0 XX (98) 3217-2113 Email: ri@equatorialenergia.com.br Website: http://www.equatorialenergia.com.br/ri25
  26. 26. AVISO As estimativas e declarações futuras constantes da presente apresentação têm por embasamento, em grande parte, as expectativas atuais e estimativas sobre eventos futuros e tendências que afetam ou podem potencialmente vir a afetar os negócios, a situação financeira, os resultados operacionais e prospectivos da EQUATORIAL. Estas estimativas e declarações estão sujeitas a diversos riscos, incertezas e suposições e são feitas com base nas informações de que a EQUATORIAL atualmente dispõe. Esta apresentação também está disponível no site www.equatorialenergia.com.br/ri e no sistema IPE da CVM. Essas estimativas envolvem riscos e incertezas e não consistem em garantia de um desempenho futuro, sendo que os reais resultados ou desenvolvimentos podem ser substancialmente diferentes das expectativas descritas nas estimativas e declarações futuras. Tendo em vista os riscos e incertezas envolvidos, as estimativas e declarações acerca do futuro constantes desta apresentação podem não vir a ocorrer e, ainda, os resultados futuros e o desempenho da EQUATORIAL podem diferir substancialmente daqueles previstos nas estimativas da EQUATORIAL. Por conta dessas incertezas, o investidor não deve se basear nestas estimativas e declarações futuras para tomar uma decisão de investimento. As palavras “acredita”, “pode”, “poderá”, “estima”, “continua”, “antecipa”, “pretende”, “espera” e expressões similares têm por objetivo identificar estimativas. Tais estimativas referem-se apenas à data em que foram expressas, sendo que a EQUATORIAL não pode assegurar a atualização ou revisão de quaisquer dessas estimativas em razão da ocorrência de nova informação, de eventos futuros ou de quaisquer outros fatores. Esta apresentação não constitui oferta, convite ou solicitação de oferta de subscrição ou compra de quaisquer valores mobiliários. E, esta apresentação ou qualquer informação aqui contida não constituem a base de um contrato ou compromisso de qualquer espécie26

×