Ansiolíticos E Odontologia

4.632 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.632
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ansiolíticos E Odontologia

  1. 1. 19/12/2011 Resumo  Ansiedade : pode ser conceituada como um estado emocional em que há sentimento de insegurança, angústia, aflição, grande inquietação,desejo veemente,impaciência e avidez .  Ansiolíticos : São medicamentos que reduzem a atividade em DIMA NIDAL EL ALI determinadas regiões do cérebro levando a diminuição da ansiedade. São também conhecidos como tranquilizantes. Frente a eficácia dos ansiolíticos na Odontologia,diversos autores concordam que o controle da ansiedade por meio destes auxilia o CD a alcançar suas metas Orientadora : terapêuticas. Introdução Revisão de Literatura :  Grande parcela da sociedade evita procurar atendimento  Segundo TORTAMANO( 1991) odontológico. Os ansiolíticos possuem :  Os Benzodiazepínicos estão entre as drogas mais grande seletividade contra a ansiedade, largamente prescritas. boa margem de segurança  Meprabonato poucos efeitos colaterais.  O primeiro composto do grupo dos ansiolíticos. (ROMANO 2006) efeitos miorrelaxantes  Os Benzodiazepínicos mais utilizados. São divididos em 2 subgrupos principais: -Meprobanato -Benzodiazepínicos Revisão de Literatura : Revisão de Literatura : ROELOFSE & VAN DER BIJL(1994) relatam que o Diazempam  CALAZANS ET Al. (1998) ,citam os tipos ansiolíticos : apesar de conseguir níveis de sedação satisfatórios , sofre a -Benzodiazepínicos -Anti -histamínicos desvantagem de ter uma meia-vida longa e metabólitos -Azaspirodecadionas (Buspirona) ativos.Por isso ,citam o Midazolam ,tendo como vantagem sua -Carbamato de propanodiol(anos 50) curta duração de efeito ansiolítico e melhor tolerância local. 1
  2. 2. 19/12/2011Revisão de Literatura : Revisão de Literatura : Segundo TEIXEIRA (1999) ,os ansiolíticos apresentam efeito sedativo,  DOTTO & ANTONIAZZI (2002), explicam que os benzodiazepínicos são anticonvulsivante e miorrelaxante . as drogas mais comumente empregadas no controle farmacológico da ansiedade em Odontologia,portanto a reação com outras drogas que FELPEL (2000) ,aponta que os agentes ansiolíticos são utilizados na agem no SNC pode potencializar o efeito depressor do mesmo. Odontologia Clínica principalmente como pré-medicação para o paciente nervoso e apreensivo. SOBREIRA & ZAMPIER (2001) ,afirma que os ansiolíticos são classificados como drogas sedativo-hipnóticas e são mais comumente  CARDOSO & GONÇALVES (2002) ,mostram que os ansiolíticos mostram prescritos por seus efeitos contra a ansiedade. efeitos sedativos ,anticonvulsivante e miorrelaxantes.Revisão de Literatura : Revisão de Literatura : DOMINGUETE & ALEVA (2002) :CONTRA-INDICAÇÕESDOMINGUETE & ALEVA (2002) : INDICAÇÕES Ansiedade não controlada pela verbalização, como medicação pré- anestésica,  Gestantes  Portadores de glaucoma ou miastenia grave Imediatamente após traumatismos dentais, em pacientes hipertensos, diabéticos ou cardiopatas e em alguns casos de  Crianças com comprometimento metal ou físico severo emergência médica, como a síndrome de hiperventilação.  Pacientes com hipersensibilidade aos benzodiazepínicosRevisão de Literatura : GOODCHILD,FECK, SILVERMAN (2002) , compararam os ansiolíticos com  Diazepam®  Lorazepam® os medicamentos mais antigos, como os barbitúricos, eles são mais  Triazolam ® seguros, têm uma duração mais curta, e proporcionam um maior  Lorazepam® controle da ansiedade.  Midazolam ®  Hidroxizina ®  Óxido nitroso (N2O)  Zaleplon 2
  3. 3. 19/12/2011Revisão de Literatura : Revisão de Literatura : AMARANTE, GUEDES-PINTO (2003),acreditam que inicialmente, o  CHERUBINI ET AL. (2005) realizaram um estudo da síndrome da manejo da ansiedade deve ser realizado através de condicionamento ardência bucal, que afirmaram ser caracterizada pela queixa de psicológico. ardência constante na boca sem que qualquer lesão seja detectada ao exame físico da cavidade bucal.Revisão de Literatura : Revisão de Literatura : GUIMARÃES (2006) discorre sobre o uso de ansiolíticos na clínica  GAUJAC ET AL. (2009) , afirmam que o óxido nitroso atua no sistema odontológica. Afirma que o medo e a ansiedade podem gerar o nervoso, promovendo uma leve depressão da córtex cerebral, e não estresse, assim, é fundamental para a segurança do paciente, que o deprime o centro respiratório, mantendo o reflexo laríngeo. Tranquiliza profissional adote condutas para o seu controle. o paciente de forma rápida e segura, diminuindo a sua sensibilidade à dor.Revisão de Literatura : Contra Indicações :  Gestantes CRUVINEL (2010) , o motivo do medo frente ao tratamento odontológico pode estar associado a vários fatores,  Pacientes portadores de glaucoma,miastenia grave dentre eles: “tratamento doloroso”, “broca”, ignorância sobre o que irá acontecer, “injeção”.  Pacientes alérgicos aos benzodiazepínicos, lactantes A maioria dos benzodiazepínicos produz uma depressão na função do sistema nervoso central, atenuando as manifestações comportamentais  Pacientes em tratamento com medicamentos depressores do SNC neurovegetativas e subjetivas da ansiedade.  Pacientes que ingeriram bebidas alcoólicas, crianças com deficiência A dosagem deve ser menor em pacientes idosos, devido diminuição do mental. metabolismo hepático e maior sensibilidade a efeitos centrais. 3
  4. 4. 19/12/2011 Proposição Discussão  A ansiedade pode ser controlada por meio dos ansiolíticos.(TORTAMANO, 1992; CALAZANS et. al., 1998; OLIVEIRA, GUIMARÃES, OLIVEIRA, 1999; FELPEL, O objetivo deste trabalho foi levantar, através da 2000; CRAIG et. al., 2000; DOTTO & ANTONIAZZI, 2002; GOODCHILD, FECK, SILVERMAN, 2002; DOMINGUETE & ALEVA, 2002; HORLIANA et. al., 2004; TEIXEIRA & QUESADA, 2004; GUIMARÃES, 2006; ROMANO, 2006; DONALDSON, GIZZARELLI, CHANPONG, 2007; GONÇALVES & FRANÇA, 2007; GAUJAC et. al, 2009; CRUVINEL, 2010) literatura recente, informações a respeito do uso de ansiolíticos na Odontologia em todos seus aspectos.  Os benzodiazepínicos produzem uma depressão na função do SNC . (TORTAMANO, 1992; CALAZANS et. al., 1998; TEIXEIRA, 1999; FELPEL, 2000; CARDOSO & GONÇALVES, 2002; GOODCHILD, FECK, SILVERMAN, 2002; TEIXEIRA & QUESADA, 2004; GUIMARÃES, 2006; ROMANO, 2006; DONALDSON, GIZZARELLI, CHANPONG, 2007; GAUJAC et. al, 2009; CRUVINEL, 2010) Discussão Discussão Prescrição por via oral .  Possíveis efeitos indesejáveis após o uso incluem xerostomia,( GUIMARÃES, OLIVEIRA,1999; DOMINGUETE & ALEVA, 2002; ROMANO, 2006; CRUVINEL, 2010) síndrome da ardência bucal, sonolência, amnésia, perturbação da coordenação motora e confusão. (TEIXEIRA, 1999; GOODCHILD, FECK, SILVERMAN, Seu antagonista é o Flumazenil 2002; TEIXEIRA & QUESADA, 2004; KOLBE & BRITTO, 2004; DURSCKI, 2004; LOUREIRO et. al., 2004; CHERUBINI et.(CALAZANS, 1998; FELPEL, 2000; CARDOSO & GONÇAVES, 2002) al., 2005; GUIMARÃES, 2006; ROMANO, 2006; AMENÁBAR, 2006; CABRERA et. al., 2007; DONALDSON, GIZZARELLI, CHANPONG, 2007; GAUJAC et. al, 2009) Quanto a suas contra-indicações, são pacientes clinicamente instáveis, pacientes clinicamente complexos, pacientes que tenham tido reações adversas em outras oportunidades, pacientes idosos e gestantes. (DOMINGUETE & ALEVA, 2002; GOODCHILD, FECK, SILVERMAN, 2002;  O ansiolítico mais utilizado é o Diazepam (ROELOFSE & VAN DER BIJL, 1994; GRAIG et. al., TEIXEIRA & QUESADA, 2004; GUIMARÃES, 2006) 2000; GOODCHILD, FECK, SILVERMAN, 2002; DONALDSON, GIZZARELLI, CHANPONG, 2007) REFERÊNCIAS AMARANTE, E. C.; AMARANTE, E. S.; GUEDES-PINTO, A. C. Atualize-se sobre o uso da sedação consciente por óxido nitroso e oxigênio em odontologia. Revista Brasileira de Conclusões Odontologia, v. 60, n. 2, mar./abr., 2003. AMENÁBAR, J. M. Níveis de cortisol salivar, grau de estresse e de ansiedade em indivíduos com síndrome da ardência bucal. 2006. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. ARAUJO, M. R.; GRÉGIO, A. M. T.; AZEVEDO, L.R.; MACHADO, M. A. N.; MATTIOLI, T.; CASTRO, L. F. A. Reações adversas medicamentosas de interesse odontológico. Revista Odontológica de Araçatuba, v.26, n.2, p. 28-33, jul./dez., 2005.  Uso seguro e eficaz BARRETO, R. C.; TRAVASSOS, R. R.; PEREIRA, G. A. S.; MONTENEGRO, O. S.; GURGEL, A. A. Sedação consciente com midazolan oral em cirurgias de molares inclusos. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v.6, n. 2, p. 147-156, 2002. CABRERA, M. A. S.; MESAS, A. E.; ROSSATO, L. A.; ANDRADE, S. M. Fluxo salivar e uso de drogas psicoativas em idosos. Revista Associação Médica Brasileira, v. 53, n.2, p.178-181, 2007.  Aplicados somente em certas situações CALAZANS, P. M.; MELLO, L. D.; VELMOVITSKY, L.; GOUVÊA, C. V. D. A utilização dos ansiolíticos nas disfunções têmporo-mandibulares. Revista da Faculdade de Odontologia de Valença, ano 2, n. 2, p. 47-49, jan./jul., 1998. CARDOSO, R. J. A.; GONÇALVES, E. A. N. Tratamento farmacológico da dor. In: ________. Oclusão/ATM, Prótese, Prótese sobre Implantes, Prótese Bucomaxilofacial. São Paulo: Artes  Tem suas contra indicações Médicas, 2002. v. 6, p. 130-145. CHERUBINI, K.; MAIDANA, J. D.; WEIGERT, K. L.; FIGUEIREDO, M. A. Síndrome da ardência bucal: revisão de cem casos. Revista Odonto Ciência, v. 20, n. 48, p. 109-113, abr./jun. 2005  Medicamento controlado CRAIG, D. C.; BOYLE, C. A.; FLEMING, G. J.; PALMER, P. A sedation technique for implant and periodontal surgery. Journal of Clinical Periodontology, n. 27, v. 12, p. 955-959, 2000. CRUVINEL, A. R. A aplicação do uso de ansiolíticos em pacientes odontológicos. 2010. Dissertação (Disciplina de Farmacologia e Fisiologia) - Universidade José do Rosário Vellano, Minas Gerais. DOMINGUETE, P.R.; ALEVA, N. A. Terapêutica medicamentosa em cirurgia bucomaxilo-facial. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 5, n. 1, jan./jun., 2002. DONALDSON, M.; GIZZARELLI, G.; CHANPONG, B. Oral sedation: a primer on anxiolysis for the adult patient. Anesthesia Progress, v.54, n.3, p. 118–129, 2007. DOTTO, C. A.; ANTONIAZZI, J. H. Interações medicamentosas adversas na clínica odontológica In: ______. Terapêutica medicamentosa. São Paulo: VM Comunicações, 2002. p. 50- 58. DURSCKI, J. R. C. – Estudo histomorfométrico do efeito da associação do efeito da associação de drogas de ação central e da pilocarpina sobre as glândulas parótidas de ratos. 2004. Dissertação (Mestrado em Estomatologia) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná. FALCÃO, I. M.; MONSANTO, A.; NUNES, B.; MARAU, J.; FALCÃO, J. M. Prescrição de psicofármacos em medicina geral e familiar: um estudo na rede médicos-sentinela. Revista Portuguesa de Clínica Geral, n. 23, p. 17-30, 2007. FELPEL, L.P. Drogas ansiolíticas e relaxantes musculares de ação central. In: NEIDLE, E.A.; YAGIELA, J.A. Farmacologia e Terapêutica para Dentistas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. Cap. 13. p. 161-175. 4
  5. 5. 19/12/2011GAUJAC, C.; SANTOS, H. T.; GARÇÃO, M. S.; JÚNIOR, J. S.; BRANDÃO, J. R. M. C. B.; SILVA, T. B. Sedação consciente em odontologia. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de SãoPaulo, v. 21, n.3, p. 251-257, set./dez., 2009.GONÇALVES, E. C. S.; FRANÇA, F. M. G. Avaliação do uso de ansiolítico homeopático em procedimentos odontológicos como droga a lternativa aos benzodiazepínicos. Revista Gaúcha deOdontologia, v. 55, n. 2, p. 175-180, abr./jun., 2007.GOODCHILD, J. H.; FECK, A. S.; SILVERMAN, M. D. Anxiolysis in general dental practice. Dentistry Today Web Site, 2002. Disponível em: <www.dentistrytoday.com>. Acesso em: 29 jul.2010.GUIMARÃES, V. C. S. Ansiolíticos na clínica odontológica. Revista ABO, ano 3, p. 10, jan./fev., 2006.HORLIANA, A. C. R. T.; PEREZ, F. E. G.; ROCHA, R. G.; LOUREIRO, C. C. S. Interações Medicamentosas – Como evitar efeitos adversos aos pacientes? Revista APCD, v. 58, n. 2, p. 133-138,2004.KOLBE, A. C.; BRITTO, P. K. Halitose: principais origens, incidência e efeitos colaterais na geriatria. Um grande portal na odontologia do futuro. Revista Internacional de Estomatologia,ano 1, v.1, n.1, p. 40-44, abr./jun., 2004.LOUREIRO, C. C. S.; ADDE, C. A.; PEREZ, F. E. G.; PENHA, S. S. Efeitos adversos de medicamentos tópicos e sistêmicos na mucosa bucal. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, v.70, n.1, p. 106-111, jan./fev., 2004.MATOS, L. F.; PEREIRA, S. M.; KAMINAGAKURA, E.; MARQUES, L. S.; PEREIRA, C. V.; VAN DER BILT, A.; PEREIRA, L. J. Relationship s of beta-blockers and anxiolytics intake and salivarysecretion, masticatory performance and taste perception. Archives of Oral Biology, n. 55, v.2, p. 164-169, fev., 2010.OLIVEIRA, J. A. G. P.; GUIMARÃES, E. C.; OLIVEIRA, L. S. Avaliação da ansiedade e dos parâmetros cardiovasculares em pacientes hipertensos submetidos ao uso da pré-medicaçãoDiazepam e da solução anestésica Bupivacaína (Neocaina 0,5% sem epinefrina), em exodontias múltiplas. Estudo duplo-cego. Revista ABO nacional. v. 7, n. 2, p. 96-99, abr./mai., 1999.ROELOFSE, J. A.; VAN DER BIJL, A. P. - Cardiac dysrhythmias associated with intravenous lorazepam, diazepam, and midazolam during oral surgery – Journal of oral and MaxillofacialSurgery. v. 52, n. 3, p. 247-250, março, 1994.ROMANO, M. M. Alterações eletrocardiográficas em cirurgias para a colocação de implantes dentários sob anestesia local e pré-medicação ansiolítica. 2006. Dissertação (Doutorado emImplatodontia) - Faculdade de Odontologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.SANTOS, T. S.; ACEVEDO, C. R.; MELO, M. C. R.; DOURADO, E. Abordagem atual sobre hipertensão arterial sistêmica no atendiment o odontológico. Odontologia Clínico-Científica. n. 8, v. 2,p. 105-109, abr/jun., 2009.SOBREIRA, C. R.; ZAMPIER, M. R. Terapia farmacológica nas desordens temporomandibulares – Revisão de Literatura. Revista do CROMG. v. 7, n. 2, p. 91-96, mai./ago., 2001.TEIXEIRA, M. J. Dor: Tratamento Farmacológico da Dor. Curitiba: Maio, 1999. p. 69-72.TEIXEIRA, T. F.; QUESADA, G. A. T. Terapia ansiolítica para pacientes odontológicos. Revista do Centro de Ciências da Saúde, v. 30, n.1-2, p. 100-103, 2004.TORTAMANO, N. Tranquilizantes In:______. Guia terapêutico odontológico. São Paulo: Santos, 1991. Cap.8, p. 48-53 . 5

×