A meditação J.Krishamurti

273 visualizações

Publicada em

A meditação J.Krishamurti

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
273
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A meditação J.Krishamurti

  1. 1. A meditação segundo Jiddu Krishnamurti Ter, 29 de Novembro de 2011 19:05 Nascido em 11 de maio de 1895 em Madnapele, ao sul da Índia, Jiddu Krishnamurti foi um filósofo e místico indiano. Acompanhou seu pai Jiddu Naraniah a Adyar em 23 de janeiro de 1909, pois este conquistara um emprego de secretário-assistente da Sociedade Teosófica, entidade que estuda todas as religiões. Krishnamuti foi adotado pela Dra. Annie Besant, presidente da Sociedade Teosófica. Foi proclamado pelos teosofistas como o instrutor do mundo . Uma organização chamada Estrela do Oriente foi formada para preparar o mundo para sua chegada e Krishnamurt se tornou seu líder. Entretanto, em 1929, Krishnamurti renunciou ao papel que lhe fora destinado, dissolveu a Ordem com seus inúmeros seguidores e devolveu todo o dinheiro e propriedades doados para seu trabalho. Krishnamurti se tornou um instrutor espiritual. Por aproximadamente 70 anos, ele viajou pelo mundo falando para grandes audiências e indivíduos sobre a necessidade de uma mudança radical na humanidade. Rejeitava o título de guia espiritual que alguns lhe atribuía ,atraia grandes multidões mas não aceitava discípulos, falando sempre como se fosse de pessoa a pessoa. O cerne do seu ensinamento, consiste na afirmação de que é necessária e urgente uma mudança fundamental na sociedade através da transformação da consciência individual. A necessidade do autoconhecimento e da compreensão das influências restritivas e separativas das religiões organizadas, dos nacionalismos e de outros condicionamentos, foram por ele constantemente realçadas. Chamou sempre a atenção para a necessidade urgente de um aprofundamento da consciência, para esse “vasto espaço que existe no cérebro onde há inimaginável energia”. Essa energia parece ter sido a origem da sua própria criatividade e
  2. 2. também a chave para o seu impacto catalítico numa tão grande e variada quantidade de pessoas. "Afirmo que a Verdade é uma terra sem caminho. O homem não pode atingi-la por intermédio de nenhuma organização, de nenhum credo. Tem de encontrá-la atraves do espelho do relacionamento, através da compreensão dos conteúdos da sua própria mente, através da observação" 1 / 7A meditação segundo Jiddu Krishnamurti Ter, 29 de Novembro de 2011 19:05 Considerado um dos maiores pensadores e instrutores religiosos de todos os tempos, ele não era ligado a nenhuma filosofia ou religião. Falava sobre problemas que preocupavam a todos em nossa vida diária, como viver em uma sociedade moderna com violência e corrupção, da busca individual por segurança e felicidade e da necessidade da humanidade de se livrar do peso interior do mede, da dor e da tristeza. Explicou com grande precisão, o funcionamento da mente humana e apontou a necessidade de trazer à nossa vida diária, uma qualidade profundamente meditativa e espiritual. Krishnamurti não pertencia a nenhuma organização religiosa, seita ou país, nem estava associado a qualquer escola política de pensamento ideológico. Segundo Krishnamurti, para saber o que é meditação deveríamos saber o que é pensar. "Meditar sem conhecer o processo de pensar é criar uma fantasia, uma ilusão sem realidade. Ele dizia que pensar é uma resposta da memória. Os pensamentos se tornam escravos de palavras, de símbolos, de idéias, e a mente é a palavra, e ela passa a depender de nomes como Deus, comunista, aldeão, cozinheiro e etc. Vivemos e pensamos dentro de uma estrutura
  3. 3. condicionada . Porém, haverá pensamento sem palavra? Existe um pensar sem a palavra e, portanto, fora do tempo? A palavra é tempo. Mas, se a mente for capaz de separar de si própria a palavra e o símbolo, haverá, então, um perquirir sem objetivo e essa pesquisa será de ordem atemporal." "A meditação é uma das coisas mais importantes na vida; não como meditar, não a meditação conforme um sistema, não a prática da meditação, mas principalmente o que a meditação é na verdade. Se um indivíduo pode descobrir, muito profundamente, a significação, a necessidade e a importância que tem a meditação para si mesmo, então descartará todos os sistemas, métodos, gurus, junto com todas as coisas peculiares que se acham envolvidas nesse tipo oriental de meditação." "Para ver o que o indivíduo realmente é, torna-se vital que haja liberdade, liberdade com relação a todo o conteúdo da própria consciência - sendo o conteúdo da consciência todas as coisas acumuladas pelo pensamento. Libertar-se do conteúdo da própria consciência, das cóleras e brutalidades, das vaidades e da arrogância, libertar-se de todas as coisas em que a pessoa se acha enredada, é meditação." 2 / 7A meditação segundo Jiddu Krishnamurti Ter, 29 de Novembro de 2011 19:05 "Os que desejam compreender o profundo significado da meditação, devem partir de si próprios, porquanto o autoconhecimento é a base do verdadeiro pensar. Deveis partir de vós mesmos, para chegardes longe. É difícil a auto-observação; É difícil penetrarmos até o fundo de cada pensamento-sentimento, mas essa percepção de cada pensamento-sentimento porá fim às divagações da mente. (O Egoísmo e o Problema da Paz, pág. 119)" "A meditação só tem significado quando a mente-coração está vigilante, descendo até o fundo
  4. 4. de cada pensamento e sentimento que surge, sem comparar nem identificar. Porque o identificar e o comparar sustenta o conflito da dualidade. Na tentativa de concentrar-nos, são os pensamentos-sentimentos antagônicos reprimidos, ou afastados, ou superados, e não é possível a compreensão" " Que é meditação? Não é ela a compreensão das atividades de nosso “ego”, não é ela autoconhecimento? Sem autoconhecimento, sem a percepção do processo do “eu”, em sua inteireza, carece de realidade a base sobre que formais o vosso caráter, o objetivo pelo qual lutais." (O Egoísmo e o Problema da Paz) "A meditação não é um processo de vir a ser pessoal; uma vez que se inicia com o autoconhecimento, traz-nos a tranqüilidade e a suprema sabedoria, abrindo-nos a porta para o Eterno. Tem a meditação por fim fazer-nos conhecer o “ego” no seu todo. O “ego” é resultado do passado e não existe no isolamento. As muitas causas que lhe deram existência precisam ser compreendidas e transcendidas." (O Egoísmo e o Problema da Paz, pág. 160) "Destrua o pequeno estímulo egocêntrico, ele não existe! A partir daí você pode se mover infinitamente. E isto é meditação. Não simplesmente sentar-se de pernas cruzadas, ou em posição sobre a cabeça, ou fazer o quer que seja, mas tendo o sentimento de completa totalidade e unidade da vida. E isso só pode vir quando há amor e compaixão. (The Word of Peace, pág. 96) "Meditação é estar cônscio de cada pensamento e de cada sentimento, nunca dizer que ele é certo ou errado, porém simplesmente observar e acompanhar seu movimento. Nessa vigilância, compreendeis o movimento total do pensamento e do sentimento. E dessa vigilância vem o silêncio. O silêncio criado pelo pensamento é estagnação, coisa morta, porém o silêncio que vem quando o pensamento compreendeu a sua própria origem, natureza, esse silêncio é meditação na qual o meditador está de todo ausente, porque a mente
  5. 5. esvaziou-se do passado." (Liberte-se do Passado, pág. 103) 3 / 7A meditação segundo Jiddu Krishnamurti Ter, 29 de Novembro de 2011 19:05 "Ora, compreender a si próprio é absolutamente necessário. Meditar é esvaziar a mente, e, nesse estado de vazio, ocorre a “explosão” que nos lança no desconhecido. A mente que está repleta, carregada de problemas, em conflito, que não explorou as profundezas de si própria, não tem possibilidade de esvaziar-se. E a meditação é o esvaziar da mente, não no final, porém imediatamente, fora do tempo." (Uma Nova Maneira de Agir, pág. 73-74) "Meditação é o apercebimento de cada pensamento, de cada sentimento, de cada ato, e esse percebimento só é possível quando não há condenação, nem julgamento, nem comparação. Vedes, simplesmente, cada coisa como é, e isso significa que estais cônscio de vosso condicionamento - tanto do consciente como do inconsciente - sem desfigurá-lo ou alterá-lo." (O Homem e seus Desejos em Conflito, 1ª ed., pág. 98) "Conhecer o processo integral da mente - todas as suas inclinações, 'motivos', propósitos, seus talentos, suas exigências, seus temores, frustrações e êxitos felizes - conhecer todas essas coisas significa estar tranqüilo e não permitir que elas atuem. Só então pode manifestar-se o que se acha além da mente." (As Ilusões da Mente, pág. 116) "E quando livres do medo, da amargura, da ambição, da avidez, da inveja, do desejo de êxito, da existência de poder, posição, prestígio, o cérebro se torna então tranqüilo. Mas só podeis compreender e livrar-vos de toda essa agitação, se dela vos conscientizardes sem nenhum esforço. Está agora bem claro que, para a mente poder achar-se no estado de meditação, é imprescindível a eliminação do conflito. Enquanto não se compreender a estrutura e a anatomia desse centro, haverá sempre conflito" (O Homem e seus Desejos em Conflito, 2ª
  6. 6. ed., pág. 166) "A meditação é a purificação da mente de todas as suas acumulações; é expurgá-la da capacidade de adquirir, de identificar-se, de vir a ser; expurgá-la da expansão do 'ego', do preenchimento do 'ego'. A meditação é o libertar a mente da memória, do tempo." (O Egoísmo e o Problema da Paz, pág.269) "No estado de meditação, a mente está vendo - observando, escutando sem a palavra, sem comentário, sem opinião - atenta ao movimento da vida em todas as suas relações, do começo ao fim do dia. Mas a mente que está vigilante, escutando o movimento da vida - o externo e o interno - a essa mente vem um silêncio não fabricado pelo pensamento." (A Outra Margem do Caminho, pág. 19) 4 / 7A meditação segundo Jiddu Krishnamurti Ter, 29 de Novembro de 2011 19:05 "Só quando ausente o 'eu', existe a possibilidade de a mente estar quieta, e, portanto, apta a compreender, a receber aquilo que é eterno. Mas formar uma representação da eternidade, conceber uma idéia a seu respeito, é, verdadeiramente, autoprojeção, ilusão. Mas, para que o eterno seja, torna-se necessário, evidentemente, que as atividades, as fabricações, as projeções do 'eu' cessem inteiramente. E o cessar dessa projeção é o começo da meditação" (Nós Somos o Problema, pág. 50) "A meditação exige uma mente sobremodo vigilante; a meditação é a compreensão da totalidade da vida, na qual não existe mais nenhuma espécie de fragmentação. Meditação não é controle do pensamento (…); mas, quando se compreende a estrutura e a origem do pensamento, (…) o pensamento então não mais interfere. Essa compreensão da estrutura do pensar é sua própria disciplina, que é meditação." (Liberte-se do Passado, pág. 103)
  7. 7. "A mente, pois, percebe que, sem espaço, sem espaço infinito, não há liberdade, e que só há espaço infinito quando não há nenhum criador de espaço. O espaço é infinito, desde que não haja objeto; por conseguinte, a liberdade é infinita." (Uma Nova Maneira de Agir, pág. 141) "É, pois, esse o começo da meditação; isto é, a mente, depois de desejar e procurar espaço no exterior, e de compreender esse espaço exterior, volta-se para o seu próprio interior e observa. E, rejeitando o falso alcança a mente um estado de verdadeira serenidade. Porque compreendeu tudo aquilo, já nada busca, nada pede, nada exige." (Uma Nova Maneira de Agir, pág. 144) "A meditação é a inocência do presente e, em conseqüência, é sempre só. A mente totalmente só, ilesa do pensamento, cessa de acumular. Portanto, o esvaziar da mente está sempre no presente. Para a mente que está só, o futuro - que pertence ao passado - deixa de existir." (A Outra Margem do Caminho, pág. 85) "Porque o findar do pensamento é o começo da meditação real; e só então há uma revolução, uma maneira fundamentalmente nova de considerar a existência." (Da Insatisfação à Felicidade, pág. 71) "Meditação é estar cônscio das atividades da mente - da mente do meditador, de como a mente se divide em meditador e meditação, em pensador e pensamento, o pensador dominando, controlando, moldando o pensamento. Existe, pois, em todos nós, o pensador separado do pensamento; o pensador se tornou o “eu superior”, o “eu mais nobre”, mas isso é 5 / 7A meditação segundo Jiddu Krishnamurti Ter, 29 de Novembro de 2011 19:05 ainda a mente dividida em pensador e pensamento." (As Ilusões da Mente, pág. 76) "A meditação, portanto, é o 'processo de descondicionamento' da mente; significa estar
  8. 8. cônscio sem condenação, sem justificação ou resistência, de cada pensamento, cada sentimento, cada fantasia que surge, conforme as nossas idiossincrasias e tendências pessoais. É a memória do passado que condiciona a nossa reação, e meditação é o processo de libertar a mente do passado." (A Arte da Libertação, pág. 33) "A meditação sem padrão estabelecido, sem causa ou motivo, sem direção ou propósito é um fenômeno extraordinário. Não é somente uma tremenda e purificadora explosão, mas é também a morte sem retorno. Trata-se de uma ação devastadora que penetra por todos os cantos mais distantes e secretos do pensamento. Sua pureza é extremamente vulnerável Como o amor, ela é pura porque desconhece a resistência. Assim como a morte, é inevitável; não existe, na meditação, o amanhã. Eis o que é meditação, e não a atividade do cérebro em sua busca de segurança. A meditação destrói a segurança. Nela existe grande beleza. Todas as coisas surgem e fluem do vazio desse silêncio." (Diário de Krishnamurti, pág. 70) "A meditação não consiste em buscar uma finalidade. Da meditação surge um imenso silêncio; não um silêncio cultivado, entre dois pensamentos, dois ruídos, senão um silêncio que é inimaginável. O cérebro chega a estar extraordinariamente quieto quando se acha nesse processo de investigação interior; quando há silêncio, existe grande percepção. Nesse silêncio há vazio, um vazio que é a soma de toda energia." (La Totalidad de la Vida, pág. 193) "É extraordinariamente importante conhecer e compreender a profundidade e a beleza da meditação. Existe algo imutável, sagrado, absolutamente puro, não contaminado por nenhum pensamento, por nenhuma experiência? Para descobrir isso, para dar com isso, é imprescindível a meditação. Não a meditação repetitiva; isso carece por completo de sentido. Quando a mente se acha livre de todo conflito, de qualquer afã do pensamento, existe então uma energia criadora que é autenticamente religiosa. Dar com essa energia que não tem princípio nem fim, é a verdadeira profundidade e beleza da meditação. Isso requer libertação
  9. 9. de todo condicionamento." (La Llama de la Atención, pág. 34-35) "De modo que existe uma fonte, uma causa original da qual surgem todas as coisas, e essa causa original não é a palavra. A palavra nunca é coisa. E a meditação consiste em dar com essa causa que é a fonte original de todas as coisas e que está totalmente livre do tempo. Esse é o caminho da meditação. E bem-aventurado é quem o descobre." (La Llama de la 6 / 7A meditação segundo Jiddu Krishnamurti Ter, 29 de Novembro de 2011 19:05 Atención, pág. 35) "Mas, se quem pratica a meditação começa por compreender a si próprio, tem então grande importância a sua meditação. Pela autovigilância e o autoconhecimento vem o reto pensar; é somente então que o pensamento é capaz de transcender as camadas condicionadas da consciência. A meditação é então o 'ser', o qual tem seu próprio movimento eterno; é a própria criação, porquanto o meditador deixou de existir." (O Egoísmo e o Problema da Paz, pág. 184) Krishnamurti sempre afirmava que antes de sermos hindus, muçumamos ou cristãos, somos seres humanos iguais ao resto da humanidade. Ele pediu que andemos suavemente por esta terra sem nos destruirmos ou ao meio ambiente. Transmitiu aos seus ouvintes um profundo senso de respeito pela natureza. Seus ensinamentos transcendem os sistemas de crenças feitos pelo homem, o sentimento de nacionalismo e de sectarismo. Ao mesmo tempo eles dão um novo sentido e direção à busca da humanidade pela verdade. Seus ensinamentos, além de serem relevantes à idade moderna, são atemporais e universais. Krishnamurti morreu em 1986, deixando um rastro de luz para quem ousar buscar a liberdade e o autoconhecimento
  10. 10. Fontes: Krishnamurti Online Instituição Cultural Krishnamurti http://pt.wikipedia.org/wiki/Jiddu_Krishnamurti 7 / 7

×