Mestrado Intervenção Precoce
2013/2014
1º Ano
1º Semestre

História das Ideias em Intervenção Precoce

Intervenção Precoce...
Intervenção Precoce
“Intervenção precoce na infância (IPI)» o conjunto de medidas de apoio integrado
centrado na criança e...
Destinatários
O SNIPI abrange as crianças entre os 0 e os 6 anos, com alterações nas funções ou
estruturas do corpo que li...
nos recursos necessários para promover padrões normativos de vida; relação famíliaprofissionais como catalisador para mobi...
escolas de referencia para IPI de modo a integrar docentesdessa área de intervenção,
bem como, designam profissionais para...
Anexos
A Intervenção Precoce (I.P.) em Portugal remonta à década de 60. Os primeiros
programas que surgiram após a criação...
Assim, o sistema de intervenção precoce deve assentar na universalidade do acesso, na
responsabilização dos técnicos e dos...
precoce, quer no sector da saúde quer nos sectores da educação e da segurança social.
Não obstante, este novo olhar para e...
principal agente era o técnico; por um lado, obrigava os técnicos a trabalharem num
terreno pouco explorado e pouco usual,...
Docente: Profª. Marina Fuertes
Discente: Débora Marques 2013083
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Intervenção precoce na infância em portugal

1.415 visualizações

Publicada em

A Intervenção Precoce na Infância em Portugal

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.415
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Intervenção precoce na infância em portugal

  1. 1. Mestrado Intervenção Precoce 2013/2014 1º Ano 1º Semestre História das Ideias em Intervenção Precoce Intervenção Precoce na Infância em Portugal Docente: Profª. Marina Fuertes Discente: Débora Marques 2013083
  2. 2. Intervenção Precoce “Intervenção precoce na infância (IPI)» o conjunto de medidas de apoio integrado centrado na criança e na família, incluindo acções de natureza preventiva e reabilitativa, designadamente no âmbito da educação, da saúde e da acção social” O SNIPI abrange crianças entre os 0 e 6 anos, com alterações nas funções ou estruturas do corpo que limitam a participação nas atividades típicas para a respetiva idade e contexto social ou com risco grave de atraso de desenvolvimento, bem como as suas famílias.(Decreto-Lei 281/2009 de 6 de Outubro). Objetivos Para alcançar este desiderato, instituem-se três níveis de processos de acompanhamento e avaliação do desenvolvimento da criança e da adequação do plano individual para cada caso, ou seja, o nível local das equipas multidisciplinares com base em parcerias institucionais, o nível regional de coordenação e o nível nacional de articulação de todo o sistema. O presente decreto -lei cria o Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância, adiante designado por SNIPI, o qual consiste num conjunto organizado de entidades institucionais e de natureza familiar, com vista a garantir condições de desenvolvimento das crianças com funções ou estruturas do corpo que limitam o crescimento pessoal, social, e a sua participação nas actividades típicas para a idade, bem como das crianças com risco grave de atraso no desenvolvimento. O SNIPI tem os seguintes objectivos: a) Assegurar às crianças a protecção dos seus direitos eo desenvolvimento das suas capacidades, através de acçõesde IPI em todo o território nacional; b) Detectar e sinalizar todas as crianças com risco dealterações ou alterações nas funções e estruturas do corpoou risco grave de atraso de desenvolvimento; c) Intervir, após a detecção e sinalização nos termos daalínea anterior, em função das necessidades do contextofamiliar de cada criança elegível, de modo a prevenir oureduzir os riscos de atraso no desenvolvimento; d) Apoiar as famílias no acesso a serviços e recursosdos sistemas da segurança social, da saúde e da educação; e) Envolver a comunidade através da criação de mecanismosarticulados de suporte social. Docente: Profª. Marina Fuertes Discente: Débora Marques 2013083
  3. 3. Destinatários O SNIPI abrange as crianças entre os 0 e os 6 anos, com alterações nas funções ou estruturas do corpo que limitam a participação nas actividades típicas para a respectiva idade e contexto social ou com risco grave de atraso de desenvolvimento, bem como as suas famílias. Tipos de práticas “Família - duas ou mais pessoas que se consideram como tal e que assumem obrigações, funções e responsabilidades geralmente essenciais para a vida familiar” (Barker, 1991, pág. 80 citado por Derrano, 2007, pág.20) O modelo proposto por Dunst, em 2000 e desenvolvido em 2005, visa a promoção do desenvolvimento, aprendizagem e competência interactiva da criança, o bem-estar dos pais e a promoção da qualidade de vida da família. Além das práticas de auxílio centradas na família, integra as componentes de: oportunidades de aprendizagem da criança (motivar envolvimento ativo – controlo pelas crianças das suas competências); Apoio ás competências dos pais (informação, aconselhamento e orientação – autoestima competências e conhecimentos parentais já existentes, aquisição de novas competências para cuidar da criança); Apoios e recursos da família/comunidade. Segundo Breia, Almeida e Côloa (2004, pág. 21) presentemente não existe um consenso de modo a definir verdadeiramente o conceito de Intervenção Precoce, uma vez que tem sido utilizada perante diferentes práticas, umas com carácter de prevenção e outras com carácter de remediação. No que concerne ás práticas de carácter de remediação, estas são as que surgem numa situação problemática mas no sentido de evitar o seu agravamento, através da aquisição de competências ou comportamentos compensatórios, de modo a diminuir o número de casos e reduzir igualmente a prevalência de problemas ou condições manifestados na população; ou ao invés, através da redução da expressão de sequelas existentes em situações já diagnosticadas ou identificadas. As práticas recomendadas na IPI é a Abordagem centrada na família; a inclusão, as práticas desenvolvimentalmente adequadas e a coordenação inter-serviços. Em termos da prática centrada na família, existe o reconhecimento da família como contexto principal e primário para promover a saúde e bem-estar da criança; respeito pelas escolhas e decisões da família; ênfase nas potencialidades da criança e da família e Docente: Profª. Marina Fuertes Discente: Débora Marques 2013083
  4. 4. nos recursos necessários para promover padrões normativos de vida; relação famíliaprofissionais como catalisador para mobilizar recursos necessários ás escolhas realizadas e para actualizar as escolhas; respeito mútuo família-profissional para alcançar os resultados desejados; benefícios ao nível do “empowerment” e bem-estar familiar; promove perceções positivas dos pais em relação ás suas próprias competências; promove julgamentos positivos por parte dos pais, acerca do comportamento, funcionamento e desenvolvimento dos seus filhos; enfoque da intervenção na família, sendo o objetivo manter e melhorar o bem-estar da unidade familiar. Equipas O papel do profissional de IPI deve ser como um recurso e suporte familiar, deve criar oportunidades para a família exercer as suas competências, no sentido da sua capacitação e delegar o poder de decisão á família – quais os objectivos prioritários de intervenção e qual o seu contexto.Equipas locais de intervenção, adiante designado por ELI, são constituídas por equipas pluridisciplinares com base em parcerias institucionais envolvendo vários profissionais:Educadores de infância de IP; Enfermeiro(s); Médico( s) de família/pediatra(s), outros; Assistentes sociais; Psicólogos; Terapeutas, e outros, que representem todos os serviços que são chamados a intervir, elaborando um Plano Individual de Intervenção Precoce (PIIP) atendendo ás necessidades das famílias. Sendo que, é necessário que o citado Plano oriente as famílias que o subscrevam e estabeleça um diagnóstico adequado onde compareça as dificuldades, mas igualmente os pontos fortes de desenvolvimento da criança, tendo em conta as alterações a incluir no meio ambiente de modo a propulsionar os mencionados pontos fortes, utilizando a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde para Crianças e Jovens, da Organização Mundial de Saúde (ICF-CY 2007). Equipas constituídas pela por Terapeutas e Psicólogos de modo a promover a cooperação ativa com as IPSS e equiparadas para efeitos de contratação de profissionais de serviço social,; contratação na rede de cuidados de saúde primários e nos hospitais, integrando profissionais de saúde com qualificação adequadas ás necessidades de cada criança; existem equipas de coordenação regional com profissionais dos centros distritais do Instituto da Segurança Social através do Ministério do Trabalho e Solidariedade Social; através do Ministério da Saúde existe a designação de profissionais para as equipas de coordenação regional; pelo Ministério da Educação existe uma organização de rede de agrupamentos de Docente: Profª. Marina Fuertes Discente: Débora Marques 2013083
  5. 5. escolas de referencia para IPI de modo a integrar docentesdessa área de intervenção, bem como, designam profissionais para as equipas de coordenação regional. As funções das ELI são: 1. Identificar as crianças e famílias imediatamente elegíveis para o SNIPI; 2. Assegurar a vigilância às crianças e famílias que, embora não imediatamente elegíveis, requeiram avaliação periódica, devido à natureza dos seus factores de risco e probabilidade de evolução; 3. Encaminhar crianças e famílias não elegíveis, mas carenciadas de apoio social; 4. Elaborar e executar o PIIP em função do diagnóstico da situação; 5. Identificar necessidades e recursos das comunidades da sua área de intervenção, dinamizando redes formais e informais de apoio social; 6. Articular, sempre que se justifique, com as comissões de proteção de crianças e jovens, com os núcleos da saúde de crianças e jovens em risco ou outras entidades com actividade na área da protecção infantil 7. Assegurar, para cada criança, processos de transição adequados para outros programas, serviços ou contextos educativos; 8. Articular com os docentes das creches e jardins-de-infância em que se encontrem colocadas as crianças integradas em IPI. Bibliografia: Breia, G., Almeida, I. C. &Colôa, J. (2004). Conceitos e Práticas em Intervenção Precoce. Ministério da Educação. Lisboa. Decreto Lei nº 281/2009 - Diário da República, 1ª Série – Nº 193 – 6 de Outubro de 2009 Dunst, C. J. (2005). Foundations for an evidence-based approach to early childhood intervention and family support.CASEinPoint.Retirado http://www.fippcase.org/caseinpoint/caseinpoint_vol1_no1.pdf Serrano, A. M. (2007). Redes Sociais de Apoio e sua Relevância para a Intervenção Precoce. Porto: Porto Editora. Docente: Profª. Marina Fuertes Discente: Débora Marques 2013083 de
  6. 6. Anexos A Intervenção Precoce (I.P.) em Portugal remonta à década de 60. Os primeiros programas que surgiram após a criação pelo Instituto de Assistência a Menores do Ministério da Saúde e Assistência, o Serviço de Orientação Domiciliária (SOD) destinavam-se a crianças invisuais. Estes programas seguiam, fundamentalmente, o modelo médico, e, portanto, muito ligados ainda aos serviços de saúde. Esta perspetiva médica tem no seu âmago uma preocupação de cariz preventivo, tendo um relativo impacto nas famílias e nas crianças. Nesta sequência, os cuidados e a educação para as crianças até aos 6 anos de idade (amas, creches, jardins de infância) eram fundamentalmente da responsabilidade do Ministério da Saúde e Assistência. Estes serviços estiveram mais tarde a cargo da Segurança Social e depois do Ministério da Educação (Bairrão, J.R. & Almeida, I. C., 2002).As crianças com paralisia e com problemas motores eram atendidas nos centros de Reabilitação de Paralisia Cerebral (Lisboa, Porto e Coimbra), que integravam técnicos de diferentes especialidades, trabalhando de forma diferenciada (Bairrão, J.R. & Almeida, I. C., 2002).Com a Revolução de Abril, altura em que se dão verdadeiras modificações na sociedade portuguesa e, por conseguinte, no atendimento às crianças com deficiência, com as famosas “cooperativas de crianças inadaptadas” (CERCIS). Estas cooperativas surgiram da iniciativa dos pais, sob a tutela do Ministério da Educação. Apesar de haver uma mudança significativa no atendimento a estas crianças e nos recursos utilizados, continua o mesmo problema, ou seja, uma criança com idade inferior aos seis anos raramente era atendida nestas estruturas (Bairrão, J.R. & Almeida, I. C., 2002).A Intervenção Precoce consiste numa perspetiva ecológico, sistémica e Pluridisciplinar que tem como principal objetivo, facilitar o desenvolvimento da criança e proporcionar o bem-estar da família. Nesta perspectiva, a Intervenção Precoce possui como principal intuito apoiar a família, de modo a proporcionar-lhes um tipo de relacionamento e uma forma de se relacionar melhor com o seu filho, enfatizando os contextos de vida da criança e promovendo ambientes mais adequados ao seu desenvolvimento. A intervenção precoce junto de crianças com alterações ou em risco de apresentar alterações nas estruturas ou funções do corpo, tendo em linha de conta o seu normal desenvolvimento, constitui um instrumento político do maior alcance na concretização do direito à participação social dessas crianças e dos jovens e adultos em que se irão tornar. (Dec. Lei. 281 de 2009) Docente: Profª. Marina Fuertes Discente: Débora Marques 2013083
  7. 7. Assim, o sistema de intervenção precoce deve assentar na universalidade do acesso, na responsabilização dos técnicos e dos organismos públicos e na correspondente capacidade de resposta (Dec. Lei. 281 de 2009).Para que esta Intervenção resulte na sua plenitude, é necessário que exista da parte dos profissionais de saúde, e da família em questão, uma relação de confiança e parceria para que possam ser avaliados os pontos fortes da criança, realizar o levantamento de recursos e as capacidades da família e executar a adequação de contextos em que a mesma se insere. Tudo isto para que possa existir um bom relacionamento entre ambas as partes e se proporcionem momentos de prazer e satisfação nestas novas mudanças que irão surgir na família. Por volta de 1973, surge a Divisão de Educação Especial no Ministério da Educação contribuindo para uma perspectiva mais “educacional” no campo da educação e para o início do movimento da integração. No entanto, eram raras as crianças com idades inferiores a seis anos que eram atendidas por estas equipas e, nesta altura, a integração das crianças com deficiência nos jardins-de-infância era praticamente nula. Somente os casos de deficiências mais graves eram detectados pelas estruturas de saúde. A grande maioria das crianças com deficiência, mesmo em idade escolar, permanecia em casa, contribuindo tal facto para a escassez de recursos existentes. A integração destas crianças, passa a ser notória por parte das instituições privadas e de solidariedade social, a partir de 1974, beneficiando, algumas delas, do apoio dos serviços de orientação domiciliária, no caso da região de Lisboa e do Porto, ou das educadoras das equipas de educação especial do Ministério da Educação.A partir desta altura começam a surgir projectos inovadores e de extrema importância para a I.P. em Portugal, o Projecto de Águeda e o Projecto do Hospital Pediátrico de Coimbra. Estes projectos tinham uma forte componente integradora, na medida em que, os programas assentavam no funcionamento e interacção dos vários serviços implicados e dinamizados pela própria comunidade, abrindo novas portas nos modelos de prevenção e de intervenção (Bairrão, J.R. & Almeida, I. C., 2002).Segundo Bairrão (2000), “considerava-se “em risco”, toda a criança portadora de uma deficiência, que tivesse sido sujeita a problemas no período pré, peri ou pós-natal ou ainda, com privações várias – nutrição, graves carências socioeconómicas, incapacidade materna, marginalização familiar ou outra.”Com o decorrer dos anos foi-se generalizando a importância de desenvolver novas formas mais eficazes de apoio e de intervenção às crianças com deficiência. Começou, então, a falarse de identificação ou detecção precoce, surgiu, também a necessidade de estimulação Docente: Profª. Marina Fuertes Discente: Débora Marques 2013083
  8. 8. precoce, quer no sector da saúde quer nos sectores da educação e da segurança social. Não obstante, este novo olhar para esta problemática, a identificação e detecção das crianças com problemas continuou a ser tardia, ocorrendo, geralmente, no início da escolaridade obrigatória. Verificou-se, apenas, um certo alargamento nas crianças atendidas, não ocorrendo mudanças significativas relativamente ao período anterior. O atendimento das crianças nas faixas etárias mais precoces, caracterizavam-se por orientações genéricas às famílias e, na prestação de apoios especializados à criança, sendo estes de cariz reabilitativo. Esta situação é, ainda hoje, muito frequente (Bairrão, J.R. & Almeida, I. C., 2002).Na década de 80 surgem em Portugal experiências inovadoras, com uma estrutura organizativa e com um enquadramento teórico mais consistente. Seria o início de uma nova etapa no âmbito da I.P. Estas experiências de vanguarda, foram promovidas por duas entidades que, já nos anos 60 e 70 tinham tido um papel primordial no domínio dos programas de Intervenção Precoce e da Educação Especial: a Direcção de Serviços e Orientação e Intervenção Psicológica (DSOIP) e o Projecto Integrado de Intervenção Precoce (PIIP) de Coimbra, este último teve a sua origem no projecto de Águeda já atrás referido (Bairrão, J.R. & Almeida, I. C., 2002).Estas duas entidades tinham o mesmo objectivo: intervencionar a criança o mais precocemente possível. No entanto, estes dois serviços tinham características muito distintas, ou seja, o primeiro é um serviço estatal pertencente ao Ministério da Solidariedade Social, enquanto que o segundo é um projecto que dispõe de financiamento próprio e que integra diversos serviços e recursos locais num sistema organizativo de base comunitária (citado por Bairrão, J.R. & Almeida, I. C., 2002). "...A DSOIP aprofundou, implementou e disseminou um modelo de Intervenção Precoce, o Modelo Portage, (citado por Bairrão & Almeida, 2002), oriundo dos Estados Unidos. Este modelo foi de grande aceitação, na medida, em que, implicava directamente os pais e, assenta num tipo de modelo organizacional consistente que, era de grande ajuda tanto para os pais como para os técnicos, pois estava teoricamente bem enquadrado. A implementação do Modelo Portage para Pais incidia em duas vertentes novas e complementares. No entanto, e, apesar de tudo, esse modelo constituía uma importante ruptura no sentido epistemológico do termo, na medida, em que, rompe com as práticas tradicionais da Educação Especial existentes em Portugal. Por um lado, elegia os pais como principais agentes de intervenção para a mudança na situação deficitária dos seus filhos, contrariando, desta forma a prática até então, baseada num modelo médico cujo Docente: Profª. Marina Fuertes Discente: Débora Marques 2013083
  9. 9. principal agente era o técnico; por um lado, obrigava os técnicos a trabalharem num terreno pouco explorado e pouco usual, que é o envolvimento com outros adultos, pais e técnicos, sendo que esse trabalho deveria decorrer no ambiente natural dos pais e da criança (Bairrão, J.R. & Almeida, I. C., 2002). A implementação deste projecto e o seu elevado interesse, aumentou consideravelmente a nível de formação, os técnicos provenientes das equipas do Ensino Especial do Ministério da Educação (Bairrão, J.R. & Almeida, I. C., 2002).A nível legislativo, a Lei de Bases do Sistema Educativo (L.B.S.E., 1986) faz uma breve referência à Intervenção Precoce não na perspectiva de inclusão, mas com o objectivo de combater o insucesso escolar.Até aos anos 90 a legislação portuguesa ainda se encontrava numa perspectiva compensatória e não numa perspectiva preventiva. Esta concepção “compensatória” é ainda visível na actual legislação, quando se refere aos objectivos de Educação Préescolar (Lei quadro da Educação Pré-escolar, nº 5/97).Em 1989, podemos encontrar na Lei de Bases da Prevenção e da Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência (Lei nº 9/89, artigo nº 18) uma breve referência ao atendimento precoce como na L.B.S.E., nomeadamente na responsabilidade atribuída ao Estado em promover a nível de acções que propusessem o esclarecimento, a prevenção e o tratamento precoce da deficiência.Ao longo dos anos 90 a mudança efectuou-se na altura que, os projectos de I.P. passaram a ser financiados, quer com dinheiros nacionais, quer com dinheiros comunitários. Este tipo de financiamentos exigiam aos programas um outro tipo de organização, assim, tudo tinha que estar bem claro: a população alvo, a metodologia, os recursos, a previsão orçamental, a avaliação e, o mais importante de tudo, a colaboração e a parceria de serviços distintos (Bairrão, J.R. & Almeida, I. C., 2002).Em 1997, o Ministério da Educação introduz mudanças significativas nas políticas educativas quer a nível pré-escolar, quer a nível do Ensino Especial através das seguintes medidas legislativas: Lei-quadro do Ensino Pré-Escolar, Lei nº 5/97; o Despacho Conjunto nº 105/97 e o Portaria nº 52/97. O Envolvimento Parental e a sua importância está em destaque no Despacho – Conjunto nº 891/99, na medida em que, assumir com eficácia um papel relevante na educação dos seus filhos com deficiência, é essencial, que tenham conseguido superar a situação de crise que essa situação lhes possa ter causado. Docente: Profª. Marina Fuertes Discente: Débora Marques 2013083
  10. 10. Docente: Profª. Marina Fuertes Discente: Débora Marques 2013083

×