Os grandes projetos de mineração do Brasil

27.028 visualizações

Publicada em

1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Tenho o aporte necessário para o projeto de qualquer mineradora. Veja em www.armabran.com.br, valor mínimo de 20 mihões de euros e máximo, por bloco de Plano de Negócios, de 100 milhões de euros. Qualquer dúvida: ambfilho@gmail.com e agendaremos um vídeo conferencia. Juros 5,6% ao ano, AO ANO !!!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
27.028
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
123
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
310
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os grandes projetos de mineração do Brasil

  1. 1. Os grandes projetos de mineração do Brasil
  2. 2. Projeto Jari <ul><li>Foi planejado como um grande projeto em várias frentes: florestal, mineral e agropecuário. </li></ul><ul><ul><li>Florestal: produção de celulose (substituição de árvores nativas por espécies que produzem celulose). </li></ul></ul><ul><ul><li>Mineral: extração do caulim (mineral não-metálico) utilizado no branqueamento do papel; </li></ul></ul><ul><ul><li>Agropecuário: produção de arroz nas áreas de várzea e criação de gado bovino e bufalino. </li></ul></ul>Quase toda a produção gerada no interior do Projeto Jari se destina à exportação.
  3. 3. <ul><li>Mais uma vez, dinheiro público é investido na Amazônia, não para gerar melhorias, mas para auxiliar os negócios de empresários. </li></ul>década de 80 Projeto Jari CONSÓRCIO (Companhia do Jari) dívidas pagas pelo Banco do Brasil
  4. 4. Projeto Trombetas <ul><li>Bauxita  Serra de Oriximiná  descoberta em 1966 pela Alcan </li></ul><ul><li>Anos 70: preços internacionais da bauxita foram aumentados. Brasil: elemento-chave para a estratégia das empresas transnacionais. </li></ul>Projeto Alumar e Alunorte <ul><li>Consórcio Alumar  transforma bauxita em alumina  Projeto Albrás </li></ul><ul><li>O alumínio, produto final da cadeia bauxita-alumina-alumínio, requer o uso de energia elétrica em sua produção. Por isso a construção da hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, que passou a fornecer a energia para os projetos econômicos do Programa Grande Carajás.  </li></ul>
  5. 5. Projeto Grande Carajás <ul><li>Serra de Carajás (PA)  entre os rios Tocantins e Xingu  concentração inestimável de reserva de minério de ferro  considerada uma ‘província mineral'. </li></ul><ul><li>Segundo previsões, teremos 500 anos para explorar esses recursos. </li></ul><ul><li>Para isso, faz-se necessário a criação de vários outros projetos como base de infra-estrutura, dando condições para a viabilização do Grande Projeto. </li></ul>
  6. 6. Objetivos <ul><li>Instalar empreendimentos capazes de viabilizar o desenvolvimento sócio-econômico da Amazônia Oriental </li></ul><ul><li>Extrair recursos minerais e florestais existentes na área e explorá-los em grande escala. </li></ul>O projeto foi instalado na Amazônia por que ela possui um enorme potencial de recursos naturais, tanto minerais como florestais. Possui também grande potencial energético, que permite a construção de hidrelétricas, infra-estrutura necessária para dar suporte aos empreendimentos integrados ao Programa Grande Carajás.
  7. 7. O Programa Grande Carajás inclui 3 grandes frentes integradas: <ul><li>Projetos minero-metalúrgicos; </li></ul><ul><li>Projetos agropecuários e florestais; </li></ul><ul><li>Projetos de infra-estrutura. </li></ul><ul><li>A Vale do Rio Doce investiu no sistema de fornecimento de energia (hidrelétrica de Tucuruí) que fornece energia de baixo custo; na construção de estradas, de ferrovias e de portos; além de estimular o comércio local, através de incentivo fiscal. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>27/03/1987: grupo de índios bloqueou a Estrada de Ferro Carajás, em protesto contra o Grupo Executivo de Terras do Araguaia-Tocantins (Getat), que assinou mais de 38 títulos para colonos em terras indígenas. O conflito durou cinco anos. </li></ul><ul><li>No Maranhão, os madeireiros instigam posseiros a invadir terras indígenas e roubar madeira. As populações das reservas enfrentam surtos de malária e hepatite, doenças trazidas pelos posseiros, madeireiros e garimpeiros. No caso do Maranhão, a tribo mais ameaçada é a dos índios nômades, que sobrevivem da coleta, da pesca e da caça, e precisam de grandes espaços para viver. </li></ul>Conflitos com comunidades indígenas

×