Sistemas de Gestão de Energia
NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
27/06/2013
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
Norma NP EN ISO 50001:2012 - Sistemas de Gestão da Ene...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
Os requisitos da NP EN ISO 50001:2012
•Destinam-se a t...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
A implementação dos requisitos da NP EN ISO 50001:2012...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
Evidência
Abordagem sistemática
(melhoria continua)
Pr...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
Processos
É expectável que seja
adoptada a abordagem
P...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
A implementação de Sistemas de Gestão de Energia permi...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
A implementação de Sistemas de Gestão de Energia permi...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
Os requisitos da aplicam-se às actividades sob
control...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
A norma NP EN ISO 50001:2012 , segue uma estrutura e u...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
A demonstração da conformidade com os requisitos desta...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
Politica Energética
Planeamento
Implementação e
Funcio...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
NP EN ISO 50001:2012
Sistema de gestão de energia
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.1 – Requisitos gerais
A organização deve:
•Estabelec...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.2 – Responsabilidade da gestão
4.2.1 – Gestão de top...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.2 – Responsabilidade da gestão
4.2.2 – Representante...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.3 – Politica energética
Declaração pela organização ...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.4 – Planeamento energético
4.4.1 – Generalidades
A o...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
Desempenho
energético
Utilização
da energia
Consumo
da...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.4 – Planeamento energético
4.4.2 – Obrigações legais...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.4 – Planeamento energético
4.4.3 – Avaliação energét...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.4 – Planeamento energético
4.4.3 – Avaliação energét...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.4 – Planeamento energético
4.4.4 – Consumo energétic...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.4 – Planeamento energético
4.4.5 – Indicadores de de...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.4 – Planeamento energético
4.4.6 – Objectivos energé...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.5 – Implementação e operação
4.5.1 – Generalidades
A...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.5 – Implementação e operação
4.5.2 – Competências, f...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
Setembro 2011
4.5 – Implementação e operação
4.5.3 – C...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.5 – Implementação e operação
4.5.4 – Documentação
A ...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.5 – Implementação e operação
4.5.5 – Controlo operac...
Cristina Effertz
4.5 – Implementação e operação
4.5.6 – Projecto / desenvolvimento
•A organização deve considerar as oport...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.5 – Implementação e operação
4.5.7 – Aquisição de se...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.6 – Avaliação
4.6.1 – Monitorização, medição e anali...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.6 – Avaliação
4.6.2 – Avaliação da conformidade com ...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.6 – Avaliação
4.6.3 – Auditorias internas ao SGE
A o...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.6 – Avaliação
4.6.4 – Não conformidades, correcções,...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.6 – Avaliação
4.6.5 – Controlo dos registos
•A organ...
Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
Cristina Effertz
4.7 – Revisão pela gestão
4.7.1 – Generalidades
•A int...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação Cristina Effertz 3ª Conf Anual do EnergyIN

785 visualizações

Publicada em

Sistemas de Gestão de Energia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
785
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Cristina Effertz 3ª Conf Anual do EnergyIN

  1. 1. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 27/06/2013
  2. 2. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz Norma NP EN ISO 50001:2012 - Sistemas de Gestão da Energia “Requisitos e linhas de orientação para a utilização". Alinhado com a preocupação crescente da sociedade com as questões de consumos energéticos, a publicação desta norma pretende-se ajudar as organizações a estabelecerem os sistemas e processos necessários à melhoria da eficiência energética.
  3. 3. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz Os requisitos da NP EN ISO 50001:2012 •Destinam-se a todo o tipo de organizações, •Aplica-se às actividades desenvolvidas por uma organização •Podem ser implementados de forma independente ou ser integrados com os de outros sistemas de gestão, tal com: da qualidade, do ambiente, da segurança e saúde no trabalho, da responsabilidade social ou da gestão do risco.
  4. 4. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz A implementação dos requisitos da NP EN ISO 50001:2012 , permitem a uma organização: •Desenvolver uma politica energética; •Estabelecer objectivos e melhoria; •Estabelecer processos para atingir os compromissos assumidos na politica; •Desenvolver as acções necessários à melhoria do desempenho; •Disponibilizar os recursos necessários; •Demonstrar a conformidade do sistema com os requisitos da norma.
  5. 5. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz Evidência Abordagem sistemática (melhoria continua) Prevenção Sistema Gestão Os sistemas de gestão baseiam-se em três princípios:
  6. 6. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz Processos É expectável que seja adoptada a abordagem P-D-C-A
  7. 7. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz A implementação de Sistemas de Gestão de Energia permite: a redução de custos e das emissões de gases com efeito de estufa, através de uma gestão sistemática da energia, com importantes implicações na estratégia, competitividade e desempenho energético e ambiental das organizações. A implementação de planos de monitorização e analise energética, que servirão de base ao estabelecimento de processos de melhoria continua que conduzirão a uma mais eficiente e sustentável utilização da energia.
  8. 8. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz A implementação de Sistemas de Gestão de Energia permite: Ter em consideração de forma sistemática as obrigações legais que a organização deve cumprir e outros requisitos que poderá adoptar; A norma por si só não define critérios específicos de desempenho em termos de energia
  9. 9. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz Os requisitos da aplicam-se às actividades sob controlo da organização
  10. 10. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz A norma NP EN ISO 50001:2012 , segue uma estrutura e uma lógica que é semelhante à estrutura ISO 9001 / ISO 14001. e assegura um elevado grau de compatibilidade com restes referenciais O sucesso da sua implementação depende do empenhamento de todos os níveis e funções da organização, em particular da gestão de topo.
  11. 11. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz A demonstração da conformidade com os requisitos desta norma a terceiros:  pode ser confirmada através da auto-avaliação e de uma auto- declaração de conformidade da própria organização;  ou através da certificação do sistema de gestão da energia por uma entidade externa independente (Organismo de Certificação).
  12. 12. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz Politica Energética Planeamento Implementação e Funcionamento Verificação Não conformidades, Correcções, Acções Correctivas e Preventivas Monitorização, Medição e analiseAuditoria Interna Revisão pela Gestão Melhoria Continua
  13. 13. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz NP EN ISO 50001:2012 Sistema de gestão de energia
  14. 14. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.1 – Requisitos gerais A organização deve: •Estabelecer, documentar , implementar , manter e melhorar um SGE de acordo com os requisitos da norma; •Definir e documentar o âmbito e fronteiras de seu SGE; •Determinar e documentar como são cumpridos os requisitos da norma, de modo a obter a melhoria contínua da sua eficiência energética.
  15. 15. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.2 – Responsabilidade da gestão 4.2.1 – Gestão de topo •Deve demonstrar o seu comprometimento em apoiar o SGE e a melhoria continua da sua eficiência. •Definir, estabelecer, implementar e manter a politica energética; •Designar um representante da gestão e aprovar a formação de uma equipa de gestão da energia; •Providenciar os recursos necessários ao estabelecimento, implementação, manutenção e melhora do SGE e ao desempenho energético resultante; •Identificar o âmbito e as fronteiras do SGE; •Comunicar a importância da gestão da energia para a organização; •Considerar o desempenho energético nos planeamentos de logo prazo; •Assegurar que os resultados são medidos e reportados a intervalos determinados; •Conduzir as revisões pela gestão.
  16. 16. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.2 – Responsabilidade da gestão 4.2.2 – Representante da gestão •A gestão de topo deve nomear um representante com as capacidades e competências apropriadas, que para alem de outras responsabilidades tenha responsabilidade e autoridade para: •Assegurar que o SGE é estabelecido, implementado, mantido e continuamente melhorado, de acordo com esta norma. •Identificar pessoa(s), autorizados por a um nível apropriado da gestão, para trabalhar com o representante da gestão, no suporte às actividades de gestão da energia. •Reportar à gestão de topo o desempenho energético. •Assegurar o planeamento das actividades de gestão da energia, definidas para apoiar a politica energética da organização. •Definir e comunicar responsabilidades e autoridades de forma a facilitar a gestão efectiva da energia. •Determinar critérios e métodos necessários para assegurar que as actividades de operação e controlo do SGE são eficazes. •Promover a consciencialização para a politica energética e objectivos a todos os níveis da organização.
  17. 17. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.3 – Politica energética Declaração pela organização (gestão de topo) das suas intenções e princípios, relacionada com o seu desempenho energético global, e que fornece um quadro de acção. Deve assumir a forma e uma declaração. •A politica energética de estabelecer o compromisso da organização em atingir a melhoria do desempenho energético. •A gestão de topo deve definir a politica energética e assegurar que: •é adequada à natureza e escala da utilização e consumo da energia da organização; •Inclui o compromisso com a melhoria continua do desempenho energético; •Inclui o compromisso com a disponibilização de informação e todos os recursos necessários para atingir os objectivos e metas; •Inclui o compromisso com o cumprimento dos requisitos legais aplacáveis e outros requisitos que a organização possa subscrever relacionados com a utilização da energia.
  18. 18. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.4 – Planeamento energético 4.4.1 – Generalidades A organização deve conduzir e documentar um processo de planeamento da energia O planeamento energético deve ser consistente com a politica energética e devem conduzir a actividades que melhorem continuamente o desempenho energético. O planeamento energético deve envolver das actividades da organização que podem afectar o desempenho energético.
  19. 19. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz Desempenho energético Utilização da energia Consumo da energia Outros Eficiência energética Intensidade energética Portugal é o país da UE (a 15) que regista maior intensidade energética: 0,15 toneladas equivalentes de petróleo por unidade do PIB, contrastando com os 0,11 tep de PIB da média Europeia (dos 15). Quer isto dizer que para produzir cem unidades de riqueza, Portugal precisa de consumir 15 unidades de energia. (Dados 2009) Planeamento energético
  20. 20. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.4 – Planeamento energético 4.4.2 – Obrigações legais e outros requisitos A organização deve definir uma metodologia para: • Identificar e ter acesso aos requisitos legais aplicáveis e outros requisitos que a organização subscreva, relacionados com a utilização da energia, consumo e eficiência; •A organização deve determinar como esses requisitos são aplicados utilização da energia, consumo e eficiência e assegurar que os requisitos legais aplicáveis e outros requisitos que a organização subscreva são considerados no estabelecimento, implementação e manutenção do SGE. •Comunicar a informação relevante à pessoas adequadas; •Manter se actualizada face às alterações; •Actualizar os seus registos de legislação aplicável a intervalos pré-definidos.
  21. 21. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.4 – Planeamento energético 4.4.3 – Avaliação energética A organização deve desenvolver, registar e manter uma revisão energética. A metodologia e critérios utilizados para desenvolver a revisão energética devem ser documentados. Para desenvolver a Avaliação energética a organização deve: a) Analisar a utilização e consumo da energia baseada em medições e outros dados. b) Baseado na analise da utilização e consumo da energia, identificação de áreas de utilização significativa de energia. c) Identificar, prioritizar e registar oportunidades de melhoria do desempenho energético.
  22. 22. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.4 – Planeamento energético 4.4.3 – Avaliação energética Uma auditoria energética ou diagnostico compreende uma revisão detalhada do desempenho energético da organização, de um processo ou de ambos. As saídas de uma auditoria tipicamente incluem informações sobre consumos e desempenho e podem ser acompanhadas por uma serie de recomendações de melhoria do desempenho. •As auditorias energéticas são planeadas e realizadas como parte da identificação prioritização de oportunidades de melhoria do desempenho energético.
  23. 23. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.4 – Planeamento energético 4.4.4 – Consumo energético de referencia •A organização deve estabelecer uma base energética de referencia utilizando a informação na revisão energética, considerando um período de dados adequado para a utilização e consumo de energia. Alterações no desempenho energético devem ser medidas por comparação com a base energética de referencia. •Ajustamentos à base energética de referencia devem ser feitas no caso de ocorrerem uma ou mais das seguintes situações: •Os indicadores de desempenho energéticos não reflectem a utilização e consumo da energia •Existirem alterações significativas, no processo, nos modelos operacionais, ou sistemas de energia, •Ou de acordo com um método pré-determinado. •A base energética de referencia deve ser mantida e registada. •Período de dados adequado pode estar relacionado com requisitos legais, ou variáveis que possam afectar a utilização e o consumo de energia, tal como, o tempo, e os ciclos do negócio.
  24. 24. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.4 – Planeamento energético 4.4.5 – Indicadores de desempenho energéticos •A organização deve identificar indicadores de desempenho energéticos (EDI) apropriados para monitorizar e medir o seu desempenho energético. A metodologia para determinar e actualizar os IDE deve ser registada e periodicamente revista. •Os IDE devem ser revistos e comparados com a base energética de referencia apropriada. •Os IDE poder ser simples parâmetros , um rácio ou modelos complexos. Tal como: consumo de energia por unidade de tempo; consumo de energia por unidade de produção, ou modelos multi-variável.
  25. 25. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.4 – Planeamento energético 4.4.6 – Objectivos energético; metas energéticas e planos de acção para a gestão da energia •A organização deve estabelecer, implementar e manter documentado objectivos e metas para a energia, para as funções e níveis relevantes, processos ou instalações. Devem ser definidos prazos para atingir esses objectivos e metas. •Os objectivos e metas devem ser consistentes com a política. As metas devem ser consistentes com os objectivos. •No estabelecimento dos objectivos e metas a organização deve ter em conta os requisitos legais e outros requisitos. Usos significativos de energia, oportunidades de melhoria do desempenho energético, identificados na revisão energética. Devem ser consideradas as condições financeiras, operacionais e do negocio, opções tecnológicas e os pontos de vista das partes interessadas. •A organização deve estabelecer, implementar e manter planos de acção para atingir os objectivos e metas.
  26. 26. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.5 – Implementação e operação 4.5.1 – Generalidades A organização deve usar os planos de acção e outras saídas resultantes do processo de planeamento para a implementação e operação.
  27. 27. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.5 – Implementação e operação 4.5.2 – Competências, formação e sensibilização •A organização deve assegurar que qualquer pessoa que trabalha para ou na organização, relacionadas com as utilizações significativas da energia, têm as competências, com base nas habilitações académicas, treino, ou experiencia adequadas. A organização deve identificar as necessidades de formação associadas com o controlo das utilizações significativas de energia e ao funcionamento do SGE. •A organização deve providenciar a formação ou tomar outras acção para ir ao encontro destas necessidades. •Devem ser mantidos os registos apropriados. •A organização deve assegurar que qualquer pessoa que trabalha para ou na organização, está consciente : •Do impacte actual ou potencial, relativamente ao uso e consumo da energia, das sua actividades, e como as suas actividades e comportamentos contribuem para atingir os objectivos e metas e das potenciais consequências do não cumprimento de procedimentos específicos.
  28. 28. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz Setembro 2011 4.5 – Implementação e operação 4.5.3 – Comunicação Propósito: garantir que todas as pessoa que trabalham na organização ou em seu nome possam tomar parte activa na gestão da energia e na melhoria do desempenho energético. •A organização deve comunicar internamente o desempenho do SGE, de forma apropriada à dimensão da organização. •A organização deve estabelecer e implementar um processo através do qual qualquer pessoa que trabalhe para a organização ou em seu nome possa fazer comentários ou sugestões de melhoria do SGE. •A organização deve decidir sobre a comunicação para o exterior da sua politica energética, o SGE e o desempenho energético, e deve documentar essa decisão. Se a decisão for comunicar externamente, a organização deve estabelecer e implementar uma metodologia para essa comunicação externa.
  29. 29. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.5 – Implementação e operação 4.5.4 – Documentação A organização deve estabelecer, implementar e manter informação em suporte papel, electrónico ou por outros meios para descrever os elementos fundamentais do SGE e suas interacções. •A documentação do SGE deve incluir: •O âmbito e as fronteiras do SGE; •A politica energética; •Os objectivos, metas e planos de acção; •Os documentos, incluindo registos requeridos por esta norma •Outros documentos identificados pela organização como necessários. A documentação deve ter em conta: a dimensão da organização e o tipo de actividades, a complexidade dos processos e suas interacções e as competências do pessoal. • Os documentos requeridos por esta norma e pelo SGE deve ser controlados. Isto inclui documentação técnica quando apropriado.
  30. 30. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.5 – Implementação e operação 4.5.5 – Controlo operacional A organização deve identificar e planear as operações e actividades de manutenção, relacionadas com as utilizações significativas de energia e estas devem ser consistentes com a politica, objectivos, metas e planos de acção, de forma a assegurar que são levadas a cabo sob condições controladas / especificadas, significando o seguinte: •Estabelecer e fixar critérios para a operação e manutenção eficazes das utilizações significativas de energia, onde a sua ausência possa conduzir a desvios significativos do desempenho energético eficaz. •Operação e manutenção de instalações, processos sistemas e equipamentos, de acordo com critérios operacionais. •Comunicar apropriadamente os controlos operacionais ao pessoal que trabalha para a organização ou em seu nome. Nota: No planeamento de contingência ou situações de emergência ou de potencial catástrofe, incluindo a aquisição de equipamentos, a organização pode optar por incluir o desempenho energético na determinação de como ele vai reagir a essas situações.
  31. 31. Cristina Effertz 4.5 – Implementação e operação 4.5.6 – Projecto / desenvolvimento •A organização deve considerar as oportunidades de melhoria do desempenho energético e o controlo operacional no projecto/desenvolvimento de novas, ou modificações ou remodelações de instalações, equipamentos , sistemas e processos que possam ter um impacte significativo no desempenho energético. •Os resultados da avaliação do desempenho energético deve ser incorporadas, quando apropriado, nas especificações das actividades de projecto/desenvolvimento e aquisição de projectos relevantes. •Os resultados das actividades de projecto / desenvolvimento devem ser registadas. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012
  32. 32. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.5 – Implementação e operação 4.5.7 – Aquisição de serviços de energia, produtos, equipamentos e energia. •A aquisição de serviços, produtos e equipamentos tem ou pode ter um impacte significativo no uso da energia, a organização deve informar os fornecedores que a contratação é parcialmente avaliada com base no desempenho energético. •A organização deve estabelecer e implementar os critérios para avaliar o uso, consumo e eficiência da energia ao longo da vida operacional prevista ou esperada quando da aquisição de produtos do equipamento, e serviços consumidores de energia que poderão ter um impacto significativo sobre o desempenho energético da organização. •A organização deve definir e documentar especificações de compra conforme aplicável, para o uso eficaz da energia.
  33. 33. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.6 – Avaliação 4.6.1 – Monitorização, medição e analise A organização deve assegurar que as características principais das suas operações que determinam o desempenho energético são monitorizadas, medidas e analisadas ​​em intervalos planeados. As características-chave incluem no mínimo: a) uso significativo de energia e outras saídas da revisão de energia; b) as variáveis ​​relevantes relacionadas com os usos significativos de energia; c) Indicadores de desempenho energético; d) a eficácia dos planos de acção para atingir objectivos e metas; e) avaliação do consumo real de energia contra o esperado. Os resultados da monitorização e medição das características fundamentais devem ser registadas.
  34. 34. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.6 – Avaliação 4.6.2 – Avaliação da conformidade com os requisitos legais e outros requisitos •A intervalos planeados, a organização deve avaliar a conformidade com requisitos legais e outros requisitos a que está vinculada relacionados ao seu uso e consumo de energia. •Registos dos resultados das avaliações de conformidade devem ser mantidos.
  35. 35. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.6 – Avaliação 4.6.3 – Auditorias internas ao SGE A organização deve conduzir auditorias internas em intervalos planeados para assegurar que o SGE: ⎯ está em conformidade com disposições planeadas para a gestão de energia, incluindo os requisitos desta Norma; ⎯ conformidade com os objectivos e metas da energia estabelecidos; ⎯ é efectivamente implementado e mantido, e melhora o desempenho energético. •Um programa de auditoria deve ser elaborado levando em consideração a situação e a importância dos processos e áreas a serem auditadas, bem como os resultados de auditorias anteriores. •A selecção dos auditores e a execução das auditorias devem assegurar objectividade e imparcialidade do processo de auditoria. •Registos dos resultados da auditoria devem ser mantidas e encaminhados à gestão de topo.
  36. 36. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.6 – Avaliação 4.6.4 – Não conformidades, correcções, AC e AP A organização deve tratar as não conformidades reais e potenciais, identificando correcções, e tomando acções correctivas e preventivas, incluindo os seguintes pontos: a) Tratar / avaliar as não conformidades ou não conformidades potenciais; b) determinar as causas de não conformidades ou não conformidades potenciais; c) avaliar a necessidade de acções para assegurar que não as conformidades não ocorrem ou não se repetem; d) determinar e implementar as medidas adequadas necessárias; e) manter registos das acções correctivas e acções preventivas; f) analisar a eficácia das acções correctivas ou acções preventiva tomadas. As acções correctivas e acções preventivas devem ser adequadas à magnitude dos problemas reais ou potenciais e às consequências de desempenho energético obtido. A organização deve assegurar que todas as alterações necessárias ao SGE são realizadas.
  37. 37. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.6 – Avaliação 4.6.5 – Controlo dos registos •A organização deve estabelecer e manter registos, conforme necessário, para demonstrar a conformidade com as exigências do seu SGE e desta Norma, e os resultados de desempenho energético alcançados. • A organização deve definir e implementar controlos para a identificação, recuperação e conservação dos registos. •Os registos devem ser e devem permanecer legíveis, identificáveis ​​e rastreáveis ​​para a actividade em causa.
  38. 38. Sistemas de Gestão de Energia NP EN ISO 50001:2012 Cristina Effertz 4.7 – Revisão pela gestão 4.7.1 – Generalidades •A intervalos planeados, a gestão de topo deve rever o SGE da organização para assegurar a sua contínua pertinência, adequação e eficácia. •Registos de revisão pela gestão deve ser mantida.

×