Teoria critica e escola de Frankfurt

10.549 visualizações

Publicada em

Teoria crítica e escola de Frankfurt

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.549
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
248
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria critica e escola de Frankfurt

  1. 1. Teoria Crítica – Escola de Frankfurt - Contextualização - <ul><li>Década de 30 - o filósofo Max Horkheimer e o economista Friedrich Pollock fundam o Instituto de Pesquisa Social, afiliado à Universidade de Frankfurt; </li></ul><ul><li>O Instituto era financiado por empresários judeus, que garantiram a independência dele transferindo seus fundos para outros países; </li></ul>
  2. 2. Teoria Crítica – Escola de Frankfurt - Contextualização - <ul><li>O lugar que estabeleceu-se como sede de estudos desse Instituto foi a Universidade de Columbia/EUA, que cedeu um prédio aos pesquisadores exilados; </li></ul><ul><li>Max Horkheimer, Leo Löwenthal e, a partir de 1938, Theodor Adorno, que era musicólogo e filósofo, trabalham ali; </li></ul>
  3. 3. Representantes <ul><li>Max Horkheimer </li></ul><ul><li>Friedrich Pollock </li></ul><ul><li>Leo Löwenthal </li></ul><ul><li>Walter Benjamin </li></ul><ul><li>Hebert Marcuse </li></ul>
  4. 4. O conceito de Indústria Cultural <ul><li>Na década de 40, Adorno e Horkheimer criam o conceito de indústria cultural; </li></ul><ul><li>O conceito de Indústria Cultural trata da produção da cultura como mercadoria; </li></ul><ul><li>Entende-se que o mercado das massas impõe o mesmo esquema de organização e planejamento administrativo das fabricações em série aos produtos simbólicos; </li></ul><ul><li>Revistas, programas radiofônicos, filmes, música são tratados pela “indústria cultural” da mesma forma que a fabricação de automóveis; </li></ul>
  5. 5. O conceito de Indústria Cultural <ul><li>Serialização e padronização da cultura; </li></ul><ul><li>Racionalidade técnica como racionalidade da dominação; </li></ul><ul><li>Os produtos culturais são entendidos como produtos feitos para impedir a atividade mental do espectador, portanto são vistos como produtos alienantes – cultura da alienação; </li></ul><ul><li>Os produtos da Indústria Cultural prescrevem reações; </li></ul><ul><li>A mídia é rejeitada por reproduzir a dominação através de mensagens ideológicas; </li></ul>
  6. 6. O conceito de Indústria Cultural <ul><li>Através desse entendimento dos produtos culturais, a Indústria Cultural anula toda a individualidade e qualquer idéia de resistência por parte da audiência; </li></ul><ul><li>A cultura erudita (música erudita) é vista como boa e verdadeira arte enquanto a cultura popular (música ligeira ou popular) é entendida como ruim e alienante. </li></ul>
  7. 7. Outras pesquisas da Escola de Frankfurt <ul><li>SÍNTESE DA TEORIA: o comum entre os estudos de todos os autores permite inferir uma escola de pensamento que critica um mundo onde a instrumentalização das coisas torna-se a dos indivíduos. </li></ul>
  8. 8. Influências da Escola de Frankfurt <ul><li>Concepção negativa da mídia (que manipula, aliena e engana); </li></ul><ul><li>Os meios de comunicação de massa são apenas instrumentos de controle e manipulação do pensamento coletivo. </li></ul>
  9. 9. Crítica a Escola de Frankfurt <ul><li>A mídia não representa apenas uma ideologia dominante (ainda mais em tempos de grande difusão dos MCM); </li></ul><ul><li>Espectadores não são massa ignorante que absorve a mensagem de forma passiva. </li></ul>

×