Artigo

736 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
736
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE M INAS GERAIS ESCOLA DE BELAS ARTES LICENCIATURA EM DANÇA Disciplina: Dança e Sociedade Aluna: Danielle Márcia Fernandes A dança moderna alemã e contexto nazista
  2. 2. Assim como nas artes plásticas, o modernismo na dança surgiu em fins do séculoXIX e inicio do século XX. O movimento modernista nas artes caracterizou-se por umaruptura com os padrões clássicos de beleza e técnica, fugindo às regras acadêmicas,promovendo uma ruptura de formas e libertando o artista em suas criações. Esta rupturacom os padrões clássicos, ocorreu também na dança, libertando o dançarino do virtuosismobuscado através da técnica, em favor da expressão. A abstração torna-se presente na obra dearte, refletindo não apenas o mundo visível, mas apresentando a visão individual e interiordo artista sobre este mundo. “Kandinsky afirma que o artista deve descobrir em si a suanecessidade interior, responsável pela criação de uma arte que possa ser percebida peloespírito do observador, numa relação empática.”(BORTULUCCE, p.32) Uma nova percepção do mundo propiciou uma nova arte. Este desvencilhar da arteformal, situa-se no contexto de transformações porque passa a sociedade européia. Ocontexto das artes do início do século XX é o contexto da Grande Guerra e do períodoposterior, no qual vivenciou-se a ascensão dos regimes totalitários. O Nazismo, criou umaarte alemã que valorizava o coletivismo e o nacionalismo. A arte moderna, cosmopolita eindividualista, distanciou-se daquela arte profundamente ligada ao nacionalismo; quantomais o artista aproxima sua arte da abstração, mais internacional a obra se torna. Ospropagandistas nazistas criticavam essencialmente o seu aspecto internacionalista, que não prestava a ilustrar um determinado regime político, nem se interessava por fortalecer determinada identidade nacional. De acordo com os líderes dos regimes totalitários europeus da primeira metade do século XX, a arte moderna realizava um desserviço, eliminando os valores nacionais da arte. (BORTULUCCI, p.55) Umas das primeiras ações do governo de Hitler, foi retirar dos museus as obras dearte modernas, consideradas pelo Führer como arte degenerada. A arte moderna devia serbanida, exemplo de deformação da raça humana. Na exposição “arte degenerada”, elasforam expostas ao público ao lado de fotografias de pacientes com deficiências físicas edoenças hereditárias. Após a exposição grande parte foi queimada. O Nazismo criou umanova arte alemã, buscando ressaltar a beleza clássica como sinônimo de saúde eaperfeiçoamento da raça ariana. Perseguidos pelo regime nazista, muitos artista modernos
  3. 3. refugiaram-se em outros países, Rudolf Laban e Kurt Joss, representante da dança modernaalemã. Rudolf Laban, baseava o treinamento dos bailarinos na exploração e investigação domovimento. Buscava a profundidade dos sentimentos expressos no movimento e não ovirtuosismo em sua execução. Ao contrário do balé que valorizava os solistas, Laban favoreciao grupo. Seu método foi utilizado pelo Nazismo nos jogos olímpicos de 1936. Alabonotacão, uma forma de escrever a coreografia, enquadrava-se perfeitamente ao estilo deapresentações nazistas, sendo utilizada para coreografar uma multidão através de partiturasque permitiam a leitura dos movimentos. “Os corpos que se tornaram vivos através de suadança livre foram transformados pelo Nazismo, em corpos submissos de ginastas” 1.Recusou-se a colaborar com o regime, necessitando sair do país. Kurt Juss sofreu arepressão nazista após coreografar “The Green Table”, revelando uma critica à realidade,ao mostrar o mundo do dinheiro e da guerra. O envolvimento do artista com a critica dosacontecimentos sociais de seu tempo colocou-o em conflito com o regime nazista. Os nazistasexigiram que rompesse com seus colegas judeus e sua recusa foi considerada como anti-fascista, levando-o a fugir do país. A arte moderna era a representação do mundo real, que não oferecia a beleza comoinspiração, mostrando a face imperfeita do homem e seu interior oprimido, angustiado. Arealidade a ser mostrada era opressora, feia, longe de idealizações. Esta realidade erademonstrada através dos corpos dos bailarinos, com movimentos angulares, contorcidos,longe da leveza e virtuosismo idealista do clássico, razão pela qual suas obras foramconsideradas degeneradas pelo regime nazista. Na Alemanha, a dança moderna teve como representantes Emile Dalcroze, quedesenvolve a rítmica, método segundo o qual o pensamento somente poderia captar o ritmose fosse ditado pelo movimento. Uma nova abordagem do movimento que influenciouRudolf Laban, Kurt Joss e Mary Wigman. Para os dançarinos, assim como para os artistasexpressionistas, a realidade exterior não era confiável, a verdade viria através das emoçõesinternas. Embora possuíssem diferentes estilos, estes artistas compartilharam como temas1 História da Dança: Dança Livre ao Teatro de Dança – O expressionismo Alemão 1933. 5 de agosto de 2009
  4. 4. “os horrores da guerra, a questão social e a decadência moral, o desespero dos pobres e aascensão do nazismo2 Fundadora da escola alemã, Wigman nasce na Alemanha em 1886. Para acompreensão de sua obra é necessário conhecermos o contexto vivido pela artista. Wigmanvivenciou as duas Guerras Mundiais e a repressão do governo nazista, toda a experiênciaopressora por que passou a sociedade alemã no contexto entre guerras. Expressou aAlemanha sofrida do pós-guerra através de suas coreografias, que exploravam o grotesco, odemoníaco e o estado primitivo, através de movimentos abstratos, que partiam do troncoalcançando aos poucos a movimentação do corpo inteiro. Sua dança expressava osimpulsos internos, buscando representar o interior do homem, a tensão entre vida e morte, amaterialização do trágico e da angústia. Uma das características de sua dança é a utilizaçãodo espaço, um espaço que oprime e sufoca. Mary Wigman foi a maior representante da dança expressionista alemã. Fundou aAusdrukstanz, dança de expressão. Expressionismo é o nome dado para criações artísticasnas quais a realidade sofre uma distorção no sentido de expressar emoções do artista ou suavisão interior. A liberdade conferida ao bailarino permite que este expresse suas pulsõesinteriores.Uma rebelião ao balé clássico, ao buscar a expressão individual relacionada àslutas e necessidades humanas. A ênfase maior encontra-se na expressividade corporal sobrea execução técnica de movimentos. Para Wigman, o rompimento com a tradição permitiria odesenvolvimento do bailarino, pois o formalismo da dança clássica limitava a liberdade deexpressão da individualidade do bailarino. Em seus trabalhos estavam presentes os mitosromânticos , elemento da estética nazista inspirada na arte clássica que, “junto com amitologia guerreira, conferia um ar de tragédia heróica e romântica às circunstânciascotidianas do homem”.3 Suas coreografias eram danças únicas para cada bailarino,utilizava a dança coral somente diante da necessidade de utilizar o outro como extensão daexpressividade, nunca como imersão destes indivíduos em sua própria individualidade. Avontade coletiva sobre o destino individual do homem também esteve presente em suasobras. “Ela apresentou uma peça com coro em grande escala, “A Dança da Morte”, para asegunda parte da abertura da Olimpíada do jovem. Convidada para coreografar para Hitler,2 Juliana Carvalho Franco da SilveiraDRAMATURGIA NA DANÇA-TEATRO DE PINA BAUSCH3 BORTOLUCCI
  5. 5. antes mesmo de sua recusa, foi isolada pelo Nacional Socialismo. Seus trabalho foramconsiderados decadentes e sua escola posta sob supervisão, mas decide permanecer no país.Após sua escola ser considerada como “centro de arte degenerada”, cessou suas atividadescomo dançarina. Somente após a Segunda Guerra Mundial, retomou suas atividades comocoreógrafa. A dança moderna alemã buscou novas linguagens, assim como as artes plástica.rompendocom o formalismo, logrou a expressão de uma realidade opressora e angustiante após os horroresda guerra. Em meio a ascencao nazista e a repressão e marginalização de suas obras peloEstado.Referencia BibliográficaBORTULUCCI, Vanessa Beatriz. A Arte dos regimes totalitários do século XX: Rússia eAlemanha. S.P: Anablume, 2008.RAMOS, Tarcísio dos Santos; SOUZA, Luiz Otavio Carvalho Gonçalves de. A tecelagemdas margens : por que tão solo? Dança e dramaturgia. Dissertação (mestrado) -Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Belas Artes, 2008.Reconstructing a Mary Wigman Dance Evening.Disponível em: http://www.busyrocks.org/project%20description%20IV.pdf. Acesso:24/11/2010.Mary Wigman: The Early Years 1913- 1925Author(s): Maggie OdomSource: The Drama Review:TDR, Vol. 24, No. 4, Dance/Movement Issue (Dec., 1980), pp. 81-92Published by: The MITPressStable URL: http://www.jstor.org/stable/1145326Accessed: 18/11/2010 11:42 Your

×