Teorias de enfermagem

43.854 visualizações

Publicada em

TEORIAS DE ENFERMAGEM

Publicada em: Educação
0 comentários
24 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
43.854
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
649
Comentários
0
Gostaram
24
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teorias de enfermagem

  1. 1. TEORIAS DE ENFERMAGEM
  2. 2. Pensamento Crítico na enfermagem • Porquê…  • Porque o pensamento crítico é um modo de pensar, sobre qualquer tema, conteúdo ou problema... • Porque aquele que pensa criticamente tem um propósito claro e uma pergunta definida… • Porque se empenha em ser claro, exato, preciso e relevante. Procura profundidade com lógica e imparcialidade… • Porque aplica estas habilidades quando lê, escreve, estuda, na sala de aula, no estágio, na vida pessoal…
  3. 3. • Porque pensar criticamente leva a refletir sobre temas, problemas em enfermagem. A prática reflexiva é frequentemente referida e usada por estudantes de enfermagem durante os cursos, contudo esta prática não é continuada quando terminam o curso (Rolfe,2005).
  4. 4. Praticas de enfermagem • Idade antiga • Trabalho doméstico, valorizado; de manual, feminino e cunho pouco – Divisão social: – Escravos = cuidar; – Senhores = curar; • Cuidar X Curar – A tarefa do cuidado era tida como vergonhosa, domestica, subalterna;
  5. 5. Praticas de enfermagem... • Idade Média – Diaconato: apostolado de Cristo – diáconos e diaconisas – visando a prática da caridade; • Cuidado = conforto físico e espiritual; • Exaltação do espirito de caridade e obediência; – Os cuidados administrados no lar – leigos ou religiosos;
  6. 6. Pratica de enfermagem... • Século XX – Modelo técnico cientifico • Trabalho autônomo – cuidados em domicilio; • Organização das técnicas de enfermagem; – Primeiras expressões organizadas do saber de enfermagem – Modelo funcional = enfermeiro tarefeiro;
  7. 7. Prática de enfermagem no Brasil... • Período de 1920 – 1950: – Caráter caritativo; • Economia cafeira – exportação – política de saneamento; – Fundação Rockfeler; – Manifesto Parsons; • Guerra do Paraguai – Ana Neri; – Primeira escola de enfermagem - 1923- escola do DNSP; • Foco até final da década de 30 voltado para a saúde pública; • 1949 – regulamentação do ensino de enfermagem – 66% - saúde pública e 32% - hospitais;
  8. 8. • Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) por meio da Resolução 358/2009 –Tem preconizado que a assistência de enfermagem deve ser sistematizada implantando-se o processo de enfermagem(PE)
  9. 9. SAE • É fundamental por contribuir para a melhoria da qualidade da assistência de enfermagem (Marques; Carvalho, 2005); • Promove caracterização do corpo de conhecimentos da profissão (Jesus, 2002); • Leva a desdobramentos positivos para o paciente e para equipe de enfermagem (Mendes; Bastos, 2003).
  10. 10. • Concepção de que a enfermagem como ciência deve estar pautada em uma ampla estrutura teórica, aplicada à prática por meio do PE • Deve ser guiado Teoria de Enfermagem –Tornar mais operacionalizáveis os resultados da assistência
  11. 11. Precisamos cada vez mais de conhecimentos a cerca de : 1. 2. 3. 4. 5. Teorias de enfermagem Processo de enfermagem Semiologia Fisiologia Patologia + habilidades necessárias para gerenciarem as unidades
  12. 12. • As tentativas de organizar o conhecimento na enfermagem datam da década de 1950 avanço considerável na construção e na organização dos modelos teóricos da enfermagem • A partir dos estudos de Horta (1979) no final da década de 1960 que a atenção dos enfermeiros brasileiros começou a ser direcionada para a SAE. • Enfatizou-se o planejamento da assistência na tentativa de tornar autônoma a profissão e de caracterizá-la como ciência, por meio da implantação da SAE
  13. 13. Conhecimentos Próprios???? • Florence Nightingale – Enfermagem requeria conhecimentos distintos daqueles da medicina. • “Definiu premissas em que a profissão deveria basear-se, estabelecendo um conhecimento de enfermagem direcionado às pessoas, às condições em que elas viviam e em como o ambiente poderia atuar, positivamente ou não, sobre a saúde delas. (Nightingale, 1989)” • Profissão embasada em reflexões e questionamentos; – Edificada sob um arcabouço de conhecimentos científicos diferentes do modelo biomédico; • .... Mesmo assim a enfermagem acabou por assumir uma orientação dirigida pelo imediatismo, baseando-se em práticas, de modo intuitivo e não sistematizado. Centrando ações mais na doença do que no paciente.
  14. 14. Conhecimento Cientifico – – – – – – – Farmacologia Histologia; Biologia; Fisiologia; Microbiologia; Sociologia; Anatomia; • Prediziam o que FAZER E COMO FAZER, entretanto não havia uma REFLEXÃO SOBRE O PQ E QUANDO FAZER... – Guerras mundiais, movimentos feministas, desenvolvimento de ciências levou ao questionar do STATUS QUO da Prática de enfermagem;
  15. 15. Teoria de enfermagem • Teoria: • “Um conjunto de conceitos, definições, e propostas interrelacionadas, que apresentam uma visão sistemática dos fenômenos, especificando relações entre variáveis, COM O PROPÓSITO DE EXPLICAR E PREVER OS FENÔMENOS”. • TODA CIÊNCIA... – Apresenta conhecimentos específicos, próprios e organizados. • Enfermagem é uma ciência = TEORIAS DE ENFERMAGEM
  16. 16. TEORIAS DE ENFERMAGEM • Surgimento das Teorias – A partir de 1950: necessidade de um conhecimento específico na Enfermagem; – As teorias foram fundamentadas na prática profissional, através de reflexões dessa prática; – As teorias surgiram com a finalidade de descrever, explicar, prever ou prescrever o cuidado de enfermagem.
  17. 17. O que se espera de toda enfermeira???? • • • • • • Cuidado de excelência... Ciência da enfermagem Ciências sociais Ciências físicas Politicas de saúde Ciências biomédicas
  18. 18. Cuidado de Excelência... • Cuidado Individuais; – Atendendo as necessidades individuais e familiares nos problemas de saúde • Teorias = humanização e individualização do cuidado; – Ajuda a descrever; explicar; prever e/ou prescrever as medidas de cuidados de enfermagem; • Pericia de enfermagem – Conhecimento + experiência clínica – É necessário para interpretar as situações clinicas e fazer julgamentos
  19. 19. Domínio de Enfermagem • Perspectiva de uma profissão; • Determina: – Conceitos centrais; – Valores; – Crenças; – Fenômenos de interesses; – Problemas centrais de uma disciplina • É o conhecimento da prática de enfermagem;
  20. 20. Paradigmas da Enfermagem • São ideias que estabelecem a conexão entre as ciências; filosofia e teorias aceitas e aplicadas; – Sua função direcionar as atividades da profissão, incluindo: filosofia, teoria, experiência educacional e prática: • INDIVÍDUO – É o centro do cuidado que você fornece; – Individualizado e centrado nas necessidades do cliente; • Clientes individuais, famílias e comunidade; • SAÚDE – Representa diferentes significados para casa cliente; ambiente clínico e profissional da saúde; – Dinâmico; – Desafio é fornecer o melhor cuidado possível de acordo com o nível de saúde do cliente;
  21. 21. Paradigmas de Enfermagem • AMBIENTE/SITUAÇÃO – Condições possíveis que afetam as necessidades do cuidado – Interação continua entre cliente e o ambiente – Fatores presentes no lar, na escola, no local de trabalho e comunidade; • ENFERMAGEM – É o diagnóstico, tratamento das respostas humanos aos problemas de saúde;
  22. 22. Teoria • Objetiva explicar um fenômeno; – Ex.: autocuidado ou cuidar; • É o modo de ver através de “um conjunto de conceitos relativamente concretos, específicos e as proposições que descrevem ou estabelecem conexões com os conceitos; • As teorias de enfermagem são contextualizações de aspectos da enfermagem com objetivos de descrever; explicar; prever e/ou prescrever cuidados de enfermagem; – Faz previsões de intervenções para promover o autocuidado do cliente no manejo de uma doença; – Teoria = pesquisa
  23. 23. Teorias de Enfermagem • Auxilia a equipe de enfermagem a idealizar as intervenções; • ex.: pte com diabetes; – Promove a perspectivas de como encara uma situação; – Modo de organizar; – Método para analise e interpretação de estabilidade; – Um guia para o planejamento as intervenções de enfermagem individualizadas; • “a enfermagem é uma profissão aprendida, uma ciência e uma arte.”
  24. 24. Componentes da Teoria • É composta de conceitos, definições e pressupostos ou preposições para explicar; – Fenômeno • É uma aspecto da realidade que pessoas sentem ou experimentam conscientemente; – Ex.: cuidar; autocuidado; – Conceitos • Ideias inter-relacionadas, simples ou complexas que buscam relacionar objeto ou um evento com experiências individuais; • Auxilia na descrição dos fenômenos e na rotulação;
  25. 25. Componentes da Teoria • Definições: – Comunicam os significados gerais dos conceitos; – Descrevem atividades necessárias para medir os conceitos, relacionamentos ou variáveis dentro da teoria; • Pressupostos: – São afirmações que explicam a natureza dos conceitos, definições, propósitos, relação e estruturas de uma teoria; – “que se pressupõem
  26. 26. Segundo Hickman (2000) as teorias são classificadas em quatro níveis de acordo com sua finalidade • Nível I- Isolamento de fatores : – Ex Enfermeiro descreve aparecimento de hiperemia na região sacral do paciente • Nível II – Relacionamento de fatores: – Ex. Enfermeiro associa a hiperemia aos fatos de o paciente estar acamado, ser obeso e estar fazendo uso de fármacos vasoativos. • Nível III – Relacionamento de situações (preditivas) – Ex. Enfermeiro prevê que é necessária uma intervenção rápida para que haja a regressão dessa hiperemia; caso contrário a evolução será prejudicial ao paciente. • Nível IV – Produtora de situações (prescritiva). – Ex. O Enfermeiro atua prescrevendo ações para a minimizar a evolução dessa lesão, entre elas mudança de decúbito, uso de colchão especial, hidratação da pele...
  27. 27. Teorias de enfermagem Teoria Ambiental: F. Nightingale (1820/1910) Teoria das Necessidades Básicas: Virginia Henderson (1897) Teoria do Autocuidado: Dorothea Orem (1914) Teoria da Adaptação: Sister Calista Roy (1939) Teoria das Relações Interpessoais em Enfermagem: Hildegard Peplau (1952) Teoria Holística: Myra E. Levine (1967) Teoria do Modelo Conceitual do Homem: Martha Rogers (1970) Teoria das Necessidades Humanas Básicas: Wanda Horta (1970) Teoria Alcance dos Objetivos: Imogenes King (1971)
  28. 28. Teoria Ambientalista • Representou o modelo inicial para enfermagem; – Seu conceito de ambiente foi o foco dos cuidados de enfermagem; – A enfermagem deveria saber tudo sobre patologias. • Tentou diferenciar enfermagem e medicina; • Acreditava que a enfermagem não estava limitadas a administração de medicamentos e sim orientada a fornecer: AR FRESCO, LUZ, AQUECIMENTO, HIGIENE, QUIETUDE, NUTRIÇÃO ADEQUADA; – Sua teoria se baseada na coleta de dado através da observação; • Condições de saúde = fatores ambientais; – Teoria descritiva = uma maneira de pensar sobre o ambiente do cliente e o nosso – Processo de enfermagem = observação vital • Objetivo: aumentar a saúde e o conforto e salvar vidas.
  29. 29. Teoria ambiental Foco principal da Teoria: Ambiente Homem: Indivíduo cujas defesas naturais são influenciadas por um ambiente saudável ou não Saúde: Processo reparador Ambiente: Condições externas capazes de prevenir doenças, suprimi-las ou contribuir para elas Enfermagem: Modificar os aspectos não-saudáveis do ambiente a fim de colocar o paciente na melhor condição para ação da natureza
  30. 30. Wanda de Aguiar Horta • Na segunda metade dos anos 1960; – Primeira enfermeira brasileira a abordar teoria em campo profissional • Embasou-se na teoria da motivação humana de Abarham Maslow e na teoria de João Mohana para elaborar a Teoria da Necessidade Humanas Básicas (NHB) – Surge no Brasil uma nova visão da Enfermagem (Horta, 1979) Leopardi (1990) afirma que as teorias são tão importantes para a assistência profissional quanto: 1. 2. 3. Técnica Comunicação Interação • Guia do contexto assistencial
  31. 31. Teoria das Necessidades Humanas Básicas • “Enfermagem é a arte de assistir o ser humano no atendimento de suas necessidades básicas, de torná-lo independente desta assistência através da educação; de recuperar, manter e promover sua saúde, contando para isso a participação de outros grupos profissionais.”
  32. 32. • O ser humano tem necessidades básicas que precisam ser atendidas para o seu completo bem-estar: Fisiológicas, segurança, sociais, auto-estima, auto-realização. • A Enfermagem assiste o ser humano no atendimento de suas necessidades básicas, utilizando dos conhecimentos e princípios científicos das ciências físico-químicas, biológicas e psicossociais
  33. 33. Teoria das Necessidades Básicas Foco: Necessidades Básicas Homem: Indivíduos com necessidades humanas com significado e valor singular a cada pessoa Saúde: Capacidade para satisfazer as necessidades humanas (Físicas, Psicológicas e Sociais) Ambiente: Cenário em que o indivíduo aprende padrões singulares de vida Enfermagem: Assistência temporária a um indivíduo que possua dificuldades para satisfazer uma ou mais necessidades básicas
  34. 34. Processo de Enfermagem • Metodologia – Método: ordem que se deve impor aos diferentes processos; – Metodologia : estudo dos métodos; – Processo: série de ações sistematizadas e progressivas visando a determinado fim; • Processo de Enfermagem: ações sistematizadas e seqüenciais que visam o cuidado enfermagem ao indivíduo, família e comunidade.
  35. 35. Processo de Enfermagem • Provê um guia sistematizado para o desenvolvimento de um estilo de pensamento que direciona julgamentos clínicos apropriados (Kenney,1995).
  36. 36. Processo de Enfermagem Sistematização da Assistência = Sistema de Assistência de Enfermagem = Processo de Cuidar = Metodologia da Assistência de Enfermagem
  37. 37. O QUE É SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM? Resolução COFEN nº 272/2002 “Atividade privativa do Enfermeiro, utiliza método e estratégia de trabalho científico para a identificação das atividades de saúde/doença, subsidiando ações de assistência de Enfermagem que possam contribuir para a promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde do indivíduo, família e comunidade”
  38. 38. Sistematização da Assistência de Enfermagem • É a organização e aplicação de um método de trabalho para assistir o indivíduo, a família e a comunidade; • Uma série de passos (histórico de enfermagem, exame físico, diagnóstico de enfermagem, prescrição da assistência de enfermagem, evolução da assistência de enfermagem, relatório de enfermagem); • É a essência da prática de enfermagem
  39. 39. Relação Teoria x Processo Teoria geração do conhecimento de enfermagem para uso na sua prática Processo de Enfermagem é o método para implementação da Teoria ou conhecimento
  40. 40. Teorias • Conjunto de conceitos que proporcionam visão de um fato ou acontecimento; • É a criação que organiza nossa percepção do mundo; É uma estrutura (conjunto) organizada de conceitos inventada com um propósito. Explicam, descrevem e predizem os fatos do mundo empírico; Fundamentada em princípio, crenças, valores e normas tradicionalmente aceitas.
  41. 41. Teorias de Enfermagem • Indicam um caminho de como ver os fatos ou eventos e assim direcionar o planejamento e determinar as intervenções de enfermagem;
  42. 42. Cronologia dos Modelos Teóricos em Enfermagem Ano Teorista 1952 Hildegard E. Peplau 1960 1967 1970 1970 1971 1971 1974 1978 1989 Ênfase Principal O processo interpessoal - maturação para a personalidade Faye Abdellah Os problemas do paciente determinam o cuidado Myra E. Levine O holismo - conservação da integridade Martha Rogers Pessoas e ambiente são campos de energia que evoluem Wanda de A. Horta Necessidades humanas básicas Dorothea E. Orem O autocuidado mantém a integridade Imogene M. King Alcance dos objetivos Irmã Callista Roy Estímulos rompem um sistema adaptativo Madeleine M. Leininger Cuidado transcultural P. Benner & J. Wrubel Cuidado essencial - ajuda mútua
  43. 43. Investigação Diagnóstico Processo Avaliação Planejamento Implementação

×