derrubando as fortalezas em sua cidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

derrubando as fortalezas em sua cidade

em

  • 2,453 visualizações

 

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
2,453
Visualizações no SlideShare
2,453
Visualizações incorporadas
0

Actions

Curtidas
0
Downloads
160
Comentários
0

0 Incorporações 0

No embeds

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Adobe PDF

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

derrubando as fortalezas em sua cidade Document Transcript

  • 1. C. Peter Wagner Derrubando as Fortalezas em Sua Cidade Como usar o mapeamento espiritual para tornar suas orações mais estratégicas, eficazes e com um alvo bem definido. Série Guerreiros da Oração Editora Bompastor Digitalizado por BlacKnight Revisado por SusanaCap PDL & Semeadores da Palavra
  • 2. Sumário AS FORTALEZAS... INTRODUÇÃO Parte I: OS PRINCÍPIOS 1. 2. 3. 4. VISÃO PANORÂMICA DO MAPEAMENTO ESPIRITUAL O VISÍVEL E O INVISÍVEL TRATANDO COM AS FORTALEZAS MAPEAMENTO ESPIRITUAL PARA ORAÇÃO DE AÇÃO PROFÉTICA Parte II: A PRÁTICA 5. DERROTANDO O INIMIGO COM A AJUDA DO MAPEAMENTO ESPIRITUAL 6. PASSOS PRÁTICOS PARA LIBERTAR UMA COMUNIDADE 7. EVANGELIZANDO UMA CIDADE DEDICADA ÀS TREVAS Parte III: APLICAÇÃO 8. MAPEANDO E DISCERNINDO SEATTLE, W ASHINGTON 9. MAPEANDO A SUA COMUNIDADE
  • 3. AS FORTALEZAS... Dizem que, durante a Guerra do Golfo Pérsico, Saddam Hussein lançava os seus foguetes Scud, e então, ficava ouvindo o programa da Televisão CNN para descobrir se eles haviam acertado o alvo. Os aliados, por sua vez, atacavam com bombas dotadas de pontaria infalível, que apontavam exatamente para as chaminés ou janelas que deveriam atingir. Acredito que é tempo dos crentes começarem a orar com uma pontaria infalível. Este livro desvenda as astúcias do diabo, e desvenda os alvos de oração que forçarão o inimigo a liberar milhões de almas perdidas, atualmente mantidas em cativeiro. Sinto-me vibrante porque Deus nos deu uma maravilhosa arma nova para entrarmos em uma guerra espiritual eficaz! C. Peter Wagner INTRODUÇÃO Por C. Peter Wagner Esta é uma daquelas Introduções que você faria bem em ler, antes de continuar lendo o resto deste volume! O mapeamento espiritual é uma questão tão recente, que poucos que tomarem este livro para lê-lo terão muito pano-de-fundo em sua mente que lhes prepare o caminho. Mas para aqueles que já estiverem bem informados sobre a guerra espiritual em nível estratégico, isso não será tão difícil, visto que já terá sido estabelecido um paradigma mental. Para outras pessoas, no entanto, este livro servirá de ponto de sintonia, quanto àquilo que considero uma das coisas mais importantes que o Espírito Santo está dizendo às igrejas, nesta década de 1990; e esta introdução será extremamente útil quanto a esse processo.
  • 4. APARECIMENTO DO MAPEAMENTO ESPIRITUAL Pessoalmente, eu nunca tinha ouvido a expressão "mapeamento espiritual" nas décadas de 1970 ou 1980. Mas tão recentemente quanto o ano de 1990, em uma reunião de uma pequena organização chamada de Spiritual Warfare Network, ouvi o pastor Dick Bernal, do Jubilee Christian Center, dizer como os líderes e intercessores de sua igreja tinham tentado identificar os principados espirituais das diferentes cidades e da região em torno da área da baía de São Francisco. Outros participantes da reunião questionaram a sabedoria de fazer-se tal coisa, resultando daí uma vívida discussão. Suponho que alguém já estivesse usando o termo, antes daquela ocasião, mas, pelo menos para mim, aquela foi a primeira vez que ouvi falar em tal conceito. Seguiu-se uma rápida sucessão de eventos, e o desfecho foi que a Spiritual Warfare Network tornou-se parte integrante da United Prayer Track, um ramo do A.D. 2000 Movement. O A.D. 2000 Movement foi levantado por Deus, como a principal força catalisadora das múltiplas igrejas, agências, ministérios e denominações ao redor do mundo, tendo em vista um esforço conjunto que visa completar a tarefa da evangelização do mundo, pelo menos, tanto quanto possível, aí pelo ano 2000. Essa é uma organização formada por pessoas comuns, e suas atividades foram delegadas a dez teias de recursos separadas. Minha atual responsabilidade é dirigir a A.D. 2000 United Prayer Track, que está edificando uma base global de oração, que dê respaldo aos esforços de todos os demais ramos do movimento de evangelismo como um todo. A unidade mais proeminente, dentro da United Prayer Track é a Divisão de Mapeamento Espiritual, liderada por George Otis, Jr., co-coordenador da Prayer Track. O estabelecimento dessa divisão tem elevado o perfil desse novo campo de ministério, a fim de atingir dimensões mundiais. Nós, do A.D. 2000 Movement, não estamos mais discutindo se deveríamos fazer mapeamento espiritual. Agora estamos concentrando as nossas energias sobre como fazer bem esse mapeamento.
  • 5. Filtrando as Divisões Não é nenhum segredo que a intercessão, a guerra espiritual, o manuseio das forças demoníacas e, ultimamente, o mapeamento espiritual tendem por atrair uma quantidade além do normal do espírito de divisão. Os autores deste livro, a Spiritual Warfare Network, a United Prayer Track, a Spiritual Mapping Division e o A.D. 2000 Movement levam a sério a sua responsabilidade de filtrarem o espírito de divisão tanto quanto possível, fazendo isso mediante a organização de um sistema de prestação de contas, o que nos ajuda a nos resguardarmos de apelas para o espírito de divisão. Estamos nos esforçando por lançar alicerces para um ministério bíblico, teológico e pastoralmente sensível, para que seja feito um mapeamento espiritual dotado das qualidades da excelência e da integridade. É provável que nós mesmos cheguemos a cair em equívocos; mas esperamos que, quando assim venha a acontecer, logo possamos notá-los, a fim de podermos corrigi-los prontamente. QUAL A RAZÃO DESTE LIVRO? Dentro de cinco anos, ou mesmo dentro de dois anos, após este livro haver sido escrito, certamente saberemos mais sobre o mapeamento espiritual do que sabemos atualmente. Não obstante, na providência divina, ele tem levantado um grupo de pessoas, por enquanto bastante pequeno ainda, provenientes de muitos lugares do mundo, que na verdade vem fazendo mapeamento espiritual faz mais de vinte anos, o que significa que têm podido acumular considerável experiência nesse campo. Acredito que, mais do que qualquer outro livro que já escrevi, este tem emergido da orientação imediata de Deus. Eu tinha planejado escrever uma série de três volumes sobre a oração, a começar por dois deles, com os títulos Oração de Guerra e Escudo de Oração, ambos os quais seriam publicados pela editora Regal Books. O terceiro volume deveria ser um livro acerca da oração no que tange à igreja local. Todos os três volumes visam ao propósito de ver que uma oração estratégica, dotada de alvos definidos, contribua para a aceleração da evangelização do mundo. Deus,
  • 6. entretanto, me fez interromper a seqüência, e senti fortemente que eu devia preparar em seguida este volume que versa sobre o mapeamento espiritual, porquanto Deus queria que os líderes das igrejas locais contassem com um guia prático para implementar o que o Espírito está dizendo, no presente, acerca do mapeamento espiritual. Quando comecei a apresentar a objeção de que eu não sabia o suficiente sobre o mapeamento espiritual para escrever o livro inteiro, Deus pareceu tornar-se mais específico. Lembro-me claramente de que, em um período de oração, em um hotel em que eu estava hospedado, em Portland, estado do Oregon, senti poderosa unção da parte do Senhor, e, em menos de quarenta e cinco minutos, eu já havia anotado, em meu bloco de papéis amarelos, o esboço básico do livro que o leitor tem agora nas mãos. Sem dúvida alguma, outros líderes evangélicos do mundo poderiam igualar os discernimentos e a sabedoria desses autores; mas duvido que muitos conseguiriam ultrapassá-los. Aqueles que contribuíram para este volume procedem dos Estados Unidos da América, da Suécia, da Guatemala e da Argentina. Cada um deles iniciou-se no mapeamento espiritual sem qualquer treinamento prévio e sem ter entrado em contato com outros que estavam fazendo a mesma coisa. Mas atualmente comunicam-se uns com os outros através da Spiritual Warfare Network, e estão todos admirados e agradecidos de que, durante anos, eles tenham recebido, individualmente, instruções similares da parte do Senhor. CONHEÇA OS AUTORES CONTRIBUINTES Em que consiste o mapeamento espiritual? Vários de nossos pensadores têm oferecido as suas respectivas definições, todas as quais se reforçam e complementam umas às outras. A definição condensada e não-técnica é a seguinte: Uma tentativa para ver nossa (preencher neste espaço a região a ser mapeada) como ela realmente é, e não como parece ser. Essa definição foi dada por George Otis Jr., o qual, por meio de suas obras como The Last of the Giants (Chosen Books) e seu ministério mundial com o The Sentinel Group e o A.D. 2000 United Prayer Track, é considerado por muitos, inclusive por mim mesmo, como o principal líder evangélico neste campo. Fiquei deleitado quando George
  • 7. concordou em contribuir com o primeiro capítulo deste livro, provendo uma visão panorâmica do mapeamento espiritual em geral. Na qualidade de fundadora e presidente da Generals of Intercession, Cindy Jacobs sobressai-se tanto no ensino quanto na guerra espiritual em nível estratégico, liderando pastores e intercessores para que ponham em prática, na realidade, essa atividade no campo. O capítulo escrito por ela sobre as fortalezas haverá de esclarecer muitas perguntas que, com freqüência, são apresentadas. O livro de Cindy, Possuindo as Portas do Inimigo (Editora Atos), é um iluminador manual de treinamento que visa a uma intercessão militante, e tem sido altamente aclamado. Kjell (pronuncia-se "Xel") Sjöberg é conhecido por causa de seu ministério de intercessão espiritual em nível estratégico, orações de ação profética e mapeamento espiritual. Ele vem trabalhando nesse campo por mais tempo do que quaisquer outros autores. Seu livro, intitulado Winning the Prayer War (Sovereign World), tem arado o terreno à nossa frente, nesse campo. Até onde sei das coisas, ninguém havia relacionado o mapeamento espiritual com a oração de ação profética, com o discernimento e a experiência prática que Kjell nos apresenta em seu capítulo. Juntamente com o meu capítulo sobre "O Visível e o Invisível", que considero um dos mais importantes ensaios que tenho escrito em anos recentes, esse grupo provê a seção de "Princípios" deste volume. Para a seção "Prática" escolhi três praticantes de três nações diferentes, cada um dos quais está profundamente engajado no mapeamento espiritual, e cada um começou as suas atividades virtualmente sem qualquer ajuda, instrução ou modelo que pudesse seguir. A Seção Prática Haroldo Caballeros, o pastor da Igreja El Shaddai, da Guatemala, que atualmente tem como membros ativos o presidente da Guatemala e seus familiares, é o primeiro pastor em cujos estudos pessoais descobri mais compêndios sobre arqueologia do que comentários sobre a epístola aos Romanos. Não que Haroldo negligencie uma exposição bíblica suficientemente
  • 8. informada, em seu ministério pastoral, mas é que ele leva muito a sério a necessidade de compreender as forças espirituais que têm moldado a sua comunidade, desde os dias do império maia. O capítulo por ele escrito levará o leitor diretamente ao cerne da questão. Bob Beckett talvez tenha sido capaz de monitorar mais de perto do que qualquer dos outros autores os resultados reais do mapeamento espiritual e da guerra espiritual em nível estratégico, em sua igreja local, chamada The Dwelling Place Family Church, e em sua comunidade de Hemet, estado da Califórnia. Ao ensinar meu curso sobre esse assunto, no Seminário Teológico Fuller, sempre peço que Bob apresente uma preleção sobre mapeamento espiritual e, então, levo toda a classe a Hemet para fazer um mapeamento espiritual ao vivo, para que Bob dirija esse mapeamento. Quando você estiver lendo o capítulo escrito por ele, obterá um bom vislumbre daquilo que os alunos do Seminário Teológico Fuller estão aprendendo com a ajuda de Bob Beckett. Não consideramos que o mapeamento espiritual seja uma finalidade em si mesma. Mas vemos uma relação de causa e efeito entre a fidelidade do povo de Deus à oração e a vinda do seu Reino. Menciono Víctor Lorenzo com freqüência, em meu livro, Oração de Guerra (Editora Bompastor), porque a Argentina tem emergido como o nosso principal laboratório de campo para submeter a teste a guerra espiritual em nível estratégico e porque Víctor tem sido um dos principais personagens nesse processo. Conforme ele explicou, ele tem trabalhado muito lado a lado com Cindy Jacobs. Dentre todos os autores, Víctor é o que tem descoberto maior número de informações sobre as forças do inimigo em dada cidade, incluindo a descoberta dos nomes próprios de alguns dos espíritos territoriais. Os resultados, no campo do evangelismo, têm sido gratificantes.
  • 9. A Aplicação Adicionamos a seção final, intitulada "Aplicação", para ajudar a responder uma das mais freqüentes indagações que me são dirigidas: Como é que um pastor de Pumphandle, estado de Nebraska, que não é um Kjel Sjöberg ou uma Cindy Jacobs, pode ficar preparando mapeamento espiritual? Mark McGregor ajusta-se a essa descrição. Ele é um crente dedicado, embora nunca tenha sido consagrado ao ministério, um programador de computador que trabalha por tempo integral, e que deseja servir ao Senhor ao máximo de suas potencialidades. Ele é o único contribuinte para este volume que não está afiliado à Spiritual Warfare Network. A fim de mapear a sua cidade de Seattle, ele simplesmente tomou a lista de perguntas que aparece no livro de John Dawson, Reconquiste Sua Cidade Para Deus (Editora Betânia), e escavou os informes necessários consultando livros e outros recursos disponíveis para o público, como bibliotecas, prefeituras ou sociedades históricas. Não estamos dizendo isto para diminuir Mark, mas se ele pôde fazer isso, você também poderá fazê-lo. Leia o capítulo escrito por ele para obter a idéia geral do tipo de informações que se fazem necessárias. O simples recolhimento de informes é um passo essencial, embora ainda não seja suficiente. É nessa altura que pessoas dotadas de dons espirituais específicos, experiência e maturidade, precisam entrar. Uma dessas pessoas é Bev Klopp, que há anos é reconhecida como uma intercessora e membro da equipe de intercessores da Spiritual Warfare Network. Usando o dom de discernimento de espíritos que ela recebeu, juntamente com anos de experiência no campo da oração em favor de Seattle, Bev provê um modelo de interpretação de informes e de identificação de alvos. Quando você estiver pronto para passar do recolhimento de informes para o campo de batalha, certifique-se de que conta com alguns crentes como Bev Klopp em sua equipe. No capítulo anterior, respiguei informes daquilo que outros têm dito neste livro, reunindo um instrumento de mapeamento espiritual que pudemos sugerir, e que alguns leitores poderão sentir ser útil, ao entrarem nessa produtiva área do ministério.
  • 10. QUÃO ÚTIL É O MAPEAMENTO ESPIRITUAL? Conforme têm salientado diversos dos nossos contribuintes, não consideramos o mapeamento espiritual como uma finalidade em si mesma No entanto, cremos que é desejo de Deus que oremos: "Venha o teu reino; seja feita a tua vontade" (Mt 6.10). Também podemos ver uma relação de causa e efeito entre a fidelidade do povo de Deus à oração e a vinda do seu Reino. Quando a vontade de Deus está sendo feita na terra, vemos pessoas perdidas serem salvas; pessoas enfermas serem curadas; pessoas empobrecidas receberem o essencial para a vida secular; o fim de guerras, contendas e derramamento de sangue; pessoas oprimidas que são libertadas; governos justos serem levantados; práticas justas e equitativas no mundo dos negócios; harmonia entre as raças — para mencionarmos apenas alguns desses benefícios. Muitos líderes evangélicos sentem que, até agora, o ministério de oração em nossas igrejas não tem sido da variedade mais poderosa. Aprecio a maneira como George Otis, Jr. exprimiu essa idéia: Embora a oração seja reconhecida rotineiramente como um importante componente dos esforços globais de evangelização, tais expressões, no mais das vezes, são mais um produto de hábitos religiosos adquiridos do que reflexões com base em convicções genuínas. Tal como outros povos religiosos ao redor do globo, oramos porque hesitamos em embarcar em empreendimentos significativos sem primeiro prestar honras à nossa divindade familiar. Se Deus responderá ou não às nossas petições específicas é algo de menor importância para nós do que garantir que não o temos ofendido ao deixarmos de informá-lo sobre as nossas intenções. Nesse sentido, a oração é mais supersticiosa e profilática do que sobrenatural e procriadora.1 Conforme disse Bob Beckett em seu capítulo, grande parte de nossas orações tem-se parecido com o lançamento dos foguetes Scud, por parte de Saddam Hussein. Ele fazia bem pouca idéia de quais seriam os seus alvos, pelo que os efeitos de seus foguetes
  • 11. deixaram muito a desejar. Aqueles que oram a fim de livrar as pessoas da opressão demoníaca têm aprendido, desde muito tempo atrás, falando em sentido bem geral, que os resultados são bem melhores quando os espíritos malignos são identificados e especificamente ordenados para deixarem as suas vítimas no nome de Jesus, em vez de ministrarem com uma vaga oração como: "Senhor, se há quaisquer espíritos, ordenamos que todos eles saiam em teu nome". Suspeitamos que outro tanto sucede quando oramos pelo livramento de bairros, cidades ou nações. O mapeamento espiritual é apenas uma ferramenta que nos permite sermos mais específicos e, esperançosamente, mais poderosos em nossas orações pelas nossas comunidades. Escreveu George Otis, Jr.: "Aqueles que dedicam tempo tanto para falarem com Deus quanto para lhe darem ouvidos, antes de se aventurarem em seus respectivos ministérios, não somente achar-se-ão no lugar certo e no tempo certo, mas também saberão o que fazer quando chegarem ali".2 Aqueles dentre nós que estão desenvolvendo o tema do mapeamento espiritual estão procurando aumentar a nossa capacidade de dar ouvidos a Deus e de nos comunicarmos uns com os outros sobre o que estamos ouvindo, com toda a exatidão possível. O MAPEAMENTO ESPIRITUAL É BÍBLICO? Vários dos autores que contribuíram para este volume reportaram-se à questão da base bíblica do mapeamento espiritual. Não é meu propósito reiterar aqui os argumentos deles, mas apenas dizer que todos nós, que temos contribuído para este livro, vemo-nos como crentes bíblicos, e nenhum de nós ao menos consideraria recomendar alguma área do ministério ao Corpo de Cristo, se não estivesse plenamente convencido de que está ensinando de acordo com a vontade de Deus, de um modo que não viole qualquer verdade bíblica. Estamos pessoalmente convencidos de que o mapeamento espiritual é um procedimento bíblico, pelo que estamos ensinando com base nessa premissa. Ao mesmo tempo, não ignoramos o fato de que há outros irmãos e irmãs em Cristo, da mais alta integridade, que discordam de nós. Vários deles têm publicado recentemente essas noções contrárias em livros e artigos. Agradecemos a Deus por nossos bem informados
  • 12. críticos e os abençoamos. Em primeiro lugar, eles têm conseguido perceber alguns erros nossos, sob a forma de declarações equivocadas ou exageros, e agora estamos no processo de corrigilos. Ademais, sentimos que até mesmo os nossos críticos menos informados nos forçam a permanecer de olhos bem abertos e nos ajudam a aguçar aquilo que temos a dizer e o que temos a fazer. Mas em caso nenhum temos o desejo de entrar em uma polêmica e nem tentamos refutar os nossos críticos. Não nos inclinamos a dar a impressão de que nós somos bons, fazendo os nossos irmãos e irmãs em Cristo parecerem maus, razão pela qual o leitor não encontrará tal atitude neste livro. Estamos plenamente cônscios do fato de que o mapeamento espiritual, juntamente com a guerra espiritual em nível estratégico, são inovações relativamente recentes que estão sendo introduzidas no Corpo de Cristo. Mas sucede que sentimos que estamos sendo impelidos pelo Espírito Santo. Mesmo assim, contudo, leis científicas sociais do conhecimento de todos, que cercam as questões da difusão e da inovação, inexoravelmente estão entrando em efeito. Qualquer inovação, mui tipicamente, atrai alguns primeiros seguidores, depois seguidores secundários e, finalmente, seguidores tardios. Em muitos casos, alguns recusam-se a adotar a inovação, conforme fica demonstrado pela existência da Sociedade Internacional da Terra Chata. O mapeamento espiritual, no momento, acha-se no estágio dos primeiros seguidores, sendo esse o estágio, conforme já seria de esperar, que estimula a controvérsia mais acesa. A reação nervosa dos crentes, quando se opõem a qualquer inovação, consiste em dizer: "Isso não é bíblico", conforme sucedeu quando surgiu a Escola Dominical, e conforme fizeram alguns, quando se começou a falar sobre a abolição da escravatura. Exemplos Bíblicos e Arqueológicos Um exemplo de mapeamento espiritual pode ser visto em Ezequiel 4.1-3, onde Deus instruiu Ezequiel a preparar um mapa tosco da cidade de Jerusalém, em uma tabuleta de argila, e, então, lhe disse: "a cercarás". Como é óbvio, isso refere-se à guerra espiritual, e não à guerra convencional.
  • 13. Menciono isso porque algumas pesquisas têm trazido à tona o que é considerado pelos arqueólogos como o primeiro mapa conhecido de uma cidade, a cidade de Nipur, o antigo centro cultural da Suméria. Acha-se em uma tabuleta de argila admiravelmente conservada, sem dúvida similar àquela que foi usada por Ezequiel. Os traços do mapa, desenhados por volta de 1500 A.C., constituem o que hoje chamaríamos de mapeamento espiritual. No centro da cidade está escrito "o lugar de Enlil. E também está escrito que na cidade "reside o deus do ar, Enlil, a principal divindade de panteão da Suméria".3 Poderíamos identificá-lo como o espírito territorial que dominava a Suméria. Outros edifícios que aparecem nesse antigo mapa incluem Ekur, o mais renomado templo sumeriano; o Kagal Nanna, ou seja, o portão de Nanna, o deus-lua da Suméria; o Kagal Nergal, ou portão de Nergal, que era considerado rei do submundo e marido da deusa Ereshkigal; o Eshmah, ou "Santuário Sublime", que ficava nas periferias da cidade, além de muitos outros.4 Mais um fato interessante. No capítulo escrito por Víctor Lorenzo, o leitor verá que parte do desígnio maligno e oculto da cidade argentina de La Plata envolvia quebrar, intencionalmente, o usual padrão latino-americano, em que as ruas apontam nas direções dos pontos cardeais: norte, sul, leste e oeste. A mesma coisa acontecia em Nipur! O assiriologista Samuel Kramer observou: "O mapa não estava orientado nas direções norte e sul, porém, mais ou menos em ângulos de quarenta e cinco graus".5 Ao que tudo indica, há alguns precedentes históricos quanto ao mapeamento espiritual. Isso Glorifica a Satanás? Desmascarar as astúcias de Satanás pode tornar-se algo tão fascinante que podemos começar a enfocar a nossa atenção sobre o inimigo, e não sobre Deus. Isso deve ser evitado a todo custo. Se não evitarmos essa armadilha, cairemos nas mãos do inimigo. O principal propósito da existência de Satanás é impedir que Deus seja glorificado, e o motivo do diabo para tanto é que ele quer que a glória reverta para ele. Se ele puder, haverá de querer enganar os
  • 14. servos de Deus, fazendo-os desviarem-se para atividades que terminam por exaltar a criatura, e não o Criador. Cada um dos escritores que contribuíram para este livro é um crente espiritual e suficientemente maduro no terreno da guerra espiritual prática, ao ponto de reconhecer plenamente os desejos de Satanás, não lhe satisfazendo os desejos. Eles concordam que a reação diante de tal perigo não deve ser retroceder e deixar o campo de batalha nas mãos de Satanás. A reação deve ser avançar tão agressivamente quanto for possível, a fim de descobrir os desejos, as estratégias, as técnicas e as armas de Satanás. As pesquisas que nos estão ajudando a fazer isso não visam glorificar a Satanás, tal como as pesquisas acerca do câncer não visam glorificar o câncer. Mas quanto mais ficamos sabendo sobre a natureza, as causas, as características e os efeitos do câncer, mais preparados estaremos para erradicá-lo. Anos atrás, para exemplificar, as pesquisas sobre a varíola desmascararam muito de nossa ignorância acerca dessa doença, e, como resultado disso, milhões e milhões de vidas humanas foram salvas. E a varíola não foi glorificada; antes, foi derrotada. Ainda há o perigo maior do que o de glorificar o inimigo, que é o perigo de ser ignorante sobre o inimigo. Gosto da maneira como William Kumuyi, o coordenador africano do A.D. 2000 Movement, e um dos líderes da Spiritual Warfare Network coloca a questão: "Por muitas vezes o Adversário tira vantagem de nossa ignorância. Se estivermos combatendo contra um inimigo invisível que está resolvido a destruir-nos e não nos mostrarmos vigilantes, ou nem ao menos nos dermos conta de que está havendo um conflito, então o Adversário tirará proveito dessa nossa ignorância e nos derrotará ainda no meio da batalha".6 C. S. Lewis não escreveu Cartas do Coisa-Ruim a fim de glorificar a Satanás ou aos demônios, como aquele de nome Absinto, mas antes, para fornecer-nos instrumentos que nos capacitem a combater melhor os demônios, em nome de Jesus. Livros como este, que versa sobre o mapeamento espiritual, têm por desígnio o mesmo propósito.
  • 15. NEM TODOS SÃO CHAMADOS À LINHA DE FRENTE É apenas natural que alguém, ao ler um livro como este, venha a observar: "Quero ser como Haroldo Caballeros", ou então: "Quero ser como Bob Beckett". Nada há de errado em desejar fazer as coisas que esses crentes fazem, contanto que Deus nos chame para isso. A verdade, porém, é que Deus não chama todos os crentes para a linha de frente da guerra espiritual, tal como ele não chama todos os crentes para serem evangelistas públicos ou missionários transculturais. Para exemplificar, somente uma minúscula porcentagem daqueles que se alistam na Força Aérea realmente voam nos aviões de combate ou mesmo fazem parte de sua tripulação. Outro tanto aplica-se no caso da guerra espiritual. A Igreja inteira é um exército, e está em meio a uma guerra espiritual. Todos os crentes deveriam entoar o hino "Avante, Soldados Cristãos". Mas nem todos os que estão no exército são enviados à linha de combate. Aqueles que estão na linha de frente precisam daqueles que ficam na retaguarda, e aqueles que ficam na retaguarda precisam daqueles que avançam para a linha de frente. A LEI DA GUERRA Quando os filhos de Israel estavam se preparando para conquistar a Terra Prometia, Deus baixou a lei da guerra. Essa lei é muito importante para nós, hoje em dia, quando percebemos que Deus estava preparando os israelitas para a guerra espiritual, e não apenas para uma guerra convencional. Qual exército convencional já conseguiu conquistar e invadir uma cidade marchando ao redor dela por um determinado número de vezes e tocando trombetas feitas de chifres? Acredito que essas leis da guerra, registradas no capítulo vinte de Deuteronômio, são válidas para os nossos próprios dias. Várias categorias inteiras de homens adultos e vigorosos, que em tudo o mais poderiam ter sido considerados guerreiros do exército de Josué, foram excluídos da linha de frente. Aqueles que tivessem acabado de construir uma casa podiam voltar para casa. Aqueles que tivessem plantado uma nova vinha também deveriam
  • 16. retornar. E aqueles que tivessem ficado noivos, embora não se tivessem ainda casado, também estavam dispensados. Algum raciocínio acha-se por detrás de cada uma dessas exclusões, no texto sagrado. Mas também ficou escrito que estaria dispensado todo homem "medroso e de coração tímido" (Dt 20.8). É deveras significativo, em minha opinião, que não ficou registrada qualquer nota de repreensão ou de desapontamento quanto a esses homens. Ao que parece, o lugar que cabia a eles era em casa, e não nos campos de batalha. Essa mesma lei da guerra foi aplicada posteriormente no caso de Gideão. Gideão começou com trinta e dois mil guerreiros em potencial. Desses, vinte e dois mil mostraram ser medrosos, e foram encorajados a voltar para casa. Então, dentre dez mil que de outro modo teriam sido elegíveis, Deus escolheu trezentos. Esses trezentos não eram os maiores, os mais fortes, os mais jovens, os corredores mais velozes, os mais experientes, os melhores espadachins e, nem mesmo, os mais corajosos. A maneira toda sua, soberanamente, Deus chamou trezentos para que fossem, e chamou nove mil e setecentos para que não fossem. É dessa maneira que o Corpo de Cristo deve funcionar. Deus dá dons e chama somente a alguns para serem evangelistas públicos e para pregarem o evangelho às multidões, postados em plataformas. Deus chama somente alguns poucos para deixarem seus lares e famílias, para irem como missionários a algum país estrangeiro e para alguma cultura diferente. Mas esses precisam dos outros crentes que não sobem em plataformas e nem vão a outros países, para que lhes dêem apoio em todos os sentidos. E nós precisamos deles. O olho não pode dizer à mão: "Não tenho necessidade de ti" (1 Co 12.21). O coração de cada autor que contribuiu para este livro pulsa para que o mundo venha a crer; para que multidões de homens e de mulheres perdidos sejam libertados da negra opressão do inimigo e sejam atraídos pelo Espírito Santo para a gloriosa luz do evangelho de Cristo. Juntamo-nos a Jesus para orar para que o Corpo de Cristo seja um só no Espírito.
  • 17. ORANDO PELA UNIDADE ESPIRITUAL Estamos acostumados a ver a atuação dos evangelistas públicos e dos missionários transculturais. Mas também podemos aplicar os mesmos princípios e modos de proceder quando nos empenhamos na guerra espiritual? Deus chama alguns crentes para irem até à linha de frente, ao passo que outros crentes ficam fazendo outras coisas. Aqueles que vão não deveriam pensar que são mais espirituais ou mais favorecidos por Deus do que aqueles que não vão. Aqueles que permanecem em casa não devem criticar aqueles que Deus chama para irem à frente de guerra. Antes, deve haver afirmação mútua e apoio de todos os tipos. Disse o rei Davi: "Porque, qual é a parte dos que desceram à peleja, tal será a parte dos que ficaram com a bagagem; receberão partes iguais" (1 Sm 30.24). Quando a batalha é ganha, todos se beneficiam com a vitória — tanto os que foram até à linha de combate quanto aqueles que ficaram em casa, tomando conta das bases. Estou salientando esse particular porque penso que Satanás gostaria muitíssimo de usar este livro para produzir divisões no seio do Corpo de Jesus. Jesus orou ao Pai nestes termos: "...para que todos sejam um... para que o mundo creia que tu me enviaste" (Jo 17.21). O coração de cada autor que contribuiu para este livro pulsa para que o mundo venha a crer; para que multidões de homens e de mulheres perdidos sejam libertados da negra opressão do inimigo e sejam atraídos pelo Espírito Santo para a gloriosa luz do evangelho de Cristo. Para que possamos ver isso suceder, temos de aliar-nos a Jesus, orando para que o Corpo de Cristo seja um só no Espírito. MANTENDO O ENFOQUE Sei por experiência própria que o assunto do mapeamento espiritual pode ser tão fascinante que alguns podem cair no ardil de pensar que essa atividade é um fim em si mesmo. Ou então, pior ainda, alguns poderão pensar que não se pode mais evangelizar, prestar socorro e desenvolvimento, ou realizar
  • 18. qualquer outra forma de ministério, se não houver mapeamento espiritual prévio. O mapeamento espiritual não é uma finalidade em si mesmo e nem é um requisito indispensável para o ministério do evangelho. Mas deve ser visto apenas como outra ferramenta que nos ajuda em nossa tarefa da evangelização mundial. Exemplos de irrompimentos dramáticos abundam em lugares de trevas, como o Nepal, a Algéria ou a Mongólia, sem a ajuda do mapeamento espiritual. Entretanto, naquelas circunstâncias em que o mapeamento espiritual é possível, e quando ele é feito sob a unção do Espírito Santo, o potencial está presente para que haja avanços sem precedentes do Reino de Deus. Meu apelo é que quando você estiver lendo este livro, não desvie a atenção do enfoque central. O nosso propósito final é a glória de Deus por intermédio de Jesus Cristo, que é o Rei dos reis e o Senhor dos senhores. A nossa tarefa consiste em contribuir para que a glória do Senhor espalhe-se por toda nação, tribo, língua e povo na face da terra. Notas 1. OTIS, JR., George, em um documento descritivo que introduziu o artigo "Operation Second Chance", 1992, s. p. 2. Idem, ibidem. 3. KRAMER, Samuel Noah. From the Tablets of Sumer. Indian Hills, CO, The Falcon's Wing Press, 1956. p. 271. 4. Idem, ibidem, p. 272-3. 5. Idem, ibidem, p. 272. 6. KUMUYI, W. F. The Key to Revival and Church Growth. Laos, Nigéria, Zoe Publishing Company, 1988. p. 25. Parte I:
  • 19. OS PRINCÍPIOS 1. VISÃO PANORÂMICA DO MAPEAMENTO ESPIRITUAL Por George Otis, Jr. George Otis, Jr. é o fundador e presidente do Sentinel Group, que organiza colheitas de oração globais e mapeamentos espirituais de alto nível. Ex-missionário da JOCUM - Jovens com Uma Missão, ele também serviu por muitos anos como um dos associados da Lausanne Committee for World Evangelization. Atualmente, George atua como coordenador, juntamente com Peter Wagner, do A.D. 2000 Movement United Prayer Track, onde encabeça a divisão do Mapeamento Espiritual. Seu livro, The Last of the Giants (Chosen), tem sido largamente aclamado como um ousado esforço pioneiro no campo do mapeamento espiritual. Em dezembro de 1992, encontrei um marco pessoal significativo — o vigésimo aniversário de meu envolvimento com missões nas fronteiras. Tal como se dá com todos os eventos delineadores, a ocasião foi motivo de celebração e reflexão. Foi um tempo de regozijo devido à fidelidade de Deus, embora também um ensejo para contemplarmos o quão radicalmente o mundo e os campos missionários mudaram durante as duas últimas incríveis décadas. A Igreja está enfrentando, no momento, dois desafios externos substanciais, que tentam embargar a sua contínua expansão: "o entrincheiramento demoníaco" e "o adiantado da hora".
  • 20. O progresso do evangelismo, desde os começos da década de 1970 até hoje, tem sido simplesmente espantoso. Em adição aos grande movimentos de Deus na Argentina, na Rússia, na Indonésia, na Guatemala, no Brasil, na Nigéria, na Índia, na China, na Coréia do Sul e nas ilhas Filipinas, também têm ocorrido desenvolvimentos notáveis em lugares tão inesperados como o Afeganistão, o Nepal, o Irã, a Mongólia e a Arábia Saudita. A implantação bem-sucedida de igrejas nas ilhas do oceano Pacífico, na África e na América Latina tem reduzido o território-alvo do esforço evangelístico mais concentrado a uma tira de território que vai dos 10 aos 40 graus de latitude norte, e que percorre o Norte da África e a Ásia, conhecido como "a Janela 10/40". UMA VIAGEM POR CEM NAÇÕES Nestes últimos vinte anos, tive o privilégio de contemplar grande parte desse processo evangelístico sobre uma base pessoal e in loco. Papéis de liderança em várias missões e movimentos têmme proporcionado a oportunidade de viajar e ministrar em quase cem nações do mundo — uma jornada que me tem levado a centros de detenção da KGB russa, às inseguras e sangrentas ruas de Beirute e aos mosteiros infestados de demônios do Himalaia. Essa íntima e tão ampla jornada também me tem levado a concluir que o progresso da evangelização, nas últimas décadas, dificilmente prosseguirá em ritmo igual nas próximas décadas a menos que os crentes familiarizem-se melhor com os princípios da guerra espiritual. Pois se a tarefa restante de evangelização mundial haverá de diminuir quanto à área (pelo menos no que tange a territórios e estatísticas sobre grupos étnicos), também tornar-se-á um desafio cada vez mais intenso. Nos últimos poucos anos, os intercessores e os evangelistas que procuram trabalhar dentro da janela da região de 10/40 graus de latitude norte têm-se encontrado face a face com algumas das mais formidáveis fortalezas espirituais da terra. A Igreja está enfrentando, no momento, dois desafios externos substanciais, que tentam embargar a sua contínua expansão: "o entrincheiramento demoníaco" e "o adiantado da hora".
  • 21. Embora dificilmente seja sem igual o entrincheiramento dos demônios — pois os hebreus encontraram o fenômeno tanto no Egito quanto na Babilônia, ao passo que o apóstolo Paulo encontrou-o em Éfeso — precisamos considerar que agora estamos vários séculos mais avançados na história do que eles. Em alguns lugares do mundo atual, notavelmente na Ásia, os pactos demoníacos têm sido servidos continuamente desde os dias pósdiluvianos, e a luz espiritual é ali quase imperceptível em nossa própria época. Em adição a isso, também devemos considerar a hora em que estamos vivendo. No livro de Apocalipse, Deus advertiu como segue os habitantes da terra e do mar: "Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o Diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo" (Ap 12.12). Relatos reiterados e crescentes de incursões do evangelho em suas fortalezas, erodidas pela oração, têm feito o inimigo perceber que a hora que ele vinha temendo há muito está chegando sobre ele. Evidências a esse respeito são providas na crescente incidência de sinais e prodígios demoníacos, além de contra-ataques cada vez mais constantes contra aqueles que estão tentando sondar ou escapar de seu covil. Em suma, os guerreiros evangélicos, no fim do século XX, podem esperar enfrentar desafios, no campo de batalha espiritual, que não têm igual quanto ao tipo e à magnitude. Os métodos comuns de discernimento e de resposta a esses desafios não conseguirão mais resolver o problema. Conforme escrevi no meu livro recente, The Last of the Giants (Chosen Books), se tivermos de vencer com sucesso as obras do inimigo, "Temos de aprender a ver o mundo conforme ele realmente é, e não como parece ser". DEFINIÇÕES E PRESSUPOSTOS Em 1990, cunhei uma nova expressão para essa nova maneira de ver as coisas — "mapeamento espiritual" — que agora é o tema central deste volume. Conforme sugeri, isso envolve "superpor a nossa compreensão acerca das forças e eventos, no domínio espiritual, sobre lugares e circunstâncias deste mundo material".1
  • 22. O pressuposto-chave quanto a isso é que aqueles que põem em prática o mapeamento espiritual já possuem uma fina compreensão sobre o domínio espiritual. Dada a quantidade de tempo que muitos crentes passam falando, cantando e lendo sobre essa dimensão sobre a qual a realidade estaria arraigada, parece que esse deveria ser um pressuposto razoável. Infelizmente, não é isso que acontece. E isso constitui para nós uma profunda surpresa. Poder-se-ia pensar que os caminhos da dimensão espiritual são tão familiares para o crente médio como o mar é familiar para os marinheiros; que a maioria dos crentes deveria conhecer, na teoria e na prática, aquilo de que Paulo estava falando no sexto capítulo da epístola aos Efésios, quando ele escreveu sobre uma batalha que está sendo desfechada contra as hostes espirituais da iniqüidade, nos lugares celestiais. O problema parece ser que muitos crentes — sobretudo em nosso atarefado hemisfério Ocidental — não têm dedicado o tempo necessário para aprenderem a linguagem, os princípios e os protocolos da dimensão espiritual. Alguns crentes preferem ignorar tudo, exceto as suas características macrocósmicas (o céu, o inferno, Deus e o diabo), ao passo que outros tendem por projetar características extraídas de sua própria imaginação. Ambas essas tendências constituem erros sérios. Enquanto que a primeira delas ignora o que está ali, a segunda fica ofuscada por aquilo que não está ali. Em ambos os casos, as obras do diabo permanecem disfarçadas, e o reino das trevas vai florescendo. O mapeamento espiritual é um meio através do qual podemos ver o que está abaixo da superfície do mundo material; mas não é um meio mágico. Trata-se de um meio subjetivo, porquanto é uma habilidade nascida de uma correta relação com Deus e do amor ao mundo que ele criou. E trata-se também de um meio objetivo, pois pode ser confirmado (ou desacreditado) por meio da história, da observação sociológica e da Palavra de Deus. Por igual modo, o mapeamento espiritual não se confina exclusivamente às obras das trevas. Alguns crentes que praticam a guerra espiritual têm dado a essa disciplina uma definição mais estrita — que a limita ao descobrimento das fortalezas demoníacas — embora isso envolva algum perigo. Mais especificamente, ela pode encorajar uma preocupação com a
  • 23. localização e as atividades do inimigo, ao mesmo tempo que se ignora que Deus também opera na dimensão espiritual. Quando superpomos a nossa compreensão acerca das forças e eventos que ocorrem no domínio espiritual, para lugares e circunstâncias deste mundo material, devemos lembrar que essas forças e esses eventos não são todos negros. O mapeamento espiritual simplesmente situa as obras do inimigo dentro do contexto maior da dimensão espiritual. O CAMPO DE BATALHA ESPIRITUAL DE HOJE A Igreja de Jesus Cristo não deve retroceder diante da necessidade de dar uma longa e atenta olhada para os obstáculos espirituais que estão entre ela mesma e o cumprimento da Grande Comissão. O campo de batalha espiritual da década de 1990 estáse tornando cada vez mais um lugar sobrenatural. Existem crentes cuja teologia pessoal mostra-se resistente a essa noção, mas esses crentes, com freqüência, são teóricos ocidentais que não são pessoas viajadas, que ainda precisam submeter os seus pressupostos ao teste da realidade. Em contraste com isso, a vasta maioria dos pastores, missionários, evangelistas e intercessores internacionais de hoje não têm qualquer necessidade de serem convencidos de que existe algo em algum lugar, e que esse "algo" se está manifestando em nosso mundo material. Mas o que, exatamente, essas pessoas estão podendo observar? Com base nas respostas obtidas de volta, da parte de crentes interessados ao redor do mundo, eis três observações primárias: 1. As trevas espirituais estão aumentando e tornando-se mais sofisticadas. 2. Há certo padrão geográfico do mal e da opressão espiritual. 3. Os crentes não entendem a dimensão espiritual tão bem quanto imaginavam. As igrejas locais estão descobrindo que a demografia do crescimento eclesiástico não nos diz tudo sobre as nossas
  • 24. comunidades. As agências missionárias estão percebendo que uma bem informada familiaridade com costumes transculturais não consegue efetuar irrompimentos evangelísticos. E as instituições de oração intercessória estão reconhecendo a necessidade de buscarmos coordenadas mais precisas para os nossos alvos. Em suma, as pessoas querem respostas para o dilema do mundo invisível, a fim de que possam ministrar o evangelho de maneira mais eficiente. FORTALEZAS TERRITORIAIS Aninhado perto do âmago da filosofia do mapeamento espiritual está o conceito das fortalezas territoriais. Não se trata de alguma idéia nova; muitos escritores já tinham explorado esse tema. A novidade está na crescente porcentagem do Corpo místico de Cristo que reconhece a necessidade de atacar essas fortalezas. O problema é que a expressão "fortalezas territoriais" tem sido explorada ultimamente de maneira tão frouxa que precisamos defini-la. Seu uso tem-se tornado tão elástico que aqueles que se estão aproximando do assunto dificilmente podem decidir no que devem crer. Em meio à confusão, alguns autores evangélicos têm sugerido que qualquer noção de guerra espiritual que envolva a idéia de territorialidade espiritual é extrabíblica. Outros têm lançado um véu de dúvidas sobre a validade da própria guerra espiritual. Embora essas vozes estejam claramente na minoria, é evidente que precisamos definir esses conceitos com maior exatidão. Aqueles que não estão aceitando a idéia de territorialidade espiritual através do argumento que se trata de uma noção extrabíblica deveriam lembrar que há um oceano de diferença entre aquilo que é "extrabíblico" e aquilo que é "antibíblico". Extrabíblico é uma luz amarelada que encoraja a passagem de um veículo com uma certa cautela; antibíblico é uma luz vermelha que requer que o motorista faça alto, em nome da lei e do bom senso. Até o momento, não ouvi ainda alguém afirmar que a territorialidade espiritual é antibíblica. E a simples razão para isso é que isso não é verdade.
  • 25. Peter Wagner e outros têm salientado, em escritos anteriores, que a Bíblia toca no assunto da territorialidade espiritual em ambos os Testamentos. 2 A instância mais constantemente citada é a do príncipe da Pérsia, no décimo capítulo do livro de Daniel. Temos ali um caso bem-definido de um ser espiritual maligno que governava uma área com fronteiras explicitamente determinadas. Até mesmo aqueles que não são eruditos devem considerar como significativo que essa criatura não foi referida como príncipe da China ou príncipe do Egito. Quando essa passagem é estudada conjuntamente com versículos como os de Ezequiel 28.12-19 e Deuteronômio 32.8 (na Septuaginta, "de acordo com o número dos anjos de Deus"); e Efésios 6.12 (por exemplo, kosmokrátoras, "governantes mundiais"), então o caso em favor da territorialidade espiritual torna-se ainda mais compelidor. Conforme atestam aqueles que fizeram uma visita mais do que casual a lugares como a Índia, as reservas dos ameríndios navajos, os Camarões, o Haiti, o Japão, o Marrocos, o Peru, o Nepal, a Nova Guiné e a China, são consideradas coisas corriqueiras as hierarquias elaboradas de divindades e espíritos. Esses seres incorpóreos são concebidos como espíritos que controlam lares, aldeias, cidades, vales, províncias e nações, exercendo um poder extraordinário sobre o comportamento das populações locais. O fato de que o próprio Deus reconheceu o poder vicário de divindades regionais manifestou-se em sua urgente chamada de Abraão, e, mais tarde, na chamada da nação hebréia, dentre os panteões animados dos babilônios e dos cananeus. POR QUE AS COISAS SÃO COMO SÃO? Quase todas as pessoas têm tido a experiência de entrar em alguma cidade, bairro ou país somente para sentir um desassossego intangível ou opressão descer sobre os seus espíritos. Em muitos desses casos, o que encontramos em tais circunstâncias é a atmosfera sufocante de outro reino espiritual. De maneira imperceptível para nós acabamos de cruzar uma fronteira espiritual, que faz parte do império de que falou o apóstolo Paulo no sexto capítulo de Efésios.
  • 26. Outras situações mostram-se ainda mais óbvias. Sem importar a teologia das pessoas, qualquer crente honesto e moderadamente viajado reconhecerá que existem certas áreas do mundo de hoje onde as trevas espirituais mostram-se mais pronunciadas. Sem importar se se trata de cidades coalhadas de índios, como Varanasi e Catmandu, ou a decadência ostentosa de Pataia ou Amsterdão, ou as regiões espiritualmente estéreis de Omã ou da parte ocidental do deserto do Saara, em tais lugares a realidade triunfa sobre a teoria a cada instante. A questão é: por quê? Por que existem algumas áreas espiritualmente mais opressivas, mais entregues à idolatria, mais espiritualmente estéreis do que outras? Por que as trevas parecem medrar onde elas realmente estão? Uma vez que alguém comece a formular essas questões fundamentais, é fácil vinculá-las a centenas ou mesmo milhares de situações específicas. Por que, por exemplo, a Mesopotâmia tolerou uma tão longa lista de governantes tirânicos? Por que a nação do Haiti é o exemplo mais deplorável de desastre social e econômico do hemisfério ocidental? Por que as nações andinas da América do Sul sempre parecem encabeçar as estatísticas da taxa de homicídios anuais per capita? Por que há tanta atividade claramente demoníaca nas montanhas do Himalaia e em redor delas? Por que o Japão sempre se mostrou uma noz difícil de quebrar por meio do evangelho? Por que o continente da Ásia domina de tal maneira a Janela 10/40? Todas as igrejas locais podem apresentar dúzias de outras perguntas, acerca de suas próprias comunidades. Não será difícil formulá-las, uma vez que consideremos que pode ser relevante fazer tais perguntas. No decorrer dos poucos anos passados, minhas pesquisas em busca por respostas a essas perguntas têm-me levado literalmente ao redor do mundo. Isso me tem levado a uma fascinante e instrutiva jornada, serpeando por quase cinqüenta países e produzindo mais de trinta e cinco mil páginas de material documentado — incluindo fotografias, livros, mapas, entrevistas e estudos de casos. Ao longo do caminho, tenho visitado santuários, templos, mosteiros, bibliotecas e universidades. Tenho subido por montes sagrados, examinado cemitérios de ancestrais e tenho remado pelo
  • 27. sagrado rio Ganges, correnteza abaixo. Tenho ouvido as narrativas de lamas tibetanos budistas, médicos-feiticeiros dos ameríndios, bem como os principais teóricos do movimento da Nova Era. Tenho comparado notas com missionários e pastores nacionais de proa; entrevistado antropólogos e estudiosos da pré-história. E tenho sondado as mentes de muitos especialistas que têm profundos conhecimentos desde o xamanismo até à adoração dos antepassados japoneses, passando pelo folclore do islamismo, a geomancia e as peregrinações religiosas. A súmula desse processo, um livro e uma série de fitas gravadas, intitulados The Twilight Labyrinth, 3 é a seqüência natural do livro The Last of the Giants, bem como do livro que você está manuseando agora. Quanto àqueles que são sérios quanto à identificação e o desgaste do poder das fortalezas territoriais, este volume oferece o mais abrangente discernimento que se tem publicado até esta data. O DESAFIO DAS PESQUISAS Aqueles que têm lido os nossos livros sabem que Peter Wagner e eu concordamos inteiramente que a territorialidade espiritual tem muito a ver com as coisas como elas são, em certas cidades, nações e regiões do mundo atual. E muitos outros — incluindo pastores, missionários praticantes e professores de teologia — têm chegado a uma conclusão similar. Porém, ainda que esse crescente consenso seja encorajador, muitas outras questões e tarefas ainda precisam ser examinadas. É útil pensar nesse processo em termos das pesquisas médicas que têm acabado de identificar certo vírus como o agente causador por detrás de alguma enfermidade particular. Esta ou aquela pessoa se tem recuperado de forma extraordinária, mas muito trabalho árduo ainda jaz à frente, se esse conhecimento tiver de ser traduzido sob a forma de ajuda prática em favor daqueles que estão sofrendo, ou que estão procurando tratar a enfermidade em foco. O primeiro passo usualmente consiste em tentar e em conceber algum tipo de instrumento diagnosticador que possa ajudar médicos e pacientes a saberem que estão combatendo uma
  • 28. enfermidade no seu estágio mais primário possível. Isso ajuda a evitar caças ao acaso, em busca de algum tratamento eficaz. Os diagnósticos errados e as mazelas fantasmas são, ao mesmo tempo, muito caros e perigosos. O passo seguinte, para os pesquisadores, consiste em dirigir o conhecimento deles para as operações internas de uma enfermidade qualquer, com vistas à sua cura eventual. Conhecer quais as causas de algum problema, e como detectá-lo pode, em última análise, tornar-se uma carga pesada, se esse conhecimento não for o precursor da solução. Reconhecer o papel da territorialidade espiritual, pois, serve somente de ponto de partida quanto a qualquer pesquisa que se proponha a compreender as razões e as conseqüências dos modernos campos de batalha espirituais. Mas restam ainda certas perguntas perscrutadoras. Como, por exemplo, são estabelecidas as fortalezas espirituais? Como elas se mantêm diante da passagem do tempo? E como são reproduzidas essas fortalezas em outras áreas? Embora não seja possível, neste breve capítulo, responder com detalhes a cada uma dessas perguntas, pelo menos podemos cobrir os pontos básicos. Ao assim fazermos, nosso ponto de partida será uma simples mas crucial definição. Em que consiste, exatamente, uma fortaleza espiritual? Sem mergulharmos na aplicação do termo à mente e à imaginação, uma observação atenta à variedade de fortalezas territoriais revela duas características universais: elas "repelem a luz" e "exportam as trevas". (Cindy Jacobs descreveu vários tipos de fortaleza, no terceiro capítulo, mas aqui estou tratando acerca do tipo de fortalezas territoriais.) As fortalezas territoriais são de natureza inerentemente defensiva e ofensiva. Seus terraplenos escusos desviam os dardos divinos da verdade, pois os arqueiros demoníacos mostram-se sempre muito ocupados a lançar dardos inflamados na direção de alvos desprotegidos, lá fora. Se seus acampamentos de prisioneiros retêm milhares de cativos encantados, os comandos do mal e os centros de controle vivem liberando múltiplas formas de ludibrio, através das hostes espirituais da maldade que eles empregam.
  • 29. ESTABELECENDO FORTALEZAS TERRITORIAIS Se tivermos de entender por que as coisas são da maneira como são hoje em dia, teremos primeiramente de examinar o que aconteceu ontem, e também teremos de resolver o dilema da origem delas. De onde elas vieram? Como essas coisas foram estabelecidas? O ponto de partida óbvio desse tipo de estudo é a torre de Babel. Pois, conforme somos informados no capítulo onze do livro de Gênesis, foi da planície de Sinear, na antiga Mesopotâmia, que um povo geograficamente coerente foi disperso por Deus para os quatro cantos da terra. Mas o que aconteceu àquelas populações antigas, ao migrarem de Babel? Artefatos antigos e tradições orais podem oferecer-nos qualquer indício? E, nesse caso, esses indícios têm alguma relevância para a nossa inquirição quanto a entendermos as origens das fortalezas territoriais? Antes de passarmos adiante, sinto que devo frisar um fato adicional, que pesa sobre a nossa discussão. Colocando a questão nos termos mais simples, os demônios podem ser achados onde quer que estejam as pessoas. Não há motivo algum para eles estarem em outro lugar qualquer. Não encontramos provas, nem nas Escrituras nem na história, que os demônios estejam interessados na criação inanimada ou amoral, como os montes, os rios, as árvores, as cavernas, as estrelas e os animais, a menos que e enquanto as pessoas não se fizerem presentes. A amarga ordem que receberam foi roubar, matar e destruir aquilo que é precioso para Deus; e, como é claro, os seres humanos, criados segundo a imagem de Deus, estão no alto da lista de seres valiosos para Deus. Essa seria a explicação subjacente das trevas que parecem engolfar tantas cidades do mundo. Sempre e onde quer que as pessoas se concentrem, para ali os demônios serão atraídos pelo odor delas. Não teria sido por esse motivo que a torre de Babel atraiu tão imediata intervenção divina? É difícil imaginar que aquela ímpar concentração de seres humanos, na planície de Sinear, não tenha precipitado um dos mais profundos ajuntamentos de poderes demoníacos da história? Embora pouco se conheça sobre os movimentos originais dos primeiros grupos de pessoas que saíram da Mesopotâmia, aquilo que sabemos sugere, pelo menos, um denominador comum da
  • 30. experiência humana — os traumas. Para alguns, era a incapacidade de transpor barragens montanhosas intransponíveis, que bloqueavam o caminho deles. Para outros, teria havido uma súbita falta de alimentos, produzida por severas condições climáticas. Ainda outros acharam-se envolvidos em algum combate mortal. Quaisquer que tenham sido esses antigos traumas, eles sempre tiveram por efeito fazer as pessoas se verem face a face com os seus desesperos. Como é que eles resolveriam tal desafio? Cada caso estava carregado de implicações morais. Cada circunstância serviu de oportunidade para um povo específico, em um lugar específico, para voltar-se para Deus com arrependimento, declarando-o, assim, como seu legítimo governante e único libertador. Infelizmente, o arrependimento em cilício, que houve em Nínive, tem mostrado ser uma daquelas raras exceções à regra. A esmagadora maioria dos povos, através da história, tem preferido trocar as revelações divinas pela mentira. Dando ouvidos aos apelos dos demônios, em seu desespero, têm preferido entrar em pactos quid pro quo com o mundo dos espíritos. E como compensação pelo consentimento particular de alguma divindade resolver seus traumas imediatos, os homens têm oferecido a sua lealdade singular e contínua. E assim têm vendido, coletivamente, suas almas proverbiais. É mediante a colocação desses antigos colchões receptivos, pois, que são estabelecidas as fortalezas territoriais. A base da transação é inteiramente moral. As pessoas fazem uma escolha consciente de suprimir a verdade e de acreditar na falsidade. No fim, os homens são enganados por terem preferido ser enganados. Peter Wagner elaborou com eloqüência esse aspecto da questão, no próximo capítulo, ao fazer a exegese de Romanos 1.18-25. Visto que muitos dos mais antigos pactos entre os povos e os poderes demoníacos foram transacionados na Ásia, e a Ásia agora abriga os maiores centros populacionais do mundo, não nos deveria surpreender que esse continente atualmente domine as grandes fronteiras de povos não alcançados pelo evangelho, dentro da conhecida Janela 10/40. População densa e longevidade têm, ambas as coisas, muito a ver com o entrincheiramento das trevas espirituais.
  • 31. CONSERVANDO AS FORTALEZAS TERRITORIAIS Que existem dinastias das trevas é um triste fato da história. A indagação que persegue muita gente é o que sustenta essas dinastias. Se as escolhas mal feitas de gerações anteriores permitiram que as forças demoníacas penetrassem em certas regiões, como é que esses poderes malignos conservam os seus direitos de explorar os territórios durante séculos ou mesmo milênios? Exprimindo a mesma coisa de outra maneira, como é que esses poderes conseguem extensões de arrendamento, depois de terem morrido aqueles que assinaram o contrato original de arrendamento? Uma das principais respostas a essa pergunta acha-se na questão da transferência de autoridade que ocorre durante festividades religiosas, cerimônias e peregrinações. Escrevi extensamente sobre esse assunto no livro The Twilight Labyrinth, e um guia cronológico desses acontecimentos, publicado por nosso ministério, The Sentinel Group, serve como manual de contraofensiva para intercessores. Que o poder espiritual realmente é liberado durante essas atividades tem sido confirmado por inúmeros crentes nacionais e por missionários que eles têm entrevistado. 4 Quase todos eles referemse a um exaltado senso de opressão de crescentes incidentes de perseguição, e, ocasionalmente, de manifestações em larga escala de sinais e maravilhas demoníacos. Estamos vivendo em tempos difíceis, e os crentes com os quais tenho conversado sempre alegram-se quando esses incidentes terminam. Somente a oração e o louvor parecem ajudar, e, mesmo assim, algumas vezes eles indagam se as suas orações não são interrompidas pelo mesmo tipo de valente espiritual que adiou a resposta divina a Daniel (ver Dn 10.12, 13). Deveríamos notar que as festividades, as cerimônias e as peregrinações religiosas estão sempre ocorrendo em algum lugar do mundo, a cada semana do ano. Literalmente, milhares desses eventos têm lugar, desde celebrações localizadas até grandes eventos regionais e internacionais. O dia das bruxas e o hajj dos islamitas são bem conhecidos exemplos internacionais;
  • 32. festividades regionais menos conhecidas são a Kumbha Mela, na Índia, o Inti Raymi, no Peru, e as celebrações Bon, de verão, no Japão, que também atraem imensas multidões de participantes. Tirando a Poeira de Antigos Colchões de Boas-Vindas Essas celebrações decisivamente não são os espetáculos culturais benignos, esquisitos e coloridos que as pessoas dizem com freqüência que elas são. Antes, são transações conscientes com o mundo dos espíritos. São oportunidades de as gerações contemporâneas reafirmarem as escolhas e os pactos firmados pelos seus antepassados e por seus pais. São ocasiões em que se tira a poeira de antigos colchões de boas-vindas, ampliando o direito do diabo de governar sobre povos e lugares específicos nos dias de hoje. A significação desses acontecimentos não deveria ser subestimada. Uma vez que uma população entregue-se a vãs imaginações, os poderes demoníacos logo tiram proveito para animar as mitologias daí resultantes. De uma maneira que nos faz lembrar o Mágico de Oz, agentes espirituais manipuladores põem em prática a arte de governar por detrás dos bastidores, mediante sombrinhas. A autoridade e a lealdade prestadas a chamadas divindades protetoras são rapidamente absorvidas — e, daquele instante em diante, a mentira vê-se entrincheirada. Desafortunadamente, centenas de milhares de crianças por dia nascem nesses sistemas de feitiço ao redor do mundo. Quase todas elas crescem ouvindo falar na mentira; mas é durante o curso dos ritos de puberdade e das iniciações que muitos deles sentem a sua intensa sucção gravitacional pela primeira vez. O poder da mentira, atiçada pela mágica demoníaca, é chamado de tradição; e são as tradições, por sua vez, que sustentam as dinastias territoriais.
  • 33. Ludíbrios Adaptados Por mais importantes que sejam as tradições na manutenção das dinastias territoriais, entretanto, esse não é o único meio usado pelo inimigo para chegar a essa finalidade. Outra estratégia igualmente importante é aquilo que chamo de "ludíbrios adaptados". Essa estratégia é empregada quando as tradições, por qualquer razão, começam a perder o seu domínio sobre uma dada sociedade. Os ludíbrios adaptados, dependendo de como o indivíduo preferir encará-los, ou são correções de curso que se fazem necessários, ou são aprimoramentos da "linha de produção" do diabo. Esses ludíbrios funcionam por causa da propensão da humanidade para experimentar coisas novas. Dizendo a mesma coisa de forma mais crua, e com pedidos de desculpas aos aficionados felinos, o diabo tem aprendido que há mais de uma maneira para esfolar um gato. Dois exemplos de ludíbrios adaptados dos dias modernos encontram-se nas novas religiões folclóricas dos japoneses e dos povos islâmicos. O islamismo folclórico é uma combinação de crenças islâmicas e animistas, e muitas das novas religiões dos japoneses apresentam uma curiosa mescla de conceitos budistas e materialistas. Em termos de números de aderentes ou praticantes, ambos os movimentos são bem-sucedidos de uma maneira colossal. Os ludíbrios adaptados não substituem as escravidões ideológicas pré-existentes, mas antes intensificam-nas. Nesse sentido, são análogos a um nível coletivo da narrativa bíblica do demônio que volta ao vaso humano desocupado, trazendo agora consigo sete outros espíritos, piores do que ele mesmo (ver Mt 12.43-45; Lc 11.24-26). SERVIDÕES PREVALENTES E SERVIDÕES ARRAIGADAS Agora que já estamos armados com a compreensão sobre os papéis desempenhados pelo ludibrio adaptado, pelas tradições e pelas festividades religiosas, na manutenção das dinastias territoriais, precisamos ainda aprender uma lição final. Essa lição
  • 34. tem a ver com o discernimento da diferença entre as "servidões prevalentes" e as "servidões arraigadas". Devido à ausência de ensino sobre o assunto, os guerreiros evangélicos com freqüência deixam-se enganar pelas aparências superficiais, quando se esforçam por identificar as fortalezas territoriais. Um bom exemplo desse fato foi levantado pelo grande número de pessoas que, poucos anos atrás, insistiam que a fortaleza espiritual sobre a Albânia era o comunismo do tipo stalinista. Mas, embora não haja como duvidar que esse tipo de comunismo fosse a servidão prevalente na ocasião, também muitos aceitavam que essa também era a fortaleza arraigada. A falha nesse raciocínio torna-se óbvia quando consideramos que o comunismo só veio a tornar-se a ideologia predominante no país em 1944. A significação desse fato é que, por mais vil e destruidor que tenha sido esse sistema de ateísmo, só está instalado ali faz cerca de cinqüenta anos. A história da Albânia, antes disso, retrocede até à região bíblica do Ilírico, e remonta a muitos milhares de anos. Sistemas similares de última hora também podem ser encontrados na Mesopotâmia, no Japão e em outras áreas do mundo. Esses sistemas representam ideologias superficiais que chegam e se vão juntamente com o vento. Embora não possam ser ignorados, por outra parte não devem ser confundidos com o subsolo espiritual que precisa ser quebrado se tivermos de entreter esperanças legítimas de que veremos as fortalezas espirituais serem invadidas com sucesso por meio do evangelho. A EXPANSÃO DAS TREVAS Tendo examinado a pergunta de como as fortalezas espirituais são estabelecidas e mantidas, voltamo-nos agora para a questão da expansão territorial. Nesse ponto ficamos interessados em saber se o reino das trevas é geograficamente dinâmico; e, se realmente assim acontece, como tais fortalezas são reproduzidas em outras áreas. No meu livro, The Twilight Labyrinth, devotei um capítulo inteiro à dinâmica territorial, intitulado de "Caminho da figueirade-bengala". Conforme o próprio título sugere, baseei a ilustração sobre essa árvore tropical, com seus ramos que se estendem e com
  • 35. suas raízes aéreas descendentes, que servem de excelente analogia da maneira como se expande o império das trevas. Começando com um único tronco maciço, os ramos sinuosos da figueira-de-bengala estendem-se lateralmente em todas as direções. Dali, naquilo que sem dúvida é a característica mas notável dessa espécie vegetal, as raízes aéreas que descem até o chão vão formando novos troncos. Dessa forma, a figueira-debengala pode mover-se lateralmente por grandes distâncias — ao mesmo tempo em que vai criando uma moita trançada quase impenetrável, com seus muitos troncos e ramos parecidos com a da parreira. Esses ramos que se estendem e essas raízes descendentes representam as duas maneiras como a expansão territorial tem lugar: "exportação ideológica" e "fortalezas produzidas por traumas". A exportação teológica, que é uma extensão territorial das fortalezas territoriais, é efetuada mediante a propaganda de ideologias ou de influências espirituais, a partir dos locais de transmissão, ou centros de exportação, que existem em várias áreas do mundo. Exemplos de centros assim incluem o Cairo, Trípoli, Karbala, Qom e Meca, no mundo islâmico; Allahabade e Varanasi, no mundo do hinduísmo; Dharamsala e Tóquio, no mundo budista; e Amsterdão, Nova Iorque, Paris e Hollywood no mundo materialista. Se antes os escudos defletores dos valores judaico-cristãos impediam que esses venenos penetrassem profundamente demais na América do Norte, a erosão da lealdade cristã, em anos recentes, infelizmente tem chegado a significar que, em um número crescente de instâncias, agora o inimigo somos nós mesmos. Outra maneira pela qual o inimigo expande o seu reino no mundo é mediante a indução de novos traumas. Tendo aprendido, com base nas experiências passadas, o quão eficazmente as circunstâncias desesperadas podem atrair para a sua teia homens e mulheres, o inimigo por muitas vezes usa a ganância, a concupiscência e a desonestidade de indivíduos depravados a fim de deflagrar novas crises. Um exemplo gráfico de uma fortaleza induzida por um trauma, no mundo ocidental, é o Haiti. Tirando proveito da ganância dos africanos efiques e dos negociantes franceses de escravos, grandes números de africanos da África Ocidental foram trazidos para a área do Caribe e maltratados até ao ponto do
  • 36. desespero. Preferindo resolver os seus conflitos entrando em novos pactos com o mundo dos espíritos, aqueles escravos estabeleceram um sistema de adoração e de governo secreto alicerçado sobre o animismo, conhecido como vodu. Atualmente, as negras recompensas desse sistema são largamente conhecidas, conforme Peter Wagner passará a demonstrar, no próximo capítulo. Será possível que o plano de Deus para a sua Igreja é completar a Grande Comissão no mesmíssimo solo onde o mandamento original foi entregue à primeira família da terra? A GERAÇÃO DO LIMIAR Conforme os exércitos do Senhor Jesus Cristo vão começando a completar a tarefa da evangelização do mundo, na chamada Janela 10/40, é curioso que o centro geográfico dessa região seja o local do antigo jardim do Éden, isto é na região do moderno Iraque (ver Gn 2.8-14). Será possível que o plano de Deus para a sua Igreja é completar a Grande Comissão no mesmíssimo solo onde o mandamento original foi entregue à primeira família da terra? (Ver Gn 1.27, 28.) Qualquer que seja a resposta a essa indagação, é claro que os guerreiros evangélicos, que ousarem marchar para essa linha final de combate, terão de enfrentar uma formidável oposição, da parte de um adversário implacável e invisível. Se a missão para liberar prisioneiros fascinados tiver de obter sucesso, será mister obter um acurado conhecimento a respeito das questões internas do inimigo e de seus centros de controle, bem como o equivalente espiritual dos óculos de visão noturna, usados pelas forças armadas. É impossível desdobrar três anos de dados colhidos e injetados em um mapeamento espiritual em um único capítulo. Não obstante, é minha esperança de que essa informação pelo menos deixará os leitores em estado de alerta, a saber, os leitores que estão contemplando iminentes missões de salvamento, alicerçados sobre o fato de que novos instrumentos se estão
  • 37. tornando disponíveis para guiá-los através do emaranhado e dos volteios desse labirinto das horas do crepúsculo. Perguntas para refletir 1. Discuta sobre o conceito da "territorialidade espiritual". Você concorda que os principados espirituais da maldade poderiam ser alocados por Satanás a certas regiões geográficas? 2. Este capítulo sugere que as festividades religiosas podem reforçar a autoridade dos poderes malignos sobre uma área. Nomeie e discuta tantas dessas festas quantas você puder lembrar. 3. Você já experimentou uma sensação quase física de trevas e de opressão, em certas áreas de sua cidade ou nação? Compartilhe de suas sensações com outros crentes. 4. As fortalezas demoníacas que dominam uma cidade ou uma nação podem ser induzidas por traumas. Pode você pensar em tais traumas dentro da história de sua cidade ou nação que poderiam ter produzido fortalezas espirituais da maldade? 5. Faça uma revisão da distinção feita por George Otis, Jr., entre os conceitos "extrabíblicos" e "antibíblicos". Você concorda com essa distinção? Notas 1. OTIS, JR., George. The Last of the Giants. Tarrytown, Nova Iorque, Chosen Books, 1991. p. 85. 2. Ver, por exemplo, o livro de C. Peter Wagner, Warfare Prayer. Ventura, CA, Regal Books, 1992. p. 87-103. 3. Informações adicionais a estas, e outros produtos intercessórios de apoio, podem ser adquiridos através do Sentinel Group, P O. Box 6334, Lynwood, WA 98036. 4. Testemunhos específicos têm sido recolhidos no Japão, em Marrocos, na Indonésia, no Haiti, na Índia, no Butão, no Egito, na
  • 38. Turquia, no Nepal, no Afeganistão, no Irã, nas ilhas Fiji, nas reservas dos índios norte-americanos e em outros lugares. 2. O VISÍVEL E O INVISÍVEL Por C. Peter Wagner Uma tentativa para ver o mundo à nossa volta como ele realmente é, e não como parece ser. Essa é a descrição clássica do mapeamento espiritual. Um importante pressuposto por detrás do mapeamento espiritual é que a realidade é mais do que nos parece à superfície. As coisas visíveis de nossa vida diária — árvores, pessoas, cidades, estrelas, governos, animais, profissões, artes, padrões de comportamento — são coisas comuns, e podemos aceitá-las como são. Entretanto, por detrás de muitos dos aspectos visíveis do mundo ao nosso redor pode haver forças espirituais, áreas invisíveis da realidade que podem ter maior significação final do que as realidades visíveis. O apóstolo Paulo deixou isso fortemente entendido quando escreveu: "...não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas" (2 Co 4.18). Paulo ensinou que, ao reconhecermos a diferença entre o que é visível e o que é invisível, somos resguardados e "não desfalecemos" (ver 2 Co 4.16). Mas desanimar quanto a quê? Ele mencionou novamente o desânimo — "não desfalecemos" — no primeiro versículo do quarto capítulo, para então lamentar-se de que os seus esforços evangelísticos não surtiam tanto efeito quanto ele desejava que surtissem. "Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto", escreveu ele. Por quê? Porque "o deus deste século" cegou as mentes dos incrédulos (ver 2 Co 4.3, 4). Entendo que a mensagem paulina significa que devemos reconhecer que a batalha essencial pela evangelização do mundo é uma batalha espiritual, e que as armas dessa guerra não são carnais, e, sim, espirituais. E também cumpre-nos reconhecer que Deus nos deu um mandato para podermos desfechar uma guerra
  • 39. espiritual que seja inteligente e agressiva. Se pudermos entender isso, o processo de evangelização do mundo será acelerado. Compreender as diferenças que há entre o visível e o invisível é um dos mais importantes componentes do plano geral de batalha, capaz de quebrar o domínio exercido pelo inimigo sobre as almas perdidas, que estão perecendo. INFLAMANDO A IRA DE DEUS A principal passagem bíblica que nos mostra a distinção entre o que é visível e o que é invisível, o primeiro capítulo da epístola aos Romanos, também é o grande trecho sobre a ira de Deus. É compreensível que a ira de Deus não seja um de nossos temas favoritos, pelo que não há muitos livros escritos sobre ela, e nem se ouve muitos sermões a esse respeito. Todavia, a ira é um atributo de Deus. Isso significa que não é apenas algum humor passageiro, que vem e que vai, e, sim, uma parte da própria natureza divina. Deus é Deus de ira. Ele também é Deus de justiça, Deus de amor, Deus de misericórdia e Deus de santidade. Essa lista poderia prosseguir, mas Romanos 1.18-31 é trecho que trata do Deus da ira. Escreveu Paulo: "Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça" (Rm 1.18). Essa enlouquecida injustiça tem tudo diretamente a ver com o visível e com o invisível. Permita-me o leitor que eu explique. Deus criou o mundo a fim de manifestar a sua glória. Todo ser humano foi criado para glória de Deus. Os seres humanos ocupam uma posição superior à de outros objetos da criação, porque somos os únicos que foram criados à imagem de Deus. Por que Deus criou o mundo? Ele criou o mundo a fim de manifestar a sua glória. Paulo esclareceu que, através das "coisas que estão criadas", ou seja, dos aspectos visíveis da criação, "as suas coisas invisíveis... se entendem, e claramente se vêem". Tudo quanto vemos na criação de Deus, sem qualquer exceção, foi
  • 40. originalmente criado para revelar "o seu eterno poder" e "a sua divindade" (ver Rm 1.19,20). Que significa isso para nós? Para começo de conversa, significa que todo ser humano foi criado para glorificar a Deus. Os seres humanos ocupam um nível superior ao de outros objetos da criação, porquanto somos os únicos seres que foram criados à imagem de Deus. Todo ser angelical também foi criado para que glorificasse a Deus. E outro tanto deve ser dito acerca de todo animal, planta, corpo celeste, montanha, iceberg, vulcão, urânio, para mencionarmos apenas algumas coisas. A cultura humana também faz parte da criação divina, tendo por desígnio glorificar a Deus. Abordarei a questão da cultura humana, com algum detalhe, conforme for avançando neste capítulo. CORROMPENDO A CRIAÇÃO DE DEUS A verdade da questão é que no nosso mundo nem todos os aspectos da criação glorificam a Deus. Certos seres humanos têm tomado coisas criadas e as têm corrompido, de tal maneira que tais coisas não mais revelam a glória de Deus. Pois eles modificaram a glória de Deus, reduzindo-a à "semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis" (Rm 1.23). Deus fica literalmente furioso quando vê que aquilo que foi criado para redundar em sua glória foi transferido, especificamente, para seres humanos, aves, mamíferos e répteis. Quando esses objetos visíveis da criação são manipulados para representarem os poderes sobrenaturais, isso libera a ira de Deus. Se acompanharmos na Bíblia as referências à ira de Deus, fica claro que coisa alguma desperta tanto a ira de Deus como adorar e servir "mais à criatura do que ao Criador" (Rm 1.25). E Deus abomina tal coisa, sobretudo quando os seres humanos usam o que é visível para glorificar a Satanás e a outros seres demoníacos. A mera leitura dos capítulos primeiro a décimo nono do livro de Jeremias infunde temor no coração de qualquer um que ouse fazer tão horrenda coisa, conforme o povo de Judá inclinavase por fazer, a despeito das advertências de Jeremias. Eles estavam dizendo à mera madeira "Tu és meu pai"; e à pedra: "Tu me geraste" (Jr 2.27). Isso magoa tanto a Deus que ele considera
  • 41. tal atitude como se fosse adultério: "Ora, tu te maculaste com muitos amantes" (Jr 3.1). E disse também o Senhor: "(Israel) adulterou com a pedra e com o pau" (Jr 3.9). Não penso que a ordem de apresentação dos Dez Mandamentos tenha surgido por mero acaso. Deus abomina o homicídio, o furto, a imoralidade, a violação do descanso e a cobiça. Mas todos esses mandamentos aparecem depois do primeiro e do segundo mandamentos: "Não terás outros deuses diante de mim". E também: "Não farás para ti imagem de escultura..." (Êx 20.3 e 4). O primeiro mandamento tem a ver com o que é invisível; e o segundo, com o que é visível. Penso que é seguro afirmar que nenhum pecado é pior do que usar o visível para dar honra e glória aos principados demoníacos. Nenhuma outra coisa provoca tanto a Deus ao ciúme e à ira. O Japão e o Sol Nascente O Japão, que serve de exemplo, é conhecido como "país do sol nascente". O sol, naturalmente, é uma característica da criação de Deus, cujo propósito é glorificá-lo. A bandeira japonesa exibe somente o sol. Esse é o símbolo dessa nação. Mas o sol da bandeira japonesa glorifica a Deus? Não. O sol é ali usado com o propósito intencional de glorificar Amaterasu Omikami, a deusa-sol que é reconhecida em um santuário como o espírito territorial que governa o Japão. As pessoas deveriam olhar para a bandeira japonesa e, então, dizer: "Louvado seja Deus!" Em vez disso, porém, elas glorificam a criatura, em lugar do Criador. A Lava do Havaí Quando, recentemente, dirigi uma conferência sobre guerra espiritual, nas ilhas Havaí, descobri que muita gente só vivia pensando em rochas formadas pelo vulcão Kiluea. As pessoas deveriam contemplar essas belas rochas feitas de lava solidificada
  • 42. e então exclamar: "Glória a Deus! Nosso Deus é fogo consumidor". Ele é o Criador dessas rochas de lava. Mas não. Muitos habitantes do Havaí olham para essas rochas e dizem: "Glória à deusa Pele! Se não a honrarmos, ela nos consumirá a fogo". E qual será a atitude de Deus? De acordo com o primeiro capítulo de Romanos, isso somente o provoca à ira. O Grande Canhão A maioria dos crentes norte-americanos concorda que, no que tange a características naturais, o Grand Cânion * não tem rival como manifestação visível da majestade de Deus. Poucos cidadãos norte-americanos, sem embargo, reconhecem, conforme fizeram David e Jane Rumph, que há aqueles que têm corrompido sistematicamente esse fenômeno geográfico, tornando-o um monumento da idolatria geográfica. Em um artigo recente, eles disseram que uma "ira justa" borbotou de dentro deles, ao contemplarem as perversas forças invisíveis, agora glorificadas pelas características visíveis da natureza. É lamentável que a vasta maioria dos pontos marcantes do Grand Cânion foram chamados por nomes de principados e potestades das trevas. Alguns glorificam os espíritos egípcios: a torre de Rá (ou Ré), a pirâmide de Quéops, o templo de Osíris. Outros glorificam principados hindus: o ribeiro de Vishnu, o santuário de Rama, o santuário de Krishna. Ou então glorificam divindades gregas e romanas: o templo de Júpiter, o templo de Juno, o templo de Vênus, só para fazer uma seleção ao acaso. Adicionemos a isso o ribeiro do Panteão, o canhão Assombrado e o ribeiro do Dragão de Cristal, e você terá aí uma fórmula segura para provocar a ira de Deus. Gosto da reação do casal Rumph. Eles sugerem que deveríamos "arrepender-nos humildemente em favor de nosso povo, por causa de seu pecado coletivo, declarando que o lugar pertence, com todos os direitos, a Deus, intercedendo diante do Senhor para que o Senhor seja honrado ali, através de novos nomes".1 * Na tradução para o português foi nomeado como Grande Canhão.
  • 43. AFIRMANDO A CULTURA Estamos vivendo em uma época, ao redor do mundo, mas sobretudo nos Estados Unidos da América, quando se está desenvolvendo um novo respeito pela cultura. Está-se tornando moda reafirmar a cultura e advogar uma sociedade multicultural. Mas não devemos permitir que isso ponha uma venda nos crentes. Precisamos entender isso à luz do que é visível e do que é invisível. Por detrás de formas culturais, tal como por detrás das rochas de lava do Havaí, pode jazer tanto o poder invisível do Criador quanto o poder invisível dos demônios. Se ignorarmos isso, podemos tornar-nos desnecessariamente vulneráveis diante de ondas devastadoras de uma demonização em alto nível. A cultura humana, conforme tenho mencionado, faz parte da criação de Deus. Portanto, a cultura é boa em si mesma. Trata-se de um dos elementos visíveis designados a glorificar o Criador. Esse é um ponto tão crucial que quero reforçá-lo, fazendo referência à questão tanto no Antigo Testamento quanto no Novo Testamento. A Torre de Babel O livro de Gênesis revela-nos as origens culturais. De acordo com o capítulo onze do Gênesis, houve um tempo em que a raça humana tinha uma única cultura. Mas o propósito original de Deus era que a raça humana se espalhasse por toda a face do planeta, formando culturas diversas. Os homens, porém, seguindo a sua natureza decaída, pensaram que tinham um plano melhor que o de Deus, e assim resolveram reverter o processo de dispersão consolidando-se em torno de uma torre, a torre de Babel. E começaram a construir deliberadamente a torre: "...para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra" (Gn 11.4). A torre de Babel era uma estrutura visível. Qual seria o fator invisível? Os arqueólogos dizem-nos que a torre tinha a forma de um típico zigurate, uma bem conhecida estrutura antiga, que visava aos propósitos do ocultismo. Eles desejavam contar com uma torre "cujo cume toque nos céus", a fim de atrair o poder satânico que possibilitasse o seu movimento ecumênico. E, assim,
  • 44. estavam usando o visível para glorificar a criatura, em vez do Criador. A reação de Deus já era previsível. Deus ficou irado. Com um único golpe, o Senhor arruinou os planos deles, confundindo-lhes as línguas, e eles começaram a espalhar-se, conforme Deus tinha determinado que fosse feito. E assim a raça humana terminou "nas suas terras, cada qual segundo a sua língua, segundo as suas famílias, entre as suas nações" (Gn 10.5). Os eruditos da Bíblia estão divididos em suas opiniões se as culturas humanas hoje existentes são um castigo de Deus (plano B de Deus) ou são um propósito de Deus (plano A de Deus). Acredito que as culturas fazem parte do propósito criador de Deus, plano A. Por ocasião da torre de Babel, Deus não modificou os seus planos a longo prazo, mas tão-somente os acelerou. De acordo com o meu ponto-de-vista, o que poderia ter ocorrido através de séculos ou milênios, aconteceu em um único instante. Antes de tudo, é muito próprio de Deus produzir a diversidade. Consideremos as diferentes variedades de borboletas que Deus criou. Ou de peixes. Ou de flores. O mundo é muito melhor com a sua diversidade do que sem ela. Culturas diversas, pois, ajustam-se ao padrão divino seguido na criação. O Dom Remidor Cada cultura ou cada grupo étnico, ou mesmo cada nação, entra com a sua contribuição particular, como nenhum outro ajuntamento humano poderia fazer. Muitos, seguindo a obra pioneira de John Dawson, Reconquiste Sua Cidade Para Deus, referem-se a essa característica ímpar da cultura humana como um "dom remidor".2 Um dos aspectos cruciais do mapeamento espiritual consiste em identificar o dom remidor, ou então, conforme outros crentes dizem, o propósito redentor de uma cidade, ou nação ou qualquer outro formigueiro humano. De fato, essa é a sua parte mais crucial. Em última análise, nosso alvo não é desmascarar as fortalezas satânicas, nem expor o ludibrio do ocultismo, e nem continuar efetuando o mapeamento espiritual, e nem amarrando os principados e as potestades do diabo. Nosso alvo é restaurar a glória de Deus quanto a cada detalhe de sua
  • 45. criação. Conhecer o dom remidor de Deus que provê uma direção específica e positiva para as nossas orações e para outras atividades da guerra espiritual. Nosso alvo consiste em restaurar a glória de Deus em todos os detalhes de sua criação. Conhecer o dom remidor de Deus provê uma orientação específica e positiva para as nossas orações e para outras atividades da guerra espiritual. Se porventura restar qualquer dúvida se as culturas humanas fariam parte do propósito intencional de Deus, isso deve ser resolvido pela declaração do apóstolo Paulo, ao falar no Areópago de Atenas. Ali, asseverou ele: "...de um só fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados, e os limites da sua habitação" (At 17.26). E qual foi o propósito de Deus ao produzir tantos grupos étnicos ou culturas diferentes? "...para que buscassem ao Senhor..." (At 17.27). Isso exprime, com toda a clareza, um propósito remidor. As Más Novas: A Cultura Corrompeu-se As boas novas anunciam que as culturas humanas tinham por desígnio glorificar a Deus. E as más novas afirmam que, em sua maior parte, essas culturas não glorificam a Deus, pois Satanás conseguiu corrompê-las. O alvo primário de Satanás é impedir que Deus seja glorificado. Ele fez isso desde o princípio, ao provocar a queda de Adão e Eva, corrompendo assim a própria natureza humana, que fora criada segundo a imagem de Deus. E, então, usando multidões de seres humanos depravados, ele tem levado avante essa perversa atividade no nível da sociedade como um todo. Paulo acompanha esse tema em seu sermão no Areópago, uma mensagem inteira sobre o que é visível e o que é invisível. Ele pregou esse sermão porque "o seu espírito se comovia, em si mesmo, vendo a cidade tão entregue à idolatria" (At 17.16). Nesse
  • 46. sermão, Paulo salientou duas formas culturais comuns, com grande freqüência usadas para glorificar as forças demoníacas tenebrosas: os templos e a arte. Atenas estava cheia de templos e, no entanto, "O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens" (At 17.24). Atenas era famosa por suas obras de arte. Não obstante, "...não havemos de cuidar que a divindade seja semelhante ao ouro, ou à prata, ou à pedra, esculpida por artifício e imaginação dos homens" (At 17.29). Não há que duvidar que tanto a arquitetura quanto todas as demais artes podem glorificar a Deus; e, assim, realmente acontece em grande parte desses engenhos da inteligência humana. Mas também podem servir de instrumentos prediletos para glorificação da criatura, Satanás e suas cortes, e não do Criador. Os antropólogos costumam analisar coisas como a arquitetura e a arte, bem como o comportamento humano em várias culturas. Eles são capazes de distinguir, e com notável exatidão, as formas, as funções e os significados dos componentes culturais. Mas até mesmo os melhores cientistas sociais só podem examinar aquilo que é visível. Para que possam ir mais fundo do que isso já se tem de apelar para uma dimensão que é estranha para a antropologia cultural — o discernimento de espíritos. A antropologia vê a cultura como ela parece ser, ao passo que o mapeamento espiritual tenta enxergar a cultura como ela realmente é. Os primeiros missionários evangélicos, destreinados como eram na antropologia cultural, conforme o são os missionários contemporâneos, caíam em um equívoco crasso. Quando penetravam em outra cultura, sabiam que havia um inimigo qualquer, mas concluíam erroneamente que esse inimigo era a cultura diferente. Faziam o melhor que estava ao alcance deles, mas deixavam para trás muitas coisas de que agora nos lamentamos. Hoje compreendemos que nosso inimigo não é alguma cultura diferente da nossa, e, sim, Satanás. Nossa tarefa central é distinguir onde o invisível corrompeu o visível, e, então, cuidar do problema mediante um encontro de poder (2 Co 10.4, 5). Nosso alvo é bloquear a obra de Satanás e trazer à tona o dom remidor de Deus, e não destruir a cultura de algum povo ou nação.
  • 47. REAFIRMANDO AS CULTURAS NAS AMÉRICAS Não é mister algum extraordinário discernimento de espíritos para saber que uma das mais poderosas fortalezas do inimigo, na sociedade norte-americana, remonta à escravidão, e que, em nossos dias, manifesta-se de forma igualmente virulenta por meio do racismo. Temos procurado e continuaremos buscando meios e modos políticos para vencer essa corrupção da nossa sociedade, embora pareça que cada passo para a frente produz um idêntico passo para trás. A Proclamação da Emancipação, feita por Lincoln, que libertou os escravos norte-americanos, em 1863, foi um passo para a frente. Mas houve em seguida um passo claro para trás, devido à resultante supremacia branca, que desenvolveu padrões culturalmente perversos como a "assimilação" (isto é, os negros precisavam tornar-se como os brancos, a fim de serem aceitos), ou como o slogan enganador, como "a América é um cadinho que dissolve tudo" (isto é, todos os cidadãos americanos são iguais). Pois misturam uma coisa boa — "todos deveríamos ser cegos para a cor da pele" — com uma coisa ruim — "somos cegos para o nosso racismo". Foram necessários cem anos, até que o Movimento dos Direitos Civis da década de 1960 começou a propalar essas idéias. Foi então que começamos a descobrir que o negro é bonito, e que os negros podem continuar sendo negros e serem bons cidadãos norte-americanos. Começamos a valorizar a cultura afroamericana, bem como as culturas de nossas outras minorias norte-americanas. Esse foi o passo para a frente. Mas o passo para trás, que é tão novo que muitos nem ainda se deram conta do que está sucedendo, é uma abertura perigosa e um tanto ingênua para o paganismo. Aqui é onde ficam diretamente ligados o visível e o invisível.
  • 48. Exagerando a Tolerância A tolerância é o contrário da discriminação. No esforço por reafirmar o pluralismo cultural, a tolerância torna-se um conceito altamente valorizado. Grupos intolerantes, como a Ku Klux Klan, são considerados desvios sociais infelizes em nossos dias. Esse é um passo para a frente. Meu temor é que, quando a tolerância torna-se exagerada, pode haver dois passos para trás, e no fim tudo pode acabar pior do que no começo. Isso é assim porque, embora as formas visíveis da cultura possam ser neutras e mereçam ser toleradas, isso não ocorre no caso de todos os poderes espirituais que se postam por detrás de certas formas culturais. Salomão descobriu isso quando trouxe mulheres de diferentes culturas para o seu harém. As mulheres e as artes e artefatos que elas trouxeram de suas culturas pagãs eram uma coisa. Os principados e potestades demoníacos que vieram com aquelas mulheres eram algo bem diferente, o que acabou provocando a queda de Salomão (ver 1 Rs 11.4-10). O que era invisível veio na esteira do que era visível. Em nossos dias, dos bons cidadãos norte-americanos esperase que eles tolerem qualquer coisa, desde estilos de vida próprios do homossexualismo até às religiões orientais. Multiculturalismo é uma espécie de senha nas universidades. Jornalistas, artistas, mestres e juízes precisam ser "politicamente corretos". Mas notemos aonde isso nos conduz. Quando a tolerância torna-se suprema, a única coisa que não pode ser tolerada é a intolerância. O cristianismo, por sua própria natureza, é visto como uma religião intolerante, porque reivindica que Deus é absoluto, que a sua Palavra é a verdade, que a sua moralidade é normativa, e que somente por meio de Jesus Cristo os seres humanos perdidos podem recuperar o seu relacionamento pessoal com ele. O cristianismo bíblico, pois, está longe de ser considerado politicamente correto. Eis a razão pela qual não podemos orar ou ler nossas Bíblias ou apor os Dez Mandamentos nas paredes de nossas escolas públicas. Esse também é o motivo pelo qual a universidade de Washington está requerendo dos líderes da Campus Crusade que assinem formulários requerendo que abram seus postos de liderança a todos os estudantes, sem importar o credo religioso ou
  • 49. a orientação sexual destes últimos. Tim Stafford noticiou: "Em Stanford, as pessoas podem dizer praticamente qualquer coisa a respeito dos homens brancos ou dos fundamentalistas religiosos; mas ai daquele indivíduo que disser ou fizer qualquer coisa considerada ofensiva para os oprimidos: as mulheres, os homossexuais, os incapacitados ou as pessoas de cor".3 Isso já é ruim por si mesmo, mas o mais alarmante é que tais atitudes estão começando a penetrar na corrente principal do cristianismo bíblico. Pesquisas recentes, feitas por George Barna, têm revelado que somente 23% dos crentes evangélicos e regenerados acreditam que existe tal coisa como a verdade absoluta!4 Não admira que alguns deles estejam questionando a necessidade de um evangelismo agressivo. Para esses, talvez a fé em Jesus Cristo, como Salvador e Senhor, na verdade não seja assim tão crucial, afinal de contas! Quando contemplamos esse fenômeno à luz do que é visível e do que é invisível, não estamos jogando nenhum jogo cultural. Antes estamos convidando novamente o paganismo para a nossa sociedade, à guisa de tolerância. E isso fornece fortalezas para os espíritos territoriais invadirem e assumirem o controle da vida de nossa sociedade. Isso atrai a demonização da sociedade, bem como o desastre final para um grande número de pessoas. Que Fazem os Poderes das Trevas? Quão perigoso é esse desenvolvimento? Quando as forças demoníacas passam a controlar a sociedade, muitas coisas podem acontecer. Na América do Norte estamos vendo algumas delas começarem a acontecer diante de nossos olhos. Exemplificando: 1. Podem provocar o ressurgimento do racismo sob formas novas e mais violentas. Minorias podem voltar-se contra outras minorias, como os conflitos entre os afro-americanos e os coreoamericanos, ou entre os hispano-americanos e os afro-americanos. 2. Podem forçar os sistemas legislativo e judiciário para que legalizem supostos direitos de grupos que exercem pressão, sem importar quão danificadoras sejam essas causas para a sociedade como um todo, a longo prazo. Direitos exagerados dos animais,
  • 50. direitos dos homossexuais, questões ambientais triviais e aborto por conveniência são vistas como medidas politicamente corretas. 3. Podem abrir as portas para a decadência moral. Quando as pessoas adoram a criatura, e não o Criador, a moralidade naufraga, conforme o primeiro capítulo da epístola aos Romanos nos mostra em termos inequívocos. A sociedade pode tornar-se tão ruim que Deus entrega tal povo à vontade deles. Por três vezes, no primeiro capítulo de Romanos, Paulo repete: "Deus entregou". Mas entregou-os a quê? (1) Às "concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si" (1.24); (2) "varão com varão, cometendo torpeza" (1.27); (3) "a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convém" (1.28). E isso é seguido por uma das mais revoltantes listas de práticas pecaminosas que podem ser encontradas na Bíblia. Lamentavelmente, cada item que há nessa lista pode ser encontrado nas primeiras páginas dos jornais de nossas cidades americanas, em nossos dias. O DESAFIO DO DISCERNIMENTO ESPIRITUAL Em um meio ambiente nacional e internacional, onde as culturas estejam sendo afirmadas e onde a tolerância é esperada, onde deveríamos traçar a linha divisória? Por uma parte, queremos fazer valer a cultura. Afinal, Deus criou cada cultura e deu a ela um dom ou dons remidores, para a sua glória. Por outra parte, queremos desmascarar os ludíbrios satânicos que estão bloqueando a emergência da glória de Deus. Queremos também identificar as fortalezas espirituais, para então, seguindo os princípios bíblicos da guerra espiritual, derrubar aquelas fortalezas e apresentar avisos de expulsão às forças espirituais que estão por detrás dessas fortalezas (ver 2 Co 10.2-5 e Ef 6.12). Quanto mais habilidosos nos tornarmos no campo do mapeamento espiritual, mais eficazes nos mostraremos no enfrentamento desse desafio. Algumas vezes, saber onde traçar a linha é tarefa relativamente fácil. Pode ser feito com o bom senso espiritual. Em outras oportunidades, trata-se de uma situação delicada, que requer dons espirituais como a profecia e o discernimento de espíritos, além de considerável experiência prática, no campo.
  • 51. Permita-me o leitor dar um exemplo pessoal e um exemplo bíblico sobre como devemos traçar essas linhas divisórias. Limpando a Sala de Estar da Família Wagner Os leitores de outros livros desta série já tomaram conhecimento de que minha esposa, Dóris, e eu temos tido de enfrentar espíritos malignos em nosso lar em Altadena, estado da Califórnia. Em um dos livros desta série, intitulado Escudo de Oração (Editora Bompastor), detalhei a história de como caí de uma escada, em minha garagem, e de como creio que a intercessão de Cathy Schaller, naquela ocasião, salvou a minha vida. As evidências apontam na direção da obra direta de um espírito maligno. Em outro livro, Oração de Guerra (Editora Bompastor), contei como Dóris chegou a ver um espírito em nosso dormitório, e de como Cathy Schaller e George Eckart, algum tempo depois, vieram à nossa casa e exorcizaram os espíritos. Cathy e George encontraram mais espíritos em nossa sala de estar do que em qualquer outra dependência da casa. Ao partirem, eles sentiam que tinham expulsado a todos os espíritos, excetuando um, que eles discerniram estar vinculado a um puma de pedra da cultura dos índios quíchuas, que havíamos adquirido quando éramos missionários na Bolívia. O puma não era nenhuma antigüidade, mas apenas uma reprodução para turistas; mas, a despeito disso, o invisível se havia apegado àquele objeto visível. Além do puma, tínhamos como decoração das paredes duas máscaras pagãs, usadas pelos índios chiquitanos, além de duas lâmpadas entalhadas na madeira, representando a cultura dos índios aimaras. Quando Dóris e eu voltamos do trabalho para casa, naquele dia, tínhamos de tomar algumas decisões. Onde deveríamos traçar a linha divisória? Tínhamos três coleções diferentes de objetos de arte, de três das culturas indígenas da Bolívia. 1. O puma. Crendo que um espírito maligno se havia apegado ao puma, a decisão a respeito foi simples. O puma precisava desaparecer. Levamos o objeto para fora, quebramo-lo e jogamos os pedaços na lata de lixo.
  • 52. 2. As máscaras. Se o discernimento de Cathy e George estavam com a razão, então nenhum espírito se atrelara àquelas máscaras. No entanto, aquelas máscaras não eram meras reproduções para turistas. Elas haviam sido realmente usadas pelos índios chiquitanos em suas cerimônias animistas, com o propósito de glorificar a seus espíritos tribais. E, apesar do pouco que sabíamos naqueles dias, aquilo nos pareceu razão suficiente para nos livrarmos das máscaras, o que realmente fizemos. 3. As lâmpadas. As lâmpadas eram coisas bem diferentes. Eram belas espécimes de arte nativa. Eram reproduções esculpidas e envernizadas de Inti, o deus-sol, que era um dos espíritos territoriais que dominavam os índios aimaras, que viviam em terras altas. Essas lâmpadas eram os objetos mais dispendiosos que tínhamos trazido da Bolívia para a nossa terra. Ajustavam-se perfeitamente bem à nossa decoração. Não estavam carregadas de demônios, como se dava com o puma. Assim sendo, discutimos e resolvemos que as deveríamos considerar como objetos de arte nativa, e não como ídolos de objetos imundos. E ficamos com as lâmpadas. Ficamos com elas até à primeira vez em que Cindy Jacobs visitou a nossa residência. Cindy, autora do capítulo que se segue, que trata das fortalezas demoníacas, estava muito à frente de Dóris e de mim em seu discernimento de espíritos e em seu conhecimento do mapeamento espiritual. Quando ela entrou em nossa sala de estar então, com um olhar de choque em sua fisionomia, ela perguntou, apontando para as lâmpadas: "O que aquelas coisas estão fazendo aqui?" Explicamos que eram apenas lembranças inocentes, que nos faziam lembrar de nossos dias na Bolívia. Então Cindy disse gentilmente: "Bem, por que vocês não oram a respeito delas?", e o assunto não veio à baila novamente. Depois que Cindy foi embora, começamos a orar. Dessa vez, Deus orientou-nos para tomarmos uma abordagem diferente em nossa decisão. E finalmente percebemos que nunca tínhamos perguntado a nós mesmos a mais crucial de todas as perguntas: Aqueles objetos glorificavam a Deus? A luz daquilo que estávamos entendendo na época sobre a verdade bíblica do visível e do invisível, a resposta era um óbvio "não". As mãos que tinham feito aquelas lâmpadas, por habilidosas que elas possam ter sido, "mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível" (Rm 1.23). O resultado colimado
  • 53. era dar glória ao deus-sol, Inti, que seria uma mera criatura, e não ao Criador. E assim as lâmpadas também se foram! Mais tarde, lemos em Deuteronômio 7.25, 26, trecho que se refere às "imagens de escultura de seus deuses", exatamente aquilo que eram nossas lâmpadas Intis. No mesmo trecho bíblico lemos que um objeto desses é uma "abominação" ao nosso Deus, e logo em seguida: "Não meterás, pois, abominação em tua casa, para que não sejas anátema, assim como ela; de todo a detestarás, e de todo a abominarás, porque anátema é". E, assim, percebemos claramente o quão errados estávamos, ao considerarmos aquelas lâmpadas como inocentes peças de arte nativa. Nossa casa foi purificada. E foi apenas recentemente que nossa filha já adulta, Becky, disse-nos que, quando era criança, ao caminhar sozinha pela casa, nunca entrava na nossa sala de estar. Ela não foi capaz de verbalizar as suas impressões na oportunidade, mas ela sentia que a nossa sala de estar estava contaminada por poderes das trevas. Quão ignorantes mostramos ser, nós, os pais dela. Como Paulo Traçou a Linha Parece que os crentes de Corinto eram mais ou menos tão ignorantes acerca do visível e do invisível quanto o casal Wagner. No contexto daqueles crentes, o problema surgiu quando tiveram de enfrentar a questão das carnes que tinham sido oferecidas a ídolos. E Paulo ajudou-os onde deveriam traçar a linha, em 1 Coríntios 8-10. Devemos entender que os aspectos visíveis daquela questão, aquela que envolvia ídolos e carne, não constituíam o problema central. Paulo fez as seguintes perguntas retóricas: "Mas, que digo? Que o ídolo é alguma coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa?" (2 Co 10.19). A resposta óbvia a essas perguntas é "não". O problema real acha-se nos demônios invisíveis que se postam por detrás dessas coisas visíveis. Os crentes de Corinto ordinariamente podiam conseguir carne sacrificada a ídolos em três lugares: (1) No mercado público; (2) nas residências de amigos, em ocasiões de encontros sociais; e
  • 54. (3) nos próprios templos idólatras. Onde deveriam eles traçar a linha divisória? 1. O mercado público. Podem ir e comprar carne ali, sem fazer quaisquer indagações (ver 1 Co 10.25). 2. Jantar na casa de um amigo. Podem comer da carne, se ninguém levantar qualquer questão a respeito. Porém, se for anunciado que a carne fora oferecida a ídolos, não comam dela (ver 1 Co 10.7,28). 3. O templo idólatra. Não façam isso. Por quê? Porque, embora os espíritos invisíveis possam não estar presentes na própria carne, ou na sala de jantar do amigo, sem dúvida estão presentes nos templos idólatras. Disse Paulo: "Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus". E ele prosseguiu: "E não quero que sejais participantes com os demônios" (1 Co 10.20). Nem sempre é fácil saber onde devem ser traçadas as linhas divisórias. Mas sempre será sábio levantar três perguntas, sempre que restar alguma dúvida: • Isso poderia demoníaca direta? deixar-me sujeito a alguma influência • Isso dá qualquer aparência de mal? • Isso glorifica a Deus? Limites da Autoridade Traçar a linha divisória é uma coisa. Entrar em ação direta contra algum objeto ou comportamento é algo bem diferente. Pude destruir os artefatos que estavam em minha sala de estar porque eu era o proprietário legal deles, e, assim, estavam sob a minha autoridade. Nem Becky e nem Cindy poderiam ter tomado tal iniciativa, por mais que tivessem desejado fazê-lo. Em muitas situações da vida, a presença de objetos visíveis que glorificam à criatura, e não ao Criador, não depende de nós, e nada podemos fazer a respeito. Para exemplificar, o edifício onde Dóris e eu temos o nosso escritório da A.D. 2000 United Prayer Track exibe uma estátua
  • 55. grosseiramente imunda, logo em sua entrada. De fato, o dedo daquela figura indesejável aponta diretamente para a janela do meu escritório. Se eu tivesse autoridade para tanto, sem dúvida removeria a estátua e a destruiria, mas não posso fazê-lo. E, assim, visto que não posso tratar com o que é visível, tenho tratado com o que é invisível. Dóris e eu convidamos Cindy Jacobs para juntar-se em uma purificação de nosso escritório, assim que nos mudamos para lá. Ela quebrou o poder dos espíritos, dentro do escritório, e amarramos quaisquer forças das trevas vinculadas à estátua; desde então o escritório tem-se mostrado pacífico e agradável. Se ainda resta algum poder espiritual e invisível por detrás da estátua, não sei dizê-lo. Mas sei que agora estamos protegidos, por termos assumido a autoridade no nome de Jesus, sobre aquela parte do edifício que alugamos. DEMONIZAÇÃO NACIONAL Tenho procurado salientar que ignorar a realidade dos poderes invisíveis, por detrás dos aspectos visíveis da vida diária, podem ter efeitos sérios e mesmo devastadores, tanto para o indivíduo quanto para a sociedade. Duas nações, ainda recentemente, tomaram insensatas providências oficiais, no nível governamental mais alto, convidando os principados demoníacos para virem controlar a sua terra: o Haiti e o Japão. O Haiti Faz muito tempo que o Haiti é a nação mais pobre do hemisfério ocidental. Através dos anos, a religião imposta pela Igreja Católica Romana em nada tem ajudado o país. Um vigoroso trabalho missionário protestante também não tem ajudado. A política não tem ajudado. A ajuda financeira estrangeira, por igual modo, em nada tem ajudado. Talvez o maior raio de esperança de um futuro melhor para o Haiti ocorreu em dezembro de 1990, quando Jean-Bertrand
  • 56. Aristide tornou-se o primeiro presidente eleito democraticamente, em toda a história do Haiti. Dentro de uma lista de onze candidatos, Aristide recebeu 67% dos votos, um fenômeno relativamente raro, em eleições multipartidárias. As coisas pareciam estar melhorando. Poucos meses depois da posse de Aristide como presidente, Jim Shahim noticiou: "Agora o Haiti parece um lugar diferente". Diminuíram as violações dos direitos humanos. Cessou o êxodo de pessoas por meio de embarcações. Aristide, em uma visita que fez a Paris, recebeu promessas de quinhentos milhões de dólares, para serem empregados em certa variedade de projetos. As pessoas estavam falando sobre o novo aspecto do país. Até mesmo um oponente político de Aristide chamou-o de "o nosso messias de esperança".5 Preservando as raízes culturais. Mas foi então que Aristide, que também é um padre católico-romano, cônscia ou inconscientemente, cometeu um sério erro espiritual. A 14 de agosto de 1991, pediu oficialmente que os principais macumbeiros do vodu dirigissem uma observância nacional da cerimônia de vodu, chamada Boukmann, a fim de rededicar a nação do Haiti aos espíritos dos mortos. Essa cerimônia, conforme alguns dizem, envolve o sacrifício de animais e até de seres humanos. Para quê? Segundo alegavam, para "preservar as raízes culturais do Haiti". Cerca de um mês mais tarde, a 29 de setembro de 1991, Aristide foi derrubado do poder mediante um golpe militar. O Haiti deu início a um mergulho sócio-econômico. Foi imposto um embargo internacional sobre o país. A economia normal virtualmente deixou de existir. Milhares de empregos se perderam, muitos irrevogavelmente. Meses após o golpe, Howard W. French expediu esta notícia: "Port-au-Prince, uma agitada cidade em tempos normais, agora, por muitas vezes, mais parece uma empoeirada cidade fantasma". Os serviços públicos foram suspensos por causa de falta de gasolina, e o lixo foi sendo empilhado em montões cada vez maiores, nas ruas. Muitos investidores estrangeiros desistiram definitivamente do Haiti. A nação atingiu o ponto mais baixo na escala da miséria humana. O que aconteceu, na realidade? Os analistas políticos são treinados para verem o que é visível. Esses dizem que Aristide foi derrubado pelos ricos por ser ele um teólogo liberal que favorecia os pobres. Ou então que os oficiais militares voltaram-se contra ele
  • 57. por causa de sua política anti-drogas e seu desejo de formar uma unidade de segurança fora do controle do exército. São também apresentadas outras razões. Os mapeadores espirituais, por sua vez, vêem o que é invisível. Embora sem negarem a validade das análises políticas, esses crentes vêem por detrás dessas razões as operações sinistras de poderes espirituais que se utilizam de seres humanos e de estruturas sociais, como as forças militares, visando às suas próprias finalidades. Não somente os praticantes do vodu, mas também os espíritos territoriais que governam o Haiti, ficaram deleitados ao aceitarem o convite do presidente para que se instaurasse uma demonização nacional. Uma vez que eles adquiriram as suas fortalezas legais para vitimizarem as massas populares do Haiti, furtando, matando e destruindo, não tinham mais qualquer uso para o seu "amigo" Jean-Bertrand Aristide, e assim relegaram-no ao rol dos que só serviam para o monturo. Seu plano para "reafirmar a cultura haitiana" foi um tiro pela culatra, porquanto ele não foi capaz de discernir o mal invisível dentre o bem visível. O Japão De certa feita perguntei de David Yonggi Cho por qual motivo ele pensava que as igrejas evangélicas crescem tão rapidamente na Coréia, mas não no Japão. A resposta dele me surpreendeu. Embora reconhecendo que há muitas razões para aquele fato, uma das razões, aquela que ele sugeriu, foi que tinha havido sérios danos contra a tradicional cultura coreana, em trinta e seis anos de ocupação japonesa, e, subseqüentemente, por parte do comunismo proveniente da Coréia do Norte. O cristianismo bíblico, pois, cresceu relativamente sem o empecilho do paganismo tradicional coreano. Por outro lado, a cultura japonesa tem permanecido virtualmente intocada durante três mil anos. O paganismo está profundamente arraigado no entretecido no Japão. Os espíritos que controlam o Japão têm podido lançar profundas raízes, e não se dispõem a permitir que o cristianismo tenha mais do que uma presença meramente simbólica.
  • 58. O mais sério retrocesso no domínio dos espíritos territoriais do Japão ocorreu durante um período de sete anos, imediatamente após a Segunda Guerra Mundial. A despeito de uma fachada budista, os espíritos mais profundamente entrincheirados no Japão são os principados que controlam o xintoísmo, que é uma forma espiritualizada de nacionalismo. A principal figura visível, empregada por esses anjos negros, é o imperador. Na mente popular dos japoneses, o imperador é uma divindade. Mas como parte do processo de paz, logo após a Segunda Guerra Mundial, o imperador renegou publicamente essa condição de divindade, e o governo japonês concordou em separar-se oficialmente de qualquer instituição religiosa, incluindo o xintoísmo. O general MacArthur convidou milhares de missionários evangélicos, muitos se apresentaram, e o cristianismo cresceu bem durante aqueles anos que agora são conhecidos como os "sete anos maravilhosos". Durante mais de trinta anos, pareceu, no que é visível, que o Japão está mantendo o seu status quo. Mas no mundo invisível, os anjos negros pareciam estar recuperando o seu anterior domínio. O crescimento da Igreja evangélica diminuiu até apenas engatinhar. E então morreu o imperador Hiroíto, e seu filho, Akihito, tornou-se o novo imperador. Uma questão crucial girou em torno da cerimônia do Daijosi, o componente religioso da inauguração tradicional de todos os imperadores japoneses. O Daijosi, um ritual de ocultismo e adivinhação, coreografado, seria o clímax de um encontro sexual entre novo imperador e a deusa-sol, Amaterasu Omikami, a principal divindade que domina o Japão. Pouco muda se o contato sexual é físico (um súcubo) ou se é espiritual. No mundo invisível, o imperador e a deusa-sol tornam-se uma só carne, e, através de seu líder supremo, a nação convida que os demônios venham controlá-la. Infelizmente para o Japão, tal qual como para o Haiti, uma decisão insensata foi tomada, e o novo imperador resolveu reverter a posição de seu pai, tomada após a Segunda Guerra Mundial, e novamente, na mente popular, foi "deificado" mediante a cerimônia do Daijosi. E não somente isso, mas o governo resolveu pagar as despesas dos ritos que custaram vários milhões de dólares, apesar dos veementes protestos dos líderes evangélicos japoneses. Desde então, como se esperava, a aberta participação de oficiais do governo, como líderes nacionais, em peregrinações e cerimônias ligadas ao tradicional paganismo japonês está em
  • 59. ascendência. O que isso significa para a nação japonesa, a longo prazo, é algo que ainda teremos de ver. Mas enquanto este livro está sendo preparado, a bolsa de valores do Japão, e seu efeito agitador sobre as economias tanto do Japão como do mundo todo, está em rápido declínio, como nunca antes acontecera, desde a Segunda Guerra Mundial, um declínio que vem desde a cerimônia do Daijosi. Que Dizer Sobre os Estados Unidos? Os Estados Unidos da América são bastante diferentes do Haiti e do Japão, ambos os quais contam com populações razoavelmente homogêneas. A reafirmação das "raízes culturais haitianas" ou da "tradicional cultura japonesa" tem um sentido largamente entendido. Mas os Estados Unidos lideram o mundo quanto ao multiculturalismo nacional. Nos Estados Unidos, a reafirmação só poderia ocorrer se fosse feita de cultura em cultura. No momento não é considerado "politicamente correto" reafirmar as nossas raízes culturais e coloniais anglo-americanas, procedentes da Nova Inglaterra, da Virgínia, ou das raízes batavoamericanas de Nova Iorque, ou das raízes germano-americanas da Pennsylvania, ou mesmo das raízes escandinavo-americanas. Mui significativamente, essas são as culturas norte-americanas que foram mais profundamente influenciadas pelo cristianismo e que emergiam da reforma protestante, por mais imperfeito que tenha sido e continue sendo esse movimento cristão. Antes, a nova excitação cultural que há nos Estados Unidos parece girar em torno de culturas minoritárias, como a dos indígenas norte-americanos, divididos em muitas tribos, os afroamericanos, e vários asiáticos-americanos. Entre os hispanoamericanos tem surgido uma tendência que tem procurado diminuir a herança espanhola européia, e tem procurado enfatizar as raízes nativas dos astecas, dos maias ou dos incas. Conforme vem sendo revelado pela nossa nova compreensão do visível e do invisível, essa reafirmação cultural pode ser vista como passos criativos para a frente, em favor de nossa nação, embora também sirva de convite para uma séria queda espiritual.
  • 60. O passo para a frente, conforme já foi frisado, está trazendo à luz os dons remidores que Deus tem implantado em cada cultura, a fim de glorificar a si mesmo. Nossas culturas são intrinsecamente boas, porquanto refletem o Criador. Deveríamos afirmar isso em cada uma das culturas que fazem parte dos Estados Unidos da América. Mas também precisamos reconhecer que Satanás tem corrompido de tal forma as culturas que algumas de suas formas, como a arte e a arquitetura, e, particularmente, alguns de seus padrões de comportamento, como as danças e os ritos religiosos, evidentemente visam a glorificar à criatura, e não ao Criador. As culturas cujas raízes religiosas exaltam os espíritos demoníacos precisam ser afirmadas com tanta cautela nos Estados Unidos, quanto o têm sido no Haiti e no Japão. De outra sorte, as forças invisíveis das trevas, assim convidadas para que intervenham na vida nacional, certamente proliferarão e provocarão Deus à ira. Deus não tolerará a prostituição espiritual nos Estados Unidos mais do que tolerou em Judá, nos dias do profeta Jeremias, e o juízo divino é o resultado previsível disso. Tristemente, em vez de vermos o alívio do sofrimento humano, podemos ver esse sofrimento intensificar-se. O Havaí Corre Perigo? O Havaí, o qüinquagésimo estado norte-americano, atualmente está vivendo em meio a um forte movimento, liderado por algumas de suas principais figuras, que busca valorizar a cultura havaiana. A 21 de agosto de 1992, o governador do Havaí, um dos senadores norte-americanos e muitos outros oficiais do governo participaram de um rito do paganismo tradicional do Havaí, rotulado como "cerimônia de cura", em favor da desabitada ilha de Kahoolawe. A cerimônia inclui o oferecimento de corais no altar dedicado aos espíritos das trevas, bem como o ato de beber a sagrada awa. Parley Kanakaole, líder que dirigiu o evento, interpretou os atos dos oficiais do governo como se quisessem dizer: "Sim, darei apoio à herança cultural do Havaí, e tudo quanto significa ser um kanaka maoli (um verdadeiro havaiano)".7
  • 61. Um propósito declarado desse processo seria reparar o dano feito no Havaí pelo cristianismo. Referindo-se a esse evento, Laurel Murphy diz que depois que os missionários cristãos chegaram, "começou a morrer o poder dos deuses havaianos, e, juntamente com isso, o poder dos varões havaianos". Parley Kanakaole "sabia que o novo heiau (templo) tinha de ser uma mua ha'i kupuna, o lugar de adoração da família, no antigo Havaí, onde os homens invocavam os antepassados em sua ajuda".8 Ironicamente, o lema do estado do Havaí é o seguinte: "A vida da terra é perpetuada pela justiça". Isso reflete o dom remidor de Deus para o Havaí. Essa justiça seria perpetuada se Jesus Cristo fosse exaltado como legítimo Senhor do Havaí, redundando isso na glória do Criador. Mas o contrário também é uma possibilidade: a morte da terra é perpetuada pela injustiça. Conforme já pudemos mencionar, a ira de Deus é vertida sobre as pessoas que "detêm a verdade em injustiça" (Rm 1.18), quando elas glorificam antes a criatura do que ao Criador. Minha oração é que isso não venha a acontecer no Havaí. CONCLUSÃO Onde devemos traçar a linha divisória? O mapeamento espiritual é uma tentativa para oferecer diretrizes. Ajuda-nos a saber quando começamos a glorificar a criatura, em lugar do Criador. Revela os poderes invisíveis, tanto bons quanto maus, por detrás das realidades visíveis da vida diária. Provê aos homens novos instrumentos para nos engajarmos e vencermos o inimigo, assim abrindo o caminho para a propagação do Reino de Deus, a fim de que sua glória se manifeste entre as nações. Perguntas para refletir 1. Você pode pensar em quaisquer instâncias, à parte daquelas mencionadas neste capítulo, onde pessoas tenham abertamente dado glória à criatura, em vez do Criador?
  • 62. 2. Pense sobre os nomes demoníacos dados a certos pontos destacados do Grand Cânion. Por que isso produz uma "ira justa" em certas pessoas? 3. Sua cidade tem um dom remidor. Segundo você pensa, quais são algumas possibilidades acerca do que consiste esse dom da sua cidade? Que dizer sobre outras cidades próximas? 4. Discuta alguns pontos específicos dos perigos de afirmar o paganismo, ao mesmo tempo em que se tenta recuperar culturas antigas. 5. Revise a purificação da sala de estar da família Wagner. Você teria removido o puma? as máscaras? as lâmpadas? Por quê? Notas 1. RUMPH, Dave e Jane. "Idolatria Geográfica: Satanás Realmente É Dono de Tudo Isso?" Body Life, junho de 1992, p. 13. 2. DAWSON, John. Taking Our Cities for God [Reconquiste Sua Cidade Para Deus]. Lake Mary, FL, Creation House, 1989. p. 39. 3. STAFFORD, Tim. "Crentes no Campus e a Política do Novo Pensamento", Christianity Today, 10 de fevereiro de 1992, p. 15. 4. BARNA, George. What Americans Believe. Ventura, CA, Regai Books, 1991. p. 84. 5. SHAHIM, Jim. "Ilha de Esperança", American Way, 1o de outubro de 1991,p. 57. 6. FRENCH, Howard W. "O Haiti paga caro pela derrubada de Aristide", Pasadena Star News, 25 de dezembro de 1991, s.p. 7. MURPHY, Laurel. "Líderes e dignitários havaianos, chefes de Kahoolawe", Maui News, 21 de agosto de 1992, s.p. 8. Idem, ibidem. 3. TRATANDO COM AS FORTALEZAS
  • 63. Por Cindy Jacobs Cindy Jacobs é uma líder de oração espiritualmente dotada. Junto com seu marido, Mike, ela é co-fundadora da Generals of Intercession, uma organização que congraça líderes de oração por todo o globo, que visa a fazer intercessões estratégicas em favor de cidades, nações e grupos étnicos não alcançados. Autora do livro Possuindo as Portas do Inimigo (Editora Atos), Cindy viaja e preleciona nacional e internacionalmente, e tem servido de instrumento para ensinar a doutrina da unidade ao povo de Deus. Ela também serve na International Board of Women's Aglow Fellowship, além de ser uma das invocadoras a Spiritual Warfare Network, da A.D. 2000 United Prayer Track. Rosário, Argentina — uma cidade abastada e bela diante dos nossos olhos naturais. No verão de 1992, os pastores de Rosário convidaram-me para ensinar em uma reunião de toda uma cidade para falar sobre "Como Quebrar Fortalezas do Ocultismo e da Feitiçaria". Antes de partir para a Argentina, lamentei ao assistir, pela televisão, notícias sobre as terríveis inundações da província argentina de Santa Fé, onde está localizada a cidade de Rosário. Enquanto eu observava a destruição causada pela inundação, comecei a indagar se aquela inundação não seria resultante de alguma maldição. Estaria a cidade debaixo de um ataque espiritual, por causa dos pecados de seus habitantes? Ponderei a respeito ao entrarmos na cidade para dirigir o seminário, e orei ao Senhor para que revelasse o segredo e as coisas ocultas daquela cidade. No segundo dia do seminário, vários de nós, da equipe da Harvest Evangelism, fomos almoçar com um pastor local. Esse pastor, um representante regional da igreja de Omar Cabrera, Visão do Futuro (uma igreja argentina liderante na área da guerra espiritual), tinha estado presente a um seminário sobre guerra espiritual que eu tinha ensinado no ano anterior, em Mar del Plata, e ele começou a contar-me como havia sido fundada a cidade de Rosário. Parece que um grupo de padres católicos-romanos estava transportando uma estátua da Rainha do Céu de uma cidade para outra. Enquanto viajavam, a imagem da Virgem do Rosário caiu por quatro vezes da carroça no chão, no espaço de uma pequena
  • 64. distância. Os padres, confiantes que a estátua lhes estava tentando dizer que ela queria que ali fosse o seu santuário, estabeleceram o que é agora a cidade de Rosário. E assim, a fundadora espiritual dessa cidade não é outra senão a própria Rainha do Céu! Essas foram revelações muito iluminadoras. Assim cheguei à conclusão de que a minha suspeita original de que a cidade estava debaixo de uma maldição bem poderia estar com a razão. Naquela tarde, tive um encontro com alguns pastores de Rosário e com um pequeno grupo de líderes, os quais pediram que eu orasse pela cidade deles. Expliquei a eles que o mapeamento espiritual da cidade poderia ajudá-los a localizar as fortalezas do inimigo. Compartilhei com eles acerca de como a oração, feita acerca das portas do inferno, em uma cidade, libera os cativos de Satanás para que possam entrar no Reino de Deus. Eles ficaram muito excitados! E a excitação deles só aumentou quando foi descrita a informação que eu tinha recebido sobre a fundação da cidade. Embora alguns daqueles líderes soubessem da ligação da Virgem do Rosário com a cidade deles, eles não sabiam que ela mesma tinha escolhido a cidade como a sua própria cidade. E assim as suas mentes foram iluminadas ao perceberem que aquelas estátuas da virgem estavam localizadas em cada um dos postos da prefeitura, bem como na praça central da cidade. Alguns argentinos chegam a chamar a Virgem do Rosário de "generala da cidade". ORANDO POR UMA ESTRATÉGIA Terminada a reunião, voltei ao meu quarto de hotel a fim de orar. Eu sentia que o arrependimento em face da idolatria que envolve a Virgem do Rosário era uma das chaves para solucionamento do problema. Senti que o arrependimento poderia fazer parar a inundação, tanto na cidade como por toda a província de Santa Fé. Entretanto, eu também sabia que uma situação perigosa poderia eclodir, se eu desmascarasse publicamente a adoração da Rainha do Céu como idolatria. A Argentina é uma nação católica-romana onde os protestantes são considerados uma seita. Ademais, a veneração de virgens, como a do Rosário, está por demais entranhada na cultura argentina. Enquanto estudava e orava, sentia que o Senhor me estava dando uma estratégia.
  • 65. Mais tarde, já à noitinha, quando entrei no teatro repleto, em companhia de minha intérprete, Dóris Cabrera, muitas orações de meu coração estavam sendo dirigidas para o céu: "Senhor, dá-me as palavras certas; fala por meu intermédio. Ajuda Dóris a interpretar exatamente o que eu estiver dizendo". A adoração ao Senhor, naquela reunião, foi tremenda. Entreguei a minha mensagem adredemente preparada sobre o mapeamento espiritual. No encerramento do culto, li o trecho de Jeremias 7.16-19, que mostra como a adoração à Rainha do Céu provocava Deus à ira. Também expliquei com cuidado que a Rainha do Céu não é Maria, a mãe de Jesus. De fato, Maria jamais desejaria ser chamada pelo nome dessa deusa demônio. Também mostrei que não estamos honrando Maria, mãe de Jesus, quando a veneramos como a Rainha do Céu. Em lugar algum da Bíblia Maria é chamada de Rainha do Céu. Então descrevi o julgamento contra os filisteus, devido à idolatria deles, conforme se lê em Jeremias 47.2: "Assim diz o Senhor: Eis que se levantam as águas do norte e tornar-se-ão em torrente transbordante, e alagarão a terra e sua plenitude, a cidade e os que moram nela; e os homens clamarão, e todos os moradores da terra se lamentarão". Podia-se ouvir um alfinete que caísse no chão, naquele teatro! Então, pedi que os pastores viessem à frente. Tínhamos um bom número representativo dos batistas, dos nazarenos e de outros grupos, além de carismáticos e pentecostais. Perguntei ao pastor Norberto Carlini se ele gostaria de dirigir uma oração de arrependimento, em face da adoração à Rainha do Céu e da idolatria em torno dela, para em seguida declarar que a cidade voltava a pertencer ao Senhor Jesus. Ele e os demais líderes concordaram. Quando eles se ajoelharam para orar, todos sentiram uma avassaladora presença de Deus. As pessoas se humilharam diante do Senhor e começaram a chorar em razão dos pecados da cidade. Os pastores dirigiram uma oração de arrependimento que trovejou com o poder e a autoridade de Deus. Cada um dos líderes, individualmente, arrependeu-se, e, então, formando um grupo, eles declararam que a cidade não mais pertencia à Rainha do Céu, e deixaram o governo da cidade sobre os ombros do Rei Jesus. E o
  • 66. regozijo ressoou até aos céus, enquanto adorávamos agradecíamos ao Senhor por aquela tremenda vitória. e A Inundação Retrocede O que aconteceu à cidade, em resultado disso? Bem, uma coisa pôde ser discernida quase prontamente. Quando voei de volta para casa, poucos dias mais tarde, aconteceu-me ler o Buenos Aires Herald. Um dos artigos dizia: Estabilizam-se as Enchentes no Delta! Em Santa Fé, os oficiais da Defesa Civil anunciaram que a crista da enchente do rio Paraná finalmente tinha começado a mover-se para o sul, trazendo alívio imediato à população da província que enfrentava diariamente a ameaça de uma evacuação. Durante as últimas duas semanas, o nível do rio vinha subindo constantemente naquele distrito.1 O nível do rio Paraná baixou consideravelmente na capital provincial de Santa Fé e na cidade de Rosário. Isso serviu de prova, na dimensão visível, que a maldição tinha sido quebrada e que a cidade tinha sido libertada! Que tremendo testemunho em favor do poder do arrependimento! A bênção de Deus foi derramada sobre a cidade, enquanto as fortalezas da idolatria foram derrubadas. QUE É O MAPEAMENTO ESPIRITUAL? Como foi que descobrimos a fortaleza da veneração à Rainha do Céu, na cidade argentina de Rosário? Por meio de algo que estamos chamando de "mapeamento espiritual". Até onde vai o meu conhecimento, a primeira pessoa a usar essa expressão, "mapeamento espiritual", foi George Otis, Jr., em seu livro, The Last of the Giants (Chosen Books). Embora muitos de nós, que têm ministrado no campo da guerra espiritual, tenham ensinado, já faz agora alguns anos, sobre a necessidade de pesquisar as cidades, a fim de descobrirmos as fortalezas espirituais do inimigo, só de
  • 67. algum tempo para cá o termo "mapeamento espiritual" tornou-se aceitável para indicar essa forma de pesquisa. Para sermos honestos, eu tinha alguma reserva quanto a essa expressão, quando ouvi falar dela pela primeira vez. Para mim, soava como algo próprio da Nova Era. Expressei a minha opinião a respeito para diversos outros líderes evangélicos e passei algum tempo orando sobre o assunto. Finalmente, cheguei à conclusão que "mapeamento espiritual" é, realmente, um bom título descritivo para essa forma de pesquisa acerca de uma cidade. Sem embargo, em que consiste, exatamente, o mapeamento espiritual? Em minha opinião, trata-se de fazer uma sondagem em uma cidade, a fim de descobrir as incursões que Satanás tem feito ali, incursões essas que impedem a propagação do evangelho, mediante a evangelização da cidade para Cristo. George Otis, Jr. afirmou que essa atividade nos permite ver como uma cidade realmente é — e não apenas como ela parece ser. 2 Como é que você está vendo a sua cidade? Muitos pastores têm sido chamados para dirigir igrejas, em cidades ou vilas que parecem ser tranqüilas e pacíficas, somente para descobrirem que isso está longe de ser a verdade. Outros passam anos em centros urbanos violentos com pouca colheita e finalmente desistem, indose embora queimados e desencorajados. Alguns pastores têm experimentado desfechar a guerra espiritual, mas têm sentido que quase só fazem lutar com sombras, pois as forças que atacam as suas igrejas, e as famílias que fazem parte delas, são invisíveis e vingativas. Mas as coisas não precisam seguir esse rumo. Deus é o estrategista por excelência. Na Palavra de Deus existem princípios espirituais que nos permitem declarar guerra contra as fortalezas de Satanás, derrubar os seus fortins e libertar os cativos. Uma pergunta com freqüência é feita, quando se discute esse assunto, ou seja: "A Bíblia não diz que a terra é do Senhor, com tudo quanto há nela e que nela vive?" Naturalmente, temos aí uma verdade. Deus é o proprietário do globo terrestre. Mas também é verdade que Satanás se intrometeu, apresentando reivindicações falsas. A Bíblia diz, em 2 Coríntios 4.4, que Satanás se declarou "deus deste século". Na verdade, ele tem conseguido cativar reinos inteiros. Mui realisticamente, a maioria dos crentes olharia para as suas cidades e diria: "Sei que a terra é do Senhor; mas o que
  • 68. aconteceu à minha cidade?" Infelizmente, a maior parte dos crentes não sabe o que deve ser feito para alterar essa situação. Posso perceber um despertamento recente acerca de nossa responsabilidade para orarmos em prol de nossas cidades e de nossas nações. Cerca de dois anos atrás, quando se reuniam certos conveniados da Spiritual Warfare Network, o Senhor me impressionou com a idéia de que estava ocorrendo uma reforma por todas as igrejas. O grito de guerra em favor dessa nova reforma é: "Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e, sim, contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes" (Ef 6.1,2). E também: "Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e, sim, poderosas em Deus para destruir fortalezas." (2 Co 10.4). Já experimentamos muitas técnicas no terreno do evangelismo. Por que não submetemos a teste, por igual modo, a oração? Por que alguns crentes se debatem com o conceito de termos de enfrentar um império maligno invisível? Charles Kraft, do Seminário Teológico Fuller, tem trazido à tona muitos pontos de discernimento quanto a essa questão, em seu livro, intitulado Christianity with Power. De acordo com Kraft, vemos aquilo que fomos ensinados a ver. Interpretamos a realidade de conformidade com linhas culturalmente aprovadas, e assim somos ensinados a ver as coisas seletivamente. Essa visão seletiva das coisas, para muitas sociedades européias e americanas, está condicionada pela nossa "visão global ocidental". Essa visão global nos leva a crer que somente aquilo que aprendemos através da ciência, ou que podemos discernir mediante os nossos cinco sentidos físicos, corresponde à realidade. Mas Kraft prossegue, a fim de dizer: "Fomos ensinados a crer somente nas coisas visíveis. Dizem-nos que 'ver é crer'. Se pudermos ver algo, então esse algo deve existir. Mas se não pudermos ver alguma coisa, então é que essa coisa não existe".3 PANO-DE-FUNDO DO NOVO TESTAMENTO De que forma essa visão global tipicamente ocidental afeta a Igreja? Em alguns casos, de forma apreciável. Alguns crentes
  • 69. chegam mesmo a relegar as potestades territoriais, alistadas em Efésios 6.12, ao terreno da mitologia. No entanto, Paulo recomendou que lutássemos contra esses "principados e potestades". Se realmente existem principados e poderes invisíveis, contra os quais nos compete lutar, não deveríamos fazê-lo dotados de um conhecimento esclarecido? É interessante observar o número de livros eruditos que estão sendo atualmente publicados e que nos ajudam a abrir os olhos para o mundo, conforme Paulo deve tê-lo visto. Alguns dos melhores dentre esses volumes foram escritos por Clinton Arnold, que ensina o Novo Testamento na Talbot School of Theology. Arnold examinou ali as crenças dos gregos, dos romanos e dos judeus, bem como os ensinos de Jesus acerca das artes mágicas, da bruxaria e da adivinhação. Os escritos do apóstolo Paulo estão salpicados de referências escritas diretamente contra as fortalezas espirituais da maldade em seus dias. Para exemplificar, a respeito da questão de ingerir carnes sacrificadas a ídolos, na igreja em Corinto, no décimo capítulo de 1 Coríntios, escreveu Arnold: "Um dos princípios fundamentais que orientavam Paulo, em reação contra as situações prevalentes na igreja em Corinto, era a sua convicção de que os demônios animam a idolatria".4 Outro estudo fascinante sobre as fortalezas demoníacas, relacionadas à deusa Diana dos Efésios, pode ser achado no livro chamado I Suffer Not a Woman, cujos autores são Richard Clark Kroeger e Catherine Clark Kroeger. Embora a tese desse livro verse sobre o ministério das mulheres nas igrejas, também provê um profundo discernimento quanto ao mundo que prevalecia em Éfeso, que Paulo encontrou, segundo se vê no capítulo dezenove do livro de Atos. Ali transpira uma cultura eivada de artes mágicas, feitiçaria e adivinhação. O erudito livro dos Kroegers nos brinda com uma vivida descrição da deusa Diana: Ela estava adornada por uma coroa alta, modelada para simbolizar as muralhas da cidade de Éfeso; e o seu peitoral estava recoberto por protuberâncias como se fossem seios. Por cima dessas coisas ela usava um colar de bolotas de carvalho, algumas vezes circundadas pelos sinais do zodíaco; pois Artemis (Diana) controlava os corpos celestes do universo. Na parte da frente de sua estreita e rígida saia havia fileiras de animais aos triplos, e aos lados havia
  • 70. abelhas e rosetas — indicativos de seu domínio sobre o parto, a vida animal e a fertilidade. Um elaborado sistema mágico desenvolvera-se em torno da Ephesia Grammata, as seis palavras místicas, escritas na estátua que representava a deusa. O livro de Atos informa-nos que os recémconvertidos crentes repudiaram esse sistema e queimaram os seus dispendiosos livros de mágica (At 19.19).5 Não foi preciso que Paulo e seus colegas de ministério visitassem a biblioteca da cidade e pesquisassem a história de Éfeso para descobrirem quais poderes invisíveis operavam por detrás dos aspectos visíveis da cidade. Os cidadãos de Éfeso sabiam que o espírito territorial que dominava a cidade deles era Diana, tal como os cidadãos da moderna cidade brasileira do Rio de Janeiro sabem que o símbolo religioso mais distintivo dali é a estátua do "Cristo do Corcovado". A necessidade que temos de fazer um mapeamento espiritual de nossas cidades torna-se mais crucial principalmente por causa de nossa visão panorâmica ocidental, que tende até mesmo para pôr em dúvida a existência dos poderes espirituais invisíveis da maldade. Paulo não enfrentava esse problema. E, a propósito, nem Lucas o enfrentava, conforme demonstrou a erudita de Yale, Susana Garett, em seu excelente volume, The Demise of the Devil.6 FORTALEZAS "Fortaleza" parece ser um vocábulo de sentido bastante ambíguo, em muito da linguagem de hoje. Precisamos ter certeza quanto ao seu significado. Uma fortaleza espiritual é um lugar fortificado que Satanás construiu a fim de exaltar a si mesmo, em oposição ao conhecimento e aos planos de Deus. Um dado importante, que não podemos afastar da mente, é que Satanás tenta ocultar que realmente existem essas fortalezas espirituais. Ele as disfarça astuciosamente, sob a capa de alguma "cultura". Conforme Peter Wagner salientou no capítulo anterior, está havendo um ressurgimento da adoração de divindades antigas nas culturas espalhadas por todo o globo terrestre. Essa é uma estratégia do inimigo a fim de reempossar os principados demoníacos sobre as nações de nossos dias. Particularmente em
  • 71. nossa época, é essencial que aprendamos a avaliar a nossa cultura à luz da Palavra de Deus. Somente sob o escrutínio da lâmpada da revelação dada por Deus seremos capazes de libertar as cidades e as nações do mundo dos poderes das trevas, a fim de prepararmos os povos para a colheita espiritual. Não estou querendo dizer que teremos de expelir cada força demoníaca isolada da terra, para sempre. Nem mesmo Jesus fez isso. Não obstante, as nossas orações libertarão muitas regiões da influência desses poderes, por algum tempo, enquanto estivermos ocupados na colheita de almas. Atualmente, para os missionários treinados na antropologia, tornou-se comum eles estudarem a cultura dos povos aos quais são enviados a ministrar. Esses princípios têm sido claramente enunciados por especialistas no campo ao discursarem sobre grupos étnicos ainda não alcançados pelo evangelho. Um dos melhores desses compêndios é o de John Robb, intitulado The Power of People Group Thinking. 7 Nos anos que se passaram, muitos equívocos foram cometidos por missionários bem intencionados, que não compreendiam as culturas dos povos entre os quais labutavam. Não queremos lançar qualquer culpa sobre esses primeiros missionários, mas também não desejamos repetir os erros que cometeram. Atualmente, os missionários evangélicos podem saber como as culturas são analisadas, mas também não entendem a necessidade de identificar os poderes espirituais por detrás da formação das culturas. Talvez uma das fortalezas que faríamos bem em perscrutar seja a idolatria da cultura propriamente dita. Nem tudo que faz parte da cultura de um povo é necessariamente piedoso! Estamos enviando missionários a nações onde as fortalezas demoníacas estão profundamente entrincheiradas, e, no entanto, nós lhes fornecemos pouca ou nenhuma intercessão estratégica, no tocante à nação ou às suas famílias. Muitos desses missionários não dispõem de qualquer instrumento que lhes permita reconhecer uma fortaleza espiritual, e, muito menos, como devem enfrentá-la estrategicamente. Fortalezas espirituais específicas precisam ser destruídas a fim de ser liberada a colheita em nossas cidades e nações. Em primeiro lugar, é mister perceber que existem fortalezas espirituais nos níveis pessoal e coletivo. Estamos muito mais familiarizados com o nível pessoal do que com o nível coletivo. O nível coletivo foi
  • 72. aquele combatido por Daniel e Neemias, quando oraram pela nação de Israel. A guerra espiritual não é alguma grande "jornada de poder". Antes, é uma exibição dos atributos e caminhos de Deus, diante de um mundo perdido e moribundo, que olha para ver se realmente nós somos os vencedores, não sujeitos aos poderes malignos desta era. Neste capítulo, examinarei especificamente nove fortalezas espirituais. George Otis., Jr. trata de uma décima, a saber, as fortalezas territoriais, no primeiro capítulo deste livro. Embora com certeza isso não esgote a lista de fortalezas do mal, essas são aquelas que tenho podido identificar mais claramente, até agora. I. Fortalezas Pessoais Em seu excelente livro, Overcoming the Dominion of Darkness, Gary Kinnaman descreveu as fortalezas espirituais como coisas que Satanás edifica a fim de exercer influência sobre a vida de uma pessoa: pecados pessoais, pensamentos, sentimentos, atitudes e padrões de comportamento.8 Uma das maneiras do Senhor de tratar com as fortalezas pessoais é mediante a aplicação dos padrões bíblicos de conduta. Penso que esse é um importante portão para o reavivamento. Quando estudamos os grandes reavivamentos, quase invariavelmente lemos sobre como o sentimento de santificação os dominou. Explico isso com detalhes no meu livro, Possuindo as Portas do Inimigo (Editora Atos), no capítulo, "Princípios do Coração Puro". Um dos maiores empecilhos para Deus mover-se em nossas cidades é o orgulho dos crentes. É tempo de clamar a Deus para retirar as vendas de nossos olhos, a fim de que possamos ver o nosso egoísmo, as nossas más atitudes e a nossa falta de caráter e integridade. Dei meu apoio quando ouvi Bill Gothard dizer: "A maturidade consiste em fazer o que é certo, mesmo quando
  • 73. ninguém mais está olhando!" Nossos atos são contemplados por um Deus Santo e por todo o exército do céu. Precisamos imitar o caráter e a retidão de Deus. A guerra espiritual não é alguma "jornada de poder". Antes, é a exibição dos atributos e caminhos de Deus, diante de um mundo perdido que olha para ver se realmente somos vencedores, não sujeitos aos poderes malignos desta era. Essas fortalezas espirituais, são "buracos em nossa armadura". Aprendi esse princípio da parte de Joy Dawson, grande conhecedora da Bíblia. Joy diz que quando temos motivos errados no coração, como o orgulho ou atos egoístas, esses são como buracos feitos em nossa armadura, que nos deixam abertos diante dos ataques do inimigo. Mas essas aberturas são fechadas mediante o arrependimento, diante de um Deus santo, e mediante o arrependimento expresso a pessoas que porventura tenhamos ofendido. Deus só exalta e confere a vitória aos humildes. Por meio da humildade, do arrependimento e da santidade, as fortalezas pessoais podem ser destruídas. 2. Fortalezas Mentais Assevera o meu amigo, Ed Silvoso: "Uma fortaleza é uma mente impregnada com desesperança, o que leva o crente a aceitar, como incapaz de ser mudado, algo que ele sabe ser contrário à vontade de Deus".9 Essa é a melhor definição que já encontrei. As fortalezas podem ser edificadas em nossas mentes de várias maneiras. O inimigo talvez nos tenha convencido de que a nossa cidade jamais poderá ser ganha para o evangelho. Ele gosta de estabelecer limites às coisas em que cremos. É possível que uma cidade seja ganha para Cristo? Podem o prefeito, os vereadores, a força policial, os advogados e os professores serem influenciados pelo evangelho? Naturalmente que sim! Algumas vezes tornamo-nos apenas "prisioneiros de guerra" em nossas igrejas. Satanás não se importa se temos pouco pão e água e alguns poucos visitantes, mas fica muito perturbado quando resolvemos influenciar a nossa cidade inteira. Precisamos armar o espetáculo de um grande escape da prisão! Em primeiro lugar,
  • 74. precisaremos derrubar as fortalezas construídas em nossas mentes, que sussurram que isso não pode ser feito. Certa feita, em minha vida, ocorreu-me uma situação que parecia irreparável. Um amigo tinha feito algo que me havia ferido profundamente, e eu me senti traída. As circunstâncias eram tais que parecia que nada mais poderia ser feito para solucionar o problema. Por dois anos, eu não vi esse amigo, e nós não falamos um com o outro. A restauração da amizade parecia sem solução neste lado da vida. Eu não percebia, no momento, que havia uma fortaleza mental que o diabo tinha conseguido construir em minha mente. Satanás tinha-me enganado para acreditar que era urna situação imutável. Essa fortaleza exaltava-se contra o conhecimento de Deus, o qual garante: "Tudo é possível ao que crê". Como é óbvio, por ter sido ofendida, preferi não crer na promessa de Deus. E aquele aspecto de minha vida sofreu um aleijão. Um dia, quando eu estava orando, ocorreu-me que eu tinha crido em uma mentira. Pois nada é impossível para Deus! E comecei a buscar o Senhor quanto a uma estratégia para consertar a brecha. Eu sentia que precisava discutir a situação com aquela pessoa e endireitar as coisas entre nós. Não foi fácil. Eu carecia de chegar a um lugar onde houvesse perdão e cura. Finalmente, entendi o que deveria fazer. Escrevi uma cartinha, garantindo àquele irmão o meu amor, bem como eu lamentava toda aquela situação. Em adição, expliquei, de maneira não-acusadora, como eu via aquela situação. E terminei a carta perguntando se poderíamos conversar pelo telefone, visto que ele morava a considerável distância de mim. Depois de ter recebido a carta, aquele irmão telefonou para mim, e o amor de Deus manifestou-se tão fortemente, durante o nosso diálogo, que a situação foi totalmente remediada, e nosso relacionamento amistoso foi restaurado. 3. Fortalezas Ideológicas Gary Kinnaman diz que as fortalezas ideológicas "envolvem uma visão global. Homens como Karl Marx, Charles Darwin e
  • 75. outros afetaram particularmente as idéias filosóficas e religiosas ou não-religiosas que influenciam a cultura e a sociedade".10 As fortalezas ideológicas são potencialmente capazes de afetar culturas inteiras. Adolfo Hitler é um exemplo destacado desse fato. Livros sobre Hitler e o Terceiro Reich estão revelando e trazendo à tona os poderes ocultos por detrás do Terceiro Reich, que enfeitiçaram essencialmente uma nação inteira. Filosofias, como a do humanismo, são poderosas e sedutoras. A Nova Era está em ascensão, e, provavelmente, é uma das ameaças mais sérias para o cristianismo bíblico nas nações ocidentais. Os que militam na Nova Era são ensinados que podem invocar o poder das forças demoníacas contra qualquer religião do mundo. Estão se infiltrando rapidamente nas escolas de muitas nações, a fim de arrebatarem as mentes de nossos filhos e estabelecerem suas ideologias nos governos locais e nacionais. Precisamos entender que essas fortalezas ideológicas são inspiradas pelas forças invisíveis dos poderes das trevas, que provocam a criação de estruturas e instituições sociais que levam avante os seus propósitos. Não podemos exagerar quando afirmamos: Nossa luta não é contra carne e sangue. Essas fortalezas devem ser atacadas mediante uma intercessão contínua, bem enfocada, inteligente, permanente, pelas igrejas evangélicas das nações do mundo. A igreja trancada em suas próprias paredes tem uma mentalidade que diz que não somos responsáveis por qualquer coisa que aconteça fora de nossas quatro paredes, fechando os olhos para não ver a batalha real que ocorre em nossas cidades. Muitos pastores e líderes estão atualmente despertando para perceber que estão fugindo de Satanás, em vez de combaterem contra ele! 4. Fortalezas do Ocultismo Encaro as fortalezas do ocultismo como uma aplicação francamente maligna de muitas fortalezas ideológicas. As fortalezas do ocultismo incluem fortalezas da feitiçaria, do satanismo e da Nova Era, que convidam a operação dos chamados
  • 76. espíritos guias. Operam como "propugnadores de poder" para os espíritos territoriais que dominam regiões geográficas. Os espíritos territoriais que dominam uma cidade ou região são grandemente fortalecidos pelos encantamentos, maldições rituais e fetiches do ocultismo, usados pelas feiticeiras, bruxos e satanistas. Os poderes das trevas que dominam ali manipulam os indivíduos envolvidos no ocultismo para que obedeçam às suas ordens, na tentativa de destruir o poder da Igreja e do Reino de Deus em uma determinada área. Os líderes evangélicos por muitas vezes mostram-se inconscientes quanto ao que realmente está sucedendo em suas cidades. Muitos pastores e líderes evangélicos vivem pessoalmente debaixo de tremendos ataques satânicos, e assim, ou nada percebem do que está sucedendo, ou ficam tão desanimados, desencorajados e exaustos que não podem combater contra o assédio. Não se trata de algo que precisemos temer, mas que devemos entender e combater, lutando contra os métodos astutos do inimigo. Uma das maneiras que os mentores do ocultismo usam em seus ataques contra os líderes evangélicos é despachando maldições contra eles. Isso é feito por meio de encantamentos, intercessões malignas e jejuns. Diz Ezequiel 13.18: "Assim diz o Senhor Deus: Ai das que cosem pulseiras mágicas para todos os braços e que fazem véus para as cabeças de pessoas de toda estatura, para caçarem as almas!" (V. R.) Dick Bernal, nosso colega da Spiritual Warfare Network, escreveu um ótimo volume sobre o assunto, intitulado Curses: What They Are and How to Break Them.11 Não há que duvidar que a invocação de maldições era praticada tanto nos dias do Antigo Testamento quanto do Novo Testamento (por exemplo, Isaías 8.19-22; Atos 19.19). E isso também acontece hoje, quando tantos líderes evangélicos caem em pecados sexuais e em i moralidade. Os líderes evangélicos precisam de intercessores que os resguardem, mediante a oração, dessas maldições. O livro de Peter Wagner, Escudo de Oração (Editora Bompastor) aborda esse assunto com grande profundidade. Como podemos determinar se alguém foi amaldiçoado? Eis alguns poucos dentre os sintomas possíveis:
  • 77. • Enfermidade e estado doentio sem uma causa natural • Confusão mental (pode ser provocada pelo controle da mente) • Falta de sono • Sonhos sexualmente explícitos e por demais freqüentes • Cansaço extremo • Atitudes negativas inexplicáveis. Estou cônscio de que os sintomas acima sugeridos também podem ter outras causas. Uma maneira de descobrir se um problema é resultante ou não de uma maldição é que quando o seu poder é quebrado, os sintomas desaparecem rapidamente. Uma exceção a isso é quando a enfermidade proveniente de uma maldição chegou a causar algum dano físico no corpo, quando então o corpo precisa ser tratado, em adição à quebra da maldição. Uma Maldição Vinda da Argentina. Uma das tarefas que dividimos com os Generals of Intercession consiste em discernir e destruir as fortalezas sobre cidades. Em 1990, minha amiga Dóris Wagner e eu fomos à cidade de Resistência, na Argentina, a fim de orar com os líderes evangélicos, ensinar e discernir as fortalezas espirituais que dominavam a cidade. Víctor Lorenzo referiu-se a essa visita em seu capítulo (ver o sétimo capítulo deste livro). Um espírito territorial particularmente incômodo era o San La Muerte, literalmente, Santa Morte. Treze templos estavam espalhados pela cidade, dedicados especificamente à adoração de San La Muerte. A vida era ali tão sem esperança que as pessoas acreditavam que se adorassem San La Muerte pelo menos poderiam ter uma boa morte. Quando voltei para casa, depois daquela jornada de oração, fui sujeitada a um pesado ataque demoníaco. Certo domingo levantei-me para ir ao culto na igreja, e, então, no meio da reunião, comecei a perder as forças no corpo. No começo simplesmente pensei que me havia fatigado em demasia; mas progredindo o dia, eu podia perceber que alguma coisa havia de seriamente errado comigo. Finalmente, contei a meu marido, Mike: "Querido, chame os nossos intercessores e inicie uma corrente de orações de emergência. Sinto que estou morrendo!" Era uma situação muito
  • 78. incomum. Eu nunca havia me sentido daquela maneira, em toda a minha vida, e meu marido nunca me tinha ouvido dizer coisas assim, antes daquela ocasião. Visto que ele me ama muito, imediatamente chamou os intercessores da Generals of Intercession, para que entrassem em ação. Depois de cerca de uma hora, eu podia dizer que a maldição havia sido anulada. No dia seguinte eu me sentia totalmente recuperada e forte. Depois que me recuperei, algo ficou realmente me perturbando a mente. Que direito tinha uma maldição para atingir-me? Diz a Bíblia em Provérbios 26.2: "...a maldição sem causa não virá". Isso levou-me à conclusão de que deveria haver algum buraco em minha armadura. Continuando eu dedicada à oração, o Senhor fez-me lembrar de uma chamada telefônica que eu havia recebido no dia anterior, de alguém a quem muito estimo. Essa pessoa dissera-me que eu estava totalmente errada por estar ensinando como fazer guerra espiritual, e que eu precisava desistir. Deus mostrou-me que quando aquilo me ofendera, eu não tinha perdoado aquela pessoa. Na oportunidade eu nem havia pensado em perdoar, mas agora, de súbito, percebi ser aquilo uma verdade! Havia pecado guardado em meu coração. Imediatamente perdoei e busquei dois amigos crentes para pedir que orassem comigo, para que o Senhor curasse o meu coração partido. No dia seguinte, a pessoa que me tinha ofendido tornou a telefonar para mim e me pediu que a perdoasse. Aquela pessoa simplesmente havia sido usada como instrumento do inimigo, mas agora se tinha arrependido profundamente, tal como eu havia feito, ao mostrar aquela atitude indisposta a perdoar. 5. Fortalezas Sociais Uma fortaleza social é a opressão que se instala sobre uma cidade onde a injustiça social, o racismo e a pobreza — com os problemas conseqüentes — levam as pessoas a acreditarem que Deus não cuida das necessidades delas. A Igreja está acordando lentamente para a sua responsabilidade de atirar-se contra esse tipo de fortaleza. Estudiosos como Walter Wink e Ron Sider são pioneiros nesse terreno. O trecho de Romanos 12.21 fornece-nos os princípios
  • 79. bíblicos para que possamos reagir devidamente: "Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem". As maneiras de demolir essa fortaleza são fazer doações aos pobres, abrigar aqueles que não têm onde morar, reconciliar as raças e vestir aqueles que padecem necessidades. Jesus quer que nos identifiquemos com os pobres e oprimidos, engajando-nos em qualquer tipo de ação social e política que pudermos, usando as armas espirituais do arrependimento e da intercessão. Essa demonstração do amor de Deus é poderosa para debilitar o inimigo. 6. Fortalezas Entre Uma Cidade e a Igreja Satanás tem conseguido enfiar cunhas entre a Igreja e as cidades, o que serve para criar a mentalidade que diz: "Nós estamos contra eles". A Igreja, amiudadas vezes, vê o governo da cidade como um inimigo, e a cidade com freqüência encara a Igreja sob uma luz negativa. Essa fortaleza só pode ser derrubada quando a Igreja aprende a ser uma bênção para a cidade. A Igreja deveria ser uma das primeiras instituições para a qual os líderes de uma cidade deveriam voltar-se em tempos perturbados. Em vez disso, é a última coisa a que tais líderes apelam; e por muitas vezes nunca entram em contato com ela. Para que comece a haver boas relações com suas cidades, algumas igrejas oferecem banquetes aos membros da polícia local, ou fazem doações especiais à cidade, ou patrocinam projetos que abençoam a cidade, como doar parques para os poucos privilegiados. A comunidade comercial de uma cidade por muitas vezes considera que os crentes são as pessoas mais miseráveis e sovinas que se pode encontrar. Muitas garçonetes não apreciam os crentes porque eles se queixam muito e dão gorjetas extremamente pequenas. Não podemos esquecer que somos a única Bíblia que muitas pessoas conseguem ler. Algumas igrejas envergonham suas cidades devido aos pecados de seus líderes, ou por se tornarem um embaraço para a sua comunidade. Talvez alguns pastores deveriam ir falar com os líderes da cidade, arrependidos das iniqüidades de suas igrejas, naquilo que diz respeito à cidade. A disposição de manter boas
  • 80. relações entre a igreja e a cidade derruba as fortalezas de Satanás nas mentes dos líderes de uma cidade, além de entravar a capacidade deles de nos acusarem diante dos habitantes. 7. Sedes Satânicas Uma sede satânica é uma localização geográfica que é altamente oprimida e controlada demoniacamente por alguma potestade das trevas. A partir daquela sede demoníaca o inimigo declara guerra à cidade ou nação onde se encontra. Em Apocalipse 2.13, a Bíblia refere-se a esse tipo de fortaleza espiritual, que existia na cidade de Pérgamo. Parece que o Senhor nos estava procurando revelar a estratégia empregada para edificar fortalezas para a adoração de demônios (como se fossem deuses), em certas regiões do mundo. A Igreja de Deus é como uma hidrelétrica em uma nação, que visa a destruir as obras do maligno. Agora ela está despertando para a arma mais poderosa de seu arsenal — a unidade. A cidade de La Plata, na Argentina, é uma sede de Satanás no que toca à maçonaria. A cidade inteira foi construída como se fosse um templo para a adoração dos espíritos ligados à maçonaria. As ruas foram traçadas de acordo com os símbolos da maçonaria, em padrões de diagonais e praças, a cada seis ruas. O capítulo escrito por Victor Lorenzo detalha o mapeamento espiritual dessa sede de Satanás (ver o sétimo capítulo deste livro). 8. Fortalezas do Sectarismo As fortalezas do sectarismo causam divisões entre as igrejas, orgulho nas doutrinas e crenças, e idolatria de denominações ou sistemas particulares de crenças, que levam as igrejas atingidas a se isolarem do resto do Corpo de Cristo.
  • 81. A definição que os dicionários nos dão acerca de um sectarista é: "Alguém caracterizado por algum ponto-de-vista estreito ou faccioso; de um corpo religioso cismático, bitolado". Acredito que as fortalezas do sectarismo são as fortalezas mais críticas e perigosas. A Bíblia diz que uma casa dividida contra si mesma não pode subsistir (ver Mc 3.25). Muitas igrejas estão divididas. Satanás tem enviado os seus melhores guerrilheiros espirituais para acabar com a unidade entre amigos sob o mesmo pacto, e, em alguns casos, tem levado a palma da vitória em alguns entreveros em nossas cidades; mas não conseguirá ganhar a guerra — isso nunca acontecerá! A Igreja de Deus é a hidrelétrica de Deus nas nações, que visa a destruir as obras do maligno. Agora ela está despertando para a mais poderosa arma de seu arsenal — a unidade. Essa não é nenhuma mensagem nova para a Igreja. Ela vem sendo pregada faz anos. Tenho uma teoria que diz respeito à nossa incapacidade de obter uma unidade interdenominacional há mais tempo: Estávamos tão ocupados, brigando dentro de nossas próprias denominações, que não podíamos manusear quaisquer novas variáveis adicionadas à nossa situação. A unidade torna-se crítica quando buscamos tomar as terras prometidas de nossas cidades. Vamos examinar o padrão que foi usado na conquista da Terra Prometida, e que nos foi dado no livro de Josué: A. Todas as tribos entraram juntas. Que são essas tribos atualmente? A tribo dos batistas, a tribo dos nazarenos, dos pentecostais, dos congregacionais, dos carismáticos, e assim por diante. B. Todas as tribos entraram ao mesmo tempo. Isso foi necessário porque cada tribo tinha certas habilidades necessárias para a conquista do território. Eu costumava ser ingênua o bastante para pensar que o diabo é que havia inventado as diversas denominações. Somente a minha própria denominação evangélica poderia trazer o reavivamento. Quando todos se tornassem idênticos a nós, então, sim, Deus poderia começar a operar. Eu nem sabia que em mim havia uma fortaleza do sectarismo. Foi então que acabei passando para a renovação carismática, e cheguei a pensar que nós éramos
  • 82. aqueles que poderíamos trazer o reavivamento, e que todos os outros grupos evangélicos perderiam essa bênção. Finalmente, porém, o Senhor começou a convencer-me de meu sectarismo. C. Os sacerdotes iam à frente, levando a arca da aliança. Notemos que a água não se dividiu enquanto um líder de cada tribo também não foi com a arca, até dentro do rio Jordão (ver Js 3.9-17). Por muitas vezes, os membros das congregações dispõemse mais à unidade do que os seus líderes; mas é essencial que os líderes dêem o exemplo. Várias razões possíveis para a falta de disposição para a unidade, por parte dos líderes evangélicos, são estas: • Orgulho doutrinário • Temor da rejeição • Idolatria quanto à denominação ou movimento • Temor de perder os membros • Exaustão devido a outras demandas ministeriais. Uma das maneiras pelas quais o Senhor acabou com a minha fortaleza sectária foi fazer-me pensar sobre a doutrina eterna. Talvez você não tenha pensado sobre a doutrina eterna antes desta ocasião; e, por esse motivo, permita-me fazer-lhe uma pergunta: Quando você estiver diante do trono e Deus, o que ele haverá de perguntar acerca do que você creu? Será que ele perguntará se você foi batizado, ou se você participou da Ceia do Senhor? Será que ele perguntará se você recebeu dons do Espírito? Ou será que ele perguntará se você falou em línguas? Não penso desse modo. Quando ele examinar o seu nome no Livro da Vida do Cordeiro, o mais provável é que ele indague: "Você nasceu do alto? Você foi lavado no sangue do Cordeiro?" Essa é a doutrina eterna. As fortalezas do sectarismo nos deixam cegos para essas realidades.
  • 83. 9. Fortalezas da Iniqüidade As fortalezas da iniqüidade derivam-se dos pecados dos pais que produzem iniqüidades ou fraquezas para com certos tipos de pecado, nas gerações seguintes. Minha compreensão inicial a esse respeito ocorreu quanto tive de tratar com iniqüidades pessoais que passam de uma geração para outra. Mais tarde, cheguei a entender que essas iniqüidades também operam em culturas e acabam escravizando, algumas vezes chegando a amaldiçoar nações inteiras, devido aos pecados de seus fundadores. E essas fortalezas também afetam denominações e igrejas, onde os pecados dos líderes tornam-se fortalezas ou iniqüidades nas gerações sucessivas daquelas denominações ou igrejas. Pois isso pode escancarar a porta para poderes demoníacos que façam esses pecados entrarem numa igreja. Mas essas iniqüidades com freqüência ficam escondidas por meio das tradições eclesiásticas. A fortaleza do tradicionalismo pode produzir o legalismo. As culturas que têm suas raízes na veneração dos ancestrais mostram-se especialmente susceptíveis a isso. Certa igreja em outro país recusou-se a permitir que se escavasse o terreno em volta de uma gigantesca árvore apodrecida, para que esta fosse arrancada e cedesse lugar a um novo edifício, porque o fundador da igreja tinha plantado aquela árvore noventa anos antes. Esse tipo de legalismo deixou os membros daquela igreja vulneráveis diante da servidão aos demônios. Outra igreja era conhecida por sua história de pecado sexual. Os pastores e demais líderes arrependeram-se desses pecados na vida da igreja deles. Chegaram mesmo a remover a pedra de esquina de seu templo, que fora lançada pelo pastor que tinha cometido um sério pecado de natureza sexual. Puseram no lugar dela uma nova pedra de esquina, em nome de Jesus. Então ordenaram que toda contaminação e pecado do fundador de sua igreja fossem quebrados. Em resultado, eles conseguiram anular o poder do pecado sexual em sua igreja. E a atmosfera espiritual mudou. As nações também cometem iniqüidades. Os pecados dos fundadores de uma nação e os habitantes daquela nação podem atrair o juízo divino contra ela. Muitos crentes de hoje estão
  • 84. orando as Escrituras, com base em 2 Crônicas 7.14: "Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra". "Sararei a sua terra." Esse é um conceito bíblico interessante. Daniel compreendeu bem essa questão, quando estava orando e clamando a Deus como segue: "Pecamos, e cometemos iniqüidade..." (Dn 9.5). Neemias confessou ao Senhor: "Também eu e a casa de meu pai pecamos" (Ne 1.6). E ele também confessou os pecados de Israel, sua nação. Os pecados das nações podem produzir fortalezas espirituais de âmbito nacional, e estas afetam muitos aspectos da cultura do povo que vive naquele país. Esses pecados também podem dar aos poderes demoníacos territoriais o direito legal de demonizarem a cultura daquela nação. Em coisas assim é que consistem as portas do inferno. Poderemos postar-nos de pé na esquina de uma rua, o dia inteiro, gritando para que o diabo abandone a nossa cidade. Mas estaremos agindo por pura presunção e apenas fazendo barulho, se Satanás tiver o direito legal de governar, mediante os pecados dos habitantes daquela cidade. Quais são os pecados nacionais capazes de produzir fortalezas espirituais? Como podemos descobrir as iniqüidades de uma nação? Quais passos devemos tomar em oração, a fim de abandonarmos os nossos caminhos ímpios e quebrar as iniqüidades que escravizam as nossas nações? Essas são perguntas fundamentais em um mapeamento espiritual. Algumas das respostas serão descritas, detalhadamente, na segunda seção deste livro. Perguntas para refletir 1. Cindy Jacobs acredita que a inundação parou na cidade de Rosário, Argentina, porque, através da oração, foi suspensa uma maldição que pairava sobre a cidade. Você concorda? Por quê?
  • 85. 2. Temos sido ensinados que "ver é crer". Fale sobre algumas das falácias dessa afirmação, à luz do presente capítulo. 3. Cindy Jacobs explica que há nove tipos diferentes de fortalezas espirituais. Procure verbalizar o que é uma fortaleza espiritual, em um sentido geral. Como você explicaria isso a um amigo? 4. Leia em voz alta os nomes dos nove tipos de fortaleza espiritual. Quantas delas você pode aplicar à sua própria cidade? Descreva aquelas que melhor se aplicam a ela, de acordo com o seu conhecimento das coisas. 5. Haverá alguma fortaleza de sectarismo em sua cidade? Nesse caso, quais passos concretos podem ser tomados, nos próximos seis meses, para enfraquecê-la? Notas 1. "Delta Floods Stable", Buenos Aires Herald, domingo, 28 de junho de 1992,p.4. 2. OTIS, JR., George. The Last of the Giants. Tarrytown, NI, Chosen Books, 1991. p. 85. 3. KRAFT, Charles. Christianity With Power. Ann Arbor, MI, Servant Publications, 1989. p. 24. 4. ARNOLD, Clinton. Powers of Darkness. Downers Grove, IL, InterVarsity Press, 1992. p. 97. Ver também Ephesians: Power and Magic. Grand Rapids, MI, Baker Book House, 1992. 5. KROEGER, Richard Clark & KROEGER, Catherine Clark. I Suffer Not a Woman. Grand Rapids, MI, Baker Book House. p. 53, 4. 6. GARRETT, Susan R. The Demise of the Devil. Minneapolis, MN, Fortress Press, 1989. 7. ROBB, John. Focus! The Power of People Group Thinking. Monróvia, CA, MARC, 1989. 8. KANNAMAN, Gary. Overcoming the Dominion of Darkness. Tarrytown, NI, Chosen Books, 1990. p. 54, 56-8. 9. SILVOSO, Edgardo (extraído de um memorando para apoiadores e amigos sobre o "Plano Resistência"), 15 de setembro de 1990, p. 3.
  • 86. 10. KANNAMAN, p. 162 e 13. 11. BERNAL, Dick. Curses: What They Are and How to Break Them (Companion Press, Box 351, Shippensburgo, PA 17257-0351). 4. MAPEAMENTO ESPIRITUAL PARA ORAÇÃO DE AÇÃO PROFÉTICA Por Kjell Sjöberg Kjell Sjöberg durante anos tem sido reconhecido como pioneiro da guerra espiritual em nível estratégico. Depois de ter sido líder dos Intercessores pela Suécia durante dez anos, ele tem trabalhado em muitas nações do mundo, a fim de ensinar seminários avançados sobre a oração e para liderar equipes de oração. Autor do livro Winning the Prayer War (Sovereign World), Kjell (que se pronuncia "xel") é também o coordenador nacional da Suécia da Spiritual Warfare Network da A.D. 2000 United Prayer Track. "Mapeamento espiritual" é uma expressão que foi cunhada para cobrir a pesquisa que fazemos antes daquilo que gosto de chamar de "oração de ação". Como é óbvio, quando oramos, podemos fazê-lo com maior eficiência se estivermos bem informados. UM POVO QUE ORA BEM INFORMADO Um intercessor que é meu amigo, também é homem de negócios. Ele teve a oportunidade de ter um encontro com o nosso primeiro-ministro, a fim de apresentar-lhe um projeto industrial. Ele chegou bem munido com documentação, estando pronto para responder a qualquer pergunta de natureza técnica ou econômica que o primeiro-ministro lhe quisesse dirigir. Pouco tempo depois, esse amigo estava buscando ao Senhor, dentro da área da oração. Ele sentiu que o Senhor falava com ele e
  • 87. lhe dirigia algumas perguntas: "Lembras-te de quando visitaste o teu primeiro-ministro? Como foi que te preparaste para aquela entrevista? E hoje estás buscando a minha face sobre uma questão muito importante. Eu sou o Rei dos reis. Quanto te tens preparado para estares bem informado sobre a área que agora me estás apresentando?" Meu amigo confessou com honestidade: "Não me preparei da mesma maneira como o fiz para ir falar com o primeiro-ministro". Ele sentiu que o Senhor lhe dizia: "Então volta em outra ocasião, quando estiveres melhor preparado, porque antes que eu te responda a tua oração, quero que estejas plenamente informado". Os intercessores evangélicos lêem jornais e assistem ao noticiário pela televisão, e dali recebem responsabilidades específicas de oração. A maioria dos intercessores anela por seguir as notícias, porquanto as respostas às suas orações com freqüência figuram na primeira página dos jornais. Portanto, costumo desafiar os intercessores que assumem responsabilidades pelas cidades ou nações para que se façam tão bem informados como um delegado de polícia ou o editor de um jornal. Houve um tempo em que os Intercessores pela Suécia, o ministério ao qual sirvo, contavam com um "gabinete nas sombras", formado por homens e mulheres que tinham por responsabilidade cuidar de cada pasta ministerial do governo. Eles eram nomeados como vigilantes responsáveis para prover informações para aqueles que estavam orando pela nação. Um deles era responsável pela ecologia, outro pela indústria e o comércio, um terceiro pela agricultura, e assim por diante. Podemos orar no espírito e obter informações da parte do Espírito Santo, mas também devemos orar com o nosso entendimento. O conceito básico do mapeamento espiritual é que precisamos estar o mais bem informados que nos for possível, quando estivermos orando. PESSOAS COM O DOM DO MAPEAMENTO Quando seleciono os membros de minha equipe para uma dada oração de ação, procuro reunir pessoas dotadas de certa variedade de dons espirituais. Um pastor torna-se necessário entre
  • 88. os guerreiros de oração, alguém que se responsabilize pela nossa proteção e que cuide dos fracos, dos cansados e dos feridos. Há outros que foram espiritualmente dotados para fazer mapeamento espiritual. Sempre disponho de um ousado espião espiritual em minha equipe. Certa feita, quando um congresso mundial do espiritismo foi efetuado na Suécia, nosso espião-em-chefe sentiu-se levado a matricular-se como delegado. Ao mesmo tempo, ele convocou uma conferência de oração, em uma igreja das proximidades. Ele freqüentava as sessões do congresso espírita, recolhia informações e, então, ia até à igreja evangélica, para informar os intercessores, que usavam as informações na guerra espiritual. E o congresso espírita terminou sendo um fracasso e um desastre econômico. Não recomendo que todos façam o que ele fez. Ele é um daqueles poucos que possui tais dons e chamada divina. Sem a orientação divina, essas atividades podem ser presunçosas e perigosas. A fim de espionar uma sociedade sueca que está tentando reviver a antiga religião dos vikings, e está adorando os deuses Asas, esse mesmo intercessor espião tornou-se membro daquela sociedade. Naturalmente, ele não usou o seu verdadeiro nome. À sua porta havia duas placas intercambiáveis, com nomes diferentes. Ele está sempre bem informado acerca das atividades de grupos como a Nova Era e os satanistas, e sempre mete o nariz em suas atividades, a fim de acompanhar as informações de que precisam os guerreiros de oração. Atualmente, quando temos uma conferência de oração ou estamos planejando uma oração de ação, usualmente temos um papel de pesquisas preparado de antemão e que trata da história da cidade da perspectiva espiritual. E isso fornece aos guerreiros de oração uma compreensão mais ampla sobre o campo de batalha na qual estejam pelejando. MAPEAMENTO ESPIRITUAL EM BERGSLAGEN, SUÉCIA Existe uma área da Suécia chamada Bergslagen, onde o número de membros das igrejas estavam diminuindo, e onde
  • 89. muitos deles estavam desempregados. Houve a decisão de fechar a fundição de ferro, onde trabalhavam cerca de seiscentos operários. Um domingo à noite, a cidade inteira de Gränsberg protestou, apagando todas as lâmpadas elétricas nas casas, nas ruas e nas lojas. O noticiário pela televisão mostrou uma cidade inteiramente às escuras. Foi uma demonstração de desesperança — como se os habitantes não vissem futuro para a sua cidade. O preço das propriedades desabou e se tornou quase impossível vender uma casa. Na ocasião, resolvemos iniciar uma guerra de oração por seis meses, e terminar a nossa campanha de oração com um fim de semana de proclamações vitoriosas de esperança quanto ao futuro. Meu amigo, Lars Widerberg, o espião de nosso time de oração, fez o mapeamento espiritual e descobriu que havia quinze centros da Nova Era naquela área. De cada vez, através da história, em que a liberdade de nossa nação se viu ameaçada, os fazendeiros de Bergslagen é que se tornavam os guerreiros da liberdade que salvavam o país. Bergslagen era o berço da indústria sueca, mas agora estava caindo no olvido. A primeira fábrica da história da Suécia, na oportunidade, estava ocupada por uma comunidade ligada à Findhorn Foundation, da Inglaterra, que confessa que Lúcifer é a sua fonte de poder. Para os outros, parecíamos como um grupo ocupado em agradável conversação; mas nós estávamos olhando nos olhos uns dos outros, enquanto proclamávamos o Senhorio de Jesus sobre a comunidade. Dois meses mais tarde, quatro membros daquela comunidade aceitaram o Senhor Jesus e foram cheios do Espírito Santo. O Senhor deu-nos assim os despojos de nossa oração de ação. Lars também descobriu que na região e Bergslagen vivia um médium espírita que se declarava canal do espírito de Jambres, um egípcio que viveu três mil anos passados. Então organizamos um ônibus de oração, cheio de intercessores, e paramos do lado de fora de cada centro da Nova Era da cidade, a fim de orarmos. O ônibus de oração também parou fora de cada prefeitura da região. E ali oramos para que a liderança política local recebesse sabedoria, da parte de Deus, para resolver os problemas de desemprego da região. Oramos também para que usassem os fundos públicos de maneira sábia e honesta e desfechamos guerra espiritual contra o espírito de Jambres. Jambres foi um dos
  • 90. mágicos egípcios que resistiu a Moisés e a Arão, na tentativa de impedir que o povo de Israel saísse do Egito. Enfrentamos uma batalha renhida, e houve um período de pesada oposição por parte da imprensa local, que não podia compreender a nossa ousadia na proclamação de um novo dia para Bergslagen. Naquela noite, quando desafiamos diretamente o espírito de Jambres, a oposição começou e aumentou até ao fim de semana, quando proclamamos um novo dia para Bergslagen. A oposição levou-nos a acreditar que tínhamos acertado bem no alvo. É bem possível que Jambres fosse o espírito territorial que dominava toda aquela região. No dia seguinte ao da proclamação da vitória, o governo concedeu um bilhão de coroas suecas (150 milhões de dólares norte-americanos), para serem empregadas em toda aquela área. Imediatamente subiram os preços das propriedades, ao mesmo tempo que caía a taxa de desemprego. A fundição realmente cerrou as portas, mas todos os operários conseguiram novas colocações. Nossa oração de ação atraiu pastores e igrejas para se unirem, e eles continuaram orando juntos. Quando a imprensa noticiou as transformações havidas na área, eles usaram as mesmas palavras que havíamos usado em nossas proclamações de oração, posto que não tivessem destacado a relação de causa e efeito. A ORAÇÃO E A GEOGRAFIA A oração tem uma dimensão geográfica, pelo que muitos intercessores experientes interessam-se por mapas. As paredes de minha sala de orações estão recobertas de mapas. Em uma das paredes há um mapa do mundo; em outra, há um gigantesco mapa da cidade de Estocolmo. Tenho sido encorajado por alguns de meus amigos, que também dispõem de mapas nas paredes de seus gabinetes de oração. Por muitas vezes, fico de pé defronte do mapa do mundo, quando estou orando. Quando eu era jovem, Watchman Nee abriu os meus olhos para a dimensão geográfica da oração, através de seu livro, O Ministério de Oração da Igreja. 1
  • 91. Ao ensinar-nos a orar, "venha o teu reino", o Senhor estava dizendo que há um Reino de Deus no céu, mas não neste mundo, pelo que devemos orar para que Deus amplie as fronteiras do Reino dos céus para que atinja esta terra. Na Bíblia, o Reino de Deus aparece em termos geográficos, como também em termos históricos. A história é uma questão de tempo, ao passo que a geografia é uma questão de espaço. De acordo com as Escrituras, o fator geográfico do Reino de Deus ultrapassa de seu fator histórico. Disse o Senhor Jesus: "Mas, se eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, é conseguintemente chegado a vós o reino de Deus" (Mt 12.28). Vemos aí um problema histórico? Não, mas vê-se nisso uma questão geográfica. Onde quer que o Filho de Deus expulse demônios pelo Espírito de Deus, aí está o Reino de Deus. Portanto, durante este período de tempo, o Reino de Deus é mais geográfico do que histórico. Se o nosso conceito do Reino for somente histórico, teremos percebido apenas um de seus lados, e não o Reino em sua inteireza. O Senhor está chamando intercessores para que assumam responsabilidade por cidades, nações e grupos étnicos. As fronteiras geográficas mostram-nos as nossas áreas de responsabilidade. De acordo com o trecho de Atos 17.26, 27, o Senhor determinou os limites da habitação dos seres humanos, a fim de que busquemos o Senhor dentro dessas fronteiras. Temos enviado equipes de oração que orem ao longo das fronteiras da Suécia. Dividimos a costa marítima em cinqüenta segmentos e pedimos a alguma igreja ou grupo de oração que caminhe ou viaje ao longo dessa porção dos limites do país e ore. Algumas vezes temos estado de pé nos limites de áreas fechadas para o evangelho, e temos orado para que as nações abram as suas portas. Por duas vezes, antes de o regime comunista cair na Albânia, dirigi equipes de oração que oraram nas fronteiras daquele país. Outros ocuparam-se em orações de ação semelhantes. Antes de a Dinamarca ter o seu referendo, quando a maioria votou em favor do acordo de Maastrich, com vistas a uma união européia, os intercessores fizeram passeios de oração ao longo da fronteira entre a Alemanha e a Dinamarca, porquanto sentiam que esse acordo seria um retrocesso para o evangelho.
  • 92. A GEOGRAFIA ESPIRITUAL NA BÍBLIA A Bíblia empresta importância espiritual especial a certas localidades geográficas. Para exemplificar, o Senhor designou uma importância geográfica ímpar à Terra Prometida, muito diferente daquilo que vemos nos mapas ordinários. Seis cidades foram escolhidas como cidades de refúgio. Quarenta e oito cidades foram dadas aos sacerdotes e aos levitas. Quando entraram na Terra Prometida, os filhos de Israel deveriam procurar o lugar onde o Senhor tinha escolhido para pôr o seu nome, para ali habitar. Davi descobriu que esse lugar era a cidade de Jerusalém. Em algumas áreas geográficas foram proclamadas bênçãos especiais, como quando Moisés abençoou os descendentes de José, dizendo: "Bendita do Senhor seja a sua terra, com o mais excelente dos céus, com o orvalho, e com o abismo que jaz abaixo, e com as mais excelentes novidades do sol... e com o mais excelente dos outeiros eternos" (Dt 33.13-15). Quando estava a atravessar a fronteira, vieram-lhe ao encontro anjos de Deus. E ele exclamou: "Este é o exército de Deus". Por essa razão, ele deu nome àquele lugar de Maanaim, que significa "dois exércitos" (ver Gn 32.1, 2). Outro trecho da fronteira foi chamado de Mizpá, que significa "vigia". Labão asseverou: "Vigie o Senhor entre mim e ti, quando estivermos apartados um do outro" (Gn 31.49, V. R.). E Jacó afirmou que para além daquela coluna ninguém passaria com más intenções contra o outro (ver Gn 31.48-53). Samuel levantou uma pedra na fronteira com os filisteus, depois de havê-los derrotado. "...e chamou o seu nome Ebenézer; e disse: Até aqui nos ajudou o Senhor". E assim os filisteus foram subjugados, e nunca mais tentaram qualquer incursão no território de Israel (ver 1 Sm 7.12, 13).
  • 93. A GEOGRAFIA SAGRADA E O PLANEJAMENTO DE CIDADES PELO OCULTISMO O antropólogo norte-americano Johan Reinhard fez um extenso estudo sobre as montanhas dos Andes, no Peru e na Bolívia. Ao publicar seus achados na revista National Geographic, concluiu ele: "A paisagem não é apenas uma região de impressionante topografia, mas realmente é um complexo mapa religioso. As montanhas são marcos espirituais, prenhes de significação mágica".2 Reinhard asseverou que as montanhas sagradas estão ligadas umas às outras sob o Illimani, a divindade principal das montanhas, o qual classificaríamos como um espírito territorial. O artigo é ilustrado com mapas dos montes e lagos sagrados da cadeia dos Andes. Acerca de Machu Picchu, o berço do império inca, disse Reinhard: "A localização de Machu Picchu permite uma combinação de geografia sagrada e de alinhamentos astronômicos, talvez sem igual nos Andes".3 Fico espiritualmente alerta quando leio sobre os rios, lagos, fontes, florestas, parques, cidades e montes sagrados. Dizem as Escrituras: "Os montes trarão paz ao povo, e os outeiros justiça" (Sl 72.3). Satanás pretende bloquear o fluxo de bênçãos que Deus tenciona dar por meio de sua criação, razão pela qual atrai tantas pessoas para adorarem locais geográficos. Todavia, temos visto irrompimentos e uma atmosfera diferentes, depois de declararmos guerra espiritual em lugares que tenham sido dedicados aos demônios. Quando fazemos mapeamento espiritual, por muitas vezes descobrimos planejamentos de cidades por meio do ocultismo, cujas raízes se acham na Babilônia e no Egito. Isso está ocorrendo em cidades e subúrbios recém construídos, como aquilo que Víctor Lorenzo descreveu no capítulo sete deste livro. Na cidade de Babilônia, os portões da cidade eram dedicados aos deuses da cidade, e um zigurate foi erigido bem no meio da cidade. Em muitas capitais e cidades no mundo, encontramos obeliscos que, algumas vezes, são construídos no ponto zero, de onde são medidas todas as distâncias. Um obelisco é um símbolo fálico da maçonaria, vinculado à fertilidade e tendo um formato que era sagrado desde a remota Antigüidade, ao deus-sol dos egípcios, Rá
  • 94. ou Ré. Os obeliscos e os postes tótemes eram erigidos como marcos, nos distritos dos deuses a eles dedicados. A Meditação Transcendental está edificando na Suécia uma vila-modelo, em Skokloster, sob a direção de Maharishi, e de acordo com a arquitetura hindu védica, chamada Sthapatya-Veda, a ciência do meio ambiente perfeito para a vida. Essa ciência assegura que as casas deveriam saudar o sol, pelo que todas as suas entradas deveriam estar voltadas para o leste. Por igual modo, todas as casas e ruas deveriam ser edificadas formando uma espécie de tabuleiro, que se alinhe com certas linhas e pontos de poder, de modo a não perturbar o fluxo de energias psíquicas. A vila está sendo edificada como centro de meditação bem no meio, e cada casa dispõe de uma pequena torre de meditação. ORAÇÕES DE ATOS PROFÉTICOS As orações de atos proféticos só são efetuadas por ordem do Senhor, no tempo perfeito determinado por ele, de acordo com a estratégia que o Senhor tiver revelado a uma equipe de oração. Antes que Gideão contasse com o seu exército de trezentos guerreiros escolhidos, ele usou uma pequena força de espionagem de dez homens, em uma das primeiras histórias de ação guerrilheira do mundo. Gideão obedeceu à ordem do Senhor, dada durante a noite, e tomou dez de seus homens para derrubar o altar de seu pai, consagrado a Baal, tendo derrubado o poste-ídolo ao lado dele, para em seguida edificar um tipo de altar apropriado ao Senhor, no mesmo lugar (ver Jz 6.25-27). Foi uma oração de ação divinamente determinada. Elias é um grande exemplo para os intercessores. Veio a palavra do Senhor a Elias, dizendo: "Levanta-te, desce para encontrar-te com Acabe, rei de Israel... Eis que está na vinha de Nabote..." (1 Rs 21.17, 18). Elias foi ao encontro de Acabe, exatamente quando ele ia tomar posse da vinha, depois que Nabote havia sido assassinado. Por igual modo, o Senhor nos está dando tarefas divinas para que sejam cumpridas no lugar preciso, combatendo o mal nos lugares elevados.
  • 95. Parte do mapeamento espiritual consiste em pedir do Senhor palavras e visões proféticas em prol de igreja, cidades e nações... Deus levanta intercessores que cooperem com ele, precisamente quando estão prestes a ocorrer mudanças que poderiam abrir uma nação para o evangelho. As orações de ação profética estão especificamente ligadas às equipes de oração que são enviadas às linhas de fronteira de nações fechadas ao evangelho. Essas equipes viajam até povos não alcançados, a países muçulmanos, a áreas de desastres naturais, aos quartéis-generais do inimigo, às fortalezas das riquezas materiais e a lugares a que até mesmo anjos não gostam de ir. As orações de ação profética com freqüência são geradas por grupos que se reúnem sobre bases regulares para intercederem por cidades e nações. Orações contínuas em favor de cidades e nações formam uma base poderosa de onde nascem orações de ação profética, quando o Senhor fala com o grupo. Em seguida, uma equipe menor é, com freqüência, escolhida e enviada em jornadas de oração ou outras tarefas. Como líder de uma equipe de oração, acredito que Deus me tem como responsável pela proteção dos intercessores de minha equipe. Sempre pergunto a mim mesmo: Até onde poderemos avançar? Para o que o povo está preparado? Que prazo Deus está determinando para nós? Meus intercessores serão maduros no Espírito o suficiente para entender as coisas que estamos prestes a fazer? Deus nos mostra muitas coisas, a respeito da oração de guerra, que não seríamos sábios se as discutíssemos nas grandes reuniões de oração. Após uma dessas reuniões mais amplas, com freqüência convocamos um número menor de crentes dotados do dom de discernimento para que haja um intenso acompanhamento. Há ocasiões em que é prejudicial atrair a atenção do público em geral ou permitir que a imprensa faça as suas coberturas e dê as notícias.
  • 96. POR QUE CHAMAMOS DE "PROFÉTICAS" AS ORAÇÕES DE AÇÃO? Ao descobrirmos algumas orações de ação, usamos o adjetivo "profético", porquanto oramos para que uma palavra profética de Deus tenha cumprimento. Parte do mapeamento espiritual consiste em pedir do Senhor palavras e visões proféticas em prol de igrejas, cidades e nações. Os profetas da Bíblia referiram-se a palavras proféticas acerca de nações do Oriente Médio, como o Irã, o Iraque , o Líbano, a Etiópia e Israel. Quando, recentemente, fizemos uma jornada de oração profética ao Egito, oramos pelo cumprimento do capítulo dezenove de Isaías, uma profecia dirigida contra o Egito. Com freqüência usamos a palavra profética como uma arma, em nossas orações. Uma dimensão de tempo profético, na oração, também precisa ser considerada. O Senhor nos está treinando para reconhecermos a sua vontade acerca da questão de tempo certo. O Senhor quer que intercessores façam-se presentes nos pontos nevrálgicos da história, pois é ele quem "muda o tempo e as estações, remove reis e estabelece reis..." (Daniel 2.21). Por conseguinte, Deus levanta intercessores que cooperem com ele, precisamente quando estão prestes a ocorrer mudanças que poderiam abrir uma nação para o evangelho. Antes que possamos começar a edificar e implantar, é mister desarraigar, derrubar, destruir e arruinar as estruturas do império das trevas, conforme Deus disse a Jeremias (ver Jr 1.10). Por muitas vezes, o Senhor nos tem ordenado reunir o povo de Deus para orar, em certas datas, sem sabermos exatamente por qual motivo. Por três vezes temos sido levados a convocar conferências nacionais de oração, quando os grupos da Nova Era têm efetuado suas conferências de âmbito nacional. Começamos e terminamos ao mesmo tempo sem termos tido conhecimento anterior acerca do programa da Nova Era; mas de algum modo intuímos que Deus queria que nos dedicássemos à oração na presença dele. Em Madri, chegamos a acumular duas conferências simultaneamente. Em certas ocasiões, o Senhor nos tem exortado a orar quando há alguma atividade intensa de alto nível no mundo do ocultismo. Estes são dias em que o Reino de Deus está avançando e quando
  • 97. novas portas se estão abrindo para a Igreja. Mas a igreja local que dormita, enquanto Satanás mostra-se ativo, terminará deprimida e derrotada. Motivos Para a Oração de Ação Profética Os intercessores são convocados para servirem aos evangelistas e prepararem o caminho para a salvação de almas. São chamados como um ministério sacerdotal para se postarem diante do Senhor como representantes do povo crente, confessando os pecados do povo e pedindo misericórdia. O pecado individual impede que o crente tenha comunhão íntima com Deus. E o pecado coletivo impede que o Espírito de Deus se manifeste em uma comunidade. O Senhor tem planejado encher a terra inteira com a sua glória. Porém, no passado têm acontecido certas coisas que, infelizmente, velam a sua glória. Jesus falou aos líderes religiosos, em Jerusalém, acerca do pecado coletivo da cidade — o pecado de aquela cidade não ter recebido aqueles que tinham sido enviados pelo Senhor. "Assim, vós mesmos testificais que sois filhos dos que mataram os profetas. Enchei vós, pois, a medida de vossos pais" (Mt 23.31, 32). A culpa que nunca é resolvida torna-se um convite aberto para os poderes demoníacos. Antes de podermos amarrar o valente, precisamos tratar dos pecados que têm outorgado ao inimigo o direito legal de se instalar em algum lugar. O diabo e seus principados foram derrotados por Jesus, no Calvário, e não teriam sido capazes de continuar atuando se não dependessem de antigos convites feitos a eles, convites esses que nunca foram cancelados. O profeta Oséias acusou o povo de Israel de não ter resolvido um pecado que já vinha a duzentos e cinqüenta anos sendo cometido: "Desde os dias de Gibeá pecaste, ó Israel, e nisto permaneceste..." (Os 10.9, V. R. A.). Moisés instruiu os anciãos, quando estivessem numa cidade, sobre como deveriam cuidar de algum pecado coletivo. Depois que uma pessoa fosse achada morta no campo, sem que se soubesse quem foi o assassino, os anciãos da cidade próxima deveriam oferecer um sacrifício e orar: "Sê propício ao teu povo Israel, que tu,
  • 98. ó Senhor, resgataste, e não ponhas o sangue inocente no meio do teu povo Israel." E a intercessão teria o seguinte efeito: "E aquele sangue lhes será expiado. Assim tirarás o sangue inocente do meio de ti, pois farás o que é reto aos olhos do Senhor" (Dt 21.8, 9). E importante que compreendamos a diferença que se destaca aqui entre o pecado individual e o pecado coletivo. Quando os incrédulos se arrependem e confessam seus pecados pessoais, confiando em Jesus, eles são salvos. Ninguém mais pode tomar o lugar deles e confessar os pecados deles em lugar deles. No entanto, não sucede assim com o pecado coletivo. Os intercessores podem confessar o pecado coletivo, mesmo que não tenham participado pessoalmente dos pecados confessados; e, assim, alguma coisa que tenha desagradado a Deus pode ser removida. Quando isso sucede, Deus pode derramar o seu Santo Espírito, e, então, torna mais fácil para os incrédulos ouvirem o evangelho de Cristo, arrependerem-se de seus pecados e serem salvos. E assim que a intercessão em nível estratégico pavimenta o caminho para que haja um evangelismo eficaz. Esdras forneceu-nos exemplo disso. Quando ele agonizava diante de Deus, confessando os pecados de seus antepassados, clamou: "Desde os dias de nossos pais até ao dia de hoje estamos em grande culpa, e por causa das nossas iniqüidade fomos entregues, nós, os nossos reis, e os nossos sacerdotes, na mão dos reis das terras, à espada, ao cativeiro, e ao roubo, e à confusão de rosto, como hoje se vê" (Ed 9.7). SETE QUESTÕES CRUCIAIS ACERCA DO MAPEAMENTO ESPIRITUAL Até esta altura, tenho abordado alguns dos princípios fundamentais do mapeamento espiritual que temos podido respigar através de anos de orações de ação profética. Por meio da experiência, temos obtido algum discernimento sobre o tipo de pesquisa que é mais valioso do que outros, para conferir orientação aos pastores e intercessores, para que seja conquistada alguma cidade ou região para Deus. Sete perguntas cruciais, que temos descoberto serem as mais úteis, têm vindo à superfície quanto ao tipo de oração de guerra que Deus usa mais
  • 99. consistentemente no que diz respeito a mim e aos meus colegas. Outras perguntas, contudo, poderiam ser mais úteis do que essas, para aqueles que receberem outras tarefas a cumprir. 1. Quais são os deuses principais da nação? Quando o Senhor libertou o povo de Israel do Egito, disse: "...sobre todos os deuses do Egito farei juízos; eu sou o Senhor" (Êx 12.12). Quando oramos pela liberdade do povo da União Soviética, primeiramente preparamos uma lista de seus deuses e pedimos que o Senhor julgasse todos os seus deuses. Quando vou a alguma nação, usualmente procuro descobrir qual deus o presidente ou rei daquela nação costuma adorar, e quais deuses são adorados pelos grandes homens de negócios. O deus grego Hermes, cujo nome romano é Mercúrio, é honrado em muitas nações pela comunidade empresarial. Podemos encontrar a sua estátua em algumas das grandes bolsas de valores do mundo. Hermes é protetor dos homens de negócio, dos ladrões e dos oradores. De acordo com a mitologia grega, ele era o principal dos ladrões. Por detrás de muitos ídolos existem demônios que requerem adoração. Estando em Tóquio, sentimo-nos impulsionados a orar diante da Bolsa de Valores, e, em nome de Jesus, removemos Hermes de sua posição de protetor dos ladrões. Isso ocorreu por ocasião da cerimônia do Daijosi, descrita por Peter Wagner (ver o segundo capítulo deste livro). Depois de novembro de 1990, um caso após outro de corrupção foi desmascarado na Bolsa de Valores de Tóquio. E ela nunca mais foi a mesma coisa desde então, em uma situação que prossegue, enquanto escrevo este livro. Deus odeia a ganância, e talvez estejamos vendo nisso um julgamento divino. 2. Quais são os altares, os lugares elevados e os templos ligados à adoração dos deuses da fertilidade? Quando Abraão chegou à Terra Prometida, ele edificou um altar a Deus e invocou sobre ele o nome do Senhor (ver Gn 12.8).
  • 100. Erigir um altar era incluir um território no pacto entre Deus e o seu povo escolhido. Aquele território, por assim dizer, entrava em relação de pacto com o Senhor. Quando os pagãos edificam altares aos seus deuses, eles fazem o seu território entrar em pacto com os ídolos e com os anjos malignos que estão por detrás desses ídolos. Eis a maneira de tomar posse da terra: "Totalmente destruireis todos os lugares onde as nações que possuireis serviram os seus deuses, sobre as altas montanhas, e sobre os outeiros, e debaixo de toda a árvore verde; e derribareis os seus altares, e quebrareis as suas estátuas, e os seus bosques queimareis a fogo, e abatereis as imagens esculpidas dos seus deuses, e apagareis o seu nome daquele lugar" (Dt 12.2, 3). Essa é a chave para que nações sejam abertas para o evangelho. Nos tempos do Novo Testamento, fazemos isso mediante a oração de guerra. Antes de uma oração de ação profética, precisamos mapear todos os lugares altos e seus altares, dedicados a outros deuses. Também devemos pesquisar para descobrir se eles foram reativados e estão sendo usados hoje em dia por grupos que seguem as artes ocultas. 3. Líderes políticos, como reis, presidentes ou chefes tribais, têmse dedicado a algum "deus" vivo? Isso não é tão incomum como alguns poderiam pensar. O fundador de alguma nação foi exaltado para que viesse a ser adorado como se fosse uma divindade? Temos encontrado poetas, heróis, santos e generais nacionais elevados à posição de deuses, após a sua morte. Sempre que reis ou líderes políticos se têm tornado deuses, sendo adorados por seus súditos, eles têm tomado o lugar que pertence legitimamente a Jesus. O imperador do Japão é um exemplo disso, conforme Peter Wagner salientou (ver o segundo capítulo deste livro). Entre as tribos e nações que resistem ao evangelho, por muitas vezes achamos essa lealdade que serve de obstáculo à liberdade do evangelho. Esse é um método com freqüência usado hoje em dia pelos ditadores, para criarem uma falsa unidade e uma obediência cega da parte dos habitantes. Deus enviou um anjo para derrubar Herodes, que estava aceitando adoração como
  • 101. se fosse um deus vivo. E, depois que esse empecilho foi removido, Lucas foi capaz de escrever: "E a palavra de Deus crescia e se multiplicava" (At 12.24). 4. Tem havido derramamento de sangue, um poluente da terra? Durante o reinado de Davi, a fome se instalou no país por três anos sucessivos. Davi buscou a face do Senhor, e o Senhor disse: "É por causa de Saul e da sua casa sanguinária, porque matou os gibeonitas" (2 Sm 21.1). Davi tratou da culpa de sangue, que estava provocando escassez de alimentos, segundo as normas do Antigo Testamento, e Deus respondeu às orações em favor da terra. A colheita foi salva de posteriores destruições. 5. Como foi lançada a pedra fundamental da cidade ou nação em pauta? "E os que de ti procederem edificarão os lugares, antigamente assolados; e levantarás os fundamentos de geração em geração; e chamar-te-ão reparador das roturas, e restaurador de veredas para morar" (Is 58.12). Um grupo de pesquisas estudou a história de Sidnei, na Austrália, e descobriu que toda uma tribo de aborígines fora varrida do mapa quando a cidade foi construída. Outra cidade tinha sido fundada mediante documentos forjados. O fundador da cidade precisara fugir quando se descobriu que aqueles que tinham vendido aquelas terras tinham sido enganados. Em certa área tribal foi fundada uma cidade mediante um tratado feito com uma tribo. Mas pouco depois o tratado foi quebrado, mas aqueles que tinham violado o tratado com a tribo em foco subseqüentemente fizeram ruas serem chamadas por seus nomes. E quando as pessoas da tribo percorrem hoje em dia por aquelas ruas, são lembradas das pessoas desonestas que as iludiram. Aalborg, na Dinamarca, foi originalmente fundada como um mercado de escravos, onde os vikings podiam vender seus prisioneiros de guerra como escravos. Uma cidade fundada em
  • 102. cima de tanto sangue e crime naturalmente está debaixo de uma maldição. Não admira que as igrejas não possam crescer em um solo amaldiçoado ou que algum anjo negro de Satanás tenha podido estabelecer ali o seu trono, desde o começo da cidade. Disse o Senhor por meio de Ezequiel: "Derribarei a parede que rebocastes de cal não adubada, e darei com ela por terra, e o seu fundamento se descobrirá..." (Ez 13.14). Por intermédio do mapeamento espiritual, o Senhor está hoje deixando desnudos os alicerces, conforme Víctor Lorenzo demonstra acerca de La Plata, Argentina (ver o sétimo capítulo deste livro). 6. Como têm sido recebidos os mensageiros de Deus? "E, se ninguém não vos receber, nem escutar as vossas palavras, saindo daquela casa ou cidade, sacudi o pó dos vossos pés" (Mt 10.14). Esse ato fará o julgamento de Deus sobrevir a uma cidade que se mostre assim pouco acolhedora. Um pastor de Mallakka, na Malásia, disse-me que a sua igreja não crescia, e que outras igrejas da cidade também não cresciam. Alguma coisa estava bloqueando os seus esforços evangelísticos. Então veio um profeta da Inglaterra a Mallakka, que tinha lido a história de como o missionário católico-romano, Francisco Xavier, havia deixado a cidade de Mallakka. O povo não deu ouvidos a Xavier, pelo que ele subiu a um monte e literalmente sacudiu o pó de seus pés. O profeta inglês levou um grupo de pastores de Mallakka até ao mesmo monte, onde arrependeram-se em lugar dos antigos habitantes, porque a cidade não tinha recebido um servo de Deus fazia mais de quatrocentos anos. Assim a maldição foi interrompida e o pastor disse que a partir daquele dia a sua igreja começou a crescer. Existem outras igrejas e cidades debaixo do julgamento de Deus, por não terem recebido servos de Deus, razão por que aquele solo é tão estéril. 7. Como foram edificadas as antigas sedes de autoridade? O mapeamento espiritual, com vistas às orações de ação profética, nos conduz a novas áreas.
  • 103. Para exemplificar, em algumas nações africanas, onde já há uma elevada porcentagem de crentes nacionais, o tempo está maduro para que mais nacionais sejam postos em posições de liderança. Quando oramos em favor de eleições e de candidatos evangélicos, temos descoberto que precisamos desmantelar as antigas sedes de autoridade, para que haja líderes piedosos em posições de autoridade. Precisamos da mais elevada precisão de pontaria para atingir o inimigo, em seu ponto mais vulnerável. Na batalha, a sabedoria consiste em obter a vitória sem desperdiçar munição. As antigas sedes de autoridade com freqüência foram edificadas mediante acordos com os ídolos. O ofício presidencial talvez tenha sido dedicado ao mais poderoso espírito territorial do presente, como também aos mortos — seus ancestrais. Desse modo, uma sede de poder foi dedicada a um deus após outro, e todos eles têm certas reivindicações sobre o ofício. Antes de um golpe que vise a derrubar um presidente, cobras e rãs podem ter sido sacrificadas a fim de que o golpe tenha sucesso. Talvez tenha havido conselhos de algum médico-feiticeiro, que recebeu uma nova limusine Mercedes quando o golpe obtivesse bom êxito. Logo, precisamos mapear as sedes nacionais de poder, para que possamos orar com maior eficácia. Precisamos, portanto, indagar: "Se as sedes de autoridade têm espíritos, podem elas ser identificadas?" COMO USAMOS O MAPEAMENTO ESPIRITUAL? O mapeamento espiritual com freqüência é usado como confirmação de coisas que já pudemos ver no Espírito. Uma vez que a nossa estratégia de guerra espiritual seja confirmada a partir de várias fontes, então poderemos avançar com maior ousadia. Se o Senhor revelar-nos o nome do valente de uma cidade, isso terá de ser confirmado pelas Escrituras e pela história. Se tal valente tiver estado nas imediações por centenas de anos, então certamente ele terá deixado impressas as suas pegadas na história
  • 104. e na geografia da cidade. E tudo quanto precisamos saber sobre o nosso inimigo e suas tropas também foi revelado na Bíblia. Usamos o mapeamento espiritual quando planejamos a nossa estratégia de oração. Que tipo de armas espirituais devemos usar? Qual é a natureza do campo de batalha? Em qual ordem de seqüência deveremos abordar as questões sobre as quais oraremos? Deve haver confissão antes de começar a guerra. Primeiramente, cancelamos os convites feitos ao valente espiritual, antes de podermos ordenar que ele se vá embora. As pesquisas nos ajudam no que diz respeito ao tempo e aos lugares que visitaremos. O mapeamento espiritual mostra-nos quem deveria estar envolvido. Quando tratamos do comércio escravagista, por exemplo, convidamos representantes das nações que estiveram envolvidos no comércio escravagista, para que se arrependam em favor de suas nações. Na ocasião em que abordamos a questão da Inquisição Espanhola, convidei um descendente direto de uma família judaica que tinha sido expulsa da Espanha, a fim de participar da equipe. Não nos devemos sentir escravizados à nossa pesquisa. Não usamos todo o material preparado por pesquisadores cuidadosos. Davi tinha cinco pedras quando se encontrou com o gigante Golias, em campo de batalha, mas ele usou apenas uma daquelas pedras a fim de vencer o gigante. Precisamos de uma grande precisão de pontaria para atingirmos o inimigo em seu ponto mais vulnerável. A sabedoria na batalha consiste em obter a vitória sem desperdiçar munição. Depois de termos realizado uma pesquisa e de termos apresentado o nosso mapeamento espiritual aos líderes da cidade em pauta, usualmente indagamos: "Vocês já cuidaram antes dessas coisas, em oração?" Não queremos repetir o que pastores e igrejas já fizeram. De certa feita fomos aos pastores da cidade de Berlim e perguntamos: "Vocês já cuidaram da culpa de sangue desta cidade, considerando que a Segunda Guerra Mundial começou em Berlim, tendo causado a morte de milhões de pessoas?" "Nunca pensamos sobre isso, e nunca ouvimos alguém confessar essa culpa de sangue em alguma igreja", foi a resposta que recebemos.
  • 105. Algumas vezes, o mapeamento revela fatos até ali desconhecidos, sobre áreas a respeito das quais já havíamos orado. E isso confere-nos maior liberdade para tratar daquela área, munidos de um novo nível de compreensão. Orando em Moscou, na Sede da KGB Em outubro de 1987, organizamos uma oração de ação profética em Moscou, em conexão com as celebrações do septuagésimo aniversário da Constituição Comunista Soviética. O profeta Daniel entendeu que era chegado o tempo certo para ele interceder em prol do livramento de seu povo, depois dele ter descoberto a promessa de libertação, que ocorreria após setenta anos de cativeiro na Babilônia. O Senhor demonstrou seu poder ao estabelecer os limites de tempo das potestades malignas. O Senhor nos deu fé para perceber que esse mesmo limite havia sido estabelecido para a opressão comunista que oprimia a crentes e judeus refugiados. Tínhamos discernido cinco alvos de oração para aquela noite, em Moscou, e um desses alvos era o quartel-general da KGB, a polícia secreta soviética. Para aquela oração de ação foi distribuído material pesquisado acerca da KGB a doze pessoas na equipe de oração. Ouvimos uma preleção de duas horas sobre a organização da KGB. A KGB tinha dezenove mil oficiais e quatrocentos mil agentes que trabalhavam por toda a União Soviética. Ao redor do mundo inteiro eles dispunham de meio milhão de informantes. O seu fundador foi Dzerzinsky, e a sua estátua fora erigida na praça defronte da prisão de Ljublanka. No mapa de Moscou, foram assinalados lugares vinculados à KGB, onde eles treinavam os seus agentes, bem como a universidade Lumumba, onde recrutavam os seus agentes provenientes de outras nações. A um minuto depois da meia-noite entre 17 e 18 de outubro de 1987, começamos a nossa oração de ação, perto do quartelgeneral da KGB. Tínhamos recebido duas palavras de conhecimento, da parte de um intercessor israelense e de uma irmã na Escócia, ambos os quais disseram que nos tinham visto orando em um túnel. Defronte do quartel da KGB há uma estação subterrânea, com um túnel de passagem debaixo da praça.
  • 106. Descobrimos que esse túnel passava exatamente por baixo da estátua de Dzerzinsky. O Senhor havia provido um lugar onde poderíamos orar com liberdade, sem sermos perturbados por quem quer que fosse. Penetramos no túnel, e ninguém mais passou por ali, durante todo o tempo em que estivemos orando. Ali proclamamos o Mene, Mene, Tekel e Parsim, o escrito na parede que tinha anunciado a queda do império babilônico (ver Dn 5.25). E oramos: "No nome de Jesus, te amarramos, poder de Faraó, poder controlador de Assur, e te deixamos caído aos pés de Jesus. Proclamamos que tua sepultura foi preparada. Cortamos a tua influência pelas raízes". A 22 de agosto de 1992, foi removida a estátua do fundador da KGB. Os arquivos secretos da KGB foram dados a público. Não há mais crentes naquela prisão Os refusniks (refugiados) judeus estão voltando para Israel. TRATANDO AS RAÍZES DA ESCRAVIDÃO NA ÁFRICA Em julho de 1992, os líderes de oração na África Ocidental convocaram intercessores do mundo inteiro para virem e ajudarem a efetuar uma tarefa intercessória histórica na Nigéria e na África Ocidental. Essa tarefa consistia em tratar com as raízes da escravidão, que continuam afetando a mentalidade dos africanos. Líderes negros na África têm ameaçado a sua própria gente, da mesma maneira que traficantes brancos de escravos têm tratado os escravos. A escravatura continua existindo na Mauritânia e entre algumas tribos do Sudão. Preparando-nos para a conferência de oração em Lagos, na Nigéria, fizemos um estudo sobre o tráfico negreiro. O mapeamento foi efetuado na antiga costa de escravos, famosa por seu comércio escravagista. Obtivemos informações sobre os portos de escravos e sobre as fortalezas onde eram mantidos os escravos, em masmorras, antes de passarem pelo portão sem retorno. Durante quatrocentos anos, oitenta milhões de escravos foram transportados em navios que partiam da ilha de Goree, perto de Dacar. Aquele era um lugar cruel de seleção, onde decidiam quais poderiam ser aproveitados para serem embarcados para os
  • 107. Estados Unidos da América. Os demais eram lançados aos tubarões, ou eram deixados para morrer à míngua. Durante o período de protestos de arrependimento que tivemos, ficamos surpresos ao ver tantos africanos confessarem que seus antepassados tinham tomado parte na campanha de conquista de escravos, os quais eram vendidos aos negociantes de escravos. Uma enfermeira de Gana chorou e confessou que seu pai lhe havia dito, com muito orgulho, que a tribo dele tinha vendido escravos. Hoje, as famílias que lucraram com a venda de escravos, gerações atrás, estão enfrentando problemas que o dinheiro não pode resolver. Após a conferência de oração que abordou as raízes da escravidão, mediante arrependimento e oração de guerra, enviamos as nossas equipes para orarem nos centros e portos de escravatura, ao longo da costa da África Ocidental. Sentimos que essa jornada de oração profética à África Ocidental não derrubou todas as fortalezas do inimigo, que estão sendo usadas para manter em servidão grandes contingentes populacionais tanto de negros quanto de brancos. Entretanto, parte do pecado coletivo, arraigado no comércio escravagista, certamente foi confessado e remido. Mas muito mais precisa ser feito nesse campo, e acredito que isso será feito em um futuro bastante próximo, conforme o Espírito Santo continuar falando às igrejas a respeito da guerra espiritual em nível estratégico. Pelo mundo inteiro, Deus está levantando grandes números de intercessores para reforçar o exército espiritual. Um dos grandes auxílios para os intercessores será uma crescente atividade quanto a um mapeamento espiritual inteligente, caracterizado pelo discernimento e pela sensibilidade diante do cronômetro de Deus. Perguntas para refletir 1. Kjell Sjöberg fala de uma pessoa que se matriculou em um congresso de espiritismo a fim de realizar espionagem espiritual. Você acha que todos os crentes deveriam fazer coisas assim? Em caso negativo, quem deveria fazê-lo, e quem não deveria? 2. Discuta a importância espiritual das fronteiras políticas. Por que é importante orar ao longo dessas fronteiras? Que acontece então?
  • 108. 3. Algumas descrições veterotestamentárias de oração de ação parecem estranhas. Não é com freqüência que pensamos que Deus continua desejando tais coisas. Mas, ao que tudo indica, é isso que está sucedendo. Qual é a sua opinião acerca disso hoje em dia? Apresente as suas razões. 4. Procure aplicar, uma por uma, as sete perguntas de Kjell Stöberg à sua cidade ou nação. 5. Por que pomos em prática o mapeamento espiritual? Reveja as razões apresentadas por Sjöberg e discuta-as. Notas 1. NEE, Watchman. The Prayer Ministry of the Church [O Ministério de Oração da Igreja - Ed. Vida]. Nova Iorque, NI, Christian Fellowship Publishers, Inc. p. 47. 2. REINHARD, Johan. "Sacred Peaks of the Andes", National Geographic, março de 1992, p. 93. 3. Idem, ibidem, p. 109. Parte II: A PRÁTICA 5. DERROTANDO O INIMIGO COM A AJUDA DO MAPEAMENTO ESPIRITUAL Por Haroldo Caballeros
  • 109. Haroldo Caballeros é fundador e pastor da Igreja El Shaddai, na cidade de Guatemala, uma igreja com vários milhares de membros. Ele era advogado, antes de Deus chamá-lo para o ministério. Viajava muito, ensinando aos líderes evangélicos de muitas nações como guerrear espiritualmente. Haroldo serve como coordenador de área da Spiritual Warfare Network e como representante latino-americano da United Prayer Track do Movimento A.D. 2000 e Além. O seu ministério interdenominacional, Jesus E Senhor, da Guatemala, conta com mais de vinte mil intercessores na Guatemala. A Guerra do Golfo Pérsico, em 1991, foi diferente de todas as guerras anteriores. Sua curta duração, o vasto e diversificado nível de tecnologia, e as comunicações e informações altamente sofisticadas que coordenaram as forças aliadas, tudo contribuiu para a obtenção do alvo, com pouquíssimas perdas de vidas. A maioria dos entendidos concorda que a tecnologia sofisticada foi o principal fator que permitiu essa vitória sem grande perda de vidas humanas. O mapeamento espiritual fornece-nos uma imagem ou fotografia espiritual da situação nos lugares celestiais acima de nós. O que uma chapa de raios-X é para um cirurgião, o mapeamento espiritual é para os intercessores. MAPEAMENTO ESPIRITUAL O mundo natural é apenas um reflexo do mundo espiritual, e sempre houve conexão entre esses dois mundos. Nós, que estamos interessados na guerra espiritual, estamos buscando constantemente uma tecnologia espiritual aprimorada. O trecho de Isaías 45.1-3 ajuda-nos a perceber que Deus revela novas informações a seu povo, a fim de que possamos desempenhar melhor o nosso papel e obter a vitória. Podemos esperar que, se Deus adiantou-se a Ciro, o seu "ungido", então é provável que ele fará a mesma coisa em nosso favor, hoje em dia. Ele preparará o nosso caminho à nossa frente (v. 2), fornecer-nos-á os tesouros das
  • 110. trevas e as riquezas ocultas dos lugares secretos (v. 3), a fim de subjugar nações. A população do mundo cresce cada vez mais, e estamos enfrentando um desafio estonteante — três bilhões e seiscentos milhões de pessoas que ainda não ouviram o evangelho! Entretanto, nosso Deus é soberano e está revelando novas e melhores estratégias, para que possamos atingir esses bilhões em nossa própria geração. Estou convencido de que o mapeamento espiritual é uma dessas revelações. Esse é um dos segredos divinos que nos ajuda a abrir nossos "detectores" espirituais, e que nos mostra a situação da humanidade conforme Deus a vê, ou seja, espiritualmente, e não como nós a vemos, naturalmente. Se eu tivesse de definir o mapeamento espiritual, então diria: É a revelação de Deus sobre a situação espiritual do mundo no qual vivemos. É uma visão que vai além de nossos sentidos naturais, e, pelo Espírito Santo, revela-nos onde estão as hostes espirituais das trevas. O mapeamento espiritual fornece-nos uma imagem ou fotografia espiritual da situação nos lugares celestiais acima de nós. O que uma chapa de raios-X é para um cirurgião, o mapeamento espiritual é para os intercessores. Trata-se de uma visão sobrenatural que nos mostra as linhas, a localização, o número, as armas do inimigo, e, acima de tudo, como o inimigo pode ser derrotado. O mapeamento espiritual desempenha o mesmo importante papel que a espionagem e o exame de campo do inimigo desempenham durante uma guerra. Esse mapeamento é um instrumento espiritual, estratégico e sofisticado, que é poderoso em Deus para ajudar na destruição das fortalezas do adversário. Também deveríamos sublinhar outro aspecto de nossa visão sobrenatural, a saber, os milhões de anjos que Deus tem enviado para ministrar àqueles que herdam a salvação (ver Hb 1.14). Os anjos obedecem ao chamamento do Senhor. Eles são guerreiros espirituais que, como um exército disciplinado, recebem as suas ordens da parte do próprio céu. Eles saem em nosso socorro e nos ajudam a derrotar o inimigo (ver Dn 10.13; Sl 91.11 e Ap 12.7). O mapeamento espiritual é um campo relativamente novo em nossas comunidades evangélicas; coletivamente, estamos
  • 111. aprendendo muito. Contudo, há um consenso bastante pronunciado sobre várias importantes premissas teológicas, que passo agora a iluminar. Elas são úteis para aqueles que querem começar a estudar esse campo. NOSSA PRINCIPAL TAREFA Os habitantes deste mundo podem ser divididos em dois grandes grupos gerais: 1. Os Crentes. Aqueles que, "segundo a sua misericórdia", foram salvos "pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo" (Tt 3.5). O apóstolo Paulo afirma que esses são seres humanos espirituais, capazes de discernir todas as coisas por um ângulo espiritual (ver 1 Co 2.14, 15). A esse grupo de pessoas chamamos de o Corpo de Cristo, ou seja, a Igreja. 2. Os Incrédulos. São os que ainda não tiveram um encontro salvífico com Jesus Cristo, o Senhor e Salvador. Milhões de pessoas que vivem debaixo da escravidão ao diabo, ao pecado e à ignorância não podem desvencilhar a si mesmas dessa horrenda servidão. Os incrédulos do mundo devem ser encarados como o objeto de nossa formidável tarefa. Conquistar os perdidos é o grande desafio para todos nós, que somos crentes, sendo a principal razão para livros como este. Por que continuamos vivos neste mundo? Por que não somos automaticamente trasladados para o céu quando nos convertemos? Somente por ficarmos neste mundo, ficaremos "mais salvos", "mais justificados" ou "mais santificados"? O objetivo central da Igreja na terra é cumprir os propósitos de Deus. "...Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade" (1 Tm 2.3, 4). E também: "O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se" (2 Pe 3.9).
  • 112. Em outras palavras, aquela porção da população da terra que perfaz a Igreja tem, como seu propósito mais importante, colaborar com Deus, a fim de que ela e o Senhor possam atingir aqueles que ainda não reconheceram a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador. O DEUS DESTA ERA E A SUA ESTRATÉGIA Muitas pessoas que ainda não receberam a Cristo como seu Senhor e Salvador não o fizeram ainda porque não podem. E não podem simplesmente porque Satanás os tem cegado e os mantém cativos. Por muitas vezes nos queixamos sobre alguém que, segundo todas as aparências, não quer receber o evangelho, sem pararmos para pensar que a ausência de desejos dos tais pode não ser a verdadeira razão. Qualquer pessoa razoável, a quem a luz seja exibida, preferirá a luz e não as trevas. Mas existem aqueles que não podem ver a luz. Por muitas vezes desdenhamos de uma comunidade, de uma região ou de uma nação quando dizemos: "Eles não querem receber o evangelho naquele lugar!" É mister que entendamos que o verdadeiro problema usualmente tem natureza espiritual A maioria das pessoas, de muitas regiões geográficas, vive na cobertura das trevas, o que constitui uma venda sobre os seus olhos. Paulo refere-se a essas pessoas como indivíduos "nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus" (2 Co 4.4). A evangelização torna-se uma tarefa difícil quando a nossa própria atitude é negativa. Conforme salientou Cindy Jacobs em seu livro, essa atitude pode até ser uma fortaleza espiritual que está sendo usada pelo inimigo (ver o terceiro capítulo deste livro). Cindy citou a definição de Ed Silvoso acerca de uma fortaleza mental: "uma mente que fica impregnada pela desesperança, levando o crente a aceitar, como imutável, aquilo que ele sabe ser contrário à vontade de Deus". Em nossa igreja, na Guatemala, tentamos derrubar essa fortaleza ao operar de acordo com esse princípio: ninguém é inatingível!
  • 113. Que o leitor me permita enfatizar este princípio. Embora possa haver exceções, supomos que as pessoas para quem estamos testificando não recebem Cristo porque não podem. Satanás "cegou os entendimentos dos incrédulos", em consonância com 2 Coríntios 4.4. Nossa tarefa, por conseguinte, é combater a batalha espiritual em favor deles, até que a sua cegueira seja removida e os cativos sejam libertados. A REALIDADE DA GUERRA ESPIRITUAL A guerra espiritual é o conflito entre o Reino da Luz e o reino das trevas, que é o império de Satanás. Esses dois reinos estão competindo pelas almas e espíritos das pessoas que habitam o globo terrestre. Isso resulta em uma batalha permanente, que envolve dois reinos, o reino visível e o reino invisível. A batalha espiritual que ocorre nos lugares celestiais, na dimensão invisível, tem início nos corações das pessoas, mas seu efeito final faz-se sentir nesta terra, a dimensão visível. Aqueles que estão envolvidos nesse conflito são os seguintes: No Reino de Deus: 1. Deus Pai 2. Jesus Cristo 3. O Espírito Santo 4. Os anjos de Deus 5. A Igreja. No centro desse conflito estão os seres humanos. A humanidade perdida é a razão dessa batalha. Os incrédulos, como é claro, são vistos muito mais ao lado do reino das trevas, porquanto são escravos do pecado e filhos da desobediência. Disse Cristo a respeito deles: "Vós tendes por pai ao diabo" (Jo 8.44). Ao mesmo tempo, reconhecemos que há sempre uma batalha espiritual que gira em torno dos crentes, os quais já se acham no Reino de Deus. Pois embora os crentes já se encontrem no Reino de Deus, ainda são atacados pelo diabo, que persegue a Igreja na tentativa de fazer estacar o progresso do plano de Deus.
  • 114. Por outra parte, o reino das trevas compõe-se de: 1. O diabo 2. Os principados 3. As potestades 4. Os governantes das trevas deste século 5. As hostes espirituais do mal, nos lugares celestiais 6. Muitas categorias de anjos das trevas referidos na Bíblia, incluindo poderes, domínios e todo nome que se nomeia, não só neste mundo, mas também no mundo por vir (Ef 1.21). O Papel dos Crentes Nesse Conflito Em face do conhecimento que temos da Palavra de Deus, compreendemos que Deus já fez a parte que lhe toca. Certamente ele é a maior pessoa da Triunidade, no Antigo Testamento. No Novo Testamento, Jesus Cristo é destacado como aquele que derrotou pessoalmente o diabo, na cruz do Calvário, aquele que, tendo despojado "os principados e potestades, os exibiu publicamente e deles triunfou na mesma cruz" (Cl 2.15, V. R.). A terceira pessoa da Triunidade, o Espírito Santo, está em nosso meio hoje em dia, com a finalidade de guiar-nos, como filhos de Deus. Os próprios anjos de Deus, que se mantêm atentos à sua voz e têm grande poder, a fim de cumprir a palavra dele estão esperando que a Igreja torne conhecida a multiforme sabedoria de Deus aos principados e poderes, nos lugares celestiais (ver Ef 3.10). Isso, pois, indica que a Igreja tem um papel-chave a desempenhar. E a Igreja somos nós! Em conseqüência, podemos ver um importante aspecto de nossa guerra espiritual como um esforço envidado pela Igreja a fim de remover o véu da cegueira que foi posto sobre os incrédulos, por parte do diabo. Nós cumprimos duas tarefas básicas: (1) Rasgamos o véu de trevas mediante a intercessão em nível estratégico, derrubando-o por meio da Palavra de Deus e do nome de Jesus (ver Ef 6.17, 18). (2) Nós envidamos esforços evangelísticos (Ef 6.15, 19). Proclamamos a Palavra de Deus de uma maneira que faz as
  • 115. pessoas tornarem-se vulneráveis à luz do evangelho, que agora pode brilhar sobre elas, porquanto a cegueira delas foi curada. Muitos aceitam a Cristo, e Deus os liberta do poder das trevas e os faz ingressar no Reino de seu Filho amado. NATUREZA DA GUERRA ESPIRITUAL 1. A guerra espiritual não é um fim em si mesmo. Mas é uma arma poderosa que, quando usada como parte integral do evangelismo, pode aumentar a possibilidade de conduzirmos outras pessoas aos pés de Cristo. Dentro desse contexto, o mapeamento espiritual é um recurso estratégico que nos permite localizar o poder do inimigo, que impede um evangelismo mais frutífero. 2. As características bem reconhecidas da guerra espiritual são estas: (a) "Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais" (Ef 6.12); e (b) "Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas" (2 Co 10.4). 3. Um fato que parece ter sido ocasionalmente esquecido é a importância da persistência e da constância. O nível estratégico da guerra espiritual que trata com espíritos territoriais sobre cidades e nações completas não consiste em entreveros isolados, mas em uma guerra franca e aberta. Isso envolve uma constante sucessão de hostilidades; não uma única batalha, mas múltiplas batalhas. O resultado final é certo: "Depois virá o fim, quando tiver entregado o reino a Deus, ao Pai, e quando houver aniquilado todo o império, e toda a potestade e força" (1 Co 15.24). Sumariando, cumpre-nos entender que o nosso papel humano na guerra espiritual é decisivo, e que o nosso envolvimento como guerreiros de oração não é opcional, mas indispensável no cumprimento da Grande Comissão que Deus nos confiou. O próprio Jesus Cristo, ao descrever a agenda de seu ministério em cinco facetas, dedicou duas dessas facetas ao tema da necessidade de libertar aqueles que estão sendo mantidos cativos (ver Lc 4.18, 19).
  • 116. O ELO ENTRE OS REINOS ESPIRITUAL E TERRENO A interconexão entre o reino invisível ou espiritual e a sua contraparte, o reino visível ou terreno, é um tema extremamente importante para nós considerarmos. Cada um dos reinos espirituais que estão em conflito tem a sua própria contraparte terrena. Nenhum de nós duvida da existência de um exército que representa o Reino de Deus, composto por anjos; e também não há dúvidas quanto a outro exército organizado, composto por demônios, que servem o reino das trevas. Tanto Miguel quanto os seus anjos, como também Satanás e seus anjos caídos, são vividamente descritos no capítulo doze de Apocalipse. Mas precisamos saber mais acerca de como esses dois exércitos relacionam-se com os seres humanos, que servem a esses dois reinos, aqui na terra, e como isso afeta a nossa vitória final sobre o império do mal. O Reino da Luz dispõe de servos terrenos de Deus, os quais trabalham para produzir fruto para Deus. Esses servos são comumente divididos em dois subgrupos: (1) Aqueles chamados para o ministério integral (como apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres) e (2) os restantes irmãos e irmãs, membros do Corpo místico de Cristo, chamados de "ministros de uma nova aliança" (2 Co 3.6). O primeiro desses grupos geralmente é considerado como aqueles que ocupam a primeira linha da batalha. Entretanto, esse primeiro grupo pouco conseguiria fazer sem a ajuda e a cooperação constantes do segundo grupo, que geralmente contribui com a maioria dos intercessores, que são aqueles guerreiros da oração sem os quais a vitória não seria possível. E o reino das trevas também conta com seus servos. Em um dos grupos há ministros de tempo integral, que usualmente recebem nomes como bruxos, feiticeiros, xamãs, feiticeiras, canais, sacerdotes e sacerdotisas satânicas, e assim por diante. Esses, juntamente com os líderes dos cultos e das seitas satânicas, dedicam as suas vidas à proclamação dos enganos pespegados
  • 117. pelo diabo, com o propósito de arrastar pessoas para o cativeiro do reino do qual fazem parte. Imediatamente depois desses, acha-se o grupo que nos causa a maior tristeza. Esse grupo é formado por todas aquelas pessoas que, por não terem ainda recebido a Cristo, continuam debaixo do manto da morte espiritual, sendo manipulados, em diferentes graus, pelo diabo e por seus demônios. Essas pessoas, em sua ignorância, constituem o exército terreno que o diabo usa. Ter conhecimento da interação que se dá entre o exército terreno e os principados e potestades dos ares ajuda-nos na obtenção da vitória. O que poderia ser melhor para um exército invasor do que saber qual a posição ocupada pelo inimigo, detectar a localização de seus quartéis-generais e interceptar seus meios de comunicação? É precisamente isso que o mapeamento espiritual procura realizar. UM SONHO REVELADOR Uma irmã de nome Mirella, que freqüenta a nossa igreja, chegou até mim e me disse: "Pastor, tive ontem um sonho que me causou uma profunda impressão, embora eu não tenha entendido o seu significado. Esta manhã, quando eu estava orando e perguntando a Deus qual a interpretação do sonho, ele me disse: 'Este sonho não foi para ti. Vai e conta o sonho ao pastor, visto que o sonho foi para ele'". Desnecessário é dizer que ela chamou a minha atenção, mas ela nem imaginava ser aquela a maneira pela qual Deus queria alterar a maneira como nossa igreja ora. E isso teria implicações a longo prazo, tanto para a nossa igreja quanto para o nosso país. O sonho foi o seguinte: Mirella viu três cidades dos Estados Unidos, que ela chamou por seus nomes, e que ela identificou sem a menor hesitação. E então ela viu que uma corda unia as três cidades — uma corda invisível e transparente, mas que ela podia ver. Formou-se um triângulo, quando a corda ligou as três cidades, e três mãos apareceram, cada qual segurando um dos lados do triângulo. Ela disse que a parte mais estranha do sonho foram as mãos. Eram mãos ásperas, quase rústicas. Pareceram-lhe como as
  • 118. mãos de um homem vigoroso. Isso era tudo quanto eu precisava saber. Quem É o Valente? Alguns dias antes disso, eu tinha meditado consideravelmente sobre as três referências, nos evangelhos sinópticos, ao "valente". 1. Mateus 12.29: "Ou, como pode alguém entrar em casa do homem valente e furtar os seus bens, se primeiro não maniatar o valente, saqueando então a sua casa?" 2. Marcos 3.27: "Ninguém pode roubar os bens do valente, entrando-lhe em sua casa, se primeiro não maniatar o valente; e então roubará a sua casa". 3. Lucas 11.21,22: "Quando o valente guarda, armado, a sua casa, em segurança está tudo quanto tem; mas, sobrevindo outro mais valente do que ele, e vencendo-o, tira-lhe toda a sua armadura em que confiava, e reparte os seus despojos". Meu interesse foi atraído pela palavra "homem", dentro do sonho da irmã Mirella. Por que essa palavra é usada com tanta freqüência nas Escrituras? Por que um homem vigoroso? Por que não espírito ou principado ou potestade vigoroso? E por que tinha de ser, especificamente, um "homem"? Comecei a perceber que Deus estava falando ali da interação entre seres humanos e a dimensão espiritual. E apenas natural que todos os exércitos tenham o seu líder, um general ou capitão, que baixa ordens e decide o que se deve fazer. Esse homem poderia ser chamado de valente do exército. Sabemos que alguns homens têm mostrado ser servos extraordinariamente malignos de Satanás, como Nero ou Adolfo Hitler. Ambos foram instrumentos humanos poderosos, em favor do mal, para fazerem aquilo que o diabo sabe fazer melhor — roubar, matar e destruir. Poderíamos chamá-los, com toda a exatidão, de valentes de envergadura mundial. A realidade é que o diabo escolhe aqueles que se disponham a servi-lo e eleva-os como grandes líderes da terra. É óbvio que um
  • 119. líder assim pode influenciar muitas pessoas, e, por conseguinte, pode causar imensa destruição. Esses líderes humanos agem como valentes de Satanás e representam as características dos principados aos quais servem. Acredito que esses valentes humanos recebem tarefas, na terra, da parte dos principados e das potestades do mal, para servirem aos seus propósitos. Tais homens cultivam uma relação íntima e direta com os demônios, por meio de suas atividades ocultas. Temos o exemplo da relação entre o príncipe de Tiro e o rei de Tiro, em Ezequiel 28.2 e 12. O profeta Daniel fornece-nos outro exemplo sobre o príncipe da Pérsia e o príncipe da Grécia, os quais, como é óbvio, eram seres espirituais que exerciam relação e influência diretas sobre os impérios da Pérsia e da Grécia, por meio de seus imperadores, seus governantes terrenos (ver Dn 10.20). Lemos no trecho de Isaías 24.21: "E será que naquele dia o Senhor visitará os exércitos do alto na altura, e os reis da terra sobre a terra". É evidente que o diabo governa o mundo através dos reis da terra. Como? Sem dúvida alguma, através do relacionamento íntimo de seus anjos negros com aquelas pessoas que resolvem entregar-se a Satanás. E fato sabido que Adolfo Hitler participou abertamente desse processo, ao convidar esses poderes tenebrosos para entrarem nele, a fim de torná-lo o homem forte ou valente de seus dias. E também tem sido noticiado, ultimamente, que alguns líderes mundiais contemporâneos pertencem aos cultos da Nova Era, ou a sociedades secretas que procuram dominar o mundo. Relação Entre o Reino Espiritual e a Humanidade Deus quer abençoar as pessoas. Ele chama pessoas, e elas respondem, dedicando sua vida ao serviço prestado a ele. Essas pessoas tornam-se servas do Senhor e passam a depender dele totalmente. Tecem linhas de comunicação com ele, como a oração, a adoração e a audição daquilo que o Pai diz. Todos reconhecemos como um fato o seguinte princípio: Quanto mais íntima for a nossa comunicação com Deus, maior será a nossa unção e maior será o nosso sucesso no ministério cristão.
  • 120. Parece que o diabo, que copia e corrompe todas as coisas que pode, também dispõe de servos que o escolheram como seu senhor, e dedicaram sua vida para servi-lo. Esses também dispõem de linhas de comunicação com o senhor deles, através de coisas como a feitiçaria, a bruxaria, os sacrifícios de animais e humanos, as sessões espíritas, a meditação transcendental e os pactos de sangue. E também operam de acordo com o mesmo princípio. Quanto mais íntima for a comunicação entre eles e as forças malignas, maior será o poder de que disporão. Quando entendi isso, comecei a perceber que Deus nos estava revelando os nomes dos valentes ou homens fortes da Guatemala, a fim de que pudéssemos reconhecer, por intermédio deles, os principados dominantes. Deus nos estava revelando o inimigo, não a fim de glorificar o inimigo, mas para ajudar-nos a derrotá-lo. Amarrando os Valentes da Guatemala Em conseqüência do sonho de Mirella, tive uma conversa com um dos irmãos de nossa igreja que tem o ministério profético. Assim que lhe contei o sonho, ele reagiu de imediato: "O senhor sabe quem são as três pessoas das três cidades?" E ele passou a enunciar seus nomes, o primeiro e o último! Após alguma pesquisa, pudemos ver confirmado que aqueles três homens estavam todos efetuando secretamente obras malignas do diabo, em suas respectivas cidades. Um deles exercia poder através do dinheiro, o segundo, mediante a política, e o terceiro através do tráfico de narcóticos. E Deus nos conferiu uma estratégia ali mesmo. Disse o Senhor: "Amarrem esses principados em nome do Senhor Jesus. Vocês deverão arrancar, quebrar, destruir e derrubar as linhas de comunicação que emprestam poder a esses homens valentes; mas não amaldiçoem os indivíduos envolvidos, antes, bendizei-os, porquanto foram criados à imagem e semelhança de Deus". Como é evidente, não posso revelar os nomes desses três homens; mas posso adiantar que, em conseqüência direta da oração no local, o primeiro deles perdeu todo o seu poder e está encarcerado, esperando ser julgado pelos seus crimes. O segundo está prestes a sofrer embargo político e ser tirado do ofício. E o
  • 121. terceiro, que está atravessando um momento crítico de sua carreira política, sofreu problemas pessoais e agora perdeu quase totalmente a sua influência e poder. Os valentes humanos foram derrubados ao mesmo tempo que os poderes celestes da maldade estavam sendo amarrados e derrubados, por meio das orações dos santos. Nesse caso, a guerra espiritual produziu fruto, não somente espiritualmente, mas também na nossa dimensão natural; e o resultado tem sido claramente bíblico. Tendo amarrado e derrotado os valentes, podíamos então passar a tirar deles as suas armaduras, nas quais confiavam, para então dividir os seus despojos. No caso, os despojos têm sido um evangelismo mais frutífero, paz, redução da taxa de violência e a mudança do governo espiritual das trevas para a luz. A Guatemala tem agora um presidente evangélico, Jorge Serrano, homem cheio do Espírito Santo, e que também, por acaso, é membro de nossa igreja. Sumariando, temos aprendido que é para vantagem nossa conhecer quem é o valente, a fim de amarrá-lo e dividir-lhe os despojos. O mapeamento espiritual ajuda-nos a identificar o valente. Em alguns casos, o mapeamento espiritual nos dará uma série de características que nos guiarão diretamente ao príncipe ou potestade maligna daquele lugar. Em outros casos, nos estaremos defrontando com uma pessoa natural, que Satanás está usando. E, ainda em outras oportunidades, estaremos face a face com uma estrutura social corrupta. Mapeamento Espiritual no Campo Depois de compreender quão importante é discernir, por nome, cada potestade que domina regiões em particular, saímos a campo, para a nossa primeira experiência no campo. Em novembro de 1990, pequenos grupos de pessoas foram enviados pelas igrejas às capitais de cada um dos vinte e dois departamentos (ou condados) da Guatemala, a fim de jejuarem, orarem e buscarem a orientação do Senhor para identificar o principado do mal que predominava sobre cada departamento. Em sua misericórdia, Deus permitiu-nos obter resultados extraordinários, e vimos, pela primeira vez, uma espécie de raios-X espiritual, um verdadeiro mapa espiritual da situação das dimensões espirituais sobre o
  • 122. nosso país. A nossa guerra espiritual tornou-se muito mais eficaz, e pudemos ver resultados físicos de nossos esforços espirituais de uma maneira muito mais abundante do que havíamos antes imaginado. Um mapeamento espiritual maduro requer um esforço coordenado que tenha por alvo conquistar cada território alvejado. Nosso propósito é desfechar a guerra espiritual a fim de abrir a porta para um evangelismo eficaz e uma mudança social positiva. Nossos líderes sentiam-se seguros de que se tratava de uma abordagem viável para uma igreja local evangelizar a área geográfica onde ela estivesse localizada. Por conseguinte, perseveramos até havermos desenvolvido um modelo funcional. Atualmente estamos usando esse modelo no micromapeamento das vizinhanças e subdivisões, antes de nos atirarmos ali ao empreendimento de evangelizar e implantar igrejas na localidade. INSTRUÇÕES PRÁTICAS QUANTO AO MAPEAMENTO ESPIRITUAL Um mapeamento espiritual maduro requer um esforço coordenado que tenha por alvo conquistar cada território alvejado. Nosso propósito é desfechar a guerra espiritual a fim de abrir a porta para um evangelismo eficaz e uma mudança social positiva. PLANO PILOTO A. Visão Evangelização da nação
  • 123. B. Objetivos Específicos 1. Entrar em guerra espiritual com o propósito de lutar espiritualmente pela nossa nação, até que obtenhamos a vitória. 2. Fazer o mapeamento espiritual que nos capacita a saber, dentro do possível, quais os planos, as estratégias e os conluios do inimigo, para que entremos na batalha com inteligência, e, em resultado, sermos vitoriosos dentro de um mínimo de tempo, com um mínimo de riscos e perdas. 3. Se tudo for feito corretamente, o resultado da vitória espiritual afetará a nação por meio de reavivamento, reforma e justiça social, tudo o que é causado pela movimentação livre do Espírito Santo naquela nação. C. Modo de Proceder O modo de proceder envolve dividir o campo de batalha em territórios geográficos, todos os quais serão tratados simultaneamente. 1. Defina com precisão cada território. 2. Obtenha a equipe de trabalho com os seus líderes. 3. Faça o mapeamento espiritual de acordo com o manual. 4. Discirna a situação do inimigo quanto ao território escolhido. 5. Avalie, arranje e comunique as informações necessárias para que haja a guerra espiritual. UM MANUAL DE MAPEAMENTO ESPIRITUAL Para realizarmos esse mapeamento, dividimo-nos em três equipes, cada uma das quais encarregada de uma das três áreas a
  • 124. serem pesquisadas. As equipes não podem fazer revelações umas às outras. Isso nos provê informações cruzadas da parte de cada uma daquelas três áreas, capacitando-nos a receber confirmação, o que adiciona credibilidade aos nossos resultados. As três equipes de trabalho recebem, respectivamente, tarefas de pesquisa sobre fatores históricos, fatores físicos e fatores espirituais. Fatores Históricos Para fazermos a pesquisa histórica, teremos de fazer as seguintes perguntas quanto a cada cidade ou circunvizinhança: 1. O Nome ou os Nomes Precisamos fazer uma lista ou inventário dos nomes usados para o nosso território, para então fazermos a nós mesmos as seguintes indagações: • Esse nome tem algum significado? • Se o nome etimológico não tem significado, terá alguma implicação lógica? • Isso importa em bênção ou maldição? • É um nome nativo, indígena ou estrangeiro? • O nome diz alguma coisa sobre os primeiros habitantes daquele território? • Descreva quaisquer características daqueles que ali residem? • Há alguma relação entre o nome e a atitude de seus habitantes? • Qualquer desses nomes tem alguma relação direta com os nomes de demônios ou das artes ocultas?
  • 125. • O nome está ligado a alguma religião, crença ou culto local naquele lugar? 2. Natureza do Território • O território tem quaisquer características especiais que o distingam de outros? • Está aberto ou fechado para o evangelismo? • Há muitas ou poucas igrejas ali? • A evangelização é fácil ou difícil? • As condições sócio-econômicas do território são uniformes? Há mudanças drásticas nessas condições? • Aliste os problemas sociais mais comuns da circunvizinhança, como drogas, alcoolismo, famílias abandonadas, corrupção do meio ambiente, ganância, desemprego, exploração dos pobres, etc. • Haverá alguma área específica que chame a nossa atenção? Por exemplo, poderíamos definir esse território ou os seus habitantes com uma palavra? Que palavra seria essa? 3. História do Território Quanto a esse aspecto da questão, apelamos para as entrevistas, pesquisas na prefeitura, nas bibliotecas, etc. Uma questão que aqui mostra ser extremamente importante consiste em saber quais eventos dão algum indício ao surgimento dessa circunvizinhança ou território, ou sob quais circunstâncias isso ocorreu. • Quando foi a sua origem? • Quem foi seu fundador (ou fundadores)? • Qual foi o propósito original de sua fundação?
  • 126. • Que podemos aprender do seu fundador? Quais eram a religião, as crenças e os hábitos dele? Era ele um adorador de ídolos? • Há eventos que têm acontecido com freqüência, como mortes, violência, tragédias ou acidentes? (No lugar há alguma chamada "esquina ou ladeira da morte"?) • Há algum fator que sugira a presença de alguma maldição ou de algum espírito territorial? • Há histórias assustadoras cercando o lugar? Essas histórias são válidas? O que as teria causado? • Até onde remonta a história da igreja evangélica naquele lugar? • Como começou a igreja evangélica ali? Foi ela o fruto de algum fator específico? Essa lista de indagações de forma alguma é exaustiva, mas já é um começo. Não podemos esquecer que o Espírito Santo será nosso principal auxiliar quanto a isso. Fatores Físicos Os aspectos físicos referem-se a objetos materiais significativos que possamos encontrar em nosso território. Parece que o diabo, devido ao seu orgulho sem limites, com freqüência deixa uma esteira para trás. • Um estudo intensivo dos mapas disponíveis sobre a região, incluindo os mapas mais antigos e mais recentes, que nos permitam identificar modificações. As ruas seguem alguma ordem em particular? Sugerem qualquer tipo de desenho ou padrão? • Faça um inventário dos parques. • Faça um inventário dos monumentos.
  • 127. • Existem locais arqueológicos no território? • Faça um inventário das estátuas e estude as suas características. • Quais tipos de instituição existem no território? • Instituições de autoridade, instituições sociais, instituições religiosas ou outras? • Quantas igrejas há no território? • Faça um inventário dos lugares onde Deus é adorado, e dos lugares onde o diabo é adorado. • Uma indagação extremamente importante é esta: Haverá "lugares altos" no território? • Há um número excessivo de bares ou centros de macumba, ou clínicas de aborto, ou lojas de artigos pornográficos? • Um estudo completo da demografia do território será de grande ajuda. • Estude as condições sócio-econômicas da circunvizinhança, a taxa de crimes, de violência, de injustiça, de orgulho, de bênçãos e de maldições. • Haverá centros de culto na comunidade? Há uma distribuição específica quanto à localização desses centros de culto? Na Guatemala há uma estrada com cinqüenta quilômetros, que vai até à cidade de Antígua, no território do país. Ao longo dessa estrada há toda sorte de culto estranho, que florescem ao longo de uma linha reta, incluindo: Bahai'i, Testemunhas de Jeová, islamismo, Nova Era, médicos-feiticeiros, e assim por diante. Uma estrada como essa, não há que duvidar, constitui uma linha de poder do ocultismo, um corredor através do qual os demônios e os poderes demoníacos fluem à vontade. Essas linhas de poder oculto derivam-se da contaminação causada pelo diabo, mediante maldições e a invocação a espíritos territoriais que somente agora estamos descobrindo. É útil localizar esses pontos, a fim de reverter a maldição para que ali comece a haver bênçãos.
  • 128. Fatores Espirituais Os fatores espirituais podem ser os mais importantes de todos os fatores, porquanto revelam a causa real por detrás dos sintomas expostos nas pesquisas histórica e física. Aqueles que são chamados para trabalhar nessa área espiritual são os intercessores, pessoas que atuam dotadas do dom do discernimento de espíritos e que ouvem acuradamente da parte de Deus. O grupo de intercessores deve dedicar-se a uma intensa oração, com o propósito de saber qual a mente de Cristo e receber, da parte de Deus, a descrição da condição espiritual do inimigo, nos lugares celestes, por sobre o território definido. Também queremos sugerir algumas perguntas que os intercessores precisam formular, as quais nos guiarão quanto às nossas orações; mas isso não pode substituir a prática de passar tempo de boa qualidade com Deus, em favor do lugar pelo qual estamos orando. • Os céus estão abertos neste lugar? • É fácil orar neste lugar? Ou há muita opressão? • Podemos discernir uma cobertura de trevas? Podemos definir as suas dimensões territoriais? • Haverá diferenças expressas na atmosfera espiritual por sobre as regiões do território visado? Em outras palavras, os lugares celestiais estão mais abertos ou mais fechados sobre diferentes subdivisões, circunvizinhanças ou comunidades da área? Podemos determinar com exatidão essas separações? • Deus nos tem revelado algum nome? • As informações que temos revelam uma potestade ou principado que possamos reconhecer? • Deus nos mostrou quem é o "valente"?
  • 129. Podemos ficar desencorajados ao virmos todas essas perguntas escritas como elas foram; mas, se confiarmos na atuação do Espírito Santo e no desejo de Deus de revelar os seus segredos, então nos sentiremos confiantes. Não temos aqui uma tarefa que requeira pessoas místicas, nem é algo esquisito. Tudo o que precisamos é de uma equipe de obreiros que sinta uma verdadeira responsabilidade pelo evangelismo dentro de um território específico e que dependa da orientação do Espírito Santo. Depois de termos completado a pesquisa quanto a todos esses três fatores, então devemos entregá-la a um grupo de líderes e intercessores maduros, para que avaliem as informações recolhidas. Bev Klopp providenciou um exemplo sobre isso no oitavo capítulo deste livro. Temos descoberto que as pesquisas feitas quanto a cada um desses três fatores confirmarão e complementarão o trabalho efetuado pelas outras duas equipes, se é que estamos ouvindo com precisão aquilo que o Espírito nos está dizendo. DANDO O NOME DO VALENTE Temos passado por experiências verdadeiramente excitantes. Por exemplo, um dia Deus mostrou à equipe de fatores históricos uma área onde havia remanescentes arqueológicos, e como estavam vinculados às características básicas da idolatria e da feitiçaria, que remontavam à civilização dos maias. Os membros da equipe dos fatores físicos, simultaneamente, localizou uma casa vazia, exatamente na mesma área onde estavam ocorrendo reuniões de idolatria e feitiçaria. Posteriormente Deus mostrou aos membros da equipe de intercessores dos fatores espirituais que o território espiritual que controlava aquele lugar estava usando um ser humano como seu valente. O estilo de vida dessa pessoa incluía a prática de artes ocultas, feitiçaria e idolatria. Quando estávamos orando, o Senhor falou e disse: "Amanhã darei a vocês o primeiro e o último nome desse homem, pelo jornal". E também nos revelou em qual página esse nome apareceria. Foi algo absolutamente sobrenatural e excitante quando descobrimos, exatamente naquela página, o nome do indivíduo que se dedicava a tais atividades. Ele se ajustava perfeitamente bem à descrição que
  • 130. havia sido dada pelo Espírito Santo, incluindo até mesmo a sua aparência física. Para coroar tudo, também descobrimos que o tal homem era o proprietário da casa vazia onde estavam tendo lugar os rituais de artes ocultas, diretamente em frente da rua onde estava o sítio arqueológico! Uma vez munidos dessas conclusões, estávamos preparados para desfechar a guerra espiritual. Não nos podemos esquecer que nossa milícia não é contra carne e sangue, mas contra os poderes demoníacos que controlam as pessoas. Ademais, precisamos lembrar que fomos chamados para abençoar as pessoas afetadas, e não para amaldiçoá-las. Em último lugar, como esquecer que Cristo Jesus já ganhou a batalha por nós? CONCLUSÃO A territorialidade dos espíritos é um fato, pelo menos no que concerne a nós, membros de nossa igreja. Temos estudado o assunto conforme ele é exposto na Bíblia. Temos feito o nosso trabalho de casa nesse campo. Compreendemos que o exército maligno das dimensões espirituais requer adoração e serviço da parte de seus seguidores, conferindo o seu poder maligno em proporção à obediência prestada pelos ímpios. Quando um território é ocupado por pessoas que preferiram oferecer a sua adoração aos demônios, essa região fica contaminada, os espíritos territoriais obtêm o direito de permanecer ali, e os habitante do lugar são mantidos cativos às forças das trevas. Isso posto, é mister identificar o inimigo e entrar na batalha espiritual, até obtermos a vitória e redimirmos aquele território. O mapeamento espiritual é um dos meios que nos permitem identificar o inimigo. É a nossa espionagem espiritual. Não temos tempo a perder! É chegado o tempo de o Corpo de Cristo levantar-se, dotado do poder do Espírito Santo, para desafiar os poderes do inferno, destruindo todos os seus esquemas e devolvendo a terra ao Senhor Deus, que no-la deu como nossa herança.
  • 131. Perguntas para refletir 1. Haroldo Caballeros enfocou a sua atenção sobre a conquista dos perdidos para Cristo — o evangelismo. Como é que ele vê o mapeamento espiritual como meio que nos permite exercer um evangelismo mais eficaz? 2. O conceito de que muitos incrédulos não aceitam a Cristo porque não podem é uma novidade para muitos crentes. Usualmente pensamos que isso ocorre somente porque eles não querem. Qual é a sua opinião sobre essa questão? 3. Haverá alguma relação direta possível entre um "valente" espiritual e uma pessoa viva? Você pode pensar em quaisquer exemplos disso em sua cidade ou nação? 4. Qual é a origem histórica do nome de sua cidade? Por que esse nome teria sido escolhido? Alguma característica de sua cidade, hoje em dia, parece refletir o que há por detrás desse nome? 5. Pense sobre a sua própria cidade ou vila. Procure nomear pelo menos três áreas geográficas internas que são claramente diferentes umas das outras. Descreva as características físicas e procure sugerir quais poderiam ser as potestades invisíveis ou espirituais por detrás de cada uma dessas áreas. 6. PASSOS PRÁTICOS PARA LIBERTAR UMA COMUNIDADE Por Bob Beckett Bob Beckett é o pastor fundador da Igreja Dwelling Place Family, em Hemet, estado da Califórnia. Ele começou a mapear espiritualmente a sua comunidade durante a década de 1970, e atualmente está ajudando a coordenar os líderes evangélicos do sul da Califórnia, para que se dediquem a um extenso mapeamento espiritual. Bob é membro da Spiritual Warfare Network e é sempre solicitado como orador sobre o assunto da guerra espiritual.
  • 132. Em 1974, minha esposa, Susana, e eu fomos solicitados a nos tornarmos diretores de instalações de segurança mínima juvenil, pertencente a uma grande igreja baseada no condado de Orange, no estado da Califórnia. As instalações, que ocupavam uma área de cerca de 1800km2, estavam localizadas em uma remota comunidade chamada San Jacinto, na área desértica a sudoeste de Palm Springs. Nunca me esquecerei de como eu ficava perguntando por que o Senhor nos faria mudar para o meio de lugar nenhum. Afinal, um tanto altivamente, eu pensava que o Senhor me havia chamado para ministrar a sua Palavra e fazer oposição às trevas espirituais em algum lugar significativo. Mas em lugar disso, ali estava eu, vivendo em uma remota comunidade de retiro, quase tão distante de qualquer coisa de aparente importância ou crucial ao Reino de Deus como era possível a alguém! Afinal, era assim que San Jacinto parecia para nós, de acordo com um julgamento natural. Eu nem de leve desconfiava, naqueles dias, que me havia mudado para uma das fortalezas das trevas, de uma larga porção do império ameríndio do sul da Califórnia! O UMBIGO DA TERRA? Pouco depois de havermos chegado àquelas instalações que chamaríamos de nosso lar durante os próximos três anos, fui informado pelo ex-proprietário do lugar que a propriedade havia sido antes usada como retiro metafísico e centro de treinamento da Meditação Transcendental. Durante uma de nossas primeiras conversações, o ex-proprietário perguntou se eu estava interessado em visitar um dos "umbigos da terra". Na ocasião eu não tinha certeza se sabia o que isso significaria, mas a curiosidade tinha-se apossado de mim, pelo que lá nos fomos. Fomos caminhando até o leito de um riacho atualmente seco, até um dos extremos remotos da propriedade, encarapitado defronte do sopé de algumas colinas. Enquanto prosseguíamos, ele foi me dizendo como aquele era um local muito sagrado para aqueles que estão espiritualmente sintonizados com "o cosmos". Finalmente, estacamos em uma localização daquilo que antes era uma paisagem com cataratas, que fluía o ano inteiro, e
  • 133. apontou como as paredes do canhão haviam sido escavadas, através dos séculos, pela água, que ali caía em um movimento circular. Em seguida, ele explicou que aquela localização era o "umbigo" ou vórtice da terra, um útil centro de poder no treinamento de pessoas que desejassem envolver-se nos níveis superiores da Meditação Transcendental. Um dos mais elevados exercícios espirituais dos seguidores da Meditação Transcendental, naquele centro de retiros, era ir até às cataratas, a qualquer momento em que as águas pluviais enchessem o canhão. E ali punham-se a meditar, no vórtice da catarata, até que a água parasse de girar na direção dos ponteiros do relógio, conforme a água naturalmente faz acima do equador, mas em direção reversa ao seu curso natural. Aquelas cataratas eram o centro principal do treinamento deles. Meu guia chegou ao extremo de mostrar que as paredes do canhão tinham sido desgastadas, no processo do tempo, mediante um movimento giratório da esquerda para a direita, mas mostrou que a areia e a terra do leito seco do riacho tinham sido claramente marcadas por um movimento precisamente contrário das águas, da direta para a esquerda. Tudo aquilo parecia intrigante e misterioso, mas o que ocupava os meus pensamentos era um centro de recuperação de jovens problemáticos. Na oportunidade, eu não estava preparado para debater a validade de tudo aquilo e de como aquilo poderia relacionar-se comigo. Devo admitir, contudo, que depois de algum tempo de nosso encontro, fiquei perplexo quanto ao motivo que o fizera tentar compartilhar comigo, tão intensamente, tudo aquilo. Agora acredito que era o Senhor que me estava atraindo lentamente em uma direção para onde eu nunca iria por impulso próprio. TRÊS PONTOS DE PODER NO MAPA Um dia, não muito depois de minha conversa com o exproprietário do lugar, eu estava planejando ir caçar na nossa área. Enquanto examinava o mapa, casualmente assinalei a localização do "umbigo". Eu estava interessado em ver que a nossa propriedade e aquele "umbigo" estavam localizados bem ao lado de
  • 134. um ativo e tradicional centro de xamanismo dos indígenas norteamericanos. Não foi muito tempo depois que começou a circular o rumor de que Maharishi Yogi havia adquirido uma propriedade em nossa comunidade. E sucedeu que notei que a localização, de acordo com os rumores, também ficava adjacente à reserva indígena local. Agora a curiosidade realmente começou a invadir a minha mente. Por que ele teria comprado uma propriedade naquela pequena e tranqüila comunidade? De certa feita, conversei com alguém que estava trabalhando na propriedade recém-adquirida. Quando perguntei ao homem por que Yogi teria escolhido aquele local específico para ali fundar suas instalações de retiro, ele retrucou: "É que esta área facilita muito a meditação, e tem uma área espiritual à sua volta". Embora, na ocasião, eu não tivesse dado muito crédito a essas reivindicações, também fiquei impressionado com elas, ao ponto de ter assinalado o local no mesmo mapa. Meu mapa agora exibia três locais bem demarcados de atividade espiritual: o "umbigo", a reserva indígena e a propriedade de Maharishi Yogi, todos adjacentes um ao outro. UMA COVA DE URSO COM UMA ESPINHA DORSAL Em meus momentos de oração pessoal, comecei a ter uma visão que se repetia de quando em vez e que relampejava diante de mim. Parecia algo como uma cova de urso, no solo. Cada um dos quatro pontos da pele do animal tinha como que uma perna de um urso, dotada de garras. O couro do bicho não tinha cabeça, mas parecia ainda ter a espinha dorsal. De cada vez em que eu via o couro desse animal, parecia que ele estava centralizado sobre a nossa área montanhosa local. Cada um dos jogos de garras da visão parecia estar embebido em uma localização específica, incluindo o vale de Hemet/San Jacinto. Todas as demais cidades ficavam dentro de um raio de quarenta e oito quilômetros da nossa comunidade. Devo mencionar que nunca tive essa visão em um sonho. Ela sempre aparecia quando eu estava acordado, e quase sempre quando eu me encontrava imerso em oração. De cada vez em que a
  • 135. visão me era dada, eu sentia vagamente que poderia ter algo a ver com espíritos das trevas, governantes do lugar, como aqueles referidos no décimo capítulo de Daniel, a saber, o príncipe da Pérsia e o príncipe da Grécia. Durante certo período de oração, fiquei poderosamente impressionado pelo impulso de levar um grupo de doze líderes da igreja a uma cabana específica, localizada nas montanhas, que aparecia naquela visão. Por essa altura dos acontecimentos, Susana e eu pastoreávamos uma pequena igreja que havíamos implantado na pequena cidade de Hemet. Quando falei a respeito com os anciãos e vários outros líderes maduros de nossa congregação, com o meu senso de orientação dado pelo Senhor, eles concordaram em ir comigo até à cabana, que pertencia a uma mulher que era membro de nossa igreja. Deveríamos orar ali até termos quebrado a "espinha dorsal" daquele espírito dominador, forçando-o a largar o domínio espiritual que ele exercia sobre as pessoas que viviam debaixo de seu controle. Deus me encorajou de forma notável quando conversamos com a mulher que era a dona da cabana. Entrei na loja que havia na cidade, e que ela dirigia. Quando ela me viu, baixou-se por detrás do balcão e então jogou para mim as chaves da cabana. E então explicou: "Em minhas orações, hoje pela manhã, Deus me disse que o senhor viria, e que eu lhe deveria dar as chaves!" Quando todos nos reunimos na cabana, na sexta-feira seguinte, expliquei com detalhes aquela visão que se repetia, e o que eu sentia ser o nosso propósito ali na montanha. Compartilhei com o grupo que eu pensava que todos saberiam quando tivéssemos partido as costas daquela coisa, ouvindo ou sentindo os ossos estalarem. Depois de horas de orações muito intensas, em que ministramos ao Senhor, começamos a cantar espontaneamente o hino: "Há Poder no Sangue". Cada um de nós foi alertado por um senso imediato e sufocante de maldade, que nos circundava. Mas enquanto entoávamos o hino, todos sentimos que o círculo se quebrava! Muitos de nós chegaram a ouvir um som audível, não como se vértebras estivessem exatamente se partindo, mas como se elas se estivessem desconjuntando e separando. A cabana inteira chegou a balançar! Um profundo senso de alívio desceu sobre todos nós, quando descemos montanha abaixo no dia seguinte. Não compreendíamos
  • 136. exatamente o que tínhamos feito, e nem o que poderíamos esperar, em resultado daquela nossa reunião de oração. Mas coisas começaram a ocorrer espiritualmente, em nossa pequena comunidade de retiro, aparentemente sonolenta e despretensiosa. Todos sentimos que havia algo de diferente em nossa pequena cidade. OS DEUSES SOLITÁRIOS Muitos anos mais tarde, Peter e Dóris Wagner vieram visitarnos, juntamente com os nossos antigos amigos, Cindy e Mike Jacobs. Até então, eu tinha guardado aquele mapa bastante roto, pois para mim era um objeto confidencial. Eu havia adicionado ali vários outros pontos de poder, incluindo a gigantesca, opulenta e bem fortificada Igreja de Cientologia Media Center, que também servia de retiro, e que L. Ron Hubbard havia construído. Eu nunca havia falado muito sobre o meu mapa, porque poucas pessoas da comunidade evangélica tinham conversado sobre tais coisas, e eu não queria dar a impressão de que estava à beira de tornar-me um lunático. Mas Cindy encorajou-me a mostrar o mapa para Peter e Dóris, o que fiz com certa hesitação. Exibir tal coisa a um professor de seminário parecia um tanto intimidador. Fiquei tremendamente encorajado quando recebi total aprovação da parte deles. Peter disse que, em seus contatos através da Spiritual Warfare Network, ele tinha podido confirmar que preparar esses mapas espirituais era uma das mais poderosas novas que o Espírito Santo parecia estar dando às igrejas, pelo mundo inteiro, nestes nossos dias. Então ele confessou que era leitor ávido das novelas de fronteira de Loius L'Amour, e perguntou se eu já tinha lido o livro The Lonesome Gods (Os Deuses Solitários — Bantam Books). E ajuntou que o palco da novela ficava localizado na região de San Jacinto, e que abordava as antigas lendas indígenas. Na semana seguinte, comprei um volume da novela e me pus a lê-la. Fiquei impressionado diante das claras descrições sobre Taquitz, o espírito que dominava sobre a cadeia montanhosa de San Jacinto.
  • 137. O leitor pode imaginar minha admiração quando pesquisei mais profundamente e descobri que a imensa rocha que ficava bem por detrás da cabana onde tínhamos orado até partir-se a coluna vertebral do urso, não era outra coisa senão aquilo que se chamava Pico Taquitz! DESCOBRINDO A HERANÇA ESPIRITUAL DA NOSSA COMUNIDADE Eu havia guardado aquele desgastado mapa por dezessete anos, onde assinalei o que eu pensava que tivesse alguma importância. Durante o mesmo período, fiquei muito interessado em conhecer mais sobre a história de nossa comunidade e seus pais fundadores. Com freqüência eu passava meus dias fora, andando a pé por áreas remotas e canhões nunca explorados, examinando cavernas e investigando, para ver se achava por ali antigas cabanas e relíquias indígenas. Um daqueles canhões, conhecido como Canhão do Massacre, tinha sido o palco da matança da tribo dos índios sobobas por outra tribo vizinha, os temeculas. Tendo alguma compreensão acerca da base bíblica da contaminação de terras, comecei a perguntar a mim mesmo se aquele incidente e sua localização teria alguma significação espiritual. E, assim, marquei devidamente a localização do Canhão do Massacre, em meu mapa. Outro importante evento passado, na vida de nossa comunidade, tinha sido a tentativa, feita por uma companhia local de serviço de água e esgoto, de perfurar uma grande adutora que atravessasse o pé das colinas no lado norte de nosso vale. E isso mostrou ter sido um acontecimento muito significativo. A companhia errou em seus cálculos de engenharia e acabou sondando a camada de águas freáticas que nutriam todas as fontes daquela área! Durante dezoito meses, a água fluiu sem ninguém conseguir estacá-la. Todos os esforços para fazer estancar o fluxo de água resultaram em conseqüências desastrosas. Os prejuízos foram grandes, não somente em sentido financeiro, mas também no sentido de perdas de vidas humanas. Eventualmente, as águas
  • 138. freáticas de todo aquele vale e das montanhas ao redor se esgotaram e a área nunca mais voltou a ser a mesma. Isso explicava por que eu encontrava plantações de frutas cítricas e ranchos de criação de galinhas no alto das colinas, nas numerosas excursões que fiz às colinas. Ao que tudo indica, floresciam antes do desastre com o lençol freático da região. Todos aqueles ranchos tinham sistemas de irrigação e grandes poças de água, alimentadas pelos riachos que antigamente fluíam o ano inteiro. Após o desastre com o lençol freático, entretanto, até as reservas indígenas locais perderam o seu abundante suprimento de água e a sua base agrícola, o que deixou os habitantes da região na miséria. Muitas pessoas que continuam habitando na reserva indígena ainda podem lembrar quão furiosos ficaram os membros do concilio tribal por causa do desastre ecológico. Os seus xamãs amaldiçoaram a companhia de água do homem branco, por causa de seu erro. E a situação piorou ainda mais quando se espalharam rumores de que a companhia de água estava desviando deliberadamente a água, vendendo-a a outras companhias de água, não fazendo qualquer tentativa para estacar o fluxo de água, e muito menos, querendo compensar os indígenas devido às suas perdas. Depois de haver localizado o lugar das perfurações em meu mapa, notei que ele ficava ao longo da mesma cadeia de colinas onde ficavam o "umbigo" da terra, a reserva indígena, o retiro de Maharishi Yogi e o local do massacre dos índios sobobas. Compreendi que isso era significativo, embora eu continuasse inseguro sobre o que fazer com essa informação. E, assim sendo, continuei marcando o meu mapa com descobertas que eu sentia que estavam afetando a herança espiritual da nossa comunidade. Ao mesmo tempo, L. Ron Hubbard e a Igreja da Cientologia mudaram-se para a cidade. Eles tinham comprado um antigo clube de campo, localizado em uma propriedade específica, ao longo da mesma serra de colinas onde ficavam localizados o Canhão do Massacre, o desastre da perfuração do lençol freático, o retio de Maharishi Yogi, a reserva indígena e o "umbigo" da terra. Na verdade, o lugar que eles adquiriram chamava-se Estalagem do Canhão do Massacre. Alguma coisa estava acontecendo naquela área, e o meu mapa estava começando a deixar isso claro. Se eu
  • 139. não tivesse percebido essas coisas em um mapa, provavelmente eu jamais poderia ter feito a associação entre essas localizações. Mas vê-las assinaladas em um mapa conferiu-me uma perspectiva coerente. ORAÇÕES NÃO-RESPONDIDAS PELA COMUNIDADE Conforme mencionei, eu continuei silente acerca do mapa e de minhas suspeitas, embora a nossa congregação, naquele tempo, estivesse profundamente dedicada à oração e à intercessão de manhã cedo a cada dia útil da semana. Em nossa igreja, a Igreja da Dwelling Place, nós orávamos de modo breve, um crente depois do outro, a respeito de questões nacionais e internacionais, além de orarmos pelas necessidades individuais e comunitárias de nossa área. Durante todo o tempo, contudo, manifestava-se um profundo senso de frustração que se acumulava em todos nós, embora nos mantivéssemos fielmente dedicados à oração pela nossa gente e pela nossa comunidade. Essa frustração derivava-se de uma crescente percepção de que, com toda a honestidade, as nossas orações não estavam sendo eficazes. Tínhamos aprendido a orar eficazmente pelas pessoas, e estávamos vendo homens e mulheres sendo libertados da servidão emocional, espiritual, financeira e física. Muitas pessoas já haviam sido salvas em nossa igreja, porquanto tinham visto o poder de Deus sob a forma de curas físicas, ou por terem sido libertadas da opressão demoníaca. Por que coisas similares não estavam acontecendo em nossa comunidade? Por que nossas orações em favor de pessoas estavam sendo respondidas, mas não nossas orações por Hemet e a região circundante, que estavam sendo ineficazes? Olhávamos, de nossa igreja, para o norte, para o sul, para o leste e para o oeste, mas víamos pouca mudança lá fora. Até parecia que, quanto a certos aspectos, a nossa comunidade estava perdendo terreno. As condições sociais deterioravam-se cada vez mais, e nós parecíamos cercados por trevas que nos iam apertando mais e mais. Sentíamos que estávamos sendo fiéis e diligentes, mas tudo quanto fazíamos pouco adiantava.
  • 140. Enquanto eu agonizava no meu espírito por causa da situação, mentalmente comecei a passar da abordagem que usávamos para libertar pessoas para a questão da servidão aos demônios. Seria possível aplicar esses mesmos princípios no terreno social, tal e qual fazíamos no terreno pessoal? Seria possível que as cidades têm uma certa personalidade? Isso me levou a escavar mais as Escrituras e a buscar uma base bíblica para o conceito de uma cidade dotada de personalidade. Se essa premissa mostrasse ser biblicamente válida, novos passos deveriam ser tomados para vermos a nossa comunidade como uma comunidade, e não meramente como indivíduos, libertados e emancipados. Os maus espíritos, como eu sabia bem, buscam controlar uma personalidade ou caráter. Esses espíritos acham acesso até à vida de uma pessoa através de pecados passados, pecados atuais, maldições que acompanhavam várias gerações e iniqüidade, idolatria, vitimização, traumas, formas várias de contaminação pessoal e assim por diante. Quando a personalidade de uma pessoa é contaminada, abre-se a porta daquela personalidade para as trevas, porquanto Satanás habita nas trevas. Minhas pesquisas, que procuravam confirmar que uma cidade também tem personalidade, levaram-me aos comentários feitos por Jesus, em Mateus 11.20-24: Então começou ele a lançar em rosto às cidades onde se operou a maior parte dos seus prodígios o não se haverem arrependido, dizendo: Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e em Sidon fossem feitos os prodígios que em vós se fizeram, há muito que se teriam arrependido, com saco e com cinza. Por isso eu vos digo que haverá menor rigor para Tiro e Sidon, no dia do juízo, do que para vós. E tu, Cafarnaum, que te ergues até aos céus, serás abatida até aos infernos; porque, se em Sodoma tivessem sido feitos os prodígios que em ti se operaram, teria ela permanecido até hoje. Porém eu vos digo que haverá menos rigor para os de Sodoma, no dia do juízo, do que para ti. Fica claro aqui que Jesus referia-se à responsabilidade pessoal de uma cidade. Cada cidade, segundo parece, é
  • 141. endereçada como se fosse uma personalidade dotada de responsabilidade por suas ações e por sua reação diante do evangelho. Naturalmente, Jesus não estava dizendo que uma cidade tem uma alma eterna; mas ele referia-se a cidades como entidades coletivas. Ele dirigiu-se a cada cidade por seu respectivo nome. Desejoso ainda de obter maior confirmação bíblica, pesquisei a Palavra de Deus estudando cidades e procurando qualquer informação que me permitisse descobrir mais verdades sobre essa área. Lemos em Hebreus 11.10: "Porque [Abraão] esperava a cidade que tem fundamentos, da qual o artífice e construtor é Deus". Abraão estava à procura de uma cidade que tivesse incorporado princípios piedosos como o seu alicerce. O termo grego aqui traduzido por "fundamentos" também pode ser traduzido por "princípios e preceitos rudimentares". Isso refere-se à moral e à ética de uma cidade. Portanto, embutidos dentro das muralhas de cada cidade acham-se o seu caráter e a sua personalidade! E também descobri que esse vocábulo grego para "fundamentos" é a mesma palavra usada por Paulo em 1 Coríntios 3.11, 12, quando ele orientou aquela igreja a respeito dos alicerces da personalidade humana: "Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo. E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha..." Começamos por indagar sobre o que os fundamentos de nossa própria cidade poderiam ter sido edificados. Teria ela sido edificada sobre Jesus Cristo? Nossa comunidade foi construída com ouro, prata e pedras preciosas, ou haveria na sua estrutura alguma madeira, feno e palha? Triste é dizê-lo, vemos muita madeira, feno e palha na área de Hemet. COMUNICANDO-NOS COM UMA CIDADE Comecei a acreditar que ministrar libertação a uma cidade é algo possível. Tanto a minha comunidade quanto a sua podem ser concebidas como comunidades dotadas de sua própria personalidade, com fundamentos espirituais perfeitamente reais! Uma chave para isso seria nos comunicarmos com a cidade.
  • 142. Naturalmente, isso nos põe diante de um dilema sem igual. Como podemos fazer a nossa cidade "falar" conosco, como faria uma pessoa? Como podemos fazer uma comunidade contar-nos as coisas que têm acontecido naquela região? Como é que ela foi contaminada e aberta para os espíritos territoriais? Como posso fazer a minha cidade abrir-se e começar a falar comigo? Novamente, depois de orar e perscrutar a Palavra de Deus, em busca de respostas, encontrei um indício. "Clama a mim, e responder-te-ei e anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas, que não sabes". Esse versículo indica que as coisas ocultas e invisíveis, que não sou capaz de entender, podem ser importantes para o Senhor. Ao buscarmos o Senhor acerca dessas coisas ocultas, cremos que ele é fiel e que nos responderá e nos mostrará essas verdades ocultas. O Senhor tem indicado que uma chave para tratar com a comunidade consiste em fazer as mesmas perguntas que dirigiríamos a uma pessoa que busca ser libertada de opressão demoníaca, e que ele nos conduzirá quanto aos pontos específicos, se realmente colocarmos a nossa cidade no caminho da libertação. E agora precisávamos descobrir como tinham sido lançados os alicerces espirituais de nossa cidade. De que eram feitos esses fundamentos? Onde estavam localizadas as dores e as dificuldades? Até que ponto a história passada da cidade está relacionada aos acontecimentos atuais? Haverá algum envolvimento da minha cidade com o ocultismo? Alguma outra coisa tem desempenhado um papel que conduziu às condições presentes da minha cidade, nos campos espiritual, emocional ou físico? Eu nem percebia que já me estava comunicando com a minha cidade por cerca de dezenove anos! Uma das maneiras de nos comunicarmos ou conversar com uma cidade consiste em estudarmos e pesquisarmos a história e a herança daquela cidade. Poderia o mapeamento e o conhecimento histórico de minha cidade estar ligados, na tentativa de falar comigo sobre o alicerce — bom ou mau — de minha cidade? Quando comecei a examinar de novo essas informações, gradualmente comecei a ver emergir a personalidade espiritual de minha comunidade. Era mais ou menos como tirar um quebra-cabeça feito de peças ajustáveis, derramar tudo sobre uma mesa e contemplar peça após peça ajustar-se no seu devido lugar.
  • 143. FOGUETES SCUD E BOMBAS DE INFALÍVEL PONTARIA De súbito, vi-me a examinar um quadro da personalidade de minha cidade, como eu nunca o tinha visto antes. Foi excitante pensar que agora seríamos capazes de ministrar livramento e iniciar o processo que poderia trazer a liberdade espiritual para o nosso vale. Poderia ser esse também o elemento que faltava em nossas orações e intercessões, de que precisávamos tão desesperadamente? Estaríamos realmente acertando na mosca de nossos alvos de oração, ou estávamos apenas atirando a esmo, em derredor de nossa necessidade, de uma maneira vaga e ineficaz? Pensei sobre os foguetes Scud que Saddam Hussein lançou durante a Guerra do Golfo, em 1991. Embora aqueles mísseis estivessem apontados na direção certa, a óbvia falta de pontaria deles impediu que os foguetes obtivessem todo o seu potencial de destruição. Comecei a ver que as nossas orações, em favor de nossa comunidade, se pareciam, um tanto, com os mísseis mal orientados do ditador iraquiano. Estávamos acertando no inimigo, mas por causa de nossa falta de informações estratégicas, éramos incapazes de isolar ou discernir um alvo específico, apontar para ele e atingi-lo em cheio. Agora que estávamos começando a acumular informações estratégicas sobre a personalidade de nossa cidade (por exemplo, a sua herança, a sua fundação, o seu pano-de-fundo espiritual), seríamos capazes de formar um plano de guerra estratégico e atingir alvos precisos. Isso se parecia bastante com as bombas de infalível pontaria que os aliados apontaram, em revide, contra Saddam Hussein. Aqueles que assistiram as notícias da guerra pela televisão ficaram admirados de como aquelas bombas eram apontadas para portas, janelas e entradas de ar específicas. Mas se alguma bomba espiritual de pontaria infalível tiver de ser assim exata, alguém primeiramente precisará recolher informações de reconhecimento. Antes de tudo, será necessário fazer uma exploração da área. Para nós, isso significa pesquisar, estudar a terra e os seus primeiros habitantes, mapear e escavar a história de uma cidade. A guerra espiritual, tal como a guerra convencional, beneficia-se enormemente com base em investigações acuradas.
  • 144. O mapeamento espiritual tem mostrado ser um instrumento eficaz na intercessão estratégica e nos atos estratégicos de intercessão pelas nossas comunidades. Enquanto eu reexaminava e revisava os anos de recolhimento de informação que passei fazendo, percebi que, intuitivamente, eu havia conseguido detectar partes significativas da história de minha área no meu mapa. Ali, defronte de mim, havia informações históricas, físicas e espirituais. Eu nunca me tinha dado conta da significação que aquele mapa teria nos anos vindouros. Aquele desgastado mapa mostrou conter valiosas informações para a formação de uma estratégia contra as fortalezas e os espíritos territoriais que se tinham alojado em nossa comunidade. Uma vez que nós, na qualidade de uma congregação, aprendemos a nos comunicar com a "personalidade" de nossa cidade, os resultados de nossa intercessão adquiriram um vulto dramático. MAPEANDO UMA CIDADE Quais, pois, são os passos necessários a um pastor, um crente leigo ou uma congregação, para que dêem início ao mapeamento espiritual? A História da Cidade Em primeiro lugar, devemos pesquisar a história e a fundação da comunidade em pauta. Busquemos pontos de contaminação, como derramamentos de sangue, contratos quebrados, pactos desfeitos e preconceitos raciais que podem ter tido o apoio de antigas leis da cidade, vinculadas a esses erros. Por muitas vezes, as crônicas a respeito continuam guardadas na prefeitura ou na biblioteca da cidade. Fiz o meu pessoal pôr-se a examinar os nossos livros de história local, visitar museus e sentar-se em nossa biblioteca, rebuscando os documentos da cidade. Uma das coisas mais interessantes que descobrimos foi um antigo marco histórico localizado na propriedade de uma igreja local da nossa
  • 145. comunidade. Era um grande arco arquitetônico que o condado havia preservado, e que foi declarado um marco histórico, porque um dos primeiros ginásios do país tinha sido construído ali. O pastor da igreja local é um amigo pessoal bem chegado, e ele tinha ficado muito interessado na história da propriedade de sua igreja como com a sua possível relação com aquele marco histórico. Suas pesquisas tinham desenterrado algumas informações interessantes. A igreja dele e o marco histórico estavam localizados precisamente sobre o local da aldeia dos índios sobobas, os quais, conforme mencionei acima, foram massacrados pelos índios de outra tribo, os temeculas. Eles começaram a matança na região que, atualmente, é San Jacinto, e, enquanto os guerreiros lutavam, as mulheres e as crianças fugiam dessa aldeia para o Canhão do Massacre, onde, mais tarde, todas elas encontraram a morte. Nossa pesquisa prosseguiu, e dessa maneira foi revelado que, desde que a igreja fora fundada, no começo do século XX, cada pastor ou membro da família de algum pastor tinha experimentado morte violenta, com a exceção do atual pastor e do pastor que serviu à igreja antes dele. Não podíamos evitar de perguntar se a violência e o derramamento de sangue havidos no passado não teriam contaminado aquele terreno e conferido uma cabeça de ponte para que pudessem operar os espíritos da morte violenta. Também pensamos que isso poderia ajudar a explicar por qual motivo aquela circunvizinhança em particular se tinha tomado o centro geográfico da violência dos bandidos de toda aquela região. Quando o pastor ficou sabendo acerca do derramamento de sangue entre os índios, bem como acerca da morte violenta dos pastores, ele convocou uma reunião de seus anciãos e intercessores. Engajaram-se em um período de intercessão sincera e de profundo arrependimento, em favor de seu terreno e de sua igreja. Que aconteceu? Menos de dois meses mais tarde, membros de gangues locais começaram a converter-se ao Senhor. Pelo menos um deles entrou na igreja, durante um culto de domingo, e disse: "Quero ser salvo!" Outro chefe de bando, sua mãe e depois toda a família dele aceitaram a Cristo. A violência do banditismo na região caiu vertiginosamente desde então, embora ainda não tenha desaparecido de vez.
  • 146. A Personalidade de Uma Cidade O segundo passo que devemos dar, para realizar o mapeamento espiritual de nossa comunidade é pesquisar a formação da personalidade de nossa cidade. Em outras palavras, nossa cidade tornara-se conhecida por causa do quê? Las Vegas tornou-se conhecida por causa de sua ganância e jogatina; Chicago pela violência das turbas, e São Francisco como um dos fortins de homens efeminados e de mulheres lésbicas. Nossa própria comunidade tornou-se conhecida como uma comunidade de pessoas aposentadas, um lugar para onde pessoas de mais idade costumam vir para passarem tranqüilamente os seus últimos dias e então morrerem. Uma área vital que não pode ser negligenciada em nosso desejo de ver nossas comunidades libertadas da servidão espiritual é a área do arrependimento e da remissão de pecados dessas comunidades. Nesse segundo estágio do mapeamento, procuramos por instituições financeiras e por quaisquer empresas ou edifícios da cidade que parecessem formar ajuntamentos compactos. Descobrimos que Hemet tem os maiores depósitos bancários per capita do que qualquer outra cidade dos Estados Unidos da América. Localizamos também bares, teatros pornográficos e centros de distribuição de drogas. Os Centros de Artes Ocultas da Cidade O terceiro passo do nosso processo de mapeamento foi pesquisar centros psíquicos, de ocultismo, da Nova Era, metafísicos, holísticos e de cultos estranhos. Tomamos nota dos santuários, dos templos mórmons, das livrarias da Nova Era e de todas as igrejas e propriedades dirigidas por cultos aberrantes. Conversamos também com jovens ginasianos envolvidos com drogas e com o satanismo, e entrevistamos descendentes de médicos-feiticeiros dos índios locais. Por muitas vezes, casas vazias
  • 147. e abandonadas são usadas para ali haver ritos e sacrifícios de animais, pelo que essas também foram examinadas. ARREPENDENDO-NOS DOS PECADOS SOCIAIS Também aprenderíamos em breve que outra área vital que não pode ser esquecida, em nosso desejo de ver as nossas comunidades livres da servidão espiritual, consiste em nos arrependermos e remirmos os pecados de nossas comunidades. Esse tópico é coberto com maiores detalhes no livro de John Dawson, Reconquiste Sua Cidade Para Deus,1 bem como no livro de Cindy Jacobs, Possuindo as Portas do Inimigo.2 Em setembro de 1991, Peter Wagner e Cindy Jacobs falaram durante a Conferência Sobre Guerra Estratégica em nossa igreja. Por ocasião dessa conferência, fomos capazes de pôr em prática esse conceito do arrependimento em favor de nossa cidade, buscando o perdão divino para os nossos pecados sociais. Sob a supervisão de Cindy, os indígenas locais e um representante da companhia de água reuniram-se diante da conferência e se declararam arrependidos um diante dos outros, por seus malefícios praticados no passado. Um pastor metodista local subiu na plataforma com um pastor pentecostal, e ambos pediram perdão pelo orgulho e espírito de divisão entre os evangélicos e os carismáticos. Finalmente, um homem branco e um homem índio puseram-se de pé, um diante do outro, e se arrependeram por causa dos pecados e do ódio que tem havido entre as duas raças. Quando cada uma dessas pessoas arrependeu-se, um depois do outro, perdoando-se mutuamente, muitos presentes à conferência choraram em voz alta, porque anos de divisões e ódios guardados tinham sido quebrados no terreno espiritual. Os principados e as potestades receberam golpes rígidos e sérios naquela noite. DEDICAÇÃO DOS PASTORES A ALGUM TERRITÓRIO Durante os meus primeiros dias de oração pela minha comunidade e sua gente, senti que o Senhor começava a despertar dentro de mim um forte amor por aquela terra e sua gente. Antes,
  • 148. eu nunca me havia sentido preso à nossa comunidade. Em meu coração, eu sempre tinha esperado que algum dia eu partiria para algum outro lugar, dotado de algum ministério mundial de alguma sorte. Mas o Senhor começou a mostrar-me que eu jamais poderia ser usado para trazer libertação de significado real e duradouro, à minha própria região, se eu estivesse vivendo ali mas com minha bagagem emocional e espiritual sempre arrumada para ir-me embora, sempre esperando pelo dia em que o Senhor me chamasse para alguma comunidade maior, dotado de maior influência e importância. No entanto, era precisamente isso que eu estava fazendo. Eu vivia esperando sempre por aquela "chamada superior"! E assim percebi que o que me estava faltando era dedicação territorial. E acabei sentindo ser aquele um elemento-chave para que fosse iniciado o livramento espiritual de minha cidade. Se minha cidade tivesse de experimentar um verdadeiro livramento espiritual de seus espíritos governantes de apatia religiosa, mesquinhez financeira, idolatria oculta e coisas semelhantes, isso teria de começar com os líderes evangélicos, que deveriam declarar-se comprometidos com os habitantes do local e com a própria região. Alguma pessoa como eu precisava começar a desempacotar a sua bagagem, deixando para trás o seu sonho de ter algum ministério mais excitante no futuro. Pastores, líderes leigos e igrejas inteiras precisam unir-se, assumindo responsabilidade territorial a longo prazo, pela região onde estiverem residindo! Susana e eu começamos anunciando à nossa congregação que considerávamos Hemet a nossa chamada vitalícia, e também compramos sepulturas no cemitério local. Uma passagem do livro de Jeremias fala sobre um tempo em que os líderes de Israel ignoraram as suas responsabilidades. "Muitos pastores destruíram a minha vinha, pisaram o meu campo, tornaram em desolado deserto o meu campo desejado. Em assolação o tornaram, e a mim clama na sua desolação; toda a terra está assolada, porquanto não há ninguém que tome isso a peito" (Jr 12.10, 11; a ênfase é minha). Nossa igreja começou a tomar a peito, como nunca antes, a nossa região. Certa manhã de domingo, senti o impulso do Espírito Santo de levar a nossa congregação inteira a um dos lados de uma colina que dava de frente para o inteiro vale de Hemet/San Jacinto.
  • 149. Ali ficamos, ombro a ombro, de mãos estendidas na direção de Hemet, durante meia hora, intercedendo contra as trevas espirituais que escravizavam a nossa comunidade. Certo ano, minha esposa, Susana, sentiu que o Senhor estava instruindo nossa igreja para entrar na parada de Natal realizada em Hemet. Novamente, obedecemos devidamente, entramos na parada, e marchamos pela rua principal de nossa cidade, entoando louvores a Jesus, com cânticos como "Quão Poderoso E o Deus Que Servimos" e "Fazei um Ruído Jubiloso ao Senhor". Estou convencido de que quando aprendermos a aceitar o compromisso com os nossos territórios e com a esfera de influência que nos foi designada, e quando aprendermos a destruir fortalezas e principados e potestades governantes sobre as nossas comunidades, então, começaremos a incorporar, cidade após cidade, nossas cidades e nações dentro do plano final de Deus para elas. No ano passado, nossa igreja participou com mais de quatrocentos membros de nossa congregação que tomaram parte nos cânticos, nas danças coreográficas, no transporte de bandeiras e coisas similares. Esforçamo-nos por ministrar às pessoas de nossa comunidade mediante essa nossa participação, ao mesmo tempo que fazíamos vigorosas declarações aos espíritos das trevas. A reação favorável de nossa comunidade foi tremenda; muitas pessoas estão se rededicando às igrejas, e as empresas atualmente estão doando dinheiro e materiais que nos ajudam a contrabalançar o custo dessa nossa participação. No ano passado, os juizes da parada evangélica também ficaram impressionados e galardoaram a participação de nossa igreja com o prêmio mais alto — o Troféu Presidencial. Digo isso não por motivo de orgulho pessoal, mas para mostrar como uma congregação comum realmente pode amar a uma cidade e "trazê-la no seu coração", conforme mencionou o profeta Jeremias. Estou convencido de que, quando aprendermos a sentir responsabilidade por nossos territórios e por nossa esfera determinada de influência, e quando aprendermos a destruir as fortalezas espirituais e os principados e potestades que dominam
  • 150. as nossas comunidades, então, começaremos a incorporar, cidade após cidade, no plano de Deus em favor de nossas cidades e nações. APOSTANDO NOSSAS CIDADES PARA DEUS Recentemente, enquanto orava acerca da crescente violência dos facínoras de nossa comunidade, sentimos a necessidade de estabelecer um dossel de orações sobre a cidade. Já tínhamos orado antes por uma cobertura espiritual por sobre a nossa cidade, mas nunca tínhamos feito qualquer coisa tangível como sentíamos que o Senhor nos eslava guiando para que fizéssemos. Em minhas orações, fui atraído pelo trecho de Isaías 33.2023, uma passagem que eu já havia lido por muitas vezes, nunca sentindo que essa profecia, dirigida à Assíria, tinha qualquer coisa de direto a ver com o meu ministério. Dessa vez, porém, senti que Deus queria que eu desse atenção ao texto literal, aplicando-o à nossa cidade em favor de Deus. E importante que tenhamos as Escrituras diante de nós, enquanto vou explicando: Olha para Sião, a cidade das nossas solenidades; Os teus olhos verão a Jerusalém, habitação quieta, Tenda que não será derribada, cujas estacas nunca serão arrancadas, E das suas cordas nenhuma se quebrará. Mas o Senhor ali nos será grandioso, Lugar de rios e correntes largas; Barco nenhum de remo passará por eles, Nem navio grande navegará por eles. Porque o Senhor é o nosso Juiz;
  • 151. O Senhor é o nosso Legislador; O Senhor é o nosso Rei; Ele nos salvará. As tuas cordas estão frouxas; Não puderam ter firme o seu mastro, E vela não estenderam. Quero ser o primeiro a reconhecer que essa passagem, em seu contexto histórico, pouco ou nada tem a ver com a guerra espiritual em nível estratégico que visa a tomar alguma cidade para Deus. Não obstante, sentimos que era a palavra profética para a Igreja de Dwelling Place, em Hemet, estado da Califórnia, em 1991. E assim passamos a lhe obedecer e a aplicá-la passo a passo, conforme sentíamos que Deus nos estava orientando. Isaías falou ali sobre uma tenda segura em seu lugar por estacas fincadas no chão. Essas estacas nunca seriam removidas. Estacas em Hemet? Enquanto eu prosseguia dia após dia em oração, sentia que o Senhor nos estava dizendo para fincarmos estacas no chão. Eu nunca ouvira dizer que alguém já tinha feito tal coisa, e nem ficaria surpreso se tal ato nunca tivesse sido efetuado. Mas lá em meu espírito eu sabia que para nós seria algo correto, particularmente se os anciãos da igreja concordassem comigo. Convoquei todos os anciãos para uma reunião, certo domingo pela manhã, para explicar-lhes que eu sentia que o Senhor nos estava ordenando fincar estacas no chão, a fim de garantir um dossel espiritual que ele queria estender por cima da cidade. Oramos juntos e, quando assim fizemos, sentimo-nos todos de acordo em obedecer à mente do Senhor. Concordamos que tomaríamos providências e entraríamos em ação, de uma maneira que poderia parecer estranha não somente para os nosso vizinhos, mas também até para nós mesmos. Um dos anciãos, que tinha uma loja de objetos de adorno feitos de madeira, apresentou-se como voluntário para fazer estacas de carvalho para nós.
  • 152. Naquela manhã, em ambos os cultos que houve, compartilhei com a congregação que faríamos outra excursão de intercessão, ou seja, aquilo a que Kjell Sjöberg chamou, no quarto capítulo, de oração de ação profética. "Venham vestidos casualmente, e reúnam-se no templo da igreja às 16h30", anunciei. Nós nos dividiríamos em cinco grupos. Quatro dos grupos acompanhariam um ancião com uma das estacas, a fim de fincá-la em uma das quatro entradas principais do nosso vale — todas as entradas eram auto-estradas. O quinto grupo acompanharia minha esposa e eu, até à intersecção principal, bem no centro da cidade. Precisamente às 17 horas, cada um dos anciãos fincaria a sua estaca no chão, para que servisse de memorial ao Senhor; e o dossel de oração resultante permaneceria como nossa declaração de guerra espiritual estratégica contra as trevas que nos estavam apertando cada vez mais. Ao mesmo tempo, Susana e eu, de pé na intersecção do centro da cidade, simultaneamente levantaríamos as nossas vozes em louvor ao Senhor, como se fosse um poste central do dossel espiritual. Então voltaríamos à igreja para o culto normal das 18 horas, quando então compartilharíamos juntos de nossas experiências, com o grupo inteiro dos crentes. Ao orientar cada ancião sobre onde ele deveria fincar a sua respectiva estaca, selecionei cada local através do meu mapa. Pedi ao ancião e seu grupo que foram para o lado norte do vale que fincassem a sua estaca ao lado do Canhão do Massacre e da Igreja da Cientologia. Em cada estaca estava inscrita a passagem bíblica de Isaías 33.20-24. Rios, Correntes Largas e Navios Quando voltamos, o ancião do grupo que se tinha dirigido à entrada norte, disse que tinha feito uma notável descoberta. Quando estavam lendo as Escrituras inscritas na estaca em voz alta, perceberam que Isaías 33.21 diz que o Senhor estava em um lugar de "rios e correntes largas". Um dos homens notou que bem defronte deles estava o leito agora seco do rio San Jacinto, e bem à esquerda deles estava o riacho do Canhão do Massacre, agora também seco. Ambas as correntes atualmente estão sem água por
  • 153. causa do desastre na exploração do lençol freático da companhia de água, sobre a qual falamos páginas atrás. Isso já serviria de encorajamento suficiente; mas ainda havia mais. A passagem de Isaías menciona especificamente navio com cordas, mastros e velas. Vivemos em uma comunidade no deserto, longe de qualquer objeto náutico. No entanto, o ancião explicou à congregação, naquela noite, que depois de terem fincado a estaca, quando já estavam no caminho de volta para a nossa igreja, passaram pela sede central da Igreja da Cientologia e, para grande admiração deles, viram, no terreno dessa igreja e tendo como pano-de-fundo os sopés das colinas, uma gigantesca réplica, em tamanho natural, de uma escuna com três mastros, completa com cordas, mastros e velas! Todos prorrompemos em gritos de louvor a Deus, ao nos darmos conta de que não pode ter sido por mera coincidência extraordinária que todas aquelas três coisas estivessem juntas: o rio, as correntes e um navio, com suas cordas, mastros e velas, no meio do deserto. Desnecessário é dizer que ficamos tremendamente encorajados a premir em intercessão, rogando pelo livramento espiritual de nossa comunidade. Pudemos acreditar que o próprio Senhor nos tinha dado, graciosamente, sinais palpáveis de que ele estava dirigindo e orientando as nossas atividades. Depois que aquele dossel espiritual foi erguido, o fluxo de informações a respeito das atividades das trevas, em nossa comunidade, aumentou dramaticamente. Parecia que vinham pessoas de todas as partes, trazendo informações sobre antigos edifícios, abusos passados de terrenos, ou sobre "algum amigo de um amigo" que conhecia onde as bruxas costumavam reunir-se. Imediatamente começamos a ver resultados de nossa nova e acurada intercessão, que se tornara possível por meio de nosso mapeamento espiritual. Vida Nova Para a Igreja Os resultados de nossa intercessão em nível estratégico e de nossa ação de oração profética mostraram que rendiam um efeito dramático na vida de nossa própria congregação. Se alguma coisa
  • 154. nos havia notabilizado no passado, é que éramos uma igreja muito sujeita a divisões. Tínhamos passado por cinco divisões dessas em dezoito anos. Mas a falta de unidade é agora uma história do passado. Um caloroso espírito de amor e harmonia está atraindo novas pessoas à nossa igreja, a qual vem crescendo como nunca antes. Durante quinze anos nos tínhamos reunido em uma antiga instalação de produtos de leite, que havia sido parcialmente mobiliada. Meu gabinete ficava onde eram preparadas as coalhadas e onde havia um separador do coalho e do soro do leite, e a creche ficava no antigo frigorífico. Já nos tínhamos atirado em muitas campanhas de levantamento de fundos, no esforço de levantar as finanças muito necessárias, para que pudéssemos remodelar as instalações, em um mínimo básico para as necessidades da nossa congregação. Os membros de nossa congregação eram, em sua maioria, operários, e a nossa capacidade financeira nunca parecia ser suficiente para nos fazer deslanchar. A congregação, bem como a liderança, sentia-se incapaz de alterar essa situação. Mas agora estava acontecendo alguma coisa, o que demonstrava, de forma inequívoca, a atuação da mão de Deus. Depois de termos entrado nesse novo nível de intercessão, nossa própria congregação levantou dinheiro suficiente, em um período de apenas dezoito meses, para edificar toda uma instalação nova para as crianças (e nada ficamos devendo). Nesse mesmo período de tempo, remodelamos completamente o santuário (a antiga empresa de laticínios), e a congregação duplicou de tamanho em menos de um ano! Nova Esperança Para a Comunidade O resultado desse tipo de intercessão, em que enfrentávamos as fortalezas das trevas, tem modificado francamente a face espiritual da nossa comunidade. Nada menos de trinta e cinco ministros, em nossa cidade, agora trabalham juntos no evangelismo. Eles reúnem-se mensalmente para terem um período de oração e de apoio mútuo. As igrejas compartilham de seus recursos, com máquinas de copiar, projetores e outros
  • 155. equipamentos de escritório. Uma das igrejas compartilha de seus ministérios entre as crianças, a cada semana, com outra igreja, que está sem um local de reuniões permanentes. Não é mais incomum ouvir que os pastores estão trocando de púlpitos, uns com os outros, aos domingos pela manhã. Um pastor convidou o pastor de outra igreja de nossa cidade para vir à sua igreja, dedicar sua filha recém-nascida ao Senhor, diante de sua congregação, e então ficar para pregar no culto matinal. Faz pouco tempo, trinta igrejas e ministérios da cidade reuniram-se para efetuar um reavivamento de duas semanas, em uma tenda. A cada noite do reavivamento, pregou algum pastor diferente, que opera na comunidade, e uma igreja diferente proveu a música. A cada noite, por duas sólidas semanas, a tenda ficou cheia ao máximo de sua capacidade, com membros das congregações espalhadas por todo o nosso vale, trazendo amigos perdidos para ouvirem o evangelho. Muitos foram salvos, curados e libertados, nesse espetáculo aberto de unidade coletiva do Corpo místico de Cristo, em nosso vale. Li, em Jeremias 9.3, como o povo de Deus, certa ocasião, não mostrou ser os "valentes em favor da verdade". Costumávamos ajustar-nos a essa descrição, mas agora estamos mudando. Acredito que conseguiremos conquistar as nossas cidades, uma a uma, tornando-nos não somente um "nome, louvor e glória" para o Senhor, mas também saindo de dentro dos limites de nossos templos, das nossas atividades eclesiásticas, de nossos programas e tradições religiosos e tornando-nos, literalmente, um povo que se põe ao lado da causa do Senhor, valentes em defesa da verdade, por toda a face da terra! Perguntas para refletir 1. Bob Beckett expressou a sua frustração porque, embora orações por indivíduos estivessem sendo respondidas, as orações pela comunidade pareciam ineficazes. Pode você identificar-se com essa posição? O que pode ser feito a esse respeito? 2. Analise a reunião de oração, na cabana das montanhas acerca da "pele de urso", à luz daquilo que aprendemos no capítulo de Kjell Sjöberg, a respeito das "orações de ação profética".
  • 156. 3. Jesus dirigiu-se a cidades como se fossem personalidades. Você pensa que poderia fazer a mesma coisa? Poderia isso ser feito em reuniões de oração coletiva, em sua igreja? 4. Segundo você pensa, quão importante é que um pastor assuma um "compromisso territorial"? Você conhece algum pastor que tenha feito compromissos territoriais? Eles concordariam com Beckett? 5. Bob Beckett pensa que todos nós deveríamos sair e fincar no solo estacas com versículos bíblicos nelas? Isso soa como algo que você e seus amigos crentes fariam? Notas 1. DAWSON, John. Reconquiste Sua Cidade Para Deus. Venda Nova, MG, Editora Betânia, 1995. 2. JACOBS, Cindy. Possuindo as Portas do Inimigo. Belo Horizonte, Editora Atos, 1996. 7. EVANGELIZANDO UMA CIDADE DEDICADA ÀS TREVAS Por Victor Lorenzo Victor Lorenzo trabalha em sua pátria, a Argentina, junto à Harvest Evangelism. Seus dons de discernimento têm-no equipado para um extenso mapeamento espiritual nas cidades de Resistência e La Plata. Ele foi consagrado ao ministério na Igreja Visão do Futuro, sob o pastor Ornar Cabrera. Victor serve como secretário da Área do Cone Sul, para a Spiritual Warfare Network da A.D. 2000 United Prayer Track. Sempre que nos reportamos ao assunto da guerra espiritual em geral e à questão do mapeamento espiritual em particular,
  • 157. acredito que é útil esclarecer o papel da Igreja, quanto a essa atividade. O MANDATO DA IGREJA A Igreja cristã recebeu o mandato de pregar o evangelho pelo mundo inteiro, a fim de expandir o reino de Deus e a sua justiça. A guerra espiritual e o mapeamento espiritual são, tão-somente, atividades que ajudam no cumprimento desse mandato. Essas duas atividades ajudam-nos a descobrir e destruir as estratégias e astúcias de Satanás, que ele tem usado para manter as multidões sob o seu domínio, surdas para com a gloriosa mensagem de Jesus Cristo. Por mais exato que seja o mapeamento espiritual, porém, é minha opinião que, sem um enfoque explícito sobre o evangelismo, tal mapeamento terá pouca serventia. Por semelhante modo, o evangelismo que não leva a sério o nosso conflito com os poderes demoníacos, por meio da guerra espiritual, pode tornar-se um esforço insano que rende poucos resultados. Deus proporcionou autoridade à sua Igreja e aos seus líderes para que tomem posse de circunvizinhanças, cidades, nações e até continentes inteiros para Jesus Cristo. A eficácia da igreja, na conquista dos incrédulos para Cristo e no aprimoramento moral da sociedade, depende, em grande parte, de sua disposição para entrar nessa batalha. A unidade espiritual entre as igrejas e a dedicação à oração intercessória são condições importantes para a vitória. CHAMADA DIVINA PARA O MAPEAMENTO ESPIRITUAL A minha chamada para o mapeamento espiritual ocorreu em resultado de meu envolvimento no "Plano Resistência", um maciço esforço evangelístico enfocado em torno da cidade de Resistência, na Argentina. No momento estou atarefado no ministério da Harvest Evangelism, sob a liderança de Edgardo Silvoso, um compatriota argentino. Tínhamos concordado, como uma equipe,
  • 158. que lançaríamos um projeto evangelístico de três anos em Resistência, uma cidade de quatrocentos mil habitantes do norte da Argentina. Uma das ênfases mais importantes é a de nos atirarmos a uma guerra espiritual em nível estratégico, efetuar uma intensa campanha de oração intercessória, multiplicar o número de igrejas, além de empregarmos métodos tradicionais de evangelismo. No primeiro ano desse esforço, o Espírito Santo começou a mostrar-nos que a magnitude do combate espiritual que se fazia necessária para esse empreendimento era muito maior do que havíamos imaginado a princípio. Minha própria visão de guerra espiritual foi grandemente ampliada no começo do ano de 1990. Comecei a perceber que a guerra espiritual deve ser efetuada ao nível do solo — expulsar demônios que atormentam as pessoas — como também ao nível estratégico. Esta última foi uma dimensão da estratégia demoníaca que já tinha atingido dimensões tanto complexas quanto generalizadas. Quando li o livro de John Dawson, Taking Our Cities for God [Reconquiste Sua Cidade Para Deus] (Creation House), comecei a pensar sobre a necessidade de aplicar os princípios sugeridos por Dawson à cidade de Resistência. No entanto, no começo eu estava relutante. Eu havia ministrado a muitas pessoas que estavam escravizadas a espíritos malignos e conhecia, em primeira mão, quais os horrores envolvidos nas atividades do diabo. Eu não sentia a mínima inclinação para entrar com maior profundeza nos segredos da estratégia satânica. Gonzalo e o Anjo Guardião A minha relutância em fazer aquilo que, por aquela altura, eu sabia ser a vontade de Deus, proveu uma abertura para que o inimigo atacasse tanto a mim mesmo quanto aos meus familiares. A cada noite, durante uma semana inteira, nosso menino de quinze meses, Gonzalo acordava chorando, à uma hora da madrugada. A cada noite precisávamos de cerca de quatro horas para acalmá-lo. Finalmente, certa noite, senti que já tinha recebido bastante daquilo e que precisava tomar alguma outra forma de providência. Eu reconhecia que a minha atitude de rebeldia estava à raiz daquele nosso problema e pedi que minha esposa ficasse no leito, enquanto eu cuidava da questão.
  • 159. Antes de entrar no dormitório do pequeno Gonzalo, fui até à sala de jantar, a fim de orar, e então eu disse: "Senhor, por favor, perdoa-me pela minha desobediência. Confesso que não tenho nem recursos e nem capacidades, em mim mesmo, para cuidar dessa situação. Oro para que abras os meus olhos e os meus ouvidos e entenda o que o teu Santo Espírito me quer revelar. Por favor, Deus, dá-me o mesmo tipo de unção que deste a Elias, para eu poder perceber as realidades espirituais. Permite-me ver os meus inimigos, e também concede-me a confiança de que aqueles que estão comigo são mais numerosos e mais poderosos do que aqueles que estão contra mim. Que eu possa divisar a realidade dos teus anjos". Tendo fé que o Senhor tinha respondido à minha oração, dirigi-me ao dormitório do Gonzalo. Quando abri a porta, senti-me avassalado por uma espantosa força do mal. Senti arrepios de frio e imediatamente percebi a presença da morte, e sabia que o Senhor me estava revelando a identidade de meu inimigo. Senti que o Espírito Santo me ordenava: "Assume autoridade em nome de Jesus". E obedeci. Ordenei que o espírito da morte saísse e que nunca mais voltasse para atormentar a meu filho. Naquele momento, vi em minha mente uma gravura representando um anjo guardião, com a qual eu estava bem familiarizado. E então eu disse: "Senhor, prometeste que destacarias anjos para estarem à nossa volta, para nos protegerem. Se for de tua vontade, preciso agora dessa proteção, sobretudo para os meus familiares". De pronto o dormitório foi invadido por uma luz brilhante. Olhei na direção do berço onde Gonzalo estava deitado e vi um anjo enorme segurando na mão uma espada desembainhada. E então o anjo me disse: "De hoje em diante, estarei ao lado de teu filho a fim de protegê-lo e cuidar dele, enquanto cumprires a tua chamada divina". Atualmente, Gonzalo está com três anos de idade, e nunca mais foi atormentado por espíritos malignos. O menino é dotado de uma compreensão espiritual incomum, e ele mesmo já sabe assumir autoridade espiritual no nome de Jesus sobre qualquer poder das trevas que ele seja capaz de perceber.
  • 160. Mapeando a Cidade de Resistência Compreendi que Deus queria que eu fizesse pesquisas quanto à cidade de Resistência, e também eu estava dolorosamente consciente de que me faltava treinamento ou experiência para fazer tais pesquisas. Minha única ferramenta era aquele livro de John Dawson, Taking Our Cities for God.1 Armei-me com as perguntas feitas por Dawson e dirigi-me à biblioteca da cidade. Depois de ter examinado, durante quatro dias, centenas de páginas, eu estava totalmente frustrado. E tive de admitir que embora agora eu dispusesse de muitas informações exatas, eu não havia ainda descoberto uma única coisa que parecesse importante para a tarefa que tínhamos à frente. Humilhado por essa experiência, dediquei-me novamente à oração. Implorei que o Espírito Santo me desse novas revelações, mostrando-me o caminho à minha frente. Quando cheguei de volta à minha casa, minha esposa, que não tinha conhecimento dos detalhes daquilo que eu estava fazendo, sugeriu que eu visitasse uma exposição local de arte nativa; e, embora eu não tivesse entendido direito por qual motivo deveria ir, eu sentia que, se seguisse a sugestão dela, eu encontraria algumas respostas. Foi dito e feito. Quando fui ver a exposição, encontrei cinco professores universitários que se mostraram mais do que dispostos a compartilharem de suas informações comigo. Eles concordaram que era importante compreender a identidade espiritual da cidade de Resistência. Deram-me uma informação que constituía total novidade para mim. Durante dez dias, e de uma maneira absolutamente incrível, aqueles cinco eruditos confiaram a mim tudo o de que eu precisava. Eu estava admirado da poderosa mão de Deus, que estava agindo quanto a tudo aquilo. Era difícil de acreditar que aqueles cinco homens, bem conhecidos e respeitados por toda a cidade, estivessem realmente trabalhando para mim! Os Poderes Que Dominavam a Cidade Mediante as informações que recebi através do folclore da cidade, fui capaz de identificar quatro potestades espirituais, a saber: San La Muerte (espírito de morte), Pombero (espírito de
  • 161. medo), Curupí (espírito de perversão sexual) e Pitón (espírito de feitiçaria e bruxaria). Munido desses informes, mas não sabendo exatamente o que fazer com eles, pedi ao Senhor, uma vez mais, que me mostrasse o caminho. Dessa vez, a resposta do Senhor foi: "Espera". Esperei por um mês e meio. E, então, Cindy Jacobs visitou a Argentina pela primeira vez. A Harvest Evangelism a estava enviando para ajudar a instruir líderes evangélicos e intercessores quanto à guerra espiritual. Acompanhada por Dóris Wagner, Cindy ministrou em Buenos Aires com extraordinário poder, e então chegou a Resistência para dirigir um seminário de dois dias. Logo no primeiro dia compartilhei com ela das informações que havia recolhido. Faleilhe sobre quatro grandes murais pintados em arte moderna na praça central da cidade, que eu pensava poderia apresentar-nos um tipo de mapa espiritual da cidade. O mapeamento espiritual combina pesquisas, revelações divinas e evidências confirmatórias, provendo-nos informes completos e exatos acerca da identidade, das estratégias e dos métodos empregados pelas forças espirituais das trevas, a fim de influenciarem os habitantes e as igrejas de uma dada região. Quando Cindy examinou os painéis, naquela tarde, o Senhor, através do dom de discernimento de espíritos que havia dado a ela, mostrou-lhe claramente o que era invisível por detrás do que era visível, conforme Peter Wagner discute no segundo capítulo deste livro. Ela confirmou a presença dos quatro principados sobre Resistência, e também discerniu a presença de mais dois principados. Eram principados de elevada patente que ela havia encontrado primeiramente em Buenos Aires, e acerca dos quais ela suspeitava que exerceriam jurisdição nacional — o espírito da Maçonaria e a Rainha do Céu. Durante o seminário, Cindy, que foi habilidosamente interpretada por Marfa Cabrera, compartilhou de profundos e reveladores discernimentos. Ela conduziu-nos a uma compreensão muito mais ampla sobre a guerra espiritual, ao mesmo tempo que
  • 162. orientava os líderes das igrejas quanto a maneiras práticas de conquistar territórios, em nome de Jesus. A Batalha na Praça No dia seguinte, nossa equipe foi até à praça, na companhia dos pastores das igrejas evangélicas de Resistência, um grupo de intercessores treinados e Cindy Jacobs. Lutamos ferozmente contra os poderes invisíveis que dominavam a cidade, pelo espaço de quatro horas. Atacamo-los naquilo que sentíamos ser a ordem hierárquica deles, de baixo para cima. Primeiro desfechamos um ataque contra Pombero, e então contra o Curupí, em seguida contra San La Muerte, então o espírito de Maçonaria, e, então a Rainha do Céu, e, finalmente contra Pitón, o qual, conforme suspeitávamos, atuava como coordenador de todas as forças malignas da cidade. Ao terminarmos, descera sobre todos nós, que tínhamos participado, um senso quase tangível de paz e liberdade. Tínhamos a confiança de que essa primeira batalha havia sido ganha e que a cidade agora podia ser reivindicada para o Senhor. Depois disso, a igreja em Resistência estava preparada para iniciar uma campanha de evangelização em plena escala. Os incrédulos começaram a corresponder ao evangelho como nunca antes tinham feito. E em resultado de nossa campanha de evangelização de três anos, a freqüência à nossa igreja aumentou em 102%. O efeito foi sentido em todas as camadas sociais da cidade. Agora podíamos realizar projetos comunitários como prover água potável para os pobres. A imagem pública das igrejas evangélicas melhorou sensivelmente, obtendo elas respeito e aprovação da parte de líderes políticos e sociais. Fomos convidados a usar os meios de comunicação para propalar a nossa mensagem. A guerra e o mapeamento espirituais que pudemos realizar abriram, na cidade de Resistência, novas portas para o evangelismo, para a melhoria social e para a colheita espiritual de almas.
  • 163. QUE É O MAPEAMENTO ESPIRITUAL? Conforme vejo as coisas, o mapeamento espiritual combina pesquisas, revelações divinas e evidências confirmatórias, provendo-nos informes completos e exatos acerca da identidade, das estratégias e dos métodos empregados pelas forças espirituais das trevas, a fim de influenciarem os habitantes e as igrejas de uma dada região. Será Isso Bíblico? Embora a Bíblia não use a nossa expressão contemporânea, "mapeamento espiritual", vemos que esse é um dos muitos procedimentos no processo da condução da guerra espiritual. E bíblico estarmos conscientes dos "desígnios" de Satanás, conforme lemos em 2 Coríntios 2.11. E o mapeamento espiritual tãosomente ajuda-nos a fazer isso. Para mim é como dizer que as cruzadas de toda uma cidade são bíblicas por serem um meio de realizarmos evangelismo bíblico, ou que a Escola Dominical é um meio bíblico legítimo de nutrir espiritualmente os crentes, embora essas coisas nunca sejam mencionadas nas Escrituras. O mapeamento espiritual é como as forças de espionagem de um exército. Por meio dele, vamos até atrás das linhas do inimigo, a fim de compreendermos os planos e as fortificações do inimigo. Assim, fazemos... "espionagem espiritual". O mapeamento espiritual é como as forças de espionagem de um exército. Por meio dele, vamos até atrás das linhas do inimigo, a fim de compreendermos os planos e as fortificações do inimigo. Assim, fazemos, conforme disse Kjell Sjöberg, no quarto capítulo, "espionagem espiritual". Vemos no Antigo Testamento um modelo de conquista de cidades, por meio das experiências do povo de Israel. Os israelitas primeiramente enviaram espias para aquilatar as forças adversárias. No capítulo treze de Números, para exemplificar,
  • 164. achamos os israelitas em posição de entrarem na Terra Prometida. Moisés enviou até ali doze espias. Eles foram munidos da autoridade de Moisés e de Deus. Eles receberam instruções claras acerca daquilo que deveriam investigar. E eles voltaram com as informações, juntamente com um relatório negativo, segundo a opinião da maioria. Resultado? Quarenta anos de perambulação pelo deserto! E, então, no capítulo segundo do livro de Josué, os israelitas receberam outra oportunidade de entrar na Terra Prometida. Dessa vez, Josué enviou dois espias. Eles receberam autoridade. Receberam instruções claras. Colheram as informações da parte de um dos membros do acampamento inimigo, Raabe. E trouxeram de volta as suas informações, sem o acompanhamento de qualquer opinião pessoal. Resultado? A conquista da cidade de Jericó! No sétimo capítulo do livro de Josué, lemos que os israelitas estavam prestes a conquistar a cidade de Ai. Eles também enviaram espias, mas dessa vez havia pecado no acampamento de Israel. Conforme Cindy Jacobs diria, eles "tinham buracos em suas armaduras". Foram enviados em um momento errado, deixaram-se enganar e trouxeram de volta um relatório defeituoso. Resultado? Os israelitas foram derrotados! Com base nessas e em outras passagens, tracei diversos princípios a respeito do mapeamento espiritual, os quais, conforme creio, são princípios bíblicos, a saber: 1. Precisamos alicerçar o nosso ministério sobre a Palavra de Deus e a sua revelação. 2. Precisamos ter a certeza de que estamos vivendo em santidade, antes de partirmos. 3. Precisamos ser enviados por Deus no tempo certo e com a sua autoridade. 4. Precisamos efetuar a nossa pesquisa de acordo com as instruções que nos são dadas na Bíblia. 5. Precisamos dar relatório sem opiniões pessoais ou preconceitos. 6. Precisamos manter uma atitude de fé no poder de Deus.
  • 165. UM NOVO DESAFIO: LA PLATA Parcialmente, em resultado do ministério efetuado em Resistência, a associação ministerial da cidade de La Plata convidou a Harvest Evangelism para efetuar um novo projeto de evangelismo de três anos, em associação com eles. Esperávamos que as lições aprendidas na cidade de Resistência nos ajudariam a fazer um trabalho ainda melhor em La Plata. Para nós, a cidade de Resistência era como um laboratório experimental onde, sob condições incomumente estressantes, poderíamos submeter a teste de campo cada aspecto do nosso plano. Nosso laboratório acabou mostrando-nos tanto pontos fortes quanto pontos fracos. Uma coisa que pudemos aprender foi que o sucesso de qualquer plano dessa ordem depende da atitude dos pastores da cidade e da disposição das igrejas para se atirarem a tal projeto. Pudemos concluir que a falta de penetração em uma cidade, apesar do uso eficaz da evangelização, tem um relacionamento direto com a condição espiritual das igrejas. Em La Plata, queríamos repetir aquilo que tínhamos feito em Resistência e, ao mesmo tempo, evitar o que tinha saído errado. Acreditamos que os resultados permanentes de qualquer esforço evangelístico em toda uma cidade dependem, em proporção direta, do sucesso das batalhas espirituais em que os crentes se tiverem empenhado naquela cidade. Ao mesmo tempo, a vitória final dependerá da higidez espiritual interna das igrejas. Para que as igrejas sejam saudáveis, os pastores e outros líderes evangélicos precisam enfrentar com honestidade quaisquer condições pecaminosas que possam dar margem à atuação do diabo. As igrejas precisam aprender a usar as armas espirituais que o Senhor deu à sua Igreja. Os crentes precisam rejeitar qualquer forma ou aparência de rebeldia, contenda e divisão. Após três anos intensos de trabalho em Resistência, vimos muitos sinais e maravilhas, vimos uma cidade abrir-se para a pregação do evangelho de Cristo, vimos bastante melhoria social, e nós mesmos passamos a ser melhor considerados aos olhos dos incrédulos. Por outra parte, não conseguimos curar as feridas causadas pela amargura, entre todos os pastores. Por conseguinte, embora a unidade das igrejas tenha melhorado consideravelmente, isso não tinha satisfeito plenamente os desejos do coração de Deus.
  • 166. Alguns líderes não demonstraram a coragem de declarar-se abertamente contra as fortalezas que o inimigo havia implantado entre as igrejas. Em resultado disso, as igrejas tornaram-se mais vulneráveis aos ataques espirituais do que era necessário que fosse, e o projeto não se mostrou tão bem-sucedido conforme nós havíamos esperado que fosse. A guisa de nota de rodapé, estamos agradecidos que, enquanto estamos escrevendo, a situação melhorou enormemente, e que o Corpo de Cristo, em Resistência, finalmente está chegando a um estado de unidade espiritual. Se isso tivesse acontecido, digamos, dois ou três anos antes, sentimos que teríamos podido ver muito mais fruto permanente do que realmente vimos. Não obstante, o aumento de 102% no número de pessoas que freqüentam a nossa igreja tem sido alentador. Mudando-nos Para La Plata O plano de evangelização para La Plata deu continuidade ao plano que Deus deu para Edgardo Silvoso, como estratégia para conquistar a cidade para Cristo. Silvoso alicerça a sua estratégia sobre quatro princípios fundamentais: 1. A unidade espiritual das igrejas de uma cidade 2. Poderosas orações intercessórias 3. Guerra espiritual em nível estratégico 4. Multiplicação de novas igrejas. Declarou Peter Wagner: "A estratégia mais sofisticada para a evangelização de uma cidade que existe no presente é a da Harvest Evangelism, de Edgardo Silvoso".2 Para vermos como o mapeamento espiritual ajusta-se ao inteiro desígnio evangelístico, seja-me permitido sintetizar os seis passos sugeridos por Silvoso para a conquista de uma cidade para Cristo:
  • 167. 1. Estabelecer o perímetro de Deus na cidade Definir quem e quantos formam o Reino de Deus na cidade. Procurar o "remanescente fiel", ou seja, aqueles que se comprometeram a pagar o preço necessário para começar o reavivamento espiritual. 2. Fortalecer o perímetro Reconhecer que o adversário infiltrou-se tanto na cidade como nas próprias igrejas. Fortalecer e edificar os santos. Discernir as fortalezas do inimigo. "Procurando diligentemente guardar a unidade do Espírito no vínculo da paz" (Ef 4.3, V. R.). Iniciar o movimento de oração e estabelecer casas de oração na cidade. 3. Expandir o perímetro de Deus na cidade Traçar planos específicos para ampliar o Reino de Deus na cidade. Formular alvos e objetivos. Tirar proveito de cada recurso disponível. Começar a treinar líderes e implantadores de igrejas. 4. Infiltrar o perímetro de Satanás Lançar um "ataque aéreo" de orações específicas de intercessão estratégica, mediante centenas ou mesmo milhares de casas de oração (células de oração), com o objetivo de debilitar o controle de Satanás sobre os perdidos, reivindicando, em lugar disso, condições favoráveis para o evangelho. Ao mesmo tempo, começar a implantar igrejas embrionárias (faróis), em antecipação a uma colheita abundante.
  • 168. 5. Atacar e destruir o perímetro de Satanás Dar início ao "assalto frontal". Lançar a conquista espiritual da cidade, confrontando, amarrando e derrubando as potestades espirituais que governam a região. Proclamar a mensagem do evangelho a todo habitante da cidade. Discipular os novos crentes através dos "faróis" estabelecidos. 6. Estabelecer o novo perímetro de Deus, no que antes era perímetro de Satanás Batizar os recém-convertidos em um culto batismal unificado, como uma declaração espiritual visível de vitória. Continuar a discipular. Edificar as novas igrejas. Injetar a visão missionária para que sejam evangelizadas outras cidades. Repetir o ciclo! Enquanto estou escrevendo, o plano acerca de La Plata ainda não atingiu o seu ponto intermediário. Tudo começou em 1991, tendo como alvo ver 5% da população tornarem-se crentes evangélicos, aí pelo ano de 1993. Isso significa que as oitenta e cinco igrejas existentes em 1991 terão de aumentar para trezentas igrejas, aí pelos fins de 1993. Até agora, mil e setecentas casas de oração foram iniciadas, e muitos seminários de treinamento intensivo têm sido efetuados. Em junho de 1992, Cindy Jacobs visitou La Plata pela segunda vez. Por ocasião da primeira visita de Cindy, ela efetuou um seminário sobre a cura interior para os membros de igreja, os quais, em geral, não desfrutavam de higidez espiritual excelente. Por ocasião da segunda visita de Cindy, conforme detalharei mais adiante, ela conduziu os pastores e os intercessores a começarem a assumir autoridade espiritual sobre a cidade, intensificando o "ataque aéreo". COMEÇA O MAPEAMENTO ESPIRITUAL De acordo com os planos evangelísticos de Edgardo Silvoso, o mapeamento espiritual deveria ser feito, em sua maior parte, antes
  • 169. do passo de número cinco, "Atacar e destruir o perímetro de Satanás". Sob a minha orientação, a maior parte do mapeamento espiritual tinha sido feita antes da visita de Cindy Jacobs em junho. Pouco tempo antes de meus familiares e eu nos mudarmos de Resistência para La Plata, passei algum tempo dedicado à oração Pedi que o Senhor me mostrasse a situação espiritual de La Plata. Senti que o Senhor falava comigo, e, um tanto para minha surpresa, dizia uma única palavra, "Maçonaria". Imediatamente relembrei que um dos espíritos governantes sobre Resistência, acerca do qual Cindy Jacobs e Dóris Wagner tinham suspeitado, era um espírito territorial nacional, o espírito da Maçonaria. Eu sabia bastante do papel desempenhado pela maçonaria durante a libertação da América Latina dos espanhóis, por meio de Simón Bolívar e José de San Martin. Além disso, entretanto, eu não tinha qualquer conhecimento pessoal acerca daquela ordem secreta, o que ela acredita ou faz. Quando chegamos a La Plata, de imediato procurei e entabulei relações firmes com os intercessores reconhecidos de diversas igrejas. Sem que tivesse havido qualquer comunicação entre eles, e sem que eu tivesse mencionado qualquer coisa, três intercessores apresentaram-se como voluntários para dar-me a informação que, nas orações que eles tinham feito recentemente, tinham sido advertidos acerca do espírito de maçonaria. Isso confirmou a mensagem que eu havia recebido da parte do Senhor, enchendo-me de confiança para mover-me ao longo dessa vereda em minhas pesquisas. Os Fundadores de La Plata Minhas pesquisas confirmaram que todos aqueles que participaram na fundação da cidade de La Plata, pouco mais de cem anos atrás, eram pertencentes à maçonaria. Dardo Rocha, conhecido como o progenitor da cidade, foi um maçom de elevado grau. Esses fundadores pertenciam à Loja Maçônica da Argentina Oriental. O livro publicado pelo jornal El Dia, a fim de comemorar o centésimo aniversário da fundação de La Plata, disse: "A cidade de
  • 170. La Plata foi fundada a fim de fornecer refúgio à família maçônica da Argentina Oriental". Uma Cidade Planejada Para Glorificar o Adversário Na página seguinte estou reproduzindo um mapa dos mil duzentos e cinqüenta e quatro quarteirões do centro da cidade de La Plata a fim de ilustrar o que parece ter sido o desígnio intencional dos fundadores da cidade, ou seja, glorificar a criatura, e não o Criador. O número-chave é o seis, número proeminente do ocultismo, pois as praças estão espaçadas de seis em seis quarteirões. O número seiscentos e sessenta e seis aparece claramente em muitos dos edifícios públicos. No ponto mais elevado da cidade fica a praça central, de onde partem os dois principais bulevares diagonais, chamados Diagonal 73 e Diagonal 74, apontados para os quatro pontos cardeais da bússola. A cidade não acompanha os quatro pontos cardeais de norte, sul, leste e oeste, conforme se dá com a maioria das cidades latino-americanas, mas formando um ângulo de quarenta e cinco graus, ou seja, em diagonal, de tal maneira de as Diagonais, e não as ruas ordinárias, estão alinhadas com os pontos cardeais. Conforme é fácil de perceber, as diagonais formam pirâmides quase perfeitas. No processo de estabelecer a nova cidade de La Plata, Dardo Rocha visitou o Egito, a terra das pirâmides, como também a antiga terra da maçonaria. Ali chegando, ele adquiriu dezesseis múmias, presumivelmente com a intenção de ajudar a fazer a cidade ficar sob o poder permanente de anjos negros. Hoje, quatro dessas múmias estão guardadas no Museu de Ciência Natural. Ninguém, de todas as pessoas com quem entrei em contato, sabe onde ficaram as outras doze múmias. Contudo, alguns historiadores suspeitam que elas jazem sepultadas em pontos estratégicos da cidade, com o seu potencial de poder oculto para influenciar o maior número possível de habitantes.
  • 171. As Quatro Mulheres Na praça central, denominada Praça Moreno, há quatro grandes estátuas que, a princípio, parecem quatro mulheres atrativas. Mas um exame mais de perto mostra que cada uma das mulheres foi moldada com o sinal da maldição, ou seja, o dedo indicador e o dedo mínimo de uma das mãos estendidos. Uma dessas estátuas, que se acha na Diagonal 73, na direção oeste, está apontando para a Catedral Católica Romana, amaldiçoando assim o poder religioso da cidade. Uma segunda estátua, na parte oriental da Diagonal 73, está segurando um molho de trigo deformado em uma das mãos, enquanto que com a outra amaldiçoa o solo, fonte de pão diário. A terceira estátua fica no lado norte da Diagonal 74. Ela se acha em uma posição sensual, oferecendo uma flor com uma das mãos, ao passo que com a outra segura um buquê de flores, fazendo o sinal da maldição. Ela está amaldiçoando tudo quanto está envolvido no amor conjugal e na família. A quarta estátua fica no lado sul da Diagonal 74, estendendo a mão na direção da prefeitura, a fim de amaldiçoar o poder político da cidade. Quando comecei a investigar a origem das quatro iníquas estátuas, descobri que elas tinham sido escolhidas e pedidas de um catálogo expedido pela Fundição Val D'Osme, em Paris, França, uma fundição de propriedade de maçons e operada por eles. E também descobri, para minha grande tristeza, que a maioria das estátuas de praças por toda a Argentina foi manufaturada pela mesma fundição maçônica. Além disso, na praça central, e vindo da mesma fundição, existem duas grandes urnas da tradição maçônica, com alças com formato de rostos de demônios. Depois de haver recolhido todas essas informações a respeito do papel da maçonaria na fundação de La Plata, ainda assim eu não sentia que já tinha descoberto a chave verdadeira para que pudesse fazer o mapeamento espiritual da cidade. Então consagrei-me à oração por diversos dias, pedindo que o Senhor me mostrasse mais coisas. Um dia senti que o estava ouvindo dizerme: "A chave que estás procurando está desenhada na planta baixa da cidade".
  • 172. LA PLATA: UM TEMPLO DA MAÇONARIA? Se examinarmos mais detidamente o mapa da cidade de La Plata, começaremos a perceber que as formas geométricas do traçado da cidade formam símbolos maçônicos, segundo se vê nos três pontos abaixo: 1. O Compasso. A articulação do compasso maçônico, em La Plata, é formada pela praça Rivadávia, nome do primeiro presidente argentino, que era maçom, e pela praça almirante Brown, nome do oficial militar que participou da revolução argentina contra a Espanha, e que também era maçom. Os dois braços do compasso descem pelas Diagonais 77 e 78. 2. O Quadrado. O lado de dentro do quadrado maçônico forma um ponto em ângulo reto na praça San Martin, nome do herói nacional da Argentina, que também era maçom. A parte externa forma um ponto em ângulo reto com a praça Moreno, onde também estão localizadas as quatro notórias estátuas de que já falamos. Moreno foi uma figura-chave da revolução de maio de 1810, e ele, igualmente, era maçom. 3. A Cruz Invertida. Conforme se observa no mapa, a cruz invertida é formada por aquilo que se chama de "Eixo Histórico da Cidade", e que contém os edifícios que abrigam os poderes religiosos e políticos de La Plata. O ponto vertical da cruz com a chefatura de Polícia, ao pé da cruz (parte superior do mapa, visto que a cruz está invertida), atravessa a sede do governo da província, o legislativo da província, o teatro Argentino, a prefeitura, a catedral Católica Romana, o Ministério da Saúde e termina com o quartel do exército. No lado esquerdo da barra transversal fica o tribunal, e no lado direito dela, o Ministério da Educação. Um dos princípios de um governo democrático consiste em manter os ramos do governo independentes uns dos outros. Mas já descobri que muitas cidades planejadas pelos maçons contam com túneis subterrâneos secretos, interligando esses vários ramos. Em La Plata, a rua 52, também chamada de Eixo Histórico da Cidade, não tem uma rua de superfície, e, sim, um túnel subterrâneo. Alguns dizem que os maçons costumavam efetuar ritos secretos debaixo dos centros de poder da cidade, exercendo assim uma espécie de controle espiritual sobre o povo, até onde isso era possível.
  • 173. Visto que os maçons não acreditam que o sangue de Jesus, vertido no Calvário, é o único pagamento pelos nossos pecados, assim sendo, o caminho exclusivo para a salvação, parece, por meio do mapa, que o "X" formado pelas Diagonais 73 e 74, as diagonais principais, cruza ou cancela a cruz. Essas diagonais cruzam-se bem era cima da pedra fundamental da cidade, no centro da praça Moreno. Conforme alguns dizem, ali está contida a cápsula do tempo da maçonaria, implantada naquele ponto da cidade pelo próprio Dardo Rocha. Embora eu não os tenha destacado no mapa, também encontrei outros símbolos maçônicos, no traçado das ruas da cidade, como a Estrela Oriental, o pentagrama, e outros. Símbolos adicionais também existem sob a forma de estátuas e monumentos espalhados por toda a cidade. Depois de ter feito mais algumas pesquisas, nos Estados Unidos da América, no começo do ano de 1992, agora estou preparado para oferecer a hipótese que La Plata bem pode ter sido a epítome das cidades planejadas pela maçonaria. Também não me sentiria surpreso se a própria cidade fosse considerada como um templo da maçonaria, em todo o continente da América. Que é a Maçonaria? Meus estudos têm indicado que a maçonaria é um movimento secreto do ocultismo, que adora e serve a Satanás e os poderes demoníacos. A maçonaria usa quaisquer meios disponíveis para obter poder, autoridade e influência sobre as atividades humanas. Compõe-se de uma combinação de muitas crenças e tem raízes no antigo Egito, passando depois disso pela Assíria, pela Caldéia, pela Babilônia, pela China, pela Índia, pela Escandinávia, por Roma e pela Grécia. Muitas pessoas juntam-se à maçonaria por pensarem que ela é uma associação fraternal e benevolente. Enquanto seus membros vão subindo de grau em grau, a demonização provavelmente vai-se acentuando, e nos graus superiores há pactos francos e irreversíveis, estabelecidos com Satanás e as suas forças. O resultado final, na maioria dos casos, não tem nada de benévolo,
  • 174. mas tão-somente ajuda a Satanás a realizar os seus objetivos, que são roubar, matar e destruir. Uma das conseqüências modernas da maçonaria está vinculada ao crescente movimento da Nova Era. De fato, a New Age Magazine (Revista da Nova Era) é publicada pelo Supremo Concilio Mãe do Mundo, o Supremo Concilio do Grau Trinta e Três e Final, do Antigo e Aceito Rito Escocês da Maçonaria, Jurisdição Sul dos Estados Unidos da América, cuja sede fica em Washington, D. C. Os Poderes Que Dominam La Plata Por meio de nosso estudo sobre a maçonaria e suas crenças, sentimos que descobrimos a presença de seis principados espirituais do mal que governam La Plata. Esses espíritos territoriais são os seguintes: 1. O Espírito de Sensualidade. Exibido no comum simbolismo fálico da maçonaria. 2. O Espírito de Violência. Arraigado nos métodos de punição que cercam os ritos de iniciação da maçonaria. 3. O Espírito de Feitiçaria. Manifestado nas artes mágicas e nas intrigas da maçonaria. 4. O Espírito da Morte em Vida. Relacionado às lendas egípcias sobre Osíris, e perpetuado em La Plata por meio dos rituais de sepultamento de múmias, com a finalidade de amaldiçoar a cidade. 5. A divindade maçônica Jah-Baal-On: Este é o valente que domina a cidade. 6. A Rainha do Céu. Manifesta-se primariamente na adoração à Virgem Maria, e talvez relacionado, por meio da maçonaria, à antiga deusa egípcia Ísis.
  • 175. Muitas linhas geométricas da cidade, sem dúvida, constituem linhas de poder das artes ocultas. O Eixo Histórico de La Plata, onde deveria estar a rua 52, serve de exemplo primário. Outra dessas linhas é a Diagonal 74, que vai através da praça central, onde estão localizadas as quatro estátuas, através de muitas praças importantes, através da localização de uma colônia afrobrasileira, que pratica abertamente a macumba e as maldições de morte, e terminando no cemitério, um evidente símbolo da morte. ASSUMINDO AUTORIDADE SOBRE LA PLATA Houve um ano de mapeamento espiritual e de muitas outras atividades preparativas, incluindo um seminário de curas internas que cobriu a cidade inteira, a formação de uma poderosa teia de intercessores, muitas reuniões de oração de pastores e o estabelecimento de mil e setecentas casas de oração. Aí por junho de 1992, os pastores da cidade sentiram que era chegado o tempo da primeira batalha espiritual contra as forças satânicas predominantes em La Plata. Cindy Jacobs, muito bem respeitada entre os líderes evangélicos argentinos, por motivo de seus dons espirituais e de seu ministério em que ela orienta os pastores para conquistarem as suas cidades respectivas para Deus, visitou La Plata, a fim de participar do ataque. Os pastores adotaram como texto diretriz a passagem de 2 Crônicas 7.14: "Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra". Os crentes da cidade reuniram-se em uma das principais igrejas. Durante quatro horas, as igrejas de La Plata oraram fervorosamente pela cidade, pedindo perdão por causa das iniqüidade da comunidade e por causa dos pecados que estavam sendo cometidos. Os líderes rogaram humildemente a Deus que apagasse as conseqüências do pecado e removesse a maldição de cima da cidade. Também oraram por aqueles que tinham sido ofendidos pelos líderes políticos e pelas estruturas sociais injustas, bem como por aqueles que tinham sido ofendidos pelas igrejas e pelos líderes eclesiásticos. Arrependeram-se da presença da
  • 176. maçonaria na cidade, e por ter sido a cidade entregue a Satanás. Derramaram os seus corações, pedindo perdão por toda forma de pecado sexual, pela violência na cidade (especialmente durante a era terrorista), pela opressão militar, pela adoração ao principado conhecido como .Rainha do Céu, e, então, pela bruxaria e feitiçaria. Finalmente, voltaram-se contra o espírito de morte em vida, com a resultante apatia predominante entre o povo. Após um prolongado período de humilhação e arrependimento, com o derramamento de muitas lágrimas, os crentes sentiram-se prontos a proclamar: "Agora é chegado o tempo de Deus para abençoar La Plata!" Após aquele notável evento, e sentindo que Deus havia dado resposta às nossas orações, que pediam livramento e perdão de pecados, vinte pastores e diversos intercessores reuniram-se com Cindy Jacobs e o marido dela, Mike, para planejarem uma estratégia para declararem batalha na praça central de La Plata, a praça Moreno. O resto do grupo ficou para trás, orando pela nossa proteção. Ficou decidido que os pastores orariam de dois em dois, na praça Moreno — o primeiro pastor quebraria o poder do espírito e o segundo invocaria o espírito contrário, bem como o dom remidor de Deus, utilizando-se das Escrituras. Um por vez, eles oraram: 1. Contra o Espírito de Sensualidade. Os pastores orariam de pé, por sobre a pedra fundamental da cidade, na Diagonal 73, voltados para nordeste, na direção da Europa, de onde vieram os primeiros colonos para aquela área, quase todos eles criminosos e prostitutas. 2. Contra o Espírito de Violência. Os pastores orariam na Diagonal 73, voltados para oeste, olhando para o interior da nação, onde ataques cruéis foram desfechados contra a população indígena, causando muito derramamento de sangue e a extinção de algumas das tribos.
  • 177. 3. Contra o Espírito de Feitiçaria. Os pastores orariam na Diagonal 74, voltados para o norte, na direção do Brasil, de onde veio o baixo espiritismo afro-brasileiro da macumba. 4. Contra o Espírito da Morte em Vida. Os pastores orariam na Diagonal 74, de rostos voltados para o sul, na direção do cemitério, símbolo da morte. 5. Contra o Espírito da Rainha do Céu. Os pastores orariam de frente para a Catedral Católica-Romana, representante do culto à adoração à Virgem Maria, ou melhor, à Rainha do Céu. 6. Contra a divindade maçônica Jah-Baal-On. Os pastores orariam de pé sobre a pedra fundamental da cidade, contra esse espírito que era o valente que predominava sobre a cidade. Começamos a orar às seis horas da tarde, acreditando que o número seis é importante, e oramos na ordem dada acima. Sentimos que Deus nos deu alguns sinais significativos enquanto estivemos ali. Para exemplificar, quando começamos a orar contra o espírito da violência e da destruição, os sinos da prefeitura ficaram tocando, sem qualquer motivo aparente. Tínhamos visto fenômeno idêntico tanto em Mar del Plata quanto em Resistência, pelo que interpretamos que isso seria um sinal divino. Mais tarde fomos informados que, naquele exato momento, em que estávamos amarrando o espírito da violência, manifestaram-se demônios em um rapaz que praticava as artes marciais. Ele deu um salto de 2,70m no ar, chocou a cabeça contra uma parede e começou a quebrar mesas e cadeiras. Os crentes que assistiram à cena oraram por ele, rogando a Deus que o livrasse, e o jovem foi libertado daquele ataque satânico. Mais tarde, estando de pé sobre a pedra fundamental da cidade, no centro da praça Moreno, voltamo-nos contra o espírito da maçonaria, e sentimos liberdade, no Espírito Santo, para quebrar as maldições postas sobre as linhas diagonais no traçado da cidade. Proclamamos que haveria uma nova cidade, tendo a Jesus Cristo como a pedra fundamental da cidade de La Plata.
  • 178. Então nos arrumamos de modo a formar uma cruz, no centro da praça, por sobre a pedra fundamental da cidade, elevando Jesus sobre a cidade e restaurando a cruz, não de cabeça para baixo, mas que servisse de símbolo de salvação para a cidade de La Plata. CONCLUSÃO Ainda dispomos de muitos meses em nosso esforço evangelístico em favor da cidade de La Plata. Acreditamos que os resultados ainda serão maiores do que em Resistência. Enquanto concluo este capítulo, estamos em meio a uma cruzada evangelizadora pela cidade inteira, em companhia de Carlos Annacondia, um dos mais poderosos evangelistas de Deus. Mui significativamente, a cruzada está sendo efetuada no quartelgeneral do exército, exatamente ao pé da cruz invertida (naquilo que seria o topo da cruz posta na sua posição correta). Regozijo-me diante daquilo que está acontecendo e diante daquilo que continuará acontecendo, bem como devido ao privilégio de estarmos fazendo uma pequena contribuição para a ampliação do Reino de Deus, mediante o mapeamento espiritual. Perguntas para refletir 1. Alguns acharão difícil acreditar que Víctor Lorenzo realmente tenha visto um anjo. Você acha que isso é possível? Você conhece pessoalmente alguém que viu um anjo? 2. Reveja os seis princípios postulados por Lorenzo quanto ao mapeamento espiritual, dados à página 177. Apresente uma razão pessoal, sua, para cada princípio. 3. A estratégia de Edgardo Silvoso de evangelismo por toda uma cidade incorpora a guerra espiritual em nível estratégico e o mapeamento espiritual. Você conhece qualquer outra estratégia para cidade inteira que faça isso? 4. Estude o mapa de La Plata. Certifique-se de que pode detectar as características descritas por Lorenzo. Por que alguém haveria de
  • 179. querer planejar uma cidade de acordo com os padrões próprios do ocultismo? 5. Qual é a influência que a maçonaria exerce sobre a sua própria comunidade? Como isso é percebido pelo público em geral? e pela comunidade cristã? Notas 1. DAWSON, John. Taking Our Cities for God [Reconquiste Sua Cidade Para Deus - Ed. Betânia]. Lake Mary, FL, Creation House, 1989. p. 85. 2. WAGNER, C. Peter. Oração de Guerra. Editora Bompastor. Parte III: APLICAÇÃO 8. MAPEANDO E DISCERNINDO SEATTLE, WASHINGTON Por Mark McGregor e Bev Klopp Mark McGregor é um programador de computadores que vive em Seattle, estado de Washington. Ele está fazendo cursos no centro de extensão do Seminário Teológico Fuller, em Seattle. Bev Klopp é fundadora da Gateway Ministries, que ajuda as igrejas nos campos da oração estratégica, da guerra espiritual e do evangelismo, em suas cidades. Sendo uma bem conhecida
  • 180. intercessora, Bev é membro da equipe de intercessores que servem a Spiritual Warfare Network e a United Prayer Track do Movimento A.D. 2000 e Além. Primeira Seção MAPEANDO SEATTLE Por Mark McGregor Este documento está calcado sobre as vinte perguntas que aparecem no livro de John Dawson, Reconquiste Sua Cidade Para Deus.1 O propósito dessas vinte perguntas, de acordo com o próprio John Dawson, é examinar a história de uma cidade ou país, a fim de ajudar a determinar duas coisas: (1) áreas de pecados passados que requerem arrependimento e perdão, e (2) os dons remidores dessa cidade. Mas por que isso é importante? Antes de tudo, Dawson assevera que os pecados passados de uma cidade ou nação podem franquear a região para as influências espirituais demoníacas, mantendo a sua população sujeita à escravidão espiritual. Em segundo lugar, Dawson garante que Deus tem dado certos "dons" remidores a cada cidade, e que o inimigo tenta perverter esses dons, para impedir que essas cidades produzam fruto espiritual. Dawson acredita que os líderes evangélicos precisam descobrir tanto os pecados passados quanto os dons remidores de suas cidades, a fim de quebrarem os poderes que escravizam uma cidade, e para que haja um avanço para que se estabeleça um verdadeiro meio ambiente espiritual, conforme era a intenção original de Deus. 1. Que lugar ocupa a sua cidade na história de uma nação? O território de Washington veio a tornar-se uma realidade quando a Inglaterra e a América do Norte decidiram que resolveriam a questão das fronteiras nacionais. A América do Norte reivindicou e recebeu tudo entre o paralelo 48 e o rio Colúmbia, com exceção da ilha Vitória. Os primeiros colonos chegaram à área
  • 181. de Seattle no começo da década de 1850, tendo migrado do território de Oregon. As primeiras indústrias exploraram os couros e a madeira. As peles de lontra seguiam para a China e a madeira ia para a cidade de São Francisco, que estava em grande período de progresso por causa da corrida do ouro. A cidade de Seattle começou a desenvolver-se após a Guerra Civil norte-americana. A cidade não desempenhou qualquer papel durante a guerra, embora, devido à sua postura e à lei, não fosse um território escravocrata. O crescimento ocorreu aos arrancos, visto que a região não dispunha de qualquer indústria forte e estável. A descoberta do ouro, primeiro no Fraser, e depois no Yukon, ajudou Seattle a crescer, visto que era um ponto natural de parada para quem viajava pela costa marítima. Tornou-se, e até hoje é, o maior ponto de transbordo entre o estado do Alasca e os demais estados, que formam um bloco. É importante examinar a história de uma cidade ou país, a fim de ajudar a determinar: (1) áreas de pecados passados que requerem arrependimento e perdão, e (2) os dons remidores dessa cidade ou país. Seattle cresceu como cidade industrial e como entreposto de comércio, que dirigia companhias de navegação que a ligavam com o Alasca e com o Extremo Oriente. A construção de navios e o fabrico de aviões tornaram-se duas grandes indústrias. Durante a Segunda Guerra Mundial, Seattle tornou-se uma das principais cidades a destacar-se no esforço de guerra, por causa de sua localização estratégica à beira do oceano Pacífico, e também por causa do impacto da Corporação Boeing. É provável que esse período tenha sido o tempo mais significativo para Seattle, durante a história moderna. 2. Houve alguma imposição de nova cultura ou de idioma, por causa de conquista? Sim, embora a palavra "conquista" talvez não seja o melhor termo para descrever os acontecimentos.
  • 182. Quando o homem branco chegou àquela região, as tribos indígenas pertenciam ao grupo de línguas costeiras salish. E a cultura dos índios estava centrada em torno das atividades da caça e da coleta, que tinha por centro a pesca de salmões. Juntamente com o homem branco veio a influência das culturas espanhola, francesa, inglesa, norte-americana e russa. Foi assim que se desenvolveu uma língua intermediária, o chinuque, uma combinação de salish, francês e inglês. Muitos indígenas, incluindo o chefe Seattle, não apreciavam esse idioma, mas os brancos recusavam-se essencialmente por aprender o salish, e geralmente só se comunicavam em inglês, e, só muito ocasionalmente, em chinuque. A chegada das culturas do homem branco também indicou o começo do fim da cultura indígena, além do que muitas tribos foram dizimadas. Enfermidades trazidas pelo homem branco mataram milhares de índios. A pesca, como meio de vida, foi substituída pela exploração da madeira, pela construção e por outras formas de trabalho manual. Os índios começaram a viciarse nas bebidas alcoólicas. Desapareceu o estilo de vida indígena comunitária, que preferia as casas longas. Em muitas áreas, a cultura indígena tinha sido de tal modo desarraigada que os antropólogos e sociólogos da atualidade estão encontrando muita dificuldade para reconstruir o estilo de vida tribal original. Para exemplificar, a tribo duwamish estava localizada quase na mesma área onde Seattle foi originalmente estabelecida. A cultura deles foi obliterada por inteiro. Aqueles índios não receberam quaisquer terras, e não mais existem como uma unidade tribal distinta em nossos dias. Essa imposição de idioma e de cultura até hoje é motivo de ressentimento, de diversas maneiras. Os índios continuam vivendo em reservas e têm procurado recuperar a sua herança cultural. Os conflitos continuam, a despeito dos direitos dos índios de caçarem e pescarem, da mesma maneira que os seus antepassados costumavam fazer. Uma forte área conflitante é o direito que os índios têm de lançar as suas redes de pesca no oceano e nos riachos que circundam a área de Seattle. Algumas tribos têm procurado restabelecer suas festividades pagãs que honravam o deus salmão, que era a figura central de muitas cerimônias religiosas.
  • 183. 3. Quais eram as práticas religiosas dos antigos habitantes do lugar? O grupo dos indígenas salish ocupava o extremo sul das chamadas "tribos de postes-tótemes". Suas práticas e crenças religiosas são similares às práticas da maioria dos grupos nativos que ocupam a costa do Alasca. O líder religioso da comunidade era um xamã, considerado dotado de grandes poderes nas áreas da bênção, da maldição e da cura de doenças. A posição de um xamã era validada por um encontro inicial com um espírito guia, cuja identidade era mantida secreta. Os xamãs podiam ser do sexo masculino ou do sexo feminino, e o poder não passava, necessariamente, de pai para filho. O que emprestava validade e era a chave para que alguém se tornasse um xamã era aquele encontro inicial com um espírito. O encontro espiritual não se limitava aos xamãs. Pessoas "comuns" também buscavam a orientação de espíritos para guiá-las por toda a vida. Com freqüência, os espíritos guiavam uma pessoa a alguma vocação específica, como o fabrico de canoas. Os artesãos mais habilidosos eram considerados homens dotados de algum guia espiritual. Esse espírito guia usualmente aparecia sob a forma de algum animal. Um exemplo disso eram os entalhadores de madeira, cujo espírito guia geralmente aparecia com a forma de um pica-pau. Sempre que uma pessoa ouvia o som típico feito por um pica-pau, entendia que o espírito estava nas proximidades, observando o trabalho que estivesse sendo feito. Um espírito guia geralmente era encontrado após algum tempo de jejum e oração. As pessoas interessadas se purificavam cerimonialmente, privando-se de alimentos e buscando algum tipo de encontro com o mundo dos espíritos. Com freqüência, entravam em um estado de transe, durante o qual tinham um encontro com o seu espírito guia. Os deuses dos índios salish pareciam ser um tanto impessoais e distantes. Grande parte dos benefícios outorgados aos seres humanos (como o fogo, instrumentos e assim por diante) viriam através do espírito cheio de truques que era pintado como se fosse um corvo ou um coiote. Esse espírito de truque dava às pessoas coisas que supostamente elas não deveriam ter. Deus não
  • 184. seria um ser necessariamente enganador, sim, seria amigável. amigável, mas esse espírito A principal cerimônia religiosa do ano girava em torno da volta do salmão. Os indígenas mostravam o maior respeito pelo salmão, mesmo porque o salmão era uma de suas principais fontes de alimentos. O primeiro salmão a ser apanhado em um ano era levado à aldeia, em meio a um cerimonial, e, ali chegando, através de rito especial, os índios agradeciam aos espíritos a volta do peixe. Outro ato cerimonial que não era necessariamente religioso mas que era extremamente importante para os índios era o "potlatch". Quando isso sucedia, o hospedeiro oferecia uma grande festa para os seus convidados, onde não somente havia festejos, mas também havia intensa troca de presentes. Esse ato cerimonial era validado pelo ato de presentear. Duas razões principais para o "potlatch" eram: (1) a autoglorificação — pois o hospedeiro demonstrava assim as riquezas e a posição de sua família; e (2) era obrigatório recompensar com outros presentes. Os presentes dados de volta eram o "atrativo" maior da cerimônia do "potlatch". Para não se sentirem diminuídos mas manterem a glória da família, os convidados sentiam-se na obrigação de oferecer uma festa similar, com presentes maiores e melhores ainda. Por essa razão, os ricos ficavam cada vez mais ricos, e os pobres ficavam cada vez mais pobres. De acordo com uma outra forma de "potlatch", em vez de dar presentes, o hospedeiro destruía as suas possessões, a fim de demonstrar a sua grandeza. Em vez de compartilhar, o indivíduo destruía. Essa destruição podia incluir até mesmo os atos de matar ou aleijar escravos. Uma área final de prática religiosa diz respeito aos mortos. Os espíritos dos antepassados eram grandemente temidos. As tribos mostravam-se muito cuidadosas no sepultamento e honrarias prestadas aos mortos, a fim de que os seus espíritos não voltassem para assombrar a tribo. Uma das crenças era que proferir o nome de uma pessoa morta a fazia ficar "desassossegada" no sepulcro. Por conseguinte, deve ser considerado uma grande ameaça ao grande chefe Seattle o fato que a cidade recebeu o nome dele, porque, cada vez em que o nome dele é proferido, isso o afeta no além-túmulo. Com freqüência, os locais de sepultamento eram adornados com entalhes e fetiches, o que, em minha opinião, parece algo repelente e feroz.
  • 185. 4. Houve tempo em que surgiu uma nova religião? Não, até onde sou capaz de dizer. Os antropólogos especulam que o xamanismo veio da Ásia, e que foi a forma dominante de religião entre os ameríndios, até à chegada do cristianismo. 5. Sob quais circunstâncias o evangelho entrou pela primeira vez na cidade? Em 1852, o bispo Demers efetuou a primeira cerimônia religiosa da cidade, e quase todos os habitantes fizeram-se presentes. Naquele mesmo ano, o pastor Benjamim Close, um metodista, efetuou os primeiros cultos protestantes na colônia de Seattle. O pastor Demers estava indo para Fort Victória, e Close vivia em Olímpia, pelo que foram apenas cultos efetuados em ocasiões de visita. O primeiro ministro residente, que trabalhou por tempo integral em Seattle, chegou no outono de 1853. O pastor David Blaine e sua esposa, Catarina, estabeleceram a primeira igreja, uma congregação Metodista Episcopal. Foram bem acolhidos e patrocinados por Arthur Denny, que proveu uma residência inicial para eles. Ele e sua esposa perfizeram dois terços da congregação inicial. Essa foi a única igreja na área, durante mais de dez anos. Os Blaines não deixaram uma impressão profunda e duradoura em Seattle. De acordo com os padrões da parte oriental dos Estados Unidos, Seattle não era uma comunidade religiosa. Um claro problema que envolvia o Rev. Blaine era a sua atitude para com a população indígena. Em uma carta que escreveu para sua terra de origem, ele disse basicamente que era impossível ajudar os índios, e isso por causa destes pontos: (1) a barreira da linguagem; (2) o comportamento pecaminoso deles; e (3) o contexto social deles. Desde o começo de 1856 até os fins de 1860, Seattle não contou com um ministro evangélico residente. As reuniões evangélicas eram efetuadas a cada duas semanas, na igreja
  • 186. metodista. Nos fins de 1860, chegou o pastor Daniel Bagley, vindo do estado de Oregon. Ele era um implantador de igrejas, tendo implantado vinte igrejas nos estados de Oregon e de Washington. Bagley tornou-se um dos principais fundadores da segunda geração de habitantes da cidade, além de ter servido de instrumento na formação da primeira universidade iniciada na cidade de Seattle (mais tarde, Universidade de Washington). Ele também era maçom, juntamente com vários outros fundadores da cidade. Ministros adicionais começaram a chegar, a partir de 1865, quando os episcopais de Olímpia chegaram à cidade e iniciaram uma congregação. Os presbiterianos chegaram em 1866, na pessoa do pastor George Whitworth, que também se tornou industrial junto com o Rev. Bagley. Naquele estágio inicial, as igrejas cooperavam harmoniosamente umas com as outras — duas igrejas e quatro pastores que representavam quatro denominações. Assim, dois pastores trabalhavam em cada igreja, alternando-se nos deveres da pregação, e basicamente sem criarem qualquer problema uns com os outros. Os católicos romanos chegaram em 1867, os congregacionais e os batistas, em 1869. O ministro batista era o pastor Edward Hanford, que foi um dos grandes primeiros líderes espirituais de Seattle. O chefe Seattle, o famoso líder índio, no seu discurso de assinatura de um tratado, provavelmente foi quem melhor articulou a posição dos índios, no tocante ao Deus do homem branco. Uma parte de seu discurso dizia: "O Deus de vocês não é o nosso Deus. O Deus de vocês ama o povo de vocês, mas odeia o meu povo. Ele abraça com amor e proteção os caras pálidas... mas esqueceu-se de seus filhos de pele vermelha, se é que realmente são seus filhos. Nosso Deus, o Grande Espírito, também parece ter-se esquecido de nós". Se o chefe Seattle conseguiu dizer alguma coisa, disse que a Igreja não consegue apresentar um quadro veraz de Deus. Infelizmente, o que os índios viram foi que o Deus dos homens brancos lhes ensinava a ganância, o assassinato e a luta pelo poder espiritual. Eles viam a invasão do homem branco como uma luta de poder espiritual, na qual o Grande Espírito teria saído perdendo.
  • 187. 6. O governo nacional ou da cidade já se desintegrou alguma vez? Sim, quanto a certa maneira de dizer. O primitivo governo da cidade era extremamente corrupto. Henry Yesler, um proeminente proprietário de uma madeireira, conservou-se em forte posição de autoridade durante muitos daqueles primeiros anos, tendo usado a sua influência para encher de dinheiro os bolsos, às custas da cidade. Essa corrupção inicial exigiu que a cidade começasse tudo de novo, depois que Yesler perdeu a sua posição de autoridade. As técnicas fraudulentas de Yesler tinham levado a cidade à beira da bancarrota, por diversas vezes. 7. Qual foi o estilo de liderança dos governos passados? O estilo de governo de Seattle geralmente tem girado em torno da filosofia dos negócios, antes de qualquer outra coisa. Em muitos sentidos, os negócios têm dirigido o governo, havendo poucas regras no mundo dos negócios. Conforme já pudemos mencionar, Henry Yesler, durante muitos anos, foi quem exerceu autoridade no governo de Seattle. Nessa posição, ele não foi nem honesto e nem justo. Ele favorecia dirigir outras pessoas por meio dos negócios, dominando com o seu negócio diversos outros negócios. Quando alguém propunha algo que poderia beneficiar a outrem, e não a ele, então com freqüência ele vetava o projeto, ou então afunilava fundos para outras finalidades. Yesler é a mais antiga epítome de riquezas e abastança que pervertia a justiça, a eqüidade e o interesse pelas pessoas. O período entre 1900 e 1920 foi um período crucial para dar forma à cidade de Seattle. Foi apresentada a decisão, diante dos eleitores, se a cidade de Seattle deveria fechar as suas portas para os jogos, o alcoolismo e a prostituição. A votação ficou oscilando para cá e para lá, mas no fim Seattle continuou como cidade aberta a esses vícios, embora não tão aberta quanto tinha sido durante a corrida do ouro do Yukon. Naquele tempo, o governo e a força policial viviam moralmente maculados pelo suborno e pela corrupção.
  • 188. 8. Já houve alguma guerra que afetasse essa cidade? O efeito primário da guerra sobre Seattle foi a prosperidade econômica. De várias maneiras, as duas guerras mundiais ajudaram a fazer prosperar as indústrias de construção naval, de aviões, de manufaturas e de navegação. 9. A própria cidade foi palco de alguma batalha? Uma pequena batalha entre os índios ocorreu em torno de 1856. A cidade de Seattle ficou em estado de alerta, e houve então um pequeno entrevero. Foram mortos dois residentes brancos da cidade, e um número muito maior de índios. Os índios desfecharam o ataque por causa de um tratado cujas promessas não tinham sido cumpridas por parte do homem branco. Os historiadores acreditam que Seattle sobreviveu a essa batalha somente porque os índios atacaram a cidade mui tardiamente, o que permitiu que os habitantes da cidade solicitassem reforços. Essa ajuda chegou sob a forma de um barco armado da marinha, que bombardeou os índios e causou a maior parte das perdas de vida entre os índios. 10. Quais nomes têm sido usados para rotular a cidade e quais os significados desses nomes? A Cidade Esmeralda. Essa alcunha é melhor entendida quando se examina o meio ambiente de Seattle. A cidade é cercada de árvores perenes, além de estar cercada por lagos e montanhas. O nome reflete esse aspecto luxuriante de Seattle; entretanto, o título também poderia representar as riquezas e a abundância da região.
  • 189. 11. Por que a cidade foi originalmente fundada? Parece que no começo Seattle foi ocupada pelos índios por causa da riqueza de seus recursos naturais e por causa do seu clima. Embora o céu por muitas vezes costume ficar nublado, a temperatura raramente cai abaixo da temperatura de congelamento em qualquer período de tempo no inverno, e a neve é ali infreqüente e de pouca duração. O homem branco chegou ali com o propósito de fazer dinheiro, por meio de negócios. Os primeiros homens de negócios chegaram a caminho da China, ali negociaram com peles de lontras e descobriram que poderiam fazer uma fortuna vendendo estas peles aos chineses. Os primeiros colonizadores enfocaram a atenção sobre os negócios com os índios, de quem obtinham as peles, a fim de transportá-las à China. Esse período durou pouco tempo, pois não demorou muito para as lontras rarearem muito, chegando mesmo à beira da extinção. Arthur Denny e seu grupo (os fundadores) chegaram ali à procura de um local próprio para a fundação de um porto, onde pudessem abrir vias de comércio com o Extremo Oriente. Esses homens de negócios, que estavam procurando uma localização apropriada para ganhar muito dinheiro, descobriram que aquele local era uma ilha um tanto alagadiça, mas com um porto de águas profundas, de fácil acesso para a madeira e outros recursos naturais. Grande parte dos negócios originais eram fechados originalmente com a cidade de São Francisco, que era a principal cidade afetada pela corrida do ouro da Califórnia. Seattle era um local apropriado para plantio de cereais e para o embarque de madeira, da qual a cidade de São Francisco precisava desesperadamente. Os recém-chegados posteriores geralmente aportavam com a idéia fixa de enriquecer. A cidade tinha por habitantes primariamente pessoas pertencentes à classe média. Muitas pessoas, na verdade, acabaram enriquecendo, e assim as classes abastadas tinham raízes sólidas na classe média. As oportunidades para negócios abundavam, envolvendo madeira, manufaturas diversas e criação de gado. A cidade cresceu a uma taxa admirável, até que, na década de 1920, chegou a um patamar
  • 190. onde o crescimento estacionou, até aos anos de grande progresso, durante a Segunda Guerra Mundial. 12. A cidade teve um fundador? Qual era o sonho dele? Seattle foi fundada por Arthur Denny, Carson Boren e William Bell. Esse grupo localizou o canal de águas profundas e planejou a localização original da cidade. Charles Terry tinha originalmente escolhido ocupar o lado oposto da baía, em Alki, mas não demorou muito para vender algumas terras, e acabou mudando-se para Seattle propriamente dita. O sonho de Arthur Denny era estabelecer um lar seguro para a sua família. Ele estava interessado em edificar uma comunidade sólida para o futuro. Seu grande alvo não era tornar-se rico, mas contar com uma sólida comunidade, baseada no comércio e em uma população forte. Denny era homem de grande integridade e honestidade, e era muito respeitado na comunidade. Ninguém podia consumir bebidas alcoólicas em suas empresas ou em suas terras. Ele foi um fator importante no estabelecimento de escolas (incluindo a universidade de Washington), como também na primeira igreja evangélica. Era considerado por todos, inclusive pelos índios, homem cumpridor de sua palavra. Entretanto, ninguém daquela época escreveu que gostava de Denny. Ele era homem respeitado, honesto e probo — mas ninguém gostava dele. Não obstante, uma forte característica negativa de Denny, que acredito refletir-se em Seattle até hoje, também precisa ser mencionada. Apesar de todos os seus valores de integridade, Denny parece ter sido basicamente homem de inação no tocante às questões morais. Até onde sou capaz de dizer, ele não fazia oposição decidida contra os erros morais que ocorriam regularmente ao seu derredor. Ele só pensava nos seus próprios negócios. Essa atitude parece ter permeado a cidade nos seus dias, e assim continua a ser até o presente.
  • 191. 13. Como surgiram os líderes políticos, militares e religiosos, e o que sonhavam eles quanto a si mesmos e à sua cidade? Uma importante visão era fundar uma cidade utópica, para a classe média alta. Isso tornou-se evidente na divisão de Seattle e da reconstrução e ampliação da cidade, depois do incêndio de 1889. Quase desde o começo, Seattle foi dividida em bairros bons e bairros ruins. Os bairros ruins ficavam localizados ao sul de Skid Road, onde costumavam residir os alcoólatras, os paupérrimos, os famintos, os destituídos de tudo e uma minoria da população. Era ali que residiam os trapaceiros, os alcoviteiros e as prostitutas. Os habitantes "respeitáveis", porém, residiam nos bairros bons da cidade. Aqueles que ocupavam posições políticas geralmente davam apoio à população "boa" — os homens de negócios que pertenciam à classe média alta. O planejamento e a expansão iniciais da cidade tiveram por propósito aprimorar as condições de vida dessa parte mais abastada da população. Os bondes, por exemplo, percorriam somente os bairros bons da cidades. Parques eram ali planejados, as ruas eram niveladas e melhoradas. Mas os beneficiários de todas essas melhorias eram pessoas pertencentes à classe média alta. 14. Quais instituições políticas, econômicas e religiosas têm dominado a vida da cidade? Os grupos políticos, os empresários e os que seguem profissões liberais são as classes que têm predominado em Seattle. Houve um breve período de leis justas na cidade, nos primeiros anos do século XX, principalmente no esforço de limpar a área de Skid Road. Mas essas leis foram logo esquecidas em sua quase totalidade, e não demoraram a ser repelidas. As uniões trabalhistas sempre foram uma forte influência sobre a cidade, desde a década de 1930, e algumas grandes greves têm tido lugar ali, no decorrer dos anos. As uniões trabalhistas e um governo fortemente orientado em favor da classe empresarial têm tendido por produzir conflitos ao longo dos anos. Os empresários geralmente têm explorado os trabalhadores, e as
  • 192. uniões de várias maneiras têm prejudicado o empresariado mediante greves, contratos anti-minorias e coisas semelhantes. Os líderes das uniões trabalhista;, também têm abusado de maneira considerável de seus liderados, incluindo coisas como liquidação de empresas, subornos e corrupção. A dominação econômica tem sofrido modificações com a passagem do tempo. A base econômica original era a madeira e a serraria de Yesler era a principal empresa que explorava essa atividade. Em certo sentido, a indústria madeireira continua atuante até hoje. A firma Weyerhaeuser, que explora a produção de objetos de madeira está localizada nas proximidades de Seattle, e dá emprego a aproximadamente quarenta mil pessoas. A navegação e o comércio é uma das principais atividades da cidade. Grande parte desses negócios tem sido com o Extremo Oriente e com o Alasca. Seattle é o principal entreposto para a maior parte do comércio com o Alasca. E essa sempre foi uma atividade muito importante, sobretudo nos dias da descoberta de ouro no Alasca. Atualmente, aproximadamente 17% de todos os empregos estão vinculados aos negócios de importação e exportação. Mas a principal força econômica da cidade é a Companhia Boeing. A Boeing prove aproximadamente cem mil empregos locais, diversificando-se em certa variedade de indústrias, mormente a indústria aeroespacial. A economia de Seattle está fortemente vinculada à Companhia Boeing, e parece seguir as diretrizes dela. Talvez um ponto que deva causar preocupação seja a dependência da cidade para com a Boeing, em vez da dependência para com Deus. No terreno religioso, nenhuma instituição dominante tem surgido em cena. Não obstante, os maçons precisam ser mencionados. A maçonaria tem-se feito presente em Seattle desde o começo de sua história. Vários dos primeiros líderes, no mundo dos negócios e nas igrejas, eram maçons, incluindo Doc Maynard e o reverendo Daniel Bagley. Bagley foi maçom a vida inteira, tendo chegado ao grau do Arco Real da maçonaria, antes mesmo de mudar-se para Seattle. Em Seattle, ele acabou sendo escolhido como o Grão-Mestre da primeira loja, no mesmo ano em que aquela loja foi fundada.
  • 193. 15. Qual tem sido a experiência daqueles que têm migrado para a cidade? Geralmente, a experiência deles tem sido boa. Os fundadores originais da cidade mostravam-se acolhedores para com os recémchegados; e nunca veio à superfície qualquer preconceito contra os irlandeses ou contra os judeus. E isso devido a dois fatores: (1) Poucos grandes grupos de imigrantes têm-se estabelecido em Seattle (excetuando escandinavos em Ballard); (2) a maioria, se não mesmo todos os imigrantes, tem-se inclinado por terminar nas favelas da cidade, o que vem acontecendo em Seattle desde a década de 1880. Nos fins do século XIX talvez tenha surgido, por um breve período, um desejo de impedir a imigração de chineses para a cidade; e isso talvez tenha alguma significação espiritual. 16. Tem havido alguma experiência traumática, como colapso econômico, choques raciais ou terremotos? No começo de sua história econômica, Seattle esteve ligada a São Francisco. Quando São Francisco perdeu impulso, devido à diminuição da corrida do ouro, Seattle também perdeu impulso. Um importante colapso econômico ocorreu na década de 1890, o qual praticamente destruiu os bancos da cidade de Tacoma. Entretanto, os bancos de Seattle sobreviveram, tendo apelado para o artifício de recursos financeiros caldeados para um tesouro comum. Sustos econômicos mais recentes têm estado geralmente ligados a despedidas de empregados pela Boeing, no começo da década de 1970. Levantes raciais (efetuados por grupos étnicos não-brancos) ocorreram em 1968, quando a população negra da cidade passou por um severo período de transição. Gangues, que a si mesmas se apelidavam de "Negros" e de "Brancos", chegaram a fazer manifestações pelas ruas, geralmente em choque um contra o outro. Houve grandes incêndios que afetaram Seattle, Spokane e Ellensburgo, em 1889. Em cada uma dessas cidades, o distrito comercial foi virtualmente destruído. Seattle e Spokane recuperaram-se, mas o mesmo não aconteceu com Ellensburgo. A
  • 194. região do centro de Seattle adquiriu grande parte de sua atual aparência depois desse incêndio. Descobri registros sobre dois terremotos de significativa magnitude. Em abril de 1949 e em abril de 1965 terremotos sérios abalaram Seattle. O segundo deles atingiu o grau 7.0. Em 1980, o monte Saint Helens, que fica bastante perto de Seattle, entrou em furiosa erupção vulcânica, que arrasou o cume do monte. Isso atraiu grande atenção da nação para a cidade de Seattle. 17. A cidade já passou pelo surgimento de alguma tecnologia de transformação social? E possível. Embora o avião não tenha sido inventado em Seattle, os avanços feitos pela Companhia Boeing, quanto à indústria aeroespacial, podem ser considerados transformadores do quadro social. 18. Tem havido alguma repentina oportunidade de enriquecimento, como a descoberta de petróleo, ou alguma nova técnica de irrigação? Sem dúvida. Todavia, essas oportunidades geralmente se têm limitado ao comércio. A primeira oportunidade de comércio de Seattle foi com São Francisco, que precisava de madeira de construção. Uma segunda oportunidade deu-se por causa da corrida do ouro no Alasca e no rio Fraser. Os mineiros que seguiam para o norte geralmente passavam por Seattle, na ida e na volta, gastando sempre boas quantias em dinheiro nesse processo.
  • 195. 19. Houve conflitos religiosos entre religiões rivais ou entre os cristãos? Até esta altura das investigações, não encontrei qualquer conflito dessa natureza. As primeiras igrejas de Seattle com freqüência eram interdenominacionais. Houve época em que Seattle contava com quatro ministros de denominações diferentes, que operavam em apenas duas igrejas. Eles resolviam as suas questões compartilhando de deveres, em vez de construírem novos templos. 20. Qual a história dos relacionamentos entre os grupos étnicos? Lamentável. Essa é a maior área de perturbações na história da cidade de Seattle, o que requer muito arrependimento e oração. Em sua maior parte, até os primórdios do século XX, as minorias estavam centradas no distrito internacional ou nas áreas faveladas do sul, naquilo que era conhecido como Skid Road. É mister tentarmos compreender a história dessa região. Essa era a área onde foram construídos os primeiros bordéis e bares. Era também a seção da cidade onde havia jogatinas, bebedeiras e prostituição desenfreadas. E essa era, igualmente, a área onde as minorias étnicas tinham de viver, de acordo com as leis não escritas da sociedade de Seattle. Os Índios Antes da chegada do homem branco, entre os indígenas havia guerras e assaltos freqüentes uns contra os outros. O propósito dessas guerras era capturar escravos, que serviam de símbolos de riqueza e de posição social. Os escravos, entre os índios, essencialmente não tinham quaisquer direitos. Podiam ser usados como prostitutas, podiam ser mortos, podiam ser desfigurados, e os seus proprietários podiam fazer com eles o que bem quisessem. As tribos mais ferozes tendiam por estar localizadas ao norte da Colúmbia Britânica, que hoje fica no extremo ocidental do Canadá. Os índios locais viviam temendo aqueles grupos de índios que por
  • 196. muitas vezes chegavam a seus territórios com essas missões aterrorizantes. Quando chegou o homem branco na região, imediatamente o civilizado começou a explorar os índios (com a exceção dos padres jesuítas). No princípio, os brancos vinham comerciar com couros; todavia, depois que Seattle foi fundada, eles começaram a usar os índios para realizarem trabalhos pesados. Naturalmente, os indígenas eram pagos para tanto, mas recebiam muito menos do que uma pessoa branca receberia por igual trabalho. Os brancos, para todos os intuitos e propósitos, apossavam-se de quaisquer terras que quisessem, ao passo que os índios eram constrangidos a viver em reservas, "para o próprio bem deles". Eles prometiam aos indígenas um lugar para viver, educação, ajuda para iniciar algum negócio, assistência médica, direitos à pesca, e assim por diante. Mas os civilizados quase nunca cumpriam essas promessas, tal como continuam descumprindo os seus tratados com os índios, até ao dia de hoje. As escravas índias eram tratadas de maneira extremamente inadequada. Os indígenas já tinham padrões sexuais muito frouxos; e os homens brancos descobriram logo que não era difícil explorar sexualmente as mulheres indígenas. John Pennell veio de São Francisco até à área de Seattle, em 1861, e deu início ao bairro Skid Road, em Seattle. Ele estabeleceu bares e bordéis para atrair o grande número de homens solteiros que tinham dinheiro para gastar e que queriam companhia feminina e entretenimento. Essas "trabalhadoras" femininas eram índias (até que, finalmente, chegaram algumas prostitutas profissionais, vindas de São Francisco, durante a década de 1870). Essas prostitutas eram ou escravas adquiridas de tribos indígenas locais ou mulheres que tinham sido induzidas a vir morar naquela área, sob a promessa de um lugar para ficarem, comida e roupa. Mas o que elas encontravam era uma vida prostituída, exploração e muito abuso. Muito pouco, ou mesmo nada, foi feito para pôr fim aos estabelecimentos iniciados por Pennel. A justiça também era negada aos indígenas. Quando Bad Jim, um índio, foi linchado, os seus linchadores brancos foram julgados em um tribunal. Um dos homens brancos, que estava sendo julgado, fez parte do grande júri que o estava julgando (renunciando apenas ao ser condenado). Quando um homem branco se confessava culpado, o tribunal imediatamente indicava
  • 197. um advogado para declará-lo inocente. Após um breve "julgamento", todos os homens brancos eram inocentados de qualquer crime que tivessem cometido, mesmo quando a culpa deles fosse inegável. Em contraposição, todos os índios apresentados para julgamento geralmente eram linchados ou condenados, sem importar quais fossem as evidências, contra ou a favor deles. O chefe Leschi foi julgado e enforcado por homicídio, embora as evidências fossem extremamente circunstanciais e apesar de muitos de seus amigos (incluindo Doc Maynard) terem argüido em favor de sua inocência. Os Afro-Americanos Os afro-americanos têm tido um interessante relacionamento com Seattle. A cidade começou a crescer terminada a Guerra Civil americana, e por lei estava em um território contrário à escravatura, razão pela qual a questão nunca constituiu um problema na cidade. Seattle, porém, se era contra a escravatura, também era contra os negros, pelo que os negros nunca foram bem acolhidos na cidade, sendo-lhes conferidos bem poucos direitos. Seattle era uma cidade de "brancos". Os negros que ali porventura chegavam acabavam descobrindo que só podiam residir em uma área, ou seja, as favelas ao sul da Skid Road, o gueto de Seattle. Mesmo com a passagem dos anos, a população negra recebia ali bem poucos direitos. Os contratos das uniões trabalhistas excluíam os negros, até que, já em 1940, os tribunais interromperam essa norma. Os Chineses Os chineses tiveram de enfrentar o seu período de injustiças sofridas, nos fins da década de 1880. Os chineses tinham sido originalmente contratados para construir estradas de ferro e efetuar outras tarefas braçais pesadas e perigosas. Depois que as estradas de ferro tinham sido construídas, os chineses começaram a mudar-se para as cidades estabelecidas, incluindo Seattle, e, ali chegando, estabeleceram-se nas favelas da Skid Road. Muitos
  • 198. brancos entenderam que isso era uma ameaça para os seus empregos, e resolveram fazer alguma coisa no tocante aos trabalhadores chineses. Após semanas de reuniões e agitações, as multidões passaram a agir. Reuniram os chineses e começaram a embarcá-los à força em um navio a vapor, rumo a São Francisco. Mas foi então que um juiz interveio e fez parar a questão, e eventualmente as coisas voltaram à normalidade. O que nos deixa boquiabertos é quem eram as pessoas que se envolveram ou não se envolveram na expulsão dos chineses de Seattle. Somente uma igreja, metodista episcopal, publicou uma declaração opondo-se ao movimento anti-chinês. Eventualmente, o tribunal decidiu que os chineses não podiam ser expulsos; mas a verdade é que várias centenas deles abandonaram de qualquer forma a região, principalmente por motivo de medo. Segunda Seção DISCERNINDO SEATTLE Por Bev Klopp Estou muito agradecida pelas pesquisas feitas por Mark McGregor, que lhe permitiu lançar os alicerces do mapeamento espiritual da cidade de Seattle. Muitos dos fatos por ele trazidos à tona fornecerão diretrizes futuras para as intercessões em favor de Seattle, enquanto eles continuam orando pela nossa querida cidade. Antes mesmo das pesquisas feitas por Mark, alguns de nós já estavam intercedendo pela Cidade Esmeralda. Estou feliz por anunciar que o número de crentes humildes, chamados por Deus para mergulharem na batalha espiritual em favor de Seattle e pela área noroeste de nosso país, à beira do Pacífico, está aumentando rapidamente. Para vermos o Reino de Deus derramar-se sobre Seattle, precisamos de um maior número de intercessores e precisamos de maiores informações sobre nossa cidade e região. Essa combinação de fatores nos provera um quadro mais nítido da cidade, conforme ela realmente é, e não como ela parece ser, tomando por empréstimo as palavras de George Otis, Jr.
  • 199. Os pensamentos que estou aqui compartilhando com o leitor emergiram depois de incontáveis horas de oração, por muitas vezes agonizada, que rasgaram o meu coração, em favor da nossa cidade. Percebo que não dispomos de respostas definitivas para todos os poderes espirituais das trevas, que procuram manter Seattle em servidão, pelo que aquilo de que compartilho aqui deve ser visto como derivado de um povo que está em processo de formação. Ao mesmo tempo, não podemos esconder o fato que cremos que está sendo obtido bastante progresso espiritual. ORAÇÕES REMIDORAS Na qualidade de líderes e intercessores, temos sido orientados pelo Senhor para tentar traduzir o tipo de pesquisa histórica que Mark McGregor tem feito no campo das orações remidoras, da guerra espiritual eficiente, e da evangelização restauradora, capaz de derrubar fortalezas. E temos sido encorajados quanto a tudo isso por termos visto alguns resultados positivos, sob a forma de despertamento da Igreja e de salvação de almas. Temos clamado a Deus, escudados no trecho de 2 Crônicas 7.4-16, unidos em oração e arrependimento. A semelhança de Elias, cremos que temos visto a pequena nuvem da presença de Deus, preparando-se para liberar um grande derramamento do Espírito Santo em uma escala nunca antes vista na nossa região. Na posição de maior cidade do estado de Washington, Seattle de muitas maneiras é uma moderna fronteira paga da independência, onde se evidenciam todas as perversões possíveis da adoração à deidade e do amor do Pai. O mestre dos ludíbrios tem mantido, há muito tempo, tanto Seattle quanto a região do noroeste das costas do Oceano Pacífico oprimidos pelas trevas espirituais. Mas atualmente o inimigo estremece, desmascarado diante daqueles que possuem coração puro, que estão dispostos a obedecer a Deus, corajosa e sacrificialmente. Acredito que, nesta hora, o Senhor desceu e colocou o seu pé sobre o estado norteamericano de Washington, pronto a demonstrar o seu poder mediante gloriosos atos de compaixão. O estado de Washington é conhecido como o estado norteamericano que conta com o menor número de igrejas, em
  • 200. proporção à sua população, além de ser um dos três maiores centros do mundo do movimento da Nova Era. Há menos de um ano, Washington foi um foco da atenção nacional, por terem sido tomadas duas importantes decisões por voto do legislativo estadual, uma delas fortalecendo os direitos de aborto, e a outra permitindo a eutanásia. E assim, muitos cidadãos viram o nosso estado como uma força liderante quanto a ambas essas questões tão duvidosas. Outrossim, Seattle é considerada por muitos como uma das cidades mais liberais da América do Norte. Também é conhecida como a cidade com o maior contingente de homossexuais de toda a costa ocidental dos Estados Unidos da América. Conforme indicou Mark McGregor, a vida dos primeiros habitantes, os ameríndios, bem como os fundadores brancos de Seattle refletem laços ímpios que, com freqüência, podem ser explicados por suas raízes pagãs e por suas alianças pecaminosas com o inimigo. Para exemplificar, os índios norte-americanos são herdeiros da cultura mongol, pois eles chegaram da Sibéria e do Extremo Oriente, trazendo com eles as suas práticas entrincheiradas no xamanismo e na adoração de deusas. No passado, muitas das tribos indígenas do noroeste norteamericano aliaram-se aos poderes espirituais das trevas mediante o contato com os espíritos dos ancestrais. Eles realizavam ritos pessoais para induzir os espíritos guias a ajudá-los a conquistar riquezas e escravos, bem como para terem êxito na guerra, na caça, na pesca e na cura de doenças diversas. Muitas daquelas pessoas preciosas foram afundadas mais ainda em suas raízes xamanistas através das dificuldades da vida, dos saques impostos por outras tribos e pela exploração e desilusão que surgiram em resultado do tratamento que lhes foi dispensado pelos primeiros colonos europeus. Isso ficou refletido no célebre discurso do chefe Seattle: "O Deus de vocês ama o povo de vocês... Ele se esqueceu de seus filhos de pele vermelha, se é que realmente são seus filhos". Conforme salientou Mark McGregor, o famoso discurso do chefe Seattle expressou esse desespero de que o Deus dos brancos parecia não amar os índios. De que outra maneira ele poderia haver interpretado a ganância, a avidez pelo sangue, os abusos e a injustiça de muitos dos primeiros colonizadores de Seattle? Mas o chefe Seattle também prosseguiu para dizer que os "mortos invisíveis" de sua tribo permaneceriam. Por ocasião daquela mesma fala, disse ele: "Nossa religião consiste nas tradições de
  • 201. nossos antepassados — os sonhos de nossos homens velhos, conferidos... pelo Grande Espírito. A noite... quando descer o silêncio sobre as ruas das cidades de vocês... elas ficarão apinhadas com as nossas hostes, que estarão voltando". Os homens da raça branca não pecaram somente contra os indígenas nativos. McGregor salientou que abusos similares ficaram registrados no tocante aos asiáticos e aos africanos, através da exploração de um trabalho barato, atos ilegais e outras injustiças. Os pecados de reação e vingança, de uns contra os outros, em vez da atitude de perdão e arrependimento, armaram em Seattle o palco para o levantamento de outras fortalezas espirituais da maldade. UMA IGREJA IMPONENTE Infelizmente, a Igreja não foi ainda capaz de derrubar as fortalezas do mal com a mensagem do amor de Deus, em parte por causa de suas próprias concepções errôneas, mundanismo, transigências e indiferença. Em conseqüência, as mentiras do inimigo têm sido reforçadas, estabelecendo novas "fortalezas mentais", conforme diria Cindy Jacobs, umas contra as outras e contra o verdadeiro conhecimento das verdades libertadoras de Deus. Divisões mais profundas resultaram disso, e os poderes malignos por detrás de tanta malignidade ficaram essencialmente ocultos, não tendo sido desmascarados. Por exemplo, as tribos aborígines da área estão separadas e isoladas no desespero de suas reservas, espalhadas por todo o estado, enquanto os ricos e os poderosos continuam predominando em seus "reinos", na cidade, com os seus deuses do materialismo, do hedonismo, do racionalismo e do intelectualismo. Estamos vendo que até hoje continuam postos os restos das vendas de Satanás sobre as mentes dos incrédulos. Parece ter havido um "fascínio atordoante" que cativa as mentes dos crentes e dos incrédulos, por meio do ludibrio e da sedução religiosos, da apatia, da separação e da falta de unidade. Tudo isso parece apontar para as forças malignas mencionadas no sexto capítulo da epístola aos Efésios, que têm reivindicado seus direitos em
  • 202. resultado desses padrões pecaminosos entrincheirados e pelas alianças profanas que homens têm estabelecido com o inimigo. Essas alianças têm conferido ao adversário um poder irrestrito e um largo acesso ao estado de Washington e seus grupos populacionais. Isso pode ser averiguado através da continuação de iniqüidade de gerações, através do aumento do movimento da Nova Era, através dos rituais satânicos, das leis injustas, das festividades profanas e dos pactos feitos por muitos indivíduos com as forças satânicas. No passado, isso foi ilustrado por tratados injustos acerca de terras, acordos violados entre os índios norteamericanos e os primeiros colonizadores brancos, injustiças sociais contra grupos minoritários e a remoção da oração das escolas. Esses acordos são decretos espirituais de direitos, que permitem ao inimigo manter-se continuamente entrincheirado dentro de suas fortalezas. Atualmente, os líderes dessa área estão tomando consciência e estão ficando alertas diante do conhecimento espiritual e da unidade necessária para que essas fortalezas sejam derrubadas. DEVERÍAMOS CHAMAR AS POTESTADES PELOS SEUS NOMES? Entendemos que nem todos concordam que devemos perscrutar profundamente o bastante, em nossa intercessão, para saber quais os nomes próprios dos principados e das potestades que dominam alguma cidade, como Seattle. Não insisto que conhecer esses nomes seja um fator essencial para uma eficaz guerra espiritual (mas ver Mc 5.9 e Lc 8.30). Peter Wagner tem discutido essa questão em seu livro, intitulado Oração de Guerra, e concordo com a conclusão dele: "Embora nem sempre seja necessário dar nomes aos poderes, ainda assim, se puderem ser descobertos esses nomes, sem importar se são nomes pessoais ou funcionais, usualmente é útil enfocar isso na oração de guerra".2 Não quero mostrar-me dogmática quanto a esse aspecto da questão, mas muitos de nós que têm laborado na intercessão pela cidade sentem que temos chegado a algum acordo quanto às identidades das principais potestades. A maioria delas consiste em espíritos especificamente chamados por nome nas Escrituras.
  • 203. Alguns dos nomes que pudemos descobrir surgiram relacionados a fortalezas particulares desta região. Dou aqui nomes a algumas dessas falsas divindades, por causa de seu "fruto", o que pode ajudar-nos a vincular as potestades espirituais que controlam esta área: Apoliom (ver Ap 9.11), o Destruidor, que tem sua morte e destruição, seu espírito de adivinhação e suas obras de Jezabel, bem como seu espírito anticristão de ludibrio, rebeldia, idolatria e cobiça. Belzebu (ver Mt 12.24), ou seja, o chefe dos demônios, com seu controle e suas manipulações, com seus simulacros religiosos dos dons e com a sua doutrina de demônios. Asmodeu (que figura no livro apócrifo de Tobias 3.8), com suas seduções religiosas, ganância e perversões sexuais. Belial (ver 2 Co 6.15), com seus falsos profetas e pastores, com seus líderes injustos da iniqüidade, com sua iniqüidade e com seus falsos ensinos. Em adição a esses há um espírito reconhecido como "Grande Espírito", na parte noroeste dos Estados Unidos, inspirador do xamanismo e da adoração aos antepassados. Ademais, existem espíritos chamados Androginia e o Dragão, arrebatador de almas. Juntamente com esses ocorrem a destruição de pessoas, distorções do amor e da verdade de Deus, violência e abusos sexuais contra mulheres e crianças, e perversões de toda espécie nos papéis sexuais masculino e feminino e o relacionamento entre os dois sexos. Eles estão vinculados à cobiça, à pornografia, à bruxaria, ao racismo e ao espírito de religiosidade piegas. Também pensamos que temos podido identificar um espírito regional que ocupou o monte Rainier, o qual desde há muito vem sendo adorado como o "deus altíssimo", através das avenidas da adoração a Satanás, da adoração à deusa e terra mãe, através do xamanismo e através das atividades da Nova Era. Finalmente, também precisamos levar em conta um conceito belicoso, pirata e aventureiro como o de um marinheiro, relacionado aos negócios, a leis injustas, ao consumo de drogas e ao uso do ópio. A CURA COMEÇA PELO ARREPENDIMENTO Em nosso papel de intercessores, temos procurado fazer retroceder o holocausto espiritual causado por esses malignos espíritos que povoam os céus de Seattle. Esses espíritos têm
  • 204. provocado o caos, a confusão e o tormento entre a nossa gente, já faz muitos anos. E a conseqüência disso tem sido uma vereda salpicada de mortes. Por meio da oração, todavia, estamos procurando quebrar o poder e as maldições que conservam as pessoas atreladas a seus fracassos passados. Estamos orando para que as máscaras sejam retiradas, e para que o espírito sectarista seja desmascarado por intermédio do arrependimento. Temos procurado a graça e a misericórdia de Deus quanto aos pecados passados, e temos rogado que o Senhor cure as feridas. Temos clamado para que Deus quebre os padrões, a dureza de coração e a insensibilidade das pessoas, tanto crentes quanto incrédulas, e que daí resultem corações penitentes que perdoem e estendam a graça e a misericórdia uns para com os outros. Mediante o arrependimento, a purificação e o rompimento de laços pecaminosos, esses espíritos devem desaparecer. Uma legislação justa, o estabelecimento de uma adoração piedosa e relacionamentos amistosos entre as pessoas podem quebrar mais ainda os "direitos" que foram sendo adquiridos por esses espíritos territoriais. A guerra espiritual e as orações de ação profética, como aquelas descritas por Kjell Sjöberg (ver o quarto capítulo) podem afrouxar o laço apertado, pelo menos por algum tempo, preparando as mentes para que se abram ao evangelho, e, por conseguinte, ao livramento final que se deriva do arrependimento pessoal e do viver diário piedoso. Na qualidade de intercessores, temos jejuado e orado com freqüência, procurando a cura espiritual para a nossa cidade. Passo a passo, o Espírito Santo nos tem guiado em nossas orações, tendentes a derrubar as fortalezas do mal nesta nossa região do país. DERRUBANDO FORTALEZAS Abaixo oferecemos dois exemplos das muitas maneiras como temos procurado produzir as mudanças necessárias, através da oração e da reconciliação.
  • 205. Oração Vários anos atrás, começamos a orar sobre a área da praça Pioneira, situada na parte mais antiga da cidade. Esse segmento de Seattle foi literalmente construído sobre as suas próprias ruínas, por motivo do incêndio que foi descrito por Mark McGregor. Isso nos prove um quadro natural que revela as condições espirituais da cidade. Quando orávamos, passando pelas edificações feitas abaixo do nível do solo, lembrando a corrupção passada da cidade e de seus líderes fundadores, sentimos uma imensa tristeza. Identificamo-nos com os pecados deles por meio de nossas próprias raízes de queda espiritual e confessamos tanto os nossos pecados pessoais quanto a nossa indiferença, falta de unidade e transigência moral nas igrejas. Buscamos a misericórdia de Deus e o seu perdão, estribados no trecho de João 20.23: "Aqueles a quem perdoardes os pecados, lhes são perdoados..." Sim, temos reivindicado arrependimento e restauração para a igreja e para os habitantes da cidade de Seattle. O combate contra a cegueira das mentes, imposta por Satanás, subiu facilmente aos nossos corações e mentes, quando a iniqüidade patente e o ludibrio pespegado pelo inimigo foi desmascarado. Usando os princípios ensinados no décimo capítulo de Jeremias, temos começado a derrubar e a desarraigar, sempre que nos defrontamos com os espíritos maus por detrás da ganância, do oportunismo, do engano, do orgulho, da rebeldia, da independência, da orgia, da prostituição, da sodomia, do homicídio, do racismo, das atitudes preconceituosas, do desespero, da pobreza abjeta, da indiferença religiosa, da influência da maçonaria, do liberalismo, da rivalidade, da contenda, da suspeição, do interesse próprio, da auto-exaltação, do domínio, da injustiça, da alienação ou da opressão. Lançamos mão dos princípios ensinados em 2 Coríntios 10.4-6 e começamos a derrubar falsos argumentos e crenças contrárias a Deus e à sua verdade. Nossa fé robusteceu-se quando começamos a proclamar o senhorio de Jesus Cristo e declaramos profeticamente a palavra de Deus, com cânticos que declaram a derrota das trevas.
  • 206. Arrependimento Em maio de 1992, a Gateway Ministries Internacional, aos quais sirvo, convidou pastores e líderes municipais para um desjejum de meio de manhã, com o propósito de nos arrependermos de nossos preconceitos raciais e por causa das raízes históricas de mágoas de fundo racial em nossa região. Quase todos os grupos étnicos estavam representados. Começamos com o relacionamento original que fora quebrado entre os aborígines norte-americanos e os primeiros colonos brancos, e fomos passando de grupo étnico em grupo étnico. Na ocasião, havia mais de duzentas mulheres vindas do estado inteiro, reunidas para uma vigília de oração de vinte e quatro horas, no centro de Seattle, para orarem pela cidade e pelos líderes eclesiásticos presentes. Perdão e arrependimento também foram expressos entre as mulheres dos vários grupos étnicos presentes. Também houve expressões de arrependimento diante dos pecados de relacionamento entre os homens e as mulheres. Curas notáveis tiveram lugar, e foram semeadas as sementes da renovação espiritual. OS DONS REMIDORES DE SEATTLE O Corpo místico de Cristo em Seattle está começando a unirse. Se quisermos poder desfechar um maior impacto sobre as nossas comunidades, precisaremos aumentar a nossa vigilância no tocante a vigílias de oração por toda a cidade, bem como no tocante a uma estratégia unificada para um evangelismo que produza o arrependimento e a reconciliação. Fortalezas serão deitadas por terra, quando nos amarmos uns aos outros e, então, juntos, exaltarmos o nome do Senhor Jesus. "E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim" (Jo 12.32). Por meio de nosso arrependimento, a Igreja receberá o poder de efetuar uma intercessão eficaz e de pregar poderosamente o evangelho. A Igreja precisa elevar-se à altura de sua herança, pois hoje é o kairós (o tempo oportuno) de o Senhor entrar triunfalmente pelos portões da nossa cidade.
  • 207. Seattle está sendo chamada para ser uma cidade em uma colina, uma cidade que não possa jazer escondida — um refúgio da luz. Ela será uma cidade que glorifique a Deus por meio da adoração e do louvor, compartilhando de dons espirituais e físicos com as nações. Seattle deverá ser uma cidade missionária que anuncie a vida e o amor de Jesus Cristo a multidões, através da oração, da proclamação e da doação de si mesma. As forças espirituais do mal que estão por detrás de suas fortalezas, que têm afetado a cidade de Seattle e o estado de Washington já faz agora séculos, em breve haverão de dobrar os joelhos, quando a Igreja unir-se para alcançar os perdidos e os feridos pelas injustiças da vida. Os mais fracos entre os fracos, os mais pobres entre os pobres, e os mais desiludidos e oprimidos em breve levantar-se-ão a fim de derrotar o inimigo, que os tem esmagado desde os seus primórdios históricos. Por meio de nosso arrependimento, a Igreja receberá o poder de efetuar uma intercessão eficaz e de pregar poderosamente o evangelho. A Igreja precisa elevar-se à altura de sua herança, pois hoje é o kairós (o tempo oportuno) de o Senhor entrar triunfalmente pelos portões da nossa cidade. Perguntas para refletir 1. Por que este capítulo foi dividido em duas partes? Isso é significativo? 2. Qual é o sentido da expressão "orações remidoras"? Em que esse método de oração difere de outros métodos? 3. De quais maneiras a igreja pode servir de obstrução do poder de Deus em uma cidade? Esse é o caso das igrejas existentes em sua cidade? 4. Segundo você pensa, quão importante é descobrir os nomes dos espíritos territoriais que dominam uma cidade qualquer? 5. Qual o papel desempenhado pelo arrependimento, na guerra espiritual em nível estratégico? Explore as maneiras como um arrependimento sério poderia funcionar em sua cidade.
  • 208. Notas 1. DAWSON, John. Reconquiste Sua Cidade Para Deus. Venda Nova, MG, Editora Betânia, 1995. Usado por permissão. 2. WAGNER, C. Peter. Oração de Guerra. São Paulo, Editora Bompastor, p. 144, 1ª ed. 9. MAPEANDO A SUA COMUNIDADE Por C. Peter Wagner Muitos leitores deverão estar pensando: Como poderei fazer isso em minha cidade ? Visto que poucos líderes evangélicos atualmente têm muito pano-de-fundo formativo nesse terreno do mapeamento espiritual, a resposta a essa pergunta não vem à tona com facilidade. Importa não cairmos no ardil de pensar que se trata de alguma forma de mágica que funcionará se fizermos as coisas da mesma maneira que fizeram Victor Lorenzo ou Bev Klopp. Não existe uma maneira única e padronizada de fazermos mapeamento espiritual. Tendo dito esse tanto, também quero destacar que há diretrizes que podem ser úteis. Este breve capítulo de sumário tem por finalidade fornecer algumas dessas diretrizes. Na preparação do sumário, revisei todos os capítulos deste volume nos quais os contribuintes mencionaram perguntas que eles costumam fazer ou modos de proceder de que usualmente lançam mão quando estão mapeando espiritualmente uma cidade ou uma região. Também tirei proveito de algum material valioso preparado por Cindy Jacobs, mas que não se acha no capítulo escrito por ela. Se reunirmos todas essas informações, contaremos com uma lista sistematizada de perguntas a serem feitas, quando estivermos preparando o nosso mapeamento espiritual. Essa lista de perguntas não é nem completa e nem final. Talvez você queira
  • 209. acrescentar algumas outras perguntas. Algumas delas talvez não tenham a menor utilidade para você. Mas já será um começo. Existem muitos níveis de mapeamento espiritual. Você poderia preparar o mapeamento de seu bairro ou da zona de sua cidade em que você mora. Mas você também poderia fazer o mapeamento de sua cidade como um todo, ou então da cidade e suas circunvizinhanças, ou de seu estado ou província, ou até mesmo de seu país inteiro. Alguns crentes haverão de querer mapear grupos de nações. Para efeito de maior simplicidade, vamos supor que estaremos mapeando uma cidade, pelo que usarei de palavras adaptáveis a isso. Mas as mesmas perguntas, como é óbvio, podem aplicar-se virtualmente a qualquer área geográfica. O primeiro passo consiste em recolhermos informações; o segundo passo consiste em agirmos de acordo com essas informações. Com isso não quero dizer que o primeiro passo inteiro deva ser completado antes que possamos começar o segundo passo. Pois ambos os passos podem e devem operar simultaneamente. Mas a oração de ação mostrar-se-á mais eficaz se estiver alicerçada sobre informações sólidas. PRIMEIRO PASSO: RECOLHIMENTO DE INFORMAÇÕES Seguindo as orientações dadas por contribuintes como Haroldo Caballeros, vou dividir a fase de recolhimento de informações em três partes: (1) Pesquisa histórica; (2) pesquisa física; e (3) pesquisa espiritual. Se você quiser distribuir essas três partes a três equipes distintas, conforme costuma fazer Caballeros, isso depende somente de você. Mas se você dispuser de pessoal suficiente, há algumas vantagens nessa regra. PESQUISA HISTÓRICA I. A HISTÓRIA DA CIDADE
  • 210. A. Fundação da Cidade 1. Quem eram as pessoas que fundaram a cidade? 2. Quais foram os motivos pessoais ou coletivos para a fundação da cidade? Quais eram as suas crenças e filosofias? Qual visão tinham eles acerca do futuro da cidade? 3. Qual o significado do nome original da cidade? • Esse nome foi alterado? • Há outros nomes ou designações populares para a cidade? • Esses nomes têm alguma significação? Estão ligados a alguma religião? São nomes de demônios ou artes ocultas? Apontam para alguma bênção? Maldição? Iluminam o dom remidor da cidade? Refletem o caráter dos habitantes da cidade? B. História Posterior da Cidade 1. Qual o papel que a cidade tem desempenhado na vida e no caráter da nação como um todo? 2. Ao surgirem líderes proeminentes da cidade, qual a visão deles acerca da cidade? 3. Terá havido mudanças radicais no governo ou na liderança política da cidade? 4. Terá havido mudanças significativas ou repentinas na vida econômica da cidade? Fome? Depressão? Tecnologia? Indústria? Descobrimento de recursos naturais? 5. Qual imigração significativa tem ocorrido? Houve a imposição de alguma nova linguagem ou cultura sobre a cidade como um todo? 6. Como têm sido tratados os imigrantes ou as minorias? De que maneira as raças ou grupos étnicos têm-se relacionado uns com os outros? As leis municipais têm legitimado o racismo em qualquer sentido? 7. Os governantes da cidade têm violado tratados, contratos ou pactos?
  • 211. 8. Alguma guerra tem afetado diretamente a cidade? Na cidade propriamente dita, houve alguma batalha? Houve derramamento de sangue? 9. De que maneira a cidade tem tratado os pobres e os oprimidos? A ganância tem caracterizado os governantes da cidade? Há evidências de corrupção política, econômica ou religiosa nas instituições da cidade? 10. Quais desastres naturais têm afetado a cidade? 11. A cidade tem algum lema ou slogan? Qual é o seu significado? 12. De que tipo de música as pessoas gostam e costumam ouvir? Qual mensagem elas recebem da parte dessa música? 13. Quais são as cinco palavras que a maior parte dos habitantes da cidade usariam para caracterizar os aspectos positivos de sua cidade hoje em dia? E quais as cinco palavras que eles usariam para caracterizar os aspectos negativos da cidade? II. HISTÓRIA DA RELIGIÃO NA CIDADE A. Religiões Não-Cristãs 1. Quais eram os conceitos e as práticas religiosas dos habitantes da área, antes de cidade ter sido fundada? 2. Considerações religiosas foram fatores importantes na fundação da cidade? 3. Alguma religião não-cristã entrou na cidade em proporções significativas? 4. Quais ordens significativas (como a maçonaria) se têm feito presentes na cidade? 5. Quais esconderijos de serpentes, grupos de satanistas ou outros cultos diabólicos têm operado na cidade?
  • 212. B. Cristianismo 1. Quando entrou o cristianismo na cidade, se é que entrou? Sob quais circunstâncias? 2. Os primeiros ou os últimos líderes cristãos têm sido maçons? 3. Qual papel a comunidade cristã tem desempenhado na vida da cidade como um todo? Tem havido mudanças nisso? 4. O cristianismo está crescendo na cidade, parou em um patamar, ou está declinando? PESQUISAS FÍSICAS 1. Localize diferentes mapas da cidade, especialmente os mais antigos. Quais modificações tiveram lugar nas características físicas da cidade? 2. Quem foram os planejadores que pensaram em fundar a cidade? Algum deles era seguidor da maçonaria? 3. Haverá desenhos ou símbolos significativos embebidos no plano original ou planta baixa da cidade? 4. Haverá alguma significação na arquitetura, na localização ou na relação das posições dos edifícios centrais, sobretudo daqueles que representam os poderes político, econômico, educacional ou religioso da cidade? Os maçons lançaram qualquer das pedras fundamentais da cidade? 5. Tem havido qualquer significação histórica no terreno particular sobre o qual um ou mais desses edifícios foi localizado? Quais eram os proprietários originais das terras onde está a cidade? 6. Qual é o pano-de-fundo dos parques e das praças da cidade? Quem os comissionou e fundou? Qual significação poderiam ter os seus nomes? 7. Qual é o pano-de-fundo e a possível significação das estátuas e monumentos da cidade? Algum desses objetos reflete características demoníacas, glorificando a criatura, em vez de glorificar o Criador?
  • 213. 8. Quais outras obras de arte aparecem na cidade, especialmente nos edifícios públicos, museus ou teatros? Procure especialmente por obras de arte sensual ou demoníaca. 9. Haverá algum local arqueológico proeminente na cidade? Qual significado poderia ter esse sítio? 10. Qual é a localização de centros altamente visíveis de pecado, como clínicas de aborto, livrarias ou teatros pornográficos, lupanares, jogatina, tavernas, atividades homossexuais, etc.? 11. Onde existem áreas que concentram atividades baseadas na cobiça, na exploração, na pobreza, na discriminação, na violência, nas enfermidades ou em acidentes freqüentes? 12. Onde se encontram locais de derramamento de sangue no passado ou no presente, através de massacres, guerras ou assassinatos? 13. A posição de árvores, colinas, pedras ou rios forma qualquer padrão aparentemente significativo? 14. Certos marcos do território da cidade têm designações que tendem por desonrar o nome de Deus? 15. Qual é o ponto geográfico mais alto da cidade, e o que está construído ou localizado ali? Talvez se trate de uma declaração de autoridade espiritual maligna. 16. Quais zonas, setores ou bairros de sua cidade parecem ter características todas próprias? Procure discernir áreas da cidade que parecem ter meios ambientes espirituais diferentes. PESQUISA ESPIRITUAL A. Não-Cristãos 1. Quais são os nomes das principais divindades ou espíritos territoriais associados ao passado ou presente da cidade? 2. Quais são as localizações de lugares elevados, altares, templos, monumentos ou edifícios associados à feitiçaria, ao ocultismo, às
  • 214. adivinhações, ao satanismo, à maçonaria, ao mormonismo, às religiões orientais, às Testemunhas de Jeová e cultos similares? Quando localizados em um mapa, esses locais formam algum padrão discernível? 3. Quais são os lugares onde, no passado, havia alguma adoração pagã, antes mesmo da fundação da cidade? 4. Quais são os diferentes centros culturais que poderiam conter objetos de arte ou artefatos vinculados à adoração pagã? 5. Algum líder da cidade, tendo consciência disso, dedicou-se a alguma divindade pagã ou a algum principado demoníaco? 6. Houve maldições conhecidas lançadas pelos habitantes originais sobre a terra ou sobre aqueles que fundaram a cidade? B. Cristãos 1. Como têm sido recebidos na cidade os mensageiros de Deus? 2. A evangelização da cidade tem sido fácil ou difícil? 3. Onde estão localizadas as igrejas? Quais delas você veria como igrejas "doadoras de vida"? 4. As igrejas da cidade são espiritualmente saudáveis? 5. Quais são os líderes evangélicos considerados como "anciãos da cidade"? 6. É fácil alguém orar em qualquer das áreas da cidade? 7. Qual é a condição de unidade entre os líderes evangélicos, se considerarmos as questões étnicas e denominacionais? 8. Qual é a opinião dos líderes da cidade no tocante à moral cristã? C. Divulgadoras 1. Quais são os intercessores maduros e reconhecidos que ouvem recados de Deus a respeito da cidade?
  • 215. 2. Qual é a identidade dos principados de proa que aparentemente controlam a cidade como um todo, ou certas áreas da vida ou do território da cidade? SEGUNDO PASSO: AGINDO COM BASE NAS INFORMAÇÕES Uma das vantagens para quem conta com diversos contribuintes, em um livro como este, é que isso prove diversas abordagens diferentes à guerra espiritual em nível estratégico. Já vimos Cindy Jacobs levar os pastores da cidade de Resistência ao arrependimento. Vimos o amigo de Kjell Sjöberg infiltrar-se na organização sueca de ocultismo, e igualmente observamos Haroldo Caballeros encontrar o nome de um valente em certo jornal da Guatemala. Vimos Bob Beckett fincar estacas de carvalho no chão, nas estradas para Hemet. Por igual modo, vimos Víctor Lorenzo unir-se com outros crentes para formarem uma cruz humana no centro da praça central, em La Plata, na Argentina, e também já acompanhamos Bev Klopp expressar arrependimento em edifícios subterrâneos. Todos eles descobriram alguma vantagem nos métodos de que se utilizaram, mas nenhum deles asseverou que os outros deveriam fazer como eles costumam agir. Por meio da oração, Deus mostrará aos líderes, cidade após cidade, qual ação é a mais apropriada para a situação particular de cada um. Entrementes, há algumas regras gerais para se ministrar em uma cidade, usando a guerra espiritual em nível estratégico. Aqueles que leram o primeiro livro desta série, Oração de Guerra, ter-se-ão familiarizado com as regras acerca da conquista de uma cidade, conforme expliquei aqui. Para benefício daqueles que não leram aqueles livros, ou para benefício daqueles que se olvidaram dos princípios básicos, simplesmente alistarei as mesmas seis regras, sem qualquer outra explicação:
  • 216. Regra 1: A Área Selecione uma área geográfica que você possa controlar, com fronteiras espirituais discerníveis. Regra 2: Os Pastores Garanta a unidade entre os pastores e outros líderes evangélicos na região e comecem todos a orar juntos, de uma maneira regular. Regra 3: O Corpo de Cristo Projete a imagem mental clara de que o esforço não é alguma atividade meramente dos pentecostais e carismáticos, mas de todo o Corpo de Cristo. Regra 4: A Preparação Espiritual Garanta a preparação espiritual dos líderes participantes e de outros crentes, por meio do arrependimento, da humildade e da santidade. Regra 5: A Pesquisa Pesquise o pano-de-fundo histórico da cidade, a fim de detectar quais forças espirituais têm dado forma à cidade. (Isso foi coberto na primeira parte deste capítulo, intitulada "Recolhimento de Informações".)
  • 217. Regra 6: Os Intercessores Trabalhe em companhia de intercessores especialmente dotados e chamados para se ocuparem da guerra espiritual em nível estratégico e para buscarem a revelação divina acerca destes pontos: (a) O dom ou dons remidores da cidade; (b) as fortalezas de Satanás na cidade; (c) os espíritos territoriais designados por Satanás para a cidade; (d) pecados coletivos passados e presentes, que precisam ser resolvidos; e (e) o plano de ataque e o tempo oportuno determinados por Deus. Perguntas para refletir 1. Este capítulo contém sessenta quesitos acerca do mapeamento espiritual. Algumas dessas perguntas porventura não se aplicam à sua cidade? Nesse caso, elimine-as. 2. Use as perguntas restantes para fazer o mapeamento espiritual de sua cidade. Uma ou mais pessoas podem fazer isso em sua companhia. 3. Marque o que você descobrir em mapas literais da cidade. Compare as suas descobertas com as de outros líderes evangélicos a fim de averiguar a exatidão de seus discernimentos. 4. Forme uma equipe de intercessores para orarem sobre o mapa e compartilharem de seus achados com líderes evangélicos participantes. 5. Procure ler o livro de C. Peter Wagner, intitulado Oração de Guerra, antes de dar início à guerra espiritual em sua cidade. FIM