Capítulo                                                 Precipitação                             5 1. DEFINIÇÕES   Precip...
Capítulo 5 - Precipitação   2Comumente os termos precipitação e chuva se confundem, uma vez que a neve é incomum no nossop...
Capítulo 5 - Precipitação   3 Convectivas – Devido ao aquecimento diferencial da superfície, podem existir bolsões menos d...
Capítulo 5 - Precipitação   4                         b) Não frontal - É devido a uma baixa barométrica; neste caso o ar é...
Capítulo 5 - Precipitação   5Figura pág 491, Tucci Hidrologia v. 4Pluviômetro – consiste de um receptor cilindro-cônico e ...
Capítulo 5 - Precipitação   6Estabelecida a relação entre os diâmetros da área de recepção do pluviômetro e da proveta, os...
Capítulo 5 - Precipitação   7                Figura 5.7 – Pluviógrafo  Figura 5.8 – Tambor Registrador do PluviógrafoNotas...
Capítulo 5 - Precipitação   8                Figura 5.9 – Segmento de fita de pluviógrafo (Fonte: WILKEN, 1978)5. PROCESSA...
Capítulo 5 - Precipitação   9                              1⎛ Px         Px         Px       ⎞                          Px...
Capítulo 5 - Precipitação   10 6. PRECIPITAÇÃO MÉDIA EM UMA BACIAA maioria dos problemas hidrológicos requer a determinaçã...
Capítulo 5 - Precipitação   11               Ai = área de influência do postos;               ∑A = área total da bacia.   ...
Capítulo 5 - Precipitação   12           4. Calcular a média ponderada dos valores obtidos no passo 2, tomando como peso a...
Capítulo 5 - Precipitação   13Entretanto, deve-se levar em conta também o fator de ordem econômica, e assim corre-se o ris...
Capítulo 5 - Precipitação   14As séries de duração parcial são formadas pela seleção de valores situados acima de determin...
Capítulo 5 - Precipitação   15                                                 B Trd                                      ...
Capítulo 5 - Precipitação   162. Método de Taborga Torrigo      Sendo limitado o número de informações pluviográficas, not...
Capítulo 5 - Precipitação   17Exemplo de aplicação:1.       Compor série de precipitações máximas anuais.Tabela 6.2 – Chuv...
Capítulo 5 - Precipitação   18                           Figura 6.13 – Ajustamento à Função Gamma II3.       Obter as prec...
Capítulo 5 - Precipitação   19     6. Extrair das tabelas das isozonas o valor de R associado a cada período de retorno.  ...
Capítulo 5 - Precipitação   20redução espacial da chuva, ou seja, a computarem-se menores valores de precipitação médiasup...
Capítulo 5 - Precipitação   21  Figura 6.14 – Isozonas Nordeste do do BrasilNotas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carv...
Capítulo 5 - Precipitação   22                                                            Gráfico IDF                     ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cap 5 precipitacao_2004

1.735 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.735
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap 5 precipitacao_2004

  1. 1. Capítulo Precipitação 5 1. DEFINIÇÕES Precipitação: É o processo pelo qual a água volta à terra, pela condensação do vapor d’água contido na atmosfera. Condensação: É o processo inverso da evaporação. Pela condensação, o vapor d’água se transforma em água. Há uma diferença fundamental entre condensação e precipitação. Pela condensação do vapor d’água, formam-se as nuvens e nevoeiros. Somente com a coalescência de várias gotículas de uma nuvem ou nevoeiro, que se unem para formar gotas maiores, é que pode ocorrer a precipitação. No processo de condensação de 1 grama de vapor d’água, é liberada uma quantidade de calor correspondente a 590 calorias, denominada “calor latente de vaporização” (Santos, 1971). 2. FORMAS DE PRECIPITAÇÃOPrecipitação, em Hidrologia, é o termo geral dado a todas as formas de água depositada na superfícieterrestre, tais como chuvisco, chuva, neve, saraiva, granizo, orvalho e geada. Chuvisco (neblina ou garoa): precipitação muito fina e de baixa intensidade. Chuva: gotas de água que descem das nuvens para a superfície. É medida em milímetros. Neve: precipitação em forma de cristais de gelo que, durante a queda, coalescem formando flocos de dimensões variáveis. Saraiva: precipitação em forma de pequenas pedras de gelo arredondadas, com diâmetro de cerca de 5mm. Granizo: quando as pedras, redondas ou de formato irregular, atingem diâmetro superior a 5mm. Orvalho: objetos expostos ao ar a noite, amanhecem cobertos por gotículas dágua. Isto se dá devido ao resfriamento noturno, que baixa a temperatura até o ponto de orvalho. Geada: é uma camada, geralmente fina, de cristais de gelo formada no solo ou na superfície vegetal. Processo semelhante ao do orvalho, só que temperaturas inferiores a 0° C. Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  2. 2. Capítulo 5 - Precipitação 2Comumente os termos precipitação e chuva se confundem, uma vez que a neve é incomum no nossopaís, e as outras formas pouco contribuem para a vazão dos rios.3. FORMAÇÃO E TIPOS DE CHUVA 2.1. FormaçãoEmbora a umidade atmosférica seja o elemento indispensável para a ocorrência de chuva, ela nãoresponde sozinha por sua formação, que está intimamente ligada a ascensão das massas de ar.Quando ocorre esse movimento vertical e o ar é transportado para níveis mais altos, seja porconvecção , relevo ou ação frontal das massas, há uma expansão devido a diminuição da pressão.Essa expansão é adiabática, uma vez que não há troca de calor com o ambiente. Porém, atemperatura é reduzida, devido a energia térmica ter sido utilizada em seu processo de expansão. Como resfriamento, a massa de ar pode atingir seu ponto de saturação com a conseqüente condensaçãodo vapor em gotículas (nuvens); sua precipitação dependerá da formação de núcleo higroscópicospara que atinjam peso suficiente para vencer as forças de sustentação. 2.2. TiposComo a ascensão do ar é considerada o estopim da formação das chuvas, nada mais lógico queclassificá-las segundo a causa que gerou este movimento. Orográficas – o ar é forçado mecanicamente a transpor barreiras impostas pelo relevo. Figura 5.1 – Chuvas Orográficas (Fonte: FORSDYKE, 1968) Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  3. 3. Capítulo 5 - Precipitação 3 Convectivas – Devido ao aquecimento diferencial da superfície, podem existir bolsões menos densos de ar envolto no ambiente, em equilíbrio instável. Este equilíbrio pede ser rompido facilmente, acarretando a ascensão rápida do ar a grandes altitudes (típicas de regiões tropicais). Figura 5.2 – Chuva de convecção (Fonte: FORSDSYKE, 1968) Ciclônicas – Devido ao movimento de massas de ar de regiões de alta para de baixa pressões. Podem ser do tipo frontal e não frontal. a) Frontal - Resulta da ascensão do ar quente sobre ar frio na zona de contato entre duas massas de ar de características diferentes.Figura 5.3 – Seção vertical de uma superfície frontal. (Fonte: FORSDSYKE, 1968) Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  4. 4. Capítulo 5 - Precipitação 4 b) Não frontal - É devido a uma baixa barométrica; neste caso o ar é elevado em conseqüência de uma convergência horizontal em áreas de baixa pressão. 4. PLUVIOMETRIA 4.1. GrandezasAs grandezas que caracterizam uma chuva são altura, duração e intensidade (Bertoni e Tucci, 1993): Altura pluviométrica (h): é a espessura média da lâmina d’água precipitada que recobriria a região atingida pela precipitação, admitindo-se que essa água não evaporasse, não infiltrasse, nem se escoasse para fora dos limites da região. A unidade de medição habitual é o milímetro de chuva, definido como a quantidade de chuva correspondente ao volume de 1 litro por metro quadrado de superfície. Duração (t): é o período de tempo durante o qual a chuva cai. As unidades normalmente são o minuto ou a hora. Intensidade (i): é a precipitação por unidade de tempo, obtida como a relação i=h/t. Expressa-se, normalmente em mm/h 4.2. Aquisição de dados pluviométricosA variável precipitação pode ser quantificada pontualmente, através de dois instrumentosmeteorológicos - o pluviômetro e o pluviógrafo – e espacialmente, através de radares.A diferença básica entre pluviômetro e pluviógrafo é que este último registra automaticamente osdados, ao contrário do pluviômetro, que requer leituras manuais a intervalos de tempo fixo. Apesar daOrganização Meteorológica Mundial tentar uniformizar a instalação dos aparelhos, existem váriasregras. Mas de uma maneira geral, admite-se que a interceptação da chuva deve ser feita a umaaltura média de 1 a 1,5 metros acima da superfície do solo. O aparelho de deve ficar longe dequalquer obstáculo que possa prejudicar a medição (prédios, árvores, relevo, etc.). Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  5. 5. Capítulo 5 - Precipitação 5Figura pág 491, Tucci Hidrologia v. 4Pluviômetro – consiste de um receptor cilindro-cônico e de uma proveta graduada de vidro.Consegue medir apenas a altura de precipitação. A área de interceptação não é normalizada. Aprincípio o resultado independe da área, mas é preciso atenção ao calcular a lâmina precipitada: Relação entre altura da chuva medida no pluviômetro (H) e na proveta (h): Uma chuva de volume V e altura H é relacionada a área A de recepção do pluviômetro por: V ∏ D2 H. ∏ D 2 H= , com A = , sendo assim V = A 4 4 Para graduar a proveta de medição de diâmetro d e na qual o volume V de chuva determina uma altura h (em mm), procede-se da seguinte forma: V h ∏ d2 h= ; donde V= ∏d2 4 4 Assim sendo, 2 H. ∏ D 2 h. ∏ d 2 ⎛d⎞ = H = h .⎜ ⎟ 4 4 ⎝D⎠ Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  6. 6. Capítulo 5 - Precipitação 6Estabelecida a relação entre os diâmetros da área de recepção do pluviômetro e da proveta, os valoresda chuva H podem ser facilmente estabelecidos. Figura 5.5 – Pluviômetro Pluviógrafo – Consiste de um registrador automático, trabalhando em associação a um mecanismo de relógio; este imprime rotação a um cilindro, envolvido em papel graduado, sobre o qual uma pena grafa a altura da precipitação registrada. G. Tambor que contém o movimento de relojoaria a. Aro do receptor b. Funil do receptor t. Tubo metálico s. Haste do flutuador i. braço do registrador p. Pena do registrador T. Tubo de vidro, sifão V. Vasilha de ferro galvanizado d. Aba do receptor Figura 5.6 – Desenho esquemático do Pluviógrafo de Helmann – Fuess (Fonte: WILKEN, 1978) Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  7. 7. Capítulo 5 - Precipitação 7 Figura 5.7 – Pluviógrafo Figura 5.8 – Tambor Registrador do PluviógrafoNotas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  8. 8. Capítulo 5 - Precipitação 8 Figura 5.9 – Segmento de fita de pluviógrafo (Fonte: WILKEN, 1978)5. PROCESSAMENTOS DE DADOS PLUVIOMÉTRICOSUma vez coletados, os dados observados em postos pluviométricos devem ser analisados de forma aevitar conclusões incorretas. São esse os procedimentos: 1. Detecção de erros grosseiros • dias inexistentes • valores anormais de precipitação 2. Preenchimento de falhas • defeito do aparelho ou ausência de observador • levar em conta os registro pluviométricos de três estações vizinhas Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  9. 9. Capítulo 5 - Precipitação 9 1⎛ Px Px Px ⎞ Px = ⎜ ⎟ ⎜ P A . PA + P B . PB + P C . PC ⎟ (5.1) 3⎝ ⎠ onde: Px – precipitação ausente no posto X PA, PB, PC - precipitação postos vizinhos A, B e C P X , P A , PB , P C – precipitação média anual nos postos X, A, B e C 3. Análise de dupla massaVerifica a homogeneidade dos dados, isto é, se houve alguma anormalidade na estação tais comomudanças de local, nas condições do aparelho ou no método de observação, indicada pela mudançana declividade da reta. Figura 5.10 – Verificação da homogeneidade dos dados. (Fonte: VILLELA, 1975) Ma Pa = .Po (5.2) Mo Onde: Pa – observações ajustadas às condições atuais. Po – dados a serem corrigidos. Mo – declividade da reta período anterior. Ma – declividade da reta mais recente. Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  10. 10. Capítulo 5 - Precipitação 10 6. PRECIPITAÇÃO MÉDIA EM UMA BACIAA maioria dos problemas hidrológicos requer a determinação da altura de chuva ocorrida em umabacia hidrográfica. Devido a precipitação, pela própria natureza do fenômeno, não ocorrer de modouniforme sobre toda a bacia, é necessário calcular a altura média precipitada. 6.1. Método AritméticoEste método consiste em se calcular a média aritmética de todos os postos situados dentro da área deestudo. É o de maior simplicidade, porém apresenta algumas restrições quanto ao seu uso, tais como:os postos devem ser uniformemente distribuídos, os valores de cada posto devem estar próximos aoda média e o relevo deve ser o mais plano possível. 6.2. Método de ThiessenEste método pode ser usado para aparelhos não uniformemente distribuídos, uma vez que o mesmopondera os valores obtidos em cada posto por sua zona de influência, como se segue: 1. De posse do mapa da bacia hidrográfica unir os postos pluviométricos adjacentes por linhas retas. 2. Traçar as mediatrizes dessas retas formando polígonos. 3. Os lados dos polígonos são os limites das áreas de influência de cada estação. 4. A precipitação média sobre a bacia é calculada por: h= ∑ Pi . Ai (5.3) ∑ Ai onde: Pi = precipitação observada no posto; Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  11. 11. Capítulo 5 - Precipitação 11 Ai = área de influência do postos; ∑A = área total da bacia. Figura 5.11 – Método de Thiessen 6.3. Métodos das IsoietasConsiderado o mais preciso, este método baseia-se em curvas de igual precipitação. A dificuldademaior em sua implementação consiste no traçado desta curvas, que requer sensibilidade do analista. Ométodo é detalhado a seguir: 1. De posse dos dados pluviométricos obtidos nos postos da bacia, traçar curvas de igual precipitação (ISOIETAS). O procedimento é semelhante ao adotado para curvas de nível. 2. Calcular para cada par sucessivo de isoietas o valor médio da altura de chuva precipitada. 3. Planimetrar as áreas entre isoietas sucessivas. Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  12. 12. Capítulo 5 - Precipitação 12 4. Calcular a média ponderada dos valores obtidos no passo 2, tomando como peso a área planimetrada correspondente. A média obtida corresponde à precipitação média sobre a bacia em analise. ∑ (hi + h( ) ) . A i+1 i h= 2 (5.4) A onde: hi = valor da isoieta da origem i Ai = área entre isoietas sucessivas A = área total7. CHUVAS MÁXIMASÉ de grande interesse para a hidrologia o conhecimento das características das precipitações. Paraprojetos de vertedores de barragens, dimensionamento de canais, dimensionamento de bueiros, etc, énecessário o conhecimento, a priori, da magnitude das enchentes que podem acontecer com umadeterminada freqüência. Portanto, é necessário conhecer-se as precipitações máximas esperadas. Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  13. 13. Capítulo 5 - Precipitação 13Entretanto, deve-se levar em conta também o fator de ordem econômica, e assim corre-se o risco daobra falhar durante sua vida útil. É necessário, portanto, conhecer esse risco. Para isso, analisa-seestatisticamente as precipitações observadas nos postos pluviométricos verificando-se com quefreqüência as mesmas assumiram uma determinada magnitude. 7.1. Período de Retorno O período de retorno (ou tempo de recorrência) de um evento é o tempo médio (em anos) emque esse evento é superado ou igualado pelo menos uma vez. É definido por: 1 Tr = (5.5) P Se o período de retorno for bem inferior ao número de anos de observação, “F” poderá dar umaboa idéia do valor real de “P”. Entretanto, para grandes períodos de retorno, as observações deverãoser ajustadas a uma distribuição de probabilidades, de modo que o cálculo da probabilidade possa serefetuado de modo mais correto. É importante salientar o caráter não-cíclico dos eventos randômicos, ou seja, uma enchente comperíodo de retorno de 100 anos (que ocorre, em média, a cada 100 anos) pode ocorrer no próximoano, ou pode não ocorrer nos próximos 200 anos, (ou ainda pode ser superada diversas vezes nospróximos 100 anos). 7.2. Série Anual X Série ParcialNa análise da freqüência de fenômenos hidrológicos, tais como precipitação e vazão, os dados podemestar dispostos em dois tipos de séries: séries anuais (de valores máximos anuais) e séries parciais(aquelas que apresentam valores superiores a uma certa base).Em termos práticos, a seleção de uma das séries deve ser julgada pelo tipo de estrutura ou projeto.Na série anual, apenas o valor máximo de cada ano é utilizado na análise. Esse tipo de série tem seuemprego em projetos de dimensionamento para condições críticas, tais como vertedouros debarragens, onde o valor máximo é que importa, uma vez que a obra já está comprometida quando dasua ocorrência, não mais importando o segundo ou terceiro maiores valores. Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  14. 14. Capítulo 5 - Precipitação 14As séries de duração parcial são formadas pela seleção de valores situados acima de determinadopatamar, podendo ser escolhidos mais de um valor para um mesmo ano. Deste modo, não se podeesperar que os dados desse tipo de série se ajustem a uma distribuição de probabilidades. Esse tipo desérie é freqüentemente utilizado, por exemplo, para avaliar danos em fundações de pontes causadaspela repetição de enchentes.É importante observar ainda a diferença entre os significados dos períodos de retorno entre as duasséries. Na série anual, é o intervalo médio em que o evento tornará a ocorrer com um máximo anual;na série parcial, é o intervalo médio entre eventos de dados valor, sem considerar a relação com oano.Tabela 5.1 – Correspondência entre os períodos de retorno das séries anual (Tra) e parcial (Trp). Tra Trp 2 1,44 5 4,48 10 9,49 15 14,49 20 19,47 25 24,50 50 49,50 75 74,63 100 99,01 9. CHUVAS INTENSAS Para o dimensionamento de estruturas hidráulicas, o hidrólogo deve determinar a chuva demaior intensidade que se pode esperar que ocorra com uma dada freqüência. A utilização práticadesse dados requer que se estabeleça uma relação analítica entre as grandezas características de umaprecipitação, quais sejam, a intensidade (i), a duração (t) e a freqüência (P). A equação da chuva, particular de cada localidade, é obtida partir de registros de pluviógrafos,estabelecendo-se para cada duração de chuva, as máximas intensidades. A representação geral deuma equação de chuvas intensas tem a forma: Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  15. 15. Capítulo 5 - Precipitação 15 B Trd i= (6.1) (t + c )bonde: Tr – período de retorno T - duração B,d,c,b – constantes i - mm/h Equações de chuvas para algumas capitais brasileiras. 0,18 506,99 Tt Fortaleza i= (6.2) (t + 8) 0,61 0,217 99,154 Tt Rio de Janeiro i= (6.3) (t + 26) 1,15 0,15 1239 Tt Curitiba i= (6.4) (t + 20) 0,74 0,10 1447 ,87 Tt Belo Horizonte i= 0,84 (6.5) (t + 8) Para cidades que não tenham suas equações de chuva estabelecidas, faz-se uso de outrosmétodos para a determinação de chuvas intensas para dada duração e período de retorno.1. Método do Prof. Otto Pfafstetter Analisando 98 postos pluviométricos, de períodos de observação variados, Otto Pfafstetterapresenta em seu livro “Chuvas intensas no brasil”, gráficos em escala bilogarítmica, associando aaltura da precipitação ( P ) com seu período de retorno ( T ) e duração ( t ). No trabalho, foi empregada uma fórmula empírica original, com a expressão analítica: ⎛ B ⎞ P = T ⎜α + α ⎟.(a . t + b . log (1 + c . t )) (6.6) ⎝ T ⎠ onde a, b, e c são valores característicos de cada posto e α e β são função da duração ( t ). Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  16. 16. Capítulo 5 - Precipitação 162. Método de Taborga Torrigo Sendo limitado o número de informações pluviográficas, notadamente em bacias de pequenaárea, Taborga Torrigo propôs um método que prescinde de registros em pluviograma, sendosuficientes dados diários de pluviômetros. O método tem por base o estabelecimento de “Isozonas”, os quais constituem zonas geográficasnas quais a relação entre as alturas de chuva de 1 hora e 24 horas é constante para um dado períodode retorno (Figura 6.12). Figura 6.12 – Isozonas do Brasil (Fonte: Torrico, 1974) Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  17. 17. Capítulo 5 - Precipitação 17Exemplo de aplicação:1. Compor série de precipitações máximas anuais.Tabela 6.2 – Chuvas máximas diárias anuais observadas em Várzea Alegre no período de 1913/1972. Ano Chuva(mm) Ano Chuva(mm) Ano Chuva(mm) 1913 64,4 1933 68,8 1953 48,4 1914 114,5 1934 68,0 1954 54,0 1915 60,1 1935 88,0 1955 103,5 1916 64,5 1936 81,3 1956 90,0 1917 85,0 1937 79,0 1957 72,0 1918 63,2 1938 72,2 1958 80,5 1919 46,0 1939 87,8 1959 78,0 1920 69,5 1940 78,0 1960 127,0 1921 63,0 1941 60,7 1961 76,0 1922 57,0 1942 130,2 1962 75,3 1923 60,8 1943 51,0 1963 132,0 1924 80,7 1944 128,0 1964 67,6 1925 61,7 1945 --- 1965 95,0 1926 80,7 1946 118,5 1966 174,5 1927 60,4 1947 --- 1967 74,3 1928 94,7 1948 --- 1968 101,3 1929 59,0 1949 76,5 1969 45,1 1930 82,2 1950 95,6 1970 85,1 1931 79,2 1951 105,2 1971 --- 1932 46,2 1952 70,0 1972 133,0Fonte: DNOCS – COMAI/Sistema de Informações de Recursos Hídricos – listagem de computador.2. Ajustar a série a um modelo probabilístico, verificando a qualidade do ajustamento. Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  18. 18. Capítulo 5 - Precipitação 18 Figura 6.13 – Ajustamento à Função Gamma II3. Obter as precipitações associadas aos diversos períodos de retorno. TR = 100 anos, P = 154,4 mm TR = 200 anos, P = 164,7 mm TR = 500 anos, P = 178,2 mm TR = 1000 anos, P = 186,2 mm4. Calcular chuva virtual de 24 horas (P24h = 1,1 P1dia) Tabela 6.3 – Chuvas virtuais de 24 horas de duração ( P24h) em Várzea Alegre, para período de retorno de 100, 200, 500 e 1000 anos. TR(anos) Prec. Diária (mm) P24h (mm) 100 154,4 169,8 200 164,7 181,2 500 178,2 196,0 1000 186,2 204,05. Determinação da Isozona a qual pertence a bacia (Figura 6.14) isozona G Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  19. 19. Capítulo 5 - Precipitação 19 6. Extrair das tabelas das isozonas o valor de R associado a cada período de retorno. 7. Computar, para cada período de retorno, a precipitação de 1 hora de duração. P1hora = R . P24horas (6.7) Tabela 6.4 – Valores das precipitações intensas pontual de 1 e 24 horas de duração para TR = 100, 200, 500 e 1000 anos, em Várzea Alegre. TR (anos) Po24h (mm) R P1h (mm) 100 169,8 0,459 77,9 200 181,2 0,455* 82,4 500 196,0 0,449* 88,0 1000 204,8 0,445 91,1 * Valores obtidos por interpolação logarítmica. 8. Converter a chuva pontual em chuva espacial, através da relação: Pa ⎛ A ⎞ = ⎜1 − W log ⎜ ⎟ (6.8) Po ⎝ AO ⎟ ⎠ Onde: Pa = precipitação média sobre a bacia; Po = precipitação no centro de gravidade da bacia, tomada igual a precipitação em Várzea Alegre; W = constante que depende do local (0,22 para região Nordeste do Brasil); A = área da bacia hidrográfica (71,8 km2); A0 = área base na qual Pa = P0 (25 km2). Pa = 0,9 (6.9) Po No que tange o parâmetro w, normalmente adotado como sendo 0,22 em projetos hidrológicosna Região Nordeste, Meneses Filho (1991) alerta que seu valor é específico para cada duração dechuva, indicando, para duração de 1 a 6 dias, os valores 0,16, 0,12, 0,11 0,09, 0,08 e 0,07,respectivamente. Segundo o autor, a adoção do valor 0,22 conduziria a uma "superestimativa da Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  20. 20. Capítulo 5 - Precipitação 20redução espacial da chuva, ou seja, a computarem-se menores valores de precipitação médiasuperficial". Tabela 6.5 – Valores das precipitações intensas espacial de 1 e 24 horas de duração para TR = 100, 200, 500 e 1000 anos distribuídos na bacia do açude Várzea Alegre. TR (anos) Pa – 24h (mm) Pa – 1h (mm) 100 152,8 70,1 200 163,1 74,2 500 176,4 79,2 1000 184,3 82,0 9. Determinação das precipitações intensas para durações entre 1 e 24 horas – a determinaçãodas precipitações intensas para essas durações é obtidas plotando-se em papel de probabilidades osvalores para 1 e 24 horas e ligando-se por uma reta (Figura 6.15). Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  21. 21. Capítulo 5 - Precipitação 21 Figura 6.14 – Isozonas Nordeste do do BrasilNotas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  22. 22. Capítulo 5 - Precipitação 22 Gráfico IDF 250 200Altura de chuva (mm) 150 100 50 0 0,1 1 10 100 Tempo de duração (em horas) 100 200 500 1.000 Figura 6.15 – Curvas Altura x Duração x Freqüência. Açude Várzea Alegre Notas de Aula – Profa. Ticiana Marinho de Carvalho Studart

×