ROBERTO OLIVEIRA CUNHALEIAME                                                         APRESENTAÇÃO       Nenhuma informação...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHA      INICIANDO O WORD PAD                                        INICIANDO O BLOCO DE NOTAS        ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAIInformátiica  nformát ca                                                               Hardware    ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAVídeo                                                          Microfone     Dispositivo que exibe t...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHASoftwareSoftware                                                            Códiigos Biináriios     ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAMiicroprocessadorM croprocessador                                                  ROM (Read Only Me...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHADisquete                                                                  DVD-ROM       Dispositivo ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHADiigiitaçãoD g tação                                                          Tecllado Porttuguês ((...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHATecllado Porttuguês ((Porttuguall))Tec ado Por uguês Por ugua                        Tecllado Porttu...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHATeclado Português (Padrão Internacional)                              Teclas de digitação      Tecla...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHA       Embora normalmente se utilize o mouse para sele-               rágrafo seguinte e continuará ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHA                                                                             Home – Em conjunto com ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHA              A tecla Esc é muito utilizada para interromper        O que é um processador de texto ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAPara lembrar:                                                              Você sabia que o uso prol...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHA       As recomendações são para que o topo da tela este-                    Outro fator que contrib...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAMesa                                                                 Lesões por Esforço Repetiitiivo...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAO trabalhador será ainda mais exigido. Temos que encon-              quadas; c) tensão psicológica d...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHATreiinando a cópiia de documentosTre nando a cóp a de documentos                                    ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHA              Uso do dedo polegar                     Bate-se o espaço com o dedo polegar quer da mã...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHALição 1 - ASDFG                                                             Lição 6 - ÇLKJHGFDSAasdf...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHA      Colocação dos dedos na terceira fileira do tecladoUso dos dedos da mão esquerda:Para o caracte...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHALição 11 - QWERT                                                       Lição 16 - POIUYTREWQqwert qw...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHA      Colocação dos dedos na terceira fileira do tecladoUso dos dedos da mão esquerda:Para o caracte...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHALição 21 - ZXCVB                                                            Lição 26 - ;.,MNBVCXZzxc...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHA      Colocação dos dedos na quarta fileira do tecladoUso dos dedos da mão esquerda:Para o caractere...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHALição 31                                            Lição 3612345 12345 12345 12345 12345 12345     ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHA      Se ainda houver dúvidas quanto à colocação dos             Lição 1 – ASSA SALAdedos no teclado...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHA                                                                            Lição 11 – QUERER QUITOL...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHALição 16 – ARA ARARA                                                    Memoriização ffase 3        ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAFase 1                                                                  Fase 6idéia é idéia é idéia ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAFase 11                                                              Fase 16Ao homem foi dado o raci...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAVellociidade ffase 1Ve oc dade ase 1                                                  Fase 1        ...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAFase 6                                                                 Fase 11O carneiro trouxe as c...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAFase 16                                                                 Fase 21De conformidade com c...
ROBERTO OLIVEIRA CUNHAFase 26                                                           Vellociidade ffase 2              ...
Curso de digitação
Curso de digitação
Curso de digitação
Curso de digitação
Curso de digitação
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Curso de digitação

943 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
943
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
65
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso de digitação

  1. 1. ROBERTO OLIVEIRA CUNHALEIAME APRESENTAÇÃO Nenhuma informação do TUTORIAL DE DIGITA- DIGITAÇÃO 2006ÇÃO 2006 poderá ser copiada, movida ou modificada semautorização prévia e escrita do Programador Roberto Oli- Este manual se destina a você que deseja aprenderveira Cunha. “Digitação” corretamente com os dez dedos e sem olhar para o teclado nem para a tela. Programador: Roberto Oliveira Cunha INICIANDO A DIGITAÇÃO 2006 O programa mais utilizado para digitação de textos é o Microsoft Office Word 2003, Clique em Iniciar, Todos os programas, Microsoft Office, Microsoft Office Word 2003. 1 1
  2. 2. ROBERTO OLIVEIRA CUNHA INICIANDO O WORD PAD INICIANDO O BLOCO DE NOTAS Os exercícios de 1 até 40 são mais indicados para Para iniciar o Bloco de Notas, Clique em Iniciar, To-serem feitos no Word Pad e Bloco de Notas por causa do dos os programas, Acessórios, Bloco de Notas.verificador de ortografia e gramática do Microsoft OfficeWord 2003 sublinha todas as palavras “ASDFG” da Lição1, todas as palavras “HJKLÇ“ da Lição 2, etc... até a Lição40. Para iniciar o Word Pad, Clique em Iniciar, Todosos programas, Acessórios, Word Pad. 2 2
  3. 3. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAIInformátiica nformát ca Hardware Hardware A informática que torna a INFORmação autoMÁTI- É a parte física do computador, ou seja, o conjuntoCA não deve intimidar e tão pouco iludir, ela e computado- de dispositivos responsáveis pelo processamento das in-res foram criados para resolver problemas e auxiliar as formações. Exemplo: Teclado, Mouse, Vídeo, Impressora,pessoas. Microfone, Caixas de som, etc.ComputadorComputador Teclado O computador é uma máquina que processa infor-mações eletronicamente, na forma de dados e pode serprogramado para as mais diversas tarefas. As fases do processamento são: Dispositivo conectado ao computador e usado para 1. Unidade de Entrada de Dados (Informações iniciais) digitar informações e instruções. Inclui teclas de máquina 2. Unidade Central de Processamento (Instruções) de escrever padrão e teclas especiais. 3. Unidade de Saída de Dados (Resultados) Vamos supor que você solicitou ao computador somar 1 + 1 Mouse Entrada de Dados CPU Saída de Dados 1+1 1+1=2 2 Memória Dispositivo de entrada que permite mover o ponto de 2 inserção na tela, selecionar texto, selecionar comandos e executar outras operações. Lembrasse que você pode guardar os resultados na memória. 3 3
  4. 4. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAVídeo Microfone Dispositivo que exibe textos e imagens gerados pelocomputador, semelhante a uma tela de TV. Dispositivo de entrada que permite gravar o som na memória do computador.Impressora Caixa de som Dispositivo de saída que permite executar o som gravado na memória do computador. Dispositivo que produz cópia em papel das informa-ções do computador. 4 4
  5. 5. ROBERTO OLIVEIRA CUNHASoftwareSoftware Códiigos Biináriios Cód gos B nár os São programas (conjunto de instruções) necessários Bitpara que o computador possa realizar tarefas, auxiliando eagilizando o trabalho do usuário. Exemplo: Windows XP, Os computadores trabalham com as informações emWord System, Excel System, etc. forma de códigos, os quais são constituídos de apenas dois elementos que denominam-se Códigos Binários e podemWindows XP ser representados, utilizando-se os dígitos 0 e 1. Cada um desses dígitos é chamado BIT (Binary Digit), dígito binário Ambiente operacional que oferece interface gráfica e representa a menor unidade de informação do computa-(melhor que a interface do DOS) e permite que se aprenda dor.a usar um programa muito mais intuitivamente e de manei-ra mais fácil. Com o Microsoft Windows pode-se gerenciar 0 1o sistema de computador, executar programas, copiar ar-quivos etc. ByteWord System Os microcomputadores geralmente operam com grupos de bits. Um grupo de oito bits é denominado BYTE. Crie e edite texto e elementos gráficos em cartas, re- Este pode ser usado na representação de caracteres comolatórios, páginas da Web ou mensagens de e-mail usando uma letra (A-Z), um número (0-9) ou outro símbolo qual-o Microsoft Office Word. quer (@), entre outros.Excel System Efetue cálculos, analise informações e gerencie lis- 8 Bits = 1 Byte = 1 Caracteretas em planilhas ou páginas da Web usando o Microsoft Of-fice Excel. Múltiplos do Byte 1 KB 1 Kilo Byte 1.024 Bytes 1 MB 1 Mega Byte 1.024 x 1.024 Bytes 1 GB 1 Giga Byte 1.024 x 1.024 x 1.024 Bytes 1 TB 1 Tera Byte 1.024 x 1.024 x 1.024 x 1.024 Bytes 5 5
  6. 6. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAMiicroprocessadorM croprocessador ROM (Read Only Memory) O microprocessador é um componente do micro- Memória não volátil, ou seja, somente de leitura,computador e tem como função executar programas, cálcu- pois a informação que vem gravada nela não pode ser a-los e fazer a comunicação de entrada e saída dos dados. pagada. Nesta vem as características do fabricante e umEle opera como se fosse o cérebro do micro, comandando programa chamado BIOS (Basic Input Output System), quetodas as funções internas, e executa milhões “Megas” de comanda todas as operações de Entrada e Saída de dadosinstruções por segundos. Cada CI “Circuito Integrado ou no microcomputador. A ROM é permanente e não perdeCHIP” tem uma função específica. seus dados ao desligar o computador.Memóriias Quando ligamos o micro, é o BIOS que o inicia, checandoMemór as os periféricos que estão ligados a ele, como unidades de entrada e saída de dados, memórias, etc. No microcomputador também encontram-se as Me-mórias, que são definidas como, dispositivos eletrônicosresponsáveis pelo armazenamento de informações e ins- Memóriia Auxiilliiar Memór a Aux artruções utilizadas pelo computador. Para que os dados não se percam, precisam serMemóriia PriinciipallMemór a Pr nc pa gravados num dispositivo de armazenamento chamado memória auxiliar; esta, armazena as informações que estãoRAM (Randon Access Memory) na memória principal (RAM). Existem vários tipos de me- mória auxiliar como, disquetes, discos rígidos (winchester), Memória de acesso aleatório onde são armazenados discos ópticos (CD-ROM e DVD-ROM), entre outros.dados em tempo de processamento, isto é, enquanto ocomputador estiver ligado, e também todas as informações Winchesterque estiverem sendo executadas, pois essa memória émantida por pulsos elétricos. Todo conteúdo dela é apaga- O principal dispositivo que o computador usa parado ao desligar-se a máquina, por isso é chamada de volátil. armazenar as informações. Também conhecido como WINCHESTER. 6 6
  7. 7. ROBERTO OLIVEIRA CUNHADisquete DVD-ROM Dispositivo removível que armazena magneticamen-te os dados. Também chamado de DISQUETE.CD-ROM O DVD-ROM (Digital Versatile Disc), ou disco digital versátil, surgiu após o CD-ROM, já que a tecnologia evolui a cada dia e busca aperfeiçoar os dispositivos e recursos para a utilização do microcomputador. Ele pode conter pro- gramas, arquivos e permite ouvir músicas e rodar aplica- ções multimídia com melhor fidelidade de som e imagem, nestes discos com capacidade de sete a vinte e seis vezes maiores que a dos CDs convencionais. Sua rotação é três vezes mais veloz que a do CD-ROM. O CD-ROM (Compact Disc - Read Only Memory), é Numa unidade de DVD, pode-se rodar discos apre-um disco compacto onde as informações só podem ser li- sentando um filme com 2 horas de duração, ouvindo somdas, mas não gravadas pelo usuário, pois já é fabricado estéreo e imagem de tela de cinema, ou ainda rodar umcom um determinado conteúdo (são gravadas apenas pelo longa-metragem com vários idiomas dublados e legenda-fabricante). Ele tem a tecnologia óptica dos CDs de música, dos. A imagem produzida por ele é melhor que a do video-mas possui um formato de trilha diferente, para armazena- cassete. Cada disco armazena 4,7 GB de cada lado e al-rem dados. O CD de computador armazena grandes quan- guns aparelhos de DVD quando fabricados no formato detidades de informações, cerca de 700 MB de capacidade e duas camadas e dois lados, o disco pode armazenar até 17utiliza um feixe de raio laser para gravá-las de uma manei- GB, permitindo a reprodução de até oito horas de filme.ra compacta. 7 7
  8. 8. ROBERTO OLIVEIRA CUNHADiigiitaçãoD g tação Tecllado Porttuguês ((ABNT2)) Tec ado Por uguês ABNT2 Este manual se destina a você que deseja aprender“Digitação” corretamente com os dez dedos e sem olharpara o teclado nem para a tela. Esperamos que você, ao final deste curso, tornemais um profissional que sabe extrair o máximo dos inúme-ros recursos disponibilizados pelo microcomputador.O TeclladoO Tec ado Existem, no Brasil, três layout’s de teclado:Teclado Português (ABNT2) Este curso está baseado no teclado usado pelagrande maioria dos computadores do Brasil, conhecidocomo Teclado Português (ABNT2 “Associação Brasileira deNormas Técnicas”). O Teclado Português (ABNT2 “Associação Brasileirade Normas Técnicas”), é mais semelhante ao da máquinade escrever por apresentar a tecla cedilha (ç).Teclado Português (Portugual) Ele é bem menos usado aqui no Brasil, mas, caso odigitador venha a utilizá-lo, não deverá encontrar proble-mas. A adaptação é muito rápida. 8 8
  9. 9. ROBERTO OLIVEIRA CUNHATecllado Porttuguês ((Porttuguall))Tec ado Por uguês Por ugua Tecllado Porttuguês ((Padrão IIntternaciionall)) Tec ado Por uguês Padrão n ernac ona 9 9
  10. 10. ROBERTO OLIVEIRA CUNHATeclado Português (Padrão Internacional) Teclas de digitação Teclado Português (Padrão Internacional) é bem São as teclas alfanuméricas normais, encontradasmenos usado que o Teclado Português (ABNT2), mas, ca- em qualquer máquina de escrever. Englobam as 04 fileirasso o digitador venha a utilizá-lo, não deverá encontrar pro- básicas do teclado, de A a Z e de 0 a 9, além dos símbolosblemas. A adaptação é muito rápida. e caracteres especiais, como o famoso arroba (@), utiliza- díssimo no ambiente Internet.Onde está a cedilha (ç) no Teclado Português (Padrão Internacional)? É a tecla usada para avançar marcas de tabulação. Sua função mais utilizada é de- A cedilha, no Teclado Português (Padrão Internacio- marcar o início do parágrafo. A tecla Tab énal) é digitado por uma combinação de teclas: digite nor- muito útil, também, para avançar campos. Por exemplo,malmente a apóstrofe (‘) e, logo a seguir, digite a letra “C”. saltando para a próxima célula de uma tabela. Para retor-A cedilha aparecerá. Portanto, não esqueça: nar à célula anterior, usa-se Shift + Tab. Tecla de acionamento de maiúsculas. Atenção! A Caps Lock acionada (luz indicadora acesa) mantém todo o texto em maiúsculo. No- Uma visão geral do Teclado Português (ABNT2) vamente, atenção! A Caps Lock acionada não habilita os sinais gráficos secundários (aqueles que ficam em cimaTeclas de funções (F1 a F12) dos números na quarta fileira ou em teclas de acentuação e pontuação). Para digitá-los, mesmo com a Caps Lock a- cionada, você precisará do Shift. Tecla usada, normalmente, para gra- São as teclas para funções operacionais. Servem farem iniciais em maiúsculas (mantendopara agilizar determinadas operações. Por exemplo, para pressionada Shift e apertando a tecla da le-acessar a ajuda de determinados programas (F1) ou para tra que se deseja em maiúscula). Com Shift, como expli-repetir o último fragmento digitado (F4). Estas teclas são camos, você também digita os sinais gráficos secundáriosmuito usadas em conjunto com Ctrl, Alt e Shift. e de acentuação e pontuação. 10 10
  11. 11. ROBERTO OLIVEIRA CUNHA Embora normalmente se utilize o mouse para sele- rágrafo seguinte e continuará “comendo” o texto. Muitos di-cionar fragmentos de texto, um digitador rápido pode fazer gitadores apagam textos inteiros assim, o que não é umaisso muito melhor com o Shift em conjunto com uma das solução muito inteligente. Para isso, existe a tecla Delete.teclas de cursor, aquelas setinhas que ficam entre o tecla-do numérico e o alfanumérico. Basta levar o cursor com e- A maior tecla do teclado. Usada pa-las até o final da palavra que se deseja selecionar (para ra marcar o final de um parágrafo. Ou se-negritar, apagar, etc.), pressionar Shift e continuar correndo ja: ao concluir um período digitado, pres-a tecla de cursor até cobrir a palavra inteira. Com o tempo, sione Enter para saltar para o parágrafoganha-se muito mais velocidade do que com o uso do seguinte e, a seguir, Tab para avançar pa-mouse, que obriga o digitador a tirar as mãos do teclado. ra a primeira tabulação. A tecla Ctrl (Control) é muito usada para Atenção! Lembre-se de que o editor de textos salta determinadas operações especiais (teclas de normalmente para a próxima linha. Portanto, não use a te- atalho). Para isso, ela é combinada com outras cla Enter como se fosse a tecla de retorno de uma máquinateclas. O bom uso da tecla Ctrl aumenta enormemente a de escrever, pois o editor reconhecerá este comando comovelocidade do digitador, que passa dispensar o uso do uma quebra de texto, colocando a próxima linha num novomouse. parágrafo. Mas se esquecer e digitar, nenhum problema: use o comando desfazer. Lembra-se? Ctrl + Z. A tecla Alt costuma ser pouco usada pelo digitador no ambiente dos editores de texto. Po- Print Screen SysRq, Scroll Lock e Pause Break de servir, por exemplo, para acionar um caracte- re especial ou terceiro símbolo de uma tecla (ob-serve que algumas têm três símbolos), como se fosse umShift secundário. Saindo do editor de texto, o digitador des-cobre, por exemplo, que Alt + Tab permite “saltar” de umaplicativo aberto para o outro dentro do Windows. Pode-seir do Word para o Excel, daí para o Access, e assim por di- São teclas muito utilizadas em ambiente DOS, ser-ante. vindo para avanço e interrupção da “rolagem” de dados pe- la tela do micro. A tecla Backspace retorna o cursor, apagan- do o que foi digitado até o início do parágrafo. Se No ambiente Windows, a tecla Print Screen SysRq você continuar pressionando, ela saltará para o pa- serve para capturar integralmente a tela que está sendo vi- sualizada, jogando-a na área de transferência. Depois, é possível editar essa tela através, por exemplo, da ferra- menta Paint. 11 11
  12. 12. ROBERTO OLIVEIRA CUNHA Home – Em conjunto com Ctrl, avança o cursor para Tendo sido pressionada, a tecla Insert o início do documento. provoca a substituição de um texto que já está estrito pelo novo texto. Ou seja, o novo texto irá End – Em conjunto com Ctrl, avança o cursor para o apagando o texto escrito daquele ponto para final do documento.frente. Se, por acaso, o texto que você está digitando for“engolindo” o que já está escrito, desabilite a tecla Insert, Page Up – Desloca o cursor em “saltos” para umque deve ter sido pressionada por engano. ponto anterior ao que está sendo lido ou digitado. Como já dissemos, a tecla Delete serve Page Down – Desloca o cursor em “saltos” para um para apagar. Basta selecionar o fragmento que ponto posterior ao que está sendo lido ou digitado. deseja destruir e pressionar Delete. Adeus, tex- to. Não há perigo nenhum, pois, se resolver mu- Luses indicadorasdar de idéia, nosso conhecido comando Ctrl + Z desfaz aoperação.Teclas de cursor Como o nome já diz, são as teclas que permitem Servem para indicar se algumas funções estão oudeslocar o cursor pelo documento. Além das setinhas que não ativadas: Caps Lock (maiúsculas), Num Lock (tecladoestão agrupadas entre o teclado numérico e alfa-numérico, numérico) e Scroll Lock.existem ainda as seguintes teclas de cursor: Teclado numérico Ao contrário das máquinas de escrever, o teclado do micro tem um teclado numérico separado. Permanecem os números da quarta fileira de teclas, mas o teclado numérico em bloco, que fica à direita do teclado, permite digitação de números com grande rapidez, incorporando também teclas que permitem operações matemáticas básicas. Para utilizá- lo, é preciso acionar a tecla Num Lock. Se ela não estiver acionada, o teclado irá assumir o segundo símbolo indica- do em cada tecla. Para se tornar um digitador de números eficiente, você precisará usar o teclado numérico, exclusi- vamente com a mão direita. 12 12
  13. 13. ROBERTO OLIVEIRA CUNHA A tecla Esc é muito utilizada para interromper O que é um processador de texto a execução de determinados programas em ambi- ente Windows, sem a necessidade dos procedimen- O processador de texto é o programa usado paratos normais de finalização. Em ambiente DOS, funciona de escrever no computador. Com ele, é possível escrever demodo semelhante, possibilitando o cancelamento de instru- uma simples carta até um livro inteiro.ções ou a saída de telas de configuração. Um processador de texto é essencialmente um pro- grama que simula o funcionamento de uma máquina deProgramas de aplliicações prátiicasProgramas de ap cações prát cas escrever, mas com recursos que facilitam e agilizam a pro- dução, edição e finalização de textos. Cada tipo de aplicativo foi criado para que o compu-tador realize uma forma de trabalho já existente. Os pro- Grande parte dessas vantagens se traduz em flexibi-cessadores de textos funcionam coma uma máquina de lidade. Na máquina de escrever, o texto digitado é escritoescrever sofisticada e com múltiplos recursos. imediatamente no papel. Se o documento fica na memória RAM e o usuário pode alterar rapidamente o texto de várias Basicamente, um processador de texto é um pro- maneiras, inserindo ou reposicionando parágrafos inteiros,grama que faz com que o computador funcione como uma substituindo palavras, transferindo texto de todas as formasmáquina de escrever sofisticada, com a vantagem de uma imagináveis. Mesmo depois de gravar o documento em ummaior flexibilidade na elaboração de trabalhos. arquivo no disco rígido ou em um disquete, é possível car- rega-lo novamente na memória RAM e muda-lo quantas As versões mais modernas dos processadores de vezes quiser.textos oferecem, por exemplo, a possibilidade de inserir O documento pronto pode ser impresso em alta qua-imagens em um documento, a criação automática de malas lidade e em cores, dependendo da impressora disponível,diretas e recursos para corrigir erros de digitação e de ou publicado em mídias eletrônicas, como CD-ROMs, re-gramática. des locais e Internet. As sofisticadas ferramentas de editoração melhoram Recursos especiaisa apresentação visual dos documentos, tornando a leituramais fácil e agradável. Com o tempo, recursos cada vez mais sofisticados foram acrescentados aos processadores de textos para fa-Processadores de texto cilitar o trabalho, aumentar a produtividade, reduzir o núme- ro de erros e embelezar o documento. Os resultados são Este é um dos programas mais usados pela maioria programas tão cheios de recursos que é necessário umdas pessoas que trabalham com computador e também tempo considerável para dominá-los por completo.uma boa forma de familiarizar-se com seu equipamento. 13 13
  14. 14. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAPara lembrar: Você sabia que o uso prolongado do microcomputa- dor pode acarretar problemas de saúde se não forem to- Dominando apenas os recursos básicos de um pro- mados cuidados com a postura e o tipo de equipamentocessador de texto, você já pode criar documentos de quali- utilizado? Entre esses problemas encontram-se as LER –dade e com boa apresentação. Com o tempo, poderá ex- Lesões por esforço repetitivo, muito comum entre digitado-plorar o acabamento de seu trabalho e economizar tempo. res que se debruçam por horas a fio diante do micro.A digitação Para a quase totalidade dos usuários de informática, a utilização do microprocessador como ferramenta de tra- Digitando o texto envolve o conhecimento das teclas balho significa não mais que sentar diante da máquina, li-de edição e posicionamento dos cursores disponíveis no ga-la e executar suas tarefas. Poucos, no entanto, têm co-teclado: Insert, Delete, Home, End, Page Up, Page Down, nhecimento de que uma cadeira inadequada, um monitorBackspace e as setas de direcionamento do cursor (para com luminâncias além do limite aconselhável ou mesmo acima, para baixo, esquerda e direita). O usuário não preci- falta de um apoio para a mão na utilização do mouse po-sa se preocupar com a quebra de linha como ocorria com dem ser sinônimo de desconforto até mesmo de problemasas antigas máquinas de escrever e mesmo com os editores físicos.de texto do início da era da Informática. Ou seja, ele nãoprecisa e nem deve teclar Enter, quando chega à margem Regiões mais afetadasdireita do texto. O Word fará isto automaticamente. Use En-ter apenas quando sucessivas vezes, quando quiser pular • Pescoço • Olhoslinhas. • Região LombarDiicas de ergonomiiaD cas de ergonom a Pescoço Em média, a cabeça de um adulto pesa cerca de 5,5 quilogramas. Tem praticamente as mesmas dimensões de uma bola de boliche. Quando movimentada diretamente sobre os ombros durante uma sessão de trabalhos, múscu- los do pescoço ajudam-se com facilidade e suportam seu peso. Entretanto, quando inclinada muito à frente ou para trás, os músculos esticam-se ou se contraem, causando dores incômodas como cãibras e fadigas. Por isso, a posi- ção correta do monitor é essencial para reduzir a tensão nos músculos do pescoço. 14 14
  15. 15. ROBERTO OLIVEIRA CUNHA As recomendações são para que o topo da tela este- Outro fator que contribui para a fadiga dos olhos re-ja no mesmo nível dos olhos, o que a mantém na posição sulta da exaustão muscular. Pequenos músculos são res-correta, ou sevam, na vertical. O monitor colocado muito ponsáveis por mudanças no formato de suas lentes, parapara baixo, o que é comumente observado, força a cabeça permitir a aproximação e o distanciamento da visão. A me-para frente. Esta posição provoca uma tensão desnecessá- nos que estejam relaxados, esses músculos produzem áci-ria no pescoço. Recomenda-se elevar o monitor, colocan- do láctico, que provoca fadiga. Olhar através da janela oudo-o sobre o gabinete (em desktops horizontais) ou então da sala faz com que os músculos se afrouxem e os olhosatravés de um suporte regulável. Em último caso, listas te- recebam sangue oxigenado, removendo assim o ácido lác-lefônicas antigas podem ajudar. tico. No caso de o usuário utilizar lentes bifocais, o moni- Região lombartor numa posição mais baixa ajudará a visualização atravésda parte inferior da lente, sem que isso seja necessário in- Cadeira inadequada é o maior causador de doresclinar a cabeça para trás. nas costas. O encosto da cadeira precisa estar posicionado exatamente na curvatura lombar, fazendo com que a colu-Olhos na se mantenha apoiada. O encosto também deve ser fle- xível a ponto de não permitir que o usuário escorregue para Sem dúvida, uma das maiores reclamações dos u- trás.suários é a fadiga crônica dos olhos. Pressão na vista, o-lhos ressecados, lagrimação e visão cansada são sintomas Recomendações sobre o mobiilliiáriio Recomendações sobre o mob ár ocomuns. Embora nem sempre seja possível eliminar com-pletamente todos estes desconfortos, simples mudanças • Cadeirana estação de trabalho podem significar redução dos in- • Mesa Tela anti-reflexivaconvenientes. O principal fator na contribuição para o res- • • Apoios para pulsos e palma da mãosecamento dos olhos resulta da redução do piscar de olhos • Suporte para documentodurante a visualização do monitor. O olho humano limpa-see refresca-se por si mesmo, automaticamente, várias vez Cadeirapor dia. No entanto, o ato de concentrar a atenção durantemuito tempo no brilho do monitor causa uma diminuição Altura regulável e em que o encosto fique posiciona-significava no piscar de olhos. Fazer paradas freqüentes do exatamente na curvatura lombar. O encosto tambémenquanto se utiliza o computador e piscar os olhos ajudam tem de ser flexível, não permitindo que o usuário escorre-a relaxar e refrescar a vista. gue para trás, mas que acompanhe o movimento do tronco. É importante que os pés estejam firmes ao chão. Caso contrário, o usuário deve providenciar um suporte para e- les. 15 15
  16. 16. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAMesa Lesões por Esforço Repetiitiivo Lesões por Esforço Repet t vo É preciso que tenha regulagem independente de al- Lesões por Esforço Repetitivo (LER) e estresse cu-tura para monitor e teclado. A borda superior da tela tem mulativo proveniente da utilização de computadores têmque estar na altura dos olhos e o teclado coincidir com a al- sido alguns dos problemas mais comentem enfrentados portura do cotovelo. trabalhadores nos dias de hoje. Os micros se tornaram pe- ças indispensáveis em inúmeros segmentos do mercado.Tela anti-reflexiva Mas as precauções tomadas para evitar os males decor- 88 por cento dos monitores apresentam nível de re- rentes da utilização exagerada dessas máquinas não têmflexão acima do aceitável. Ora os olhos se habilitam com o acompanhamento o ritmo de seu emprego.claro, ora com o escuro, o que provoca o cansaço da vista.Aconselha-se a utilização de tela de nylon fina importada. Pesquisas na área de ergonomia têm demonstrado que o design inadequado não só do microprocessador,Apoios para pulsos e palma da mão mas também do mobiliário em que o aparelho está inserido provoca desconforto a tal ponto ao trabalhador que diminui Se a mesa dispuser de apoio para pulso, deve ser sua capacidade produtiva. O usuário, quando não dispõeprovidenciado um. De preferência de espuma. O pulso não de condições apropriadas para realização do trabalho depode ficar em posição quebrada quando da digitação – modo seguro e confortável, tende a apresentar problemasuma das agravantes da tenossinovite. No manuseio do principalmente no pescoço, na região lombar, nos olhos emouse é necessário um apoio de mão, também para man- nos tendões das mãos e dos pulsos. Dados do Ministérioter o pulso neutro. da Saúde revelam que, nos últimos anos, dos trabalhado- res licenciados por motivo de saúde, 20% sofrem de pro-Suporte para documento blemas músculos-esqueléticos, ou seja, conseqüências do (mau) uso da informática. Deve ficar preso ao monitor. A alternância do foco,ora 50, ora 70 centímetros, cansa a vista. Para a ergonomia Venétia Santos, o mundo assiste a uma evolução no modo de trabalho. “Hoje, o homem passa muito tempo sentado. É preciso que o mercado se adapte a essa evolução”. “O ser humano não está prepara- do para permanecer oito horas contínuas na mesma posi- ção”. Ainda na opinião de Venétia, o trabalhador vive sob constante pressão. Ela diz que por isso necessário que se dê a ela a estrutura necessária em seu local de trabalho. “Vão forçar cada vez mais a produtividade nas empresas. 16 16
  17. 17. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAO trabalhador será ainda mais exigido. Temos que encon- quadas; c) tensão psicológica decorrente do ritmo, intensi-trar uma fórmula para melhorar suas condições de traba- dade, duração da jornada ou mecanismos do controle dolho, se não ele não agüenta”, comenta. trabalho; e d) fatores relacionais aos postos de trabalho, aos equipamentos e às condições de trabalho que limitam Ela recomenda que para cada hora de trabalho a a autonomia dos trabalhadores sobre os movimentos dopessoa descanse pelo menos de cinco a dez minutos. E próprio corpo e reduzem sua criatividade e liberdade deressalta a importância do relaxamento. Acrescenta que ca- expressão.da um, no entanto, tem seu modo próprio de relaxar, comoassistir à TV, ouvir música ou fazer exercícios. O designer Freddy van Camp, reforça a tese de Ve- nétia Campos em relação à importância do mobiliário para As inovações para os teclados começaram a surgir o usuário de informática. Diz que a ergonomia não deve es-para tentar combater os males que afetam números cada tar apenas no computador, mas também no suporte. “Ovez maiores de trabalhadores em centrais de atendimento, conforto no posto de trabalho não é apenas um problemadigitadores e jornalistas – profissionais que sobrecarregam de medida, postura, tipo de teclado. O computador hoje fazos tendões em jornadas que excedem até seis horas inin- parte de um sistema e precisa estar inserido nele”, obser-terruptas de trabalho. Estes males são as lesões por Esfor- va.ço Repetitivo (LER). A tenossinovite é a mais conhecidadelas. Em estágio avançado, ela pode provocar espasmos Ele cita a questão da altura adequada da mesa. Se-de dor que impedem que a pessoa segure até mesmo um gundo van Camp, a mesa-padrão de trabalho deve medirobjeto leve, como uma caneta. 75 cm de altura, mas o teclado tem de estar a 68 cm. “O que se fez? Produziram-se mesas de 72 cm, que não aten- Os principais meios para evitar as LER são fazer e- dem a nenhuma das duas recomendações, e outra de altu-xercícios com as mãos a cada hora de trabalho e utilizar ra variável, uma boa solução, mas que cai no problema doum apoio para pulso nos teclados. aumento do custo. Têm de ser encontradas soluções para problemas como esse”, afirma. O problema tornou tão sério ultimamente que o Mar-cello Alencar, sancionou em agosto do ano 96 uma lei (n.º O Próprio van Camp criou uma saída: desenvolveu2.586/96) que estabelece normas de prevenção das doen- uma mesa de 75 cm de altura, mas com um suporte retrátilças e critérios de defesa da saúde dos trabalhadores em de 68 cm para o teclado. “O problema é que o consumidorrelação às atividades que possam desencadear lesões por gasta até R$ 3 mil com o computador, mas se recusa a pa-esforço repetitivo. A lei define as LER como provocadas gar R$ 100,00 para o suporte adequado. Então comprapor atividades que exigem do trabalhador, de forma combi- produtos de baixa qualidade e que não atendam as ques-nada ou não: “a) utilização repetitiva, continuada e forçada, tões fundamentais”, comenta.de grupos musculares; b) manutenção de posturas inade- 17 17
  18. 18. ROBERTO OLIVEIRA CUNHATreiinando a cópiia de documentosTre nando a cóp a de documentos Colocação dos dedos na segunda fileira do teclado Os exercícios apresentados a seguir são fundamen- Uso dos dedos da mão esquerda:tais para que você domine uma das principais habilidadesdo bom digitador: copiar textos sem olhar para o teclado ou Para o caractere A, o primeiro dedo da mão esquerda (mí-para o monitor. nimo). A primeira parte, exercitada no próprio software, é Para o caractere S, o segundo dedo da mão esquerda (a-muito importante para que adquira destreza. É necessário, nular).entretanto, trabalhar o hábito de olhar para o documentoque se está digitando, pois é preciso acostumar a visão ao Para o caractere D, o terceiro dedo da mão esquerda (mé-texto completo e saber enxergar, no meio do documento, a dio).linha que está sendo copiada. Para os caracteres F e G, o quarto dedo da mão esquerda A posição correta das mãos no teclado é aquela em (indicador).que os dedos ficam pousados na segunda fileira. Observena próxima página que o dedo indicador da mão esquerda Uso dos dedos da mão direita:assume as teclas R, F, V, T, G e B, enquanto que o indica- Para os caracteres H e J, o quarto dedo da mão direita (in-dor da mão direita assume as teclas U, J, M, Y, H e N. dicador). Para o caractere K, o terceiro dedo da mão direita (médio). Para o caractere L, o segundo dedo da mão direita (anu- lar). Para o caractere Ç, o primeiro dedo da mão direita (míni- mo). 18 18
  19. 19. ROBERTO OLIVEIRA CUNHA Uso do dedo polegar Bate-se o espaço com o dedo polegar quer da mão esquerda, quer da mão direita, conforme a facilidade de cada aluno para tal emprego. Você inicia agora seu curso de digitação. Ele lhe se- rá de muita utilidade logo depois de concluído e pela vida fora. É muito importante um bom início. Coloque a cobertu- ra do teclado já no primeiro exercício. É difícil – eu – sei – porém você estará aprendendo corretamente e sem vícios. A preocupação de muitos alunos é concluir o curso rapi- damente. Bobagem. O que importa é fazê-lo e termina-lo bem, utilizando-se de todos os recursos técnicos que o te- clado nos oferece. Portanto, não perca seu tempo que é valioso demais para você. O que você fizer, faça-o com ca- pricho. Memoriização fase 1 Memor zação fase 1 Nesta fase, a mais importante do aprendizado, você conhecerá a posição das letras do teclado alfabético ABNT. Todo o desenvolvimento posterior dependerá do bom de- sempenho nas lições seguintes. Ao copiar os exercícios a seguir, tecle ENTER ao fi- nal de cada linha para saltar para linha seguinte. Os exercícios deverão ser feitos como a Lição 1 a- baixo. Os espaços devem ser dados corretamente, pois fa- zem parte dos exercícios. 19 19
  20. 20. ROBERTO OLIVEIRA CUNHALição 1 - ASDFG Lição 6 - ÇLKJHGFDSAasdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsaasdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsaasdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsaasdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsaasdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg asdfg çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsa çlkjhgfdsaLição 2 - HJKLÇ Lição 7 - GFDSAÇLKJHhjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjhhjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjhhjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjhhjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjhhjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç hjklç gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjh gfdsaçlkjhLição 3 - GFDSA Lição 8 - HJKLÇASDFGgfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfggfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfggfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfggfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfggfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa gfdsa hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfg hjklçasdfgLição 4 - ÇLKJH Lição 9 - AÇSLDKFJGHçlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjghçlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjghçlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjghçlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjghçlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh çlkjh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjgh açsldkfjghLição 5 - ASDFGHJKLÇ Lição 10 - GHFJDKSLAÇasdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaçasdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaçasdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaçasdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaçasdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç asdfghjklç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaç ghfjdkslaç 20 20
  21. 21. ROBERTO OLIVEIRA CUNHA Colocação dos dedos na terceira fileira do tecladoUso dos dedos da mão esquerda:Para o caractere Q, o primeiro dedo da mão esquerda (mí-nimo).Para o caractere W, o segundo dedo da mão esquerda (a-nular).Para o caractere E, o terceiro dedo da mão esquerda (mé-dio).Para os caracteres R e T, o quarto dedo da mão esquerda(indicador).Uso dos dedos da mão direita:Para os caracteres Y e U, o quarto dedo da mão direita (in-dicador).Para o caractere I, o terceiro dedo da mão direita (médio).Para o caractere O, o segundo dedo da mão direita (anu-lar).Para o caractere P, o primeiro dedo da mão direita (míni-mo). 21 21
  22. 22. ROBERTO OLIVEIRA CUNHALição 11 - QWERT Lição 16 - POIUYTREWQqwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewqqwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewqqwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewqqwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewqqwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert qwert poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewq poiuytrewqLição 12 - YUIOP Lição 17 - TREWQPOIUYyuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuyyuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuyyuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuyyuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuyyuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop yuiop trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuy trewqpoiuyLição 13 - TREWQ Lição 18 - YUIOPQWERTtrewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwerttrewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwerttrewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwerttrewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwerttrewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq trewq yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwert yuiopqwertlição 14 - POIUY Lição 19 - QPWOEIRUTYpoiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeirutypoiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeirutypoiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeirutypoiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeirutypoiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy poiuy qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeiruty qpwoeirutyLição 15 - QWERTYUIOP Lição 20 - TYRUEIWOQPqwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqpqwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqpqwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqpqwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqpqwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop qwertyuiop tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqp tyrueiwoqp 22 22
  23. 23. ROBERTO OLIVEIRA CUNHA Colocação dos dedos na terceira fileira do tecladoUso dos dedos da mão esquerda:Para o caractere Z, o primeiro dedo da mão esquerda (mí-nimo).Para o caractere X, o segundo dedo da mão esquerda (a-nular).Para o caractere C, o terceiro dedo da mão esquerda (mé-dio).Para os caracteres V e B, o quarto dedo da mão esquerda(indicador).Uso dos dedos da mão direita:Para os caracteres N e M, o quarto dedo da mão direita(indicador).Para o caractere ( , ), o terceiro dedo da mão direita (mé-dio).Para o caractere ( . ), o segundo dedo da mão direita (anu-lar).Para o caractere ( ; ), o primeiro dedo da mão direita (mí-nimo). 23 23
  24. 24. ROBERTO OLIVEIRA CUNHALição 21 - ZXCVB Lição 26 - ;.,MNBVCXZzxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxzzxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxzzxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxzzxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxzzxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb zxcvb ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxz ;.,mnbvcxzLição 22 – NM,.; Lição 27 – BVCXZ;.,MNnm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mnnm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mnnm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mnnm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mnnm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; nm,.; bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mn bvcxz;.,mnLição 23 - BVCXZ Lição 28 – NM,.;ZXCVBbvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvbbvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvbbvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvbbvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvbbvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz bvcxz nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvb nm,.;zxcvbLição 24 - ;.,MN Lição 29 – Z;X.C,VMBN;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn ;.,mn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbn z;x.c,vmbnLição 25 – ZXCVBNM,.; Lição 30 – BNVMC,X.Z;zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z;zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z;zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z;zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z;zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; zxcvbnm,.; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; bnvmc,x.z; 24 24
  25. 25. ROBERTO OLIVEIRA CUNHA Colocação dos dedos na quarta fileira do tecladoUso dos dedos da mão esquerda:Para o caractere 1, o primeiro dedo da mão esquerda (mí-nimo).Para o caractere 2, o segundo dedo da mão esquerda (a-nular).Para o caractere 3, o terceiro dedo da mão esquerda (mé-dio).Para os caracteres 4 e 5, o quarto dedo da mão esquerda(indicador).Uso dos dedos da mão direita:Para os caracteres 6 e 7, o quarto dedo da mão direita (in-dicador).Para o caractere 8, o terceiro dedo da mão direita (médio).Para o caractere 9, o segundo dedo da mão direita (anu-lar).Para o caractere 0, o primeiro dedo da mão direita (míni-mo). 25 25
  26. 26. ROBERTO OLIVEIRA CUNHALição 31 Lição 3612345 12345 12345 12345 12345 12345 0987654321 0987654321 098765432112345 12345 12345 12345 12345 12345 0987654321 0987654321 098765432112345 12345 12345 12345 12345 12345 0987654321 0987654321 098765432112345 12345 12345 12345 12345 12345 0987654321 0987654321 098765432112345 12345 12345 12345 12345 12345 0987654321 0987654321 0987654321Lição 32 Lição 3767890 67890 67890 67890 67890 67890 5432109876 5432109876 543210987667890 67890 67890 67890 67890 67890 5432109876 5432109876 543210987667890 67890 67890 67890 67890 67890 5432109876 5432109876 543210987667890 67890 67890 67890 67890 67890 5432109876 5432109876 543210987667890 67890 67890 67890 67890 67890 5432109876 5432109876 5432109876Lição 33 Lição 3854321 54321 54321 54321 54321 54321 6789012345 6789012345 678901234554321 54321 54321 54321 54321 54321 6789012345 6789012345 678901234554321 54321 54321 54321 54321 54321 6789012345 6789012345 678901234554321 54321 54321 54321 54321 54321 6789012345 6789012345 678901234554321 54321 54321 54321 54321 54321 6789012345 6789012345 6789012345Lição 34 Lição 3909876 09876 09876 09876 09876 09876 1029384756 1029384756 102938475609876 09876 09876 09876 09876 09876 1029384756 1029384756 102938475609876 09876 09876 09876 09876 09876 1029384756 1029384756 102938475609876 09876 09876 09876 09876 09876 1029384756 1029384756 102938475609876 09876 09876 09876 09876 09876 1029384756 1029384756 1029384756Lição 35 Lição 401234567890 1234567890 1234567890 5647382910 5647382910 56473829101234567890 1234567890 1234567890 5647382910 5647382910 56473829101234567890 1234567890 1234567890 5647382910 5647382910 56473829101234567890 1234567890 1234567890 5647382910 5647382910 56473829101234567890 1234567890 1234567890 5647382910 5647382910 5647382910 26 26
  27. 27. ROBERTO OLIVEIRA CUNHA Se ainda houver dúvidas quanto à colocação dos Lição 1 – ASSA SALAdedos no teclado, veja os mapas das páginas anteriores. assa sala assa sala assa sala assa sala assa sala assa sala assa sala assa salaMemoriização ffase 2Memor zação ase 2 assa sala assa sala assa sala assa sala assa sala assa sala assa sala assa sala assa sala assa sala assa sala assa sala Nesta fase, você exercitará a digitação de palavras,memorizando seqüências de letras muito utilizadas. Lição 2 – DADA FADA dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada dada fada Lição 3 – GAGA HAJA gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja gaga haja Lição 4 – ASSADA SAL assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal assada sal Lição 5 – SALSA FALA salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala salsa fala 27 27
  28. 28. ROBERTO OLIVEIRA CUNHA Lição 11 – QUERER QUITOLição 6 – FALSA GALGA querer quito querer quito querer quito querer quitofalsa galga falsa galga falsa galga falsa galga querer quito querer quito querer quito querer quitofalsa galga falsa galga falsa galga falsa galga querer quito querer quito querer quito querer quitofalsa galga falsa galga falsa galga falsa galga querer quito querer quito querer quito querer quitofalsa galga falsa galga falsa galga falsa galga querer quito querer quito querer quito querer quitofalsa galga falsa galga falsa galga falsa galga Lição 12 – QUOQUE RETOLição 7 – GALA SALGADA quoque reto quoque reto quoque reto quoque retogala salgada gala salgada gala salgada gala salgada quoque reto quoque reto quoque reto quoque retogala salgada gala salgada gala salgada gala salgada quoque reto quoque reto quoque reto quoque retogala salgada gala salgada gala salgada gala salgada quoque reto quoque reto quoque reto quoque retogala salgada gala salgada gala salgada gala salgada quoque reto quoque reto quoque reto quoque retogala salgada gala salgada gala salgada gala salgada Lição 13 – TROTE TOPOLição 8 – SALDADA HALDA trote topo trote topo trote topo trote toposaldada halda saldada halda saldada halda saldada halda trote topo trote topo trote topo trote toposaldada halda saldada halda saldada halda saldada halda trote topo trote topo trote topo trote toposaldada halda saldada halda saldada halda saldada halda trote topo trote topo trote topo trote toposaldada halda saldada halda saldada halda saldada halda trote topo trote topo trote topo trote toposaldada halda saldada halda saldada halda saldada halda Lição 14 – POTE REITEROLição 9 – SALADA FALADAS pote reitero pote reitero pote reitero pote reiterosalada faladas salada faladas salada faladas salada faladas pote reitero pote reitero pote reitero pote reiterosalada faladas salada faladas salada faladas salada faladas pote reitero pote reitero pote reitero pote reiterosalada faladas salada faladas salada faladas salada faladas pote reitero pote reitero pote reitero pote reiterosalada faladas salada faladas salada faladas salada faladas pote reitero pote reitero pote reitero pote reiterosalada faladas salada faladas salada faladas salada faladas Lição 15 – REQUEIRO TERLição 10 – KADA DAKA requeiro ter requeiro ter requeiro ter requeiro terkada daka kada daka kada daka kada daka requeiro ter requeiro ter requeiro ter requeiro terkada daka kada daka kada daka kada daka requeiro ter requeiro ter requeiro ter requeiro terkada daka kada daka kada daka kada daka requeiro ter requeiro ter requeiro ter requeiro terkada daka kada daka kada daka kada daka requeiro ter requeiro ter requeiro ter requeiro terkada daka kada daka kada daka kada daka 28 28
  29. 29. ROBERTO OLIVEIRA CUNHALição 16 – ARA ARARA Memoriização ffase 3 Memor zação ase 3ara arara ara arara ara arara ara araraara arara ara arara ara arara ara arara Nesta fase você exercitará a construção de palavras,ara arara ara arara ara arara ara arara frases e orações, tornando o primeiro contato com acentu-ara arara ara arara ara arara ara arara ação gráfica, pontuação e uso de maiúsculas (caixa alta).ara arara ara arara ara arara ara araraLição 17 – ARADO LIA Nos computadores os acentos são batidos antes das letras acentuadas. Assim, na palavra “pão”, bate-se a letraarado lia arado lia arado lia arado lia “p”, o acento til “~” e em seguida o “a” (letra acentuada).arado lia arado lia arado lia arado liaarado lia arado lia arado lia arado liaarado lia arado lia arado lia arado liaarado lia arado lia arado lia arado liaLição 18 – POLIR JUQUERIpolir juqueri polir juqueri polir juqueri polir juqueripolir juqueri polir juqueri polir juqueri polir juqueripolir juqueri polir juqueri polir juqueri polir juqueripolir juqueri polir juqueri polir juqueri polir juqueripolir juqueri polir juqueri polir juqueri polir juqueriLição 19 – SUA QUATROsua quatro sua quatro sua quatro sua quatrosua quatro sua quatro sua quatro sua quatrosua quatro sua quatro sua quatro sua quatrosua quatro sua quatro sua quatro sua quatrosua quatro sua quatro sua quatro sua quatroLição 20 – CABANA POTEcabana pote cabana pote cabana pote cabana potecabana pote cabana pote cabana pote cabana potecabana pote cabana pote cabana pote cabana potecabana pote cabana pote cabana pote cabana potecabana pote cabana pote cabana pote cabana pote 29 29
  30. 30. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAFase 1 Fase 6idéia é idéia é idéia é idéia é idéia é sã manhã sã manhã sã manhã sã manhã sã manhãidéia é idéia é idéia é idéia é idéia é sã manhã sã manhã sã manhã sã manhã sã manhãidéia é idéia é idéia é idéia é idéia é sã manhã sã manhã sã manhã sã manhã sã manhãidéia é idéia é idéia é idéia é idéia é sã manhã sã manhã sã manhã sã manhã sã manhãidéia é idéia é idéia é idéia é idéia é sã manhã sã manhã sã manhã sã manhã sã manhãFase 2 Fase 7só fúria só fúria só fúria só fúria só fúria à fé à fé à fé à fé à fésó fúria só fúria só fúria só fúria só fúria à fé à fé à fé à fé à fésó fúria só fúria só fúria só fúria só fúria à fé à fé à fé à fé à fésó fúria só fúria só fúria só fúria só fúria à fé à fé à fé à fé à fésó fúria só fúria só fúria só fúria só fúria à fé à fé à fé à fé à féFase 3 Fase 8avô tânia avô tânia avô tânia avô tânia avô tânia Titã químico Titã químico Titã químico Titã químico Titã químicoavô tânia avô tânia avô tânia avô tânia avô tânia Titã químico Titã químico Titã químico Titã químico Titã químicoavô tânia avô tânia avô tânia avô tânia avô tânia Titã químico Titã químico Titã químico Titã químico Titã químicoavô tânia avô tânia avô tânia avô tânia avô tânia Titã químico Titã químico Titã químico Titã químico Titã químicoavô tânia avô tânia avô tânia avô tânia avô tânia Titã químico Titã químico Titã químico Titã químico Titã químicoFase 4 Fase 9câmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia álcool éter álcool éter álcool éter álcool éter álcool étercâmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia álcool éter álcool éter álcool éter álcool éter álcool étercâmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia álcool éter álcool éter álcool éter álcool éter álcool étercâmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia álcool éter álcool éter álcool éter álcool éter álcool étercâmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia câmbio ânsia álcool éter álcool éter álcool éter álcool éter álcool éterFase 5 Fase 10pão mão pão mão pão mão pão mão pão mão porém pé porém pé porém pé porém pé porém pépão mão pão mão pão mão pão mão pão mão porém pé porém pé porém pé porém pé porém pépão mão pão mão pão mão pão mão pão mão porém pé porém pé porém pé porém pé porém pépão mão pão mão pão mão pão mão pão mão porém pé porém pé porém pé porém pé porém pépão mão pão mão pão mão pão mão pão mão porém pé porém pé porém pé porém pé porém pé 30 30
  31. 31. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAFase 11 Fase 16Ao homem foi dado o raciocínio. O povo que tiver as melhores escolas será o primeiro do mundo.Ao homem foi dado o raciocínio. O povo que tiver as melhores escolas será o primeiro do mundo.Ao homem foi dado o raciocínio. O povo que tiver as melhores escolas será o primeiro do mundo.Ao homem foi dado o raciocínio. O povo que tiver as melhores escolas será o primeiro do mundo.Ao homem foi dado o raciocínio. O povo que tiver as melhores escolas será o primeiro do mundo.Fase 12 Fase 17Vimos pela presente solicitar. O amor ao estudo é um presente do céu.Vimos pela presente solicitar. O amor ao estudo é um presente do céu.Vimos pela presente solicitar. O amor ao estudo é um presente do céu.Vimos pela presente solicitar. O amor ao estudo é um presente do céu.Vimos pela presente solicitar. O amor ao estudo é um presente do céu.Fase 13 Fase 18Venho respeitosamente à presença de V. Exa. Ao ensejo, apresento-lhe as minhas cordiais saudações.Venho respeitosamente à presença de V. Exa. Ao ensejo, apresento-lhe as minhas cordiais saudações.Venho respeitosamente à presença de V. Exa. Ao ensejo, apresento-lhe as minhas cordiais saudações.Venho respeitosamente à presença de V. Exa. Ao ensejo, apresento-lhe as minhas cordiais saudações.Venho respeitosamente à presença de V. Exa. Ao ensejo, apresento-lhe as minhas cordiais saudações.Fase 14 Fase 19O homem torna-se tudo ou nada conforme a educação que recebe. Sem mais para o momento, subscrevo-me cordialmente.O homem torna-se tudo ou nada conforme a educação que recebe. Sem mais para o momento, subscrevo-me cordialmente.O homem torna-se tudo ou nada conforme a educação que recebe. Sem mais para o momento, subscrevo-me cordialmente.O homem torna-se tudo ou nada conforme a educação que recebe. Sem mais para o momento, subscrevo-me cordialmente.O homem torna-se tudo ou nada conforme a educação que recebe. Sem mais para o momento, subscrevo-me cordialmente.Fase 15 Fase 20Só um povo instruído pode tornar-se livre. José Bonifácio, o Patriarca da Independência.Só um povo instruído pode tornar-se livre. José Bonifácio, o Patriarca da Independência.Só um povo instruído pode tornar-se livre. José Bonifácio, o Patriarca da Independência.Só um povo instruído pode tornar-se livre. José Bonifácio, o Patriarca da Independência.Só um povo instruído pode tornar-se livre. José Bonifácio, o Patriarca da Independência. 31 31
  32. 32. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAVellociidade ffase 1Ve oc dade ase 1 Fase 1 Qual será o seu pedido? Nesta fase, após a memorização das teclas funda- Qual será o seu pedido?mentais, você exercitará o conjunto de conteúdos assimila- Qual será o seu pedido?dos na etapa anterior, com especial destaque para acentu- Qual será o seu pedido?ação e pontuação. Qual será o seu pedido? Fase 2 Sem paciência não se ganha o céu. Sem paciência não se ganha o céu. Sem paciência não se ganha o céu. Sem paciência não se ganha o céu. Sem paciência não se ganha o céu. Fase 3 Sê bom e serás nobre. Sê bom e serás nobre. Sê bom e serás nobre. Sê bom e serás nobre. Sê bom e serás nobre. Fase 4 Salve a terra brasileira. Salve a terra brasileira. Salve a terra brasileira. Salve a terra brasileira. Salve a terra brasileira. Fase 5 Subitamente ele voltou-se. Subitamente ele voltou-se. Subitamente ele voltou-se. Subitamente ele voltou-se. Subitamente ele voltou-se. 32 32
  33. 33. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAFase 6 Fase 11O carneiro trouxe as cartas. A primeira glória é a reparação dos erros.O carneiro trouxe as cartas. A primeira glória é a reparação dos erros.O carneiro trouxe as cartas. A primeira glória é a reparação dos erros.O carneiro trouxe as cartas. A primeira glória é a reparação dos erros.O carneiro trouxe as cartas. A primeira glória é a reparação dos erros.Fase 7 Fase 12A presente tem por fim comunicar-lhe. Sinto comunicar.A presente tem por fim comunicar-lhe. Sinto comunicar.A presente tem por fim comunicar-lhe. Sinto comunicar.A presente tem por fim comunicar-lhe. Sinto comunicar.A presente tem por fim comunicar-lhe. Sinto comunicar.Fase 8 Fase 13Salve o lindo pendão nacional. O poder, às vezes, faz os homens maus.Salve o lindo pendão nacional. O poder, às vezes, faz os homens maus.Salve o lindo pendão nacional. O poder, às vezes, faz os homens maus.Salve o lindo pendão nacional. O poder, às vezes, faz os homens maus.Salve o lindo pendão nacional. O poder, às vezes, faz os homens maus.Fase 9 Fase 14Devemos ser lentos no falar e rápidos no agir. Quem não sabe obedecer não sabe mandar.Devemos ser lentos no falar e rápidos no agir. Quem não sabe obedecer não sabe mandar.Devemos ser lentos no falar e rápidos no agir. Quem não sabe obedecer não sabe mandar.Devemos ser lentos no falar e rápidos no agir. Quem não sabe obedecer não sabe mandar.Devemos ser lentos no falar e rápidos no agir. Quem não sabe obedecer não sabe mandar.Fase 10 Fase 15Quem deixa DEUS pelo prazer, há de ir buscá-lo nas lágrimas. Esta vida não é eterna.Quem deixa DEUS pelo prazer, há de ir buscá-lo nas lágrimas. Esta vida não é eterna.Quem deixa DEUS pelo prazer, há de ir buscá-lo nas lágrimas. Esta vida não é eterna.Quem deixa DEUS pelo prazer, há de ir buscá-lo nas lágrimas. Esta vida não é eterna.Quem deixa DEUS pelo prazer, há de ir buscá-lo nas lágrimas. Esta vida não é eterna. 33 33
  34. 34. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAFase 16 Fase 21De conformidade com conhecimento. Quem sabe qual é o dia de amanhã?De conformidade com conhecimento. Quem sabe qual é o dia de amanhã?De conformidade com conhecimento. Quem sabe qual é o dia de amanhã?De conformidade com conhecimento. Quem sabe qual é o dia de amanhã?De conformidade com conhecimento. Quem sabe qual é o dia de amanhã?Fase 17 Fase 22Nada se ensina ou se aprende retamente sem o escrúpulo. A Pátria é a família amplificada.Nada se ensina ou se aprende retamente sem o escrúpulo. A Pátria é a família amplificada.Nada se ensina ou se aprende retamente sem o escrúpulo. A Pátria é a família amplificada.Nada se ensina ou se aprende retamente sem o escrúpulo. A Pátria é a família amplificada.Nada se ensina ou se aprende retamente sem o escrúpulo. A Pátria é a família amplificada.Fase 18 Fase 23Filho és, e pai serás; como fizeres, assim haverás. Evite sempre a má companhia.Filho és, e pai serás; como fizeres, assim haverás. Evite sempre a má companhia.Filho és, e pai serás; como fizeres, assim haverás. Evite sempre a má companhia.Filho és, e pai serás; como fizeres, assim haverás. Evite sempre a má companhia.Filho és, e pai serás; como fizeres, assim haverás. Evite sempre a má companhia.Fase 19 Fase 24Esta vida, nós a vivemos ou a sonhamos? Num coração alegre há festa permanente.Esta vida, nós a vivemos ou a sonhamos? Num coração alegre há festa permanente.Esta vida, nós a vivemos ou a sonhamos? Num coração alegre há festa permanente.Esta vida, nós a vivemos ou a sonhamos? Num coração alegre há festa permanente.Esta vida, nós a vivemos ou a sonhamos? Num coração alegre há festa permanente.Fase 20 Fase 25Guarda o que tem hoje para encontrar amanhã. O hábito é uma segunda natureza.Guarda o que tem hoje para encontrar amanhã. O hábito é uma segunda natureza.Guarda o que tem hoje para encontrar amanhã. O hábito é uma segunda natureza.Guarda o que tem hoje para encontrar amanhã. O hábito é uma segunda natureza.Guarda o que tem hoje para encontrar amanhã. O hábito é uma segunda natureza. 34 34
  35. 35. ROBERTO OLIVEIRA CUNHAFase 26 Vellociidade ffase 2 Ve oc dade ase 2São Paulo, 4 de janeiro de 1954.São Paulo, 4 de janeiro de 1954. Nesta fase serão produzidos os primeiros textosSão Paulo, 4 de janeiro de 1954. mais completos, na forma de parágrafos completos, ondeSão Paulo, 4 de janeiro de 1954. serão exigidos todos os recursos dominados pelo bom digi-São Paulo, 4 de janeiro de 1954. tador.Fase 27 AtençãoBrasília, 21 de abril de 1960.Brasília, 21 de abril de 1960. A partir de agora, digite naturalmente, sem se preo-Brasília, 21 de abril de 1960. cupar com o final da linha. Seu editor de texto se encarre-Brasília, 21 de abril de 1960. gará de fazer o salto automático para a linha seguinte.Brasília, 21 de abril de 1960. Fase 1Fase 28 Todo exercício com tempo marcado deverá ser co-Mil telhados a R$ 300,00. piado sem demora e sem distração.Mil telhados a R$ 300,00.Mil telhados a R$ 300,00. Fase 2Mil telhados a R$ 300,00.Mil telhados a R$ 300,00. Não olhe para o teclado. Empregue sempre os de-Fase 29 dos certos. Assim você será um excelente digitador.Século XX, Capítulo VIII, Título IX e Alínea III. Fase 3Século XX, Capítulo VIII, Título IX e Alínea III.Século XX, Capítulo VIII, Título IX e Alínea III. Tangido pelo ideal de educar as crianças pobres, LaSéculo XX, Capítulo VIII, Título IX e Alínea III. Salle fundou numerosas escolas primárias gratuitas.Século XX, Capítulo VIII, Título IX e Alínea III. Fase 4Fase 30 Tinha certa velha uma galinha que lhe punha ovosSão Paulo, 25 de maio de 1994.São Paulo, 25 de maio de 1994. de ouro; se bem que raros fossem davam-lhe para viver emSão Paulo, 25 de maio de 1994. abastança.São Paulo, 25 de maio de 1994.São Paulo, 25 de maio de 1994. 35 35

×