A Era Vargas
ESCOLA MUNICIPAL DR. NELCY NORONHA (09.18.032)
PROF. DANILO DE LIMA
RIO DE JANEIRO – SETEMBRO/2013
Uma época de grandes mudanças
• Getúlio Vargas governou o Brasil durante quase vinte anos (1930-
1945; 1951-1954). Para al...
Iniciando a conversa...
1. O que você sabe sobre a
Consolidação das Leis do Trabalho
(CLT)?
2. Qual é a importância do pet...
A Era Vargas (1930-1945)
• Para facilitar os estudos, vamos dividir a época da Era Vargas (1930-1945) em três períodos: o
...
O Governo Provisório (1930-1934)
• Ao assumir o poder em 1930, Getúlio Vargas suspendeu a
Constituição em vigor e fechou o...
A Revolução Constitucionalista (1932)
• A indicação de um tenente oriundo do Nordeste como interventor
de São Paulo, assoc...
A Revolução Constitucionalista (1932)
• O esforço de guerra empreendido por empresários (que
produziram capacetes, armas e...
A Revolução Constitucionalista (1932)
A Constituição de 1934
Em 1934, foi promulgada uma nova constituição (a terceira na história do Brasil). Essa
constituição...
Governo Constitucional (1934-1937)
Charge de Belmonte sobre a posse do presidente Getúlio Vargas em 1934
A Constituição pr...
Governo Constitucional (1934-1937)
• Vargas assumiu o governo em um momento em que o Brasil sofria ainda os efeitos da Gra...
A Ação Integralista Brasileira (AIB)
Os integralistas, liderados pelo escritor Plínio Salgado, seguiam os
princípios do fa...
A Ação Integralista Brasileira (AIB)
Os integralistas tinham uma organização paramilitar nos moldes dos partidos totalitár...
A Aliança Nacional Libertadora (ANL)
Como oposição aos integralistas, fundou-se no
Brasil, em 1935, a Aliança Nacional
Lib...
O levante comunista de 1935
• Em meados de 1935, o governo federal fechou a ANL, transformando-a em uma
organização ilegal...
O Estado Novo (1937-1945)
Em 1937 teve início uma ditadura no Brasil, que impulsionou a industrialização e garantiu
direit...
O golpe de 1937
• De acordo com a Constituição, deveria haver eleições em 1938. Entretanto, em
setembro de 1937, os jornai...
Economia no Estado Novo
• Na economia, o período foi marcado pela aceleração do crescimento industrial. O intenso
apoio go...
Consolidação das Leis do Trabalho (CLT)
1943
• Durante o período, foram criadas e consolidadas garantias históricas dos tr...
Poder e propaganda
• Com o objetivo de difundir a ideologia do Estado Novo
junto às camadas populares, foi criado, em 1939...
Poder e propaganda
• O governo também fez uso ainda da imprensa e
do cinema, bem como da organização de
diversas manifesta...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

[Apresentação 4] Era Vargas

4.177 visualizações

Publicada em

Slides da aula sobre Era Vargas - 9º Ano - 3º Bimestre

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.177
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
783
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
92
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

[Apresentação 4] Era Vargas

  1. 1. A Era Vargas ESCOLA MUNICIPAL DR. NELCY NORONHA (09.18.032) PROF. DANILO DE LIMA RIO DE JANEIRO – SETEMBRO/2013
  2. 2. Uma época de grandes mudanças • Getúlio Vargas governou o Brasil durante quase vinte anos (1930- 1945; 1951-1954). Para alguns, ele foi o “pai dos pobres”, um presidente preocupado com as condições de vida do povo e com os direitos trabalhistas. Outros, no entanto, afirmam que ele foi a “mãe dos ricos”, por manter o privilégio das elites e por controlar com mãos de ferro os trabalhadores. • Essas opiniões distintas têm origem na própria conduta de Vargas. Boa parte de seu governo foi ditatorial, caracterizado por censurar os meios de comunicação, reprimir e perseguir a oposição e controlar fortemente os sindicatos. Foi também sob seu comando que o Brasil deu um importante salto em direção à industrialização de base. • É inegável que o período Vargas foi rico em manifestações artísticas e culturais. Nele, ocorreu o auge do teatro de revista, e o rádio tornou-se popular. A propaganda oficial era constante e a figura do presidente se tornou conhecida por quase todos os brasileiros.
  3. 3. Iniciando a conversa... 1. O que você sabe sobre a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT)? 2. Qual é a importância do petróleo em nosso cotidiano? 3. O que você costuma ouvir no rádio? Músicas, notícias, jogos de futebol, entrevistas? 4. Que características do governo Vargas podemos perceber nas imagens ao lado?
  4. 4. A Era Vargas (1930-1945) • Para facilitar os estudos, vamos dividir a época da Era Vargas (1930-1945) em três períodos: o Governo Provisório (1930-1934), o Governo Constitucional ou República Nova (1934-1937) e o período ditatorial, que os propagandistas do governo denominavam Estado Novo (1937-1945), para dar a entender que uma nova era se iniciava. Observe a linha do tempo a seguir:
  5. 5. O Governo Provisório (1930-1934) • Ao assumir o poder em 1930, Getúlio Vargas suspendeu a Constituição em vigor e fechou o Congresso Nacional, as assembleias estaduais e as câmaras municipais. Nomeou pessoas de sua confiança para o governo dos estados – os chamados interventores, em geral tenentes. Pretendia, desse modo, estabelecer total controle sobre o aparelho do Estado. • Criou ainda dois ministérios: o da Educação e Saúde Pública e o do Trabalho, Indústria e Comércio. Regulamentou direitos trabalhistas, como a limitação da jornada diária de trabalho a 8 horas, férias anuais remuneradas de 15 dias e o trabalho de mulheres e crianças. Vargas apoiado por militares
  6. 6. A Revolução Constitucionalista (1932) • A indicação de um tenente oriundo do Nordeste como interventor de São Paulo, associada à indefinição do prazo para realização de eleições para a Constituinte, acirrou a oposição da oligarquia paulista contra Getúlio Vargas. Numa das manifestações contra o governo patrocinada por esses opositores, quatro estudantes (Miragaia, Martins, Dráusio e Camargo) foram mortos pelas forças oficiais. Esse acontecimento, em maio de 1932, catalisou a oposição contra o governo em São Paulo e deu início, em 9 de julho, a denominada “Revolução Constitucionalista de 1932”. O movimento ganhou as ruas da capital e de cidades do interior paulista e contou com o apoio de industriais, estudantes, intelectuais e políticos ligados à Primeira República. A luta, porém, acabou restrita a São Paulo, já que mineiros e gaúchos não efetivaram o prometido apoio.
  7. 7. A Revolução Constitucionalista (1932) • O esforço de guerra empreendido por empresários (que produziram capacetes, armas e munições) e pela população (com a doação de joias na campanha Ouro para o Bem de São Paulo) ajudou os revoltosos, mas não impediu que fossem derrotados. A Revolução Constitucionalista deixou um saldo de 633 paulistas mortos. A tentativa da oligarquia paulista de depor Vargas e voltar ao poder, sob o pretexto da reconstitucionalização do país, havia fracassado.
  8. 8. A Revolução Constitucionalista (1932)
  9. 9. A Constituição de 1934 Em 1934, foi promulgada uma nova constituição (a terceira na história do Brasil). Essa constituição: • Instituiu a Justiça do Trabalho; • Regularizou a jornada de trabalho em oito horas diárias e o salário mínimo; • Foram confirmados o voto direto e secreto e o voto feminino, embora analfabetos e soldados continuassem excluídos; • O ensino primário passou a ser obrigatório; • Determinou a nacionalização dos recursos do subsolo brasileiro.  QUAIS SÃO AS SEMELHANÇAS E AS DIFERENÇAS ENTRE A CONSTITUIÇÃO DE 1934 E A DE 1891?
  10. 10. Governo Constitucional (1934-1937) Charge de Belmonte sobre a posse do presidente Getúlio Vargas em 1934 A Constituição previa também que o próximo presidente seria escolhido por meio de eleições indiretas. A vitória nessas eleições coube a Getúlio Vargas. Essa vitória foi comentada na imprensa:
  11. 11. Governo Constitucional (1934-1937) • Vargas assumiu o governo em um momento em que o Brasil sofria ainda os efeitos da Grande Depressão (1929-1933). As falências, o desemprego e a inflação em alta elevaram a tensão social; esse contexto conturbado facilitou a radicalização política, e o surgimento e crescimento de dois agrupamentos políticos rivais: os integralistas e os aliancistas. (1) Luís Carlos Prestes sendo nomeado presidente da ANL | (2) Plínio Salgado (centro), o líder da AIB
  12. 12. A Ação Integralista Brasileira (AIB) Os integralistas, liderados pelo escritor Plínio Salgado, seguiam os princípios do fascismo de Benito Mussolini. Em 1932, os integralistas fundaram a Ação Integralista Brasileira (AIB), uma organização política que defendia: A) um governo autoritário dirigido por um chefe e um partido único; B) o predomínio dos interesses da nação sobre os do indivíduo; C) a censura aos meios de comunicação. Assim, como os fascistas, os integralistas faziam uso da violência contra adversários políticos, especialmente contra os comunistas. Apelando para um nacionalismo exagerado e adotando o lema Deus, Pátria e Família, a AIB conseguiu apoio de membros das camadas médias, do alto clero, do empresariado e das Forças Armadas. A AIB chegou a possuir mais de 100 mil filiados e mais de mil núcleos espalhados pelo país.
  13. 13. A Ação Integralista Brasileira (AIB) Os integralistas tinham uma organização paramilitar nos moldes dos partidos totalitários europeus das décadas de 1920 e 1930. Vestiam uniforme com camisa verde, daí o apelido galinhas-verdes. Possuíam como símbolo o sigma e faziam a saudação Anauê! (Você é meu parente, em tupi), com o mesmo gesto de braço estendido utilizado por extremistas de direita na Europa. Na foto de 1934, mulheres integralistas fazendo a saudação.
  14. 14. A Aliança Nacional Libertadora (ANL) Como oposição aos integralistas, fundou-se no Brasil, em 1935, a Aliança Nacional Libertadora (ANL), uma frente popular liderada pelos comunistas chefiados por Luís Carlos Prestes. Os principais pontos do programa da ANL eram: A) não pagamento da dívida externa brasileira; B) a nacionalização das empresas estrangeiras; C) a reforma agrária; D) a formação de um governo popular.
  15. 15. O levante comunista de 1935 • Em meados de 1935, o governo federal fechou a ANL, transformando-a em uma organização ilegal. Mesmo assim, o grupo manteve as suas atividades. Em novembro do mesmo ano, a ANL organizou uma revolta com o objetivo de instaurar um novo governo, por meio de um golpe militar. A revolta foi denominada pelo governo e pela grande imprensa de Intentona Comunista. Restrito às cidades de Natal, Recife e Rio de Janeiro, o movimento foi rapidamente controlado pelas forças oficiais. • A rebelião serviu de pretexto para o governo decretar o estado de sítio, censurar os meios de comunicação e prender centenas de envolvidos na revolta. O líder comunista Luís Carlos Prestes foi condenado a trinta anos de prisão. Sua companheira, a alemã e judia Olga Benário, foi detida e deportada para a Alemanha, onde morreu num campo de concentração nazista.
  16. 16. O Estado Novo (1937-1945) Em 1937 teve início uma ditadura no Brasil, que impulsionou a industrialização e garantiu direitos aos trabalhadores, mas que foi marcada pela repressão política.
  17. 17. O golpe de 1937 • De acordo com a Constituição, deveria haver eleições em 1938. Entretanto, em setembro de 1937, os jornais publicaram o Plano Cohen. Segundo informavam, tratava-se de um plano de tomada do poder elaborado pelos comunistas. Diante dessa ameaça, o Legislativo decidiu outorgar poderes excepcionais para Vargas enfrentar a ameaça comunista. Baseado nesses poderes, ele implantou, em novembro de 1937, o Estado Novo e impôs ao país uma nova Constituição. • A Constituição de 1937, apelidada de Polaca, reforçava o poder pessoal do presidente, aumentando os poderes do governo federal e reduzindo a autonomia dos governos estaduais. Muitos elementos da Polaca foram inspirados na Constituição do governo fascista italiano, como a proibição das greves, a afirmação do nacionalismo econômico e o controle do governo sobre os sindicatos de trabalhadores.
  18. 18. Economia no Estado Novo • Na economia, o período foi marcado pela aceleração do crescimento industrial. O intenso apoio governamental estimulou a implantação de novas fábricas, a ampliação das já existentes e a implantação da montagem de uma indústria de base estatal. • No setor industrial, destacam-se a formação da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Volta Redonda, em 1941; e da Companhia do Rio Doce, em 1942, criada para a extração e processamento de minérios. Surgiam assim grandes empresas estatais para garantir o suprimento de produtos indispensáveis ao desenvolvimento dos demais setores industriais. • Preocupado com as fontes de energia para movimentar o parque industrial, o governo criou ainda, em 1938, o Conselho Nacional do Petróleo. O órgão deveria controlar a exploração e o fornecimento desse produto e seus derivados. O primeiro poço petrolífero foi perfurado na Bahia, em 1939.
  19. 19. Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) 1943 • Durante o período, foram criadas e consolidadas garantias históricas dos trabalhadores, como o salário mínimo e as férias renumeradas. A nova legislação trabalhista foi unificada na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que entrou em vigor em 1943. • CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO (CLT): -Jornada diária de 8 horas de trabalho. -Proibição do trabalho para os menores de 14 anos e do trabalho noturno aos menores de 18 anos. -Igualdade salarial entre homens e mulheres. -Salário mínimo nacional. -Proibição do trabalho da mulher 6 semanas antes e 6 semanas depois do parto. -Adicional salarial para o exercício de atividades insalubres. -Férias remuneradas.
  20. 20. Poder e propaganda • Com o objetivo de difundir a ideologia do Estado Novo junto às camadas populares, foi criado, em 1939, o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), com a tarefa de coordenar, orientar e centralizar as propagandas artísticas, dirigir o programa de radiodifusão oficial do governo e organizar manifestações cívicas, festas patrióticas, exposições e concertos, acumulando também funções diretas e indiretas de repressão política. Submetido diretamente ao presidente, o DIP tornou-se um dos órgãos mais poderosos do período. • Para tirar proveito de grande audiência do rádio nesse período, o governo lançou, em 1938, o programa Hora do Brasil, veiculado pela Rádio Nacional, emissora de propriedade do estado brasileiro. O programa, precursor do atual A Voz do Brasil, divulgava notícias do governo intercaladas por música brasileira.
  21. 21. Poder e propaganda • O governo também fez uso ainda da imprensa e do cinema, bem como da organização de diversas manifestações públicas em dias comemorativos, como as festas de Primeiro de Maio – data que homenageia os trabalhadores.

×