PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO COMUM PPQ/1

5.037 visualizações

Publicada em

PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO COMUM PPQ/1

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • o aluno do cfc ele tem por direito desistir do curso, durante o curso corrente...
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.037
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
215
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO COMUM PPQ/1

  1. 1. 1.00 SEM OBJETIVOS BEM DEFINIDOS, SOMENTE POR ACASO CHEGAREMOS A ALGUM LUGAR PPQ/1 - QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO * INSTRUÇÃO COMUM * 4ª Edição - 2006
  2. 2. 3.00 FASE DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL DE QUALIFICAÇÃO (INSTRUÇÃO COMUM) CAPACITAR O CABO E O SOLDADO PARA SEREM EMPREGADOS NA DEFESA EXTERNA OBJETIVODAINSTRUÇÃOINDIVIDUALDE QUALIFICAÇÃO(INSTRUÇÃOCOMUM)
  3. 3. 4.00
  4. 4. 5.00 ÍNDICE Página I. INTRODUÇÃO....................................................................................................................................................................................... 7.00 1. Finalidade ....................................................................................................................................................................................... 7.00 2. Objetivos da Fase......................................................................................................................................................................................... 7.00 3. Estrutura da Instrução.............................................................................................................................................................. ..................... 7.00 4. Direção e Condução da Instrução............................................................................................................................................... ................ 9.00 5. Recrutamento e Seleção para o CFC e CFSd .............................................................................................................................10.00 6. Avaliação................................................................................................................................................................................. ....................10.00 7. Qualificação e Habilitação ............................................................................................................................................................ 11.00 8. Classificação ................................................................................................................................................................................ 11.00 9. Promoção ..................................................................................................................................................................................... 11.00 10. Habilitação para a Reserva .......................................................................................................................................................... 11.00 11. Desabilitação a Concorrer à Promoção a Cabo .......................................................................................................................... 11.00 12. Tempo Estimado................................................................................................................................................................... ...................... 11.00 13. Validação do PPQ/1...................................................................................................................................................................... .............12.00 14. Estrutura do PPQ/1....................................................................................................................................................................... ..............12.00 15. Normas Complementares........................................................................................................................................................ ..................12.00 II. MODELO DE FICHA DE CONTROLE DA INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO (FCIQ) ....................................................................13.00 III. PROPOSTA PARA A DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO ...........................................................................................................................15.00 1. Quadro Geral de Distribuição deTempo ..........................................................................................................................................16.00 2. Modelo de Calendário para a Fase da IIQ .......................................................................................................................................17.00 3. Modelo de um dia de instrução.......................................................................................................................................................................18.00 IV. MATÉRIAS COMUNS A TODAS AS QMP ........................................................................................................................................19.00 1 - Armamento, Munição e Tiro ...........................................................................................................................................................20.00 2 - Camuflagem ..................................................................................................................................................................................26.00 3 - Lutas .............................................................................................................................................................................................28.00 4 - Marchas e Estacionamentos.........................................................................................................................................................29.00 5 - Ordem Unida..................................................................................................................................................................................32.00 6 - Técnicas Especiais .......................................................................................................................................................................33.00 7 - Treinamento Físico Militar ..............................................................................................................................................................34.00 8 - Valores, Deveres e Ética Militares...............................................................................................................................................................35.00
  5. 5. 6.00 Em razão do Sistema de Validação (SIVALI - PP), que manterá este documento permanentemente atualizado, o presente exemplar deverá ser distribuído com vinculação funcional e mantido sob controle da OM, responsável pela execução da instrução. As páginas que se seguem contêm uma série de informações, cuja leitura é considerada indispensável aos usuários do presente Programa-Padrão de Instrução. I. INTRODUÇÃO
  6. 6. 7.00 I. INTRODUÇÃO 1. FINALIDADE Este Programa-Padrão regula a Fase de Instrução Individual de Qualificação - Instrução Comum (FIIQ-IC) e define objetivos que permitam qualificar o Combatente, isto é, o Cabo e o Soldado aptos a ocupar cargos correspondentes às suas funções nas diversas Organizações Mililtares, e passando-os à condição de Reservista de Primeira Categoria (Combatente Mobilizável) 2. OBJETIVOS DA FASE a. Objetivos Gerais 1) Qualificar o Combatente. 2) Formar o Cabo e o Soldado, habilitando-os a ocupar cargos previstos de uma determinada QMP de uma QMG na U/SU. 3) Formar o Reservista de Primeira Categoria (Combatente Mobilizável). 4) Prosseguir no desenvolvimento do valor moral dos Cabos e Soldados. 5) Prosseguir no estabelecimento de vínculos de liderança entre comandantes (em todos níveis) e comandados. b. Objetivos Parciais 1) Completar a formação individual do Soldado e formar o Cabo. 2)Aprimorar a formação do caráter militar dos Cabos e Soldados. 3) Prosseguir na criação de hábitos adequados à vida militar. 4)Prosseguir na obtenção de padrões de procedimentos necessários à vida militar. 5)Continuar a aquisição de conhecimentos necessários à formação do militar e ao desempenho de funções e cargos específicos das QMG/QMP. 6) Aprimorar os reflexos necessários à execução de técnicas e táticas individuais de combate. 7) Desenvolver habilitações técnicas que correspondem aos conhecimentos e as habilidades indispensáveis ao manuseio de materiais bélicos e a operações de equipamentos militares. 8) Aprimorar os padrões de Ordem Unida obtidos na IIB. 9) Prosseguir no desenvolvimento da capacidade física do combatente. 10) Aprimorar reflexos na execução de Técnicas e Táticas Individuais de Combate. c. Objetivo-síntese - Capacitar o cabo e o soldado para serem empregados na Defesa Externa. 3. ESTRUTURA DA INSTRUÇÃO a. Características 1) O programa de treinamento constante deste PP foi elaborado a partir de uma análise descritiva de todos os cargos a serem ocupados por Cabos e Soldados, nas diversas QMG/ QMP. Portanto, as matérias, os assuntos e os objetivos propostos estão intimamente relacionados às peculiaridades dos diferentes cargos existentes. 2) A instrução do CFC e CFSd compreende: a) matérias comuns a todas QMG/ QMP; b) matérias peculiares, destinadas a habilitar o Cb e Sd a ocupar determinados cargos e a desempenhar funções específicas, dentro de sua QMP; e c) o desenvolvimento de atitudes e habilidades necessárias à formação do Cb e Sd para o desempenho de suas funções específicas, as elas relacionadas.
  7. 7. 8.00 3)A instrução comum e a instrução peculiar compreendem: a) um conjunto de matérias; b) um conjunto de assuntos integrantes de cada matéria; c) um conjunto de sugestões para objetivos intermediários; e d) um conjunto de objetivos terminais, chamados Objetivos Individuais de Instrução (OII), que podem ser relacionados a conhecimentos, habilidades e atitudes. 4) As matérias constituem as áreas de conhecimentos e de habilidades necessárias à Qualificação do Cabo e do Soldado. 5) Os assuntos relativos a cada matéria são apresentados de for- ma seqüenciada. Tanto quanto possível, as matérias necessárias à formação do Cabo e do Soldado, para a ocupação de cargos afins, fo- ram reunidas de modo a permitir que a instrução possa vir a ser planejada para grupamentos de militares que, posteriormente, serão designados para o exercício de funções correlatas. 6) A habilitação de pessoal para cargos exercidos no âmbito de uma guarnição, equipe ou grupo, exige um tipo de treinamento que se reveste de características especiais, uma vez que se deve atender aos seguintes pressupostos: a) tornar o militar capaz de executar, individualmente, as atividades diretamente relacionadas às suas funções dentro da guarnição, equipe ou grupo; b) tornar o militar capaz de integrar a guarnição, a equipe ou o grupo, capacitando-o a realizar as suas atividades funcionais em conjunto com os demais integrantes daquelas frações; e c) possibilitar ao militar condições de substituir, temporariamente, quaisquer componentes da guarnição, da equipe ou do grupo. Desses pressupostos, decorre que a instrução relacionada a cargos exercidos dentro de uma guarnição de peça, de carro de combate (ou VBTP), de equipamentos (oumateriais), dentro de um grupo de combate ou de um grupo de exploradores, está prevista, tanto quanto possível, para ser ministrada em conjunto, a todos os integrantes dessas frações. 7) As sugestões para objetivos intermediários são apresentadas como um elemento auxiliar para o trabalho do instrutor. A um assunto pode corresponder umou vários objetivos intermediários.Outros objetivos intermediários poderão ser estabelecidos além daqueles constantes deste PP. O Comandante da Subunidade é o orientador do instrutor da matéria, na determinação dos objetivos intermediários a serem atingidos. 8) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII) relacionados aos conhecimentos e às habilidades correspondem aos comportamentos que o militar deve evidenciar, como resultado do processo ensino- aprendizagem a que foi submetido no âmbito de determinada matéria. Umamesma matériacompreende umou vários OII.UmObjetivo Individual de Instrução relacionado a conhecimentos ou habilidades compreende: a) a tarefa a ser executada, que é a indicação precisa do que o militar deve ser capaz de fazer ao término da respectiva instrução; b) a condição ou as condições de execução que indica(m) as circunstâncias ou situações que são oferecidas ao militar, para que ele execute a tarefa proposta. Essa(s) condição(ões) deve(m) levar em consideração as diferenças regionais e as características do militar;e c) o padrão mínimo a ser atingido, que determina o critério da avaliação do desempenho individual. 9) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII) relacionados à Àrea Afetiva, detalhados nos PPB/1 e PPB/2, correspondem aos atributos a serem evidenciados pelos militares, como resultado da ação educacio- nal exercida pelos instrutores, independente das matérias ou assuntos ministrados. Os OII compreendem os seguintes elementos: a) o nome do atributo a ser evidenciado, com a sua respectiva definição; b) um conjunto de condições dentro das quais o atributo pode- rá ser observado; e
  8. 8. 9.00 c) o padrão - evidência do atributo. Os Comandantes de Subunidades e Instrutores continuarão apre- ciando o comportamento do militar em relação aos atributos da Área Afetiva considerados no PPB1/PPB2, ao longo da fase de Instrução. b. Fundamentos da Instrução Individual Consultar o PPB/1. 4. DIREÇÃO E CONDUÇÃO DA INSTRUÇÃO a. Responsabilidades 1) O Comandante , Chefe ou Diretor de OM é o responsável pela Direção de Instrução de sua OM. Cabe-lhe , assessorado pelo S 3, planejar, coordenar, controlar, orientar e fiscalizar as ações que permi- tamao(s)Comandantes deSubunidades e/oude GrupamentodeInstrução elaborarem a programação semanal de atividades e a execução da instrução propriamente dita. 2) O Grupamento de Instrução do Curso de Formação de Cabos (CFC) deverá ser dirigido por um oficial, de preferência Capitão, que será o responsável pela condução das atividades de instrução do curso. O Comandante, Chefe ou Diretor de OM poderá modificar ou es- tabelecer novos OII, tarefas, condições ou padrões mínimos , tendo em vista adequar as características dos militares e as peculiaridades da OM à consecução dos Objetivos da Fase. b. Ação do S3 1) Realizar o planejamento da Fase de Instrução Individual de Qualificação, segundo o preconizado no PBIM enas diretrizes e/ou ordens dos escalões enquadrantes. 2) Coordenar e controlar a instrução do CFC e do CFSd, a fim de que os militares alcancem os OII de forma harmônica, equilibrada e consentânea com prazos e interesses conjunturais, complementando os critérios para os padrões mínimos, quando necessário. 3) Providenciar a confecção de testes, fichas, ordens de instrução e de outros meios auxiliares, necessários à uniformização das condições de execução e de consecução dos padrões mínimos previstos nos OII. 4) Providenciar a organização dos locais e das instalações para a instrução e de outros meios auxiliares, necessários à uniformização das condições de execução e de consecução dos padrões mínimos previstos nos OII. 5) Planejar a utilização de áreas e meios de instrução, de forma a garantir uma distribuição equitativa pelas Subunidades ou Grupamento de Instrução. 6) Organizar a instrução da OM, de modo a permitir a compatibilidade e a otimização da instrução do EV com o do NB (CTTEP). c.Ação dos Comandantes de SU e/ou de Grupamentos de Instrução Os Comandantes de SU e/ou de Grupamentos de Instrução deve- rão ser chefes de uma equipe de educadores a qual, por meio de ação contínua , exemplos constantes e devotamento à instrução, envidarão todos os esforços necessários à consecução, pelos instruendos, dos padrões mínimos exigidos nos OII previstos para a FIIQ. d. Métodos e Processos de Instrução 1) Os elementos básicos que constituem o PP são as Matérias, os Assuntos, as Tarefas, e os Objetivos Intermediários. 2) Os métodos e processos de instrução, preconizados nos manuais C 21-5 e T 21-250 e demais documentos de instrução, deverão ser criteriosamente selecionados e combinados, a fim de que os OII relacionados a conhecimentos e habilidades, e definidos sob a forma de “tarefa”, “condições de execução” e “padrão mínimo”, sejam atingidos pelos instruendos.
  9. 9. 10.00 3) Durante as sessões de instrução, o Soldado deve ser colocado, tanto quanto possível, em contato direto com situações semelhantes às que devam ocorrer no exercício dos cargos para os quais está sendo preparado. A instrução que não observar o princípio do realismo (T 21- 250) corre o risco de tornar-se artificial e pouco orientada para os objetivos que os instruendos têm de alcançar. Os meios auxiliares e os exercícios de simulação devem dar uma visão bem próxima da realidade, visualizando, sempre que possível, o desempenho das funções em situação de combate ou de apoio ao combate. 4) Em relação a cada uma das matérias da QMP, o instrutor deverá adotar os seguintes procedimentos: a) analisar os assuntos e as sugestões para objetivos intermediários, procurando identificar a relação existente entre eles. Os assuntos e as sugestões para objetivos intermediários são poderosos auxiliares da instrução. Os objetivos intermediários fornecem uma orientação segura sobre como conduzir o militar para o domínio dos OII; são, portanto, pré-requisitos para esses OII. b) analisar os OII em seu tríplice aspecto: tarefa, condições de execução e padrão mínimo. Estabelecer, para cada OII, aquele(s) que deverá(ão) ser executado(s) pelos militares, individualmente ou em equipe; analisar as condições de execução, de forma a poder torná-las realmente aplicáveis na fase de avaliação. 5) Todas as questões levantadas quanto a adequação das “condições de execução” e do “padrão mínimo” deverão ser levadas ao Comandante da Unidade, a fim de que ele, assessorado pelo S3, decida sobre as modificações a serem introduzidas no planejamento inicial. 6) Os OII relacionados à área afetiva são desenvolvidos durante toda a fase e não estão necessariamente relacionados a um assunto ou matéria, mas devem ser alcançados em conseqüência de situações criadas pelos instrutores no decorrer da instrução, bem como de todas as vivência do Soldado no ambiente militar. O desenvolvimento de atitudes apóia-se, basicamente, nos exemplos de conduta apresentados pelos chefes e pares, no ambiente global em que ocorre a instrução. 5. RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PARA O CFC e CFSd De acordo com o previsto nas Normas de Qualificação, Habilitação, Condições de Acesso e Situação das Praças do Exército e no PPB/1. 6. AVALIAÇÃO O processo de avaliação da qualificação compreende um conjunto de avaliações realizadas durante o decorrer do CFC e CFSd, e da avaliação do CFC, realizada ao termino do curso. a. Avaliações realizadas no decorrer dos cursos Consiste na observação do desempenho do militar na execu- ção de tarefas, dentro das condições estipuladas e tendo em vista a con- secução do padrão mínimo requerido. Para isso, o instrutor deve acom- panhar o desempenho do militar nos OII de sua matéria. Durante o de- senvolvimento do CFC e CFSd utilizará, para registrar a avaliação da aprendizagem, a Ficha de Controle da Instrução de Qualificação (FCIQ). Caberá à Direção de Instrução da OM, seguindo as orientações do PBIM e das diretrizes dos escalões enquadrantes, a missão de selecionar, dentre os OII contidos neste PP, aqueles considerados mais significativos para a formação do Cabo/Soldado, ficando a seu critério a fixação da sua quantidade. Para tal, deverá ser levada em conta a conveniência de incluir o maior número possível de OII e a necessidade de abranger todas as matérias previstas. Somente os OII selecionados pela Direção de Instrução deverão constar da FCIQ. b. Avaliação específica do CFC realizada no término do curso 1) Aavaliação específica do CFC tem função classificatória e somente será aplicada nos militares deste curso que conquistaram to- dos os OII previstos na FCIQ. 2) Esta avaliação deverá ser assencialmente prática, voltada para a verificação da consecução dos OII previstos na FCIQ, e poderá
  10. 10. 11.00 ser utilizado um ou mais tipos de provas (prática - oral - escrita), depen- dendo da natureza da QMP e dos cargos para os quais o militar está sendo formado. O grau da avaliação específica serão atribuídos em uma escala de 0 (zero) a 10 (dez). 7. QUALIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO a. Ao final do CFC e CFSd, os militares considerados aprovados serão qualificados (ou requalificados, se soldados engajados) nas QM em que foram matriculados. b. O militar reprovado no CFC deverá ser avalidado pelo Diretor do Curso sobre a sua habilitação para o desempenho, das funções de soldado da QM que freqüentou, e designado para uma função de Soldado. No decorrer do CFC, os elementos por qualquer motivo desligados retornarão à instrução individual de qualificação ministrada aos Soldados, sempre que possível dentro da QMP, que freqüentavam no CFC, para que, ao final da Fase, sejam qualificados juntamente com os Soldados e considerados mobilizáveis. Os Soldados engajados permanecerão nas QM em que já haviam sido qualificados. 8. CLASSIFICAÇÃO Os militares aprovados no CFC serão relacionados, no âmbito da Unidade, por QMP, em ordem decrescente do grau obtido na avaliação específica realizada no término do curso. Na relação, figurarão também os candidatos já aprovados nos anos anteriores e ainda não promovidos, com os graus obtidos no curso de formação. Aclassificação prevalecerá até o final do curso seguinte, quando será organizada uma nova relação. 9. PROMOÇÃO A promoção à graduação de Cabo é da responsabilidade do Comandante, Chefe ou Diretor da OM e será feita de acordo com as vagas existentes e a legislação em vigor. 10. HABILITAÇÃO PARA A RESERVA Será feita de acordo com a legislação em vigor. 11. DESABILITAÇÃO A CONCORRER A PROMOÇÃO A CABO Serão desabilitados a concorrer a promoção a Cb os militares que: a. concluiram o CFC com aproveitamento e solicitaram, mediante requerimento deferido pelo Comandante Chefe ou Diretor de OM, o desrelacionamento. b. não concluíram o CFC com aproveitamento por: 1) falta de aproveitamento em todos os OII da FIIQ; 2) ultrapassar o limite de 72 (setenta e dois) pontos perdidos por falta às atividades de instrução. Os pontos perdidos serão computados, considerando 1 ponto por sessão de instrução, em caso de falta justificada, e 3 em caso de falta não justificada (para efeito de contagem de pontos perdidos, o número máximo de sessões de instrução a ser computado por dia de trabalho será de 7 (sete); 3) capacidade física abaixo dos padrões preconizados na Diretriz para Treinamento Físico Militar e sua Avaliação; 4) cometer falta grave, devidamente comprovada, que os tornem incompatíveis a promoção a Cabo ou que comprometa o regime disci- plinar a que estão sujeitos; 5) ingressar no comportamento Insuficiente; e 6) possuir Caráter Militar inadequado. 12. TEMPO ESTIMADO a. A carga horária estimada para o período é de 320 horas de atividades diurnas e 5 horas de atividades noturnas, distribuídas da seguinte maneira: 1) 88 (oitenta e oito) horas diurnas e 5 (cinco) horas noturnas destinadas à Instrução Comum; 2) 168 ( cento e sessenta e oito ) horas diurnas destinadas à Instrução Peculiar; e 3) 64(sessentae quatro)horas diurnas destinadas aos Serviços de Escala.
  11. 11. 12.00 b. O emprego das horas destinadas aos Serviços de Escala deverá ser otimizado no sentido de contemplar além das atividades de serviços de escala, propriamente ditas, as relativas a manutenção do aquartela- mento, recuperação da instrução de Armamento, Munição e Tiro e ou- tras atividades de natureza conjuntural imposta a OM. c. A Direção de Instrução, condicionada pelas servidões impostas por alguns dos OII da FIIQ, deverá prever atividades noturnas com carga horária compatível com a consecução destes OII por parte dos instruendos. d. Tendo em vista os recursos disponíveis na OM, as características e o nível da aprendizagem dos militares, bem como outros fatores que porventura possam interferir no desenvolvimento da instrução, poderá o Comandante, Chefe ou Diretor da OM alterar as previsões de carga horária discriminada no presente PP, mas mantendo sempre a prioridade para o CFC. 13. VALIDAÇÃO DO PPQ/1 Conforme prescrito no PPB/1 e SIVALI/PP. 14. ESTRUTURA DO PPQ/1 a. O PP está organizado de modo a reunir, tanto quanto possível, a instrução prevista para um cargo ou conjunto de cargos afins de uma mesma QMP. Esta instrução corresponde a uma ou mais matérias. Os conteúdos de cada matéria são assuntos que a compõem. Para cada assunto apresenta-se uma ou mais sugestão(ões) de objetivo(s) intermediário(s), que têm a finalidade de apenas orientar o instrutor. A um conjunto de assuntos pode corresponder um ou mais OII. b. Os OII estão numerados, dentro da seguinte orientação: Exemplo: 2 Q – 301 - O numero 2 indica a matéria Camuflagem. - Q indica que o OII se refere à “Fase de Qualificação”. - O primeiro número da centena indica o tipo: 300 - Instrução Comum da IIQ 400 - Instrução Peculiar da IIQ - A dezena 01, o número do OII dentro da matéria, no caso “Camuflar uma posição, mascarando,simulando ou dissimulando”. Há, ainda, a indicação do objetivo parcial ao qual está vinculado o OII (FC, OP, etc), conforme orientado no PPB/1. 15. NORMAS COMPLEMENTARES a. Este Programa – Padrão regula a formação dos militares nas QMG / QMP, relativas aos cargos previstos nas Normas Reguladoras da Qualificação, Habilitação, Condições de Acesso e Situações das Pra- ças do Exército, em vigor. b. Os cargos de Cb/Sd para os quais são exigidas habilitações específicas, definidos nas normas supra mencionadas, deverão ser ocu- pados por militares qualificados e que tenham participado de um Trei- namento Específico ( Tr Epc ). c. O Tr Epc é determinado e estabelecido pelos Comandantes, Chefe e/ou Diretores de OM, e constitui-se na prática, acompanhada e orientada, de uma atividade com a finalidade de habilitar as praças para o desempenho de cargos previstos nos QO ou no exercício de um traba- lho específico, nas respectivas OM, que exijam esse tipo de Habilitação Especial. d. Esse pode coincidir , no todo ou em parte , com as atividades da Capacitação Técnica e Tática do Efetivo Profissional (CTTEP) e não possui, normalmente, Programa – Padrão específico e tempo de dura- ção definidos. O início e o término, bem como o resultado da atividade, julgando cada militar “APTO” ou “INAPTO” para o cargo, serão publi- cados no BI da OM. e. No caso particular de Tr Epc realizado por OM que possuem Contigente, visando habilitar seus cabos e soldados a ocupar cargos específicos, de interesse da OM e da Mobilização , será necessária a aprovação, pelo COTER, do respectivo PP, o qual será proposto pelas OM interessadas. f. As normas fixadas neste PP serão complementadas pelo (as): 1) PBIM, expedido pelo COTER; 2) Diretrizes, Planos e Programas de Instrução, elaborados pe- los Grandes Comandos, Grandes Unidades e Unidades.
  12. 12. 13.00 Não há instrução individual que possa ser conduzida, satisfatoriamente, sem controle individual. Durante a Fase de Qualificação, os instrutores deverão registrar, na FICHA DE CONTROLE DA INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO (FCIQ), as observações relacionadas à aquisição de conhecimentos e habilidades. Na folha que se segue é apresentado o modelo dessa ficha. Nesse modelo, deverá ser assinalado com um “X”, nas colunas correspondentes aos OII, se o militar atingiu, ou não, o padrão mínimo previsto. Caberá à Direção de Instrução da OM a missão de selecionar, dentre os OII contidos neste PP, aqueles considerados mais significativos para a qualificação do Soldado, ficando a seu critério a fixação da respectiva quantidade. Para determiná-la, deverá ser levada em conta a conveniência de incluir o maior número possível de OII e a necessidade de abranger todas as matérias previstas. Somente os OII selecionados pela Direção de Instrução deverão constar da FCIQ. II. MODELO DE FICHA DE CONTROLE DA INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO (FCIQ)
  13. 13. 14.00 FICHA CONTROLE DA INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO Nr NOME OM: SU: FRAÇÃO: O I I O I I O I I Identificação Padrão mínimo alcançado Identificação Padrão mínimo alcançado Identificação Padrão mínimo alcançado SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO Data de término da fase de instrução: ______ / ______ / ______ Responsável pelo preenchimento: ____________________________ Cmt Gpt Instr APRECIAÇÃO FINAL DA FASE DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL DE QUALIFICAÇÃO Concluiu o CFSd com aproveitamento. SIM NÃO Está em condições de ser qualificado Soldado SIM Deve ser observado durante o Período de Adestramento, para posterior qualificação como Soldado SIM Concluiu o CFC com aproveitamento. SIM NÃO Está em condições de ser qualificado Cabo. SIM Deve ser observado durante o Período de Adestramento, para posterior qualificação como Soldado SIMNÃO Motivos de desligamento antes do termino do CFC/CFSd: Habilitação para a Reserva: HABILITAÇÃO À PROMOÇÃO A _______ Observações Complementares: - Solicitação Própria - Falta de aproveitamento - Pontos perdidos Data: ____/_____/_____ Visto S3:_______________ Cmt SU: ________________________
  14. 14. 15.00 Você encontrará, nas páginas que se seguem, uma proposta para a distribuição de tempo e um modelo de calendário, para o desenvolvimento do Programa de Instrução que visa a Qualificação do Combatente. O Comandante, Chefe ou Diretor da OM poderá, em função dos recursos disponíveis, das características dos instruendos e de outros fatores conjunturais, alterar a carga horária das matérias discriminadas na distribuição sugerida. . III. PROPOSTA PARA A DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO
  15. 15. 16.00 MATÉRIASFUNDAMENTAIS QU AD R O GER AL D E D IS TR IB U IÇ ÃO D E TEMPO FAS E D E IN STR U Ç ÃO IN D IVID U AL D E QU ALIFIC AC ÃO * IN S TR U Ç ÃO C OMU M * F I I Q - IC TEMPO ESTIMAD O D IU R N O N OTU R N O TOTAL 1. Armamento, Munição e Tiro 16 (*) *>16 2. C amuflagem 4 (*) *>4 3. Lutas 12 (*) *>12 4. Marchas e Estacionamentos 4 5 9 5. Ordem U nida 8 - 8 6. Técnicas Especiais 12 (*) *>12 7. Treinamento Físico Militar 32 - 32 8. Valores, D everes e Ética Militares (*) (*) (*) (**) TOTAL D E TE MP O D ES TIN AD O À IN S TR U Ç ÃO C OMU M 88 5 *>93 TOTAL D E TE MP O D ES TIN AD O À IN S TR U Ç ÃO P E C U LIAR 168 (*) *>168 SOMA D OS TEMPOS D ESTIN AD OS À IN STR U Ç ÃO MILITAR D E QU ALIFIC AÇ ÃO 256 5 *>261 SOMA D OS TEMPOS D ESTIN AD OS AOS S E R V IÇ OS D E E SC ALA 64 - 64 SOMA D OS TEMPOS À D ISPOSIÇ ÃO D O C MT, C H EFE OU D IR ETOR - - - T O TA L D O S T E M P O S D IS P O N ÍV E IS N A FA S E 320 - *>325 (*) A C ritério da D ireção da Instrução (**) D everão ser utiliz ados os tempos de formatura das OM e das SU , para abordagem de assuntos relacionados aos Valores Militares, incluindo-se combate às drogas, religião e hinos e canções 8(Oito)SEMANASDEINSTRUÇÃO
  16. 16. 17.00 FASE DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL DE QUALIFICAÇÃO EXEMPLO DE CALENDÁRIO DE INSTRUÇÃO MILITAR GRUPAMENTO "A" - OM OPERACIONAIS IIQ FASE DAINSTRUÇÃO INDIVIDUAL DE QUALIFICAÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO 15 16 17 18 19 20 21 22 Objetivo Síntese da Fase CAPACITAR O CABO E O SOLDADO PARASER EMPREGADO NAS OPERAÇÕES DE DEFESAEXTERNA ANO DE INSTRUÇÃO 2006 Mês JUNHO JULHO AGOSTO Dias 26/30 03/07 10/14 17/21 24/28 31/04 07/11 14/18 Dias com Atv 5 5 5 5 5 5 5 5 Dias sem Atv 0 0 0 0 0 0 0 0 Horas de Atv 32 32 32 32 32 32 32 32 Horas Sv Escl 8 8 8 8 8 8 8 8
  17. 17. 18.00 M O D E L O D E U M D IA D E IN S T R U Ç Ã O S E G U N D A A Q U IN T A -F E IR A T E M P O AT IV ID A D E - - F O R M A T U R A D A O M / V A L O R E S , D E V E R E S E É T IC A M IL ITA R E S 1 º - IN S T R U Ç Ã O P E C U L IA R 2 º - IN S T R U Ç Ã O P E C U L IA R 3 º - IN S T R U Ç Ã O P E C U L IA R 4 º - IN S T R U Ç Ã O P E C U L IA R - A L M O Ç O 5 º - IN S T R U Ç Ã O C O M U M 6 º - IN S T R U Ç Ã O C O M U M 7 º - IN S T R U Ç Ã O C O M U M 8 º - T R E IN A M E N T O F ÍS IC O M IL ITA R O U L U TA S O s te m p o s d e ins truç ã o e o p o s ic io na m e nto d a s a tivid a d e s a o lo ng o d o d ia s e rã o a jus ta d o s á s c a ra c te rís tic a s d a O M e d a re g iã o b ra s ile ira o nd e e s ta s e s itua (e x: T F M na s O M d o C M A p o d e rá s e r no p e río d o m a tutino .) M O D E L O D E U M A S E X T A - F E IR A T E M P O AT IV ID A D E - - F O R M A T U R A D A O M / V A L O R E S , D E V E R E S E É T IC A M IL ITA R E S 1 º - IN S T R U Ç Ã O P E C U L IA R 2 º - IN S T R U Ç Ã O P E C U L IA R 3 º - IN S T R U Ç Ã O P E C U L IA R 4 º - T R E IN A M E N T O F ÍS IC O M IL ITA R O U L U TA S
  18. 18. 19.00 IV. MATÉRIAS COMUNS A TODAS AS QMP A seguir é apresentado o conjunto das matérias comuns a todas as QMP, com os respectivos assuntos, sugestões para objetivos intermediários (OII). Os OII compõem-se de Tarefa, Condição e Padrão Mínimo, com a finalidade de orientar a instrução e servir de base para a avaliação. O quadro abaixo mostra a relação de matérias do referido conjunto. Nr MATÉRIA TEMPO ESTIMADO Diu Not 1 2 3 4 5 6 7 8 Armamento, Munição e Tiro Camuflagem Lutas Marchas e Estacionamentos Ordem Unida Técnicas Especiais Treinamento Físico Militar Valores, Deveres e Ética Militares 16 4 12 4 8 12 32 - - - - 5 - - - - SOMA 88 5
  19. 19. 20.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 1. ARMAMENTO, MUNIÇÃO E TIRO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 16h As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Instrução Avançados (TIA). TIA- FAL Atirar com o FAL realizan- do os tiros de instrução avançados. (Somente os militares dotados de FAL previstos na IT 101-1 das IGTAEx) O militar dotado deverá obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TIA, ficando em condições de empregar, com destreza e segurança, na defe- sa de instalações e como inte- grante de fração na Garantia da Lei e da Ordem. Q-301 (TE) 1. Fuzil: a. Execução dos tiros previs- tos nas Instruções Gerais de Tiro com oArmamento do Exército (IG- TAEx). b. Conservação, limpeza e lu- brificação. - Tomar as diversas posições de tiro. - Familiarizar-se com a arma durante o tiro. - Executar os tiros previstos. - Realizar mnt de 1º escalão do fuzil. - Supervisionar a manutenção de 1º escalão do fuzil. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 2. Fuzil - Metralhador. a. Apresentação b. Características: 1) Da arma; 2) Da munição. c. Nomenclatura: d. Tipos de munição: e. Acessórios e sobressalen- tes. f. Funcionamento g. Manutenção: 1) Conservação, limpeza e lubrificação. 2) Manutenção preventiva; 3) Limpeza antes e após o tiro. h. Incidentes de tiro. - Enumerar as características do Fz Mtr. - Identificar, pelo nome, cada parte da arma. - Enumerar as características da mu- nição. - Explicar as diferenças existentes entre os tipos de munição. - Empregar, corretamente, a nomen- clatura relativa ao Fz Mtr. - Identificar, pelo nome, as partes prin- cipais da arma. - Identificar, pelo nome, os acessóri- os e sobressalentes da arma. As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Com- bate Básico (TCB). TCB- FAL Empregar o FAL em situa- ções de combate. (Somente os militares do- tados de FAL previstos na IT 101-1 das IGTAEx) O militar dotado deverá obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TCB, fi- cando em condições de empre- gar, com destreza e seguran- ça, em situações de combate. Q-302 (TE) Será apresentado ao militar dota- do o Fuzil Metralhador existente na OM. Fuzil Metralhador - conhecer as caracterís- ticas, funcionamento, ma- nejo e medidas de segu- rança; - realizar a desmontagem e montagem de 1o Esc; - realizar a manutenção de 1o Esc; e - sanar incidentes de ti- ros. (Somente os militares dotados de Fz Mtr previs- tos na IT 104-1 das IGTAEx) O militar dotado deverá: -descrever as principais carac- terísticas, condições de empre- go, funcionamento do Fuzil Metralhador existente na OM; - realizar a desmontagem e mon- tagem de 1o Esc destes; - realizar a manutenção de 1o Esc; e - sanar incidentes de tiros. Q-303 (TE) Realizará a Instrução Preparatória para o Tiro descrita no C 23-1 (IPT) e no Nr 2 Módulos de Tiro, letra “b” da IT 104-1 Realizara no futuro o TIP IPT-Fz Mtr Aplicar as técnicas e pro- cedimentos de execução da pontaria e do tiro com o Fuzil Metralhador (Somente os militares dotados de Fz Mtr previs- tos na IT 104-1 das IGTAEx) O militar dotado deverá de- monstrar o desempenho exigi- do no Teste da Instrução Prepa- ratória (TIP) previsto no C 23-1 e no Tiro com Fuzil .22 ou o FAC. Q-304 (TE)
  20. 20. 21.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Com- bate Básico (TCB). TCB- Fz Mtr Empregar o Fuzil Metralhador em situa- ções de combate. (Somente os militares dotados de Fz Mtr previs- tos na IT 104-1 das IGTAEx) O militar dotado deverá obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TCB, ficando em condições de empregar, com destreza e segurança, em situ- ações de combate. Q-307 (TE) As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Instrução Avançados (TIA). TIA- Fz Mtr Atirar com o Fuzil Metralhador realizando os tiros de instrução bási- cos. (Somente os militares dotados de Fz Mtr previs- tos na IT 104-1 das IGTAEx) O militar dotado deverá obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TIA, ficando em condições de empregar, com destreza e segurança, na defe- sa de instalações e como inte- grante de fração na Garantia da Lei e da Ordem. Q-306 (AC) As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Instrução Básico (TIB). TIB- Fz Mtr Atirar com o Fuzil Metralhador realizando os tiros de instrução bási- cos. (Somente os militares dotados de Fz Mtr previs- tos na IT 104-1 das IGTAEx) Q-305 (TE) O militar dotado deverá aplicar as técnicas e procedimentos para a execução da pontaria e do tiro, e obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TIB, ficando em condições de empregar, com destreza e segurança, como in- tegrante de fração na Garantia da Lei e da Ordem. - Explicar a finalidade dos acessóri- os. - Explicar o funcionamento da arma. - Iniciar, com segurança, precisão e evitando-se o desperdício, os tiros programados. - Familiarizar-se com o desempenho da arma. - Demonstrar aptidão p/ o cumprimen- to das tarefas constantes dos OII. i. Precauções para evitar aci- dentes no carregamento e no dis- paro da arma. j. Tiro: 1) Instrução Preparatória 2) Tiro de Instrução 3) Tiro de Combate 1. ARMAMENTO, MUNIÇÃO E TIRO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 16h
  21. 21. 22.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 1. ARMAMENTO, MUNIÇÃO E TIRO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 16 h O militar dotado deverá de- monstrar o desempenho exigi- do no Teste da Instrução Prepa- ratória (TIP) . Realizará a Instrução Preparatória para o Tiro descrita no C 23-1 (IPT) e no Nr 2 Módulos de Tiro, letra “a” da IT 301-1 (302-1) (303-1) Realizar o TIP Q-309 (AC) IPT- Armas Anticarro Aplicar as técnicas e pro- cedimentos de execução da pontaria e do tiro com Armas Anticarro. (Somente os militares dotados de Fz Mtr previs- tos na IT 301-1 (302-1) (303-1) das IGTAEx) As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Instrução Básico (TIB). TIA- Armas Anticarro Atirar com Armas Anticarro realizando os tiros de instrução avançados. (Somente os militares do- tados de Fz Mtr previstos na IT 301-1 (302-1) (303-1) das IGTAEx) O militar dotado deverá obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TIB, fi- cando em condições de atirar, com destreza e segurança. Q-311 (TE) 3. Arma anticarro a. Apresentação b. Características: 1) Da arma; 2) Da munição. c. Nomenclatura: d. Tipos de munição: e. Acessórios e sobressalen- tes. f. Funcionamento g. Manutenção: 1) Conservação, limpeza e lubrificação. 2) Manutenção preventiva; 3) Limpeza antes e após o tiro. h. Incidentes de tiro. i. Precauções para evitar aci- dentes no carregamento e no disparo da arma. j. Tiro: 1) Instrução preparatória 2) Tiro de instrução 3) Tiro de combate - Enumerar as características da arma anticarro. - Identificar, pelo nome, cada parte da arma. - Enumerar as características da mu- nição. - Explicar as diferenças existentes entre os tipos de munição. - Descrever os cuidados a serem ob- servados com o manuseio dos diver- sos tipos de munição. - Empregar, corretamente, a nomen- clatura relativa à arma anticarro. - Identificar, pelo nome, as partes prin- cipais da arma. - Identificar, pelo nome, os acessóri- os e sobressalentes da arma. - Explicar a finalidade dos acessóri- os e sobressalentes da arma. - Explicar o funcionamento da arma anticarro. - Iniciar, com segurança, precisão e evitando-se o desperdício, os tiros programados. - Familiarizar-se com o desempenho da arma. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. O militar dotado deverá: - descrever as principais caracte- rísticas, condições de emprego, funcionamento das Armas Anticarro existentes na OM; - realizar a desmontagem e mon- tagem de 1o Esc. - realizar a manutenção de 1o Esc; e - sanar incidentes de tiros. Serão apresentadas ao militar do- tado as Armas Anticarro existen- tes na OM. Q-308 (HT) Armas Anticarro - conhecer as característi- cas, funcionamento, mane- jo e medidas de segurança; - realizar a desmontagem e montagem de 1o Esc; - realizar a Mnt de 1o Esc; e - sanar incidentes de tiros. (Somente os Mil dotados de Armas Anticarro previstas na IT 300-1 das IGTAEx) Q-312 (TE) O militar dotado deverá obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TCB, fi- cando em condições de empre- gar, com destreza e segurança, em situações de combate. As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Com- bate Básico (TCB). TCB- Armas Anticarro Empregar Armas Anticarro em situações de combate. (Somente os militares dotados de Fz Mtr pre- vistos na IT 301-1 (302-1) (303-1) das IGTAEx) As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Instrução Avançados (TIA). O militar dotado deverá obter os índices de suficiência em to- dos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TIA, fican- do em condições de empregar, com precisão, destreza e segu- rança, na defesa de instalações. TIB- Armas Anticarro Atirar com Armas Anticarro realizando os tiros de instrução básicos. (Somente os Mi l dotados de Fz Mtr previstos na IT 301-1 (302-1) (303-1) das IGTAEx) Q-310 (TE)
  22. 22. 23.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 1. ARMAMENTO, MUNIÇÃO E TIRO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 16 h Q-313 (AC) O militar dotado deverá: -descrever as principais caracte- rísticas, condições de emprego, funcionamento das Metralhadoras de Mão existentes na OM; - realizar a desmontagem e mon- tagem de 1o Esc destes. - realizar a manutenção de 1o Esc; e - Sanar incidentes de tiros. Serão apresentadas ao militar dotado as Metralhadoras de Mão existentes na OM. Metralhadora de Mão - conhecer as característi- cas, funcionamento, mane- jo e medidas de segurança; - realizar a desmontagem e montagem de 1o Esc; - realizar a manutenção de 1o Esc; e - sanar incidentes de tiros. (Somente os militares dota- dos de Mtr Mão previstos na IT 103-1 das IGTAEx) Q –314 (AC) O militar datado deverá realizar a Instrução Preparatória para o Tiro (IPT) e o TIP Realizará a Instrução Preparatória para o Tiro (IPT). Realizará o TIP IPT- Mtr Mão Aplicar as técnicas e pro- cedimentos de execução da pontaria e do tiro com a Metralhadora de Mão. (Somente os militares dotados de Mtr Mão pre- vistos na IT 103-1 das IGTAEx) Q –315 (TE) O militar dotado deverá aplicar as técnicas e procedimentos para a execução da pontaria e do tiro, e obter os índices de sufi- ciência em todos os Exc Tir pre- vistos nos Módulos Didáticos dos TIB, ficando em condições de empregar, com destreza e segurança. As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Instrução Básico (TIB). TIB- Mtr Mão Atirar com a Metralhadora de Mão realizando os tiros de instrução básicos. (Somente os militares do- tados de Mtr Mão previs- tos na IT 103-1 das IGTAEx) Q –316 (TE) O militar dotado deverá obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TIA, ficando em condições de empregar, com destreza e segurança, na defe- sa de instalações. As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Instrução Avançados (TIA). TIA- Mtr Mão Atirar com a Metralhadora de Mão realizando os tiros de instrução avançados. (Somente os militares do- tados de Mtr Mão previs- tos na IT 103-1 das IGTAEx) Q –317 (TE) O militar dotado deverá obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TCB, ficando em condições de empregar, com destreza e segurança, em situ- ações de combate. As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Com- bate Básico (TCB). TCB- Mtr Mão Empregar a Metralhadora de Mão em situações de combate. (Somente os militares do- tados de Mtr Mão previs- tos na IT 103-1 das IGTAEx) 4. Metralhadoras de mão exis- tentes na OM: a. Apresentação e caracterís- ticas principais. b. Nomenclatura das partes principais. c. Acessórios e sobressalen- tes. d. Desmontagem e montagem de 1º escalão. e. Funcionamento. f. Manejo. g. Incidentes de tiro e ações imediatas. h. Munição: 1) Identificação e classifica- ção; 2) Cuidados. i. Cuidados com a arma e pre- caução para evitar acidente. j. Segurança no estande. k. Tiro: 1) Instrução preparatória; 2) Tiro de instrução; 3) Tiro de combate. - Enumerar as características princi- pais das metralhadoras de mão. - Identificar, pelo nome, as suas par- tes principais. - Explicar a finalidade de cada parte. - Identificar acessórios e sobressa- lentes, explicando sua finalidade. - Descrever as operações de des- montagem e montagem 1º escalão. - Descrever o funcionamento. - Descrever cada etapa para o mane- jo da arma. - Executar as operações necessári- as à desmontagem e montagem da arma. - Enumerar os incidentes de tiro, ex- plicando as suas causas. - Descrever as ações imediatas para remover os incidentes de tiro. - Identificar e classificar a munição apropriada à arma em estudo. - Identificar os cuidados a serem to- mados com a arma e a munição. - Descrever as medidas de precau- ção contra acidentes, avaliando a sua importância. - Descrever as principais medidas de segurança a serem observadas no estande. - Descrever as etapas necessárias ao tiro. - Tomar as diversas posições de tiro. - Manejar a arma. - Controlar o gatilho - Executar, com segurança, eficiên- cia e evitando-se o desperdício, os tiros programados. - Familiarizar-se com o desempenho da arma. - Regular o TIP - Realizar o TIB (os militares dotados e os não dotados das OM de PE). - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII.
  23. 23. 24.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 5. Apresentação das metralha- doras leves existentes na OM: a. Apresentação e caracterís- ticas principais. b. Nomenclatura das partes principais. c. Incidentes de tiro e ações imediatas a realizar. d. Desmontagem e montagem. e. Funcionamento f. Manutenção 1) Conservação, limpeza e lubrificação; 2) Cuidados com a arma. g. Precauções para evitar aci- dentes. h. Munição: 1) Identificação e classifica- ção; 2) Cuidados com a munição; 3) Características e empre- go da munição. i. Reparos. - Estudo e utilização. j. Tiro: 1) Instrução preparatória; 2) Tiros de instrução; 3) Tiros de combate. - Enumerar as características prin- cipais das metralhadoras. - Diferenciar os tipos de arma. - Identificar, pelo nome, as partes principais da arma em estudo. - Enumerar os incidentes de tiro,explicando as suas causas. - Descrever as ações imediatas e remover os incidentes de tiro. - Identificar as medidas de precau- ção contra acidentes. - Identificar e classificar a munição apropriada à arma em estudo. - Identificar os cuidados a serem to- mados com a arma e a munição. - Caracterizar e descrever o empre- go da munição. - Citar as partes principais do repa- ro. - Descrever as operações neces- sárias e adaptar a arma sobre o reparo. - Descrever as operações e execu- tar a desmontagem e montagem da arma. - Descrever o funcionamento da arma. - Descrever a importância da manu- tenção da arma. - Selecionar os materiais e executar as operações necessárias à con- servação, limpeza e lubrificação da arma. - Identificar os cuidados a serem to- mados com a arma, descrevendo as etapas necessárias ao tiro. - Tomar as diversas posições de tiro. - Descrever as normas de seguran- ça necessárias e manejar a arma. - Familiarizar-se com o desempenho da arma durante o tiro. - Realizar o exercício de tiro com se- gurança e eficiência. - Demonstrar aptidão para o cum- primento das tarefas constantes dos OII. Q –318 (AC) O militar dotado deverá: -descrever as principais caracte- rísticas, condições de emprego, funcionamento das Metralhado- ras de Mão existentes na OM; - realizar a desmontagem e mon- tagem de 1o Esc destes. - realizar a manutenção de 1o Esc; e - Sanar incidentes de tiros. Serão apresentadas ao militar dotado as Metralhadoras Leve existentes na OM. Metralhadora Leve - conhecer as característi- cas, funcionamento, mane- jo e medidas de segurança; - realizar a desmontagem e montagem de 1o Esc; - realizar a Mnt de 1o Esc; e - sanar incidentes de tiros. (Somente os militares dota- dos de Mtr L previstos na IT 105-1 das IGTAEx Q –319 (AC) O militar dotado deverá de- monstrar o desempenho exigi- do no Teste da Instrução Prepa- ratória (TIP). Realizará a Instrução Preparatória para o Tiro descrita no C 23-1 (IPT) e no Nr 2 Módulos de Tiro, letra “b” da IT 105-1 Realizar o TIP IPT- Mtr L Aplicar as técnicas e pro- cedimentos de execução da pontaria e do tiro com a Metralhadora Leve. (Somente os militares do- tados de Mtr L previstos na IT 105-1 das IGTAEx) Q –320 (TE) O militar dotado deverá aplicar as técnicas e procedimentos para a execução da pontaria e do tiro, e obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TIB, fican- do em condições de executar o tiro contínuo e empregar a arma com destreza e segurança. As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Instrução Básico (TIB). TIB- Mtr L Atirar com a Metralhadora Leve realizando os tiros de instrução básicos. (Somente os militares do- tados de Mtr L previstos na IT 105-1 das IGTAEx) Q –321 (TE) O militar dotado deverá atirar com precisão e presteza; e ob- ter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TIA, fican- do em condições de empregar, com destreza e segurança, na defesa de instalações. As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Instrução Avançados (TIA). TIA- Mtr L Atirar com a Metralhadora Leve realizando os tiros de instrução avançados. (Somente os militares do- tados de Mtr L previstos na IT 105-1 das IGTAEx) Q –322 (TE) O militar dotado deverá obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TCB, ficando em condições de empregar, com destreza e segurança, em situ- ações de combate. As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Com- bate Básico (TCB). TCB- Mtr L Empregar a Metralhadora Leve em situações de combate. (Somente os militares do- tados de Mtr L previstos na IT 105-1 das IGTAEx) 1. ARMAMENTO, MUNIÇÃO E TIRO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 16 h
  24. 24. 25.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 6. Apresentação das metralha- doras pesadas existentes na OM: a. Apresentação e caracterís- ticas principais. b. Nomenclatura das partes principais. c. Incidentes de tiro e ações imediatas a realizar. d. Desmontagem e montagem. e. Funci onamento f. Manutenção 1) Conservação, limpeza e lubrificação; 2) Cuidados com a arma. g. Precauções para evitar aci- dentes. h. Munição: 1) Identificação e classifica- ção; 2) Cuidados com a munição; 3) Características e empre- go da munição. i. Reparos. - Estudo e utilização. j. Tiro: 1) Instrução preparatória; 2) Tiros de instrução; 3) Tiros de combate. - Enumerar as características prin- cipais das metralhadoras. - Diferenciar os tipos de arma. - Identificar, pelo nome, as partes principais da arma em estudo. - Enumerar os incidentes de tiro,explicando as suas causas. - Descrever as ações imediatas e remover os incidentes de tiro. - Identificar as medidas de precau- ção contra acidentes. - Identificar e classificar a munição apropriada à arma em estudo. - Identificar os cuidados a serem to- mados com a arma e a munição. - Caracterizar e descrever o empre- go da munição. - Citar as partes principais do repa- ro. - Descrever as operações neces- sárias e adaptar a arma sobre o reparo. - Descrever as operações e execu- tar a desmontagem e montagem da arma. - Descrever o funcionamento da arma. - Descrever a importância da manu- tenção da arma. - Selecionar os materiais e executar as operações necessárias à con- servação, limpeza e lubrificação da arma. - Identificar os cuidados a serem to- mados com a arma, descrevendo as etapas necessárias ao tiro. - Tomar as diversas posições de tiro. - Descrever as normas de seguran- ça necessárias e manejar a arma. - Familiarizar-se com o desempenho da arma durante o tiro. - Realizar o exercício de tiro com se- gurança e eficiência. - Demonstrar aptidão para o cum- primento das tarefas constantes dos OII. Q--323 (AC) O militar dotado deverá: -descrever as principais caracte- rísticas, condições de emprego, funcionamento das Metralhado- ras Pesada existentes na OM; - realizar a desmontagem e mon- tagem de 1o Esc destes. - realizar a manutenção de 1o Esc; e - Sanar incidentes de tiros. Serão apresentadas ao militar dotado as Metralhadoras Pesada existentes na OM. Metralhadora Pesada - conhecer as característi- cas, funcionamento, mane- jo e medidas de segurança; - realizar a desmontagem e montagem de 1o Esc; - realizar a Mnt de 1o Esc; e - sanar incidentes de tiros. (Somente os militares do- tados de Mtr P previstos na IT 106-1 das IGTAEx) Q-324 (AC) O militar dotado deverá de- monstrar o desempenho exigi- do no Teste da Instrução Prepa- ratória (TIP). Realizará a Instrução Preparatória para o Tiro descrita no C 23-1 (IPT) e C23-65. Realizará o TIP IPT- Mtr P Aplicar as técnicas e pro- cedimentos de execução da pontaria e do tiro com a Metralhadora Pesada. (Somente os militares do- tados de Mtr P previstos na IT 106-1 das IGTAEx) Q-325 (TE) O militar dotado deverá aplicar as técnicas e procedimentos para a execução da pontaria e do tiro, e obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TIB, fican- do em condições de empregar a arma com destreza e segurança. As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Instrução Básico (TIB). TIB- Mtr P Atirar com a Metralhadora Pesada realizando os tiros de instrução básicos. (Somente os militares do- tados de Mtr P previstos na IT 106-1 das IGTAEx) Q-326 (TE) O militar dotado deverá atirar com precisão e presteza; e obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TIA, ficando em condições de empregar, com destreza e segurança, na defesa aproximada de instalações. As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Instrução Avançados (TIA). TIA- Mtr P Atirar com a Metralhadora Pesada realizando os tiros de instrução avançados. (Somente os militares do- tados de Mtr P previstos na IT 106-1 das IGTAEx) Q-327 (TE) O militar dotado deverá obter os índices de suficiência em todos os Exc Tir previstos nos Módulos Didáticos dos TCB, ficando em condições de empregar, com destreza e segurança, na defe- sa de instalações e de comboio. As condições dos Exc Tir do Módulo Didático do Tiro de Com- bate Básico (TCB). TCB-Mtr P Empregar a Metralhadora Pesada em situações de combate. (Somente os militares do- tados de Mtr P previstos na IT 106-1 das IGTAEx) 1. ARMAMENTO, MUNIÇÃO E TIRO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 16 h
  25. 25. 26.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Serão dados uma posição, um ar- mamento orgânico da OM e o material necessário à camufla- gem. Camuflar uma posição, mascarando, simulando ou dissimulando. Os militares, na realização da ta- refa, deverão observar os se- guintes aspectos: - a camuflagem realizada deve- rá dificultar a identificação da po- sição, para uma observação fei- ta a olho nu, de cerca de 400 metros; e - o material de camuflagem de- verá ser empregado adequada- mente; - a camuflagem realizada deve- rá confundir-se com a paisagem local; e - as regras de camuflagem de- verão ser obedecidas. Q-301 (TA) 1. Camuflagem: a. Definição. b. Processos. c. Princípios d. Disciplina de camuflagem. e. Regras de manutenção da camuflagem. 2. Material empregado: a. Tipos. b. Características de utilização. 3. Regras gerais de camuflagem. 4. Importâncias da camuflagem como meio para escapar à obser- vação aérea e terrestre do inimigo. 5.Importância dacamuflagem com relação às cores e à fumaça: a. Uso adequado em pessoal, viaturas e equipamento. b. Cores típicas da camuflagem. 6. Processos de camuflagem: a. Mascaramento. b. Simulação. c. Dissimulação. 7. Dissimulação e mascaramento das posições do armamento or- gânico da OM (obuseiro, mortei- ro, arma AC e /ou metralhadora). a. Com meios naturais. b. Com meios artificiais. c. Emprego de redes. 8. Dissimulação e mascaramen- to de : a. Acampamento. b. Bivaque. c. Acantonamento. - Citar os processos de camuflagem. - Citar os princípios de camuflagem. - Descrever os aspectos a serem ob- servados na disciplina de camuflagem. - Citar as regras de manutenção da camuflagem. - Citar os tipos de materiais empre- gados na camuflagem. - Citar as regras gerais de camuflagem. - Citar a importância da camuflagem como meio para escapar à observa- ção aérea e terrestre do inimigo. - Citar a importância da camuflagem com relação às cores e à fumaça. - Relacionar as cores adequadas ao pessoal , às viaturas e ao equipa- mento com o tipo de terreno e vege- tação. - Distinguir mascaramento, simulação e dissimulação. - Descrever os principais procedi- mentos a serem observados duran- te a dissimulação e o mascaramento das posições do armamento orgâni- co da OM. - Utilizar a rede de camuflagem de acordo com o armamento. - Descrever os principais procedi- mentos a serem observados duran- te a dissimulação e o mascaramento dos acampamentos, bivaques e acantonamentos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 2. CAMUFLAGEM TEMPO ESTIMADO DIURNO: 4 h
  26. 26. 27.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 2. CAMUFLAGEM TEMPO ESTIMADO DIURNO: 4 h 14. Camuflagem de instalações: PO, PC, PS, PRem, CTir, CTel, P Sup, etc. - Descrever os principais procedi- mentos para a camuflagem das ins- talações. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. O militar, na realização da tare- fa, deverá: - escolher, no terreno, o local que ofereça melhores condi- ções de abrigo e coberta; - camuflar a instalação de modo que dificulte a observação aé- rea e terrestre. - o material de camuflagem de- verá ser empregado adequa- damente; e - a camuflagem deverá confun- dir-se com a paisagem do lo- cal; - as regras de camuflagem de- verão ser obedecidas. Apresentar-se-a uma região do terreno e o tipo de instalação a ser camuflada. São dados ao militar: - uma rede de camuflagem; - Material de sapa; e Será formada uma equipe de 3 homens, para a realização da ta- refa. Q-303 (TA) Camuflar uma instalação. - Descrever os processos de exe- cução da camuflagem nos estacio- namentos. - Descrever os principais procedi- mentos para a dissimulação e mas- caramento dos órgãos de uma SU. - Descrever os principais procedi- mentos para a camuflagem de viatu- ras e do material. - Enumerar os cuidados a serem ob- servados para evitar a modificação do aspecto natural do terreno. - Descrever os procedimentos para aproveitar as cobertas e abrigos na- turais. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 9. Processos de execução da camuflagem nos estacionamen- tos. 10. Dissimulação e mascara- mento dos órgãos de uma SU: a. Com meios naturais. b. Com meios artificiais. c. Emprego de redes. 11. Camuflagem de viaturas e do material. 12. Cuidados a observar para evitar a modificação do aspecto natural do terreno. 13. Aproveitamento de cobertas e abrigos naturais para disfar- çar as instalações, o material e as viaturas. Os militares, na realização da ta- refa, deverão observar os se- guintes aspectos: - a camuflagem realizada deve- rá dificultar a identificação ter- restre e aérea; - o material de camuflagem de- verá ser empregado adequa- damente; - a camuflagem deverá confun- dir-se com a paisagem local; e - as regras de camuflagem de- verão ser obedecidas. Serão dados ao militar uma viatu- ra, a região onde a tarefa deverá ser realizada e módulos de re- des de camuflagem para viaturas. Será formada uma equipe de 3 homens, para a realização da ta- refa. Q-302 (TA) Camuflar uma viatura.
  27. 27. 28.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 3. LUTAS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h As condições são as previstas no C 20-50 e no PIM. Todas as atividades deverão ser precedidas de demonstração e realizadas de forma gradual. A duração das sessões e a freqüência semanal deverão ser de acordo com o previsto no PIM. - O instrutor deverá relacionar o OII com os atributos: coragem e disciplina. Desenvolver, manter ou recuperar a capacidade de executar os movimentos em uma sessão de lutas. O miitar deverá realizar corretamente os movimentos descritos no C 20-50. Q-301 (CF) 1. A Sessão de Lutas. a. Aquecimento. b. Trabalho principal: - bases, deslocamentos e voltas; - formas de ataque e golpes traumáticos; - quedas e rolamentos; - projeções; - estrangulamento, forçamento de articulações e domínio; - técnicas de defesa; - técnicas especiais; e - técnicas de combate. c. Volta à calma. De acordo com o C 20-50 e PIM.
  28. 28. 29.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 4. MARCHAS E ESTACIONAMENTOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 4h NOTURNO: 5h 1. Marcha diurna/noturna, a pé, de 24 km Realizar uma marcha diurna/notur- na, a pé, de 24 km. O militar deverá terminar a mar- cha dentro do dispositivo ado- tado, com todo o seu material, ocupar uma base de combate de SU e ficar em condição de cumprir missão. Em um trecho de 24 km, dentro das seguintes condições particu- lares: - metade do deslocamento será noturno; - 2 km do deslocamento noturno será realizado em trilha ou atra- vés do campo; - duas etapas de 6 km serão per- corridas, uma de cada vez, sem que seja comandado alto; - serão feitos 2 lanços de 0,4 km cada um, em acelerado; - durante a fase diurna da mar- cha, deverá ser realizado um exercício de defesa antiaérea que exija do militar o emprego da seu armamento individual; - o uniforme será o 4° A1, com- pletamente equipado e o militar deverá portar o material regula- mentar necessário à vida em campanha; - haverá interferência da figura- ção inimiga terrestre, durante o deslocamento. - a marcha deverá ser realizada por SU. Ao seu término, e SU deverá ocupar uma Base de Combate; - este OII deverá ser alcançado no 21ª SI. Q-301 (OP) Realizar a 4ª marcha a pé (todas as OM, menos as de Selva ).
  29. 29. 30.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 4. MARCHAS E ESTACIONAMENTOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 4h NOTURNO: 5h 2. Marcha diurna/noturna, a pé, de 8 horas. Realizar uma marcha diurna/notur- na, a pé, de 8 horas. Durante 8 horas, dentro das se- guintes condições particulares: - 20% do deslocamento será no- turno; - o percurso da marcha deverá ser através da selva; - o uniforme será o 4ºA1 com equi- pamento completo, peculiar ao cargo ocupado e o militar deverá portar o material regulamentar necessário à vida em campanha; - haverá interferência de figura- ção inimiga terrestre, durante o deslocamento. - a marcha deverá ser realizada por SU. Ao seu término, e SU deverá ocupar uma Base de Combate; - este OII deverá ser alcançado no 21ª SI. Q-302 (OP) Realizar a 4ª marcha a pé (somente as OM de Sel- va). O militar deverá terminar a mar- cha dentro do dispositivo ado- tado, com todo o seu material, ocupar uma base de combate de SU e ficar em condição de cumprir missão.
  30. 30. 31.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 4. MARCHAS E ESTACIONAMENTOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 4 h NOTURNO: 5 h 3. Marchas motorizadas: a. Definições: 1) Balizador; 2)Balizamento; 3) Comboio; 4) Guarda; 5) Guia; 6) Ponto de controle; 7) Ponto de liberação; 8) Ponto inicial; 9) Ponto regulador; 10) Trabalho de sapa. b. Destacamento precursor: 1) Missão; 2) Constituição geral. c. Conduta dos ocupantes da viatura, durante a marcha. d. Conduta dos ocupantes da viatura, durante os altos. e. Conduta dos ocupantes da viatura, em caso de acidente. f. Segurança durante as mar- chas: 1) Emprego de vigias; 2) Procedimento dos ocu- pantes da viatura, em caso de ataque aéreo. 3) Procedimento dos ocu- pantes da viatura, em caso de ataque de blindados. 4) Procedimento dos ocu- pantes da viatura, em caso de emboscada. g. Deveres e responsabilida- des do chefe de viatura. - Distinguir balizador de balizamen- to. - Distinguir guarda de guia. - Definir comboio. - Durante a marcha deverá ser rea- lizado um exercício de defesa antia- érea que exija do militar o emprego da sua arma individual; - Haverá interferência da figuração inimiga terrestre, durante o desloca- mento. - Distinguir ponto de controle de ponto regulador. - Distinguir ponto de liberação de ponto inicial. - Descrever a missão e a constitui- ção do destacamento precursor. - Descrever a conduta dos ocupan- tes da viatura, durante os altos. - Descrever a conduta dos ocupan- tes da viatura em caso de acidente. - Descrever a missão dos vigias, du- rante as marchas motorizadas. - Descrever o procedimento dos ocu- pantes da viatura, em caso de ata- que aéreo. - Descrever o procedimento dos ocu- pantes da viatura, em caso de ata- que de blindados. - Descrever o procedimento dos ocu- pantes da viatura, em caso de em- boscada. - Citar os deveres e responsabilida- des do chefe de viatura. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. O militar deverá identificar as diversas missões nas marchas motorizadas. Realizará a marcha motorizada (deverão ser aproveitados os deslocamentos motorizados aos campos de instrução). O uniforme será o 4° A1, comple- tamente equipado e o militar de- verá portar o material regulamen- tar necessário à vida em campa- nha. Q-303 (OP) Participar de marchas motorizadas.
  31. 31. 32.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 5. ORDEM UNIDA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 8 h Participar da 4ª Demostração de Ordem Unida. Durante a execução da tarefa, os militares deverão demons- trar: - correção e energia na execu- ção dos movimentos; - atenção para os toques; - precisão nos movimentos; - porte militar. Q-302 (OU) Dentro de um dispositivo emas- sado, de valor SU, de acordo com as seguintes condições particu- lares: - a duração será de 15 minutos; - os oficiais subalternos e os gra- duados integrarão o dispositivo; - os comandos serão por corneta ou clarim, mediante ordem do Cmt da SU considerada, que obe- decerá a um roteiro previamente preparado pelo S/3 da OM; e - o uniforme será o 4°A1, armado. Durante a execução da tarefa, o militar deverá demonstrar: - correção e energia na execu- ção dos movimentos; - atenção para os toques; - precisão nos movimentos; - porte militar. Dentro de um dispositivo de va- lor fração de SU, de acordo com as seguintes condições particu- lares: - a duração será de 15 minutos; - os comandos serão por corneta ou clarim, mediante ordem do Cmt da fração considerada, que obe- decerá a um roteiro previamente preparado pelo S/3 da OM; e - o uniforme será o 4ºA1, armado. Q-301 (OU) Participar da 3ª Demostra- ção de Ordem Unida. - Executar movimentos com arma, a pé firme e em movimento. - Executar os movimentos no con- junto da fração/SU, mediante coman- dos a corneta/clarim. - Participar de desfile. 1. Ordem Unida com arma: - A pé firme - Em movimento - Movimentos com arma - Desfile
  32. 32. 33.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 6. TÉCNICAS ESPECIAIS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h Q-301 ( TE ) ( FC ) Executar a Pista de Combate de GC na Defesa Externa (Pista Modelo COTER). A pista deverá executada segundo o previsto no Caderno de Instrução CI 21-76/2 (Pista de Combate de GC na Defesa Externa). Precedendo a execução da pista, os assuntos a serem avaliados em cada oficina deverão ser ensinados e/ou revistos em sessões de instrução específicas, sem prejuízo do tempo necessário à execução da pista. A pista deverá ser executada tantas vezes quanto possível, buscando-se a correção das deficiências individuais e coletivas. As esquadras deverão ser comandados por alunos do CFC e por cabos do EP. Os GC deverão ser comandados por alunos do CFST e por sargentos do EP. Deverá ser realizada a avaliação individual e coletiva dos executantes, incluindo os graduados e/ou alunos de curso de formação de graduados. Os avaliadores serão os oficiais e sargentos da OM. O uniforme será o 4º A1, com capacete, e o armamento será o de dotação do GC. Os executantes deverão estar equipados com o fardo aberto e o fardo de combate (mochila com, no mínimo, 10 Kg). O militar deverá percorrer a pista, desencadeando as ações e adotando os procedimentos corretos em cada oficina, obedecendo aos comandos emitidos pelos comandantes de esquadra e de GC, dentro do menor tempo possível. - Executar as técnicas de entrada tática e proceder corretamente com o material e pessoal inimigo capturado. - Progredir no terreno, utilizando as diversas técnicas de progressão e de transposição de pontos críticos. - Aplicar corretamente as técnicas de transposição de obstáculos, com rapidez e segurança. - Aplicar os golpes adequados no combate à baioneta. - Cumprir uma missão de emboscada, integrando um GC. - Empregar corretamente as Técnicas de Ação Imediata (TAI) preconizadas para reagir a uma emboscada. - Participar da captura de uma instalação inimiga guarnecida, integrando um GC. - Integrando um GC, manobrar corretamente para neutralizar uma posição de Mtr inimiga. - Executar o tiro de ação reflexa. - Prestar os primeiros socorros a um ferido amigo, evacuando-o posteriormente a um lugar determinado. 1. Entrada tática 2. Transposição de pontos críticos 3. Transposição de obstáculos horizontais e verticais com auxílio de cordas. 4. Combate à baioneta. 5. Emboscada. 6. Contra-emboscada. 7. Ataque a uma instalação inimiga. 8. Ataque a uma posição de metralhadora inimiga. 9. Pista de ação reflexa. 10. Primeiros socorros e transporte de feridos.
  33. 33. 34.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 7. TREINAMENTO FÍSICO MILITAR TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h Q-302 (CF) Executar o segundo Teste de Avaliação Física. Este teste deve ser realizado de acordo com as condições especificadas no C 20-20 e as constantes da Diretriz para o Treinamento Físico Militar e sua Avaliação. Deverá ser realizado na 20ª SI. - O instrutor deverá relacionar o OII com os atributos: responsabilidade; entusiasmo profissional; e autoconfiança. De acordo com a Diretriz para o Treinamento Físico Militar e sua Avaliação (PBD). - Realizar o 2º TAF. - 2º TAF Q-301 (CF) Executar o Treinamento Físico Militar. As condições são as previstas no C 20-20 e no PIM. Todas as atividades deverão ser precedidas de demonstração e realizadas de forma gradual. As sessões iniciais deverão ser realizadas no âmbito pelotão/ seção. A duração das sessões e a freqüência semanal deverão ser de acordo com o previsto no PIM. - O instrutor deverá relacionar o OII com os atributos: persistência e entusiasmo profissional. O militar deverá realizar, corretamente, os exercícios previstos para cada sessão. Deverá evidenciar melhora progressiva em seu nível de condicionamento físico, de acordo com o planejado pela Direção de Instrução da OM. Deverá atingir índices intermediários, estabelecidos pelo Oficial de Treinamento Físico da OM, relacionados aos exercícios avaliados no TAF (PAD). De acordo com o C 20-20 e PIM. 1. A Sessão de TFM. a. Aquecimento. b. Trabalho principal: - Corrida contínua em forma e livre; - Ginástica básica; - Treinamento em circuito; - Grandes jogos; - Natação; - Pista de Pentatlo Milita (PPM); - Ginástica com toros. c. Volta à calma. d. Controle fisiológico. 2. Preparação para o 2º Teste de Avaliação Física (PAD).
  34. 34. 35.00 (OII) OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO IDENTIFICAÇÃO E CONCEITUÇÃO DOS VALORES, DOS DEVERES E DOS PRECEITOS DE ÉTICA MILITARES 8. VALORES, DEVERES E ÉTICA MILITARES 1. Valores militares a. Patriotismo: traduzido pela vontade inabalável de cumprir o dever militar e pelo solene juramento de fidelidade à Pátria até com o sacrifício da própria vida; b. Civismo e culto das tradições históricas: traduzido pelo culto aos símbolos nacionais, aos valores e tradições históricas, à história da pátria (em especial a militar), aos heróis nacionais e aos chefes militares do passado; c. Fé na missão elevada das Forças Armadas: traduzido pelo amor ao Exército e pela fé na missão de defender a Pátria, garantir os poderes constitucionais, a lei e a ordem, cooperar com o desenvolvimento nacional e com a defesa civil e participar de operações internacionais. d. Espírito de corpo e orgulho pela organização militar onde serve: traduzido pelo orgulho sentido pelo militar pelo Exército Brasileiro, pela organização militar onde serve, pela sua profissão, pela arma ou especialidade que integra, e por seus companheiros de farda, resultando em um orgulho e uma vontade coletivas, ao quais refletem o grau de coesão da tropa; e. Amor à profissão das armas e o entusiasmo com que é exercida: traduzido pela exteriorização permanente de entusiasmo, motivação profissional, dedicação integral ao serviço, trabalho por prazer, irretocável apresentação individual, consciência profissional, espírito de sacrifício, gosto pelo trabalho bem-feito, prática consciente dos deveres e da ética militares, e satisfação do dever cumprido; e f. Aprimoramento técnico-profissional: traduzido pela iniciativa própria do militar em buscar seu continuado aprimoramento técnico-profissional, mediante a dedicação pessoal nos cursos, estágios e instruções, a condução de estudos e leituras diárias sobre assuntos diversos de interesse profissional, na manutenção da capacidade física e no empenho no exercício diário de sua função. 2. Deveres militares a. Dedicação e fidelidade à Pátria: traduzido pela dedicação integral ao serviço da pátria, defendendo sua honra, sua integridade e suas instituições, bem como pela priorização dos interesses da Pátria sobre os interesses pessoais ou de grupos sociais, e ainda, pela constante demonstração do orgulho de ser brasileiro e de fé no destino do País; b. Culto aos Símbolos Nacionais: traduzido, no tocante à Bandeira Nacional, pelas honras e sinais de respeito a ela prestados nas solenidades; na execução do tradicional cerimonial de Guarda-Bandeira; a sua posição de destaque nos desfiles; o seu hasteamento diário nas Organizações Militares e o modo de guardá-la quando não estiver em uso. No que diz respeito ao Hino Nacional é traduzido: pelas honras que lhe são prestadas nas solenidades militares; pelo seu canto, com grande entusiasmo e também pela postura que o militar adota quando ouve os seus acordes. Quanto ao Selo e às Armas nacionais, traduz-se por sua utilização correta em documentos e nas instalações militares, de acordo com as normas que regulam seu uso; - Não há previsão de carga-horária específica para a abordagem de tais assuntos em sessões formais de instrução. Devem ser aproveitadas todas as oportunidades nas quais os oficiais e os graduados estejam reunidos com os instruendos (sessões de instrução, formaturas, TFM, execução de serviços de escala, tempos à disposição) para abordagem dos assuntos. - Além dos assuntos listados nesta matéria, oficiais e graduados devem abordar, ainda os assuntos: combate às drogas; religião; hinos e canções militares; evolução do Exército Brasileiro; atuações recentes do Exército Brasileiro nos campos nacional e internacional; e outros assuntos julgados úteis, oportunos e necessários pela Direção de Instrução. - Os oficiais e graduados devem acompanhar e orientar o recruta em todas as situações. Devem agir de forma exemplar, evidenciando as atitudes que se busca desenvolver no militar. - O desenvolvimento dos presentes OII tem início na IIQ e deverá ser dada continuidade no decorrer do Ano de Instrução.
  35. 35. 36.00 (OII) OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO IDENTIFICAÇÃO E CONCEITUÇÃO DOS VALORES, DOS DEVERES E DOS PRECEITOS DE ÉTICA MILITARES 2. Deveres militares (continuação) a. Probidade e lealdade em todas as circunstâncias: traduzida a probidade como integridade de caráter, honradez, honestidade e senso de justiça, e traduzida a lealdade pela sinceridade, franqueza, culto à verdade e fidelidade aos compromissos. b. Disciplina e respeito à hierarquia: traduzida a disciplina como a rigorosa obediência às leis, aos regulamentos, normas e disposições; a correção de atitudes na vida pessoal e profissional; a pronta obediência às ordens dos superiores e ao fiel cumprimento do dever, e traduzida a hierarquia como a ordenação da autoridade em diferentes níveis, alicerçada no culto à lealdade, à confiança e ao respeito entre chefes e subordinados; na compreensão recíproca de seus direitos e deveres; e na liderança em todos os níveis. c. Rigoroso cumprimento das obrigações e das ordens: tendo como fundamentos a disciplina e a hierarquia, é traduzido pela constante observância ao juramento de cumprir rigorosamente as ordens das autoridades a que estiver subordinado, e ainda, ao estrito cumprimento das obrigações inerentes ao cargo desempenhado. d. Trato do subordinado com dignidade e com urbanidade: traduzido pelo trato do subordinado com bondade, dignidade, urbanidade, justiça e educação, sem comprometer a disciplina e a hierarquia. 3. Preceitos de ética militar a. Amar a verdade e a responsabilidade como fundamento de dignidade pessoal; b. Exercer, com autoridade, eficiência e probidade, as funções que lhe couberem em decorrência do cargo; c. Respeitar a dignidade da pessoa humana; d. Cumprir e fazer cumprir as leis, os regulamentos, as instruções e as ordens das autoridades competentes; e. Ser justo e imparcial no julgamento dos atos e na apreciação do mérito dos subordinados; f. Zelar pelo preparo próprio, moral, intelectual e físico e, também, pelo dos subordinados, tendo em vista o cumprimento da missão comum; g. Empregar todas as suas energias em benefício do serviço; h. Praticar a camaradagem e desenvolver, permanentemente, o espírito de cooperação; i. Ser discreto em suas atitudes, maneiras e em sua linguagem escrita e falada; j. Abster-se de tratar, fora do âmbito apropriado, de matéria sigilosa de qualquer natureza; k. Acatar as autoridades civis; - Não há previsão de carga-horária específica para a abordagem de tais assuntos em sessões formais de instrução. Devem ser aproveitadas todas as oportunidades nas quais os oficiais e os graduados estejam reunidos com os instruendos (sessões de instrução, formaturas, TFM, execução de serviços de escala, tempos à disposição) para abordagem dos assuntos. - Além dos assuntos listados nesta matéria, oficiais e graduados devem abordar, ainda os assuntos: combate às drogas; religião; hinos e canções militares; evolução do Exército Brasileiro; atuações recentes do Exército Brasileiro nos campos nacional e internacional; e outros assuntos julgados úteis, oportunos e necessários pela Direção de Instrução. - Os oficiais e graduados devem acompanhar e orientar o recruta em todas as situações. Devem agir de forma exemplar, evidenciando as atitudes que se busca desenvolver no militar. - O desenvolvimento dos presentes OII tem início na IIQ e deverá ser dada continuidade no decorrer do Ano de Instrução. 8. VALORES, DEVERES E ÉTICA MILITARES
  36. 36. 37.00 (OII) OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO IDENTIFICAÇÃO E CONCEITUÇÃO DOS VALORES, DOS DEVERES E DOS PRECEITOS DE ÉTICA MILITARES 3. Preceitos de ética militar (continuação) l. Cumprir seus deveres de cidadão; m. Proceder de maneira ilibada na vida pública e na particular; n. Observar as normas da boa educação; o. Garantir assistência moral e material ao seu lar e conduzir-se como chefe de família modelar; p. Conduzir-se, mesmo fora do serviço ou quando já na inatividade, de modo que não sejam prejudicados os princípios da disciplina, do respeito e do decoro militar; q. Abster-se de fazer uso do posto ou da graduação para obter facilidades pessoais de qualquer natureza ou para encaminhar negócios particulares ou de terceiros; r. Abster-se, na inatividade, do uso das designações hierárquicas em atividades político partidárias, em atividades comerciais, em atividades industriais, para discutir ou provocar discussões pela imprensa a respeito de assuntos políticos ou militares (excetuando-se os de natureza exclusivamente técnica, se devidamente autorizado) e no exercício de cargo ou função de natureza civil, mesmo que seja da Administração Pública; e s .Zelar pelo bom nome das Forças Armadas e de cada um de seus integrantes, obedecendo e fazendo obedecer aos preceitos da ética militar. - Não há previsão de carga-horária específica para a abordagem de tais assuntos em sessões formais de instrução. Devem ser aproveitadas todas as oportunidades nas quais os oficiais e os graduados estejam reunidos com os instruendos (sessões de instrução, formaturas, TFM, execução de serviços de escala, tempos à disposição) para abordagem dos assuntos. - Além dos assuntos listados nesta matéria, oficiais e graduados devem abordar, ainda os assuntos: combate às drogas; religião; hinos e canções militares; evolução do Exército Brasileiro; atuações recentes do Exército Brasileiro nos campos nacional e internacional; e outros assuntos julgados úteis, oportunos e necessários pela Direção de Instrução. - Os oficiais e graduados devem acompanhar e orientar o recruta em todas as situações. Devem agir de forma exemplar, evidenciando as atitudes que se busca desenvolver no militar. - O desenvolvimento dos presentes OII tem início na IIQ e deverá ser dada continuidade no decorrer do Ano de Instrução. 8. VALORES, DEVERES E ÉTICA MILITARES

×