8ª classe

20.718 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.718
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
93
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

8ª classe

  1. 1. 1 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB INTRODUÇAO NOÇÃO DE HISTÓRIA — Tudo que, no passado, os homens Fizeram, ou lhes aconteceu, é história. Ora nós desejamos conhecer essa história. Mas esse desejo levanta dois problemas: 1º — Poderemos conhecer tudo aquilo que os homens fizeram ou lhes aconteceu, desde que existem homens? 2.° — A supor que o poderíamos, como ter tempo e memória para fixar os milhões de milhões de factos que se deram no passado? Pois bem: não podemos conhecer toda a história dos homens. Podemos conhecer muitos factos — umas vezes de menos, outras vezes de mais... Em qualquer caso, fazemos sempre uma escolha dos acontecimentos que conseguimos averiguar, pois nem todos nos interessam, Com esses que escolhemos (e, porventura, com os que nos faltam mas procuramos inferir* dos conhecidos) reconstituímos a vida dos homens de outrora, nas suas linhas gerais, nos seus aspectos importantes. É como se, tendo encontrado pedras dum edifício antigo. Reconstruíssemos esse edifício, procurando, com o nosso raciocínio, acertar as pedras, colocá-las no lugar que teriam tido, e, onde fiquem paredes por acabar, preencher esses vazios com pedras novas, que sejam o mais possível idênticas às originais ou como presumimos* que elas foram. É assim que fazem os historiadores — só que, em vez de apresentarem, no fim, uma casa, apresentam um relato escrito, uma espécie de conto ou romance, não inventado, mas o mais próximo que consigam da realidade, como ela terá sido ou julgam que terá sido. A este relato também chamamos História. É uma pena que a mesma palavra «história» tenha, em Português, de servir para aqueles dois sentidos: o que aconteceu, e o relato daquilo que aconteceu ou se presume ter acontecido. É certo que existe o termo «historiografia» para o segundo significado. Mas mal se usa — e quando se usa, não é exactamente no sentido indicado. Por isso, aqui resolvemos escrever ‗história» (com o «h» inicial minúsculo) no primeiro significado, e «História» com maiúscula inicial no segundo. Como os alunos não são historiadores, não vão reconstituir o edifício; limitam-se a vê-lo, a estudá-lo já reconstruído — isto é, a aprender o que sucedeu no passado, estudando a reconstituição que, desse passado, relatam os historiadores. Vão pois aprender História. OS FACTOS HISTORICOS — Acaba de dizer-se que o historiador faz uma escolha nos factos do passado que consegue conhecer, pois nem todos lhe interessam. Na realidade, fixar tudo que aconteceu seria não só impossível como inútil, Tão impossível e tão inútil como ler e decorar todos os jornais e livros, ou mesmo só as listas dos telefones... O que precisamos conhecer é, unicamente (e já não é pouco!), os acontecimentos importantes, a ligação de uns com os outros, as suas causas e consequências, de modo a chegarmos a um relato encadeado, organizado, compreensível — e não a um amontoado sem ordem, desconexo e incompreensível. Mas quais serão, então, os acontecimentos importantes? Aqueles que profundamente modificaram a vida dos homens em geral (não a de um ou outro homem) — modificaram o seu comportamento, o seu modo de pensar e de viver, a sua maneira de estar no mundo. «Com o termo história designam—se ao mesmo tempo duas coisas realmente distintas. a) A realidade do acontecimento histórico, objecto da história científica, e b) Aquela ciência cujo objecto é a história real. Os alemães chamaram à primeira Geschichte, e à segunda Historie» ( ANTONIO MILLAN PUELLE5, «ONTOLOGIA DE LA EXISTENCIA HISTORICA»)
  2. 2. 2 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB DOCUMENTO 2 «Na História, os factos fundamentais relacionam—se com os motivos que lhes deram existência e valorizam-se dentro dessa dependência. Valorizam-se e dessa valorização depende a sua selecção para a exposição histórica — segundo a parte e resultado que têm em cada série de factos, segundo o seu correspondente valor para a colectividade» (ERNST BERNHEIM, .(INTRODUCCIÓN AL ESTUDIO DE LA HISTORIA») DOCUMENTOS 3 «A História ocupa-se dos factos na medida em que não são totalmente passados, mas sim, de algum modo, sobrevivem no presente... Todo o passado que não penetra e não se acumula no presente não é um passado histórico, mas um puro passado (não-histórico).» (ANTONIO MILLAN PUELLE5, »ONTOLOGIA DE LA EXITSENCIA HISTORICA») OS FACTORES DA HSTÓRIA 3 — É inegável que os homens não pensam, não actuam, não vivem hoje como os seus mais primitivos avós, nem como os seus outros avós, já menos afastados do tempo de Cristo, ou do quando Portugal se formou, ou do século XVIII... De umas épocas para as outras houve grandes transformações. Quais foram as causas dessas transformações - isto é, porque se deram elas? Que factos provocaram as transformações? Dito por outras palavras: quais foram os factores* da história? Fundamentalmente dois: os próprios homens e o meio em que vivem, isto é a Terra (a geografia, a natureza). É principalmente o comportamento dos homens (a sua conduta, os seus actos, ou seja, aquilo que fazem) que molda ou altera a sua maneira de viver. Ora o que os homens fazem depende do que sentem, do que sabem, do que pensam e do que crêem. Daí que sejam factores da história: aquilo que os homens pensam (a sua filosofia e a sua ideologia, quer dizer as suas ideias sobre a vida e o mundo, sobre si próprios e sobre o meio em que se situam, sobre a sociedade e o seu governo), aquilo que eles sabem (a sua ciência e a sua técnica, ou seja, os seus conhecimentos da natureza e da maneira de pô-la ao seu serviço), aquilo que eles crêem (a sua religião), aquilo que eles sentem (manifestado na sua arte). Mas os homens vivem, e decerto sempre viveram, em sociedade, isto é, agrupados, associados. As formas variadas e variáveis de associar-se (na família, no clã, na tribo, na aldeia, na cidade, na nação, nas classes, nas profissões, etc.) constituem outro factor histórico: o factor social; assim também as formas de governo desses seus grupos constituem outro factor: o factor político. Para que os homens vivam, porém, é necessário que recebam constantemente da natureza os elementos da vida: o solo em que estejam e se movam, o ar que respirem, os alimentos que consumam... Ora o solo existia já antes de cada homem nascer, e o ar é-lhe dado gratuitamente. Mas os alimentos, esses, têm os homens de obtê-los da Terra com o seu esforço - o seu trabalho. Chamamos produção ao resultado desse trabalho, dessa relação entre os homens e a Terra, que toma as formas mais diferentes. Pode consistir em arrancar raízes e apanhar frutos silvestres (recolecção); em semear e colher (agricultura); em transformar o linho, os troncos das árvores, a lã dos carneiros, os metais do subsolo, etc., em vestuario, casas, mobiliário e instrumentos (indústria); em adquirir esses produtos aos seus produtores e transmiti-los aos consumidores (comércio), ou em prestar outros serviços (ensinar, curar, defender, etc.) aos que deles necessitam. Damos o nome de economia ao conjunto dessas actividades (trabalho) de produção, distribuição e consumo de alimentos, coisas e serviços. A economia é, pois, outro factor da história — e até um dos mais importantes e mesmo, para alguns historiadores, o mais importante. Economia, organização social, regime político, ciência e técnica, filosofia, ideologia, religião, arte-são, portanto, outros tantos factores da história em que podemos decompor o factor
  3. 3. 3 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB fundamental que é o próprio Homem; dito por outras palavras, são vários aspectos do comportamento ou acção dos homens, quer em relação à natureza (à Terra) quer em relação uns aos outros quer cada um em relação a si próprio. Porém, na base desses comportamentos está sempre a Terra. É nela que o Homem vive e é dela que vive. Ela é o seu meio, o seu ambiente. Simplesmente, a Terra não é uma coisa uniforme, imóvel e inalterável — sempre a mesma no espaço e no tempo. Ao contrário, a Terra é imensamente diversificada: aqui plana, ali montanhosa; aqui sólida, ali líquida; aqui muito quente, ali temperada ou muito fria; aqui desértica, ali rica de vegetação... E imensamente mudável: nas 24 horas da sua rotação, há a noite e o dia; ao longo do ano, sucedem-se as estações, com suas alterações de clima; no decurso dos séculos, surgem e desaparecem relevos e oceanos, florestas e desertos, glaciações (invasões dos gelos polares) e interglaciacões (recuo dos gelos para os pó- los)... Todos esses diversos estados e mudanças afectam, mais ou menos, fortemente a vida dos homens — a sua saúde, a sua alimentação, o seu trabalho, os seus conhecimentos e ideias, os modos de se associarem e governarem... O factor geográfico é, assim, também um factor da história — e um factor básico. Não, porém, que o Homem sofra passivamente os efeitos da natureza: as relações entre ele e a Terra não se fazem num sentido único — da natureza para os homens. Antes são recíprocas, pois, por sua vez, os homens transformam o seu meio — a Terra. Eles destroem as florestas para agricultar os solos ou cultivam numa região plantas que trouxeram de outra afastada — e essas mudanças muitas vezes alteram o clima; pela irrigação, transformam desertos em verdes prados; pela exploração excessiva, tornam desérticos terrenos que eram férteis; abrem o subsolo para extrair minérios; extinguem espécies animais por demasia de caça ou pesca, domesticam e criam outros... Afinal, é essa relação dialéctica* entre o Homem e a Terra, ou dos homens entre si em função da Terra, que constitui a história — e é dela que se ocupa a História. Por isso, o historiador precisa não só de relatar os acontecimentos do passado mas também de destrinçar os seus factores, que entre si os relacionam. O TEMPO COMO DIMENSÃO DA HISTÓRIA - Do exposto resulta que uma das dimensões da história é o espaço — neste caso a Terra, onde os homens vivem e a sua vida se modifica. Nisso os fenómenos históricos não se afastam dos fenómenos físicos, os quais se passam também num espaço. Mas a história tem ainda uma outra dimensão que é mais propriamente sua: o tempo. Os acontecimentos históricos sucedem-se cronologicamente (uns depois dos outros) — como um filme que vai passando. Só no tempo os fenómenos históricos se podem compreender; se os isolássemos do tempo, eles deixariam de ser históricos. Ora esse tempo não é um tempo qualquer — é o tempo histórico. Que quer isto significar? Que a mera datação de um acontecimento (o tempo breve desse acontecimento) não constitui história. O acontecimento só adquire caracter histórico quando o situamos naquilo a que F. Braudel chamou a «longa duração», isto é, quando o relacionarmos com os seus factores, que o precederam, com os outros acontecimentos, que o acompanharam, e com as suas consequências, que o seguiram, num vasto quadro. Para tal situação no tempo, é indispensável que o tempo se meça. E para medir o tempo tem de estabelecer-se um sistema* — como para medir o espaço foi preciso criar sistemas (o sistema métrico decimal, por exemplo). Nem sempre os homens souberam medir o tempo. Só depois de terem descoberto a agricultura sentiram a necessidade dessa medição (para os trabalhos agrícolas, que se efectuam em estações do ano diferentes umas das outras, mas iguais de uns para outros anos). Para a criação dum sistema de medir o tempo — isto é, para a criação do calendário — recorreram à observação dos movimentos regulares dos astros: da Lua e do Sol. Assim puderam
  4. 4. 4 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB estabelecer o dia (tempo de uma revolução completa da Terra em volta do seu eixo), o ano (tempo que leva a Terra a completar a sua translação à roda do Sol), a semana e o mês (tempo, respectivamente, de cada fase da Lua e do total das suas quatro fases). DOCUMENTO 4 «A História é o mais perigoso produto elaborado pela química do intelecto… Faz sonhar, embriaga os povos ... condu-los ao delírio das grandezas e ao da perseguição, e torna as nações amargas, soberbas, insuportáveis e vãs [...].» (PAUL VALÉRY, ‘REGARDS SUR LE MONDE ACTUEL) DOCUMENTO 5 «A erudição sem vida, o saber como inibitório da acção, a História como luxo [...] têm de ser-nos odiosas [… ]. Precisamos da História; mas precisamos dela ... para a vida e para a acção, e não para cómodo afastamento da vida e da acção ...» (FREDERICO NETZSCF, ‘DA UTILIDADE E INCONVENIENTES DA HISTÓRIA PARA A VIDA.) DOCUMENTO 6 «A maior parte dos erros de previsão ... vem duma insuficiência do esforço necessário para situar o acontecimento no tempo[… ] A regra de ouro do espírito prospectivo* é colocar o acontecimento não somente no passado recente mas no longo termo, isto é, pelo menos no século e até no milénio. É sempre da Humanidade que se trata. E a Humanidade é milenária.» (JEAN FOURASTIE, ‘>LES 40.000 HEURES.’) Foi um grande avanço — suficiente para os trabalhos agrícolas. Mas outras necessidades impuseram, além do calendário, a datação. Isto é, ordenar no tempo, uns a seguir aos outros, acontecimentos que se sucediam mas não se repetiam ou se repetiam irregularmente. Isso exigia fixar um momento a partir do qual se contasse o tempo. Cada povo, em cada época, escolheu essa data inicial, essa data zero, nem sempre a mesma. Por exemplo, os Romenos antigos contavam os anos a partir da fundação tradicional» da cidade de Roma (que corresponde, na nossa datação actual, ao ano de 758 antes do nascimento de Cristo. Os Árabes contavam — e contam a partir Hégira, isto é, da data em que seu profeta Maomé se estabeleceu na cidade da Medina (que corresponde ao ano de 622 da nessa era»). Os cristãos fizeram começar a era no ano do nascimento de Cristo. É essa a datação hoje usada em quase todo o mundo. Assim, o ano de 1977 significa que desde o nascimento de Cristo até este ano decorreram 1976 anos completos e naquela altura estava decorrendo o 1977° (milésimo novecentésimo septuagésimo sétimo). Mas quando Jesus Cristo nasceu já havia milhares (mesmo mais de um milhão) de anos da história humana! Então como contar esses anos antes de Cristo? COMO CLASSIFICAR O SÉCULO OU COMO ACHAR UM SÉCULO? - Década é igual a dez (10) anos = vão desde 0 a 9 anos - Século é igual a cem (100) anos = vão desde 0 a 99 anos - Milénio é igual a mil (1000) anos = vão desde 0 a 999 anos De 0 á 99 corresponde ao século I Do ano 100 á 199 corresponde ao século II
  5. 5. 5 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB Pois contam-se do mesmo modo, mas do nascimento de Cristo para trás -- às arrecuas... DOCUMENTO 7 No evoluir incessante que é a nossa vida, tudo se nos apresenta sob o aspecto do sucessivo, a tal ponto que, mesmo instintivamente, somos levados a procurar na sua sucessão a explicação dos factos de que somos testemunhas… Temos necessidade de pensar na continuidade, porque é na continuidade que vivemos. Acusa-se a História de inimiga do progresso. Ao contrário, ela ensina a marcha constante para a frente, a progressão perpétua.» (LOUIS HALPHEN, ..II4TRODUCTlON’À L’HISTOIRE») DOCUMENTO 8. « O ensino da História tende a exercitar os alunos numa forma de pensamento que poucas doutras disciplinas proporcionam que não analítica nem dedutiva, mas indutiva* e sobretudo objectiva*. Os alunos devem aprender a acolher as novas informações com completa objectividade, com espírito, crítico, é não com a credulidade passiva que caracteriza, por exemplo, o leitor médio da imprensa moderna.» (OTTO-ERNST SCHUEDOEK0PT, «O ENSINO DA HISTÓRIA E A REVISÃO DOS MANUAIS DE HISTÓRIA») DOCUMENTO 9 ,‗Mas é claro que a nossa função de professor de História não consiste principalmente em atafulhar de factos o crânio dos nossos alunos. Uma das coisas mais úteis que podemos ensinar- lhes é a pensar — a pensar duma maneira que se poderá chamar histórica, a adquirir o hábito de examinar cada problema à luz das suas origens históricas, a procurar porque são as coisas aquilo que são, ‗pois a solução dum problema se encontra muitas vezes facilitada pelo conhecimento da sua evo1ução*, (E. H. DANCE, «ALGUMAS SUGESTÕES, DESTINADAS AOS PROFESSORES DE HISTÓRIA RESPEITANTES A NOVAS CONCEPÇÕES E NOVOS MÉTODOS.’). Assim, se um acontecimento se deu 1270 anos antes do nascimento de Jesus, escreve-se: 1270 a. C. A.C. é a abreviatura de «Antes de Cristo». E, como pode haver confusão, também para os anos da nossa era se usa uma abreviatura: d. C. (depois de Cristo). Por exemplo, 212 d. C. O que sucede com os anos sucede, é claro, com os séculos (centenas de anos) e com os milénios (milhares de anos). O ano de 1270 a. C., acima dado como exemplo, pertence ao 2.° milénio a, C., ou, se quisermos contar em séculos, ao XIII século a. C. E o ano 212 d. C. pertence ao século III d. C. e ao 1º milénio d. C. Se pretendermos indicar o milénio (sem o ano nem século) mas precisar que se trata do começo, do meio ou do fim do milénio, diremos: Para o ano 1270 a. C. final do 2º milénio a. C.; e para o ano 212 d. C.; início (ou começo) do 1º milénio d. C. UTILIDADE DA HISTORIA 5 - Para que serve o estudo da História? A esse respeito, variam muito as opiniões: há quem o considere inútil e até quem o considere nefasto. Mas a grande maioria das pessoas considera-o útil. Muitas têm sido as utilidades encontradas à História — várias delas inaceitáveis, algumas absurdas ou ridículas, outras verdadeiras mas de pouco valor e, finalmente, as que podemos considerar fundamentais e decisivas.
  6. 6. 6 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB Destas vamos apontar, apenas, as duas que se afiguram mais importantes: 1ª- O conhecimento da História é necessário para compreendermos bem o presente, isto é, a vida actual, e para podermos prever o futuro, previsão esta indispensável para orientarmos a nossa vida e para planearmos a sua melhoria. 2ª- Os homens são animais racionais*, o que constitui a sua grande superioridade sobre todos os outros. E é essa sua faculdade de raciocinar* que lhe tem permitido sobreviver* e progredir. Mas há várias formas ou tipos de raciocínio*: analógico*, dedutivo (o próprio das matemáticas, por exemplo), indutivo (mais utilizado nas ciências experimentais, como a Física), etc. Ora um dos tipos de raciocínio é o histórico. Quer dizer, a História (a reconstituição do passado histórico) serve-se de um certo método* de pensamento especial. Enquanto as outras formas de raciocínio se adquirem estudando outras ciências, é estudando a História que se pode assimilar e adquirir o hábito de usar o método histórico, o que constitui um enriquecimento mental, que torna as pessoas mais aptas a resolver os problemas que a vida e o mundo põem a todos nós. DEFINIÇÃO DE HISTÓRIA 6 — Depois de tudo o exposto, já poderemos compreender a definição de História tal como foi formulada pelo Prof. Vitorino Magalhães Godinho: «A História é a maneira de bem pôr os problemas de hoje graças a uma indagação científica do passado virada para a preparação dos tempos vindouros.» A EXPANSAO EUROPEIA E O COMERCIO Á ESCALA MUNDIAL No século XV o desenvolvimento da economia exigia a procura do ouro e de outros produtos, por vezes a grandes distancias. A Europa voltava a sentir a necessidade da expansão. Será em Portugal que esse desejo expansionista, comum a outros países encontrara os meios adequados a sua realização. A prática da navegação foi introduzida em Portugal pelos Mouros, e depois patrocinada pelo infante Dom Henrique no século XVI. Usada na prática da exploração, na época das Grandes Navegações, Portugal já tinha prática e conhecimentos pelos seus 100 anos de experiência antecedentes, quando começou a usa a Caravela, Astrolábio e a Bússola. Portugal vai ser, assim o país pioneiro nas viagens de descobertas que, desde o inicio do século XV, alargaram os horizontes do mundo conhecido pela Europa. MOTIVAÇOES DA EXPANSAO EUROPEIA A grave crise do século XIV, simultaneamente económica, social, moral e política, concretamente, pestes, fomes, guerras e ainda uma crise dinástica de sucessão que colocou o paÍs numa situação difícil que só a força das armas conseguiu ultrapassar; foi o motor que impeliu a Europa para a expansão marítima. Para além da falta da mão-de-obra, a Europa sentia a escassez de matérias-primas, mercadorias, metais preciosas. A oposição dos mercadores muçulmanos ao comércio cristão no mediterrâneo dificultava a aquisição de muitos produtos orientais (especiarias, sedas, porcelanas) e a obtenção de ouro do continente africano. O reino de Granada controlava o tráfego do estreito de Gibraltar criando dificuldades á navegação cristã e a pirataria mourisca, em constantes incursões, constituía uma ameaça aos países ibéricos. Para vencer esses obstáculos a Europa só tinha uma saída: a expansão marítima para o atlântico. Foi com este espírito comercial e, ao mesmo tempo, de cruzada que se iniciou a expansão um conjunto de condições favoráveis em relação aos restantes países da Europa. Portugal foi aprendendo com os marinheiros experimentado do mediterrâneo, aperfeiçoou as técnicas de navegação através da utilização da bússola e do astrolábio, bem como da elaboração de cartas de marear e ainda do uso da vela latina ou triangular. A construção naval também
  7. 7. 7 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB sofreu melhoramento. Para ensinarem aos portugueses a arte de navegar, foram chamados muitos estrangeiros, principalmente árabes e judeus, homens de sabedoria e larga experiencia na navegação astronómica. Os marinheiros portugueses utilizavam com mestria vários instrumentos náuticos recebidos dos outros povos, alguns dos instrumentos permitiam a orientação através dos astros, levando ao desenvolvimento da navegação astronómica. FACTORES E CONDIÇOES QUE CONTRIBUIRAM PARA A EXPANSAO MARITIMA EUROPEIA a) FACTORES ECONOMICOS • O monopólio comercial árabe - italiano no comércio com o oriente. Os produtos do oriente chegavam a Europa com preços demasiados altos, o que não permitiam grandes lucros aos mercadores europeus devido a sua passagem pelos vários intermediários: Do oriente chegavam á Europa seda, tapetes, jóias, açúcar, plantas medicinais, especiarias como a pimenta, canela, cravinho, noz-moscada, etc… esses produtos eram adquiridos pelos árabes nos portos da China, da Índia e da Pérsia. Obtidos os carregamentos nessas paragens, retornavam pelo indico e subiam as costas do mar vermelho, chegados ao canal de Suez vendiam ao Egipto e seguiam ainda para Constantinopla em caravanas de camelos. • Necessidade do ouro para o desenvolvimento da actividade mercantil. O ouro era cada vez mais necessário para a actividade comercial pelo que era imprescindível a sua busca. • Procura de novas rotas para o comércio com o Oriente. O facto de a rota do Mediterrâneo e do Indico estar sob controlo dos árabes fez com que fosse necessário procurar novas rotas para se chegar ao Oriente. b) FACTORES TECNICOS - CIENTIFICOS • O desenvolvimento da técnica e da ciência. O desenvolvimento da ciência e da técnica possibilitou o inicio da expansão marítima no final do século XV • A imprensa. • Os instrumentos náuticos: bússola, astrolábio e caravelas. • As armas de fogo 1- SITUAÇAO GEOGRAFICA E ACTIVIDADES ECONOMICAS No século XV, o desejo de todos os europeus de procura de ouro e de produtos vai-se concretizar em Portugal. Portugal fica situado na faixa litoral do oceano atlântico e tem bons portos: Setúbal e Lisboa. O que obriga os habitantes desta região a mergulharem-se no mar, razão pela qual Portugal e Espanha foram os pioneiros na conquista de outras terras. As suas actividades económicas eram de pesca, a navegação e o comércio. Os portugueses são um povo navegador que foi ganhando experiências na arte de navegar com ajuda dos seus reis na construção naval e na aquisição de conhecimentos dos seus marinheiros. SITUAÇAO POLITICA E SOCIAL No inicio do século XV, em Portugal a paz era um facto, mas a actividade comercial estava a decair ou enfraquecer. Os vários grupos sociais desejavam melhorar as suas condições económicas. - A burguesia queria novos mercados para obter mais lucros - A nobreza desejava conquistar novas terras e novos cargos (emprego). - O povo esperava melhorar as suas condições de vida ; a estes argumentos associa-se a curiosidade e o desejo de evangelizar o cristianismo.
  8. 8. 8 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB AS GRANDES VIAGENS E AS NOVAS ROTAS A EXPANSAO DE PORTUGAL Portugal e Espanha foram os iniciadores da expansão no século XV e a estabelecerem as principais rotas marítimas que ligavam a Europa á África, América e a Ásia. Em Portugal e Espanha, a burguesia e a monarquia uniram-se para custearem a empresa da expansão. A primeira para desenvolver o comércio e a segunda para fortalecer o seu poder. A estes factores juntam-se a os da posição geográfica favorável destes países e a experiencia de navegação aí existente, recebidos dos marinheiros, geógrafos e astrónomos árabes, judeus e italianos. Ate ao século XIV, os europeus tinham uma noção errada e retrógrada dos continentes. No decorrer do século XV, as viagens sucederam-se transpondo etapas que possibilitaram, no século seguinte o conhecimento dos oceanos e continentes, nova rota atlântica, a esfericidade da Terra , de povos e culturas de outros continentes. isso permitiu um maior desenvolvimento dos europeus usufruir de maior desenvolvimento económico com o alargamento do espaço colonial, o que levou Portugal e Espanha a enveredarem-se em contendas que, mais tarde, se estenderam a outros países europeus, como a Holanda, a França, e a Inglaterra, pois cada um queria formar o seu império colonial; com o alargamento do comércio, a Europa cumulava capitais, pilhando as riquezas dos outros continentes, enquanto outros empobreciam. - O primeiro acto expansionista dos portugueses foi a tomada de Ceuta, em 1415, aos Mouros, no norte de África. A conquista da região Muçulmana de Ceuta – Marrocos, incentivou os portugueses ao reconhecimento da costa africana para lá do Cabo Bojador, com o propósito de chegarem ao pais de ouro, na costa ocidental de África. Pois era ―Tida como a chave de todo mediterrâneo‖Abrindo para o Reino de Portugal as portas ao domínio do comércio que aquele porto exercia. A vila rapidamente cresceu como pólo da mais elevada tecnologia da época para a navegação e cartografia com um arsenal naval, observatório, e uma escola para estudo da geografia e navegação. os portugueses prosseguiram com a exploração da costa africana, tendo atingido as Ilhas de Madeira por João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, em 1425, posteriormente colonizadas. - Em 1427, outros navegadores descobriram as primeiras ilhas dos Açores (possivelmente Gonçalo Velho). Também estas ilhas desabitadas foram depois colonizadas pelos portugueses. - Seguindo viagem para o sul do Cabo Bojador, os portugueses chegaram ao tão desejado Rio do Ouro , na actual Republica do Sahara, em 1436, onde mais tarde os portugueses capturaram, pela primeira vez, escravos africanos, inaugurando, desta forma, o comercio de escravos que iria perdurar até ao século XIX. Entre os anos 1469 – 1474, no século XV começava a exploração do Golfo da Guiné , os portugueses, com o desejo de encontrar a índia, chegaram á costa do Golfo da Guiné, que tinha extrema importância para os portugueses, pois o controlo destas significava, a partir daí, desenvolver o comércio de escravos, de ouro, do marfim e a malagueta. Como forma de prevenir ataques de concorrência entre europeus, uma das primeiras medidas tomadas por D. João II rei de Portugal, foi a de mandar construir na mina (actual Gana), o forte de São Jorge da mina, em 1482, que se tornou no principal centro de tráfico de escravos e de ouro. Mina foi o porto mais próspero da África ocidental, enquanto não se chegou a India, se retirava 400 quilos de ouro para a Europa. - Na sequência da viagens de exploração marítima portuguesas, em 1482, o navegador português Diogo Cão, chega a foz do rio Zaire ou Kongo e coloca o seu primeiro padrão de São Jorge, e Bartolomeu Dias chega ao Cabo de Boa esperança, em 1487.
  9. 9. 9 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB Com essas em torno da costa ocidental africana, os portugueses ganhavam cada vez mais certeza de que a India poderia ser alcançada por mar. - No mês de Julho de 1498 , Vasco da Gama conduzido por um piloto árabe, Ibn Madjid de Melinde que atravessando a costa oriental de África, chega a Calecut, cidade da Índia, descobrindo desta forma o caminho para a Índia. É com esta viagem, é que se conheceu grande parte da costa oriental africana, que se abriu para a Europa o desconhecido mundo oriental e o relacionamento dos três continentes: Europa, África e Ásia. Na tentativa de chegar a índia, uma expedição um expedição comandada por um genovês, Cristóvão Colombo, ao serviço de Espanha, chega as ilhas de Cuba e Haiti, na América, em 1492. Durante o século XVI realizaram-se outras expedições: A 22 de Abril de 1500 Pedro Alves Cabral chegava ao Brasil. - entre 1519-1522, realiza-se a viagem de circum-navegação, comandada por Fernão de Magalhães e Sebastião Elcano, pela primeira vez, o homem andava á volta do mundo dando provas da esfericidade do globo terrestre. A nova rota atlântica possibilitou, aos países ibéricos, o conhecimento de varias regiões. Como o interesse primordial da expansão era o alargamento do mercado e o desenvolvimento da economia europeia, Portugal e Espanha, disputavam entre si diversas regiões. Primeiro foi a disputa das Canárias e, depois, e depois a viagem de Cristóvão Colombo á América. A contenda reacendeu tendo culminado com um novo acordo - o Tratado de Tordesilhas – que estipulava a divisão do mundo em dois hemisférios, cabendo a Espanha o hemisfério ocidental e a Portugal o hemisfério oriental. A partir dos séculos XVII e XVIII, o domínio europeu sobre os outros continentes vai continuar a alargar-se , sendo também disputado por outras potencias. Portugal e Espanha eram o centro que comandava a economia mundial, mas este centro desloca primeiro para a Holanda e depois para a emergência de novos impérios coloniais. OUTRAS EXPEDIÇOES O Cabo Branco foi atingido em 1441 por Nuno Tristão e Antão Gonçalves. A Baía de Arguim em 1443, com consequente construção de um forte em 1448. Dinis Dias chega ao Rio Senegal e dobra o Cabo Verde em 1444. A Guiné é visitada. Assim, os limites a sul do grande deserto do Sara são ultrapassados. A partir daí, D. Henrique cumpre um dos seus objectivos: desviar as rotas do comércio do Sara e aceder às riquezas na África Meridional. Em 1452 a chegada de ouro era em suficiente quantidade para que se cunhassem os primeiros cruzados de ouro. Entre 1444 e 1446 cerca de quarenta embarcações saíram de Lagos. Na década de 1450 descobriu-se o arquipélago de Cabo Verde. - Em 1460 a costa estava já explorada até ao que é hoje a Serra Leoa. - Em 1434 Gil Eanes, navegador português dobra o cabo Bojador - Em 1441 os portugueses ultrapassam o cabo Branco, onde adquiriam escravos e ouro em troca de alguns produtos europeus. - Em 1460 os portugueses chegam a Serra Leoa. - Em 1460, o Cabo da Boa Esperança foi dobrado, e Vasco da Gama chega à Índia, em 1498, pouco antes de Pedro Álvares Cabral descobrir o Brasil. Cristóvão Colombo foi um dos alunos da Escola de Sagres, e na década de 1470 navegou pelos territórios portugueses na Madeira (residiu em Porto Santo) e na costa africana.
  10. 10. 10 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB - Em 1488 Bartolomeu Dias, passou o extremo sul de África, confirmando a passagem do atlântico para o indico, chamando põe isso« Cabo de Boa Esperança» e torna comunicáveis os oceanos Atlântico e Indico. A EXPANSAO DA ESPANHA Depois da descoberta das Américas por Cristóvão Colombo, os espanhóis começaram a sua expansão. Porem só a partir de 1519 começaram a exploração do continente Americano. - Em 1522 Fernão de Magalhães (português ao serviço do rei da Espanha) passando do oceano Atlântico para o oceano Pacifico, estabelecia a primeira viagem de circum-navegação. Magalhães virá a ser morto em combate nas filipinas e foi piloto espanhol Sebastião Elcano que completou a viagem de circum-navegação. Dos 265 homens que compunham a tripulação inicial só 18 voltaram a Espanha. OBS: A conquista das Américas pela Espanha foi muito terrível para os habitantes , pois já existiam civilizações ameríndias extremamente desenvolvidas como: Maias, Incas e Astecas. O Cabo Branco foi atingido em 1441 por Nuno Tristão e Antão Gonçalves. A Baía de Arguim em 1443, com consequente construção de um forte em 1448. Dinis Dias chega ao Rio Senegal e dobra o Cabo Verde em 1444. A Guiné é visitada. Assim, os limites a sul do grande deserto do Sara são ultrapassados. A partir daí, D. Henrique cumpre um dos seus objectivos: desviar as rotas do comércio do Sara e aceder às riquezas na África Meridional. Em 1452 a chegada de ouro era em suficiente quantidade para que se cunhassem os primeiros cruzados de ouro. Entre 1444 e 1446 cerca de quarenta embarcações saíram de Lagos. Na década de 1450 descobriu-se o arquipélago de Cabo Verde. Em 1460 a costa estava já explorada até ao que é hoje a Serra Leoa. EMERGÊNCIA DE NOVOS IMPÉRIOS COLONIAIS EUROPEUS (HOLANDA, INGLES E FRANCES) Guerra dos Sete Anos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Guerra dos Sete Anos foi o primeiro conflito a ter carácter mundial, e o seu resultado é muitas vezes apontado como o ponto fulcral que deu origem à inauguração da era moderna. Ao longo dos sete anos que vão de 1756 e 1763, as grandes potências europeias levam a guerra às suas possessões em todo o mundo. Na Europa, a Inglaterra e a Prússia confrontam-se com as três grandes potências continentais do tempo, França, Áustria e Rússia, e a guerra termina com vantagem para a Prússia, que mantém o controlo sobre a Silésia e se afirma como concorrente da Áustria na liderança dos estados alemães, e a Inglaterra, que consegue vitórias importantes sobre a França, solidificadas no Tratado de Paris, e que lançam as bases do seu futuro império colonial. A Guerra dos sete anos foi precedida por uma reformulação do sistema de alianças entre as principais potências europeias, a chamada Revolução Diplomática de 1756.
  11. 11. 11 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB O Império Inglês A Inglaterra era tradicionalmente um país de intensa actividade marítima graças à sua localização geográfica. No entanto, a partir do século XVI, nomeadamente no reinado de Isabel 1 (1558-1603), os Ingleses tentaram estender a sua influência às regiões recém-descobertas, mais precisamente à América e à África, e mais tarde à Índia, disputando o comércio transatlântico com os Portugueses e Espanhóis. A guerra de corso contra os países ibéricos, incentivada no século XVII, foi substituída pela ocupação territorial inglesa. As perseguições religiosas e os conflitos políticos levaram muitas famílias a procurar a liberdade e a paz que não existiam nos seus países na costa atlântica da América do Norte. Foi aí que fundaram as primeiras colónias inglesas: na Virgínia e no Massachusetts. A ocupação e conquista do território americano marcaram o avanço dos Ingleses. Mesmo com o direito exclusivo colonial em vigor (as colónias apenas podiam comercializar com a metrópole), os territórios americanos conseguiram atingir um elevado nível de desenvolvimento. Depois de obterem a sua independência no século XVIII, as treze colónias americanas deram origem aos Estados Unidos da América. Durante a governação de Oliver Cromwell (1653-58), foi publicado o Acto de Navegação (1651), que veio contribuir de forma decisiva para o triunfo do domínio inglês nos mares. Nessa lei estabelecia-se que todas as mercadorias produzidas nas colónias inglesas deveriam ser transportadas para Inglaterra em barcos ingleses e que os barcos estrangeiros apenas podiam transportar para Inglaterra mercadorias produzidas nos respectivos países. Esta lei foi um duro golpe nos interesses dos Holandeses, que se tinham tornado, como sabemos, os principais intermediários do comércio realizado entre o Norte e o Sul da Europa. Além disso, permitiu o desenvolvimento da marinha mercantil inglesa. Por consequência, a Holanda perdeu a sua hegemonia comercial nos mares. Apetrechada com uma poderosa frota no século XVIII, a Inglaterra tornou- -se então a principal potência comercial europeia. A França não tardou também a entrar na concorrência do comércio colonial. No entanto, apesar de ter criado companhias de comércio e estabelecido colónias na América Central e do Norte, bem como no Oriente, acabou por perder quase todas em proveito da Inglaterra. RIVALIDADES EUROPEIAS, CONFERÊNCIA DE BERLIM E A SOLUÇÃO DAS LUTAS PELA OCUPAÇÃO DOS TERRITÓRIOS COLONIAIS Depois do comércio de escravos deixar de ser rentável, o comércio de especiarias e a indústria levaram a que se começasse a desenvolver o sistema económico capitalista. Foi por essa razão que as nações europeias entraram em conflito aquando da procura de matérias-primas, mercados e zonas de exploração, principalmente no século XIX. Nessa altura, a Europa saía da fase do capitalismo de livre concorrência para a fase do capitalismo monopolista, e a procura de novos mercados tornava-se uma necessidade para as potencias europeias, que na sua expansão em África e na Ásia procuravam solução para os problemas económicos. A Europa necessitava também de matérias-primas e a África era a zona mais próxima e disponível para tal. No final do século XIX teve inicio o grande movimento de expansão colonial em África.. O mundo foi Influenciado pelo sistema capitalista industrial recém-nascido em África e a situação agravou-se quando a Alemanha e a Itália concluíram os seus processos de unificação nacional e se lançaram também em busca de posições no continente africano. Os Europeus fixaram-se no interior do continente africano e, mais tarde iniciaram a penetração no interior. A resistência dos povos africanos obrigou os Europeus a recorrerem a força — não obstante, a partilha de África fez-se por via diplomática.
  12. 12. 12 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB Portugal e Inglaterra assinaram em 1884 um tratado sobre oo Kongo, ao qual o bloco franco- belga, a que mais tarde se juntou a Alemanha, reagiu. Para norte do paralelo 8º (território de Ambriz, Soyo e Kabinda), a Inglaterra reconhecia os direitos de Portugal, mas não permitia que se promovesse a ocupação efectiva desses territórios em virtude de reservas e diferenças diplomáticas. Na costa norte e nas duas margens do rio Kongo (Nzadi a Kongo) havia algumas feitorias portuguesas e numerosos estrangeiros. Os Portugueses reivindicavam o direito histórico sobre as duas margens do rio Kongo, mas tal direito foi contestado pela Bélgica, Inglaterra e França. Foi este facto que provocou a convocação da Conferência de Berlim, a pedido de Portugal. Nessa conferência, que se realizou em Berlim entre 15 de Novembro de 1884 e 26 de Fevereiro de 1885 sob os auspícios do chanceler alemão Bismark, foram estabelecidas algumas regras relativas à partilha de África. A ocupação do litoral não bastava para reivindicar as terras do interior: este tinha de ser efectivamente ocupado, com notificação às potências. Sob o pretexto de resolver o problema do Kongo, foram convocadas para essa conferência 15 nações, incluindo os Estados Unidos da América e a Turquia. A África não foi representada. São eles França,Alemanha, grã-bretanha, portugal, Holanda,Áustria, Hungria, Bélgica, Dinamarca, Itália, Suécia, Noruega, Espanha,Turquia, E.U.A. e ainda a associação internacional do Kongo. Nesse fórum foi reconhecido o Estado Livre do kongo, uma criação do rei Leopoldo II da Bélgica a partir do antigo Reino do Kongo, retalhado por Portugueses, Franceses e Belgas. Foram firmadas as normas para a abolição da escravatura e criou-se o conceito de ―ocupação efectiva‖, que exigia dos colonizadores a ―existência de uma autoridade suficiente para fazer respeitar os direitos adquiridos‖, entre outras. Neste caso, foi entregue à administração portuguesa em Angola uma região, com as fronteiras estabelecidas entre os paralelos 5º e 17º25‘ de latitude Sul, incluindo a margem esquerda do majestoso rio Kongo. Quanto à administração belga, para ter acesso ao mar, foram-lhe entregues as regiões de Matadi, Boma, Banana e a margem direita do rio Kongo. Aí começou a corrida à ocupação efectiva de África. Os princípios da repartição colonial de Berlim foram praticamente reconfirmados na Conferência de Bruxelas de 1 889-1890. Podemos recordar que o tratado que veio estabelecer os limites a norte de Angola foi assinado apenas a 25 de Maio de 1891 entre Portugal e o Reino do Kongo, representado pelo Rei D. Pedro V (Kivuzi) (1855—1891). A expansão europeia trouxe grandes alterações ao mundo, pois até ao século XV grandes partes do globo viviam completamente separadas entre si. A expansão europeia veio abrir através dos oceanos uma rede de rotas comerciais que passaram a ligar todas as regiões do mundo, originando no século XV a primeira economia à escala mundial. Esta mundialização da economia fez-se sobretudo em proveito da Europa e contribuiu decisivamente para o seu futuro desenvolvimento. 1.4.3. Consequências económicas da expansão europeia Economia à escala mundial No século XV a maior parte dos países do mundo desenvolviam as suas trocas comerciais em determinados espaços geográficos, nas áreas mais desenvolvidas e mais próximas, em particular na Europa Ocidental, Próximo Oriente e China. No entanto, a rede de rotas comerciais estava bem longe de cobrir todas as partes do mundo.
  13. 13. 13 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB No século XVI, a situação altera-se profundamente com a expansão de Portugal e Espanha. A partir dessa altura, os mercadores da península Ibérica e, mais tarde, de outros países europeus, começaram a instalar-se através da força em quase todas as partes do mundo. TAREFA 1- Quais são as potencias que substituíram Portugal e Espanha no mar? 2- Qual era a politica defendida pelos portugueses e espanhóis no que respeita ao domínio dos mares? 3- O que entendes por mare liberum? 4-Explica o que é o mare clausum 4- Consequências económicas da expansão europeia numa economia à escala mundial? 5- O que provocou as rivalidades entre os europeus? 6- Cita o lugar da conferência e os participantes? A ERA DO TRÁFICO DE ESCRAVOS NEGROS Na 7a classe, estudaste já os principais Estados e as características gerais das sociedades africanas no período que vai do século VII ao século XV, que corresponde à chamada época feudal europeia e, em África, a um período de desenvolvimento económico, político e cultural em nada inferior ao da Europa. Isto aplica-se não só às regiões directamente influenciadas pela civilização islâmica (Norte de África, região sudanesa, costa oriental), mas também às marcadas por uma cultura negro- africana original (África Subsariana, Central e Meridional). Antes do tráfico europeu, já os Árabes traficavam escravos africanos. Estes eram há muito objecto de comércio regular entre o Sara e o oceano Índico, que os colocava em contacto com o exterior. As relações da Arábia com África pelo mar Vermelho e pelo oceano Índico explicam o papel desempenhado pelos Árabes no tráfico negreiro. Este comércio iniciou-se em pequena escala, mas depois conheceu uma grande evolução na altura da expansão árabe na África do Norte. Uma das principais vias do tráfico era a que ligava a costa oriental de África com a Arábia. Os escravos eram uma das mercadorias mais procuradas na Arábia, sendo as outras o marfim, o ouro e a madeira. Uma segunda via do tráfico unia a Arábia ao Corno de África, mais precisamente à Abissínia. A Europa nunca esteve ausente durante as correntes de trocas negreiras anteriores ao tráfico transatlântico. Inicialmente a sua participação foi menor e indirecta, e fez-se por intermédio dos seus vizinhos muçulmanos. Porém, a partir do século XIV, os Europeus, principalmente os da península Ibérica, procuraram a todo o custo abrir vias ou rotas de trocas directas com a África atlântica. A princípio, estas trocas acabaram por se concentrar nos escravos como mercadoria privilegiada, mas os Europeus tornaram-se rapidamente independentes dos Árabes, pelo que o comércio de escravos praticado pelos Europeus veio a conhecer uma amplitude sem precedentes.
  14. 14. 14 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB A escravatura era um estatuto social corrente na Europa medieval. No final da Idade Média, os escravos que se encontravam na Europa eram na maior parte originários dos territórios situados nas margens do mar Negro ou do Cáucaso. Os negros de África constituíam uma excepção. Porém, a introdução destes africanos proveio da iniciativa dos Árabes, e os próprios Europeus não tardaram a utilizar um número cada vez mais crescente de escravos negros. A partir do século XVI, o curso da história africana alterou-se brutalmente, quando a Europa entrou exactamente na mesma época em período de expansão económica e geográfica, passando a interferir na evolução das sociedades africanas de uma forma que se foi acentuando nos séculos seguintes. Com os ―grandes descobrimentos‖ começa uma evolução divergente: civilizações que não sendo semelhantes mas têm um nível de desenvolvimento equivalente vão distanciar-se de tal maneira que os Europeus do século XIX, em plena fase de expansão imperialista, acharão normal e natural apoderar-se gradual e depois totalmente do continente africano. Do século XVI ao século XVIII, a África foi palco de um dos maiores genocídios da história da humanidade: milhões de africanos foram arrancados violentamente das suas terras e do seu meio social ou pereceram para enriquecer uma burguesia mercantil sedenta de ouro, prata e outros produtos preciosos. É este período que se designa por ―Era do Tráfico‖, para África, e ―Período de Acumulação Primitiva de Capitais‖, para a Europa (ver esquema acima). O tráfico de escravos foi o factor essencial da história africana durante este período. Enquanto para os Europeus, especialmente para as suas classes dominantes, o tráfico significou ouro, marfim, especiarias, açúcar, tabaco, enfim, riqueza e desenvolvimento das forças produtivas, para os Africanos o tráfico significou extermínio, expulsão e deslocação, perda dos seus melhores filhos, degradação da economia, bem como atraso no desenvolvimento das forças produtivas. Primeiros contactos Desde tempos remotos, houve contactos entre África e os países do Mediterrâneo através das rotas de caravanas transarianas. As mercadorias do Norte de África, do Próximo Oriente e da Europa (espadas de aço, ferragens, sedas, tecidos e escravos, entre outros produtos) chegavam até à África sudanesa para serem trocados por ouro, marfim, sal, pimenta e escravos. Entre as várias regiões africanas também havia trocas comerciais que permitiam contactos culturais e relações politicas. Os Estados sudaneses (Gana, Mali, Songhai) mantinham ligações com o Egipto; havia contactos entre o Senegal e a Somália; entre o Chade e as cidades do Nilo; das cidades da costa do oceano Índico com os Estados da bacia do Nilo, e do litoral com o interior. Até ao século XV, o comércio entre a África e a Europa efectuava-se através das rotas transarianas e da costa do oceano Índico por intermédio de mercadores árabes, que encaminhavam os produtos para as grandes cidades italianas e ibéricas. No século XV, o tráfico mudou de orientação. O Sara cedeu progressivamente o lugar ao oceano Atlântico, onde os contactos entre africanos e europeus se multiplicaram devido às descobertas
  15. 15. 15 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB científicas e técnicas que permitiram uma navegação mais segura e à grande necessidade que a Europa tinha de ouro e especiarias. Os primeiros europeus que desembarcaram nas costas africanas foram os Portugueses, movidos por interesses lucrativos e de aventuras. No início da expansão, os Europeus limitaram-se à costa ocidental de África, mas a procura do caminho marítimo para a Índia, outra fonte de ouro e especiarias, levou-os à costa oriental africana. O objectivo principal dos Portugueses na costa oriental era o de se apoderarem do mercado árabe. A sua intromissão no oceano Índico foi desastrosa para os Árabes, pois perderam o papel de intermediários entre a Índia, o Extremo Oriente e a Europa. Na costa oriental, os contactos afro-portugueses não tiveram o mesmo carácter que tinham assumido na costa atlântica. Quando ali chegaram, os Portugueses descobriram que as cidades mercantis que estavam em contacto com a Pérsia, a Índia e a China detinham há séculos uma civilização mais sofisticada do que a sua. Assim, a primeira atitude foi destruir, pilhar e queimar Quilôa, Mombaça e outras cidades do litoral Índico, cujo fraco poder defensivo não pôde impedir esta agressão violenta. Os escravos eram obtidos em África através de assaltos aos acampamentos tuaregues ao longo do litoral do Sara e às aldeias negras da região do Senegal. Os primeiros navegadores portugueses trouxeram para Lisboa alguns escravos negros que designaram por ―mouros‖. A compra e venda de escravos negros por parte dos Europeus teve o seu início em 1441, quando os navegadores Antão Gonçalves e Nuno Tristão levaram para Lisboa dez escravos capturados na Costa da Guiné. Em 1444 chegava a Lisboa o primeiro grande carregamento de escravos, num total de 263. À curiosidade inicial seguiram-se rapidamente razões de ordem comercial, pois a partir de 1510 a 1555 um décimo da população de Lisboa era composta por escravos e seus descendentes. Alguns destes escravos eram empregues como mão-de-obra na agricultura, sobretudo no Sul de Portugal (Algarve), na Madeira e nos Açores. No princípio do século XVl, os Portugueses, já solidamente estabelecidos nas ilhas de Cabo Verde e São Tomé, instalaram aí plantações de cana-de-açúcar, tendo capturado escravos para estas culturas nas costas do Senegal, na Costa do Ouro e no Benim. A descoberta da América por Cristóvão Colombo em 1492 marca uma viragem na história da humanidade, em geral, e na história de África, em particular. O tráfico de escravos não só aumentou extraordinariamente como se tornou uma instituição que durante cerca de quatro séculos iria marcar de forma dramática três continentes — a África, a América e a Europa no que foi designado como ―Grande Circuito‖ ou ―Comércio Triangular‖. A exploração da terra na América exigia muita mão-de-obra. Os índios, pouco numerosos e habituados a uma vida nómada, não aguentaram a escravatura: morriam, fugiam ou eram massacrados. Também foram enviados europeus degredados ou servos, mas estes não tinham experiência na agricultura tropical. Então, os grandes proprietários recorreram aos escravos africanos, mais fortes e experientes na agricultura tropical. Foi o início do comércio triangular. A mão-de-obra africana tornava-se cada vez mais necessária à medida que a América era explorada nos seus recursos agrícolas e minerais. As plantações das Antilhas e do continente, sobretudo do Brasil, desenvolviam as culturas do açúcar, do tabaco e do café. A exploração mineira tinha como objectivo a obtenção de ouro e prata necessários à expansão do capitalismo europeu. O capitalismo mercantil europeu foi, pois, marcado desde o início por uma concorrência extraordinária, levando os países participantes a lutas constantes.
  16. 16. 16 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB Como obtinham os portugueses escravos em Angola Durante a primeira metade do século XVII havia três métodos principais para se obter escravos. O primeiro consistia em mandar traficantes comprá-los aos mercados dos povos mais afastados, junto às fronteiras do congo e de Angola. Uma das feiras de escravos mais importantes realizava-se entre o povo Mpumbu, próximo do lago Stanley. Do nome desse povo deriva o dos comerciantes que se deslocavam tanto para o interior, assim como os dos mercados que frequentavam — respectivamente ―pombeiros‖ e―pombos‖ O segundo método consistia em obter escravos através da imposição de tributos aos chefes mpumbu conquistados. Esse tributo tinha que ser pago em jovens adultos conhecidos pelo nome de ―peças da Índia‖. Estas ―peças‖ eram a princípio obtidas livremente pelos soldados ou pelo oficial,.. O terceiro método de adquirir escravos era através de guerras directas. Durante as guerras de alargamento territorial, os comerciantes acompanhavam os exércitos portugueses, comprando cativos aos soldados que a eles tinham direito. O perigo deste sistema era que os comerciantes perdiam a sua mercadoria sempre que o exército português era derrotado... VE SE SABES 1 Por que razão os portugueses ocuparam a costa oriental africana? 2- Qual foi a consequência desta ocupação para os árabes? 3- A descoberta das Américas por Cristóvão Colombo em 1492 marca uma viragem na historia da humanidade, em geral, e na historia de África, em particular. Porquê? 4- Explica o sentido da expressão ―comercio triangular‖ 5- Quais eram os métodos a que recorriam os traficantes negreiros para obterem escravos? O tráfico de escravos negros deu origem a um circuito comercial que se designou por ―comércio triangular‖. Este comércio praticado pela maioria dos países europeus, e depois pelos americanos, com a cumplicidade dos chefes africanos durou até ao século XIX e marcou fortemente a história africana. O COMERCIO TRIANGULAR A descoberta e a exploração das Américas encontra-se na origem deste acto hediondo praticado pelos Europeus. Os navios negreiros partiam dos portos europeus carregados de artigos, geralmente de baixo valor, tais como espelhos, colares e aguardente (misturada com água e sabão, para fazer espuma), entre outros. Chegados à costa africana, os europeus trocavam estes produtos por ouro, peles, goma, marfim e, sobretudo, escravos, que eram transportados para as Américas e vendidos aos colonos. Estes depois forneciam os produtos das suas plantações (açúcar, algodão, café, tabaco) e das minas (ouro, prata e pedras preciosas), que eram levados para a Europa nos mesmos navios negreiros. O comércio triangular dava assim lucros fabulosos com a venda dos produtos europeus em África, escravos nas Américas e produtos americanos na Europa. No início, o transporte era organizado por particulares. Depois, os governos europeus, que até então estavam alheios ao tráfico negreiro, acabaram por aceitar e encorajar esta prática devido aos interesses económicos que representava. Eram seis as regiões principais do tráfico, as quais abrangiam a área que vai de Arguim (Mauritânia) até Angola: • Senegal • Costa do Marfim • Serra Leoa • Costa do Ouro (actual Gana • Costa da Guiné • Costa dos Escravos (Togo, Daomé) Entre o Senegal e a Costa do Ouro também existia tráfico, mas era insignificante em relação à parte oriental do golfo da Guiné e à costa do Kongo e de Angola. O comércio triangular foi inicialmente monopólio dos Portugueses e Espanhóis. Até ao século XVI, encaminhavam os escravos para Cabo Verde, São Tomé, Brasil e ilhas de Cuba e S. Domingos (Haiti). Em 1508, a coroa espanhola promulgou a primeira lei relativa ao transporte de escravos negros para as Américas.
  17. 17. 17 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB Em 1510 foi ordenado o primeiro transporte de escravos para a América. A partir de 1515 os rendimentos da monarquia espanhola provinham sobretudo do tráfico de escravos. O direito de resgatar escravos e dispor deles era uma prerrogativa (direito) real. Foi assim que surgiu o primeiro “asiento‖ em 1518, concedido aos Portugueses pela coroa de Espanha, isto é, o direito de comprar escravos em África e de os vender na América mediante condições especiais e precisas estabelecidas pelo rei de Espanha. Em 1693, a coroa espanhola voltou a renovar o contrato de ―asiento‖ à companhia portuguesa de Cacheu. ESCLARECER • Asiento — era o direito que o governo espanhol concedia a uma nação ou companhia estrangeira privada a fim de abastecer as suas colónias da América de escravos negros. O tráfico português destinava-se principalmente ao Brasil, onde a procura era muito elevada nas plantações açucareiras e continuava a aumentar no sector mineiro. O Estado esforçava-se por fazer um controlo cerrado deste comércio, tanto na partida como na chegada às Américas. No fim do século XVI, grandes potências como a Holanda, a Inglaterra e a França entraram em competição no comércio negreiro. Em 1580, Portugal perdeu a sua independência assim como as suas possessões na Ásia e as feitorias africanas. Entre 1600 e 1680, os Holandeses foram os grandes beneficiários do comércio e da navegação no Atlântico, tendo como concorrentes os Franceses e os Ingleses. No início do século XVII, estima-se que mais de um milhão de escravos tinham sido exportados para as Américas, sendo mais de metade proveniente de Angola, do Kongo e do Benim. A outra parte provinha da Costa do Ouro (actual Gana) e da Senegâmbia (região situada entre o rio Senegal e a Serra Leoa). O golfo da Guiné e a Costa do Ouro (Gana) eram as zonas de maior concorrência comercial, onde os mercadores europeus se debatiam pela obtenção de melhores produtos e por maior número de escravos. Na Costa do Ouro havia trinta e três fortes pertencentes a Holandeses, Ingleses e Dinamarqueses. Cada uma destas potências tinha uma determinada zona de influência: na Costa dos Escravos (golfo do Benim) estavam os Franceses, Holandeses e Portugueses; na Senegâmbia, Gabão e Kongo, os Ingleses e Franceses. A costa sul do rio Kongo era monopólio português, e a concorrência nesta zona não era muito grande. Porém, os navegadores europeus só conseguiram instalar-se em certos locais. Para fazerem comércio fundaram feitorias, isto é, pequenos estabelecimentos comerciais, por vezes fortificados. Em 1482, os Portugueses construíram o primeiro forte na Costa do Ouro, a que chamaram castelo de São Jorge da Mina (El-Mina), pensando a partir daí chegar às minas de ouro, o que nenhum europeu conseguiu até ao século XIX devido à resistência dos reis e chefes da região. AS FEITORIAS Os grandes núcleos do comércio europeu em África eram a foz do Casamansa, na Guiné (ouro); a Costa da MaLagueta, na actual Libéria (Gindungo); São Jorge da Mina, no actual Gana (ouro e escravos); o golfo do Benim (escravos e especiarias); a costa dos Camarões; a foz do rio Zaire; a região do Cabo; e a África Oriental (escravos e marfim). Os Portugueses foram os primeiros a estabelecer feitorias nestes centros de comércio: Arguim (Mauritânia), Goreia (Senegal), Rio Fresco (Cabo Verde), Transval (Gâmbia), Casamansa (Guiné), Samina (Costa do Marfim), Mina (Costa do Ouro — Gana), São Tomé e São Paulo de Luanda. O monopólio deste comércio pertencia ao rei de Portugal, que concedia a contratadores o direito de traficar Os estados marítimos do Noroeste Europeu -França, Inglaterra e Holanda, cujo poderio económico e comercial não cessava de aumentar - foram atraídos no século XVII para a África Subsariana pelos produtos que os traficantes árabes e portugueses traziam para a Europa. Assim, começaram a disputar as feitorias portuguesas na África, Índia e América, aproveitando a
  18. 18. 18 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB ocupação de Portugal pela Espanha, sendo necessária uma guerra de reconquista para recuperar São Tomé, Luanda e a colónia do Brasil. Os Franceses instalaram-se no Senegal onde fundaram S. Luís, conquistaram a Goreia aos Holandeses e ocuparam a região do Alto Volta e Madagáscar. A Costa do Ouro foi frequentada por Ingleses que se instalaram na Gâmbia, e por Dinamarqueses e Alemães que também criaram alguns entrepostos. O papel das feitorias As feitorias tiveram um duplo papel: eram pontos de escala para os navios que se dirigiam para a índia ou para a América e também serviam como entrepostos e lugares de troca entre traficantes europeus e africanos. Por vezes eram ainda usadas como ponto de partida para o interior, mas a penetração foi fraca ou quase nula, pois os africanos da costa impediam o acesso ao interior do continente aos Europeus, utilizando para isso os seus próprios intermediários. Os produtos trocados nas feitorias eram, do lado europeu, tecidos, pacotilhas, aguardente e armas de fogo; e do lado africano, ouro de Bambuk (Gâmbia) e de Buré (Guiné), malagueta da Guiné e da Mina, marfim e escravos. Inicialmente, os produtos africanos eram enviados para as ilhas da Madeira e dos Açores e para Lisboa, seguindo daí para outros grandes centros de comércio europeus. Porém, as primeiras relações diplomáticas e comerciais deterioraram-se rapidamente, e, no fim do século XV, o escravo negro tornou-se o elemento essencial das trocas entre a África e a Europa. O tráfico negreiro no litoral Índico No litoral Índico, os Árabes tinham instalado há muitos séculos vários entrepostos comerciais, mantendo o monopólio do comércio desde o cabo de Guardafui, na Somália, até Sofala, em Moçambique. Quando Vasco da Gama chegou à região, começou a luta entre Árabes e Portugueses, tendo estes arrebatado o controlo do Índico durante a primeira metade do século XVI, Estabeleceram várias feitorias no litoral - Sofala, Quelimane, ilha de Moçambique — e tentaram penetrar no interior pelo Zambeze, onde estabeleceram entrepostos em Sena (1530) e Tete (1537), a fim de chegarem às célebres minas de ouro do Monomotapa. Mas aqui tiveram que fazer face à resistência não só do Monomotapa, mas também de outros reis africanos da região a quem tiveram de pagar tributo para poderem traficar. Todos os anos seguia para Tete uma representação do Monomotapa, para receber impostos dos Portugueses. AS CONDIÇÕES DO TRÁFICO NEGREIRO Ao chegarem à costa com as suas mercadorias, os traficantes de escravos negros desembarcavam em portos onde negociavam com os intermediários. Nos primeiros tempos, as casílias para a captura de escravos aconteceram com os soberanos locais, que passaram a vender aos europeus os seus condenados ou prisioneiros de guerra. Porém, com o desenvolvimento do tráfico, estes escravos deixaram de ser suficientes e passou a ser necessário obter ainda mais noutras regiões. Como forma de penetrar no interior, os negreiros recorreram aos ―lançados‖ ou ―pombeiros‖, descendentes de antigos negreiros que se tinham fixado em África e tinham como função organizar o tráfico no interior. Os pombeiros percorriam o interior do continente e depois traziam para a costa caravanas de escravos capturados nas ―razias‖. Nos mercados, os escravos eram examinados como gado, avaliados e vendídos em leilão, e depois armazenados em locais próprios, empilhados em quartos húmidos e mal iluminados enquanto aguardavam pelo embarque. Os navios negreiros eram barcos especiais com capacidade para quinhentas (500) ou seiscentas (600) pessoas. Os porões destes barcos, equipados com correntes, eram preparados com o fim de levarem o máximo de carga humana no pouco espaço disponível. As condições de transporte eram péssimas, sem qualquer cuidado de salubridade, pelo que um quarto dos escravos morria durante o trajecto.
  19. 19. 19 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB Os negreiros classificavam os escravos segundo a sua idade, robustez e estado de saúde. Só depois de um exame anatómico minucioso e completo é que o escravo estava pronto para ser vendido. Depois de adquirido, o escravo era marcado com um ferro em brasa com as iniciais do comprador. Alguns escravos lançavam-se ao mar antes do embarque, e outros suicidavam-se durante a penosa travessia e devido às condições desumanas. Os escravos doentes eram lançados ao mar e os outros eram submetidos à chegada a novos exames médicos: dentes, olhos, órgãos sexuais, mãos e pés. Por vezes eram chicoteados para se testar a sua resistência. Nas plantações e nas minas a violência continuava, não havendo qualquer legislação que defendesse e protegesse o trabalho dos escravos, pois estes não eram mais do que objectos, máquinas de trabalho. Os escravos eram designados como ―peças da Índia‖ ou ―madeira de ébano‖, pois, tal como a madeira, eram abatidos, vendidos, transportados e entregues. Testemunho de um senhor e dos seus escravos Lembro-me de ter tido momentaneamente ao meu serviço um negro de muito boa aparência e recém-desembarcado, cujos punhos e tornozelos estavam em chaga devido às correntes. Perguntei-lhe qual era a causa. - O meu pai, respondeu-me ele, era o rei e foi morto à traição pelos filhos dum príncipe vizinho. Para procurar vingar a sua morte, ía diariamente à casa com algum dos meus, na esperança de encontrar os assassinos, mas tive a infelicidade de ser surpreendido e acorrentado; daí vêm estas vergonhosas cicatrizes que vê aqui. Venderam-me em seguida aos nossos compatriotas, na costa da Guiné, suplício estimado mais horrível do que a própria morte. A história do meu negro Quaco era ainda mais extraordinária: ―Os meus pais‖, disse-me ele, ―viviam da caça e da pesca. capturaram-me muito jovem enquanto eu brincava na areia com os meus dois irmãos. Imediatamente meteram-me num saco e levaram-me a várias milhas dali.‖ Tornei-me então um dos escravos de um rei da costa da Guiné, que já tinha um número considerável. Quando ele morreu, decapitaram a maior parte (dos escravos), que enterraram com o rei. As crianças da minha idade foram distribuídas como presentes aos capitães do seu exército, e o patrão de um navio holandês comprou-me em troca de um fusil e um pouco de pólvora.‖ O DESENVOLVIMENTO DO TRÁFICO E A RESISTÊNCIA AFRICANA O comércio triangular, apesar de proporcionar enormes lucros aos comerciantes europeus, também comportava alguns riscos, tais como naufrágios, pirataria, guerras entre as potências e a resistência dos povos africanos. Como forma de se protegerem, os armadores e mercadores europeus começaram a agrupar-se em associações ou companhias concessionárias apoiadas pelos governos dos respectivos países. Os reis de cada país davam a cada companhia de mercadores o monopólio nacional do comércio numa determinada região da costa oriental e ocidental da África através de uma ―carta de garantia‖, na qual eram afixados os direitos e as obrigações a cumprir. Estas companhias concessionárias estavam organizadas em monopólios mediante uma concessão real - obtinham o monopólio comercial e beneficiavam de privilégios, mas os reis exigiam parte dos lucros obtidos no comércio. O tráfico de escravos, que fora praticado sobretudo por particulares (navegadores, comerciantes, piratas e aventureiros) durante os séculos XV e XVI, passou a ser exercido pelas grandes companhias a partir do século XVII. Foram estas que se encarregaram do comércio transatlântico e da exploração das colónias das Américas. Estas companhias instalaram feitorias e construíram fortes e armazéns de escravos. Entre as várias companhias concessionárias destacaram-se as francesas (Companhia do Cabo Verde e Senegal, Companhia das Índias Ocidentais), as inglesas (Companhia dos Aventureiros Reais de África) e as holandesas (Companhias das Índias Ocidentais e das Índias Orientais). O desenvolvimento do tráfico e a resistência africana O comércio de escravos na costa oriental africana e nas ilhas do Índico antes da chegada dos Portugueses nunca tomou as proporções do tráfico transatlântico. Este comércio era feito pelos Árabes, que encaminhavam os escravos para a Arábia e o Médio Oriente.
  20. 20. 20 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB No entanto, as lutas entre Monomotapa e as tribos vizinhas deram aos Portugueses a oportunidade de iniciar o comércio de escravos. Em 1544, fundaram uma feitoria em Quelimane para onde eram escoados os escravos capturados nas guerras entre africanos e que se destinavam à Índia, a Portugal e ao Brasil. Ainda assim, o transporte para Portugal e para o Brasil mostrou-se improdutivo, pois a viagem era longa e uma grande parte dos escravos morria no caminho. O tráfico passou então a dirigir-se essencialmente para a Índia. Só a partir de 1640, quando Angola esteve ocupada pelos Holandeses e a costa ocidental indiana se manteve nas mãos dos Portugueses, é que os traficantes de escravos negros se começaram a dirigir à costa oriental à procura de escravos para satisfazer o número necessário para o trabalho nas roças do Brasil. Porém, só nos finais do século XVIII é que este comércio se intensificou. Os maiores centros de venda de escravos na costa oriental de África eram a Ilha de Moçambique e Quelimane. A RESISTÊNCIA AFRICANA A resistência africana não tardou a organizar-se, e os europeus caíram vítimas das técnicas de combate e do recurso às técnicas de guerrilha com a utilização das famosas flechas envenenadas, que tanto os intimidavam. Em 1446, uma nova expedição destinada a capturar africanos na Costa da Guiné orientada por Nuno Tristão foi atacada quando invadia o rio Cacheu. Dos vinte e sete (27) membros da expedição, apenas sete sobreviveram e o próprio Nuno Tristão aí encontrou a morte. A morte em combate dos primeiros europeus obrigou-os a uma reflexão que, por sua vez, chamou a atenção para a necessidade de mudanças. As medidas tomadas resultaram da intervenção do Infante D. Henrique, o Navegador, que impôs a renúncia à razia, substituída por um sistema baseado em relações comerciais normais. No entanto, os Europeus jamais renunciaram à razia, técnica que sobreviveu até inícios do século XIX, embora a maioria das operações tivessem já um carácter comercial. Apesar dos europeus terem começado por praticar a compra de escravos fornecidos pelas guerras havidas entre africanos, posteriormente desencadearam as suas próprias campanhas militares. No fim do século XVI e no século XVII o povo Mbundu tornou-se o principal alvo dessas campanhas. No Kongo, os conflitos contra os Portugueses eram frequentes devido aos abusos, provocando revoltas por parte do povo e da própria aristocracia. No século XVI, o povo konguense manifestou-se contra os traficantes portugueses, que na ânsia de enriquecerem capturavam os filhos da terra. O rei Álvaro ordenou o encerramento do porto de Mpinda e a expulsão dos traficantes europeus. A oposição mais violenta contra os agressores estrangeiros deu-se quando os missionários actuaram contra as crenças animistas locais e o rei do Kongo ordenou a queima de objectos de culto. Este acontecimento chamou-se ―Revolta da Casa dos Ídolos‖ e teve lugar em 1591 —92, durante o reinado de D. Afonso 1 (Nzinga Mvemba). Outras resistências sucederam-se contra os agressores estrangeiros através de revoltas que destituíram monarcas, fazendo-os substituir por outros que oferecessem maiores garantias na defesa da soberania do reino. A resistência que os Portugueses encontraram na tentativa de conquistar o Ndongo parece ter sido superior àquela que esperavam.
  21. 21. 21 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB A principal razão era combater contra o poder estabelecido pelo Ngola e os seus chefes locais, reforçados por vezes pela aliança com alguns grupos. A resistência foi-se organizando e generalizando. De 1590 a 1600 a guerra conduzida pelo Ngola Kiluanji e os seus aliados conseguiu limitar as posições portuguesas e os fortes de Muxima, Massangano e Luanda. No entanto, os Portugueses compreenderam que o tráfico de escravos estava seriamente afectado, pois os Mbundu podiam bloquear as rotas comerciais e encerrar os mercados. Foram então enviados emissários a Ngola Mbandi para negociar a reactivação do comércio de escravos. Mas estes impuseram algumas condições: • Auxílio dos Portugueses ao Ndongo para expulsar Kassanje, chefe dos Imbangalas do reino • A restituição ao Ngola dos súbditos e chefes que tinham sido aprisionados durante a guerra. Do lado dos Portugueses houve um bom acolhimento à negociação das tréguas, dada a urgência que tinham em intensificar o tráfico que a guerra havia interrompido. O acordo assinado em 1656 entre Portugueses e Nzinga restabeleceu com efeito o comércio entre a colónia e a Matamba durante os últimos anos de vida da rainha. VÊ SE SABES... 1. O que eram as Companhias Concessionárias? Qual a sua razão de ser? 2. Quais eram as companhias mais famosas? 3. O que levou os Europeus a uma reflexão para a mudança no método de captura dos escravos? 4. Quando se deu esse ponto de viragem? 5. Destaca o papel da Rainha Nzinga Mbande na resistência contra os Portugueses. Carácter exclusivo e racista do tráfico praticado pelos Europeus A partir do século XV o tráfico de escravos mobilizou todas as nações europeias que controlavam o fluxo internacional de escravos, recebendo por isso avultadas verbas de acordo com o número de escravos que exportavam. O escravo perdia a liberdade, aceitando a sua nova condição nacional e eliminando as relações de parentesco nas quais tinha sido integrado e que até esse momento haviam determinado a sua vida. O escravo era, pois, brutalmente afastado da sua nação, da sua ecologia, dos seus espíritos e, sobretudo, do seu parentesco. Esta nova condição era imposta todos os dias, sendo o escravo obrigado, sob pena de morte, a aprender as novas regras, as novas línguas e até as novas religiões. Todo este processo que convertia um homem livre à condição de homem-mercadoria e de homem-objecto decorreu com revoltas constantes, que eram reprimidas brutalmente — o que demonstra o carácter exclusivo e racista das práticas dos traficantes negreiros. Os homens africanos transformados em escravos com destino às Américas eram submetidos a uma série de operações que procuravam não só transformá-los em mercadoria, como também desligá-los da sua própria origem. Não bastava ser escravo: como qualquer outra mercadoria, o escravo devia apresentar as características procuradas pelo comprador. Assim, os corpos dos escravos eram portadores de informações: as tatuagens e as escarificações funcionavam como autênticos bilhetes de identidade, informando quanto à sua origem, assim como à sua situação hierárquica. Segundo as ideias eurocêntricas, ―para os africanos poderem integrar o espaço branco e divino, deviam ser escravizados e sujeitos a rituais purificadores‖. A sua coabitação com a humanidade só era possível através do sofrimento. Foi nestas condições que se processou a escravatura. Os africanos capturados eram transformados em escravos, e muitos daqueles que já eram escravos dos africanos eram vendidos para se tornarem escravos dos Europeus. Com os corpos ―marcados‖, arrancados do seu território, do seu grupo e do seu continente, eram remetidos para uma categoria de inferioridade absoluta. Sem família e sem os seus deuses, deixaram de pertencer ao chamado espaço
  22. 22. 22 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB ―diabólico‖ africano para se tornarem ―coisas‖ do espaço considerado civilizado e humanizado — o espaço da violência colonial. A violência exercida contra os escravos africanos integrava-se também numa concepção religiosa que considerava a violência física exercida pelos sacrificadores e traficantes como sendo normal e indispensável. Uma das primeiras condições era modificar o corpo dos escravos africanos por meio de tatuagens — marcas a fogo que inscreviam na sua pele o nome do proprietário, de forma a serem conhecidos e encontrados em caso de fuga. No porto marítimo, antes do embarque, eram novamente marcados no peito com as armas do rei e da nação de quem ficavam vassalos. A sua própria conf iguração física era assim profundamente alterada. As marcas a fogo eram tidas como purificadoras e agiam como uma borracha que apagava o passado, considerando-o nulo e indicando a nova situação daqueles que eram africanos — escravos dos brancos, primeiro destinados ao comércio negreiro e depois confiados aos fazendeiros das Américas. A grande operação de transformação do corpo dos escravos com um módulo de fogo demonstrava claramente que o escravo estava condenado a não poder circular livremente na sociedade dos brancos. Perdia a sua autonomia para se transformar em mercadoria. Os corpos dos escravos que aguardavam o embarque para as Américas eram modelados nos espaços africanos, Associavam-se as marcas do fogo e dos chicotes ao rigor das algemas, dos grilhões e das gargalheiras: toda uma panóplia de instrumentos de contenção que tinha como objectivo restringir os movimentos das mãos e dos pés dos escravos. VÊ SE SABES... 1. Porque se afirma que o escravo era considerado uma mercadoria? Explica. CONSEQUÊNCIAS DO TRÁFICO DE ESCRAVOS Como vimos, foram várias as consequências da agressão europeia em relação aos povos do continente africano. A actividade desenvolvida pelos Europeus, Portugueses em especial, Holandeses, Franceses e Ingleses, afectou vastas regiões de África nos séculos XVI a XVIII, trazendo consequências demográficas, económicas e políticas. CONSEQUÊNCIAS DEMOGRÁFICAS O tráfico atingiu sobretudo os elementos mais vigorosos da população africana — ―as peças da Índia‖-, o que provocou o enfraquecimento demográfico e o sub - povoamento do continente, Com efeito, a transferência de milhões dos melhores produtores (cultivadores, ferreiros, tecelões) e reprodutores e o extermínio de tantos outros milhões através de guerras, razias, fadiga e doenças, contribuíram para que a população africana diminuísse, enquanto o resto da população do globo se encontrava em franca expansão. Se, no início, o tráfico se limitou aos escravos residentes no litoral africano, a partir do fim do século XVI a procura aumentou de tal maneira que levou os chefes africanos a fornecerem não apenas os verdadeiros escravos, mas a procurarem outros através de guerras e razias no interior do continente. A actividade produtiva foi substituída pela guerra, pois essa passou a ser a situação mais lucrativa. Assim, no litoral de Angola e do Senegal, reis, chefes e mercadores africanos envolveram-se irremediavelmente no comércio de escravos, e as suas terras passaram a ser exclusivamente locais de exportação de mercadoria humana. As sociedades começaram a dividir-se em dois grandes grupos: a massa de produtores e uma minoria de nobres e traficantes, enriquecida por meio de um novo tipo de comércio. Para estes, criou-se um círculo vicioso: para poderem capturar escravos, necessitavam de armas de fogo e para obter armas de fogo (que se tornaram um elemento imprescindível para a própria sobrevivência dos Estados e das classes no poder) era necessário vender cada vez mais escravos. Como o mercado estava em constante expansão, os povos do litoral e do interior mais próximo mantinham-se em situação de beligerância (guerra) contínua. Mesmo os Estados mais poderosos
  23. 23. 23 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB do interior, que se recusavam a vender escravos, viram-se obrigados em determinada altura a travar autênticas batalhas para alcançarem a costa e disporem de armas para se defenderem. As relações entre os diversos Estados e povos deterioraram-se. Despojadas dos seus melhores elementos - massacrados ou deportados -, as sociedades desorganizaram-se. As migrações forçadas de populações apavoradas, fugindo às razias, criaram uma situação de instabilidade tal que iria minar as bases da sociedade rural africana. A desorganização de sociedades inteiras (povos, comunidades, reinos) atingiu tais proporções que quando no século XIX as potências coloniais europeias decidiram partilhar entre si o continente africano, respondendo às exigências do capitalismo monopolista da época, encontraram povos material e moralmente arruinados como resultado de quatro séculos de rapina e razia. Ainda assim, os povos africanos mostraram-se capazes de oferecer resistência à ocupação, e não foi fácil aos colonialistas dominar o continente africano. CONSEQUENCIAS ECONOMICAS O tráfico transatlântico veio instaurar relações comerciais de um novo tipo, em que o escravo servia de equivalente monetário, do mesmo modo que a cabeça de gado ou a barra de sal. Sob o ponto de vista económico, o resultado foi a redução da capacidade produtiva das sociedades (devido às deportações e à insegurança), a instauração da fome e o aparecimento de epidemias (mais frequentes em populações esfomeadas ou enfraquecidas). Como a principal mercadoria procurada era a humana, não havia estímulo para a produção destinada ao mercado, tendo-se deixado de produzir mesmo para o consumo, pois certas mercadorias passaram a ser trazidas da Europa (instrumentos, tecidos, bugigangas), o que fez declinar o artesanato tradicional. Os intermediários africanos da costa não se aperceberam de que vendendo cultivadores e artesãos ou simplesmente procriadores estavam a contribuir para a sua própria destruição como povos organizados. Por outro lado, ao vedarem o acesso ao interior, de maneira a reservarem para si o monopólio do comércio, estavam a aumentar o isolamento daquelas populações. De uma forma geral, houve retrocesso das forças produtivas. Os povos agricultores voltaram ao estado de recolectores, e as populações sedentárias de longa data viram-se forçadas a deslocar-se para o interior, procurando refúgio ou construindo paliçadas sobre os lagos do interior. A África viu-se privada da força de trabalho necessária para o seu desenvolvimento, o que a lançou no atraso e no subdesenvolvimento. CONSEQUÊNCIAS POLÍTICAS O tráfico permitiu a criação de novos poderes políticos em detrimento dos antigos. O recuo generalizado do Islamismo permitiu o aparecimento de novos Estados, essencialmente guerreiros e dominados por uma aristocracia militar. A desagregação do Império Songai depois da conquista marroquina (1591) deu origem a uma multiplicidade de Estados minúsculos, em guerra permanente uns com os outros. No golfo da Guiné formaram-se pequenos Estados, dirigidos por chefes aventureiros enriquecidos pelo comércio de escravos e apoiados por grupos guerreiros armados de espingardas, cuja função principal era fazer a guerra. Ter muitos escravos e bens era sinónimo de riqueza e prestígio.
  24. 24. 24 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB A fragmentação política e étnica na costa favoreceu guerras constantes provocadas pela procura e captura de escravos fora dos limites de cada Estado ou comunidade. No entanto, durante o período do tráfico - e como adaptação perfeita às novas condições que este impôs - surgiram quatro Estados importantes e fortemente estruturados na região do Benim: foram o Reino Yoruba, o Reino de Oyo, o Reino de Daomé e a Confederação Achanti. CONSEQUÊNCIAS DO TRÁFICO DE ESCRAVOS EM ÁFRICA. O CASO CONCRETO DE ANGOLA O tráfico teve consequências diferentes nos vários povos e Estados africanos, que responderam positiva ou negativamente a ele consoante o grau de desenvolvimento das suas forças produtivas ou da sua proximidade e afastamento em relação às áreas dos circuitos comerciais. Foram várias as transformações ocorridas em Angola para as quais contribuiu a intervenção directa ou indirecta dos Portugueses. Ao longo dos três séculos de tráfico, as regiões do Kongo, Ndongo, Kwango, Planalto e Benguela foram devastadas por pombeiros, militares e padres ora para capturar escravos e mercadorias ora para cobrar tributos ou impor leis e práticas estranhas aos respectivos povos. Calcula-se em cerca de três milhões o número de escravos que o tráfico desviou neste período desde as costas de Angola para os portos de São Tomé e das Américas. Por outro lado, outros tantos africanos morreram nas guerras de kwata-kwata, de cansaço ao longo do percurso até à costa, em alto mar e de doenças ou fome enquanto aguardavam o embarque nos portos de Luanda, Mpinda e Benguela. Assim se explica que nos séculos XV a XVII mesmo as zonas mais povoadas antes da chegada dos Portugueses tivessem já escassa população. A captura de escravos provocou guerras entre reinos que acabaram por enfraquecer e fragmentar- se, tendo muitos deles desaparecidos. Foi a desagregação gradual do poder do rei do Kongo face ao crescente poder dos Manis das várias províncias e a afirmação da independência do Ndongo face ao Kongo, do qual fora tributário até 1560. No século XVIII, o Reino do Kongo deixou de ser um estado organizado capaz de se opôr à violência e aos abusos cometidos pelos traficantes e os seus agentes. De uma forma global, o tráfico de escravos paralisou o desenvolvimento das forças produtivas de África ao sul do Sara devido à perda da sua força de trabalho e à desorganização das sociedades, o que teve consequências económicas e políticas desastrosas a curto e a longo prazo para todo o continente. Pode dizer-se que o tráfico negreiro justifica em parte o fraco povoamento actual de Angola, assim como de todo o continente africano. A descoberta do Novo Mundo estimulou fortemente o tráfico negreiro, pois a mão-de-obra africana foi indispensável à exploração das riquezas nas terras descobertas e conquistadas nas Américas e nas Caraíbas. Os colonizadores pediam constantemente mais escravos africanos para as plantações e para o trabalho nas minas. Durante os séculos XVII - XVIII e inícios do século XIX foi utilizada mão-de-obra africana nas plantações de cana-de-açúcar, tabaco e nos trabalhos de exploração mineira nas colónias das Américas. O trabalho escravo africano - a ―madeira de ébano‖ — não só fazia funcionar a economia das Américas como também era utilizado para outras actividades, como o transporte de mercadorias e de passageiros, os trabalhos domésticos nas ―grandes casas‖ dos senhores-de-engenho, a construção de estradas e de edifícios, a limpeza das cidades, etc. A cultura da cana-de-açúcar e a produção de açúcar exigiam abundante mão-de-obra escrava, pois à medida que progredia a exportação daquele produto, a intensificação dos trabalhos acelerou o enfraquecimento dos escravos, aumentando a sua mortalidade e obrigando a uma substituição imediata dos africanos exterminados.
  25. 25. 25 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB A média de sobrevivência de um escravo na América era entre cinco a sete anos, devido aos trabalhos forçados que executavam e ao cruel tratamento que sofriam. Não se pode pensar que os escravos aceitaram a sua condição com passividade. Embora a escravidão já existisse em África antes da chegada dos Europeus, tratava-se de uma escravidão doméstica ou patriarcal, onde o escravo tinha um lugar na comunidade. Por outro lado, se existiu um comércio de escravos no mundo mediterrânico e no mundo árabe, nunca tomou proporções alarmantes nem trouxe para África efeitos tão desastrosos como os do tráfico atlântico. Desde o início que os Africanos tentaram escapar à violência de que estavam a ser vítimas, quer através da fuga, do suicídio ou mesmo da revolta. Durante a travessia para a América, muitos escravos preferiam lançar-se ao mar a sofrer as horríveis condições a bordo dos navios. Estas revoltas eram reprimidas, e os revoltosos (―recalcitrantes‖) castigados exemplarmente. Nas colónias da América houve várias revoltas de escravos: a primeira a ser assinalada pela sua importância deu-se em 1522 na ilha de Hispaniola (São Domingos, no Haiti). Outras sucederam- se em Porto Rico (1527), Santa Marta (1529) e Panamá (1531). Estas revoltas levaram os Espanhóis a criar em 1532- uma polícia especial destinada a reprimir e a caçar os escravos fugitivos. Outras vezes os escravos fugiam para o mato, organizando aldeias fortificadas que no Brasil se designavam como ―quilombos‖. Nas Antilhas, os fugitivos, designados como ―negros castanhos‖, formaram verdadeiros Estados independentes (Haiti, Jamaica). Apesar destas revoltas mais ou menos organizadas e esporádicas, os escravos africanos não puderam acabar com a exploração e as condições sub-humanas a que eram submetidos. Ainda não se encontravam reunidas as condições para levarem a bem a sua luta contra os opressores. Foram precisos três séculos para que a primeira sublevação de escravos negros na América resultasse. Esta deu-se nos fins do século XVIII em São Domingos do Haiti, onde um antigo escravo, Toussaint-Louverture, dirigiu uma das maiores revoltas de escravos que a história colonial conheceu, pondo fim ao domínio colonial francês em 1803. CONSEQUÊNCIAS DO TRÁFICO DE ESCRAVOS NA EUROPA O tráfico de escravos praticado pelos Europeus e o comércio do ultramar em geral tiveram consequências muito positivas para o desenvolvimento da Europa através dos chamados ―efeitos multiplicadores‖: isto quer dizer que os lucros provenientes dos contactos com o exterior se multiplicaram em muitos domínios da vida dos Europeus, mesmo daqueles que não estavam directamente ligados ao comércio, o que fez com que a sociedade no seu todo se tivesse apetrechado melhor para o seu desenvolvimento interno. O certo é que a Europa se desenvolveu à custa do trabalho escravo: tornou-se rica e poderosa com o comércio negreiro e ergueu nas suas colónias americanas, africanas e das Caraíbas uma economia que, no essencial, assentava nas culturas do café, do algodão, do cacau, do tabaco e da exploração mineira através do recurso à mão-de-obra escrava, isto é, a toda a violência esclavagista. O comércio com África ajudou verdadeiramente a Europa a transformar a economia de muitas nações e a fundir mais solidamente as diferentes economias nacionais, enquanto em África o que se produziu foi apenas a perturbação e a desintegração dos Estados africanos. CRIAÇÃO DE NOVOS ESPAÇOS SOCIAIS, RACIAIS E CULTURAIS NO MUNDO Durante o período do comércio atlântico de escravos, foi transportado para o Brasil, a América do Norte e muitas outras colónias um número considerável de escravos, os quais levaram com eles não só a sua capacidade de trabalho nas plantações e nas minas, mas também a cultura e as suas qualidades africanas em toda a sua diversidade.
  26. 26. 26 | Resumo sistematizado pelo professor –joaquim pedro Escola 1º de Agosto ♥- Graduado em História, pela UKB Estes traços culturais eram representativos de diferentes grupos étnicos e misturaram-se no plano racial e social aos traços culturais portugueses e americanos, o que deu origem a uma grande diversidade cultural. A Influência cultural africana na América O trabalho nos campos de algodão era ritmado já por sons que saem como uma lava ardente das entranhas de homens e mulheres oprimidas. Estas lamentações transpostas para os cultos religiosos deram o ―espiritual negro‘ e depois o ―jazz‖. No Brasil e nas Antilhas, a marca negra será mais nítida ainda na música, tendo os escravos transplantado para as Américas o pulso palpitante da África que ressoa no tam-tam. Os batuques ou o samba, dançados no decurso das festas semanais permitiram aos diversos grupos étnicos ultrapassar as suas particularidades culturais para se reencontrarem e reinventarem uma arte simplesmente africana, embora influenciada pelos elementos europeus. Os próprios deuses africanos tinham, na atmosfera pesada e pestilenta dos entrepostos, atravessado o Atlântico para continuar junto dos negros a sua função de auxiliares, mais necessária do que nunca. O domínio de uma linguagem ignorada do mestre constituía um meio de resistência terrível. O papel das mulheres africanas no Brasil e em outras regiões da América do Norte foi muito importante, pois embora pouco numerosas, constituíam o cordão umbilical que ligava a população brasileira e americana à África através das danças, canções, da cozinha e dos escritos. Além da força de trabalho, as mulheres africanas serviram também de esposas aos senhores-de- engenho e a outros colonos, pois a colonização portuguesa no Brasil foi essencialmente masculina no início, dando origem a uma mestiçagem biológica e cultural importante. As influências culturais manifestaram-se também através da religião e de práticas rituais africanas. A magia e a iniciação africanas combinadas com o Catolicismo europeu deram origem a sincretismos originais, como o candomblé e a capoeira, assim como à divulgação de muitos elementos das culturas africanas. A capoeira foi utilizada pelos escravos como forma de luta para a conquista e defesa da sua liberdade. Oriunda de Angola e levada para o Brasil pelos escravos, estava associada a uma cerimónia mágica com características religiosas. A capoeira continua a ser hoje um dos principais elementos culturais do Brasil. Portanto, pode dizer-se que o desenvolvimento económico do Brasil e da América do Norte foi fruto do esforço de escravos africanos que para lá levaram a sua força de trabalho. Não é menos verdade que as sociedades brasileira e norte-americana actuais foram também profundamente marcadas pelas línguas, música, gostos alimentares africanos, em suma, pela sua cultura. VÊ SE SABES... 1. Quais foram as consequências demográficas do tráfico de escravos? 2. Refere outras consequências económicas e políticas no caso de Angola. 3. Que efeitos teve o tráfico de escravos na América e na Europa? Unidade III: FORMAÇÃO DA MENTALIDADE NA IDADE MODERNA O SURGIMNTODO HUMANISMO NA ITÁLIA RENASCÉNTISYA No meio de uma profunda debilidade politica fruto de frequentes antagonismos e de desuniões internas, surge no século XV em Itália um forte movimento que iremos chamar de ―descoberta do homem‖. Neste período, os Homens começaram a descobrir-se a si próprios, pois durante séculos tinham vivido mais preocupado com assuntoS divinos, ignorando quase tudo acerca da sua natureza humana. Intesamente religioso, o Homem medieval tinha colocado Deus e a Igreja Católica no centro da sua vida — tudo, desde o nascimento à morte1 era marcado por uma visao ―teocêntríca‖ da realidade. Séculos antes, na Grécia e Roma Antigas, muitos pensadores tinham já centrado os seus estudos no conhecimento do Homem, considerado como a ―medida de todas as coisas‖. A partir dos finais da idade Média, primeiro em Itália e depois noutros países da Europa, ressurge este interesse pelo conhecimento do ser humano. Sem deixarem de ser religiosos, os intelectuais do século XV passavam a colocar o homem no centro dos seus interesses, passando a ter uma visão ―antropocêntrica‖ da vida e do mundo.

×