ApresentaçãO2

372 visualizações

Publicada em

Aprendizagem de línguas mediada pelo computador

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
372
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ApresentaçãO2

  1. 1. Aprendizagem de línguas mediada por computador Vilson J. Leffa Universidade Católica de Pelotas
  2. 2. Computer-Assisted Language Learning Aprendizagem de Línguas Mediada por computador O computador como mediador (LEONTI-EV, 1978; KUUTI, 1996; ENGESTRÖM, 1999). CALL
  3. 3. A evolução do homem é caracterizada pelo desenvolvimento de instrumentos cada vez mais sofisticados. Na medida em que esses instrumentos são difundidos na sociedade, seu domínio torna-se necessário por um segmento cada vez maior da população, como foi, por exemplo, o caso do livro, no fim do Século XV, e como certa-mente é o caso do computador, neste início do Século XXI.
  4. 4. A aprendizagem mediada por computador teve início na década de 60 com um projeto conhecido como Plato, usado por algumas universidades americanas. A concepção era behaviorista, com muita repetição e re-forço positivo, considerados necessários para formação dos “hábitos lingüísticos”, (“pattern drills” em inglês), criticados por muitos autores como “exercícios assassinos” (“drill and kill”), capazes de matar qualquer interesse que o aluno ainda pudesse manter em estudar a língua depois de uma aula inteira de repetição de modelos. Warschauer e Healey (1998) definem esse período como o do “CALL behaviorista”.
  5. 5. A revolução da informática começou com a introdução dos microcomputadores, os computadores pessoais, na década de oitenta, principalmente com a chegada do Apple II. Embora muitas formas de atividades behavioristas ainda permanecessem, há também atividades mais significativas, como diferentes tipos de reconstrução textual, jogos didáticos, simulações gráficas e produção textual. As quatro habilidades básicas da língua ( ouvir, falar, ler e escrever ) podem ser integradas numa única atividade; o aluno pode, por exemplo, ouvir um diálogo, gravar sua pronúncia, ler o feedback fornecido pelo sistema e escrever um comentário.
  6. 6. É na educação, porém, que se reflete mais sobre essa versatilidade, principalmente em termos do papel que o computador deve desempenhar. A questão encerra um debate teórico fundamental, muito bem apanhado por Higgins (1983) quando faz a distinção histórica entre Magister e Pedagogue.
  7. 7. O Magister usa uma toga para mostrar que é qualificado. Recebe um salário por mês. Carrega uma palmatória, real ou metafórica, para castigar os alunos que não dão as respostas certas. [...] É ele que seleciona o que vai ser ensinado, decide a ordem em que conteúdo será apresentado e estabelece que atividades vão ser desenvolvidas (HIGGINS, 1983, p. 4).
  8. 8. O Pedagogue é o escravo grego, usado pelas famílias ricas do império romano para educar os filhos. [...] Quando o aluno estala os dedos, ele se aproxima para dar a informação solicitada, responder a uma pergunta, ou talvez, se for o que o jovem mestre desejar, conduzir um debate ou aplicar um teste. Pode ter muito saber, mas o saber só emerge sob demanda; é uma biblioteca ambulante. Não tem salário e quando deixar de satisfa-zer o aluno será descartado ou vendido. (HIGGINS, 1983, p. 4)
  9. 9. Terra de todos e terra de ninguém! CALL
  10. 10. A questão do gênero digital tem remetido a Baktin, Halliday e mais recentemente a Kress, Lemke e outros, que enfatizam a concepção multimídia do texto, não mais restrito à palavra escrita, mas usando também imagens, sons e animação (KRESS, 2000; KRESS e Van LEEU-WEN, 2001; LEMKE, 2002; ECO, 1886). [...] o texto é concebido como um conjunto amplo e ar-ticulado de elementos que podem incluir a combinação do simplesmente linear ao som, à imagem, ao movi-mento, cada um em particular ou todos simultaneamen-te e ordenado por princípios comunicativos que vão a-lém dos princípios lingüísticos da gramática tradicional (OLIVEIRA, 2006, p. 24).
  11. 11. A vida é um hipertexto cheio de links. O ideal mobilizador da informática [é] a inteligência coletiva, isto é, a valorização, a utilização otimizada e a colocação em sinergia das competências, imaginações e energias intelectuais, independentemente de sua diver-sidade qualitativa e de sua localização (LÉVY, 1999, p. 167).
  12. 12. Estudo de Caso é a investigação profunda e exausti-va de um participante ou pequeno grupo. Robert Park, um ex-jornalista que se tornou sociólogo e lecionou na Universidade de Chicago na década de 20, troduziu técnicas de reportagem ao método. Nas décadas de 30 e 40, o Estudo de Caso entrou em decadência, devido, principalmente, ao avanço das meto-dologias positivistas e o enfoque na pesquisa quantitativa O ressurgimento do Estudo de Caso começou na dé-cada de 50, na área da Educação, usado, num primeiro momento, não como metodologia de pesquisa, mas como técnica de ensino, na Escola de Administração da Univer-sidade de Harvard (Harvard Business School). A idéia era de que o Estudo de Caso dava aos alunos a oportunidade de experienciar a realidade como ela é, preparando-os para o mundo real, dependendo menos de seus professores, e assumindo a responsabilidade por sua aprendizagem. Na área da pesquisa, o ressurgimento ocorreu na década de 60, com o desencanto pelas abordagens meramente quantitativas.
  13. 13. Classificação do Estudo de Caso Exploratório Explanatório Descritivo Hipóteses, e principalmente os instrumentos e procedimentos Descreve uma determinada realidade e também a explica em termos de causa e efeito. Mostra ao leitor uma realidade que ele não conhece.
  14. 14. Delineamento do Estudo de Caso 1. Elaboração do Protocolo 2. Execução do Projeto 3. Análise dos resultados 4. Elaboração das Conclusões • saber fazer boas perguntas e interpretar as respostas; • ser um bom ouvinte; • ser capaz de se adaptar e ser flexível para reagir adequadamente a diferentes situações; • conhecer os fundamentos teóricos da questão que está sendo estudada; • não ter idéias preconcebidas. • documentação • registros • entrevistas • observação direta • observação participante • artefatos culturais • análise holística; • análise detalhada ; • análise de padrões recorrentes. • Validade; • fidedignidade ; • generalização.
  15. 15. Quatro princípios para fazer uma análise de qualidade, segundo Yin (1994) • mostrar que a análise usa toda a evidência relevante; • incluir as principais interpretações rivais na análise; • abordar os aspectos mais relevantes do estudo; • usar toda sua experiência prévia de pesquisador na análise.
  16. 16. Referência LEFFA, V. J. . A aprendizagem de línguas mediada por computador. In: Vilson J. Leffa. (Org.). Pesquisa em lingüística Aplicada: temas e métodos. Pelotas: Educat, 2006, p. 11-36 Disponível em <http://www.leffa.pro.br/textos/trabalhos/B_Leffa_CALL_HP.pdf > Acessado em: 29 jun. 2009.

×