7
ANTROPOLOGIA ANGOLANA E ALGUMAS CONSIDERAÇOES
1-AS MIGRAÇÕES E FORMAÇÃO ÉTICA
As migrações são movimentos de pessoas de ...
8
2-DISTRIBUIÇAO ÉTNICA
Do ponto de vista da sua composição etnolinguística, o povo angolano é integrado
maioritariamente ...
9
Graças a vastidão dos recursos naturais o angolano realizou verdadeiras obras de arte
em madeira, bronze, marfim, e cerâ...
10
4-A ORGANIZAÇAO SOCIAL, POLITICA E ECONOMICA.
Vamos tratar especificamente do Grupo Etnolinguistico Ovimbundo
A Organiz...
11
mulheres, estão hierarquizadas em relação a hierarquização dos homens seus
maridos.As co-esposas estão hierarquizadas p...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Antropologia angolana

3.267 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.267
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antropologia angolana

  1. 1. 7 ANTROPOLOGIA ANGOLANA E ALGUMAS CONSIDERAÇOES 1-AS MIGRAÇÕES E FORMAÇÃO ÉTICA As migrações são movimentos de pessoas de uma região para a outra. São interna quando ocorrem dentro de um mesmo país e externas quando se dão de um pais para outro, daí o facto de existir. ® Emigração: a saída da população de um lugar; ® Imigração: a entrada ou chegada de estrangeiros num lugar. A emigração de um país pode ser causada por vários factores, como crises económicas, doenças epidemias, guerras, etc. Perseguições políticas e religiosas e os preconceitos raciais também provocaram emigração. A formação étnica de Angola iniciou-se a partir da emigração dos bantos, povos que falavam línguas bantu, como comum na África Oriental, Central e Meridional Vansina (1985:556), “a expressão das línguas bantu pode reflectir a ocorrência de grandes migrações que terminaram bem antes do ano 1100. O território de Angola foi habitado na pré- historia conforme atestam vestígios encontrados nas regiões da Lunda, Congo e Deserto do Namibe, somente milhares de anos mais tarde provocado por outros povos. Os primeiros que se instalaram foram os Bosquimanes, grandes caçadores de estrutura pigmoide e tonalidade clara. No inicio do século VI a.C., povos inseridos tecnicamente, povos inseridos tecnologicamente na idade dos metais, fizeram uma das maiores migrações da Historia. Eram bantus e vieram do norte e provavelmente da região da Republica dos Camarões. Estes povos ao chegarem á Angola encontraram os Bosquimanes e outros grupos muito menos desenvolvidos, aos quais impuseram de forma fácil as suas tecnologias nos domínios da metalurgia, cerâmica e agricultura. A instalação dos bantus decorreu durante vários séculos, produzindo diversos grupos que vieram a transformar-se nas etnias existentes nos dias de hoje. A primeira grande unidade politica do território registada pela Historia é o reino do Congo . surgiu no século XIII, estendendo-se até ao Gabão ao norte, rio Kwanza ao sul, o Oceano Atlântico á oeste e o rio Kuango á este. A agricultura era a grande riqueza. O poder estava nas mãos dos mani, aristocratas, que ocupavam os principais lugares do reino, subordinados somente ao “todo - poderoso” Rei do Congo.
  2. 2. 8 2-DISTRIBUIÇAO ÉTNICA Do ponto de vista da sua composição etnolinguística, o povo angolano é integrado maioritariamente pelos seguintes grupos: ovimbundu (língua Umbumdu); Ambundu ou Akwambumdu(língua Kimbundu) ;Lunda Cokwe (língua Cokwe); Nganguela(designação genérica de povos no quadrante sudeste, sendo sendo mais útil identificar os vareos subgrupos); Nhaneca Humbe (ou Nkhumbi), na realidade dois povos diferentes (língua Lunhaneka e Lukumbi); Ovambo (a língua principal em Angola é a Kwanhama, um subgrupo); Helelos ou Herelo ( língua Tjihelelo). Segundo o etnólogo português, José Rendinha, Angola conta com onze dialectos diferentes, sendo que metade da população usa o Umbumdu e Kimbundu. Todos os grupos referidos são bantu. Os Ambundu e Bakongo juntos representam (usado os dados dos censos de 1960 e 1970 como referência) cerca de 75÷ da população. Há uma pequena minoria de povos autóctones da região, não Bantu, com destaque para os Kung (Bosquimanos), caçadores – recolectores descendentes dos mais antigos habitantes desta região austral. Em consequência da colonização, existe também um pequeno número de angolanos de origem europeia. Cada cerca de 3./. da população actual é branca (maioritariamente de origem portuguesa) ou mestiça, população que concentra-se primariamente nas cidades e tem o português por língua materna. De referir, ainda, a existência de um número considerável de falantes das línguas francesas e lingala, explicada pelas migrações relacionadas como período da luta de libertação e pelas afinidades com as vizinhas República do Congo e República Democrática de Congo. 3- CULTURA MATERIAL E ESPIRITUAL Angola com as suas noventa Etnias, oferece ao mundo uma produção artística vasta, bela, que dá a conhecer parte dos seus rituais e a sua cosmovisao: as cerimonias de celebração da nova colheita,a vida e a morte,a temporada de caça; a transformação da criança em adulto. Os vestígios encontrados nas regiões das Lundas,Congo e no deserto do Namibe, se sabe que nesta terra houve habitantes desde a pré-história. Foi neste período que surgiram as artes plásticas em Angola: As covas de Tchitundo- Hulo e a pedrado hchizo no deserto do Namibe e na província do Zaire, ao sul e ao norte de Angola respectivamente, são alguns dos testemunhos da cultura material e espiritual existente ao longo do litoral do país. Os colonizadores trouxeram consigo a religião e difundiram-na através da pintura, escultura e arquitetura. Foi assim que as imagens bíblicas apreceram gravadas nos elementos decorativos das igrejas, forjando séculos, mais tarde, uma plástica produto da fusão de uma tradição milenária, de origem bantu e ocidental.
  3. 3. 9 Graças a vastidão dos recursos naturais o angolano realizou verdadeiras obras de arte em madeira, bronze, marfim, e cerâmica; nelas retratavam características próprias de cada grupo etnolinguístico. Uma das mais importantes significativas, é o pensador Tchokwe, isto pela harmonia e simetria das suas linhas. A estatueta designada “ O pensador” é uma das mais belas esculturas de origem Tchokwe, constituindo hoje o referencial da cultura inerente a todos os angolanos, visto trata-se do símbolo da cultura nacional. Olhando para esta Escultura, misturam- se os sentimentos mais diversos e tentar exprimir a emoção que ela provoca, a estética que lhe é intrínseca, sugere interrogar como admira-la. Ela representa a figura de um ancião que pode ser uma mulher ou um homem. Concebida simetricamente, face ligeiramente inclinada para baixo dimana um subjectivismo intencional. Em Angola, os idosos ocupam um estatuto privilegiado. Eles representam sabedoria, a experiência de longos anos, os conhecimentos do segredo da vida. A figura que se apresenta a seguir logo á primeira vista lembra pensador, mas, tem a ver com a figura dos mortos na sepultura. KALAMBA KA ÊTCO – Figura estilizada designada por lemba, katchakulu e kuku wa Lunda( ascendente masculino). Figura antropomórfica sentada em posição típica de sepultura(mãos segurando a cabeça e cotovelos apoiados nos joelhos); antepassado paterno ou materno que personifica o culto ancestral. Quando este espírito provoca doenças exige-se um ritual adequado para se conseguir na cura. Não pode faltar a cerveja de palmeira e o rufar de tambores. É bom presságio aparecer com lukano (pulseira) e outros símbolos de realeza. É usado como amuleto e lembra ao consulente que deve respeitar os parentes falecidos e as tradições.” “KÁTWAMBIMBI - Figura que representa o estado de lamentação (carpideira). O seu aparecimento vaticina infortúnio se junto dela não surgir outra peça que amenize esse prognostico. Personagem figurada com as mãos á cabeça, está relacionada com feitiços mbimbi, pelo que o adivinho previne o cliente contra injúrias, aconselhando o uso de amuletos para a defesa principalmente das crianças
  4. 4. 10 4-A ORGANIZAÇAO SOCIAL, POLITICA E ECONOMICA. Vamos tratar especificamente do Grupo Etnolinguistico Ovimbundo A Organizaçao Social È importante considerar os contextos sociais envolventes, pois configuram, por um lado, o modo como ao actores percepcionam e agem sobre a realidade e, por outro, como tendo em conta as experiências anteriores vividas, conseguem combinar antigas e novas características de tempos e contextos sociais distintos. As povoações6 são formadaspor grupos domésticos patrilineares e patrilocais, constituídos por homens da mesma linhagem7, pertecentes a gerações diferentes. Cada um desses grupos è chamado de Osongo (núcleo familiar8), em representação da Epata9 nessa localidade, o conjunto destes constitui o Ymbo liderado por um sekulo com estatuto Soma. Ilustraçao 1_Esquema representando o conjunto de Olosongo 10 que constitui o espaço do Ymbo. Fonte: Adaptação da autora de acordo com informações prestadas por Tuca Manuel 11. A sua estrutura e o seu processo de diferenciação social caracterizam_se pelo predomínio de relações de parentesco e pelos atributos “naturais”, tais como sexo, a idade, a força física, etc.Cada Osongo (núcleo familiar) é subdividido em núcleos matricentricos composto por cada uma das esposas e seus filhos, liderado pelo sekulo do Osongo (patriarca).Em cada um, os homens estão associados por relações hierarquizadas, segundo gerações e idades. Primeiro as gerações mais velhas, os filhos das mulheres mais velhas, os mais velhos da mesma unidade matricentrica. As Ymbo Osongo 1 Osongo 2 Osongo 3 Osongo 4
  5. 5. 11 mulheres, estão hierarquizadas em relação a hierarquização dos homens seus maridos.As co-esposas estão hierarquizadas pela sucessão de gerações e idades relativamente a primeira esposa.As esposas pertencem em geral a varias linhagens (epata ), mais todas elas estão ligadas por uma dinâmica de laços de residência pelo costume dos sobrinhos residirem em casa dos tios maternos. O grupo domestico aparece assim na horizontal como um conjunto de duas metades sexualmente distintas –homens e mulheres (esposas e filhas )-e na vertical, como um grupo estratificado por gerações de idades. Hierarquia dos homens sobre as mulheres, dos mais velhos e mais velhas sobre os mais novos e mais novas.Esta diferenciação e hierarquização garantem a complementariedade sexual e etária, assim como a realização colectiva da produção/reprodução económica e biológica Organizaçao Politica Uma breve analise da vida do Osongo concluiu-se que este constitui a mais pequena unidade económico-social, que se encaixa em unidades sucessivamente mais vastas através da dinamicado parentesco.Deste modo, os membros de um Osongo apresentam-se como membros de uma rede comunitária, como se apresenta na ilustração que se segue: Ilustraçao 2-O modo como se organiza a rede comunitária.

×