Carlos drummond de andrade

846 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
846
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carlos drummond de andrade

  1. 1. Carlos Drummond deAndrade(1902–1987)
  2. 2. * Carlos Drummond de Andrade, é umdos maiores escritores do Brasil. Suapoesia eternizada em suas obrasliterárias chama a atenção das pessoasaté hoje, devido ao seu modo deescrever, apresentando liberdadelinguística e temáticas cotidianas emsuas obras, ele ficou conhecido comoprimeiro grande poeta a se afirmardepois das estreias modernistas.
  3. 3. BiografiaCarlos Drummond de Andrade nasceu emItabira de Mato Dentro, interior de MinasGerais. Filho de Carlos de Paula Andrade eJulieta Augusta Drummond deAndrade, proprietários rurais decadentes.Estudou no colégio interno em BeloHorizonte, em 1916.Doente, regressa para Itabira, onde passaa ter aulas particulares. Em 1918, vaiestudar em Nova Friburgo, Rio deJaneiro, também no colégio interno, noqual foi expulso por não acatar e se rebelarcontra as regras do colégio.
  4. 4. Então o jovem retorna a BeloHorizonte, onde começa sua carreira deescritor, colaborando com o jornalDiário de Minas, o qual reunia os adeptoslocais do movimento modernista mineiroque ainda estava em sua fase inicial.Em 1992 mostrando seu grandetalento, o jovem escritor participa doconcurso Novela Mineira, e ganha 50 milréis de prêmio pelo conto “Joaquim doTelhado”, assim ele também passa apublicar trabalhos nas revistas Todos eIlustração Brasileira.
  5. 5. * Porém sua família insistia para queCarlos obtivesse algum diploma, entãoele foi até a cidade de Ouro Preto, ondeestudou farmácia na Escola deOdontologia e Farmácia.Em 1925 conclui o curso. Nesse mesmoano casa-se com Dolores Dutra deMorais.Com Dolores ele teve seu primeiro filhoCarlos Flávio nascido em 1927, quedevido à complicações vive apenas meiahora e Maria Julieta nascida em 1928, aqual se tornou sua grande companheira
  6. 6. Em 1926, Carlos retorna à sua cidadenatal, onde passa a lecionar Geografia ePortuguês no Ginásio Sul-Americano. mas avida no interior não lhe agrada,então Voltapara Belo Horizonte, e emprega-se comoredator no Diário de Minas. Em 1928publica "No Meio do Caminho", na Revistade Antropofagia de São Paulo, provocandoum escândalo, com a crítica da imprensa.Diziam que aquilo não era poesia e sim umaprovocação, pela repetição do poema. Comotambém pelo uso de "tinha uma pedra" emlugar de "havia uma pedra".
  7. 7. O escritor publica seu primeirolivro, Alguma poesia em 1930 com ediçãode 500 exemplares paga pelo autor.Em 1934, mesmo ano que publicou seusegundo livro Brejo das almas, Carlosingressou no serviço público, sendotransferido para o Rio de Janeiro, ondese tornou chefe de gabinete do ministroda Educação, Gustavo Capanema, ondeficou até 1945.
  8. 8. Como era um excelente funcionário, semostrando eficiente em todas as suasfunções, Carlos passou a trabalhar noServiço do Patrimônio Histórico eArtístico Nacional, onde ficou até seaposentar em 1962. Nesse meio tempoele colaborou como cronista no jornalCorreio da Manhã e mais tarde em1969, no Jornal do Brasil.
  9. 9. Em 1967, para comemorar os 40 anos dopoema "No Meio do Caminho" Drummondreuniu extenso material publicado sobreele, no volume "Uma Pedra no Meio doCaminho - Biografia de Um Poema". Em1987 escreve seu último poema "Elegia deUm Tucano Morto".Carlos Drummond de Andrade morreu noRio de Janeiro, no dia 17 de agosto de1987, doze dias depois do falecimento desua filha, a escritora Maria JulietaDrummond de Andrade.
  10. 10. A poesia de Carlos Drummond deAndrade era facilmente entendida ecaptada pelo grande público, o que otornou poeta popular, o que não querdizer que seus poemas fossemsuperficiais.
  11. 11. Obras de Carlos Drummond deAndradeNo Meio do Caminho, poesia, 1928Alguma Poesia, poesia, 1930Poema da Sete Faces, poesia, 1930Cidadezinha Qualquer eQuadrilha, poesia, 1930Brejo das Almas, poesia, 1934Sentimento do Mundo, poesia, 1940Poesias e José, poesia, 1942Confissões de Minas, ensaios ecrônicas, 1942O Corpo, poesia, 1984Amar se Aprende Amando, poesia, 1985Elegia a Um Tucano Morto, poesia, 1987
  12. 12. CuriosidadesEm 2002, foram muitas as comemoraçõespelo centenário de nascimento do escritorCarlos Drummond de Andrade, no Brasil eno exterior. A Cidade do Rio de Janeirooptou por homenagear Drummond com umaestátua. No dia 30 outubro de2002, véspera do aniversário de 100 anosde Drummond, a estátua foi inaugurada às16h, sem discurso nemcerimonial, informalidade devida ao grandenúmero de jornalistas e admiradores que seaglomeravam no local.
  13. 13. Partiu de Minas Gerais a iniciativa dedivulgar e comemorar o centenário denascimento de Carlos Drummond deAndrade, em 2002, com diversas ações noBrasil. Foram realizadas exposiçõesitinerantes pelas escolas de várias cidadesde Minas, Brasília e Rio de Janeiro, tendocomo ápice as apresentações de textos doautor e peças teatrais em sua cidadenatal, Itabira (MG). O Ministério daEducação promoveu uma teleconferênciaatravés de sua TV Executiva, emhomenagem ao poeta. Foi lançada umamoeda comemorativa, criada e modeladapor Luciano Dias de Araújo e KatiaDias, com tiragem inicial de 7.000 unidadesem prata, projeto do Banco Central do
  14. 14. Para SemprePor que Deus permiteque as mães vão-se embora?Mãe não tem limite,é tempo sem hora,luz que não apagasquando sopra o ventoe chuva desaba,veludo escondidona pele enrugada,água pura, ar puro,puro pensamento.
  15. 15. Morrer acontececom o que é breve e passasem deixar vestígio.Mãe, na sua graça,é eternidade.Por que Deus se lembra- mistério profundo -de tirá-la um dia?Fosse eu Rei do Mundo,baixava uma lei:Mãe não morre nunca,mãe ficará semprejunto de seu filhoe ele, velho embora,será pequeninofeito grão de milho.
  16. 16. Fim.

×