23/11/2011    UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO             FACULDADE DA SAÚDE            CURSO DE ODONTOLOGIA          ...
23/11/20112. SISTÊMICOS                                              3. PSICOGÊNICOS                                      ...
23/11/2011   PERFIS EPIDEMIOLÓGICOSHAKEBERG,        M.;     HALLBERG,    LR-M.,BERGGREN, U. Burning mouth syndrome:experie...
23/11/2011                                                                                                                ...
23/11/2011    FATORES PSICOGÊNICOS                           TRATAMENTOAnsiedade                           PsicoterapiaDep...
23/11/2011A infecção por cândida, principalmente pela espécie                                                             ...
23/11/2011                                                                                                            - A ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Perfil Síndrome de Ardência Bucal

1.603 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.603
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Perfil Síndrome de Ardência Bucal

  1. 1. 23/11/2011 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA A Síndrome da Ardência Bucal (SAB) tem sido amplamente estudada, em virtude de sua relativa frequência, da falta de esclarecimento de sua etiologia e, principalmente, devido à ausência de uma alternativa terapêutica satisfatória. FRÉO, 2008 BBSR Etiologia multifatorial Sem lesões específicas em mucosa oral (diagnóstico diferencial) TiposApresenta-se como tríade (GARCIA-MEDINA, 1994)  SAB tipo 1; Dor do tipo queimação, de intensidade moderada a severa  SAB tipo 2, Língua, lábios, gengiva e mucosa jugal Caráter crônico  SAB tipo 3. Mulheres, em período da menopausa e LAMEY et al., 1994 pós-menopausa. BBSR BBSR 1. LOCAIS Fatores Etiológicos - Infecções por fungos e bactérias inespecíficas; - Xerostomia; Locais; - Hipogeusia ou disgeusia; Sistêmicos; - Hábitos parafuncionais; - Alergênicos (corantes, conservantes), Psicogênicos, - Dentários (próteses, traumas, periodontite). Idiopáticos (CERCHIARI et al., 2006). BBSR BBSR 1
  2. 2. 23/11/20112. SISTÊMICOS 3. PSICOGÊNICOS - Ansiedade; - Depressão,- Nutricionais; - Cancerofobia.- Hormonais;- Medicamentos; Estudos recentes demonstram que outros- Neurológicos, sintomas podem ser associados a esta síndrome,- Alterações das glândulas salivares. como níveis altos de obsessão, somatização, e hostilidade. ROJO et al., 1994 BBSR BBSR4. IDIOPÁTICOS Seguindo essa mesma diretriz psicológica, é interessante evidenciar o quanto as situações“Quando após incessante pesquisa contemplando adversas da vida, como tensão, desemprego eas causas locais, sistêmicas e emocionais, não se perda de ente querido, geraram impactoconsegue encontrar etiologia para a SAB”. negativo na qualidade de vida das pessoas, CERCHIARI et al., 2006 culminando com a instalação da SAB. LÓPEZ-JORNET; CAMACHO-ALONSO; LUCERO-BERDUGO, 2008 BBSR BBSR Investiga-se a participação de outros fatores naEm pacientes em que estes achados clínicos e etiopatogenia da síndrome, como alteraçõeslaboratoriais citados são escassos, o diagnóstico neurológicas e no mecanismo de transmissão dade SAB “verdadeira” é estabelecido. dor. FELICE et al. 2006; BRAILO et al. 2006; FRÉO, 2008; MARINO et al., 2010; PASSARELLI, 2010. BBSR BBSR 2
  3. 3. 23/11/2011 PERFIS EPIDEMIOLÓGICOSHAKEBERG, M.; HALLBERG, LR-M.,BERGGREN, U. Burning mouth syndrome:experiences from the perspective of femalepatients. Eur J Oral Sci 2003; 111: 305-11. BBSR PERFIS EPIDEMIOLÓGICOSGAO, J.; CHEN, L.; ZHOU, J., PENG, J. Acase-control study on etiological factorsinvolved in patients with burning mouthsyndrome. J Oral Pathol Med 2009; 38: 24-28 Imagens cedidas pela Profª.Dulce BBSR Helena Cabelho Passarelli TRATAMENTO TRATAMENTOA realização de anamnese detalhada, exame LAMEY, P-J; LAMB, A. B.; HUGHES, A.;físico geral, exames da cavidade oral e MILLIGAN, K. A., FORSYTH, A. Type 3orofaringe minuciosos, são de fundamental burning mouth syndrome: psychological and allergic aspects. J Oral Pathol Med 1994; 23:importância para evitar que o tratamento dos 216-9.pacientes com esta síndrome seja baseado emtentativa e erro. CERCHIARI et al., 2006 BBSR BBSR 3
  4. 4. 23/11/2011 TRATAMENTO FATORES LOCAIS TRATAMENTOInfecção por candida Administração de antifúngico – Nistatina (PASSARELLI, 2010)Xerostomia - Interromper medicamentos que aumentam a sensação de boca seca; -Saliva artificial PASSARELLI, D. H. C. Utilização do laser de - Lisozima-lactoperoxidase (MARINO et baixa potência como método alternativo para al., 2010) diminuição de sintomatologia em pacientes comPróteses mal adaptadas ou higienizadas - Procedimentos protéticos/Higienização síndrome de ardência bucal [Dissertação deHigiene bucal deficiente - periodontite -Técnica de escovação; Mestrado em Odontologia]. São Paulo: - RACR; Universidade Cruzeiro do Sul; 2010.Hábitos parafuncionais - Ortodontia/ FonoaudiologiaAlergênicos - Mudança dos hábitos alimentares - Mudança do material utilizado para BBSR confeccionar próteses dentárias. FATORES SISTÊMICOS TRATAMENTO Diabetes Mellitus (DM) não diagnosticada Tratamento e acompanhamento Hipotireoidismo Tratamento e acompanhamento Climatério Reposição hormonal Deficiência nutricional (ferro, zinco, Terapia de reposição vitaminas do complexo B) Medicamentos Interromper e/ou substituir Neuropatia - Capsaicina tópica (FRÉO, 2008) - AAL (SERRA; LLORCA; DONAT, 2007) Imagens cedidas pela Profª.Dulce Helena Cabelho Passarelli TRATAMENTO FRÉO B. Estudo clínico da atividade de capsaicina em portadores da Síndrome de Ardência Bucal [Dissertação de Mestrado]. São Paulo: Faculdade de Odontologia da USP; 2008. Imagens cedidas pela Profª.Dulce BBSR Helena Cabelho Passarelli 4
  5. 5. 23/11/2011 FATORES PSICOGÊNICOS TRATAMENTOAnsiedade PsicoterapiaDepressão PsicoterapiaCancerofobia PsicoterapiaQuando a síndrome permanece resistente, mesmo apóscondutas médica e odontológica apropriadas,acredita-se que exista um fundo psicológicorelacionado. BERGDAHL; ANNEROTH, PERRIS, 1995 TRATAMENTO Bergdahl e Anneroth (1993) desenvolveram um protocolo de tratamento, englobando investigação oral, médica e psicológica. BBSR TRATAMENTO O objetivo desta revisão é conceituar a BERGDAHL, J.; ANNEROTH, G., PERRIS, H. Síndrome da Ardência Bucal, assim como os Cognitive therapy in the treatment of patients perfis epidemiológicos, e estabelecer a conduta with resistant burning mouth syndrome: a controlled study. J Oral Pathol Med 1995; 24: do cirurgião dentista frente à redução da 213-5. sintomatologia da doença, contribuindo para melhoria da qualidade de vida dos pacientes. BBSR BBSR 5
  6. 6. 23/11/2011A infecção por cândida, principalmente pela espécie Uma possível explicação para os hábitosCandida albicans (SAMARANAYAKE et al., 1989), parafuncionais, como interposição lingual eestá associada à SAB devido a queimação gerada sucção labial, estarem entre os fatorespela multiplicação deste fungo, detectada pornocirreceptores, que levam este estímulo de variação relacionados à síndrome (LAMEY; LAMB,de temperatura para o Sistema Nervoso Central, 1988; LAMEY et al., 1994; LÓPEZ et al.,dando aos pacientes a percepção da dor, 2003), seria a de que tais hábitos estiram asdesconforto e ardor (CERCHIARI et al, 2006). fibras dos músculos da língua, aumentam oPorém, no estudo realizado por Cavalcanti et al. consumo de oxigênio e perda de metabolismo(2007), leveduras de cândida não desempenharam nos tecidos, resultando em dor e, por fim,papel importante na sintomatologia da síndrome. ardência (GAO et al., 2009). BBSR BBSR Para Bergdahl; Bergdahl (1999) e Felice et al. (2006), ahipofunção da tireóide pode estar relacionada com a SAB e,consequentemente, com a alteração na percepção dopaladar, já que, curiosamente, os hormônios da tireóideestão envolvidos na maturação e especialização das papilas Imagem cedida pelagustativas. Profª.Dulce Helena Cabelho Passarelli LÓPEZ et al., 2003; SOARES et al., 2005; CAVALCANTI et al., 2007 Além disso, Felice et al. (2005) afirmam que, no SistemaNervoso Central (SNC), existem conexões neurais entre Porém, acredita-se que a sensação de boca secapaladar e dor oral. Assim, danos na corda do tímpano ou está relacionada também ao processo deem alguma papila gustativa, podem gerar inibições e envelhecimento, doenças crônicas, capacidadeintensificar as sensações trigeminais normais, bem comosensações fantasmas (tanto tátil como térmica e dolorosa). funcional do paciente e seu estado psicológico, BBSR como afirma Soares et al. (2005).  A SAB tem maior prevalência em mulheres de meia idade ou idosas, no período da É necessário enfatizar que ainda existe grande menopausa ou pós menopausa. A explicação controvérsia entre os fatores psicogênicos serem seria as alterações hormonais (FSH e estradiol) Gao et al. (2009) eventos primários ou secundários, pois condições resultantes da dor crônica, como as constatadas  Todavia, Bergdahl; Bergdahl (1999) na SAB podem afetar e alterar o perfil observaram em seu estudo que a faixa etária de psicológico do paciente (BRAILO et al., 2006; ambos os gêneros era aproximadamente GAO et al., 2009). semelhante, concluindo que as sensações de queimação são mais frequentes no decorrer da BBSR idade, tanto em homens quanto em mulheres. BBSR 6
  7. 7. 23/11/2011 - A prevalência é no gênero feminino, principalmente entre a quarta e sexta décadas de vida, período característico para a ocorrência do climatério; A abordagem terapêutica ainda é uma questão - Pela etiologia complexa e ainda incerta, a colaboração para debate, já que os resultados obtidos em entre médicos, cirurgiões-dentistas com conhecimento diversos tratamentos mostraram-se excepcional em Medicina oral, e psicólogo, se faz cada vez parcialmente ou totalmente ineficazes. mais necessária, para o manejo com os pacientes portadores da SAB. - É necessário melhorar as diretrizes para identificar, explorar e avaliar a qualidade de vida dos pacientes no processo de doença bucal. BBSR BBSR FELICE, F.; GOMBOS, F.; ESPOSITO, V.; NUNZIATA, M., SCULLY, C. Burning mouth syndrome (BMS): evaluation of thyroid and taste. Med Oral Patol Oral Cir Bucal 2006;BERGDAHL, J.; ANNEROTH, G. Burning mouth syndrome – literature review and a model 11: E22-5.for research and management. J Oral Pathol Med 1993; 22: 443-8. FRÉO B. Estudo clínico da atividade de capsaicina em portadores da Síndrome de ArdênciaBERGDAHL, J.; ANNEROTH, G., PERRIS, H. Cognitive therapy in the treatment of patients Bucal [Dissertação de Mestrado]. São Paulo: Faculdade de Odontologia da USP; 2008.with resistant burning mouth syndrome: a controlled study. J Oral Pathol Med 1995; 24:213-5. GAO, J.; CHEN, L.; ZHOU, J., PENG, J. A case-control study on etiological factors involved in patients with burning mouth syndrome. J Oral Pathol Med 2009; 38: 24-28BERGDAHL, M., BERGDAHL, J. Burning mouth syndrome: prevalence and associated factors.J Oral Pathol Med 1999; 28: 350-4. GARCIA-MEDINA, M. R. Síndrome de la boca que arde. Rev Asoc Odontol Argent 1994; 82(2): 140-5.BRAILO, V.; VUÈIÆEVIÆ-BORAS, V.; ALAJBEG, I. Z.; ALAJBEG, I.; LUKENDA, J.;ÆURKOVIÆ, M. Oral burning symptoms and burning mouth syndrome-significance of HAKEBERG, M.; HALLBERG, LR-M., BERGGREN, U. Burning mouth syndrome:differences variables in 150 patients. Med Oral Patol Oral Cir Bucal 2006; 11: E252-5. experiences from the perspective of female patients. Eur J Oral Sci 2003; 111: 305-11.CAVALCANTI, D. R.; BIRMAN, E. G.; MIGLIARI, D. A., SILVEIRA, F. R. X. Burning mouth LAMEY, P-J, LAMB, A. B. Prospective study of aetiological factors in burning mouthsyndrome: clinical profile of brazilian patients and oral carriage of candida species. Braz Dent syndrome. Br Med J 1988; 296:1243-6.J 2007; 18(4): 341-5. LAMEY, P-J; LAMB, A. B.; HUGHES, A.; MILLIGAN, K. A., FORSYTH, A. Type 3 burningCERCHIARI, D. P.; MORICZ, R. D.; SANJAR, F. A.; RAPOPORT, P. B.; MORETTI, G., mouth syndrome: psychological and allergic aspects. J Oral Pathol Med 1994; 23: 216-9.GUERRA, M. M. Síndrome da ardência bucal: etiologia. Rev Bras Otorrinolaringol 2006;72(3): 419-24. LÓPEZ, C. C.; MARTÍNEZ-GONZÁLEZ, J. M.; GÓMEZ, R. F.; LECO, I. B., DONADO, M. R. Estudio clínico-epidemiológico sobre el síndrome de ardor bucal. Av OdontoestomatolCHO, G. S.; HAN, M. W.; LEE, B.; ROH, J-L.; CHOI, S-H.; CHO, KYUNG-JA, et al. Zinc 2003; 19-4: 185-191.deficiency may be a cause of burning mouth syndrome as zinc replacement therapy astherapeutic effects. J Oral Pathol Med 2010; 39: 722-27. LÓPEZ-JORNET, P.; CAMACHO-ALONSO, F., LUCERO-BERDUGO, M. Quality of life in patients with burning mouth syndrome. J Oral Pathol Med 2008; 37: 389-94.MARINO, R.; TORRETTA, S.; CAPACCIO, P.; PIGNATARO, L., SPADARI, F. Differenttherapeutic strategies for burning mouth syndrome: preliminary data. J Oral Pathol Med2010; 39: 611-16.PASSARELLI, D. H. C. Utilização do laser de baixa potência como método alternativo paradiminuição de sintomatologia em pacientes com síndrome de ardência bucal [Dissertação deMestrado em Odontologia]. São Paulo: Universidade Cruzeiro do Sul; 2010.ROJO, L.; SILVESTRE, F. J.; BÁGAN, J. V.; DE VICENT, T. Prevalence of psychopathology inburning mouth syndrome. A comparative study among patients with and without psychiatricdisorders and controls. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 1994; 78: 312-6.SAMARANAYAKE, L. P.; LAMB, A. B.; LAMEY, P-J; MACFARLANE, T. W. Oral carriage ofCandida species and coliforms in patients with burning mouth syndrome. J Oral Pathol Med1989; 18: 233-5.SERRA, M. P. M.; LLORCA, C. S., DONAT, F. J. S. Pharmacological treatment of burningmouth syndrome: a review and update. Med Oral Patol Oral Cir Bucal 2007; 12: E299-4.SOARES, M. S. M; KÜSTNER, E. C.; PIFARRÈ, C. S.; CAMPILLO, M. E. R. R., LÓPEZ, L. J.Associación de síndrome de boca ardiente com xerostomia y medicamentos. Med Oral PatolOral Cir Bucal 2005; 10: 301-8.VAN DER WAAL I. The burning mouth syndrome. Copenhagen: Munksgaard, 1990.WARDROP, R. W.; HAILES, J.; BURGER, H., READE, S.O. Oral discomfort at menopause. OralSurg Oral Med Oral Pathol 1989; 67: 535-40. 7

×