BilingLatAm2009

2.131 visualizações

Publicada em

"A educação bilíngue para surdos e a tecnologia da imagem"

Publicada em: Educação
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.131
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
105
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

BilingLatAm2009

  1. 1. BilingLatAm<br />2009<br />Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  2. 2. A EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS E A TECNOLOGIA DA IMAGEM<br />Débora Caetano Kober<br />Coord. Pedagógica da Escola para Crianças Surdas Rio Branco<br />Professora da EMEE “Profª Vera Lúcia Ap. Ribeiro”<br />
  3. 3. <ul><li>De onde partimos</li></ul>perspectiva bilíngue que concebe a Língua de Sinais como primeira língua e a Língua Portuguesa em sua modalidade escrita como a segunda<br /><ul><li>Público envolvido</li></ul>Surdos adultos de escola pública de São Paulo (16 a 35 anos) com escolarização tardia, provenientes de famílias ouvintes<br />Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  4. 4. A Língua<br />É pela língua e na língua que damos sentido ao que somos e ao que nos acontece (LarrosaBondía, 2002)<br />Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  5. 5. “[...]a aquisição da língua precisa se dar diante do mundo e em meio a uma comunidade lingüística que ofereça um fundo estruturado que passe a ser estruturante.” (BICUDO e ESPOSITO, 1997)<br />Fernando Pessoa (Livro do Desassossego - Bernardo Soares).<br />[...] Minha pátria é a língua portuguesa[...]<br />Caetano Veloso:<br /> [...] A língua é minha pátriaE eu não tenho pátria, tenho mátria[...]<br />Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  6. 6. “[...]a aquisição da língua precisa se dar diante do mundo e em meio a uma comunidade lingüística que ofereça um fundo estruturado que passe a ser estruturante.” (BICUDO e ESPOSITO, 1997)<br />Fernando Pessoa (Livro do Desassossego - Bernardo Soares).<br />[...] Minha pátria é a língua portuguesa[...]<br />Caetano Veloso:<br /> [...] A língua é minha pátriaE eu não tenho pátria, tenho mátria[...]<br />Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  7. 7. Para os Surdos, ler em língua portuguesa, é antes de mais nada, uma questão de tradução<br />Tradução entre línguas de modalidades distintas:<br />Língua de Sinais: visual/espacial<br />Língua Portuguesa: oral/visual (escrita)<br />Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  8. 8. TRADUÇÃO<br />“(...) a possibilidade da tradução é uma das poucas possibilidades, talvez a única praticável, de o intelecto superar os horizontes da língua. Durante esse processo, ele se aniquila provisoriamente. Evapora-se ao deixar o território da língua original, para condensar-se de novo ao alcançar a língua da tradução.” (FLUSSER, 2004) <br />Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  9. 9. TRADUÇÃO<br />“(...) a possibilidade da tradução é uma das poucas possibilidades, talvez a única praticável, de o intelecto superar os horizontes da língua. Durante esse processo, ele se aniquila provisoriamente. Evapora-se ao deixar o território da língua original, para condensar-se de novo ao alcançar a língua da tradução.” (FLUSSER, 2004) <br />Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  10. 10. TECNOLOGIA<br /><ul><li>Não uma panacéia de inovações e equipamentos sofisticados, mas a possibilidade de encontros com textos estáveis em libras
  11. 11. A possibilidade de ler e reler em sua língua natural
  12. 12. A cada releitura uma nova possibilidade de apropriação da língua e significação do texto</li></ul>Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  13. 13. Oportunidade de (re)leitura e significação do texto<br /><ul><li>Crianças ouvintes dispõem de diversos encontros e reencontros com o mesmo texto ou mesmo com situações discursivas, apropriando-se da língua oral e/ou escrita.
  14. 14. Para os surdos, tais oportunidades ocorrem com a tecnologia da imagem.
  15. 15. Possibilidades de práticas metalinguísticas tanto na LS quanto na LP</li></ul>Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  16. 16. A leitura do livro digital<br /><ul><li>Os alunos solicitavam rever o livro, buscando apropriar-se da língua e do texto.
  17. 17. Alguns alunos serviam de modelo para outros, nas situações de leitura compartilhada.
  18. 18. Algumas das situações de leitura foram filmadas. Os alunos solicitavam rever as filmagens das situações de leitura, o que muito contribuiu para os ajustes.
  19. 19. Possibilidades de reconhecer as regularidades da LS e da LP: perceberam a presença da “rima” em LS ao comparar à rima visual da LP.</li></ul>Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  20. 20. Nestes trechos do livro, é possível perceber as “rimas” da língua de sinais, e assim, relacioná-las às rimas da língua portuguesa<br />Livro: “Guilherme Augusto Araujo Fernandes” – Mem Fox e Julie Vivas. Editora Brinque-Book <br />Tradução para libras: Neiva de Aquino Albres e Sylvia Lia Grespan Neves<br />
  21. 21. (trechos de situações de leituras individuais)<br />Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  22. 22. A significação do texto<br />O uso da escrita pelos alunos, realizou-se a partir de exercícios de buscas no próprio texto, como forma de rever o texto e apropriar-se do vocabulário da segunda língua, bem como de seu sentido. <br />Buscando também, a significação para além do texto, e valorizando as experiências dos alunos, questões de respostas pessoais foram levantadas. A temática da memória e a amizade entre as personagens é bastante marcante, por isso, exploramos as respostas pessoais de cada aluno, a partir dessa temática, conforme questões abaixo:<br /><ul><li>O que significa memória para você?
  23. 23. Com quem você troca segredos?</li></ul>Para nós, a valorização semântica na escrita dos alunos é a grande riqueza do trabalho, já que em suas respostas é possível notar a significação do texto lido aliada às suas experiências de vida. <br />Veja os exemplos a seguir:<br />Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  24. 24. Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  25. 25. Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  26. 26. Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  27. 27. Débora Caetano Kober<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />
  28. 28. Débora Caetano Kober<br /><ul><li>Coord. Pedagógica da Escola para Crianças Surdas Rio Branco
  29. 29. Professora da EMEE “Profª Vera Lúcia Ap. Ribeiro”</li></ul>E-mail: dckober@gmail.com<br />http://letramentosurdoetecnologia.blogspot.com/<br />

×