Mod quadro-detalhamento-acoes

320 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mod quadro-detalhamento-acoes

  1. 1. QUADRO DE DETALHAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE - PSE DIRETRIZES ÁREAS TEMÁTICAS/AÇÃO PROPOSTAS OPERACIONAIS - ESTRATÉGIAS METAS MÉTODO DE CALCULO RESPONSÁVEIS 1- AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE NAS ESCOLAS 1.1- Avaliação clínica e psicossocial - Elaborar cronograma conjunto – ESF e escola- contemplando ofertas de avaliação clínica, junto aos alunos que freqüentam a escola, conforme necessidades identificadas, pelo professor, na sala de aula; - Agendamento dos casos que necessitem de atendimento fora do espaço da escola, isto é, na unidade de saúde, tais como: Avaliação médica e de enfermagem em adolescentes grávidas, detecção e tratamento das doenças sexualmente transmissíveis - DST, etc; - Tratamento das enfermidades diagnosticadas na avaliação clínica, com dispensação de medicamentos. - Realização de orientações quanto ao auto-cuidado com o corpo, higiene 30% Total de avaliação clínica realizada/total de alunos na escola x 100 ESF e escola (professor ou responsável pelo PSE na escola)
  2. 2. corporal. - Realização de estudos de casos que necessitem de apoio psicológico e discutir com professores as formas adequadas de encaminhamentos, respeitando as competências profissionais; - Agendar reunião com professores e psicólogos e ou psicopedagogo (caso a escola exista estes profissionais no quadro) para avaliar conjuntamente a evolução dos casos em tratamento psicológico e fazer o acompanhamento; - Disponibilizar, para a escola, a relação dos ACS vinculados ao território da escola, com nome e identificação das ruas existentes nas micro-áreas de atuação dos agentes. - Envolver o agente comunitário de saúde-ACS no processo, para os casos que necessitem de visita domiciliar, Coordenador da ESF ou Secretário SMS e SME
  3. 3. junto à família do aluno. - Identificar a existência de instrumentos da própria escola que possibilite registrar as ações e condutas profissionais, registrar na Pasta Família, no Boletim de Atendimento Ambulatorial – BPA/SIA. 1.2 - Detecção precoce da hipertensão arterial - Na avaliação clínica, realizar a verificação da pressão arterial, peso e estatura dos alunos; - Disponibilizar orientações quanto à importância de adoção de hábitos alimentares saudáveis, dentro e fora da escola, e de as atividades físicas regulares, como forma de induzir a cultura do auto-cuidado, esclarecendo sobre os riscos de obesidade, aumento nas taxas do colesterol, assim como o risco de desenvolver a hipertensão, e suas complicaçõe; - Acompanhamento sistemático, 70%dos alunos avaliados Total de alunos com a PA avaliada / total de alunos na escola x 100 ESF e Educador Físico
  4. 4. equipe de saúde e escola, e tratar os casos de hipertensão diagnosticados. - Registrar na Caderneta do Adolescente, na Pasta Família, no BPA/SIA. - Agendar conjuntamente com a escola, ações de promoção da saúde incluindo nas “Feiras de Ciência”, os riscos que a alimentação inadequada, o uso do tabaco, do álcool e outras drogas representam para a saúde física e mental do aluno e outras pessoas. Coordenador da ESF e escola (professor ou responsável pelo PSE na escola) 1.3- Avaliação oftalmológica - Agendamento conjunto, ESF e professores, ações para avaliação e triagem oftalmológicas, dando prioridade para os casos observados pelo professo e ESF, na sala de aula, que podem estar impactando no rendimento e evasão escolar; - Fazer o diagnóstico e tratar os casos positivos da presença do Tracoma nos alunos. 50% Total de alunos com avaliação oftalmológica realizada/total de alunos na escola x 100. ESF e escola (professor ou responsável pelo PSE na escola ESF
  5. 5. - Realização de ações para avaliar escolares com problemas de acuidade visual, através de material instrutivo ofertados pelo MEC e proceder aos encaminhamentos quando detectadas necessidades de uso de óculos (OLHAR BRASIL); - Fazer o registro na Caderneta do Adolescente, pasta família e BPA/ SIA. 1.4- Avaliação auditiva - Agendamento conjunto com os professores e ESF, ações para avaliação auditiva, com prioridade para os casos observados pelo professor, na sala de aula, que podem estar impactando no rendimento escolar do aluno; - Fazer o diagnóstico e encaminhar para tratamento especializado conforme suspeita diagnóstica. - Registrar na Caderneta do Adolescente, Pasta Família e BPA/ 50% Total de alunos com avaliação auditiva realizada/total de alunos na escola x 100. ESF e escola (professor ou responsável pelo PSE na escola)
  6. 6. SIA. 1.5- Avaliação de saúde bucal - Realização de ações odontológicas coletivas escovação supervisionadas com aplicação tópica de flúor a cada seis meses. - Pactuar com o professor a inclusão de ações educativas voltadas para o auto-cuidado da boca, “Feiras de Ciência” promovidas pela escola; - Diagnosticar e ofertar procedimentos odontológicos básicos individuais, na unidade de saúde, fazendo o agendamento com o professor para o tratamento completo, referenciando os casos mais complexos que necessitem de atenção especializada na rede. - Fazer o Registro na caderneta do aluno, na Pasta família e no BPA/SIA. 70% 20% ESB/ACS e escola (professor ou responsável pelo PSE na escola) 1.6- Cobertura vacinal - Elaboração conjunta do cronograma de ações voltadas para a cobertura vacinal nos escolares, conforme esquema preconizado pelo Ministério = > 95% Total de vacinas aplicadas/total de alunos na escola x100 ESF e escola (professor ou responsável pelo PSE na escola)
  7. 7. da Saúde. - Realizar atividades de imunização na escola e rotineiramente nas Unidade de Saúde fazer o registro na Caderneta do Adolescente e no boletim diário de doses aplicadas de vacina; - Fazer a busca ativa da cobertura vacinal dos escolares envolvendo o professor e o ACS. Professor e ACS 1.7- Implantação da Caderneta do adolescente - Implementar a Caderneta do Adolescente caso seja ofertado pelo MS. - Registrar informações pertinentes, tais como: esquema vacinal, pressão arterial, situação nutricional, etc. 50% SMS, SME e escolas 2- PROMOÇÃO DA SAÚDE 2.1- Práticas corporais e atividades físicas - Articular com a escola a Inclusão na proposta político-pedogógica da escola, ações voltadas para o incentivo ao desenvolvimento de práticas capazes de impactar na redução dos níveis do colesterol, da obesidade e da hipertensão arterial, visando a Obs. Trata-se de um indicador que deve estar na pauta da escola. Coordenador da ESF e escola (professor ou responsável pelo PSE na escola)
  8. 8. melhoria da qualidade de vida dos escolares. 2.2- Avaliação nutricional - Agendar com os professores ações de avaliação antropométrica (peso, estatura, cálculo do Índice da Massa Corporal-IMC dos alunos envolvendo o Educador físico no processo. - Diagnosticar os casos de desnutrição grave e moderada, tratar os moderados, através de parcerias intersetoriais, e fazer os encaminhamentos para Centro de Desnutrição do Hospital Universitário- HU. - Diagnosticar os casos de sobrepeso e obesidade, tratando-os e orientando-os através de parcerias intersetoriais- HU.,conforme gravidade identificada. - Registro na Caderneta do Adolescente, BPA/SIA. 50% Nº de alunos 7- 19 anos com avaliação nutricional realizada/total de alunos na mesma faixa etária na escolax100. Educador Físico e ESF 2.3 - Saúde sexual, prevenção de - Articular com os professores o desenvolvimento de ações educativas Coordenador da ESF e escola (professor ou
  9. 9. DST/AIDS e gravidez na adolescência. através de palestras e reuniões, com recursos audio-visuais, material gráfico, cartilhas educativas, folhetos etc, e estimular a apresentação de trabalhos relacionados à prevenção de doenças e agravos, e promoção da saúde sexual e reprodutiva nas “Feiras de Ciências” e/ou outros eventos; - Fomentar espaços de diálogos incluindo os alunos, professores, equipes de saúde e familiares para discutir questões de vulnerabilidade as DST/AIDS e gravidez não planejada em adolescentes e jovens, através de reuniões com adoção de metodologias pedagógicas e dialogadas; - Buscar no SIAB, informações sobre o total de adolescentes grávidas menores de 20 anos de idade existentes no território, verificar com o ACS e professores quais estão na escola e ofertar o pré-natal, exames de responsável pelo PSE na escola) e as ESF Coordenador da ESF, equipes de saúde e professores Escola e ESF
  10. 10. apoio diagnóstico, e referenciar os casos de alto risco para Aracaju. Fazer o acompanhamento; - Fazer a escuta, junto aos alunos, abordando temas sobre a saúde reprodutiva e meios de evitar a gravidez precoce, não planejada, abordando inclusive a questão do aborto e suas complicações para a saúde das adolescentes e jovens; - Articular com a escola a possibilidade de implantação do “Cantinho da Prevenção”, com disponibilização de preservativos e orientação profissional, conforme diretrizes do Programa Saúde e prevenção na Escola-SPE 2.4 - Prevenção ao uso do álcool , tabaco e outras drogas - Articular com a escola a inclusão na proposta político-pedogógico, ações voltadas para a promoção e prevenção da saúde, realizando rodas de conversa, envolvendo os alunos na Coordenador da ESF e escola (professor ou responsável pelo PSE na escola) e as ESF
  11. 11. discussão, sobre os riscos que o uso do tabaco, álcool e outras drogas representam para a saúde, e suas complicações na vida pessoal, familiar, escolar e social do adolescente e do jovem, dentro de uma abordagem pedagógica e de valorização da vida; - Desenvolvimento de ações intersetorias de combate e prevenção da violência ao adolescente e ao jovem, vinculada ao consumo de substâncias químicas, seja no território, na escola ou no espaço intra- familiar, em articulação com as redes locais de proteção social tais como: CRAS, Conselho Tutelar, Pastoral, AA, etc. 3- FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS 3.1 - Educação Permanente e Capacitação - Parceria com a SES/SE, para realização de oficinas de capacitação para as equipes de saúde da família – ESF/SB e professores da rede de ensino. Semestral SMS e SES Coordenador da ESF e equipes
  12. 12. - Definir com as ESF/SB, calendário de capacitação para os ACS, com prioridade para as áreas temáticas do PSE.
  13. 13. 4- MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PSE 4.1 - Monitoramento Avaliação sistemáticos das ações - Registrar todas as ações desenvolvidas na Caderneta do aluno, Caderneta do Adolescente, no Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB, Boletim de Atendimento Ambulatorial - BPA , Sistema de Informação Ambulatorial - SIA e no PNI. - Realização de reuniões para análises conjuntas, equipe de saúde e professores, da situação de saúde dos escolares a partir dos relatórios epidemiológicos registrados nos bancos de dados oficiais. - Realização de estudos para avaliação do impacto do PSE, levando em consideração os critérios de eficácia e efetividade das ações, com destaque para os elementos: saúde, aprendizagem e evasão escolar. - Aproveitar o período de férias escolares para planejar as atividades, Avaliação semestral Semestral Coordenador da ESF e escola (professor ou responsável pelo PSE na escola) e as ESF SMS e SME
  14. 14. com base nas informações dos bancos de dados e nas demandas trazidas pelos ACS identificadas no território. - Formalizar Relatórios, conjunto, das ações e atividades desenvolvidas pelas ESF/SB e a escola, apresentação aos Conselhos Municipal de Saúde e Educação e enviar oficialmente a SES/SE.

×