<ul><li>Ensaios de abrasão </li></ul><ul><ul><li>Força (tempo)‏ </li></ul></ul><ul><ul><li>Configuração </li></ul></ul><ul...
 
 
Em abrasão é necessário considerar se o abrasivo está solto o ligado a um dos corpos Tres corpos Dois corpos Ensaios de ab...
Ensaios de abrasão
Efeito da carga  AISI 1020. SiC, 250  m. Abrasão a dois e três corpos. MISRA A - FINNIE I, (WEAR 60, 1979).   Ensaios de ...
Ensaios de abrasão Ensaio “roda de borracha” - moinhos, britadores, três corpos
Perda de volume acumulada com tempo, carga constante. Abrasivo ANB 100, AISI 1004. 15 N   Ensaios de abrasão Ensaio “roda ...
Perda de volume x carga aplicada, ( tempo constante). Abrasivos ANB 50 y 100, açoo AISI 1006.   Ensaios de abrasão Ensaio ...
Ensaios de abrasão Ensaio “pino x lixa” dois corpos
Classificação por severidade proposta por Gates   Dois ou Três corpos ou Severidade? Ensaios de abrasão Abrasão por goivad...
(~1000 HV) ‏ <ul><ul><li>Abrasivo: vidri (~ 500 HV) ‏ </li></ul></ul>(~100 HV) ‏ As mudanças no contracorpo podem ser o fa...
Mandíbulas de triturador 1 ensaio,  2 mecanismos !! Dois ou Três corpos?? Independentemente do ensaio analisar sistema e m...
Regimes de desgaste dureza Taxa de desgaste e relação entre dureza do abrasivo (HA) e dureza do material desgastado (H) (K...
Regimes de desgaste “ops” dureza Taxa de desgaste e relação entre dureza do abrasivo (HA) e dureza do material desgastado ...
Regimes de desgaste  Efeito da matriz em ferros fundidos brancos com alto cromo
Regimes de desgaste Efeito da matriz e da dureza (volumétrica) relativa
Regimes de desgaste  Efeito da porcentagem de carbonetos em ferros fundidos brancos com alto cromo. Matriz dura – corte. M...
Regimes de desgaste
Regimes de desgaste
Regimes de desgaste
Regimes de desgaste A explicação melhora – Efeito da segunda fase !
Regimes de desgaste
Regimes de desgaste Mecanismos – desgaste severo
Regimes de desgaste Mecanismos – desgaste moderado Quebra de abrasivos Filmes metálicos Indentação
Regimes de desgaste Mecanismos
Regimes de desgaste “ops” H a /H material > 1.2   ‏   H material /H a <  0,8   ‏‏ Regime moderado
Ferros fundidos brancos Aços com carbonetos formados na solidificação Metal duro Depositos por solda ou outro processo La ...
H   M7C3  (1300 – 1800 HV) ‏ H  Al2O3  (1800 – 2000 HV) ‏ H   SiC  (2100 – 2600 HV) ‏ H   M7C3  (1300 – 1800 HV) ‏ Abrasiv...
Regimes de desgaste
<ul><li>Carbonetos  H M 3 C  /   Ha  > 1,2 </li></ul><ul><li>Carbonetos  NbC  /   Ha  > 1,2   </li></ul><ul><li>No há abra...
MC M2C 2 C – (2-8) V – 2 W – (2-5) Mo - 4Cr   H   VC  (2460 – 3150 HV) ‏ carbonetos  (“pequenos”) ‏ H  Al2O3  (1800 – 2000...
Os carbonetos restringem o corte da matriz
Esclerometria retilínea Bruto de fundição (BF)  Matriz = 10,1%Cr, 1,2% C Precipitação (PP) 243K  Matriz = 8%Cr;  0,6% C  ...
Referências NEVES, J.C.K. ÂNGELO, C.M., SOUZA, R.M. SINATORA  A. Effect of mechanically imposed stresses on the contact fa...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Desgaste abrasivo - parte 2

2.403 visualizações

Publicada em

Aula 6 do curso Introdução ao estudo do atrito e do desgaste. Realizado por INES, UCS e Simecs, na UCS em junho de 2009.

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.403
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
96
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desgaste abrasivo - parte 2

  1. 1. <ul><li>Ensaios de abrasão </li></ul><ul><ul><li>Força (tempo)‏ </li></ul></ul><ul><ul><li>Configuração </li></ul></ul><ul><li>Regimes de desgaste abrasivo </li></ul><ul><ul><li>Monofásicos </li></ul></ul><ul><ul><li>Bifásicos </li></ul></ul>06 – Abrasão - Desgaste abrasivo
  2. 4. Em abrasão é necessário considerar se o abrasivo está solto o ligado a um dos corpos Tres corpos Dois corpos Ensaios de abrasão
  3. 5. Ensaios de abrasão
  4. 6. Efeito da carga AISI 1020. SiC, 250  m. Abrasão a dois e três corpos. MISRA A - FINNIE I, (WEAR 60, 1979). Ensaios de abrasão Efeito da configuração do ensaio - SEVERIDADE
  5. 7. Ensaios de abrasão Ensaio “roda de borracha” - moinhos, britadores, três corpos
  6. 8. Perda de volume acumulada com tempo, carga constante. Abrasivo ANB 100, AISI 1004. 15 N Ensaios de abrasão Ensaio “roda de borracha” Efeito do tempo de ensaio
  7. 9. Perda de volume x carga aplicada, ( tempo constante). Abrasivos ANB 50 y 100, açoo AISI 1006. Ensaios de abrasão Ensaio “roda de borracha” Efeito da força aplicada
  8. 10. Ensaios de abrasão Ensaio “pino x lixa” dois corpos
  9. 11. Classificação por severidade proposta por Gates Dois ou Três corpos ou Severidade? Ensaios de abrasão Abrasão por goivadura Altas tensões a dois corpos (e) ‏ Abrasão a altas tensões Abrasão por polimento (d) ‏ Altas tensões a três corpos (e) ‏ Altas tensões a dois corpos (e) ‏ Abrasão a baixas tensões Abrasão por riscamento (d) ‏ Baixas tensões a três corpos (e) ‏ Termos equivalentes (c) ‏ Microcorte e/ou microfratura Microcorte Microssulcamento Mecanismos dominantes (b) ‏ Pontiaguda Altíssimas (causa deformacão macroscópica ou fratura frágil no material sendo desgastado). Pontiaguda Altas (suficientes para quebrar Partículas) ‏ Arredondado Baixas (insuficientes para quebrar Partículas) ‏ Forma da partícula tensões de contato Grande Fortemente engastado Moderado Parcialmente engastado pelo contra-corpo Pequeno Livre Tamanho da partícula Grau de engastamento Extremo Severo Moderado Severidade del desgaste Situación típica (a) ‏
  10. 12. (~1000 HV) ‏ <ul><ul><li>Abrasivo: vidri (~ 500 HV) ‏ </li></ul></ul>(~100 HV) ‏ As mudanças no contracorpo podem ser o fator que controla o processo. O sistema pode mudar de 2 para três corpos Ensaios de abrasão
  11. 13. Mandíbulas de triturador 1 ensaio, 2 mecanismos !! Dois ou Três corpos?? Independentemente do ensaio analisar sistema e mecanismos
  12. 14. Regimes de desgaste dureza Taxa de desgaste e relação entre dureza do abrasivo (HA) e dureza do material desgastado (H) (KRUSCHOV, 1957). H a /H material > 1.2 ‏ H material /H a < 0,8 ‏‏
  13. 15. Regimes de desgaste “ops” dureza Taxa de desgaste e relação entre dureza do abrasivo (HA) e dureza do material desgastado (H) (KRUSCHOV, 1957). H a /H material > 1.2 ‏ H material /H a < 0,8 ‏‏
  14. 16. Regimes de desgaste Efeito da matriz em ferros fundidos brancos com alto cromo
  15. 17. Regimes de desgaste Efeito da matriz e da dureza (volumétrica) relativa
  16. 18. Regimes de desgaste Efeito da porcentagem de carbonetos em ferros fundidos brancos com alto cromo. Matriz dura – corte. Matriz mole - fratura
  17. 19. Regimes de desgaste
  18. 20. Regimes de desgaste
  19. 21. Regimes de desgaste
  20. 22. Regimes de desgaste A explicação melhora – Efeito da segunda fase !
  21. 23. Regimes de desgaste
  22. 24. Regimes de desgaste Mecanismos – desgaste severo
  23. 25. Regimes de desgaste Mecanismos – desgaste moderado Quebra de abrasivos Filmes metálicos Indentação
  24. 26. Regimes de desgaste Mecanismos
  25. 27. Regimes de desgaste “ops” H a /H material > 1.2 ‏ H material /H a < 0,8 ‏‏ Regime moderado
  26. 28. Ferros fundidos brancos Aços com carbonetos formados na solidificação Metal duro Depositos por solda ou outro processo La dureza da matriz e de cada “carboneto” é importante!! Regimes de desgaste
  27. 29. H M7C3 (1300 – 1800 HV) ‏ H Al2O3 (1800 – 2000 HV) ‏ H SiC (2100 – 2600 HV) ‏ H M7C3 (1300 – 1800 HV) ‏ Abrasivos mais duros que os carbonetos causam desgaste rápido. Comparar com situações práticas!! Quém moe SiC?? Regimes de desgaste
  28. 30. Regimes de desgaste
  29. 31. <ul><li>Carbonetos H M 3 C / Ha > 1,2 </li></ul><ul><li>Carbonetos NbC / Ha > 1,2 </li></ul><ul><li>No há abrasão dos carbonetos </li></ul><ul><li>Grafita (lubrificante?) ‏ </li></ul><ul><li>Matriz bainita, austenita retida e martensita </li></ul><ul><li>Hm /H a < 0.8 </li></ul><ul><li>Abrasão da matriz </li></ul>Regimes de desgaste Dureza da matriz - Hm Marcio Matos
  30. 32. MC M2C 2 C – (2-8) V – 2 W – (2-5) Mo - 4Cr H VC (2460 – 3150 HV) ‏ carbonetos (“pequenos”) ‏ H Al2O3 (1800 – 2000 HV) ‏ H Mo2C (1500 HV) ‏ Felipe Bernardes
  31. 33. Os carbonetos restringem o corte da matriz
  32. 34. Esclerometria retilínea Bruto de fundição (BF) Matriz = 10,1%Cr, 1,2% C Precipitação (PP) 243K Matriz = 8%Cr; 0,6% C  T MD ~ 250K ! Amostra HV0,02 T MS (K) BF 367 +- 43 <-173 PP 423+- 57 -265 Linhas de Escorregamento Martensita induzida por deformação
  33. 35. Referências NEVES, J.C.K. ÂNGELO, C.M., SOUZA, R.M. SINATORA A. Effect of mechanically imposed stresses on the contact fatigue resistnac of two cast irons with high hardness matrix. Wear 263 (2007) 700-706 CORONADO J.J. SINATORA A Particle size effect on wear of white cast iron with austenitic and martensitic matrix . Wear of Materials 2009, poster. ALBERTIN, E. PINTAÚDE, 06 - Abrasão

×