Diversidade de estratégias na reprodução sexuada, Biologia 11ºano resumos

814 visualizações

Publicada em

Resumos de 11ºano Biologia.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
814
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diversidade de estratégias na reprodução sexuada, Biologia 11ºano resumos

  1. 1. Diversidade de estratégias na reprodução sexuada Estruturas onde são produzidos os gâmetas: Nos animais: Gónadas: Testículos - Espermatozoides Ovários – Óvulos Nas plantas: Gametângios: Anterídios - Anterozoides Arquegónios - Oosferas Para que ocorra fecundação é necessário um sincronismo na produção dos gâmetas por parte dos dois progenitores. Este sincronismo pode resultar de estímulos ambientais ou estímulos sexuais. Hermafroditismo: O mesmo organismo possui os dois sexos; Um individuo possui espermatozoides e óvulos. O individuo é ao mesmo tempo macho e fêmea; Hermafroditismo suficiente: Os gametas são provenientes do mesmo individuo- autofecundação; É um processo pouco eficiente, dado não assegurar diversidade genética; É um processo fundamental para organismos que vivem isolados, pois dá continuidade á espécie; Hermafroditismo insuficiente: Possui os dois sexos, mas a autofecundação não é possível; Verifica-se fecundação cruzada, em que ocorre troca de espermatozoides entre dois indivíduos; Vantagem: Garante a variabilidade genética da descendência; Unissexualismo: Os sexos são separados; Um individuo é macho o outro é fêmea; A união dos gâmetas depende da mobilidade dos animais e do habitat onde estão inseridos;
  2. 2. Fecundação nos animais Fecundação externa: O encontro dos gâmetas efetua-se no meio aquático; Ocorre na maioria das espécies aquáticas ou seres que procuram agua para a reprodução ( rã). Exige:  Produção de grande quantidade de gâmetas;  Sincronismo na libertação dos gâmetas;  Atração química entre gâmetas da mesma espécie; Fecundação interna: - No meio terrestre, é necessário uma fecundação interna, no interior do organismo da fêmea, para não comprometer a mobilidade dos gâmetas e a hidratação do ovo; Vantagem: Poupança energética na produção de gâmetas; Exigências: Desenvolvimento de um órgão copulador; A aproximação dos parceiros sexuais na época da reprodução- comportamento sexual – favorece a fecundação, permitindo que o processo reprodutivo seja mais eficaz. Parada Nupcial:  Conjunto de comportamentos manifestados durante o acasalamento;  Promove a libertação dos gâmetas; Comportamentos:  Canto  Exibições  Bailados  Ofertas de presente  (…) Reprodução sexuada nas plantas Musgos e fetos – Fecundação dependente da água; Gimnospérmicas: - os gametângios são estruturas especializadas: Cone masculino – grão de pólen Cone feminino – (pinhos) óvulos A fecundação não depende da água;
  3. 3. Angiospérmicas – Plantas com flor Flor: Local onde se formam os gâmetas e ocorre a fecundação; É necessário a polinização para haver fecundação; Fecundação independente da água; Constituição da flor Órgãos reprodutores: - Feminino – Gineceu – ( Carpelos). - Masculino – Androceu – ( Estames) Órgãos de proteção: - Cálice – Sépalas; -Carola – (Pétalas). Órgãos de suporte: - Pedúnculo; -Recetáculo;
  4. 4. Tipos de flores -Flores hermafroditas - Flores unissexuais; Tipos de plantas Plantas monoicas: A mesma planta produz os dois tipos de gâmetas; Plantas dioicas: Os gâmetas masculinos e femininos são produzidos em plantas diferentes; Orgãos reprodutores: Ovário – ovulo – contem a oosfera; Estilete Estigma Filete Antera-saco polínico – grão de pólen – contem o anterozoide) Polinização: Transporte de grãos de pólen de órgãos masculinos para os órgãos femininos; É necessário para ocorrer fecundação; Agentes de polinização: Vento – Polinização anemófila; Insetos – polinização entomófila; Polinização direta ou autopolinização – Transporte de grãos de pólen para órgãos femininos da mesma flor ou da mesma planta; Polinização indireta – Transporte de grãos de pólen para órgãos humanos, de flores de outras plantas da mesma espécie; Estame -> Antera -> Grão de pólen -> Gameta masculino -> Anterozoide( n ) Carpelo ->Ovário -> óvulo -> Gameta feminino -> Oosfera (n)
  5. 5. Constituição do fruto Pericarpo-(ovário) Semente – (óvulo) O fruto é importante para a disseminação de sementes; Ciclo de vida de uma planta Polinização> Fecundação> Semente> fruto> Germinação Ideias chave : - Nas plantas com flores, os mecanismos de polinização contribuem para a diversidade genética dos indivíduos: - A presença de sementes e frutos e a variedade de processos de dispersão, permitem a propagação das plantas com flores por áreas distantes. Os ciclos de vida Sequencia de acontecimentos que se verificam na vida de um ser vivo, desde que se forma até que produz descendência. Começa na conceção de um individuo ( ovo ou zigoto) e termina na produção da sua própria descendência; Os ciclos de vida na reprodução sexuada, apresentam 2 fenómenos complementares: a fecundação e a meiose; Verifica-se a alternância de fases nucleares; Fase haploide ou haplófase: Constituída por células haploides Compreendida entre a meiose e o momento da fecundação Resulta da meiose- tem inicio nas células que resultam da meiose. Fase diploide ou diplófase: Constituida por células diploides Compreendida entre a fecundação e o momento da meiose; Resulta da fecundação- tem inicio no ovo ou zigoto; Os ciclos de vida diferem de acordo com o momento de ocorrência da meiose e da fecundação; Disso, resultam três tipos de ciclos de vida: Haplontes Diplontes Haplodiplontes
  6. 6. Ciclo haplonte: A meiose é pós-zigótica; Ocorre apos a formação do ovo ou zigoto; O ovo é a única entidade diploide. EX: espirogira; ----------- Ciclo diplonte: A meiose é pré-gamética; Ocorre na formação dos gâmetas; Os gâmetas são as únicas entidades haplontes Ex: maioria dos animais e algumas algas; -------------- Ciclo haplodiplonte: A Meiose é pré-espórica; Ocorre na formação dos esporos; Existe uma alternância de gerações, marcada por estádios multicelulares (uma n e outro 2n). Ex: Maioria de algas e plantas; ( Há uma alternância de fases nucleares e gerações, pois uma entidade multicelular é n e a outra é 2n) Geração gametófita: - Corresponde á fase haploide do ciclo de vida, inicia-se com o esporo e termina nos gâmetas; - A estrutura multicelular da geração gametófita, designa-se gametófito, onde se irão diferencia gametângios, estruturas que contem célula que produzirão gâmetas; - Os gametângios femininos designam-se arquegónios e o respetivo gâmeta chama-se oosfera; - os gametângios masculinos designam-se anterídios e o respetivo gâmeta chama-se anterozoide; Geração esporófita: - Corresponde á fase diploide do ciclo de vida, inicia-se com o ovo e termina nos esporos; - A estrutura multicelular da geração esporófita designa-se esporófito, onde se irão diferenciar esporângios, estruturas que contem células que produzirão esporos, por meiose( meiosporos). - A germinação do espero origina o gametófito;
  7. 7. Ciclo de vida da espirogira( ser haplonte) A espirogira: Quanto as condições do meio são favoráveis, reproduz-se assexuadamente; Quando são desfavoráveis, reproduz-se sexuadamente; Tem dois tipos de gametas: - O gameta dador( movimenta-se) - O gameta recetor( não se movimenta) Isogamia morfológica – Gametas morfologicamente indiferenciados; Anisogamia – Gametas morfologicamente diferentes; Formam vários ovos ou zigotos; Os filamentos desintegram-se ficando rodeados por uma parede espessa, no estado latente, até que as condições voltem a ser favoráveis – Zigósporos; Sintetizando: A meiose é pós-zigótica; Há alternância de fases nucleares. A fase haploide é multicelular; É um organismo haplonte ( apenas o zigoto pertence á fase diplonte) Há isogamia morfológica e anisogamia funcional. Ciclo de vida de um polipódio Na época da reprodução, na pagina inferior das folhas, desenvolvem-se os soros que são grupos de esporângios. São estruturas pluricelulares que quando jovens, contêm células –maes de esporos que sofrem maieose para formar esporos; Os esporos vão formar o protalo, que se fixa á terra através de pelos absorventes. Aí formam-se os gametângios masculinos e femininos; - Em boas condições, o anterozoide nada até á oosfera originando um obo. Este desenvolve-se formando um novo feto, semelhante ao que lhe deu origem…
  8. 8. Sintetizando: A meiose é pré-espórica; Há alternância de fases nucleares; Fase diploide mais desenvolvida que a fase haploide; Organismo haplodiplonte Alternância de gerações ( geração esporófita 2n e gametófita n). Gerações heteromórficas Fecundação dependente da água Anisogamia funcional e morfológica. A alternância de gerações tira o máximo proveito de dois tipos de reprodução: a geração gametófita aumenta a variabilidade genética e a esporófita facilita a dispersão pela produção de esporos; Os esporos têm a particularidade de poderem ficar em vida latente; O gametófito e o esporófito são independentes , porque ambos realizam a fotossíntese ou seja produzem o seu próprio alimento. Ciclo de vida de um mamífero Meiose pré-gamética; Alternância de fases nucleares; A fase diploide é a mais desenvolvida; O organismo é diplonte Há fecundação interna; Há anisogamia funcional e morfológica( os gametas são morfologicamente diferentes e são produzidos em ovários e testículos). Vantagens da reprodução sexuada relativamente á reprodução assexuada  Maior variabilidade genética  Melhor adaptação a ambientes em mudança. Desvantagens:  Energicamente dispendioso;  Necessidade de encontrar um individuo do sexo oposto; Principais razões para ocorrer reprodução assexuada: - Condições ambientais favoráveis; - Quando não existem machos para acasalar,

×