MÓDULO I: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ESPIRITISMOMÓDULO I: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ESPIRITISMO
ROTEIRO 1: O CONTEXTO HISTÓRICO...
INTRODUÇÃOAOESTUDODOESPIRITISMOINTRODUÇÃOAOESTUDODOESPIRITISMO
2
1.1. O contexto histórico doO contexto histórico do
Sécul...
3
LUIS XVILUIS XVI
• (1754 – 1793)
• Luís XVI de Bourbon
• Nascido em Paris
• Rei da França (1774-1791)
• filho do delfim Luís e de
Maria Jos...
• (1755 - 1793)
Maria Antônia Josefa
Joana de Habsburgo-
Lorena
• Arquiduquesa da Áustria
• Rainha consorte de
França e Na...
• Rei de França e de
Navarra
• Co-príncipe de
Andorra
• Conde da Provença
• Conde de
Valentinois
• Conde de Diois
• Conde ...
• 1774 – Começa o reinado com
agravamento da crise financeira e das
tensões sociais.
• 1788 - Reformas que detenham a cris...
1789
Queda da Bastilha
Prisão que simboliza a
tirania absolutista.
• 1789 - Declaração dos Direitos do Cidadão
• 1791 - Co...
• 1791 - O rei tenta fugir, em junho de, para comandar a
escalada contrarrevolucionária sob a proteção da Áustria. A
famíl...
10
LUISXVI–ORETORNOLUISXVI–ORETORNO
11
LUISXVI-AEXECUÇÃOLUISXVI-AEXECUÇÃO
12
NAPOLEÃONAPOLEÃO
• (1769 – 1821)(1769 – 1821)
• Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
• Líder político e militarLíder político e militar
dur...
• bb
14
NAPOLEÃONAPOLEÃO O primeiro-
cônsul Napoleão
cruzando os
Alpes no passo
de Grande São
Bernardo,
por Jacques-Louis
...
• Cultivava as maneiras rudes
arrivista (ambicioso),
perdendo as estribeiras,
trapaceando no jogo, tirando
partido das sit...
• Capacidade de conceber
planos financeiros, legais
ou militares e depois
dominar cada um de seus
pormenores.
• Capacidade...
• Promulga uma nova constituição.
• Concordata com a Igreja Católica que retornou os padres
ao território francês
• Criaçã...
Napoleão
abdicando em
Fontainebleau,
por Paul Delaroche,
1855, Museu de
Finas Artes, Leipzig
(5)
18
NAPOLEÃONAPOLEÃO
• Sua história está igualmente cheia de
traços brilhantes e escuros,
demonstrando que a sua
personalidade de general mante...
20
BIBLIOGRAFIABIBLIOGRAFIA 1. Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita – Programa Fundamental – Tomo I, FEB,
2010
2. htt...
21
Muito obrigada!
deni.aguiar.silva@gmail.com
2013
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Contexto histórico - Espiritismo - Governantes

348 visualizações

Publicada em

ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA
TOMO I - PROGRAMA FUNDAMENTAL - MÓDULO VI- ROTEIRO 1
MÓDULO I: Introdução ao estudo do espiritismo
OBJETIVO GERAL: Propiciar conhecimentos gerais a Doutrina Espírita
ROTEIRO 1: Contexto Histórico do século XIX na Europa
Objetivo: Identificar o contexto Histórico do século XIX na Europa, por ocasião do surgimento da Doutrina Espírita

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
348
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Filósofos Iluministas reunidos no salão de madame Geoffrin
    Museu Nacional do Castelo de Malmaison, Rueil-Malmaison
    http://www.terminartors.com/artworkprofile/Lemonnier_Anicet-Charles-Gabriel-In_the_Salon_of_Madame_Geoffrin_in_1755
  • O francês Eugène Delacroix é considerado um pintor romântico por excelência. Sua tela “A Liberdade guiando o povo” reúne o vigor e o ideal românticos em uma obra que estrutura-se em um turbilhão de formas. O tema são os revolucionários de 1830 guiados pelo espírito da Liberdade (retratados aqui por uma mulher carregando a bandeira da França).
    Romantismo foi um movimento artístico, político e filosófico surgido nas últimas décadas do século XVIII na Europa que perdurou por grande parte do século XIX. Caracterizou-se como uma visão de mundo contrária ao racionalismo e ao iluminismo[1] e buscou um nacionalismo que viria a consolidar os estados nacionais na Europa.
    Inicialmente apenas uma atitude, um estado de espírito, o Romantismo toma mais tarde a forma de um movimento, e o espírito romântico passa a designar toda uma visão de mundo centrada no indivíduo. Os autores românticos voltaram-se cada vez mais para si mesmos, retratando o drama humano, amores trágicos, ideais utópicos e desejos de escapismo. Se o século XVIII foi marcado pela objetividade, pelo Iluminismo e pela razão, o início do século XIX seria marcado pelo lirismo, pela subjetividade, pela emoção e pelo eu.
    Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Romantismo
  • Imagem: Os Miseráveis 2012 Official Trailer (HD).
  • Contexto histórico - Espiritismo - Governantes

    1. 1. MÓDULO I: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ESPIRITISMOMÓDULO I: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ESPIRITISMO ROTEIRO 1: O CONTEXTO HISTÓRICO DO SÉCULO XIX NA EUROPAROTEIRO 1: O CONTEXTO HISTÓRICO DO SÉCULO XIX NA EUROPA ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITAESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA PROGRAMA FUNDAMENTAL - TOMO IPROGRAMA FUNDAMENTAL - TOMO I 1 GOVERNANTESGOVERNANTES
    2. 2. INTRODUÇÃOAOESTUDODOESPIRITISMOINTRODUÇÃOAOESTUDODOESPIRITISMO 2 1.1. O contexto histórico doO contexto histórico do Século XIX na EuropaSéculo XIX na Europa  GovernantesGovernantes  FilósofosFilósofos  PintoresPintores  MúsicosMúsicos  EscritoresEscritores  CientistasCientistas 1.1. Espiritismo ou DoutrinaEspiritismo ou Doutrina Espírita: conceito e objetoEspírita: conceito e objeto 2.2. Tríplice Aspecto daTríplice Aspecto da Doutrina EspíritaDoutrina Espírita 3.3. Pontos Principais daPontos Principais da Doutrina EspíritaDoutrina Espírita
    3. 3. 3 LUIS XVILUIS XVI
    4. 4. • (1754 – 1793) • Luís XVI de Bourbon • Nascido em Paris • Rei da França (1774-1791) • filho do delfim Luís e de Maria Josefa de Saxônia • esposo de Maria Antonieta da Áustria (com quem se casou com 16 anos). • Conhecido como um rei de caráter fraco, uma vez que apenas usava o poder que possuía para satisfazer o Parlamento. Era dominado pela aristocracia, o que levou o reino quase à beira da falência (8). 4 LUISXVILUISXVI
    5. 5. • (1755 - 1793) Maria Antônia Josefa Joana de Habsburgo- Lorena • Arquiduquesa da Áustria • Rainha consorte de França e Navarra. • Casou-se em abril de 1770, aos quatorze anos de idade, com Luís XVI, numa tentativa de estreitar os laços entre os dois inimigos históricos.(7) 5 MARIAANTONIETAMARIAANTONIETA
    6. 6. • Rei de França e de Navarra • Co-príncipe de Andorra • Conde da Provença • Conde de Valentinois • Conde de Diois • Conde de Barcelona • Conde de Cerdagne • Conde de Rousillon • Conde de Forcalquier e das ilhas adjacentes • Delfim do Viennois. (7) 6 LUISXVI-TÍTULOSLUISXVI-TÍTULOS
    7. 7. • 1774 – Começa o reinado com agravamento da crise financeira e das tensões sociais. • 1788 - Reformas que detenham a crise financeira são barradas pela ação das classes privilegiadas. Diante da bancarrota do Estado é convocado a Assembleia dos Estados Gerais. A disposição da burguesia em liquidar o absolutismo e realizar reformas políticas, sociais e econômicas conduz, à proclamação em Assembleia Constituinte. 7 LUISXVI–OREINADOLUISXVI–OREINADO
    8. 8. 1789 Queda da Bastilha Prisão que simboliza a tirania absolutista. • 1789 - Declaração dos Direitos do Cidadão • 1791 - Constituição Republicana: após um acordo entre a burguesia e os representantes do clero e da nobreza, instituindo a monarquia parlamentar. A adesão pública do rei à nova Constituição é acompanhada por conspirações em defesa dos direitos monárquicos. 8 LUISXVI–OREINADOLUISXVI–OREINADO
    9. 9. • 1791 - O rei tenta fugir, em junho de, para comandar a escalada contrarrevolucionária sob a proteção da Áustria. A família real é presa durante a fuga e o povo passa a exigir medidas mais radicais contra a nobreza e o clero. • 1792 – O rei e a rainha foram julgados por traição, condenados à morte na guilhotina, a monarquia abolida. (8) Detenção de Luís XVI e sua família Varennes-en-Argonne 1791 9 LUISXVI–AFUGALUISXVI–AFUGA
    10. 10. 10 LUISXVI–ORETORNOLUISXVI–ORETORNO
    11. 11. 11 LUISXVI-AEXECUÇÃOLUISXVI-AEXECUÇÃO
    12. 12. 12 NAPOLEÃONAPOLEÃO
    13. 13. • (1769 – 1821)(1769 – 1821) • Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte • Líder político e militarLíder político e militar durante os últimos estágiosdurante os últimos estágios da Revolução Francesa.da Revolução Francesa. • Possuía um espíritoPossuía um espírito compatível com as ideiascompatível com as ideias do Iluminismo – criativo,do Iluminismo – criativo, imaginativo e pronto aimaginativo e pronto a repensar as coisas. Seusrepensar as coisas. Seus principais interesses eramprincipais interesses eram a história, o direito e aa história, o direito e a matemática. (4)matemática. (4) 13 NAPOLEÃONAPOLEÃO
    14. 14. • bb 14 NAPOLEÃONAPOLEÃO O primeiro- cônsul Napoleão cruzando os Alpes no passo de Grande São Bernardo, por Jacques-Louis David, 1800, no Kunsthistorisches Museum. (5)
    15. 15. • Cultivava as maneiras rudes arrivista (ambicioso), perdendo as estribeiras, trapaceando no jogo, tirando partido das situações como podia, sem atentar às convenções da sociedade polida. • Com esse comportamento ganhava as simpatias dos cidadãos de uma Europa triunfantemente burguesa.(4) 15 NAPOLEÃONAPOLEÃO
    16. 16. • Capacidade de conceber planos financeiros, legais ou militares e depois dominar cada um de seus pormenores. • Capacidade de inspirar outras pessoas • Convicção de ser por destino salvador da França . (...) obsessão que o conduziu à ruína. 16 NAPOLEÃO–QUALIDADESCOMOLÌDERNAPOLEÃO–QUALIDADESCOMOLÌDER
    17. 17. • Promulga uma nova constituição. • Concordata com a Igreja Católica que retornou os padres ao território francês • Criação do Banco da França e do franco que durou até a entrada do Euro • Reestrutura o aparelho burocrático. Centralização do poder após anos de instabilidade depois da Revolução Francesa • Cria o ensino controlado pelo estado (ensino público) reforma educacional na França com a instalação de vários liceus e colégios (6) • Declara leigo o estado, separando-o, assim, da religião. • Promulga o código napoleônico – que garante a liberdade individual, a igualdade perante a lei, o direito à propriedade privada, o divórcio – e adota o primeiro código comercial. (1) 17 NAPOLEÃO-REALIZAÇÕESNAPOLEÃO-REALIZAÇÕES
    18. 18. Napoleão abdicando em Fontainebleau, por Paul Delaroche, 1855, Museu de Finas Artes, Leipzig (5) 18 NAPOLEÃONAPOLEÃO
    19. 19. • Sua história está igualmente cheia de traços brilhantes e escuros, demonstrando que a sua personalidade de general manteve- se oscilante entre as forças do mal e do bem. Com as suas vitórias, garantia a integridade do solo francês, mas espalhava a miséria e a ruína no seio de outros povos. • Sua fronte de soldado pode ficar laureada, para o mundo, de tradições gloriosas, e verdade é que ele foi um missionário do Alto, embora traído em suas próprias forças [...]. (1) 19 NAPOLEÃO-MISSÃONAPOLEÃO-MISSÃO
    20. 20. 20 BIBLIOGRAFIABIBLIOGRAFIA 1. Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita – Programa Fundamental – Tomo I, FEB, 2010 2. http://www.algosobre.com.br/biografias/francois-quesnay.html, 04/03/2013 – 22:15 3. http://www.corecon- rj.org.br/Grandes_Economistas_Resultado.asp?ID=131, 04/03/2013 – 21:55 4. BURNS, Edward McNall. História da Civilização Ocidental: do homem das cavernas às naves espaciais – v.2, 40ª edição, São Paulo: Globo, 2001. 5. http://pt.wikipedia.org/wiki/Napole%C3%A3o_Bonaparte, 18/03/2013, 15:00 6. http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/imperio- napoleonico/era-napoleonica.php, 18/03/2013, 15:34 7. http://pt.wikipedia.org/wiki/Lu%C3%ADs_XVI_de_Fran%C3%A7a, 18/03/2013, 16:04 8. http://noseahistoria.wordpress.com/os-alunos-e-a-historia-2/luis- xvi-de-franca/, 18/03/2013, 17:20 9. http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/revolucao- francesa/absolutismo-de-luis-xvi.php , 18/03/2013, 17:34
    21. 21. 21 Muito obrigada! deni.aguiar.silva@gmail.com 2013

    ×