Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y

21.399 visualizações

Publicada em

Tradição e Ruptura:
planejando aulas para a Geração Y -
Palestra de Leiva de Figueiredo Viana Leal para o Evento da Editora Moderna - Planejar 2011

Publicada em: Educação, Turismo, Tecnologia
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.399
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17.123
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
140
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y

  1. 1. Tradição e Ruptura: planejando aulas para a Geração Y Apresentação: Leiva de Figueiredo Viana Leal
  2. 2. “ Ensinar não é “transferir conhecimentos”, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção.” Paulo Freire
  3. 3. PLANEJAR PARA QUÊ ?
  4. 4. Planejamos... <ul><li>... para assegurar que as intencionalidades sejam alcançadas. </li></ul><ul><li>... porque não é de qualquer jeito que se educa , se forma e se prepara os educandos para viver nesse mundo. </li></ul><ul><li>... para evitar incorrer nas mesmices metodológicas. Nosso compromisso ético requer a consciência de que nosso trabalho não pode ser improvisado. Precisa apresentar coerência entre intencionalidades e metodologias. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Condições mais favoráveis que despertam o desejo de aprender. Nenhum educador desencadeia uma aprendizagem mecanicamente. </li></ul>
  6. 6. O QUE É PLANEJAR ?
  7. 7. histórica da humanidade anhou a trajetória histórica da humanidade...... Planejar é uma ação que acompanha a trajetória histórica da humanidade...
  8. 8. <ul><li>É uma ação refletida frente a objetivos a serem alcançados. Exige organização, sistematização, previsão e decisão. Revela nossas intencionalidades e, nesse sentido, é um ato político-pedagógico. </li></ul><ul><li>Para planejar é preciso fazer escolhas, o que, sem dúvida, inclui uma seleção cultural. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Quem planeja muda sua interação com o seu fazer didático. </li></ul><ul><li>Quem assume a postura de que não precisa planejar, robotizou suas ações. Não é novidade afirmar que o modo como o educador organiza suas aulas é determinante no processo de aprendizagem e de desenvolvimento dos educandos. </li></ul><ul><li>No planejamento, entra em discussão a metodologia. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Metodologia: é o caminho escolhido pelo professor para organizar suas situações de aprendizagem. </li></ul><ul><li>A aprendizagem é quando o aluno encontra um obstáculo a superar. Aprende por meio de vários estímulos. </li></ul><ul><li>Nesse sentido, o planejamento é multimodal e multidimensional (várias modalidades, com uso de várias mídias, em suas diferentes dimensões). </li></ul>
  11. 11. <ul><li>O que significa planejar para” a sociedade do conhecimento” ou “sociedade aprendente”? </li></ul><ul><li>Depende de nossa concepção de currículo e das capacidades que desejamos desenvolver nos alunos. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Infelizmente, nesse movimento de mudança, muitos educandos se deparam com situações em que são obrigados a aprender conteúdos cuja prazo de validade já está vencido. O mesmo acontece com as práticas docentes, muitas delas igualmente enfraquecidas frente à multiplicidade de possibilidades postas pela contemporaneidade. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Não podemos planejar dando migalhas de conhecimento, em uma linearidade positivista de conhecimento, mas buscando a totalidade da compreensão do objeto de ensino. </li></ul><ul><li>Com o avanço das novas tecnologias de informação e comunicação, os recursos se tornaram valiosos, tanto do ponto de vista de recursos para o professor no seu planejamento, quanto nas atividades que poderão ser propostas aos alunos, melhor preparando-os para a sociedade aprendente. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>O que significa planejar para a Geração Y? </li></ul>
  15. 15. <ul><li>GERAÇÃO Y: </li></ul><ul><li>impacientes para ensinar e para aprender, </li></ul><ul><li>não compreendem a si mesmos e a vida fora da tecnologia; </li></ul><ul><li>são vizinhos do mundo inteiro e, ao mesmo tempo, vivem isolados dentro de casa; </li></ul><ul><li>desafio: trabalhar em equipe. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>QUE TEMPO É ESTE? </li></ul><ul><li>Modos de ser, ter, saber, fazer e conviver </li></ul><ul><li>A era do usuário </li></ul><ul><li>Geração interativa </li></ul><ul><li>Nativos digitais </li></ul><ul><li>Inteligência Coletiva </li></ul><ul><li>Sociedade conectada </li></ul><ul><li>Novas competências e habilidades </li></ul>
  17. 17. <ul><li>E pensar que estamos frente a uma geração, a geração Y(assim denominada pelo Prof. Don Tapscolt , da Universidade de Toronto, desde a década de 80). Assim batizada em função da moda no Leste europeu, de dar nomes iniciados com a letra y às crianças nascidas na época. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Essas crianças são ágeis no acesso à informação e em fazer diversas coisas ao mesmo tempo , são imediatistas. O risco é ficarem na superficialidade do conhecimento, sem refletir e sem aprofundar em suas atividades e pesquisas. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>No contraponto, têm inúmeras qualidades, tais como expressar-se bem, trabalhar em grupo, abertos emocionalmente, o que pode favorecer as interações necessárias às aprendizagens </li></ul><ul><li>Vivemos a era dos nativos digitais - os incluídos na era digital. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>COMO PLANEJAR AULAS PARA A GERAÇÃO Y? </li></ul><ul><li>partir de questões feitas por eles; reconhecer seus interesses e realidades; </li></ul><ul><li>considerar o conflito de gerações existentes na escola, buscando a conciliação; </li></ul><ul><li>fortalecer as características humanas: inacabamento; autenticidade; integralidade, criatividade, criticidade, autonomia. </li></ul>
  21. 21. A habilidade essencial na Era da Informação é a habilidade de encontrar, utilizar e dar sentido à informação. BLOG REDE SOCIAL MSN TWITTER WII DS FOTOLOG SMS WEB TV PLAYSTATION IPHONE www.humornainformatica.blogspot.com/2008_08_01_ar... WIKI LIVRO DIDÁTICO
  22. 22. <ul><li>Como fica o planejamento de aulas hoje na escola: tradição ou ruptura? </li></ul><ul><li>DESAFIOS </li></ul><ul><li>Como conciliar o uso da tecnologia com o desenvolvimento dos valores humanos? </li></ul><ul><li>Como usar a tecnologia com sustentabilidade? </li></ul>
  23. 23. E AGORA? AS TECNOLOGIAS DIGITAIS MUDAM O PAPEL DO BOM PROFESSOR? QUEM DISSE ISSO?
  24. 24. “ Se a sociedade passa por mudanças é preciso que a escola prepare o novo homem, o homem moderno, para integrar-se à nova sociedade que deve ser essencialmente democrática” Idéias contidas na obra : TEIXEIRA, Anísio: Pequena introdução à filosofia da educação: escola progressiva ou a transformação da escola. São Paulo: Melhoramentos, 1968 ANÍSIO Hoje: SOCIEDADE ATUAL CULTURA DIGITAL 1900-1971
  25. 25. “ O sujeito ativo de que falamos é aquele que compara, exclui, ordena, categoriza, classifica, reformula, comprova, formula hipóteses, etc... em uma ação interiorizada (pensamento) ou em ação efetiva (segundo seu grau de desenvolvimento). Alguém que esteja realizando algo materialmente, porém seguindo um modelo dado por outro, para ser copiado, não é habitualmente um sujeito intelectualmente ativo.     Cabe à educação formar homens criativos, inventivos e descobridores, críticos e ativos, e na busca constante da construção da autonomia” Idéias contidas no livro: PIAGET, Jean. Para onde vai a educação? Rio de Janeiro, Olympio – Unesco, 1973 . PIAGET Hoje: APRENDIZAGEM 1896-1980 NOVOS PROCESSOS COGNITIVOS DA GER. INTERATIVA
  26. 26. “ A escola é o lugar onde a intervenção pedagógica intencional desencadeia o processo de ensino-aprendizagem. O professor tem o papel explícito de interferir no processo, diferentemente de situações informais nas quais a criança aprende por imersão em um ambiente cultural. Portanto, é papel do docente provocar avanços nos alunos ” Idéias contidas na obra: VyGOTSKY, L. - Pensamento e linguagem. SP, Martins Fontes, 1988 VYGOSTKY: 1896-1934 Os alunos precisam envolver-se em diálogos, tanto com os seus professores como entre si nas atividades que sejam tanto individuais como em equipe.
  27. 27. Além de se conhecer o aluno &quot;real“, é necessário romper o paradigma educador-educando, A troca de papéis permite que tanto educador como educando sejam sujeitos e cresçam juntos: em vez de um professor que apenas transmite informação e um aluno que passivamente as recebe, acreditando ter aprendido, é preciso trazer o professor para a posição do aluno e o aluno para a posição do professor. O educando, ao ser educado, também educa Idéias contidas na obra : FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 31ed. São Paulo : Paz e Terra, 2005 1921-1997
  28. 28. Letramento digital/Literacia da mídias: <ul><li>Significa que, para além do domínio da tecnologia, é preciso apropriar-se do que para que utilizá-la. </li></ul><ul><li>Para planejar nessa sociedade aprendente, é necessário contar com um professor que, para além de dominar o seu conhecimento, seja capaz de preparar e mobilizar os alunos para uma nova relação com o conhecimento. </li></ul>
  29. 29. <ul><li>Do ponto de vista das novas relações com o conhecimento, têm-se proclamado duas abordagens: </li></ul><ul><li>-uma que instiga a aprendizagem por meio de situações-problema-conteúdos (aqui assumido como capacidades) oferecidos em forma de problema, cuja resposta será construída pelo aluno. </li></ul><ul><li>Nossas escolhas precisam se basear em critérios e não em modismos. </li></ul>
  30. 30. <ul><li>- outra que instiga a pedagogia da problematização(o que pode ser feito com determinados conteúdos e não com todos). Essa direção pedagógica provoca inquietações, desinstalações, desequilíbrios cognitivos. </li></ul>
  31. 31. <ul><li>Cultura letrada: chances culturais em uma sociedade economicamente desigual </li></ul><ul><li>Práticas documentárias criadas pela sociedade. </li></ul><ul><li>Para isso precisa dominar conceitos e princípios </li></ul><ul><li>Apropriação da cultura ( iniciação documentária ) </li></ul>
  32. 32. <ul><li>Gestos simples, porém fundamentais: </li></ul><ul><li>tomar notas </li></ul><ul><li>resumir </li></ul><ul><li>localizar idéias-chave </li></ul><ul><li>referenciar obras </li></ul><ul><li>esquematizar textos orais e escritos, palestras </li></ul><ul><li>elaborar frase-núcleo </li></ul><ul><li>identificar temas e assuntos </li></ul>
  33. 33. Três grandes competências: <ul><li>1º) ACESSAR </li></ul><ul><li>Saber ACESSAR um jornal é diferente de acessar um dicionário que, por sua vez, é diferente de acessar uma página na internet e assim por diante. </li></ul>
  34. 34. <ul><li>2º) AVALIAR </li></ul><ul><li>Saber AVALIAR: grande capacidade de selecionar qual das informações é relevante aos seus propósitos. Por isso, é importante ressaltar que, quando o aluno não sabe o objetivo com o qual lê, também não saberá realizar escolhas. </li></ul>
  35. 35. <ul><li>3º) UTILIZAR </li></ul><ul><li>Saber UTILIZAR: saber textualizar as informações de acordo com os objetivos pretendidos e com as normas de citação estabelecidas. </li></ul>
  36. 36. Habilidades básicas <ul><li>saber ler as referências citadas por um autor em um dado texto. </li></ul><ul><li>saber referenciar as bibliografias utilizadas em um dado texto produzido. </li></ul><ul><li>saber produzir esquemas e ou resumos de texto </li></ul><ul><li>saber elaborar páginas de rosto </li></ul><ul><li>saber elaborar sumários </li></ul><ul><li>saber elaborar ficha catalográfica </li></ul><ul><li>saber ler capas e quartas de capa </li></ul>
  37. 37. <ul><li>Anos 80, as mídias aceitas como ferramenta na perspectiva dos estudos culturais </li></ul><ul><li>1- O uso dos recursos digitais nas aulas pelo professor </li></ul><ul><li>2- Tarefas que devem ser cumpridas pelos alunos </li></ul><ul><li>- Um ambiente de aprendizagem que merece destaque são as WebQuest, em que vários temas podem ser pesquisados. </li></ul><ul><li>3- Incentivo à criação de Webpages das turmas </li></ul>
  38. 38. <ul><li>4- A produção de blogs </li></ul><ul><li>5- Portais </li></ul><ul><li>6- Sequências narrativas de uma cena de TV </li></ul><ul><li>7- Aspectos de um documentário </li></ul><ul><li>8- Análises de vídeos e de videogames </li></ul><ul><li>9- Estudo de um trailer de um filme de sucesso </li></ul><ul><li>10- Criar e publicar conteúdos multimídias </li></ul><ul><li>11- Refinamento da pesquisa em sites de busca </li></ul>
  39. 39. <ul><li>12- Saber trabalhar com hiperlinks </li></ul><ul><li>13- Elaborar roteiros audiovisuais </li></ul><ul><li>14- Editar textos utilizando-se dos recursos gráficos, visuais, semióticos </li></ul><ul><li>15- Digitar imagens em movimento </li></ul><ul><li>16- Editar músicas usando gravador e editor de som. </li></ul><ul><li>17- Lista de discussões </li></ul><ul><li>18- Banco de dados </li></ul><ul><li>19- Edição de um jornal eletrônico(ou boletim, ou revista). </li></ul>
  40. 40. <ul><li>Livro didático: o melhor do livro didático é que oportuniza e oferece acesso ao mundo da escrita letrada. No entanto, todo material didático toma como interlocutor alguém que será um co- autor, isto é, ajustando, acrescentando, dialogando com o material e não fazendo dele um objeto intocável. Essa co-autoria demanda, portanto, que o planejamento possa ser feito apoiando-se no LD, para, a partir do que delineamos como objetivos, a partir das capacidades delineadas, abrirmos o leque de ampliação de usos do que o LD oferece. </li></ul>
  41. 41. <ul><li>“ O professor comprometido sabe que não pode ser espontaneísta. Precisa assegurar os ANDAIMES”. (Brunner) </li></ul><ul><li>Negar essa condição é, na verdade, tornar os sujeitos analfabetos. Conhecer a escrita, mas no saber usá-la, constitui-se hoje em uma forma de exclusão e de abandono, assim como vivem e viveram muitos do que não dominam ou dominavam o código escrito. </li></ul>
  42. 42. <ul><li>Para fazer nascer homens novos, leitores novos, nós, professores, precisamos também renascer a cada dia, no exercício contínuo de nossa existência. O melhor de nós está sempre POR VIR . Nos sonhos que construímos e na luta que empreendemos. É só acreditar! </li></ul>
  43. 43. <ul><li>Exemplo 1 </li></ul><ul><li>Tema 1: </li></ul><ul><li>Cotidiano de Convivência, Trabalho e lazer </li></ul><ul><li>Tópico 1: </li></ul><ul><li>Território e territorialidade </li></ul>
  44. 44. <ul><li>Objetivos: </li></ul><ul><li>Reconhecer em imagens e fotos de tempos diferentes as mudanças ocorridas na produção do espaço urbano do lazer em diferentes escalas sabendo explicar a sua temporalidade  e as relações de poder nelas implícitas. </li></ul>
  45. 45. Desdobramentos da habilidade: <ul><li>- Conhecer e identificar na paisagem urbana as territorialidades construídas em diferentes temporalidades no centro das metrópoles como as gangues, mendigos, crianças de rua e outros sujeitos excluídos do processo de produção. </li></ul><ul><li>- Conhecer os territórios urbanos preservados e os depredados, identificando o papel das políticas públicas na revitalização ou abandono. </li></ul>
  46. 46. <ul><li>- Ler nas pichações , na mendicância, na violência do trânsito e no comércio informal das vias de circulação a territorialidades das classes sociais  excluídas. </li></ul><ul><li>- Perceber o fluxo cotidiano de pessoas na temporalidade diurna e noturna das ruas e avenidas  que geram diferentes territorialidades em função da apropriação dos serviços e comércio urbanos. </li></ul><ul><li>- Identificar os processos de preservação e de depredação  do território expressos na paisagem. </li></ul>
  47. 47. <ul><li>- Compreender no cotidiano a noção de território e territorialidade, aplicando-a  na análise das situações que produzem a vida na cidade em forma de postal. </li></ul><ul><li>- Criar postais que revelam a identidade recuperada dos patrimônios abandonados. </li></ul><ul><li>- Avaliar o papel das políticas públicas nas ações sociais destinadas aos desterritorializados. </li></ul>
  48. 48. Providências para a realização da atividade: <ul><li>Materiais: </li></ul><ul><li>- Máquina fotográfica, filme, revelação, folha de papel ofício, lápis de cor e/ou cera, papel reciclado para postal, fotos, etc. </li></ul><ul><li>- Planejamento da atividade extra-classe – trilha urbana: entrevistas, registro em fotos (revelação) </li></ul><ul><li>- Caderno para registros </li></ul><ul><li>- Textos xerocados para leitura. </li></ul><ul><li>- Pesquisa em sites na sala de informática </li></ul>
  49. 49. Descrição dos procedimentos: <ul><li>Dos temas que retratam a cidade e  as contradições no uso do território, este é um dos mais contextualizados, polêmicos e complexos. Essa discussão faz parte do cotidiano  dos alunos na vivência, na escuta televisiva e na leitura de periódicos como jornais, revistas e boletins eletrônicos. Para que você, professor,  possa entender como os moradores da cidade se tornam desterritorializados e se territorializam, sugerimos  a  leitura da Orientação Pedagógica sobre o tópico território,  para em seguida, trabalhar as sequências didáticas propostas. </li></ul>
  50. 50. Atividade 1 – Leitura  de texto e problematização: <ul><li>Texto – As contradições no uso do território </li></ul><ul><li>A sociedade demarca novas e antigas paisagens caracterizadas, pelo desenraizamento e pela exclusão. Seus atores são os sem teto, os refugiados, os camelôs, as gangues, as prostitutas, os doentes, os loucos, os pivetes, os mafiosos, os criminosos, os ladrões, representando os desterritorializados. </li></ul>
  51. 51. <ul><li>Esses grupos que sobrevivem nas fronteiras da marginalidade  e articulam-se com os lugares, criam territorialidades clandestinas denominadas de reterritorialização.  Eles se espacializam nos guetos, na rua, nos becos, nos asilos, nos hospitais, nos presídios, nos clubes, nas sarjetas, praças numa relação conflitante com os outros usuários/incluídos no espaço. </li></ul>
  52. 52. <ul><li>A mobilidade e a flexibilidade dos desterritorializados envolvem o espaço e o tempo. O espaço diurno é preenchido pela movimentação do comércio, dos serviços, dos transportes e pelos transeuntes na rotina cotidiana do trabalho e das compras. O espaço noturno é ocupado por outros personagens que atuam na prostituição, em gangues, na mendicância  ou  na busca do lazer noturno em bares e cafés. Assim, o fenômeno da desterritorialização possibilita a compreensão de novas territorialidades em processo de reterritorialização do lugar. </li></ul>
  53. 53. <ul><li>A paisagem excluída ganha visibilidade na desterritorialização dos acampamentos dos Sem Terra, no Brasil, dos refugiados balcânicos na Itália, dos desempregados africanos, na Espanha, nos acampamentos provisórios dos ruandeses na Tanzânia; dos palestinos, no Líbano; de curdos na Lituânia; dos refugiados sudaneses no Quênia. </li></ul>
  54. 54. 1-Análise do texto: <ul><li>1- Explicar o entendimento  de território e seu desdobramento em territorialidade, desterritorialidade e reteritorialidade. Exemplificar. </li></ul><ul><li>2- Inferir da leitura do texto a relação entre os excluídos na cidade e no campo. </li></ul><ul><li>3- Explicar como se dá a exclusão na cidade. Quais as consequências dessa segregação no  patrimônio arquitetônico, no planejamento urbano e na distribuição dos bens sociais públicos. </li></ul>
  55. 55. 2- Atividade de Problematização <ul><li>Considerando a segregação que ocorre no espaço urbano, questione porquê os moradores empobrecidos das favelas e dos bairros populares metropolitanos estão presentes mais freqüentemente nas associações comunitárias de base residencial e religiosa, ao mesmo tempo em que apresentam baixa participação nos sindicatos, associações profissionais e nos partidos políticos. </li></ul>
  56. 56. <ul><li>- Buscar a resposta entrevistando membros de Associações comunitárias dos bairros, sindicatos de trabalhadores, igrejas católicas e evangélicas, Câmara de Vereadores. </li></ul><ul><li>- Tratar os dados em sala de aula. Organizar tabelas, quadros e gráficos. Interpretar o material organizado. </li></ul><ul><li>- Avaliar o papel das Associações comunitárias e o do Orçamento Participativo. </li></ul><ul><li>- Organizar os dados no mural. </li></ul>
  57. 57. 3- Atividade de Educação patrimonial e ambiental <ul><li>- Selecionar um espaço da cidade  ocupado por mendigos, crianças de rua  e caracterizado por abandono público que foi revitalizada. Discutir o local com os alunos. </li></ul><ul><li>-  Apresentar exemplos pelo Brasil e o mundo onde houve revitalização e os moradores de rua  foram expulsos,  eliminando-se a violência e gerando outras relações produtivas no local. . EX: Pelourinho (BA), centro histórico do Rio de Janeiro, SP, BH, Recife e outros. </li></ul>
  58. 58. <ul><li>- Apresentar consultas em sites que revelam grupos de pessoas que se  uniram  em trabalhos comunitários em favelas resgatando o ambiente e a cidadania. </li></ul><ul><li>- Avaliar o papel das organizações comunitárias no desenvolvimento da cidadania.  </li></ul>
  59. 59. <ul><li>Representação gráfica e média aritmética </li></ul><ul><li>Tópico: Organização de um conjunto de dados </li></ul><ul><li>Objetivos: </li></ul><ul><li>Familiarizar os alunos com a organização, leitura e interpretação de dados apresentadas em tabelas, gráficos de colunas e gráficos de setores. </li></ul>
  60. 60. Providências para a realização da atividade: <ul><li>Na preparação da oficina, pedir aos alunos para trazerem recortes de jornais, revistas (e, se possível, copias da Internet) contendo gráficos e tabelas. Por precaução, é conveniente que o professor providencie algumas revistas e jornais (e, se possível, cópias da Internet. </li></ul><ul><li>Alguns gráficos podem ser obtidos, por exemplo, no endereço www.ibge.gov.br/ibgeteen) para suprir a eventual dificuldade dos alunos em conseguir o que foi solicitado. </li></ul>
  61. 61. <ul><li>Folhas de papel craft e fita adesiva para a confecção de cartazes com os recortes selecionados pelos alunos. </li></ul><ul><li>Distribuir, previamente, cópias do questionário apresentado abaixo para que os alunos o respondam. </li></ul><ul><li>Régua, compasso e papel quadriculado para a confecção de gráficos. </li></ul>
  62. 62. <ul><li>Pré-requisitos: </li></ul><ul><li>Escalas, divisão do círculo em partes proporcionais, uso do transferidor para medir ângulos. </li></ul>
  63. 63. Descrição dos procedimentos <ul><li>1. Antecedendo à data da oficina pedir aos alunos que </li></ul><ul><li>a. Providenciem os recortes contendo tabelas e gráficos para trazê-los no dia do evento. </li></ul><ul><li>b. Respondam o questionário e o tragam no dia do evento. </li></ul>
  64. 64. <ul><li>2. No dia da oficina, divida a turma em grupos. Oriente-os para: </li></ul><ul><li>a. Selecionar e separar os recortes em três conjuntos distintos: o de tabelas, o de gráficos de coluna e o de gráficos de setor, explicando o que significa cada uma dessas categorias. </li></ul><ul><li>b. Colar em folhas craft distintas cada um desses conjuntos. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  65. 65. <ul><li>3. Exiba em local adequado da sala os resultados desse trabalho e comente-os, abordando os componentes de um gráfico: título, variáveis, cabeçalho, fonte de informações, unidades de medida (se for o caso), e dependendo da grau de dificuldade, algumas conclusões possíveis de serem obtidas da sua leitura. </li></ul>
  66. 66. <ul><li>4. Explore esses cartazes, formulando perguntas que possam ser respondidas pela leitura das informações neles contidas. </li></ul><ul><li>5. Peça a cada grupo de cinco alunos que apurem os resultados dos questionários do grupo e os registrem na cópia da tabela de apuração apresentada logo abaixo. </li></ul>
  67. 67. <ul><li>Peça a um representante de cada grupo que copie os resultados de seu grupo numa tabela (com o mesmo formato) no quadro. </li></ul><ul><li>Explore a tabela do quadro com perguntas adequadas para levar os alunos a concluir pela necessidade de organizá-la de forma a facilitar a leitura e a interpretação dos dados. Por exemplo, a freqüência de dados repetidos e o tipo de variável (eis) envolvida(s). </li></ul>
  68. 68. <ul><li>Peça a cada grupo de alunos para fazer os gráficos de coluna e de setor indicados para cada uma das informações contidas nessa tabela. </li></ul><ul><li>* Todos os exemplos acima foram extraídos do CRV , da Secretaria Estadual de Educação, link RAs, em : www.educacao.mg.gov.br </li></ul>
  69. 69. <ul><li>Negar a condição de cultura letrada e digital é, na verdade, tornar os sujeitos analfabetos. Conhecer a escrita, mas não saber usá-la,conhecer os recursos digitais e não saber usá-los, constitui-se hoje em uma forma de exclusão e de abandono, assim como vivem e viveram muitos do que não dominam ou dominavam o código escrito. </li></ul>
  70. 70. <ul><li>“ Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina” </li></ul><ul><li>(Cora Coralina) </li></ul>
  71. 71. ... Se não avaliarmos e planejarmos “os rumos do nosso trabalho, ficaremos entregues aos rumos e condições estabelecidos por outros”.
  72. 72. <ul><li>PLANEJAR (t exto de Aluisio Cavalcante Jr .): www.sonhosdeumprofessor.blogspot.com ) </li></ul><ul><li>Início de ano. Tempo em que as Escolas começam a planejar. Tempo de encontros. Tempo de debates. Tempo de sorrisos. Há quem acredite que o bom planejar Esteja apenas nos livros Ou se resuma a elaboração de planos didáticos. Embora importantes, O melhor de um planejamento Não está nos livros E tão pouco nos planos didáticos. O melhor de um planejamento está Na capacidade de sonhar E de inspirar sonhos. Quem planeja aulas com as cores dos sonhos, Faz parte daquele grupo de Educadores e Educadoras, Que tem o dom de se fazer eternos nas lembranças, Daqueles que a vida lhes deu para cuidar. Este é o verdadeiro objetivo de um planejamento E a essência de uma Educação que faz sentido </li></ul>
  73. 73. <ul><li>Obrigada! </li></ul><ul><li>Leiva Leal </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul>

×