Atps litereatura infantil

2.009 visualizações

Publicada em

ajudou demais

Publicada em: Internet
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.009
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atps litereatura infantil

  1. 1. Universidade Anhanguera - Uniderp Centro de Educação a Distância ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS LITERATURA INFATIL Pedagogia 5ª Semestre Profa. Ma. Adriana Rodrigues da Silva Americana 2012
  2. 2. Americana 2012 Universidade Anhanguera - Uniderp Centro de Educação a Distância LITERATURA INFATIL Pedagogia 5ª Semestre Elisângela Cristina Alves de Souza Nilva Neves Messias Dan Roseli Brenha Prisciliana Maria Priscila Munhoz Vieira da Silva RA: 218622 RA: 218479 RA: 199352 RA: 219447 RA: 218440
  3. 3. Conto
  4. 4. O Esconderijo dos Sonhos Juquinha é uma criança muito sonhadora, com uma imaginação além da imaginação. Ele tinha um lugar bem particular que adorava ficar enquanto trabalhava com sua criatividade, sem que ninguém o atrapalhasse, um esconderijo secreto: “O seu guarda-roupa”. Sua mãe não gostava nada disso, pois passava tempo procurando o menino, e seu lugar mágico, ele jamais revelou.
  5. 5. Certo dia, depois da aula, Juquinha correu para o seu esconderijo da imaginação e sonhou... sonhou um sonho lindo... Ele estava correndo num mundo fantástico, um mundo feito de chocolate. A casa, as árvores, o rio... e havia doces, brigadeiros, biscoito e pirulitos por toda a parte. Tudo ali era de comer, era só querer.
  6. 6. Juquinha brincava entre os doces e se preparava para comer, estava com água na boca. Mas quando foi colocar um docinho na boca, adivinhem só o que aconteceu?
  7. 7. Juquinha ouviu uma voz distante, que o chamava e de repente é acordado com um susto terrível... Sua mãe encontrou seu esconderijo e abriu a porta do guarda-roupa com rapidez, tirando o garoto de seu fantástico mundo de guloseimas, sem ao menos provar um pedacinho. Juquinha saiu reclamando: -Ah! Mãe, justo agora. E sua mãe dizia: -Menino, até que enfim, agora eu sei onde você se esconde. Isso é lugar Juquinha!?
  8. 8. E Juquinha sai, contrariado e preocupado: onde conseguiria outro lugar tão fantástico para sonhar? E se não funcionasse igual? Ele voltaria ao seu mundo de doces particular? Isso ele veria mais tarde, pois pra quem gosta e sabe sonhar , não existe hora e nem lugar.
  9. 9. Reconto
  10. 10. Há muito tempo atrás, na China morava um menino chamado Ping. Ele gostava muito flores. Mas gostava mesmo!!! As vezes até conversava com elas, e tudo que ele plantava florescia, algumas pessoas achavam que ele usava magia, tipo “abracadabra”, mas Ping explicava a todos que era apenas uma questão de dedicação e paciência. Todo o reino também adorava flores, e o ar do país inteiro era perfurado por muitos jardins, e vasos nas janelas das casas, e isso tudo era influencia do Imperador, ele era o que mais gostava de flores, tanto quanto Ping, e as dava de presente a todos, e construía jardins por toda a cidade. Certo momento o Imperador, como já era velho, precisava de um sucessor. Então ele teve uma grande idéia, convidou todas as crianças do reino para o palácio, e deu a cada uma delas uma semente anunciando o seguinte: - Vocês terão que cuidar dessa semente durante um ano, e prestem muita atenção, pois ela é e especial. Vão, cumpram sua missão, e voltem daqui a um ano. Advinha quem estava lá, e voltou pra casa todo feliz com sua semente? Ping. E ele chegou em casa pegou um vaso especial, colocou terra e a semente, regou e esperou. Todos os dias ele olhava pra ela, conversava com ela, mas ele achou que tinha alguma coisa estranha. Essa semente devia ser mesmo especial, pois dois meses se passaram e ela não floresceu. Ping não desistiu, continuou tentando, mas não deu em nada.
  11. 11. Um ano se passou, chegou o grande dia, todas as crianças vestiram suas melhores roupas, dirigiram-se ao palácio, Ping estava lá, um pouco envergonhado, pois todos os vasos estavam floridos e no dele só havia terra, algumas crianças riram dele, e sua própria família disse que ele não deveria ir, ou deveria levar uma das suas flores, mas Ping, não gostava de mentir, e queria dizer ao imperador que ele cumpriu sua missão. O imperador ficou olhando flor por flor com uma cara séria, até que chegou a vez de Ping, ele sorriu para o menino e perguntou: -Porque você me trouxe um pote vazio, garotinho? E Ping responde: - Eu fiz de tudo para ela brotar, cuidei, reguei, e até cantei pra ela, mas não deu em nada, me desculpe. Quando o imperador ouviu estas palavras anunciou: - Esse garoto será meu sucessor, pois ele me trouxe a verdade. Não sei onde encontraram essas sementes, pois as que dei para vocês estavam todas queimadas. Ping ficou feliz, pois agora sabia que cumpriu mesmo sua missão e tinha outra bem maior pela frente: ele seria Imperador do seu Reino.
  12. 12. Referência bibliográfica: COELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: Teoria, Análise e Didática. São Paulo: Ed. Moderna, 2000. P.14-45. COLOMBO, Fabiano José. A importância do trabalho educativo com ilustrações de livros de literatura infantil. MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Leitura Crítica da Literatura Infantil. COELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: Teoria, Análise e Didática. São Paulo: Ed. Moderna, 2000. P.92-149.

×