Período regencial no Brasil

35.572 visualizações

Publicada em

O período regencial no Brasil

Publicada em: Educação, Tecnologia, Turismo
1 comentário
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
35.572
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20.177
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
586
Comentários
1
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Período regencial no Brasil

  1. 1. Período Regencial no Brasil
  2. 3. Situação política no Brasil – Grupos e Disputas Diogo Antônio Feijó, Evaristo da Veiga e Bernardo Pereira de Vasconcelos. Grandes proprietários rurais (SP, RJ, MG e Nordeste) Unidade territorial; Monarquia; Escravidão e ordem social; Aumento do poder das Províncias. Liberais moderados Chimangos Cipriano Barata, Borges da Fonseca, Miguel Frias, Rangel de Vasconcelos e Augusto May Profissionais liberais, pequenos comerciantes, funcionários e militares modestos Centralização do poder; Autonomia administrativa das Províncias; Sistema federalista. Liberais exaltados Jurujubas Farroupilhas José Bonifácio Comerciantes portugueses, militares de alta patente e altos funcionários Volta de Pedro I; Absolutismo. Restauradores/ Caramurus FIGURAS SETORES OBJETIVOS GRUPO
  3. 4. <ul><li>Com a morte de Pedro I, em 1834, não havia mais motivo para existência dos restauradores; </li></ul><ul><li>Por volta de 1837, os liberais exaltados tinham perdido sua influência; </li></ul><ul><li>Grupo restante: liberais moderados que se dividiram em progressistas e regressistas . </li></ul>
  4. 5. Período Regencial <ul><li>Regência Trina Provisória: senador Francisco Carneiro de Campos , Nicolau Pereira de Campos Vergueiro e o brigadeiro Francisco de Lima e Silva . </li></ul><ul><li>Regência Trina Permanente: João Bráulio Muniz , José da Costa Carvalho e brigadeiro Francisco de Lima e Silva . </li></ul>
  5. 6. Guarda Nacional
  6. 7. O Ato Adicional (1834) <ul><li>Reforma da Constituição; </li></ul><ul><li>Instituição da Regência Una – 1 regente por 4 anos no cargo; </li></ul><ul><li>Suspensão do Poder Moderador ; </li></ul><ul><li>Criação das Assembléias Legislativas Provinciais . </li></ul>
  7. 8. Regente uno: padre Feijó
  8. 9. A Regência de Feijó (1834-1836) <ul><li>Feijó:ligado à ala progressista; </li></ul><ul><li>Enfrentou oposição dos regressistas que diziam que ele não impunha a ordem no país; </li></ul><ul><li>Em 1836, Feijó renunciou ao cargo; </li></ul><ul><li>Araújo Lima, regressista, foi eleito. </li></ul>
  9. 10. Regente uno: Araújo Lima
  10. 11. Regresso dos Conservadores <ul><li>A eleição de Araújo Lima (1836-1840) significou o triunfo dos conservadores e o início da limitação das liberdades e dos movimentos populares; </li></ul><ul><li>A idéia era manter a ordem através da centralização do poder e da limitação do poder das províncias. </li></ul><ul><li>12/05/1840: Lei Interpretativa do Ato Adicional , que reduziu o poder das províncias. </li></ul>
  11. 12. Revoltas Provinciais <ul><li>Motivos: </li></ul><ul><li>Queda do preço das exportações; </li></ul><ul><li>Prejuízos ao desenvolvimento da indústria brasileira devido aos privilégios alfandegários concedidos aos produtos da Inglaterra; </li></ul><ul><li>Miséria da população; </li></ul><ul><li>Autoritarismo do governo central. </li></ul>
  12. 13. Principais Revoltas <ul><li>Malês (1835): Salvador; </li></ul><ul><li>Cabanagem (1835-1840): Grão-Pará; </li></ul><ul><li>Farroupilha (1835-1845): Santa Catarina e Rio Grande do Sul; </li></ul><ul><li>Sabinada (1837-1838): Bahia; </li></ul><ul><li>Balaiada (1838-1841): Maranhão. </li></ul><ul><li>(ver mapa da página 139). </li></ul>
  13. 16. Morte e prisão dos revoltosos Matar os brancos e conseguir liberdade Escravidão dos africanos Escravos africanos 1835-1840 Bahia Revolta dos Malês Acordo de Paz, anistia dos revoltosos e imposto para charque do Prata Autono-mia provincial e acabar com os impostos Concorrên-cia do Charque do Prata, pelos baixos preços da importa-ção Produto-res rurais 1835- 1845 Rio Grande do Sul Farroupilha Repressão violenta e prisão dos sobrevi-ventes Acabar com a escravi- dão e distribuir terras A miséria e a ganância das oligarquias locais Negros, índios e mestiços 1835- 1840 Pará Cabanagem Desfecho Objetivo Causa Grupo Data Província Revolta
  14. 17. Repressão violenta, morte de cerca de 12 mil revoltosos Lutar contra a miséria, a escravi-dão e os maus-tratos Crise pelo declínio da exporta-ção de algodão; pobreza da popula-ção Pobres, vaquei-ros, sertanejos e escravos negros 18381841 Maranhão Balaiada Repressão violenta, prisão e degredo dos condenados República na Bahia até a maioridade Centrali-zação do governo, manutenção da autono-mia Parte da camada média e do exército, fazendeiros e escravos 1837-1838 Bahia Sabinada Desfecho Objetivo Causa Grupo Data Província Revolta
  15. 23. O golpe da maioridade (1840) <ul><li>Antecipação da maioridade de D. Pedro de Alcântara; </li></ul><ul><li>Visava a pacificação interna e a manutenção da unidade territorial brasileira; </li></ul>

×