Da fonética até à sintaxe1

5.088 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.088
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
182
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Da fonética até à sintaxe1

  1. 1. Fonética Fonema e Letra Tipos de Fonemas Sílaba Encontros vocálicos Encontro consonantal Dígrafo Separação silábica Fonética - Exercícios Ortografia Ortografia - Exercícios Acentuação Regras de acentuação Acentuação - Exercícios Morfologia Os elementos da morfologia Morfemas Processos de formação de palavras Significado das palavras Principais prefixos latinos Principais prefixos gregos Sufixos Principais sufixos nominais Sufixos verbais Sufixo adverbial Principais radicais gregos e latinos Classes de Palavras Substantivo Adjetivo Pronome Pronome pessoal Pronome possessivo Pronome demonstrativo Pronome relativo Pronome indefinido Pronome interrogativo Verbo Verbo - Exercícios Artigo Numeral Advérbio Preposição Interjeição Conjunção Classes de Palavras - Exercícios Diferenciação morfológica Sintaxe Frase, período e oração Termos essenciais da oração Termos integrantes da oração Termos acessórios da oração e vocativo Período composto por coordenação Período composto por subordinação Concordância nominal Regência nominal Concordância verbal Regência verbal Pontuação Crase
  2. 2. Crase - Exercícios Colocação pronominal Curiosidades ortográficas Semântica Figuras de Linguagem Figuras de palavra Figuras de som Figuras de pensamento Figuras de sintaxe Interpretação Textual Narração Narração objetiva X Narração subjetiva Elementos básicos da narrativa Descrição Elementos básicos de uma descrição Descrição subjetiva X Descrição objetiva Dissertação Parágrafos Qualidades de uma dissertação O que é dissertação Argumentação Partes de uma dissertação Tipos de Discurso Coerência e Coesão Coerência Coesão Denotação e Conotação Paráfrase, Perífrase, Síntese e Resumo Paráfrase Perífrase Síntese Resumo Significação Implícita Níveis de Linguagem Redação Tipos de redação Narração Descrição Dissertação Parágrafo Tópico Frasal O que não se deve fazer numa redação Temas metafóricos Como usar o gerúndio? O processo de redação A estética de uma redação Conselhos úteis Redação Oficial A Impessoalidade A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais Formalidade e Padronização Concisão e Clareza Pronomes de Tratamento Fechos para Comunicações Identificação do Signatário Normas Gerais de Elaboração Siglas e Acrônimos Destaques Enumerações
  3. 3. Grafia de Numerais O Padrão Ofício Forma de diagramação Aviso e Ofício Memorando Redação Identidade Visual Encaminhamento Apostila 1. Fonética 1.1 Fonema e Letra: A palavra falada é formada por combinações de unidades mínimas de som (fonemas). Na escrita, a representação do fonema ocorre através de letras. Por isso, o fonema não pode ser confundido com a letra. O fonema é a menor unidade sonora da língua, enquanto a letra é um sinal gráfico e visual, cuja função é representar o fonema de acordo com as normas da língua. A correspondência entre letra e som não ocorre em todas as situações, pois uma mesma letra pode representar fonemas distintos, como o x nas palavras: próximo, exato e feixe. Mas, há casos em que letras distintas representam o mesmo som, como acontece com as palavras seco, cedo, laço e próximo. Por fim, nota-se que uma letra pode representar mais de um fonema, como fixo, cuja leitura é "fikso", enquanto existe letra que não tem som, como o h em hora. Temos ainda os sons ora representados por uma só letra, ora por duas como xícara/chinelo, gato/guitarra e rabo/carro. Tipos de Fonemas >> 1.2 Tipos de Fonemas: Os fonemas são classificados em vogais, consoantes e semivogais: As vogais são sons produzidos sem obstáculos para a passagem de ar, que passa livremente pela boca, oriundo do pulmão. Sua emissão é independente de outro fonema, por isso constitui a base da sílaba. Os sons das vogais produzem-se a partir do diferentes posicionamentos dos músculos da boca, constituídos pela língua, pelos lábios e pelo véu palatino, formando o seguinte quadro: a) modificação do véu palatino: vogais orais: a corrente de ar vibrante passa pela cavidade bucal, formando sete fonemas vocálicos orais: i, e, é, a, ó, o, u (fica, veja, vela, pá, bola, coma, pula). vogais nasais: corrente de ar vibrante passa pelas cavidades bucal e nasal, formando cinco fonemas vocálicos nasais: linda, tenta, banda, onda, fundo. b) elevação da língua na região do céu da boca: vogais anteriores: emitidas com abertura média da boca (linda, fica, tenta, vela, veja). vogais centrais: emitidas com abertura total da boca (banda, pá). vogais posteriores: emitidas com abertura inferior a 50% da boca (fundo, pula, onda, bola, coma).
  4. 4. Essa abertura da boca também estará relacionada à consoante que segue a vocal, por isso a pronúncia precisa ser casada entre posição de abertura da vogal e da consoante. c) elevação da parte mais alta da língua: vogais altas: máxima elevação da língua para o céu da boca (fica, linda, pula, fundo). vogais médias: a elevação é média (veja, tenta, vela, coma, tonta, bola). vogais baixas: a elevação é mínima (pá, banda). As consoantes são fonemas produzidos através da obstrução do ar proveniente do pulmão, precisando de uma vogal param ser emitidos. Esses obstáculos podem ser totais ou parciais, a partir da posição da língua e dos lábios. As consoantes apresentam quatro critérios de classificação: Modo de articulação: responsável pela identificação do obstáculo que ocorre durante a passagem do ar pela boca. Se a corrente de ar encontrar um obstáculo total, essas consoantes serão classificadas como oclusivas (p, b, t, d, k e g). Se o obstáculo for parcial, as consoantes serão chamadas constritivas (compressão), podendo ser fricativas (fricção do ar através de uma fenda no meio da boca), laterais (o ar sai pelos lados da boca) e vibrantes (quando ocorre a vibração da língua ou do véu palatal). A classificação das consoantes constritivas ocorre da seguinte maneira: - Constritivas fricativas: f, v, s, z, x, j; - Constritivas laterais: l, lh; - Constritivas vibrantes: r, rr Ponto de articulação: identifica em qual ponto da cavidade bucal localiza-se o obstáculo para a passagem do ar. O ponto de articulação classifica-se em consoantes bilabiais (contato entre os lábios superior e inferior), labiodentais (o lábio inferior tem contato com os dentes incisivos superiores),linguodentais (contato entre a língua e a face interna dos dentes incisivos superiores),alveolares (contato da língua com os alvéolos dos dentes incisivos superiores), palatais (o dorso da língua toca o céu da boca) e velares (parte posterior da língua tem contato com o véu palatino). Essa classificação permite a seguinte divisão das consoantes quanto ao ponto de articulação: - bilabiais: p, b, m; - labiodentais: f, v; - linguodentais: t, d, n; - alveolares - s, z, l, r; - palatais: x, j, lh, nh; - velares: k, g, rr. papel das cordas vocais: permite observar se ocorre ou não vibração das cordas vocais. Quando ocorrer a vibração a consoante é chamada de sonora, já quando não ocorre, ela é chamada de surda.
  5. 5. As consoantes surdas e sonoras da língua portuguesa podem ser divididas em seis pares: SURDAS SONORAS p t k f s x b d g v z j papel das cavidades bucal e nasal: verifica se a passagem do ar ocorre somente pela cavidade bucal ou se passa pela cavidade nasal. De acordo com a passagem do ar as consoantes são classificadas em orais ou nasais. As consoantes nasais da língua portuguesa são três (m, n, nh), todas as demais são orais. Já as semivogais sempre acompanham um vogal, formando sílaba com ela. Na língua escrita às semivogais são representadas pelo "i" e "u", podendo em alguns casos serem representadas pelo "e" e "o". Deve-se observar também que a é sempre vogal e se estiver acompanhada de outra vogal na mesma sílaba, esta será semivogal. Sílaba >> 1.3 Sílaba: A sílaba é conjunto de sons que pode ser emitido numa só expiração. Na língua portuguesa a parte central da sílaba sempre é a vogal. Assim, na estrutura da sílaba existe, uma vogal, à qual se juntam, ou não, semivogais ou consoantes. A maneira mais fácil para separar as sílabas é pronunciar a palavra lentamente, de forma melódica. Na língua portuguesa, os vocábulos são classificados de acordo com o número de sílabas que apresentam, podendo ser: monossílabos (apenas uma sílaba): cão, chá; dissílabos (apresenta duas sílabas): mulher, garfo; trissílabos (possuem três sílabas): macaco, equipe; polissílabos (formados por mais de três sílabas): amizade; felicidade. A consoante inicial não seguida de vogal fica na sílaba seguinte (pneu-má-ti-co, mne- mô-ni-co). Se a consoante não seguida de vogal estiver dentro do vocábulo, ela fica na sílaba precedente (ap-to, rit-mo). Na questão, baseadas em texto de Gustavo Franco, marque o item em que a substituição da seqüência sublinhada pela alternativa proposta acarreta prejuízo à coerência ou à correção gramatical. Encontros vocálicos >> 1.4 Encontros vocálicos: Os encontros vocálicos referem-se à seqüência de sons vocálicos (vogais e/ou semivogais) que pode ocorrer numa mesma sílaba ou em sílabas separadas. As vogais serão as pronunciadas mais fortes, enquanto as semivogais serão mais fracas, ou seja, e átonas. São três os tipos de encontros vocálicos: hiatos, ditongos e tritongos.
  6. 6. hiatos: é a seqüência de duas vogais em sílabas diferentes. (saúde, cooperar, ruim, crêem) ditongos: ocorre quando uma vogal e uma semivogal são pronunciadas numa só sílaba, independente da ordem destas. Os ditongos podem ser classificados em decrescentes (pouco) ou crescentes (série) e orais (todos aqueles que não são nasais) ou nasais (pão). tritongos: são constituídos por uma vogal entre duas semivogais numa só sílaba. (Paraguai, iguais). Os tritongos também podem ser classificados em nasais ou orais, seguindo as mesmas regras dos ditongos. Além dessas regras gerais, deve-se observar também que: Am / em, no final das palavras, correspondem aos ditongos ao / ei nasalizados. Cuidado com os falsos ditongos, pois quando átonos finais, os encontros (ia, ie, io, ao e ua) são normalmente ditongos crescentes, mas também podem ser hiatos. Se esses grupos não forem finais nem átonos, só podem ser hiatos (memória, democracia, viela). Os encontros de palavras como praia, maio, feio, goiaba e baleia são separados de forma a criar um ditongo e uma vogal sozinha depois. Encontro consonantal >> 1.5 Encontro consonantal: O encontro consonantal é a seqüência de duas ou mais consoantes, sem vogal intermediária, que não sejam dígrafo. Esse encontro pode ocorrer na mesma sílaba ou não (carpete, bíblia). Os encontros consonantais (gn, mn, pn, ps, pt e tm) não são muito comuns. Quando eles aparecem no início da sílaba são inseparáveis. Quando estão no meio criam uma pronúncia mais difícil (pneu/advogado). No uso coloquial, há uma tendência a destruir esse encontro, inserindo a vogal i depois da consoante surda. Quando x corresponde a cs (táxi, falamos "tácsi"), há um encontro consonantal fonético. Nesse caso, x é chamado de dífono. Dígrafo >> 1.6 Dígrafo: O dígrafo é o grupo de duas letras que representa um único fonema. São dígrafos da língua portuguesa: lh, nh, ch, rr, ss, qu (seguidos de e ou i), gu (seguidos de e ou i), sc, sç, xc e xs. Os encontros gu e qu se forem usados com trema ou acento, não serão dígrafos, uma vez que o u será pronunciado. Além desses, existem também os dígrafos vocálicos formados pelas vogais nasais: am, an, em, en, im, in, om, on, um e un. Separação silábica >> 1.7 Separação silábica: Na língua portuguesa, a divisão das sílabas deve ser feita a partir da soletração, usando o hífen para marcar as sílabas (con-ver-sí-vel). Para a separação silábica correta devem-se observar as seguintes regras: os ditongos e tritongos não podem ser separados (Pa-ra-guai, Ro-gé-rio, au-la);
  7. 7. os hiatos têm as vogais separadas (a-é-re-o); os dígrafos ch, lh, nh, gu e qu não são separados (cho-ca-lho); os dígrafos ss, rr, sc, sç e xc são separados (pás-sa-ro, nas-cer, cor-ri-da); as vogais idênticas e os grupos consonantais cc e cç são separados (co-or-de-na- dor, in-te-lec-ção); os encontros consonantais ocorridos em sílabas internas diferentes são separados (em-pre-gar); grupos consonantais que ocorrem no início dos vocábulos são inseparáveis: psi- co-se, dra-ma, pneu-mo-ni-a. 1. Assinale a alternativa errada a respeito da palavra "churrasqueira". a) apresenta 13 letras e 10 fonemas b) apresenta 3 dígrafos: ch, rr, qu c) divisão silábica: chur-ras-quei-ra d) é paroxítona e polissílaba e) apresenta o tritongo: uei 2. Qual das alternativas abaixo possui palavras com mais letras do que fonemas? a) Caderno b) Chapéu c) Flores d) Livro e) Disco 3. Assinale a melhor resposta. Em papagaio, temos: a) um ditongo b) um tritongo c) um trissílabo d) um oxítono e) um proparoxítono 4. Assinale a série em que apenas um dos vocábulos não possui dígrafo: a) folha - ficha - lenha - fecho b) lento - bomba - trinco - algum c) águia - queijo - quatro - quero d) descer - cresço - exceto - exsudar e) serra - vosso - arrepio - assinar 5. Assinale a alternativa que inclui palavras da frase abaixo que contêm, respectivamente, um ditongo oral crescente e um hiato. As mágoas de minha mãe, que sofria em silêncio, jamais foram compreendidas por mim e meus irmãos. a) foram - minha b) sofria - jamais c) meus - irmãos d) mãe - silêncio e) mágoas - compreendidas
  8. 8. 6. Assinale a seqüência em que todas as palavras estão partidas corretamente. a) trans-a-tlân-ti-co / fi-el / sub-ro-gar b) bis-a-vô / du-e-lo / fo-ga-réu c) sub-lin-gual / bis-ne-to / de-ses-pe-rar d) des-li-gar / sub-ju-gar / sub-scre-ver e) cis-an-di-no / es-pé-cie / a-teu 7. Segundo as normas do vocabulário oficial, a separação silábica está corretamente efetuada em ambos os vocábulos das opções: a) to-cas-sem, res-pon-dia b) mer-ce-ná-ri-o, co-in-ci-di-am c) po-e-me-to, pré-dio d) ru-i-vo, pe-rí-o-do e) do-is, pau-sas 8. Assinale a alternativa que não apresenta todas as palavras separadas corretamente. a) de-se-nho, po-vo-ou, fan-ta-si-a, mi-lhões b) di-á-rio, a-dul-tos, can-tos, pla-ne-ta c) per-so-na-gens, po-lí-cia, ma-gia, i-ni-ci-ou d) con-se-guir, di-nhei-ro, en-con-trei, ar-gu-men-tou e) pais, li-ga-ção, a-pre-sen-ta-do, au-tên-ti-co 9. Dadas as palavras: Sub-ter-râ-neo / su-bes-ti-mar / trans-tor-no, constatamos que a separação silábica está correta: a) apenas nº 1; b) apenas nº 2; c) apenas nº 1 e 2; d) em todas as palavras e) n. d. a. 10. Dadas as palavras: tung-stê-nio / bis-a-vô / du-e-lo, constatamos que a separação silábica está correta: a) apenas nº 1 b) apenas nº 2 c) apenas nº 3 d) em todas as palavras e) n. d. a. 11. Nas palavras alma, pinto e porque, temos, respectivamente: a) 4 fonemas - 5 fonemas - 6 fonemas. b) 5 fonemas - 5 fonemas - 5 fonemas. c) 4 fonemas - 4 fonemas - 5 fonemas. d) 5 fonemas - 4 fonemas - 6 fonemas. e) 4 fonemas - 5 fonemas - 5 fonemas. 12. A alternativa que apresenta uma incorreção é: a) o fonema está diretamente ligado ao som da fala.
  9. 9. b) as letras são representações gráficas dos fonemas. c) a palavra "tosse" possui quatro fonemas. d) uma única letra pode representar fonemas diferentes. e) a letra "h" sempre representa um fonema. 13. Todas as palavras abaixo possuem um encontro vocálico e um encontro consonantal, exceto: a) destruir. b) magnésio. c) adstringente. d) pneu. e) autóctone. 14. A série em que todas as palavras apresentam dígrafo é: a) assinar / bocadinho / arredores. b) residência / pingue-pongue / dicionário. c) digno / decifrar / dissesse. d) dizer / holandês / groenlandeses. e) futebolísticos / diligentes / comparecimento. 15. Verificamos a presença de um hiato em: a) entendia. b) trabalho. c) conjeturou. d) mais. e) saguão. 16. A alternativa que apresenta certa dificuldade de distinção entre ditongo crescente e hiato é: a) pai-saúde-mau-juízo. b) Saara-preencher-cruel-doer. c) faísca-degrau-chapéu-vôo. d) piada-miolo-poente-miudeza. e) frear-foi-saída-rei. 17. A alternativa que apresenta uma incorreção é: a) "chapéu" possui um dígrafo e um ditongo decrescente. b) "guerreiro" possui dois dígrafos e um ditongo decrescente. c) "mangueira" possui dois dígrafos e um ditongo decrescente. d) "enxagüei" possui dois dígrafos e um tritongo. e) "exato" não possui dígrafos e nem encontro vocálico. 18. A alternativa em que as letras sublinhadas nas palavras constituem, respectivamente, dígrafo e encontro consonantal é: a) exceção / étnico b) banho / desça c) seguir / nascimento
  10. 10. d) aquático / psicologia e) occipital / represa 19. Observe os encontros vocálicos e os dígrafos e assinale a única afirmativa incorreta: a) na palavra cãibra ocorre um ditongo nasal decrescente. b) na palavra freqüente ocorre um ditongo oral crescente. c) na palavra radiouvinte ocorre um tritongo oral. d) na palavra pneumonia ocorrem um ditongo decrescente e um hiato. e) na palavra zoologia ocorrem dois hiatos. 20. Observe os encontros vocálicos e os dígrafos e assinale a única afirmativa incorreta: a) a palavra discente tem dígrafo consonantal e um dígrafo vocálico. b) a palavra entranhas tem um dígrafo vocálico e um dígrafo consonantal. c) a palavra também tem dois dígrafos vocálicos. d) a palavra tranqüilo tem um dígrafo vocálico e não apresenta dígrafo consonantal. e) a palavra borracha tem dois dígrafos consonantais. 21. O vocábulo cujo número de letras é igual ao número de fonemas está em: a) sucedida. b) habitando. c) grandes. d) espinhos. e) ressoou. 22. A palavra que apresenta ditongo crescente é: a) acordou. b) teriam. c) noites. d) jamais. e) quando. 23. Só não existe hiato em: a) atoleiros. b) miaram. c) ruído. d) defendiam. e) haviam. 24. Indique a palavra que tem 5 fonemas: a) ficha. b) molhado. c) guerra. d) fixo. e) hulha.
  11. 11. 25. Assinale o vocábulo com ditongo nasal decrescente: a) quando. b) zangou. c) misteriosos. d) vitória. e) moravam. 26. A palavra "charuto" apresenta: a) um dígrafo e seis fonemas. b) um dígrafo e sete fonemas. c) sete letras e sete fonemas. d) sete letras e dois dígrafos. e) sete letras e cinco fonemas. 27. Marque o item que apresenta erro na divisão silábica: a) téc-ni-co b) de-ce-pção c) ad-jun-to d) con-fec-ção e) obs-tá-cu-lo 1 E / 2 B / 3 A / 4 C / 5 E / 6 C / 7 C / 8 C / 9 d / 10 C / 11 C / 12 E / 13 C / 14 A / 15 A / 16 D / 17 D / 18 A / 19 B / 20 C / 21 A / 22 E / 23 A / 24 D / 25 E / 26 A / 27 B Ortografia >> 2. Ortografia. A ortografia é a parte da língua responsável pela grafia correta das palavras. Essa grafia baseia-se no padrão culto da língua. As palavras podem apresentar igualdade total ou parcial no que se refere a sua grafia e pronúncia, mesmo tendo significados diferentes. Essas palavras são chamadas de homônimas(canto, do grego, significa ângulo / canto, do latim, significa música vocal). As palavras homônimas dividem-se em homógrafas, quando tem a mesma grafia (gosto, substantivo e gosto, 1ª pessoa do singular do verbo gostar) e homófonas, quando tem o mesmo som (paço, palácio ou passo, movimento durante o andar). Quanto à grafia correta em língua portuguesa, devem-se observar as seguintes regras: O fonema s: Escreve-se com S e não com C/Ç: as palavras substantivadas derivadas de verbos com radicais em nd, rg, rt, pel, corr e sent. Exemplos: pretender - pretensão / expandir - expansão / ascender - ascensão / inverter - inversão / aspergir aspersão / submergir - submersão / divertir - diversão / impelir - impulsivo / compelir - compulsório / repelir - repulsa / recorrer - recurso / discorrer - discurso / sentir - sensível / consentir - consensual Escreve-se com SS e não com C e Ç: os nomes derivados dos verbos cujos radicais terminem em gred, ced, prim ou com verbos terminados por tir ou meter
  12. 12. Exemplos: agredir - agressivo / imprimir - impressão / admitir - admissão / ceder - cessão / exceder - excesso / percutir - percussão / regredir - regressão / oprimir - opressão / comprometer - compromisso / submeter - submissão quando o prefixo termina com vogal que se junta com a palavra iniciada por s Exemplos: a + simétrico - assimétrico / re + surgir - ressurgir no pretérito imperfeito simples do subjuntivo Exemplos: ficasse, falasse Escreve-se com C ou Ç e não com S e SS: os vocábulos de origem árabe: Exemplos: cetim, açucena, açúcar os vocábulos de origem tupi, africana ou exótica Exemplos: cipó, Juçara, caçula, cachaça, cacique os sufixos aça, aço, ação, çar, ecer, iça, nça, uça, uçu. Exemplos: barcaça, ricaço, aguçar, empalidecer, carniça, caniço, esperança, carapuça, dentuço nomes derivados do verbo ter. Exemplos: abster - abstenção / deter - detenção / ater - atenção / reter - retenção após ditongos Exemplos: foice, coice, traição palavras derivadas de outras terminadas em te, to(r) Exemplos: marte - marciano / infrator - infração / absorto - absorção O fonema z: Escreve-se com S e não com Z: os sufixos: ês, esa, esia, e isa, quando o radical é substantivo, ou em gentílicos e títulos nobiliárquicos. Exemplos: freguês, freguesa, freguesia, poetisa, baronesa, princesa, etc. os sufixos gregos: ase, ese, ise e ose. Exemplos: catequese, metamorfose. as formas verbais pôr e querer. Exemplos: pôs, pus, quisera, quis, quiseste. nomes derivados de verbos com radicais terminados em d. Exemplos: aludir - alusão / decidir - decisão / empreender - empresa / difundir - difusão os diminutivos cujos radicais terminam com s Exemplos: Luís - Luisinho / Rosa - Rosinha / lápis - lapisinho após ditongos Exemplos: coisa, pausa, pouso em verbos derivados de nomes cujo radical termina com s. Exemplos: anális(e) + ar - analisar / pesquis(a) + ar - pesquisar Escreve-se com Z e não com S: os sufixos ez e eza das palavras derivadas de adjetivo Exemplos: macio - maciez / rico - riqueza os sufixos izar (desde que o radical da palavra de origem não termine com s)
  13. 13. Exemplos: final - finalizar / concreto - concretizar como consoante de ligação se o radical não terminar com s. Exemplos: pé + inho - pezinho / café + al - cafezal ≠ lápis + inho - lapisinho O fonema j: Escreve-se com G e não com J: as palavras de origem grega ou árabe Exemplos: tigela, girafa, gesso. estrangeirismo, cuja letra G é originária. Exemplos: sargento, gim. as terminações: agem, igem, ugem, ege, oge (com poucas exceções) Exemplos: imagem, vertigem, penugem, bege, foge. Observação Exceção: pajem as terminações: ágio, égio, ígio, ógio, ugio. Exemplos: sufrágio, sortilégio, litígio, relógio, refúgio. os verbos terminados em ger e gir. Exemplos: eleger, mugir. depois da letra "r" com poucas exceções. Exemplos: emergir, surgir. depois da letra a, desde que não seja radical terminado com j. Exemplos: ágil, agente. Escreve-se com J e não com G: as palavras de origem latinas Exemplos: jeito, majestade, hoje. as palavras de origem árabe, africana ou exótica. Exemplos: alforje, jibóia, manjerona. as palavras terminada com aje. Exemplos: laje, ultraje O fonema ch: Escreve-se com X e não com CH: as palavras de origem tupi, africana ou exótica. Exemplo: abacaxi, muxoxo, xucro. as palavras de origem inglesa (sh) e espanhola (J). Exemplos: xampu, lagartixa. depois de ditongo. Exemplos: frouxo, feixe. depois de en. Exemplos: enxurrada, enxoval Observação: Exceção: quando a palavra de origem não derive de outra iniciada com ch - Cheio - (enchente) Escreve-se com CH e não com X:
  14. 14. as palavras de origem estrangeira Exemplos: chave, chumbo, chassi, mochila, espadachim, chope, sanduíche, salsicha. As letras e e i: os ditongos nasais são escritos com e: mãe, põem. Com i, só o ditongo interno cãibra. os verbos que apresentam infinitivo em -oar, -uar são escritos com e: caçoe, tumultue. Escrevemos com i, os verbos com infinitivo em -air, -oer e -uir: trai, dói, possui. atenção para as palavras que mudam de sentido quando substituímos a grafia e pela grafia i: área (superfície), ária (melodia) / delatar (denunciar), dilatar (expandir) / emergir (vir à tona), imergir (mergulhar) / peão (de estância, que anda a pé), pião (brinquedo). 1. Estão corretamente empregadas as palavras na frase: a) Receba meus cumprimentos pelo seu aniversário. b) Ele agiu com muita descrição. c) O pião conseguiu o primeiro lugar na competição. d) Ele cantou uma área belíssima. e) Utilizamos as salas com exatidão. 2. Todas as alternativas são verdadeiras quanto ao emprego da inicial maiúscula, exceto: a) Nos nomes dos meses quando estiverem nas datas. b) No começo de período, verso ou alguma citação direta. c) Nos substantivos próprios de qualquer espécie d) Nos nomes de fatos históricos dos povos em geral. e) Nos nomes de escolas de qualquer natureza. 3. Indique a única seqüência em que todas as palavras estão grafadas corretamente: a) fanatizar - analizar - frizar. b) fanatisar - paralizar - frisar. c) banalizar - analisar - paralisar. d) realisar - analisar - paralizar. e) utilizar - canalisar - vasamento. 4. A forma dual que apresenta o verbo grafado incorretamente é: a) hidrólise - hidrolisar. b) comércio - comercializar. c) ironia - ironizar. d) catequese - catequisar. e) análise - analisar. 5. Quanto ao emprego de iniciais maiúsculas, assinale a alternativa em que não há erro de grafia: a) A Baía de Guanabara é uma grande obra de arte da Natureza. b) Na idade média, os povos da América do Sul não tinham laços de amizade com
  15. 15. a Europa. c) Diz um provérbio árabe: "a agulha veste os outros e vive nua." d) "Chegam os magos do Oriente, com suas dádivas: ouro, incensos e mirra " (Manuel Bandeira). e) A Avenida Afonso Pena, em Belo Horizonte, foi ornamentada na época de natal. 6. Marque a opção cm que todas as palavras estão grafadas corretamente: a) enxotar - trouxa - chícara. b) berinjela - jiló - gipe. c) passos - discussão - arremesso. d) certeza - empresa - defeza. e) nervoso - desafio - atravez. 7. A alternativa que apresenta erro(s) de ortografia é: a) O experto disse que fora óleo em excesso. b) O assessor chegou à exaustão. c) A fartura e a escassez são problemáticas. d) Assintosamente apareceu enxarcado na sala. e) Aceso o fogo, uma labareda ascendeu ao céu. 8. Assinale a opção cm que a palavra está incorretamente grafada: a) duquesa. b) magestade. c) gorjeta. d) francês. e) estupidez. 9. Dos pares de palavras abaixo, aquele em que a segunda não se escreve com a mesma letra sublinhada na primeira é: a) vez / reve___ar. b) propôs / pu__ eram. c) atrás / retra __ ado. d) cafezinho/ blu __ inha. e) esvaziar / e___ tender. 10. Indique o item em que todas as palavras devem ser preenchidas com x: a) pran__a / en__er / __adrez. b) fei__e / pi__ar / bre__a. c) __utar / frou__o / mo__ila. d) fle__a / en__arcar / li__ar. e) me__erico / en__ame / bru__a. 11. Todas as palavras estão com a grafia correta, exceto: a) dejeto. b) ogeriza. c) vadear. d) iminente. e) vadiar.
  16. 16. 12. A alternativa que apresenta palavra grafada incorretamente é: a) fixação - rendição - paralisação. b) exceção - discussão - concessão. c) seção - admissão - distensão. d) presunção - compreensão - submissão. e) cessão - cassação - excurção. 13. Assinale a alternativa em que todas as palavras estão grafadas corretamente: a) analizar - economizar - civilizar. b) receoso - prazeirosamente - silvícola. c) tábua - previlégio - marquês. d) pretencioso - hérnia - majestade. e) flecha - jeito - ojeriza. 14. Assinale a alternativa em que todas as palavras estão grafadas corretamente: a) atrasado - princesa - paralisia. b) poleiro - pagem - descrição. c) criação - disenteria - impecilho. d) enxergar - passeiar - pesquisar. e) batizar - sintetizar - sintonisar. 15. Assinale a alternativa em que todas as palavras estão grafadas corretamente: a) tijela - oscilação - ascenção. b) richa - bruxa - bucha. c) berinjela - lage - majestade. d) enxada - mixto - bexiga. e) gasolina - vaso - esplêndido. 16. Marque a única palavra que se escreve sem o h: a) omeopatia. b) umidade. c) umor. d) erdeiro. e) iena. 17. (CFS/95) Assinalar o par de palavras parônimas: a) céu - seu b) paço - passo c) eminente - evidente d) descrição - discrição 18. (CFS/95) Assinalar a alternativa em que todas as palavras devem ser escritas com "j". a) __irau, __ibóia, __egue b) gor__eio, privilé__io, pa__em c) ma__estoso, __esto, __enipapo d) here__e, tre__eito, berin__ela
  17. 17. 19. (CFC/95) Assinalar a alternativa que preenche corretamente as lacunas do seguinte período: "Em _____ plenária, estudou-se a _____ de terras a _____ japoneses." a) seção - cessão - emigrantes b) cessão - sessão - imigrantes c) sessão - secção - emigrantes d) sessão - cessão - imigrantes 20. (CFC/95) Assinalar a alternativa que apresenta um erro de ortografia: a) enxofre, exceção, ascensão b) abóbada, asterisco, assunção c) despender, previlégio, economizar d) adivinhar, prazerosamente, beneficente 21. (CFC/95) Assinalar a alternativa que contém um erro de ortografia: a) beleza, duquesa, francesa b) estrupar, pretensioso, deslizar c) esplêndido, meteorologia, hesitar d) cabeleireiro, consciencioso, manteigueira 22. (CFC/96) Assinalar a alternativa correta quanto à grafia das palavras: a) atraz - ele trás b) atrás - ele traz c) atrás - ele trás d) atraz - ele traz 23. (CFS/96) Assinalar a palavra graficamente correta: a) bandeija b) mendingo c) irrequieto d) carangueijo 24. (CESD/97) Assinalar a alternativa que completa as lacunas da frase abaixo, na ordem em que aparecem. "O Brasil de hoje é diferente, _____ os ideais de uma sociedade _____ justa ainda permanecem". a) mas - mas b) mais - mas c) mas - mais d) mais - mais 25. (CESD/98) Cauda/rabo, calda/açúcar derretido para doce. São, portanto, palavras homônimas. Associe as duas colunas e assinale a alternativa com a seqüência correta. 1 - conserto ( ) valor pago 2 - concerto ( ) juízo claro 3 - censo ( ) reparo 4 - senso ( ) estatística
  18. 18. 5 - taxa ( ) pequeno prego 6 - tacha ( ) apresentação musical a) 5-4-1-3-6-2 b) 5-3-2-1-6-4 c) 4-2-6-1-3-5 d) 1-4-6-5-2-3 26. (CFC/98) Assinalar o par de palavras antônimas: a) pavor - pânico b) pânico - susto c) dignidade - indecoro d) dignidade - integridade 27. (CFS/97) O antônimo para a expressão "época de estiagem" é: a) tempo quente b) tempo de ventania c) estação chuvosa d) estação florida 28. (CFS/96) Quanto à sinonímia, associar a coluna da esquerda com a da direita e indicar a seqüência correta. 1 - insigne ( ) ignorante 2 - extático ( ) saliente 3 - insipiente ( ) absorto 4 - proeminente ( ) notável a) 2-4-3-1 b) 3-4-2-1 c) 4-3-1-2 d) 3-2-4-1 29. (ITA/SP) Em que caso todos os vocábulos são grafados com "x" ? a) __ícara, __ávena, pi__e, be__iga b) __enófobo, en__erido, en__erto, __epa c) li__ar, ta__ativo, sinta__e, bro__e d) ê__tase, e__torquir, __u__u, __ilrear 1 A / 2 A / 3 C / 4 D / 5 D / 6 C / 7 D / 8 B / 9 D / 10 E / 11 B / 12 E / 13 E / 14 A / 15 E / 16 B / 17 D / 18 A / 19 D / 20 C / 21 B / 22 B / 23 C / 24 C / 25 A / 26 C / 27 C / 28 B / 29 B Acentuação >> 3. Acentuação. crítica - substantivo critica - forma verbal Dentro da língua portuguesa é a pronúncia que permite ao leitor identificar o significado das palavras acima, porque ora damos entonação maior para uma sílaba, ora para outra. Essa sílaba pronunciada com uma entonação maior recebe o nome de sílaba tônica: cô-mo-do,quen-te.
  19. 19. A presença da sílaba tônica na língua portuguesa cria os seguintes grupos: palavras oxítonas, a última sílaba é a tônica. São acentuadas, quando terminarem em A, E, O, seguidos ou não de S, E em EM, ENS: caju, japonês, Corumbá, maracujá, maná, Maringá, rapé, massapê, filé, sapé, filó, rondó, mocotó, jiló, amém, armazém, também, Belém, parabéns, armazéns, nenéns, Iguaçu, caqui, aci. palavras paroxítonas, a penúltima sílaba é a tônica: porta, miudeza, hora. palavras proparoxítonas, antepenúltima sílaba é a tônica: cômodo, sonâmbulo. Já os monossílabos são palavras que apresentam apenas uma sílaba. Eles podem ser tônicos ou átonos. Os monossílabos tônicos apresentam acento próprio, portanto, pronunciado com intensidade (gás, faz). Já os monossílabos átonos não se destacam e estão ligados às palavras mais próximas (o homem, de madeira). Regras de acentuação >> 3.1 Regras de acentuação: Acentuamos os monossílabos tônicos terminados em: a, as: lá, hás; e, es: pé, mês; o, os: pó, nós. Acentua-se os oxítonos terminados em: a, as: Pará, sofás; e, es: jacaré, cafés; o, os: avó, cipós; em, ens: ninguém, armazéns. As palavras oxítonas terminadas em i, is e u, us; somente serão acentuadas quando formarem hiatos: baú, açaí. São acentuados os paroxítonos terminados em: ão(s), ã(s): órfãos, órfãs ei(s): jóquei, fáceis i(s): júri, lápis us: vírus um, uns: álbum, álbuns r: revólver x: tórax n / nos: hífen, prótons l: fácil ps: bíceps ditongos crescentes seguidos ou não de S: ginásio, mágoa, áreas São acentuados todos os proparoxítonos: cômodo, lâmpada. Todos os ditongos abertos, independente da posição de tonicidade, são acentuados: éi(s): assembléia, anéis éu(s): chapéu, troféus
  20. 20. ói(s): heróico, heróis São acentuados I e U, seguidos ou não de S, tônicos e que formam hiato: saúde, egoísmo, juiz, ruim. Se o I destes casos vier seguido de NH não será acentuado - rainha, tainha Acentua-se também as primeiras vogais dos hiatos oo e eem, se tônicos - vôo, crêem. O U dos grupos gue, gui, que, qui se forem tônicos levarão acento: averigúe, averigúes, averigúem, apazigúe, apazigúes, apazigúem, obliqúe, obliqúes, obliqúem, argúi, argúis, argúem. Já o acento diferencial aparece nas seguintes situações: ás (substantivo) às (contração) pôr (verbo) por (preposição) que (pronome, conjunção) quê (substantivo ou em fim de frase) porque (advérbio ou conjunção) porquê (substantivo ou em fim de frase) pára (verbo) para (preposição) pélo, pélas, péla (verbo) pelo, pelas, pela (preposição + artigo) péla, pélas (jogo) pólo, pólos (extremo ou jogo) pêlo, pêlos (cabelo) pelo, pelos (preposição = artigo)
  21. 21. pôlo, pôlos (ave) pôla, pôlas (substantivo - rebento ou broto de árvore) pola, polas (por + las) pêra (fruta ou barba) pera (preposição arcaica) côa, côas (verbo) coa, coas (preposição + artigo) pôde (pretérito perfeito) pode (presente do indicativo) Ter e vir na 3ª pessoa plural recebem acento: ele tem, eles têm, ele vem, eles vêm Observações: Alguns problemas de acentuação devem-se a vícios de fala ou pronúncia inadequada de algumas palavras. Nos nomes compostos, considera-se a tonicidade da última palavra para efeito de classificação. As demais palavras que constituem o nome composto são ditas átonas. Exemplos: couve-flor - oxítona, arco-íris - paroxítona. Os pronomes oblíquos átonos o/a/os/as podem transformar-se em lo/la/los/las ou no/na/nos/nas em função da terminação verbal. Quando os verbos terminam por R/S/Z ou no caso de mesóclise (R), geram acentuação se a forma verbal (sem o pronome) tiver seu acento justificado por alguma regra. Exemplos: comprá-la, vendê-los, substituí-lo, comprá-la-íamos ≠ parti-los. Acentuação - Exercícios >> 1. Assinale o item em que todas as palavras são acentuadas pela mesma regra de: também, incrível e caráter. a) alguém, inverossímil, tórax b) hífen, ninguém, possível c) têm, anéis, éter d) há, impossível, crítico e) pólen, magnólias, nós 2. Assinale a alternativa correta
  22. 22. a) Não se deve colocar acento circunflexo em palavra como avo, bisavo, porque há palavras homógrafas com pronúncia aberta b) Não se deve colocar acento grave no a do contexto: Fui a cidade c) Não se deve colocar trema em palavras como tranquilo, linguiça, sequência d) Não se deve colocar trema em palavras derivadas como avozinho, vovozinho e) O emprego do trema é facultativo 3. Assinale a alternativa em que pelo menos um vocábulo não seja acentuado: a) voo, orfão, taxi, balaustre b) itens, parabens, alguem, tambem c) tactil, amago, cortex, roi d) papeis, onix, bau, ambar e) hifen, cipos, leem, pe 4. Assinale a opção em que as palavras, quanto à acentuação gráfica, estejam agrupadas pelo mesmo motivo gramatical. a) problemáticos, fácil, álcool b) já, até, só c) também, último, análises d) porém, detêm, experiência e) país, atribuíram, cocaína 5. "À luz de seu magnífico ______ -de-sol ______ parece uma cidade ______ . a) por, Itaguaí, tranquila b) por, Itaguai, tranqila c) por, Itaguaí, tranqüila d) pôr, Itaguaí, tranqüila e) pôr, Itaguai, tranquila 6. Marque item em que necessariamente o vocábulo deve receber acento gráfico: a) historia b) ciume c) amem d) numero e) ate 7. São acentuadas graficamente pela mesma razão as palavras da opção: a) há - até - atrás b) história - ágeis - você c) está - até - você c) ordinário - apólogo - insuportável c) mágoa - ícone - número 8. Assinale a série cuja acentuação gráfica se justifique da mesma forma que em: baiúca - ônus - apóio. a) viúvo, ônibus, pastéis b) vírus, hífen, jibóia c) centopéia, Garibáldi, caí
  23. 23. d) egoísmo, Quéops, escarcéu e) lápis - vôlei - girassóis 9. Das alternativas abaixo, aquela em que as demais não se acentuam com base na mesma regra da palavra entre aspas é: a) "holandês" - anunciá-lo / paletós b) "desejável" - açúcar / hífen c) "público" - súbito / álcool d) "matéria" - glória / idéia e) "daí" - viúva / sanduíche 10. Em que série nem todas as palavras se acentuam pelo mesmo motivo: a) juízo, aí, saíste, saúde b) poética, árabes, lírica, metáfora c) glória, apóia, série, inócuo d) réptil, fêmur, contábeis, ímã e) assembléia, dói, papéis, céu 11. Todas as palavras devem ser acentuadas na alternativa: a) pudico, pegada, rubrica b) gratuito, avaro, policromo c) abdomen, itens, harem d) magoo, perdoe, ecoa e) contribuia, atribuimos, caiste 12. O ________ resulta da __________ entre a alga e o fungo. a) líquen, simbiose b) liquen, simbiose c) liquem, simbiose d) líquen, simbióse e) líquem, simbióse 13. Assinale o item em que as palavras estão acentuadas segundo a mesma regra: a) miúdo, pêndulo b) história, distância c) pedrês, porém d) respeitável, pálpebra e) Lucília, três 14. Há erro(s) de acentuação gráfica em: a) recém-vindo, decano, refrega b) pudico, bímano, gratuito c) inaudito, pegada, zênite d) íbero, ávaro, levedo e) filantropo, opimo, aziago 15. Assinale a opção em que todos os vocábulos deveriam estar acentuados graficamente: a) perdoo, balaustre, bambu b) itens, assembleia, cafeina
  24. 24. c) tuneis, juri, pessoa d) aerodromo, estrategia, nectar e) agape, apoio (subst.), nuvens 16. Por serem proparoxítonos, deveriam estar acentuados os vocábulos da opção: a) refrega, ibero, decano b) aziago, pegada, avaro c) leucocito, alcoolatra, interim d) inaudito, batavo, erudito e) rubrica, maquinaria, pudico 17. Qual dentre as palavras abaixo deve ser necessariamente acentuada: a) ai b) pais c) doida d) sauva e) saia 18. Assinale a opção em que os vocábulos obedecem à mesma regra de acentuação gráfica: a) pés, hóspedes b) sulfúrea, distância c) fosforecência, provém d) últimos, terrível e) satânico, porém 19. Num dos itens abaixo, a acentuação gráfica não está devidamente justificada. Assinale este item: a) círculo: vocábulo paroxítono b) além: vocábulo oxítono terminado em -em c) órgão: vocábulo paroxítono terminado em til d) dócil: vocábulo paroxítono terminado em -l e) pôde: acento diferencial 20. Marque a alternativa em que pelo menos um vocábulo não seja acentuado: a) voo, parabens, hifen, sofas b) fenix, esplendido, voce, volatil c) aneis, rubrica, tenis, urubu d) chama-la, veem, Tamanduatei, tambem e) cipos, biceps, rape, sauva 21. A alternativa em que somente uma das palavras deve receber acento gráfico é: a) Luis, patroa, nuvem b) hifens, item, somente c) arcaico, itens, caju d) seduzi-lo, maracatu, cafezal e) abençoe, saiu, hotel 22. Das palavras abaixo, uma admite duas formas de justificar o acento gráfico:
  25. 25. a) combustível b) está c) três d) países e) veículos 23. Assinale a alternativa em que a acentuação das palavras se explica pela mesma regra. a) fábrica, máquina, ímã b) saúde, egoísta, atribuí-lo c) môo, pó, vêm d) quilômetro, cinqüenta, privilégio e) hífen, médium, álcool 24. Há erro de acentuação em: a) O repórter havia afirmado que a canoa da República andava órfã. b) Ontem você não pode vir por água no fogo e souberam disso através dos colegas. c) Rui vem de ônibus, lê o jornal e sempre procura saber o nome dos partidos que retêm o uso do poder. d) Ainda não soube do porquê de sua desistência do vôo de ontem e) "Deus te abençoe" era o grito de pára que acalmava a meninada na hora de dormir. 25. A alternativa em que todas as palavras recebem acento gráfico é: a) pudico, rubrica, destruido, Piaui b) campo, polens, hifen, abdomens c) feiura, pessego, virus, voce d) salada, camera, tatu, latex e) item, pudico, gratuito, raiz 26. Qual a seqüência acentuada por terminar em encontro vocálico pronunciado como ditongo crescente? a) assembléia, caracóis, solidéu e jibóia b) Tambaú, Camalaú, Tambaí e açaí c) série, pátio, área e tênue d) imóveis, pênseis, pudésseis e mísseis e) bônus, júri, lápis e tênis 27. Assinale a alternativa em que pelo menos um vocábulo não seja acentuado. a) abençoo, refens, polen, cipos b) tenis, esplendido, voce, portatil c) papeis, rubrica, onix, urubu d) compo-la, leem, Tamanduatei, armazem e) apos, climax, sape, saude 28. Analisando as palavras: 1. apóiam, 2. bainha, 3. abençoo, notamos que está/estão corretamente grafada(s): a) apenas a palavra n.º 1 b) apenas a palavra n.º 2 c) apenas a palavra n.º 3
  26. 26. d) todas as palavras e) n.d.a. 29. Assinale a opção na qual todas as palavras devem ser acentuadas. a) persegui-lo, candido, benção, estreia b) espelho, reporter, interim, arguem c) eletron, fluor, eloquente, abençoe d) iamos, caiste, vendereis, foramos e) impar, itens, arguem, apoia 30. Há erro de acentuação num dos conjuntos seguintes: a) grátis, jibóia, juriti, altruísmo b) aqui, Nobel, também, rubrica c) apóio, item, espelho, tênue d) ávaro, íngreme, trégua, caráter e) circuito, boêmia, ínterim, Nélson 31. A única alternativa que possui, pelo menos, uma palavra indevidamente acentuada é: a) fórceps-avícola b) lábaro-néctar. c) homília-hieróglifo. d) ístmo-resfolego e) bólido-interim. 32. As palavras que são acentuadas tendo em vista a mesma regra de acentuação são; a) emergências - público. b) funcionários - obrigatórias. c) será - ótimo. d) futebolísticos - fazê-lo. e) tédio - Constituição. 33. O acento gráfico desempenha a mesma função em: a) carnaúba e história. b) petróleo e paciência. c) jacarandá e lápis. d) glória e está. e) mausoléu e líquido. 34. A palavra que pode ser enquadrada em duas diferentes regras de acentuação é: a) estratégia. b) abençôo. c) límpido. d) refém. e) pajé. 35. A alternativa em que todas as palavras estão corretamente acentuadas: a) atraí-los - bíceps - médiuns - vôos. b) jibóia - pegáda - álbuns - Nobél. c) três - refém - sôbre - elétrons.
  27. 27. d) gratuíto - têxtil - rubiácea - pélo (verbo). e) revoem - convêm (singular) - mês - pôr (verbo). 36. A alternativa em que nenhuma palavra possui acento gráfico é: a) item, polens, rubrica. b) iras, armazens, tatu. c) biquini, preto, lapisinho. d) gratuito, juri, raiz. e) tematico, uisque, camara. 37. Todas as palavras abaixo admitem dupla prosódia, exceto: a) acróbata. b) sóror. c) íbero. d) hieróglifo. e) xérox. 38. A única palavra indevidamente acentuada é: a) álcali. b) azáfama. c) bátega. d) azíago. e) crisântemo. 39. Assinale a palavra que não se acentua segundo a regra das demais: a) também. b) espécies. c) início d) centenárias. e) mistério. 40. A alternativa que possui duas palavras indevidamente acentuadas é: a) construí-lo / ruína / hífen / fiéis. b) álbum / réis / fósseis / tênue. c) pólo / pára / reféns / atrás. d) rúbrica / herói / bênção / jóvem. e) jóquei / mártir / pêlo / vêem. 41. A alternativa em que nenhuma palavra tem acento gráfico é: a) cadaver-modelo-todo-vezes b) toda-flui-orgão-fossil c) governo-juri-juriti-cutis d) garoa-armazens-polen-caju e) item-polens-rubrica-erro 42. A alternativa em que todas as palavras têm acento gráfico é: a) para-brisa - perdoe - enjoo - preveem. b) pudico - polen - pensil - miudo. c) ruim - heroina - sutil - interim.
  28. 28. d) xicara - pode(passado) - hifen - pera (substantivo). e) trofeu - coroneis - afoito - carencia. 1 A / 2 D / 3 B / 4 E / 5 D / 6 B / 7 C / 8 D / 9 D / 10 C / 11 E / 12 A / 13 B / 14 D / 15 D / 16 C / 17 D / 18 B / 19 A / 20 C / 21 A / 22 E / 23 B / 24 B / 25 C / 26 C / 27 C / 28 D / 29 D / 30 D / 31 D / 32 B / 33 B / 34 A / 35 A / 36 A / 37 C / 38 D / 39 A / 40 D / 41 E / 42 D MORFOLOGIA 1. Os elementos da morfologia: O radical é a forma mínima que indica o sentido básico de uma palavra. Alguns vocábulos são constituídos apenas por radical (lápis, mar, hoje). Os radicais permitem a formação de famílias de palavras: menin-o, menin-a; menin-ada, menin-inho, menin- ona. A vogal temática é a vogal que, em alguns casos, une-se ao radical, preparando-o para receber as desinências: com-e-r. O tema é o acréscimo da vogal temática ao radical, pois na língua portuguesa é impossível a ligação do radical com, com a desinência r, por isso é necessário o uso do tema e. As desinências estão apoiadas ao radical para marcar as flexões gramaticais. Podem ser nominais ou verbais: As nominais indicam flexões de gênero e número dos nomes (gat-a e gato-s). Já as verbais indicam tempo e modo (modo-temporais / fal-á-sse-mos) ou pessoa e número (número-pessoais / fal-á-sse-mos) dos verbos. Os afixos são morfemas derivacionais (gramaticais) agregados ao radical para formar palavras novas. Os afixos da língua portuguesa são o prefixo, colocado antes do radical (infeliz) e o sufixo, colocado depois do radical (felizmente) A vogal e consoante de ligação são elementos mórficos insignificativos que surgem para facilitar ou até possibilitar a pronúncia de determinadas construções (silv-í-cola, pe-z- inho, pobre-t-ão, rat-i-cida, rod-o-via) Já os alomorfes são as variações que os morfemas sofrem (amaria - amaríeis; feliz - felicidade). Morfemas >> MORFOLOGIA 1. Os elementos da morfologia: O radical é a forma mínima que indica o sentido básico de uma palavra. Alguns vocábulos são constituídos apenas por radical (lápis, mar, hoje). Os radicais permitem a formação de famílias de palavras: menin-o, menin-a; menin-ada, menin-inho, menin- ona. A vogal temática é a vogal que, em alguns casos, une-se ao radical, preparando-o para receber as desinências: com-e-r. O tema é o acréscimo da vogal temática ao radical, pois na língua portuguesa é impossível a ligação do radical com, com a desinência r, por isso é necessário o uso do tema e. As desinências estão apoiadas ao radical para marcar as flexões gramaticais. Podem ser nominais ou verbais:
  29. 29. As nominais indicam flexões de gênero e número dos nomes (gat-a e gato-s). Já as verbais indicam tempo e modo (modo-temporais / fal-á-sse-mos) ou pessoa e número (número-pessoais / fal-á-sse-mos) dos verbos. Os afixos são morfemas derivacionais (gramaticais) agregados ao radical para formar palavras novas. Os afixos da língua portuguesa são o prefixo, colocado antes do radical (infeliz) e o sufixo, colocado depois do radical (felizmente) A vogal e consoante de ligação são elementos mórficos insignificativos que surgem para facilitar ou até possibilitar a pronúncia de determinadas construções (silv-í-cola, pe-z- inho, pobre-t-ão, rat-i-cida, rod-o-via) Já os alomorfes são as variações que os morfemas sofrem (amaria - amaríeis; feliz - felicidade). Morfemas >> 1.1 Morfemas: São unidades mínimas de significação, integrantes da palavra, que não admitem subdivisão em unidades significativas menores. Quanto à significação, podem ser: morfemas lexicais (lexemas ou semantemas) de significação externa, ou seja, cujo significado está ligado ao mundo objetivo, indicando o significado da palavra. morfemas gramaticais (gramemas ou formantes) de significação interna, relacionados ao universo lingüístico, isto é, tem significado ligado somente ao sistema gramatical da língua. Processos de formação de palavras >> 1.2 Processos de formação de palavras: As palavras estão em constante processo de evolução, o que torna a língua um fenômeno vivo que acompanha o homem. Por isso alguns vocábulos caem em desuso (arcaísmos), enquanto outros nascem (neologismos) e outros mudam de significado com o passar do tempo. Na Língua Portuguesa, em função da estruturação e origem das palavras encontramos a seguinte divisão: palavras primitivas - não derivam de outras (casa, flor) palavras derivadas - derivam de outras (casebre, florzinha) palavras simples - só possuem um radical (couve, flor) palavras compostas - possuem mais de um radical (couve-flor, aguardente) Para a formação das palavras portuguesas, é necessário o conhecimento dos seguintes processos de formação: Composição - processo em que ocorre a junção de dois ou mais radicais. São dois tipos de composição. justaposição: quando não ocorre a alteração fonética (girassol, sexta-feira); aglutinação: quando ocorre a alteração fonética, com perda de elementos (pernalta, de perna + alta). Derivação - processo em que a palavra primitiva (1º radical) sofre o acréscimo de afixos. São cinco tipos de derivação. prefixal: acréscimo de prefixo à palavra primitiva (in-útil); sufixal: acréscimo de sufixo à palavra primitiva (clara-mente);
  30. 30. parassintética ou parassíntese: acréscimo simultâneo de prefixo e sufixo, à palavra primitiva (em + lata + ado). Esse processo é responsável pela formação de verbos, de base substantiva ou adjetiva; regressiva: redução da palavra primitiva. Nesse processo forma-se substantivos abstratos por derivação regressiva de formas verbais (ajuda / de ajudar); imprópria: é a alteração da classe gramatical da palavra primitiva ("o jantar" - de verbo para substantivo, "é um judas" - de substantivo próprio a comum). Além desses processos, a língua portuguesa também possui outros processos para formação de palavras, como: Hibridismo: são palavras compostas, ou derivadas, constituídas por elementos originários de línguas diferentes (automóvel e monóculo, grego e latim / sociologia, bígamo, bicicleta, latim e grego / alcalóide, alcoômetro, árabe e grego / caiporismo: tupi e grego / bananal - africano e latino / sambódromo - africano e grego / burocracia - francês e grego); Onomatopéia: reprodução imitativa de sons (pingue-pingue, zunzum, miau); Abreviação vocabular: redução da palavra até o limite de sua compreensão (metrô, moto, pneu, extra, dr., obs.) Siglas: a formação de siglas utiliza as letras iniciais de uma seqüência de palavras (Academia Brasileira de Letras - ABL). A partir de siglas, formam-se outras palavras também (aidético, petista) Neologismo: nome dado ao processo de criação de novas palavras, ou para palavras que adquirem um novo significado. Significado das palavras >> 1.3 Significado das palavras: O significado de algumas palavras pode ser identificado através da estrutura de seus elementos mórficos. Na seqüência veremos os prefixos, os sufixos e os radicais, a partir de sua origem grega ou latina e a relação com a língua portuguesa. Principais prefixos latinos >> 1.3.1 Principais prefixos latinos: a-, ab-, abs- (indica afastamento; separação = aberrar, abdicar, abster, abstrair, amovível, aversão); a-, ad-, ar-, as- (movimento para; aproximação; direção = adjunto, adnominal, adjetivo, adventício, advogado, abordar, apurar, arribar, arraigar, associar, assimilar); ante- (anterioridade; precedência = antepor, anteceder, antebraço, antecâmara); circu-, circum- (movimento em torno, posição em redor = circumpolar, circum- ambiente, circunavegação, circunferência); cis- (posição aquém = cisplatino, cisandino); co-, com-, con-, cor- ([da preposição latina cum] concomitância, companhia, ação conjunta = competir, companheiro, concorrer, congregar, cooperar, coerente, corroborar, corrosivo); contra- (oposição, ação conjunta = contradizer, contraveneno, contrapeso); de- (movimento de cima para baixo = declive, débil, decrescente, decapitar);
  31. 31. des- (separação, ação contrária, negação = desviar, desleal, desfazer, desprotegido); di-, dir-, dis- (dualidade, divisão, separação, movimento em muitos sentidos = disforme, discutir, disseminar, dirimir, dilacerar, difundir); entre- (posição intermediária = entreato, entrelinha, entretela, entremeio); ex-, es-, e- (movimento para fora, afastamento, estado anterior = extrair, expectorar- exportar, escorrer, esquecer, emigrar, emergir); extra- (posição exterior = extraordinário, extravasar, extramuros); in-, im-, i-, ir-, em-, en- (movimento para dentro, tendência, mudança de estado = incrustar, ingerir, investigar, impressão, imigrar, irromper, enterrar, embarcar, enformar); in-, im-, i-, ir- (sentido exclusivamente negativo, de privarão [é de etimologia diferente do in- anterior] = indecente, inerte, impróprio, imberbe, ilegal, imoral, ignorar, irrestrito, irregular); intra- (posição interior = intravenoso, intrapulmonar, intramedular); intro- (movimento para dentro = introduzir, intrometer, intróito, introspecção); justa- (posição ao lado, perto de = justaposto, justafluvial, justalinear); ob-, o-, os- (posição em frente, diante de, oposição = objeto, obstáculo, ofuscar, opor, ocupar, ostentar); per- (movimento através = perpassar, permeável, perfurar, pernoitar); pos- (ação posterior = posdatar, postergar, postônica, posposto); pre- (anterioridade = predatar, prefixo, preliminar, prefácio, pré-tônica); pro- (movimento para a frente, diante de = prosseguir, progredir, profano, proclamar); re- (movimento para trás, repetição = regredir, reagir, reiterar, recomeçar); retro- (movimento mais para trás = retroceder, retrospectiva, retrocesso, retroagir); soto-, sota- (posição inferior = sotopor, soto-mestre, sota-capitão); sub-, sus-, su-, sob-, so- (movimento de baixo para cima, estado inferior, redução = sublevar, subir, subalterno, suspender, suspeitar, sufocar, sobpor, sopé, sonegar, soerguer, soterrar); super-, sobre-, supra- (posição em cima, posição acima, excesso, intensidade = superpor, supercílio, supérfluo, sobrecarga, sobreviver, supra-renal, supramencionado); trans-, trás-, tres- (movimento para além de; posterioridade, posição excedente = transmontano, transpor, transportar, transbordar, trasladar, trespasse, tresmalhar); ultra- (posição além de, excesso = ultramar, ultrapassar, ultra-som); vice-, vis- (substituição, em lugar de = vice-presidente, vice-rei, visconde). 1.3.2 Principais prefixos gregos: an-, a- (sentido exclusivamente negativo, privação = anarquia, anônimo, ateu, acéfalo, afônico); aná- (ação ou movimento contrário, repetição = anagrama, anáfora, análise); anfi- (de um e outro lado, em torno de = anfiteatro, anfíbio);
  32. 32. anti- (oposição = antípoda, antipatia, antiaéreo, anticlerical); apó- (afastamento, separação = apogeu, apócrifo, apóstolo); arqui-, arc-, arque-, arce-, arci- (procedência, superioridade = arquipélago, arquiteto, arcanjo, arquétipo, arcebispo, arcipreste) catá- (movimento de cima para baixo, posição superior, oposição = catástrofe, catapulta, catálogo, catacrese); diá-, di- (movimento através de, passagem, afastamento = diagonal, diâmetro, diagnóstico, diocese, diurético); dis- (dificuldade, falta, privação = dispnéia, disenteria, dissimetria); ec-, ex- (movimento para fora, separação = eclipse, eclético, êxodo, exorcismo); en-, em-, e- (posição interna, posição sobre = encéfalo, energia, entusiasmo, emplasto, elipse); endo-, end- (posição interior, movimento para dentro = endotérmico, endoscopia, endosmose); epi- (posição superior, movimento pura, cm direção a = epiderme, epílogo, epitáfio, epístola, epíteto); eu-, ev- (bem, bom, felizmente = eucaristia, eufonia, eufemismo, evangélico); hiper- (posição superior, excesso = hipérbole, hipertrofia, hipertensão); hipo- (posição inferior = hipotenusa, hipótese, hipocrisia); meta-, met- (movimento de um lugar para outro, mudança = metamorfose, metáfora, meteoro, metonímia); para-, par- (proximidade, comparação = paradigma, paradoxo, parasita, paródia, paralelo); peri- (em torno de, ao redor de = perímetro, perífrase, peripécia); pró- (posição em frente, movimento para frente = problema, prólogo, prognóstico, programa); sin-, sim-, si- (simultaneidade, reunião, companhia = sinfonia, sincronia, síncope, símbolo, simpatia, silepse, sílaba). 1.3.3 Sufixos: Os sufixos podem ser divididos em três tipos: sufixo nominal: aquele responsável pela formação de nome (substantivo ou adjetivo): pad-eiro, favel-ado. sufixo verbal: aquele responsável pela formação de um verbo: computador + izar. sufixo adverbial: aquele responsável pela formação de advérbio; em português apenas o sufixo -mente: feliz-mente Principais sufixos nominais >> 1.3.3.1 Principais sufixos nominais Sufixos aumentativos: -aça (barcaça, barbaça); -aço (estilhaço, ricaço); -alhão (brincalhão, vagalhão); -anzil (corpanzil); -ão (chorão, sapatão); -aréu (fogaréu, povaréu);
  33. 33. -arra (naviarra, bocarra); -arrão (canzarrão, homenzarrão); -astro (poetastro, medicastro); -az (voraz, cartaz); -ázio (copázio, gatázio); -eirão (vozeirão, asneirão); -orra (cabeçorra, beiçorra); -aça (dentuça, carduça) Sufixos diminutivos: -acho(a), -icho(a), -ucho(a) (riacho, fogacho, cornicho, barbicha, gorducho, papelucho); -ebre (casebre) -eco(a), -ico(a) (jornaleco, soneca, Antonico, burrico); -ela (rodela, viela, janela); -elho(a), -ejo, ilho(a) (artelho, rapazelho, lugarejo, quintalejo, ladrilho, cartilha); -ete, -eto(a), -ito(a), -ote(a) (lembrete, artiguete, coreto, saleta, cabrito, Manuelito, casita, filhote, serrote, velhota); -inho(a), -ino(a), -im (amiguinho, menininha, pequenino, violino, neblina, espadim, camarim); -isco(a), -usco(a) (chuvisco, asterisco, odalisca, velhusco, chamusco); -oca (sitioca, engenhoca); -ola (rapazola, gaiola, fazendola); Sufixos diminutivos eruditos: -ículo(a) (artículo, cubículo, gotícula, película, partícula); -ulo(a) (glóbulo, grânulo); -únculo(a) (homúnculo, questiúncula); -úsculo(a) (corpúsculo, opúsculo); Outros sufixos nominais: -áceo(a) (semelhança, pertinência = galináceo, rosácea, farináceo, herbáceo); -ácea (qualidade, ação = audácia, falácia); -aco(a) (relação íntima, estado íntimo, origem = austríaco, maníaco, cardíaco, demoníaco, amoníaco, zodíaco); -ado(a), -ato(a) (posse, instrumento, matéria, quantidade = barbado, avermelhado, bispado, paulada, cacetada, bananada, laranjada, boiada, noitada, temporada, sensato, cordato); -agem (ação, resultado de ação, relação íntima = viagem, miragem, imagem, homenagem, folhagem, selvagem); -aico (referência, pertinência = prosaico, judaico, arcaico, incaico, hebraico); -al, -ar (pertinência, coleção, quantidade, cultura de vegetais = genial, mortal, areal, pantanal, curral, tribunal, arrozal, bananal, familiar, militar); -alha (quantidade pejorativa = canalha, gentalha, parentalha); -ama, -ame (quantidade = dinheirama, vasilhame, madeirame);
  34. 34. -anca, -ância (ação, resultado da ação, estado = esperança, lembrança, ignorância, vigilância, tolerância); -ando(a) (ação furtiva aplicada a um indivíduo = doutorando, vestibulando); -aneo(a) (modo de ser, capacidade = contemporâneo, sucedâneo, instantâneo, momentâneo); -ano(a) (proveniência, origem, semelhança, sectário ou partidário de = italiano, sergipano, paulistano, republicano, parnasiano, camoniano, meridiano, cotidiano); -ão(ã) (forma popular do sufixo -ano(a) = alemão, aldeão, beirão); -aria, -eiro(a) (atividade, estabelecimento comercial, coleção = pizzaria, padaria, estrebaria, tesouraria, livraria, pedraria, bruxaria, livreiro, galinheiro, caseira); -ário(a) (profissões, lugares onde -se guardam coisas = operário, mandatário, escriturário, vestiário, armário); -ção, -são (ação, resultado da ação = condição, traição, extensão, prisão, visão); -dade (qualidade, modo de ser, estado = dignidade, bondade, maldade, castidade, crueldade, normalidade, ruindade, falsidade); ouro(a) (pertinência, ação = vindouro, ancoradouro, manjedoura); -dura, -tura, -sura (resultado da ação, instrumento de uma ação = assadura, armadura, ditadura, criatura, abertura, tintura, mensura, clausura); -edo (cheio de = arvoredo, vinhedo, olivedo, rochedo, lajedo, passaredo); -el (formador de adjetivos = cruel, fiel); -ença, -ência (ação ou resultado da ação = crença, doença, presença, diferença, violência, falência, ocorrência, prudência); -engo(a) (relação, pertinência, posse = mulherengo, flamengo, realengo); -eno(a) (referência, origem = terreno, chileno, nazareno, obsceno); -ense, -ês(a) (origem, procedência, relação = parisiense, piauiense, fluminense, português, francês, cortês, burguês, inglesa); -ente, -ante, -inte (agente, ação, qualidade, estado = doente, poente, agente, navegante, pedinte, ouvinte, constituinte); -ento(a) (agente, cheio de, que tem o caráter de = barulhento, poeirenta, ciumento, avarento, lamacento); -esco(a), -isco(a) (relação, semelhança, qualidade = carnavalesco, quixotesco, parentesco, gigantesco, mourisco); -este (relação = agreste, celeste); -estre (relação = pedestre, campestre, silvestre, terrestre); -eu (origem, procedência, relação = hebreu, judeu, europeu, galileu); -ez, -eza (formam substantivos abstratos = altivez, surdez, palidez, riqueza, beleza, safadeza, avareza, tristeza); -ia (qualidade, estado, propriedade, profissão = moléstia, alegria, chefia, diretoria, filosofia); -iça, -ícia (formam substantivos abstratos = justiça, preguiça, cobiça, malícia); -ice, -ície (formam substantivos abstratos = velhice, meninice, doidice, imundície, calvície);
  35. 35. -ício(a), -iço(a) (relação, referência = alimentício, natalício, adventício, patrício, movediço, quebradiço); -il (semelhança, referência = pueril, senil, hostil, civil, febril, canil); -ino(a) (relação, semelhança, origem, natureza = divino, latino, cristalino, londrino, marroquino, matutino, peregrino); -io(a) (relação = vazio, estio, sadio, sombrio, tardio, fugidio); -ismo (doutrina, escola, teoria, sistema, modo de proceder ou pensar, ação = socialismo, capitalismo, comunismo, romantismo, ostracismo, realismo, anarquismo, terrorismo, exorcismo); -ista (partidário ou sectário de doutrina, sistema, teoria, principio, agente, ocuparão, origem = socialista, capitalista, comunista, simbolista, realista, anarquista, dentista, artista, pianista, budista, paulista, sulista, nortista); -ita (origem, pertinência = eremita, jesuíta, israelita, selenita); -ite (inflamação = amigdalite, bronquite, gastrite, estomatite); -mento(a) (instrumento, coleção, ação ou resultado da ação = ferramenta, vestimenta, fardamento, ferimento, casamento, sentimento, armamento); -onho(a) (propriedade hábito constante = risonho, medonho, tristonho, enfadonho); -or (qualidade, propriedade = sabor, amargor, fervor); -(d)or, -(t)or, -(s)or (agente, profissão, instrumento de ação = trabalhador, corredor, escritor, inspetor, leitor, agressor, professor, confessor); -oso(a) (abundância, plenitude = famoso, apetitoso, meticuloso, medrosa, saudosa, venenosa); -oz (formador de adjetivos = veloz, atroz, feroz); -tério (instrumento, lugar onde se faz algo = saltério, cemitério, necrotério, batistério); -tico(a) (relação = rústico, aromático, aquático, fanático, lunático); -tório(a) (lugar, resultado da ação = refeitório, laboratório, imigratório, vitória); -tude, -dão (formador de substantivos abstratos = amplitude, juventude, similitude, magnitude, solidão, gratidão, retidão); -udo(a) (provido ou cheio de = peludo, barbudo, carnuda, narigudo, pontudo); -ugem (semelhança, quantidade = ferrugem, penugem, rabugem); -ulho (quantidade, coleção = pedregulho, marulho, barulho); -ume (resultado de ação, coleção = azedume, queixume, negrume, cardume); -ura (formador de substantivos abstratos = alvura, candura, formosura, ternura); -urno(a) (duração = diurno, noturno, taciturna); -vel (possibilidade ou posse = impagável, inestimável, indelével, cabível, perecível); Sufixos verbais >> 1.3.3.2 Sufixos verbais: Na língua portuguesa há uma tendência em formar novos verbos: a maioria, quase absoluta, dos novos verbos pertence à 1ª conjugação. Considera-se sufixo verbal o conjunto formada pelo sufixo mais a terminação verbal (vogal temática + desinência), como ocorre em -izar, do verbo computadorizar.
  36. 36. São sufixos verbais da 1ª conjugação: -ear, -ejar (ação durativa [prolongada]; o processo se repete [iterativo] - indica transformação, mudança de estado = cabecear, verdejar, gotear, gotejar); -cotar (ação durativa - qualidade, modo de ser, mudança de estado (factitivo) = amamentar, amolentar, ensangüentar); -ficar, -fazer (ação durativa - modo de ser, mudança de estado (factitivo) = liquidificar, liquefazer, mumificar, retificar); -icar, -iscar (o processo se repete [iterativo] - diminutivo = bebericar, mordiscar, chuviscar, adocicar); -ilhar; -inhar (iterativo - diminutivo = dedilhar, cuspilhar, cuspinhar, patinhar); -itar (iterativo - diminutivo = saltitar, dormitar); -izar (ação que se prolonga [durativa] - factitivo = alfabetizar, fertilizar, catequizar, computadorizar). São sufixos verbais da 2ª conjugação: -ecer, -escer (início de um processo e seu desenvolvimento - mudança de estado, transformação = amanhecer, rejuvenescer, florescer, enaltecer, entardecer, ensandecer). Sufixo adverbial >> 1.3.3.3 Sufixo adverbial: O único sufixo adverbial, na língua portuguesa, é o sufixo -mente, formador de advérbio de modo. O sufixo -mente é, sempre que possível, acrescentado a um adjetivo feminino (lentamente, completamente, dignamente, fielmente, apressadamente, humanamente). 1.3.4 Principais radicais gregos e latinos: Radicais gregos: acro (alto, elevado = acrobata, acrópole, acrofobia); aer, aero (ar = aeronave, aeronauta); agogo (o que conduz = pedagogo, demagogo); agro (campo = agronomia, agrônomo); alg, algia (dor, sofrimento = analgésico, nevralgia); andro (homem, macho = andrógino, androfobia); anemo (vento = anemógrafo, anemômetro); antropo (ser humano = antropocentrismo, antropofagia); arcai, arqueo (antigo, velho = arcaísmo, arqueologia); aristo (ótimo, o melhor = aristocracia, aristocrata); aritmo (número = aritmética, aritmologia); arquia (governo = monarquia, anarquia); asteno, astenia (fraqueza, debilidade = astenopia, neurastenia); astro (corpo celeste = astronomia, astrodinâmica); atmo (gás, vapor = atmosfera, atmômetro); baro (pressão, peso = barômetro, barítono ); bata (o que anda = acrobata, nefelibata ); biblio (livro = biblioteca, bibliotecário); bio (vida = biologia, biografia);
  37. 37. caco (feio, mau = cacofonia, cacoépia); cali (belo = caligrafia, calidoscópio); cardio (coração = cardíaco, cardiograma); cefalo (cabeça = acefalia, cefaléia); ciclo (círculo = ciclometria, bicicleta, triciclo); cine, cinesi (movimento = cinética, cinesalgia); cito (célula = citologia, citoplasma); cosmo (mundo, universo = cosmovisão, macrocosmo); cracia (poder, autoridade = gerontocracia, tecnocracia); cromo (cor = cromogravura, cromógeno); crono (tempo = cronômetro, cronograma); datilo (dedo = datilografia, datiloscopia); deca (dez = decâmetro, decalitro); demo (povo = democracia, demográfico); derma (pele = dermatologista, dermite); di (dois = dissílabo, ditongo); dinamo (força, potência = dinamite, dinamismo); doxo (crença, opinião = ortodoxo, paradoxo); dromo (corrida = autódromo, hipódromo); eco (casa, domicílio, habitat = ecologia, ecônomo, ecossistema); edro (base, face = poliedro, pentaedro); ergo (trabalho = ergofobia, ergógrafo); esperma, espermato (semente = espermatologia, espermatozóide); etio, etimo (origem = etiologia, etimologia); etno (raça, nação = etnia, etnocentrismo); fago (que come ou aquele que come = antropófago, necrófago); filo (amigo, amante = fílósofo, filantropo); fisio (natureza física ou moral = fisiologia, fisionomia, fisioterapia); fobo (aversão = claustrofobia, xenofobia); fono (som, voz = fonógrafo, fonoteca); fos, foto (luz = fosfeno, fotografia); gamo (casamento = gamomania, monogamia); gastro (estômago = gastronomia, gástrico); gene (origem = gênese, genética); geo (terra = geografia, geóide); gine, gineco (mulher = andrógino, ginecocracia); gono, gonio (ângulo = polígono, goniômetro); grafia (escrita = ortografia, caligrafia); helio (sol = heliocentrismo, heliografia); hemo (sangue = hemorragia, hemograma); hepato (fígado = hepatite, hepático); hetero (outro, diferente = heterossexual, heterogêneo);
  38. 38. hidro (água = hidrografia, hidrófilo); higro (umidade = higrômetro, higrófilo); hipno (sono = hipnose, hipnotismo); hipo (cavalo = hipódromo, hipopótamo); homeo, homo (semelhante = homeopatia, homossexual); icon, icono (imagem = iconoclasta, iconografia); ictio (peixe = ictiofagia, ictiologia); iso (igual = isóbaro, isósceles); latria (culto = idolatria, alcoólatra); lito (pedra = litografia, aerólito); log, logia (estudo = ginecologia, astrologia); macro (grande = macrocosmo, macrobiótica); mancia (adivinhação = quiromancia, cartomancia); mani, mania (loucura = manicômio, cleptomania); mega, megalo (grande = megalomaníaco, megalocefalia); meso (meio = Mesopotâmia, mesóclise); metro (que mede, medição = barômetro, termômetro); micro (pequeno = microcosmo, microfone); miso (ódio, aversão = misantropia, misossofia); mito (fábula = mitologia, mitomania); mnemo (memória = amnésia, mnemônico); mono (único, sozinho = monarquia, monobloco); morfo (forma = zoomórfico, amorfo, morfologia); necro (morte, cadáver = necrotério, necrofilia); neo (novo, moderno = neologismo, neolatino); neuro (nervo = neurite, neuralgia); nomo (regra, lei = nomologia, agrônomo); odonto (dente = odontologia, odontalgia); oftalmo (olho = oftalmologista, oftalmia); oligo (pouco = oligarquia, oligopólio); onimo (nome = ortônimo, sinônimo); onir, oniro (sonho = onírico, oniromancia); ornito (ave = ornitologia, ornitofilia); orto (reto, correto = ortônimo, ortografia); oxi (agudo, ácido = oxítona, oxidação); paleo (antigo = paleografia, paleontologia); pato (doença, sofrimento = patologia, patogenia); pedia (educação = ortopedia, pediatria); pole, polis (cidade = metrópole, acrópole, Florianópolis); poli (muito = poligamia, polígono, politeísmo); potamo (rio = Mesopotâmia, hipopótamo); pneumato (ar, gás, espírito = pneumatologia, pneumatólise);
  39. 39. pneum(o) (pulmão = pneumonia, pneumotórax); proto (primeiro = protozoário, protótipo); pseudo (falso = pseudônimo); psico (alma, espírito = psicologia, psiquiatria); quiro ( mão = quiromancia); rino (nariz = rinite, rinoceronte); rizo (raiz = rizotônico, rizófago); scopio (o que faz ver = telescópio, microscopia); sema, semio (sinal = semáforo, semiótica); sidero (ferro, aço = siderurgia, siderografia); sismo (terremoto = sísmico, sismógrafo); sofo (sábio = filosofia, sofomaníaco); soma, somo, somato (corpo, matéria = cromossomo, somatologia); stico (linha, verso = dístico, hemistíquio); tanato (morte = eutanásia, tanatofobia); taqui (rápido = taquicardia, taquigrafia); teca (coleção = fonoteca, filmoteca, discoteca); tecno (arte, ofício = tecnologia, tecnocracia); tele (ao longe, distância = telefone, telescópio, telégrafo); teo (deus, divindade = teocentrismo, teocracia); termo (calor, temperatura = termômetro, térmico, termostato); topo (lugar, localidade = topografia, topônimo); xeno (estranho = xenofobia, xenofilia); xer, xero (seco, secura = xerófilo, xerografia); xilo (madeira = xilogravura, xilófago); zoo (animal = zoologia, zoomorfo). Radicais latinos: agri (campo = agricultura, agrícola); ambi (ambos = ambivalência, ambidestro, ambíguo); ambulo (caminhar, andar = sonâmbulo, noctâmbulo); animi (alma = animicida, anímico); arbori (árvore = arborícola, arboriforme, arboricultura); beli (guerra = bélico, belicista, beligerante); bi, bis (repetição, duas vezes = bisavô, bilíngüe, bissexual); calori (calor = caloria, calorífero); cida (que mata = vermicida, inseticida); cola (que habita, que cultiva = vinícola, citrícola); cole, colo (pescoço = colar, colarinho); color (cor, coloração = colorífico, quadricolor); cordi (coração = cordial); corn(i) (chifre, antena = cornear, cornudo, cornucópia); crimino (crime = criminoso, criminologia);
  40. 40. cruci (cruz = crucificado); cultura (ato de cultivar = suinocultura, piscicultura); cupr(i) (cobre = cúprico, cuprífero); curvi (curvo = curvilíneo); deci (décimo = decímetro, decigrama); digit(i) (dedo = digitador, digitação); dui (dois = duidade, duelo); ego (eu = egocentrismo, egoísmo); equi (igual = equivalência, eqüidistante); estil(i) (estilo = estilista, estilismo); estrato (coberta, camada = estratosfera, estrato); evo (idade = longevidade, longevo, medievo); fero (que contém = mamífero, carbonífero); ferr(i), ferro (ferro = ferrovia, ferrífero, ferrugem); fico (que faz, que produz = benéfico, maléfico, frigorífico); fide (fé = fidelidade, fidedigno); fili (filho = filiação, filial); forme (forma = uniforme, disforme, cordiforme); frater (irmão = fraterno, fratricida); frig(i) (frio = frigidez, frigorífico); fugo (que foge = centrífugo, vermífugo); genito (relativo a geração = genitor); gradu (grau, passo = centígrado, graduação); herbi (erva = herbívoro, herbicida); homin(i) (homem = hominal, homicídio); igni (fogo = ignição, ígneo); lati (largo, amplo = latifúndio, latofólio); loquo (que fala = ventríloquo, altíloquo); luc(i) (luz = lucidez, lúcido); mini (muito pequeno = minissaia, mínimo); multi (numeroso = multissecular, multiangular); ocul(i) (olho = oculista, oculiforme); odori (odor, cheiro = odorífero, desodorante); oni (tudo, todo = onipresente, onisciente); pani (pão = panificadora); pari (igual = paridade, paritário); ped(i), pede (pé = pedestre, pedicuro, bípede); personal(i) (pessoal = personalidade, personificar); petr(i) (pedra = petrificar, petróleo); pisci (peixe = piscicultura, pisciano); plani (plano = planisfério, planície); pluri (muitos = pluralizar, pluricelular);
  41. 41. pluvio (chuva = pluviômetro, pluviosidade); popul(o) (povo = populoso, populismo); primi (primeiro = primogênito, primícias); quadr(i), quadru (quatro = quadrangular, quadrúpede, quadricular); radic(i) (raiz = radicar, radiciação); reti (reto, direito = retificar, retilíneo); reti (rede = reticulado, retiforme); retro (movimento para trás = retroceder, retroagir); sabat(i) (sábado = sabatina, sabatismo); sacar(i) (açúcar = sacarífero, sacarose, sacarina); sesqui (um e meio = sesquicentenário, sesquipedal); sexi, sexo (sexo = sexologia, assexuado); sideri (astro = sideral, sidério); silvi (selva = silvícola, silvicultura); sino (da China = sinologia, sino-brasileiro); socio (sociedade = sociologia, sociolingüística); sono (som, ruído = sônico, sonoplastia); sudor(i) (suor = sudoríparo, sudoral); telur(i) (terra, solo = telúrico, telurismo); toni (tom, vigor = tônico, tonificar); toxico (veneno = toxicomania, toxina); triti (trigo = triticultura, triticultor); veloci (veloz = velocípede, velocímetro); vermi (verme = vermífugo, vermicida); vin(i) (vinho = vinicultura, vinícola); vitri (vidro = vitrina, vitrificar, vitral); voto (que quer, que deseja = malévolo, benévolo); voro (que devora = carnívoro, herbívoro). retroceder, retroagir; sabatina, sabalismo; saçarífero, Sílcarose; sacarina sesquicenlenário; se-squipedal sexülogía, assexuado sideral; sidério silvícola, silvicultura sinologia; sino-brasileiro sociologia, soeíoíingílísüca sônico; sonoplastía sudoríparo, sudoral telúrico. Classes de Palavras >> 2. CLASSES DE PALAVRAS: As palavras são classificadas de acordo com as funções exercidas nas orações. Na língua portuguesa podemos classificar as palavras em: Substantivo Adjetivo
  42. 42. Pronome Verbo Artigo Numeral Advérbio Preposição Interjeição Conjunção Substantivo >> 2.1 Substantivo: É a palavra variável que denomina qualidades, sentimentos, sensações, ações, estados e seres em geral. Quanto a sua formação, o substantivo pode ser primitivo (jornal) ou derivado (jornalista), simples (alface) ou composto (guarda-chuva). Já quanto a sua classificação, ele pode ser comum (cidade) ou próprio (Curitiba), concreto (mesa) ou abstrato (felicidade). Os substantivos concretos designam seres de existência real ou que a imaginação apresenta como tal: alma, fada, santo. Já os substantivos abstratos designam qualidade, sentimento, ação e estado dos seres: beleza, cegueira, dor, fuga. Os substantivos próprios são sempre concretos e devem ser grafados com iniciais maiúsculas. Certos substantivos próprios podem tornar-se comuns, pelo processo de derivação imprópria (um judas = traidor / um panamá = chapéu). Os substantivos abstratos têm existência independente e podem ser reais ou não, materiais ou não. Quando esses substantivos abstratos são de qualidade tornam-se concretos no plural (riqueza X riquezas). Muitos substantivos podem ser variavelmente abstratos ou concretos, conforme o sentido em que se empregam (a redação das leis requer clareza / na redação do aluno, assinalei vários erros). Já no tocante ao gênero (masculino X feminino) os substantivos podem ser: biformes: quando apresentam uma forma para o masculino e outra para o feminino. (rato, rata ou conde X condessa). uniformes: quando apresentam uma única forma para ambos os gêneros. Nesse caso, eles estão divididos em: epicenos: usados para animais de ambos os sexos (macho e fêmea) - albatroz, badejo, besouro, codorniz; comum de dois gêneros: aqueles que designam pessoas, fazendo a distinção dos sexos por palavras determinantes - aborígine, camarada, herege, manequim, mártir, médium, silvícola; sobrecomuns - apresentam um só gênero gramatical para designar pessoas de ambos os sexos - algoz, apóstolo, cônjuge, guia, testemunha, verdugo;
  43. 43. Alguns substantivos, quando mudam de gênero, mudam de sentido. (o cisma X a cisma / o corneta X a corneta / o crisma X a crisma / o cura X a cura / o guia X a guia / o lente X a lente / o língua X a língua / o moral X a moral / o maria-fumaça X a maria-fumaça / o voga X a voga). Os nomes terminados em -ão fazem feminino em -ã, -oa ou -ona (alemã, leoa, valentona). Os nomes terminados em -e mudam-no para -a, entretanto a maioria é invariável (monge X monja, infante X infanta, mas o/a dirigente, o/a estudante). Quanto ao número (singular X plural), os substantivos simples formam o plural em função do final da palavra. vogal ou ditongo (exceto -ÃO): acréscimo de -S (porta X portas, troféu X troféus); ditongo -ÃO: -ÕES / -ÃES / -ÃOS, variando em cada palavra (pagãos, cidadãos, cortesãos, escrivães, sacristães, capitães, capelães, tabeliães, deães, faisães, guardiães). Os substantivos paroxítonos terminados em -ão fazem plural em -ãos (bênçãos, órfãos, gólfãos). Alguns gramáticos registram artesão (artífice) - artesãos e artesão (adorno arquitetônico) - artesões. -EM, -IM, -OM, -UM: acréscimo de -NS (jardim X jardins); -R ou -Z: -ES (mar X mares, raiz X raízes); -S: substantivos oxítonos acréscimo de -ES (país X países). Os não-oxítonos terminados em -S são invariáveis, marcando o número pelo artigo (os atlas, os lápis, os ônibus), cais, cós e xis são invariáveis; -N: -S ou -ES, sendo a última menos comum (hífen X hifens ou hífenes), cânon > cânones; -X: invariável, usando o artigo para o plural (tórax X os tórax); -AL, EL, OL, UL: troca-se -L por -IS (animal X animais, barril X barris). Exceto mal por males, cônsul por cônsules, real (moeda) por réis, mel por méis ou meles; IL: se oxítono, trocar -L por -S. Se não oxítonos, trocar -IL por -EIS. (til X tis, míssil X mísseis).Observação: réptil / reptil por répteis / reptis, projétil / projetil por projéteis / projetis; sufixo diminutivo -ZINHO(A) / -ZITO(A): colocar a palavra primitiva no plural, retirar o -S e acrescentar o sufixo diminutivo (caezitos, coroneizinhos, mulherezinhas). Observação: palavras com esses sufixos não recebem acento gráfico. metafonia: -o tônico fechado no singular muda para o timbre aberto no plural, também variando em função da palavra. (ovo X ovos, mas bolo X bolos). Observação: avôs (avô paterno + avô materno), avós (avó + avó ou avô + avó). Os substantivos podem apresentar diferentes graus, porém grau não é uma flexão nominal. São três graus: normal, aumentativo e diminutivo e podem ser formados através de dois processos: analítico: associando os adjetivos (grande ou pequeno, ou similar) ao substantivo;
  44. 44. sintético: anexando-se ao substantivo sufixos indicadores de grau (meninão X menininho). Certos substantivos, apesar da forma, não expressam a noção aumentativa ou diminutiva. (cartão, cartilha). alguns sufixos aumentativo: -ázio, -orra, -ola, -az, -ão, -eirão, -alhão, -arão, -arrão, -zarrão; alguns sufixos diminutivo: -ito, -ulo-, -culo, -ote, -ola, -im, -elho, -inho, -zinho (o sufixo -zinho é obrigatório quando o substantivo terminar em vogal tônica ou ditongo: cafezinho, paizinho); O aumentativo pode exprimir desprezo (sabichão, ministraço, poetastro) ou intimidade (amigão); enquanto o diminutivo pode indicar carinho (filhinho) ou ter valor pejorativo (livreco, casebre). Algumas curiosidades sobre os substantivos: Palavras masculinas: ágape (refeição dos primitivos cristãos); anátema (excomungação); axioma (premissa verdadeira); caudal (cachoeira); carcinoma (tumor maligno); champanha, clã, clarinete, contralto, coma, diabete/diabetes (FeM classificam como gênero vacilante); diadema, estratagema, fibroma (tumor benigno); herpes, hosana (hino); jângal (floresta da Índia); lhama, praça (soldado raso); praça (soldado raso); proclama, sabiá, soprano (FeM classificam como gênero vacilante); suéter, tapa (FeM classificam como gênero vacilante); teiró (parte de arma de fogo ou arado); telefonema, trema, vau (trecho raso do rio). Palavras femininas: abusão (engano); alcíone (ave doa antigos); aluvião, araquã (ave); áspide (reptil peçonhento); baitaca (ave); cataplasma, cal, clâmide (manto grego); cólera (doença); derme, dinamite, entorce, fácies (aspecto); filoxera (inseto e doença); gênese, guriatã (ave); hélice (FeM classificam como gênero vacilante);
  45. 45. jaçanã (ave); juriti (tipo de aves); libido, mascote, omoplata, rês, suçuarana (felino); sucuri, tíbia, trama, ubá (canoa); usucapião (FeM classificam como gênero vacilante); xerox (cópia). Gênero vacilante: acauã (falcão); inambu (ave); laringe, personagem (Ceg. fala que é usada indistintamente nos dois gêneros, mas que há preferência de autores pelo masculino); víspora. Alguns femininos: abade - abadessa; abegão (feitor) - abegoa; alcaide (antigo governador) - alcaidessa, alcaidina; aldeão - aldeã; anfitrião - anfitrioa, anfitriã; beirão (natural da Beira) - beiroa; besuntão (porcalhão) - besuntona; bonachão - bonachona; bretão - bretoa, bretã; cantador - cantadeira; cantor - cantora, cantadora, cantarina, cantatriz; castelão (dono do castelo) - castelã; catalão - catalã; cavaleiro - cavaleira, amazona; charlatão - charlatã; coimbrão - coimbrã; cônsul - consulesa; comarcão - comarcã; cônego - canonisa; czar - czarina; deus - deusa, déia; diácono (clérigo) - diaconisa; doge (antigo magistrado) - dogesa; druida - druidesa; elefante - elefanta e aliá (Ceilão); embaixador - embaixadora e embaixatriz; ermitão - ermitoa, ermitã; faisão - faisoa (Cegalla), faisã; hortelão (trata da horta) - horteloa;
  46. 46. javali - javalina; ladrão - ladra, ladroa, ladrona; felá (camponês) - felaína; flâmine (antigo sacerdote) - flamínica; frade - freira; frei - sóror; gigante - giganta; grou - grua; lebrão - lebre; maestro - maestrina; maganão (malicioso) - magana; melro - mélroa; mocetão - mocetona; oficial - oficiala; padre - madre; papa - papisa; pardal - pardoca, pardaloca, pardaleja; parvo - párvoa; peão - peã, peona; perdigão - perdiz; prior - prioresa, priora; mu ou mulo - mula; rajá - rani; rapaz - rapariga; rascão (desleixado) - rascoa; sandeu - sandia; sintrão - sintrã; sultão - sultana; tabaréu - tabaroa; varão - matrona, mulher; veado - veada; vilão - viloa, vilã. Substantivos em -ÃO e seus plurais: alão - alões, alãos, alães; aldeão - aldeãos, aldeões; capelão - capelães; castelão - castelãos, castelões; cidadão - cidadãos; cortesão - cortesãos; ermitão - ermitões, ermitãos, ermitães; escrivão - escrivães; folião - foliões;
  47. 47. hortelão - hortelões, hortelãos; pagão - pagãos; sacristão - sacristães; tabelião - tabeliães; tecelão - tecelões; verão - verãos, verões; vilão - vilões, vilãos; vulcão - vulcões, vulcãos. Alguns substantivos que sofrem metafonia no plural: abrolho, caroço, corcovo, corvo, coro, despojo, destroço, escolho, esforço, estorvo, forno, forro, fosso, imposto, jogo, miolo, poço, porto, posto, reforço, rogo, socorro, tijolo, toco, torno, torto, troco. Substantivos só usados no plural: anais, antolhos, arredores, arras (bens, penhor), calendas (1º dia do mês romano), cãs (cabelos brancos), cócegas, condolências, damas (jogo), endoenças (solenidades religiosas), esponsais (contrato de casamento ou noivado), esposórios (presente de núpcias), exéquias (cerimônias fúnebres), fastos (anais), férias, fezes, manes (almas), matinas (breviário de orações matutinas), núpcias, óculos, olheiras, primícias (começos, prelúdios), pêsames, vísceras, víveres etc., além dos nomes de naipes. Coletivos: alavão - ovelhas leiteiras; armento - gado grande (búfalos, elefantes); assembléia (parlamentares, membros de associações); atilho - espigas; baixela - utensílios de mesa; banca - de examinadores, advogados; bandeira - garimpeiros, exploradores de minérios; bando - aves, ciganos, crianças, salteadores; boana - peixes miúdos; cabido - cônegos (conselheiros de bispo); cáfila - camelos; cainçalha - cães; cambada - caranguejos, malvados, chaves; cancioneiro - poesias, canções; caterva - desordeiros, vadios; choldra, joldra - assassinos, malfeitores; chusma - populares, criados; conselho - vereadores, diretores, juízes militares; conciliábulo - feiticeiros, conspiradores; concílio - bispos; canzoada - cães; conclave - cardeais;
  48. 48. congregação - professores, religiosos; consistório - cardeais; fato - cabras; feixe - capim, lenha; junta - bois, médicos, credores, examinadores; girândola - foguetes, fogos de artifício; grei - gado miúdo, políticos; hemeroteca - jornais, revistas; legião - anjos, soldados, demônios; malta - desordeiros; matula - desordeiros, vagabundos; miríade - estrelas, insetos; nuvem - gafanhotos, pó; panapaná - borboletas migratórias; penca - bananas, chaves; récua - cavalgaduras (bestas de carga); renque - árvores, pessoas ou coisas enfileiradas; réstia - alho, cebola; ror - grande quantidade de coisas; súcia - pessoas desonestas, patifes; talha -lenha; tertúlia - amigos, intelectuais; tropilha - cavalos; vara - porcos. Substantivos compostos: Os substantivos compostos formam o plural da seguinte maneira: sem hífen formam o plural como os simples (pontapé/pontapés); caso não haja caso específico, verifica-se a variabilidade das palavras que compõem o substantivo para pluralizá-los. São palavras variáveis: substantivo, adjetivo, numeral, pronomes, particípio. São palavras invariáveis: verbo, preposição, advérbio, prefixo; em elementos repetidos, muito parecidos ou onomatopaicos, só o segundo vai para o plural (tico-ticos, tique-taques, corre-corres, pingue-pongues); com elementos ligados por preposição, apenas o primeiro se flexiona (pés-de- moleque); são invariáveis os elementos grão, grã e bel (grão-duques, grã-cruzes, bel- prazeres); só variará o primeiro elemento nos compostos formados por dois substantivos, onde o segundo limita o primeiro elemento, indicando tipo, semelhança ou finalidade deste (sambas-enredo, bananas-maçã)
  49. 49. nenhum dos elementos vai para o plural se formado por verbos de sentidos opostos e frases substantivas (os leva-e-traz, os bota-fora, os pisa-mansinho, os bota- abaixo, os louva-a-Deus, os ganha-pouco, os diz-que-me-diz); compostos cujo segundo elemento já está no plural não variam (os troca-tintas, os salta-pocinhas, os espirra-canivetes); palavra guarda, se fizer referência a pessoa varia por ser substantivo. Caso represente o verbo guardar, não pode variar (guardas-noturnos, guarda-chuvas). Adjetivo >> 2.2 Adjetivo: É a palavra variável que restringe a significação do substantivo, indicando qualidades e características deste. Mantém com o substantivo que determina relação de concordância de gênero e número. adjetivos pátrios: indicam a nacionalidade ou a origem geográfica, normalmente são formados pelo acréscimo de um sufixo ao substantivo de que se originam (Alagoas por alagoano). Podem ser simples ou compostos, referindo-se a duas ou mais nacionalidades ou regiões; nestes últimos casos assumem sua forma reduzida e erudita, com exceção do último elemento (franco-ítalo-brasileiro). locuções adjetivas: expressões formadas por preposição e substantivo e com significado equivalente a adjetivos (anel de prata = anel argênteo / andar de cima = andar superior / estar com fome = estar faminto). São adjetivos eruditos: açúcar - sacarino; águia - aquilino; anel - anular; astro - sideral; bexiga - vesical; bispo - episcopal; cabeça - cefálico; chumbo - plúmbeo; chuva - pluvial; cinza - cinéreo; cobra - colubrino, ofídico; dinheiro - pecuniário; estômago - gástrico; fábrica - fabril; fígado - hepático; fogo - ígneo; guerra - bélico; homem - viril; inverno - hibernal; lago - lacustre; lebre - leporino;
  50. 50. lobo - lupino; marfim - ebúrneo, ebóreo; memória - mnemônico; moeda - monetário, numismático; neve - níveo; pedra - pétreo; prata - argênteo, argentino, argírico; raposa - vulpino; rio - fluvial, potâmico; rocha - rupestre; sonho - onírico; sul - meridional, austral; tarde - vespertino; velho, velhice - senil; vidro - vítreo, hialino. Quanto à variação dos adjetivos, eles apresentam as seguintes características: O gênero é uniforme ou biforme (inteligente X honesto[a]). Quanto ao gênero, não se diz que um adjetivo é masculino ou feminino, e sim que tem terminação masculina ou feminina. No tocante a número, os adjetivos simples formam o plural segundo os mesmos princípios dos substantivos simples, em função de sua terminação (agradável X agradáveis). Já os substantivos utilizados como adjetivos ficam invariáveis (blusas cinza). Os adjetivos terminados em -OSO, além do acréscimo do -S de plural, mudam o timbre do primeiro -o, num processo de metafonia. Quanto ao grau, os adjetivos apresentam duas formas: comparativo e superlativo. O grau comparativo refere-se a uma mesma qualidade entre dois ou mais seres, duas ou mais qualidades de um mesmo ser. Pode ser de igualdade: tão alto quanto (como / quão); de superioridade: mais alto (do) que (analítico) / maior (do) que (sintético) e de inferioridade: menos alto (do) que. O grau superlativo exprime qualidade em grau muito elevado ou intenso. O superlativo pode ser classificado como absoluto, quando a qualidade não se refere à de outros elementos. Pode ser analítico (acréscimo de advérbio de intensidade) ou sintético (-íssimo, -érrimo, -ílimo). (muito alto X altíssimo) O superlativo pode ser também relativo, qualidade relacionada, favorável ou desfavoravelmente, à de outros elementos. Pode ser de superioridade analítico (o mais alto de/dentre), de superioridade sintético (o maior de/dentre) ou de inferioridade (o menos alto de/dentre). São superlativos absolutos sintéticos eruditos da língua portuguesa: acre - acérrimo; alto - supremo, sumo; amável - amabilíssimo; amigo - amicíssimo;
  51. 51. baixo - ínfimo; cruel - crudelíssimo; doce - dulcíssimo; dócil - docílimo; fiel - fidelíssimo; frio - frigidíssimo; humilde - humílimo; livre - libérrimo; magro - macérrimo; mísero - misérrimo; negro - nigérrimo; pobre - paupérrimo; sábio - sapientíssimo; sagrado - sacratíssimo; são - saníssimo; veloz - velocíssimo. Os adjetivos compostos formam o plural da seguinte forma: têm como regra geral, flexionar o último elemento em gênero e número (lentes côncavo-convexas, problemas sócio-econômicos); são invariáveis cores em que o segundo elemento é um substantivo (blusas azul- turquesa, bolsas branco-gelo); não variam as locuções adjetivas formadas pela expressão cor-de-... (vestidos cor- de-rosa); as cores: azul-celeste e azul-marinho são invariáveis; em surdo-mudo flexionam-se os dois elementos. Pronome >> .3 Pronome: É palavra variável em gênero, número e pessoa que substitui ou acompanha um substantivo, indicando-o como pessoa do discurso. A diferença entre pronome substantivo e pronome adjetivo pode ser atribuída a qualquer tipo de pronome, podendo variar em função do contexto frasal. Assim, o pronome substantivo é aquele que substitui um substantivo, representando-o. (Ele prestou socorro). Já o pronome adjetivo é aquele que acompanha um substantivo, determinando-o. (Aquele rapaz é belo). Os pronomes pessoais são sempre substantivos. Quanto às pessoas do discurso, a língua portuguesa apresenta três pessoas: 1ª pessoa - aquele que fala, emissor; 2ª pessoa - aquele com quem se fala, receptor; 3ª pessoa - aquele de que ou de quem se fala, referente. Pronome pessoal >> 2.3.1 Pronome pessoal: Indicam uma das três pessoas do discurso, substituindo um substantivo. Podem também representar, quando na 3ª pessoa, uma forma nominal anteriormente expressa (A moça era a melhor secretária, ela mesma agendava os compromissos do chefe).
  52. 52. A seguir um quadro com todas as formas do pronome pessoal: Pronomes pessoais Número Pessoa Pronomes retos Pronomes oblíquos Átonos Tônicos singular primeira segunda terceira eu tu ele, ela me te o, a, lhe, se mim, comigo ti, contigo ele, ela, si, consigo plural primeira segunda terceira nós vós eles, elas nos vos os, as, lhes, se nós, conosco vós, convosco eles, elas, si, consigo Os pronomes pessoais apresentam variações de forma dependendo da função sintática que exercem na frase. Os pronomes pessoais retos desempenham, normalmente, função de sujeito; enquanto os oblíquos, geralmente, de complemento. Os pronomes oblíquos tônicos devem vir regidos de preposição. Em comigo, contigo, conosco e convosco, a preposição com já é parte integrante do pronome. Os pronomes de tratamento estão enquadrados nos pronomes pessoais. São empregados como referência à pessoa com quem se fala (2ª pessoa), entretanto, a concordância é feita com a 3ª pessoa. Também são considerados pronomes de tratamento as formas você, vocês (provenientes da redução de Vossa Mercê), Senhor, Senhora e Senhorita. Quanto ao emprego, as formas oblíquas o, a, os, as completam verbos que não vêm regidos de preposição; enquanto lhe e lhes para verbos regidos das preposições a ou para (não expressas). Apesar de serem usadas pouco, as formas mo, to, no-lo, vo-lo, lho e flexões resultam da fusão de dois objetos, representados por pronomes oblíquos (Ninguém mo disse = ninguém o disse a mim). Os pronomes átonos o, a, os e as viram lo(a/s), quando associados a verbos terminados em r, s ou z e viram no(a/s), se a terminação verbal for em ditongo nasal. Os pronomes o/a (s), me, te, se, nos, vos desempenham função se sujeitos de infinitivo ou verbo no gerúndio, junto ao verbo fazer, deixar, mandar, ouvir e ver (Mandei-o entrar / Eu o vi sair / Deixei-as chorando). A forma você, atualmente, é usada no lugar da 2ª pessoa (tu/vós), tanto no singular quanto no plural, levando o verbo para a 3ª pessoa. Já as formas de tratamento serão precedidas de Vossa, quando nos dirigirmos diretamente à pessoa e de Sua, quando fizermos referência a ela. Troca-se na abreviatura o V. pelo S. Quando precedidos de preposição, os pronomes retos (exceto eu e tu) passam a funcionar como oblíquos. Eu e tu não podem vir precedidos de preposição, exceto se funcionarem como sujeito de um verbo no infinitivo (Isto é para eu fazer ≠ para mim fazer).

×