1.00
SEM OBJETIVOS
BEM DEFINIDOS,
SOMENTE POR ACASO,
CHEGAREMOS A
ALGUM LUGAR
PPQ 08/2 PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO
QUALIF...
3.00
FASE DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL DE QUALIFICAÇÃO
(INSTRUÇÃO PECULIAR DE SAÚDE)
OBJETIVOSDAINSTRUÇÃOINDIVIDUALDEQUALIFICAÇ...
4.00
ÍNDICE
Página
I. INTRODUÇÃO ............................................................................................
5.00
Em razão do Sistema de Validação
(SIVALI - PP), que manterá este documento
permanentemente atualizado, o presente
exe...
6.00
I. INTRODUÇÃO
1. FINALIDADE
Este Programa-Padrão regula a Fase de Instrução Individual de
Qualificação - Instrução Pe...
7.00
3) As instruções comum e peculiar compreendem:
a) um conjunto de matérias;
b) um conjunto de assuntos integrantes de ...
8.00
Os Comandantes de Subunidades e Instrutores continuarão apre-
ciando o comportamento do militar em relação aos atribu...
9.00
que os instruendos têm de alcançar. Os meios auxiliares e os exercícios
de simulação devem dar uma visão bem próxima ...
10.00
b. Os OII estão numerados, dentro da seguinte orientação:
Exemplo:
3 Q – 305
- O numero 3 indica a matéria Comunicaç...
11.00
Você encontrará, nas páginas que se seguem, uma
proposta para a distribuição de tempo para o desenvolvimento
do Prog...
12.00
1. QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO
QMG QMP GRUPAMENTOS DE INSTRUÇÃO
A T I V I D A D E S
INSTRUÇÃO A
Disp Cmt
S...
13.00
2. QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO DO TEMPO DESTINADO À
INSTRUÇÃO PECULIAR POR GRUPAMENTO DE INSTRUÇÃO
QMG QMP GRUPAMENTOS DE...
15.0015.00
III. MATÉRIAS PECULIARES DAS QMP DE SAÚDE
A seguir são apresentadas, em
ordem alfabética, as matérias
peculiare...
16.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
17.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
18.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
19.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
20.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
21.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
22.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
23.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
24.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
25.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
26.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
27.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
28.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
29.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
30.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
31.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
32.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
33.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
34.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
35.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
36.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
37.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
38.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
39.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
40.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
41.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
42.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
43.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
44.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
45.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
46.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
47.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
48.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2

991 visualizações

Publicada em

PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
991
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
97
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2

  1. 1. 1.00 SEM OBJETIVOS BEM DEFINIDOS, SOMENTE POR ACASO, CHEGAREMOS A ALGUM LUGAR PPQ 08/2 PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE 3ª Edição - 2001
  2. 2. 3.00 FASE DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL DE QUALIFICAÇÃO (INSTRUÇÃO PECULIAR DE SAÚDE) OBJETIVOSDAINSTRUÇÃOINDIVIDUALDEQUALIFICAÇÃO (INSTRUÇÃOPECULIARDESAÚDE) CAPACITAR O SOLDADO PARA SER EMPREGADO NA DEFESA EXTERNA
  3. 3. 4.00 ÍNDICE Página I. INTRODUÇÃO ....................................................................................................................................................................................... 5.00 01. Finalidade ........................................................................................................................................................................................ 6.00 02. Objetivos da Fase ............................................................................................................................................................................. 6.00 03. Estrutura da Instrução ........................................................................................................................................................................ 6.00 04. Direção e Condução da Instrução ...................................................................................................................................................... 8.00 05. Tempo Estimado ............................................................................................................................................................................... 9.00 06. Validação do PPQ 08/2 .................................................................................................................................................................... 9.00 07. Estrutura do PPQ 08/2...................................................................................................................................................................... 9.00 08. Normas Complementares ............................................................................................................................................................... 10.00 II. PROPOSTA PARA A DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO................................................................................................................................ 11.00 01. Quadro Geral de Distribuição de Tempo .......................................................................................................................................... 12.00 02. Quadro de Distribuição do Tempo Destinado à Instrução Peculiar por Grupamento de Instrução ....................................................... 13.00 III. MATÉRIAS PECULIARES DAS QMP DE SAÚDE .............................................................................................................................. 15.00 01. MP 08 – Anatomia e Fisiologia ....................................................................................................................................................... 16.00 02. MP 09 – Enfermagem Médico-Cirúrgica.......................................................................................................................................... 18.00 03. MP 10 – Higiene Militar................................................................................................................................................................... 22.00 04. MP 11 – Manutenção do Material .................................................................................................................................................... 26.00 05. MP 12 – Primeiros-Socorros........................................................................................................................................................... 29.00 06. MP 13 – Segurança das Instalações Logísticas, Depósitos e Oficinas ............................................................................................ 34.00 07. MP 14 – Serviços em Campanha .................................................................................................................................................... 35.00 08. MP 15 – Suprimento Classe VIII ..................................................................................................................................................... 39.00 09. MP 16 – Trabalhos do Auxiliar de Saúde ......................................................................................................................................... 45.00 10. MP 17 – Transporte de Doentes e Feridos ...................................................................................................................................... 49.00
  4. 4. 5.00 Em razão do Sistema de Validação (SIVALI - PP), que manterá este documento permanentemente atualizado, o presente exemplar deverá ser distribuído com vinculação funcional e mantido sob controle da OM, responsável pela execução da instrução. As páginas que se seguem contêm uma série de informações, cuja leitura é considerada indispensável aos usuários do presente Programa-Padrão de Instrução. I. INTRODUÇÃO
  5. 5. 6.00 I. INTRODUÇÃO 1. FINALIDADE Este Programa-Padrão regula a Fase de Instrução Individual de Qualificação - Instrução Peculiar (FIIQ-IP) e define objetivos que permi- tam qualificar o Combatente, isto é, o Cabo e o Soldado de Saúde, aptos a ocupar cargos correspondentes às suas funções nas diversas Organizações Militares, passando-os à condição de Reservista de Pri- meira Categoria (Combatente Mobilizável). 2. OBJETIVOS DA FASE a. Objetivos Gerais 1) Qualificar o Combatente. 2) Formar o Cabo e o Soldado, habilitando-os a ocupar cargos previstos para uma determinada QMP de uma QMG na U/SU. 3) Formar o Reservista de Primeira Categoria (Combatente Mobilizável). 4) Prosseguir no desenvolvimento do valor moral dos Cabos e Soldados. 5) Prosseguir no estabelecimento de vínculos de liderança entre comandantes (em todos os níveis) e comandados. b. Objetivos Parciais 1) Completar a formação individual do Soldado e formar o Cabo. 2) Aprimorar a formação do caráter militar dos Cb e Sd. 3) Prosseguir na criação de hábitos adequados à vida militar. 4) Prosseguir na obtenção de padrões de procedimentos neces- sários à vida militar. 5) Continuar a aquisição de conhecimentos necessários à forma- ção do militar e ao desempenho de funções e cargos específicos das QMG/QMP. 6) Aprimorar os reflexos necessários à execução de técnicas e táticas individuais de combate. 7) Desenvolver habilitações técnicas que correspondem aos co- nhecimentos e as habilidades indispensáveis ao manuseio de materiais bélicos e a operações de equipamentos militares. 8) Aprimorar os padrões de Ordem Unida obtidos na IIB. 9) Prosseguir no desenvolvimento da capacidade física do com- batente. 10) Aprimorar reflexos na execução de Técnicas e Táticas Indivi- duais de Combate. c. Objetivo-síntese - Capacitar o soldado para ser empregado na Defesa Externa. 3. ESTRUTURA DA INSTRUÇÃO a. Características 1) O programa de treinamento constante deste PP foi elaborado a partir de uma análise descritiva de todos os cargos a serem ocupados por Cabos e Soldados, nas diversas QMG/QMP. Portanto, as matérias, os assuntos e os objetivos propostos estão intimamente relacionados às peculiaridades dos diferentes cargos existentes. 2) A instrução do CFC e CFSd compreende: a) matérias comuns a todas QMG/QMP; b) matérias peculiares, destinadas a habilitar o Cb e Sd a ocu- par determinados cargos e a desempenhar funções específicas, dentro de sua QMP; e c) o desenvolvimento de atitudes e habilidades necessárias à formação do Cb e Sd para o desempenho de suas funções específicas.
  6. 6. 7.00 3) As instruções comum e peculiar compreendem: a) um conjunto de matérias; b) um conjunto de assuntos integrantes de cada matéria; c) um conjunto de sugestões para objetivos intermediários; e d) um conjunto de objetivos terminais, chamados Objetivos Individuais de Instrução (OII), que podem ser relacionados a conhecimentos, habilidades e atitudes. 4) As matérias constituem as áreas de conhecimentos e de habilidades necessárias à Qualificação do Cabo e do Soldado. 5) Os assuntos relativos a cada matéria são apresentados de for- ma seqüenciada. Tanto quanto possível, as matérias necessárias à formação do Cabo e do Soldado, para a ocupação de cargos afins, fo- ram reunidas de modo a permitir que a instrução possa vir a ser planejada para grupamentos de militares que, posteriormente, serão designados para o exercício de funções correlatas. 6) A habilitação de pessoal para cargos exercidos no âmbito de uma guarnição, equipe ou grupo, exige um tipo de treinamento que se reveste de características especiais, uma vez que se deve atender aos seguintes pressupostos: a) tornar o militar capaz de executar, individualmente, as atividades diretamente relacionadas às suas funções dentro da guarnição, equipe ou grupo; b) tornar o militar capaz de integrar a guarnição, a equipe ou o grupo, capacitando-o a realizar as suas atividades funcionais em conjunto com os demais integrantes daquelas frações; e c) possibilitar ao militar condições de substituir, temporaria- mente, quaisquer componentes da guarnição, da equipe ou do grupo. Desses pressupostos, decorre que a instrução relacionada a cargos exercidos dentro de uma guarnição de peça, de carro de combate (ou CBTP), de equipamentos (ou materiais), dentro de um grupo de combate ou de um grupo de exploradores, está prevista, tanto quanto possível, para ser ministrada em conjunto, a todos os integrantes dessas frações. 7) As sugestões para objetivos intermediários são apresentadas como um elemento auxiliar para o trabalho do instrutor. A um assunto pode corresponder um ou vários objetivos intermediários. Outros objetivos intermediários poderão ser estabelecidos além daqueles constantes deste PP. O Comandante da Subunidade é o orientador do instrutor da matéria, na determinação dos objetivos intermediários a serem atingidos. 8) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII), relacionados aos conhecimentos e às habilidades, correspondem aos comportamentos que o militar deve evidenciar, como resultado do processo ensino-apren- dizagem a que foi submetido no âmbito de determinada matéria. Uma mesma matéria compreende um ou vários OII. Um Objetivo Individual de Instrução, relacionado a conhecimentos ou habilidades, compreende: a) a tarefa a ser executada, que é a indicação precisa do que o militar deve ser capaz de fazer ao término da respectiva instrução; b) a(s) condições de execução que indica(m) as circunstânci- as ou situações oferecidas ao militar, para que ele execute a tarefa pro- posta. Essa(s) condição(ões) deve(m) levar em consideração as dife- renças regionais e as características do militar; e c) o padrão mínimo a ser atingido, determina o critério da ava- liação do desempenho individual. 9) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII), relacionados à Àrea Afetiva, detalhados nos PPB/1 e PPB/2, correspondem aos atributos a serem evidenciados pelos militares, como resultado da ação educacio- nal exercida pelos instrutores, independente das matérias ou assuntos ministrados. Os OII compreendem os seguintes elementos: a) o nome do atributo a ser evidenciado, com a sua respectiva definição; b) um conjunto de condições dentro das quais o atributo pode- rá ser observado; e c) o padrão - evidência do atributo.
  7. 7. 8.00 Os Comandantes de Subunidades e Instrutores continuarão apre- ciando o comportamento do militar em relação aos atributos da Área Afetiva, considerados no PPB1/PPB2, ao longo da fase de Instrução. b. Fundamentos da Instrução Individual Consultar o PPB/1. 4. DIREÇÃO E CONDUÇÃO DA INSTRUÇÃO a. Responsabilidades 1) O Comandante, Chefe ou Diretor de OM é o responsável pela Direção de Instrução de sua OM. Cabe-lhe, assessorado pelo S 3, planejar, coordenar, controlar, orientar e fiscalizar as ações que permi- tam aos Comandantes de Subunidades e/ou de Grupamento de Instrução elaborarem a programação semanal de atividades e a execução da instrução propriamente dita. 2) O Grupamento de Instrução do Curso de Formação de Cabos (CFC) deverá ser dirigido por um oficial, de preferência Capitão, que será o responsável pela condução das atividades de instrução do curso. O Comandante, Chefe ou Diretor de OM poderá modificar ou es- tabelecer novos OII, tarefas, condições ou padrões mínimos , tendo em vista adequar as características dos militares e as peculiaridades da OM à consecução dos Objetivos da Fase. b. Ação do S3 1) Realizar o planejamento da Fase de Instrução Individual de Qualificação, segundo o preconizado no PBIM e nas diretrizes e(ou) or- dens dos escalões enquadrantes. 2) Coordenar e controlar a instrução do CFC e do CFSd, a fim de que os militares alcancem os OII de forma harmônica, equilibrada e consentânea com prazos e interesses conjunturais, complementando os critérios para os padrões mínimos, quando necessário. 3) Providenciar a confecção de testes, fichas, ordens de instrução e de outros meios auxiliares, necessários à uniformização das condi- ções de execução e de consecução dos padrões mínimos previstos nos OII. 4) Providenciar a organização dos locais e das instalações para a instrução e de outros meios auxiliares, necessários à uniformização das condições de execução e de consecução dos padrões mínimos pre- vistos nos OII. 5) Planejar a utilização de áreas e meios de instrução, de forma a garantir uma distribuição equitativa pelas Subunidades ou Grupamento de Instrução. 6) Organizar a instrução da OM, de modo a permitir a compatibi- lidade e a otimização da instrução do EV com a do NB (CTTEP). c.Ação dos Comandantes de SU e(ou) de Grupamentos de Instrução Os Comandantes de SU e(ou) de Grupamentos de Instrução de- verão ser chefes de uma equipe de educadores a qual, por meio de ação contínua, exemplos constantes e devotamento à instrução, envidarão todos os esforços necessários à consecução, pelos instruendos, dos padrões mínimos exigidos nos OII previstos para a FIIQ. d. Métodos e Processos de Instrução 1) Os elementos básicos que constituem o PP são as Matérias, os Assuntos, as Tarefas, e os Objetivos Intermediários. 2) Os métodos e processos de instrução, preconizados nos ma- nuais C 21-5 e T 21-250 e demais documentos de instrução, deverão ser criteriosamente selecionados e combinados, a fim de que os OII relacio- nados a conhecimentos e habilidades, definidos sob a forma de “tarefa”, “condições de execução” e “padrão mínimo”, sejam atingidos pelos instruendos. 3) Durante as sessões de instrução, o Soldado deve ser coloca- do, tanto quanto possível, em contato direto com situações semelhantes às que devam ocorrer no exercício dos cargos para os quais está sendo preparado. A instrução que não observar o princípio do realismo (T 21- 250) corre o risco de tornar-se artificial e pouco orientada para os objetivos
  8. 8. 9.00 que os instruendos têm de alcançar. Os meios auxiliares e os exercícios de simulação devem dar uma visão bem próxima da realidade, visualizando, sempre que possível, o desempenho das funções em situa- ção de combate ou de apoio ao combate. 4) Em relação a cada uma das matérias da QMP, o instrutor deve- rá adotar os seguintes procedimentos: a) analisar os assuntos e as sugestões para objetivos interme- diários, procurando identificar a relação existente entre eles. Os assun- tos e as sugestões para objetivos intermediários são poderosos auxilia- res da instrução. Os objetivos intermediários fornecem uma orientação segura sobre como conduzir o militar para o domínio dos OII; são, por- tanto, pré-requisitos para esses OII. e b) analisar os OII em seu tríplice aspecto: tarefa, condições de execução e padrão mínimo. Estabelecer, para cada OII, aquele(s) que deverá(ão) ser executado(s) pelos militares, individualmente ou em equi- pe; analisar as condições de execução, de forma a poder torná-las real- mente aplicáveis na fase de avaliação. 5) Todas as questões levantadas quanto à adequação das “con- dições de execução” e do “padrão mínimo” deverão ser levadas ao Co- mandante da Unidade, a fim de que ele, assessorado pelo S3, decida sobre as modificações a serem introduzidas no planejamento inicial. 6) Os OII relacionados à área afetiva são desenvolvidos durante toda a fase e não estão necessariamente relacionados a um assunto ou matéria, mas devem ser alcançados em conseqüência de situações criadas pelos instrutores no decorrer da instrução, bem como de todas as vivências do Soldado no ambiente militar. O desenvolvimento de ati- tudes apóia-se, basicamente, nos exemplos de conduta apresentados pelos chefes e pares, no ambiente global em que ocorre a instrução. 5. TEMPO ESTIMADO a. A carga horária estimada para o período é de 320 horas de atividades diurnas distribuídas da seguinte maneira: 1) 88 (oitenta e oito) horas destinadas à Instrução Comum; 2)168(centoesessentaeoito)horasdestinadasàInstruçãoPeculiar;e 3) 64 (sessenta e quatro) horas destinadas aos Serviços de Escala. b. O emprego das horas destinadas aos Serviços de Escala deverá ser otimizado no sentido de contemplar além das atividades de serviços de escala, propriamente ditas, as relativas à manutenção do aquartela- mento, recuperação da instrução de Armamento, Munição e Tiro e ou- tras atividades de natureza conjuntural imposta à OM. c. A Direção de Instrução, condicionada pelas servidões impostas por alguns dos OII da FIIQ, deverá prever atividades noturnas com carga horária compatível com a consecução destes OII por parte dos instruendos. d. Tendo em vista os recursos disponíveis na OM, as características e o nível da aprendizagem dos militares, bem como outros fatores que porventura possam interferir no desenvolvimento da instrução, poderá o Comandante, Chefe ou Diretor da OM alterar as previsões de carga horária discriminada no presente PP, mas mantendo sempre a prioridade para o CFC. 6. VALIDAÇÃO DO PPQ 08/2 Conforme prescrito no PPB/1 e SIVALI/PP. 7. ESTRUTURA DO PPQ 08/2 a. O PP está organizado de modo a reunir, tanto quanto possível, a instrução prevista para um cargo ou conjunto de cargos afins de uma mesma QMP. Esta instrução corresponde a uma ou mais matérias. Os conteúdos de cada matéria são assuntos, que a compõem. Para cada assunto apresenta-se uma ou mais sugestão(ões) de objetivo(s), intermediário(s), que têm a finalidade de apenas orientar o instrutor. A um conjunto de assuntos pode corresponder um ou mais OII.
  9. 9. 10.00 b. Os OII estão numerados, dentro da seguinte orientação: Exemplo: 3 Q – 305 - O numero 3 indica a matéria Comunicações. - Q indica que o OII se refere à “Fase de Qualificação”. - O primeiro número da centena indica o tipo: 300 - Instrução Comum da IIQ 400 - Instrução Peculiar da IIQ - A dezena 05, o número do OII dentro da matéria, no caso “Transmitir uma mensagem por rádio”. Há, ainda, a indicação do objetivo parcial ao qual está vinculado o OII (FC, OP etc), conforme orientado no PPB/1. 8. NORMAS COMPLEMENTARES a. Este Programa-Padrão regula a formação dos militares nas QMG/ QMP de Saúde, relativas aos cargos previstos nas Normas Regulado- ras da Qualificação, Habilitação, Condições de Acesso e Situações das Praças do Exército, em vigor. b. Os cargos de Cb/Sd para os quais são exigidas habilitações específicas, definidos nas normas supramencionadas, deverão ser ocu- pados por militares qualificados e que tenham participado de um Trei- namento Específico ( Trn Epcf ). c. O Trn Epcf é determinado e estabelecido pelos Comandantes, Chefe e(ou) Diretores de OM, e constitui-se na prática, acompanhada e orientada, de uma atividade com a finalidade de habilitar as praças para o desempenho de cargos previstos nos QO ou no exercício de um tra- balho específico, nas respectivas OM, que exijam esse tipo de Habilita- ção Especial. d. Esse treinamento pode coincidir, no todo ou em parte, com as atividades da Capacitação Técnica e Tática do Efetivo Profissional (CTTEP) e não possui, normalmente, Programa-Padrão específico e tem- po de duração definidos. O início e o término, bem como o resultado da atividade, julgando cada militar “APTO” ou “INAPTO” para o cargo, serão publicados no BI da OM. e. No caso particular de Trn Epcf realizado por OM que possuem Contigente, visando a habilitar seus cabos e soldados a ocuparem car- gos específicos, de interesse da OM e da Mobilização, será necessária a aprovação, pelo COTER, do respectivo PP, o qual será proposto pelas OM interessadas. f. As normas fixadas neste PP serão complementadas pelo (as): 1) PBIM, expedido pelo COTER; e 2) Diretrizes, Planos e Programas de Instrução, elaborados pelos Grandes Comandos, Grandes Unidades e Unidades.
  10. 10. 11.00 Você encontrará, nas páginas que se seguem, uma proposta para a distribuição de tempo para o desenvolvimento do Programa de Instrução que visa à Qualificação do Combatente. O Comandante, Chefe ou Diretor da OM poderá, em função dos recursos disponíveis, das características dos instruendos e de outros fatores conjunturais, alterar a carga horária das matérias discriminadas na distribuição sugerida. Os quadros apresentados indicam os números das matérias peculiares que deverão constar dos programas de treinamento de cada um dos grupamentos de instrução mencionados neste PP. II. PROPOSTAPARA A DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO
  11. 11. 12.00 1. QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO QMG QMP GRUPAMENTOS DE INSTRUÇÃO A T I V I D A D E S INSTRUÇÃO A Disp Cmt Sv Escala Total Comum Peculiar Noturna 08 33 Auxiliar de Instalação Logística de Saúde Atendente e Padioleiro 88 168 A critério da Direção de Instrução Nenhuma 64 320
  12. 12. 13.00 2. QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO DO TEMPO DESTINADO À INSTRUÇÃO PECULIAR POR GRUPAMENTO DE INSTRUÇÃO QMG QMP GRUPAMENTOS DE INSTRUÇÃO Nr MATÉRIAS PECULIARES Horas 08 33 Auxiliar de Instalação Logística de Saúde Atendente e Padioleiro 08 Anatomia e Fisiologia 08 09 Enfermagem Médico-Cirúrgica 28 10 Higiene Militar 08 11 Manutenção do Material 32 12 Primeiros - Socorros 32 13 Segurança das Instalações Logísticas, Depósitos e Oficinas 04 14 Serviços em Campanha 12 15 Suprimento Classe VIII 20 16 Trabalhos do Auxiliar de Saúde 12 17 Transporte de Doentes e Feridos 12 SOMA 168
  13. 13. 15.0015.00 III. MATÉRIAS PECULIARES DAS QMP DE SAÚDE A seguir são apresentadas, em ordem alfabética, as matérias peculiares das QMP de Saúde.
  14. 14. 16.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Identificar os ossos, mús- culos, articulações e par- tes do corpo humano. Localizar os ossos, mús- culos, articulações e par- tes do corpo humano. Q - 402 (AC) Apresentados, ao militar, um indi- víduo ou um modelo representa- tivo do corpo humano e uma lista com o nome dos principais ossos, músculos, articulações e partes do corpo humano. O militar deverá identificar e lo- calizar, corretamente, todos os ossos, músculos, articulações e partes do corpo humano in- cluídos na lista. Q - 401 (AC) 1. Corpo humano - Divisão geral do corpo huma- no: 1) ossos; 2) cabeça; 3) coluna vertebral; 4) tórax; 5) membros; 6) articulações; e 7) músculos; Localizar os principais te- cidos. Citar o nome dos princi- pais tecidos. - Citar o nome das partes em que se divide o corpo humano. - Citar o nome dos principais ossos e músculos do corpo humano. - Localizar os principais ossos e músculos do corpo humano. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Apresentado, ao militar, um mo- delo representativo do corpo hu- mano. O militar deverá localizar, no modelo, os principais tecidos, citando sua nomenclatura Descrever a morfologia sucinta da célula. Q - 403 (AC) Apresentado, ao militar, um dese- nho representativo de uma célu- la. O militar deverá descrever, cor- retamente, a morfologia da cé- lula. Q - 404 (AC) Identificar, pelo nome, o aparelho correspondente a cada uma das descri- ções feitas. Apresentada, ao militar, oralmen- te ou por escrito, a descrição do funcionamento dos aparelhos cir- culatório, respiratório, digestivo e geniturinário, sem que sejam in- dicados os seus nomes. Os quatro nomes citados pelo militar deverão corresponder, precisamente, a cada uma das descrições indicadas. - Conceituar a noção de aparelho no corpo humano. - Citar o nome dos principais órgãos constituintes de cada aparelho do corpo humano. - Identificar as principais funções de cada aparelho. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 4. Aparelhos a. aparelho circulatório; b. aparelho respiratório; c. aparelho digestivo; e d. aparelho geniturinário. 2. Tecidos 1) células; e 2) tecidos. - Caracterizar os diferentes tipos de tecidos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - Caracterizar os diferentes tipos de células. - Citar os diferentes tipos de células. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 8. ANATOMIA E FISIOLOGIA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 8 h 3. Células
  15. 15. 17.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Identificar os órgãos do sistema nervoso. Q - 406 (AC) 5. Sistema Nervoso Diferenciar as glândulas . Citar as principais fun- ções das glândulas. - Citar o nome dos órgãos do Siste- ma Nervoso Central ( SNC ). - Identificar as principais funções de cada órgão do SNC. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Apresentados, ao militar, nomes de glândulas de secreção interna e externa. O militar deverá diferenciar as glândulas de secreção interna, das glândulas de secreção ex- terna, citando suas principais funções. Identificar partes consti- tuintes da pele, funções e seus anexos. Q - 407 (AC) Apresentados, ao militar, um exer- cício de numerar colunas e outro de completar sobre: - as partes constituintes da estru- tura da pele; - as funções da pele; e - as funções dos anexos da pele. O militar deverá acertar, pelo menos, 80% das questões pro- postas. Q - 408 (AC) Citar as funções dos ór- gãos dos sentidos. Apresentados, ao militar, modelos representativos dos órgãos dos sentidos. O militar deverá citar, correta- mente, as principais funções dos órgãos dos sentidos. - Citar o nome dos cinco órgãos dos sentidos. - Identificar os órgãos dos sentidos. - Citar as principais funções dos ór- gãos dos sentidos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 8. Órgãos dos sentidos. - Citar o nome das glândulas de se- creção interna e externa. - Citar as características das glându- las de secreção interna e externa. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - Citar as partes constituintes da es- trutura da pele. - Citar o nome dos anexos da pele e suas funções. - Citar as principais funções da pele. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 6. Glândulas de secreção inter- na e externa. 7. Pele e seus anexos. Apresentada, ao militar, a descri- ção do funcionamento do sistema nervoso. O militar deverá identificar as partes e funções do sistema nervoso. Q – 405 (AC) 8. ANATOMIA E FISIOLOGIA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 8 h
  16. 16. 18.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Q - 401 (OP) Demonstrar a maneira cor- reta de manipular instru- mentos cirúrgicos. Apresentados, ao militar, três ins- trumentos cirúrgicos de uso mais comum. Todas as demonstrações feitas pelo militar deverão correspon- der às prescrições e normas técnicas sobre a utilização do material. Q - 402 (OP) - Citar os princípios da enfermagem; - Identificar o material cirúrgico mais comum: - pinças (anatômicas, dente-de-rato e hemostáticas); - bisturis; - tesouras ( ponta fina e romba , curva e reta); - agulhas cirúrgicas; - baldes; - bandejas; - porta-agulhas (Mathieu e outros); - afastadores (cirurgia); - aspiradores e nebulizadores; e - outros materiais cirúrgicos. - Descrever as operações de utiliza- ção do material cirúrgico mais comum; - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Princípios de Enfermagem 2. Material cirúrgico mais comum Realizar curativos em feri- mentos. Apresentados, ao militar, um indi- víduo com ferimento simulado e o material necessário para o cura- tivo. Devem ser observados, particu- larmente, o desembaraço e a segurança na manipulação dos instrumentos apresentados e os seguintes aspectos: - utilização do material adequa- do; - observação às técnicas de as- sepsia e anti-sepsia; e - execução do curativo na ordem correta de realização, de acordo com as técnicas preconizadas. - Citar os cuidados de assepsia e de anti-sepsia; - Citar os cuidados a serem observa- dos no preparo do material; - Citar os cuidados a serem observa- dos no preparo do paciente; - Descrever as técnicas de aplica- ção de curativos; - Utilizar as técnicas de aplicação de curativos; - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Técnica de aplicação de cura- tivos a. cuidados de assepsia e anti-sepsia; b. preparo do material; e c. preparo do paciente para o tratamento. 9. ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 28 h Q - 403 (OP/ HT) Tomar a temperatura axi- lar, a pressão arterial e a freqüência respiratória. Apresentados, ao militar, quatro indivíduos, um termômetro, um esfigmomanômetro e um este- toscópio. A pressão arterial será medida no membro superior (bra- ço) de cada paciente, nas posições deitado, sentado e em pé. - Descrever as técnicas de tomada de pulso, temperatura, pressão arte- rial e freqüência respiratória; - Demonstrar as técnicas de tomada de pulso, temperatura, pressão arte- rial e freqüência respiratória; - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 4. Técnica de tomada de pulso arterial, temperatura, pressão ar- terial e freqüência respiratória. Pelo menos, 80% das medidas obtidas pelo militar deverão co- incidir com as realizadas pelo instrutor, que deverá usar os mesmos instrumentos empre- gados pelo militar.
  17. 17. 19.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS A aplicação de cada tipo de inje- ção deverá atender aos seguin- tes requisitos: a. intramuscular: - realizar a anti-sepsia do local; - fazer o pregueamento da mus- culatura, com os dedos; - introduzir a agulha, perpendicu- larmente, à massa muscular; - puxar o êmbolo da seringa; - certificar-se de que não foi atin- gido algum vaso sangüíneo (au- sência de sangue na seringa); e - proceder à aplicação, pressio- nando-se o êmbolo da seringa. b. subcutânea: - fazer a anti-sepsia do local; - levantar a pele, fazendo o seu pregueamento com os dedos; e - injetar sob a pele. c. endovenosa: - realizar a anti-sepsia do local; - fazer o garroteamento acima do nível a puncionar; - atingir a veia, introduzindo a agulha e puxar o êmbolo; - certificar-se do atingimento da veia (presença de sangue na seringa); - soltar o garrote; e - aplicar a injeção. d. intradérmica: - realizar a anti-sepsia; - fixar a pele; e - injetar o líquido na derma. Q - 404 (OP/HT) Aplicar injeções e soros. - Distinguir os diversos tipos de inje- ção: - intramuscular; - endovenosa; - subcutânea; e - intradérmica. - Distinguir os diversos tipos de materiais utilizados na aplicação de injeções: - seringas; - agulhas; - equipos; e - garrotes. - Aplicar injeção. - Descrever a técnica de aplicação de soro; e - Preparar o soro e o material neces- sário à aplicação. - Distinguir os tipos de soro: - antiofídico polivalente; - antibotrópico; - anticrotálico; - antielapídico; - antiaracnídico; - antiescorpiônico; - glicosado; - fisiológico; e - Aplicar soro. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 5. Tipos de injeção a· intramuscular; b· endovenosa; c· subcutânea; e d. intradérmica. 6. Tipos de soro a. glicosado; b. fisiológico; c. ringer lactato; d. expansores de plasma (Haemacel); e e. Antiofídicos: 1) polivalente; 2) antibotrópico; 3) anticrotálico; e 4) antielapídico. f. antiaracnídico; e g. antiescorpiônico. 7. Aplicação de injeções e so- ros: a. Material utilizado: - seringas, agulhas; equipos; garrotes; cateter venoso; álco- ol; solução de álcool iodado; al- godão; braçadeira e porta-equi- po. b. Técnicas de aplicação. Apresentados, ao militar, pacien- tes que necessitem de injeção in- tramuscular, endovenosa, subcu- tânea, intradérmica, soro e o ma- terial necessário à aplicação des- ses tipos de injeção. 9. ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 28 h
  18. 18. 20.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Q - 405 (AC) Descrever os procedi- mentos decorrentes de prescrições médicas para o uso de medicamentos. Apresentados, ao militar, os livros da SSU e as fichas de visita médi- ca e odontológica, preenchidos com todos os dados pelo médico e dentista, respectivamente. - Reconhecer os dados transcritos pelo médico e dentista, respectiva- mente, para as fichas: - de visita médica; e . de visita odontológica. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 8. Documentação da formação tática de OM a· ficha de Visita Médica; e b. ficha de Visita Odontológica c. livros de uso obrigatórios. O militar deverá descrever, corretamente, as característi- cas gerais da escrituração dos referidos documentos e os cui- dados necessários para a sua guarda nos arquivos da Seção de Saúde da Organização Militar. . Q - 406 (AC) Descrever os procedi- mentos relativos ao ma- nuseio das fichas de visi- ta médica e odontológica. Apresentada, ao militar, a papele- ta médica ou prontuário com as indicações dos medicamentos que devam ser ministrados e a in- dicação da hora. - Identificar os aspectos principais da administração de medicamentos, se- gundo a indicação médica. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 9. Administração de medicamen- tos, de acordo com a indicação médica. A descrição deverá ser feita: - na ordem em que os medicamen- tos devam ser ministrados; e - com indicação da hora prevista na papeleta médica ou prontuá- rio médico. - com 100% de acerto. Realizar o exame biomé- trico. - Descrever as ações a serem de- senvolvidas durante a medida do peso e da altura. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 10. Exame biometro: - peso e altura. Q - 408 (OP) Preparar o material para exame de sangue. Apresentado, ao militar, o materi- al para exame de sangue. O militar receberá o material coleta- do, no frasco adequado (piloto). - Descrever as ações a serem de- senvolvidas durante a coleta de ma- terial para exame de sangue, urina, fezes, escarro e secreções. - Citar os cuidados a serem obser- vados durante a coleta de material para exame. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 11. Material para exame a· Sangue; b· Urina; c· Fezes; d· Escarro; e e. Secreções. - O frasco, contendo o sangue, deverá ser rotulado e conter os seguintes dados do paciente: - nome; - posto ou graduação; - idade; e - data da coleta. - Encaminhar para o local que realizará o exame. Apresentado, ao militar, o indiví- duo a realizar o exame. O militar deverá verificar ade- quadamente o peso e a altura do indivíduo. Q - 407 (OP/HT) 9. ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 28 h
  19. 19. 21.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Q - 409 (OP/HT) Preparar o material para exame de urina. Apresentado, ao militar, o material para exame de urina, coletado em frasco apropriado para tal finalida- de. - Citar os cuidados a serem obser- vados durante a coleta de material para exame. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. O militar deverá receber o ma- terial (colhido no dia do exame) e rotular o frasco com os dados referentes ao nome, posto ou graduação, idade , finalidade do exame e data da coleta. Q - 410 (OP) Preparar o material para exame de fezes. Apresentado, ao militar, o materi- al para exame de fezes, acondici- onado em recipiente apropriado. Q - 411 (OP/ HT) Aplicar diversos tipos de vacina. Apresentados, ao militar, um indi- víduo que necessite (simulada- mente) ser vacinado e o material necessário à aplicação da vacina. - Distinguir os diferentes tipos de va- cinas. - Descrever as ações realizadas durante a aplicação de vacinas. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 12. Tipos de vacinas: a· anti-rábica; b· antitífica; c· antiamarílica; d· anti-hepatite; e e· antitetânica. 13. Técnicas de aplicação de va- cinas. 14. Materiais utilizados na apli- cação de vacinas: a· seringas; b· agulhas; e c. pistolas. O militar deverá: - citar a técnica adequada ao tipo de vacina; - utilizar os materiais adequados ao tipo de vacina; - obedecer as condições de as- sepsia necessárias; e - obedecer a ordem de execu- ção para aplicação. 9. ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 28 h
  20. 20. 22.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Descrever o significado e a impor- tância da higiene individual. - Definir as responsabilidades na ma- nutenção da higiene individual. - Descrever as medidas de proteção individual. - Descrever os meios higiênicos im- provisados. - Acompanhar e auxiliar o Oficial Mé- dico nas inspeções sanitárias. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Higiene individual: a. asseio corporal; b. importância; c. responsabilidades; d. medidas de proteção indivi- dual; e. meios higiênicos improvisa- dos; e f. inspeções sanitárias. Q - 401 (AC) Descrever medidas e pro- cedimentos necessários à higiene individual. Apresentados, ao militar, uma si- tuação, ou um caso, que caracteri- ze a falta de higiene individual e os materiais e medidas necessá- rios à higienização. A descrição feita pelo militar deverá incluir: - a importância da higiene indivi- dual, para a saúde; - as responsabilidades pela hi- giene individual; e - as medidas de proteção indivi- dual: - asseio corporal; - higiene oral; - cuidado com os pés; - alimentos e bebidas; - proteção contra intempéries; e - proteção contra transmissores de doenças. - os meios higiênicos improvi- sados. Q - 402 (AC) Descrever as medidas de higiene a serem tomadas nas diversas situações de emprego da tropa, no ma- nuseio e armazenamento de alimentos e no trato com doentes e feridos. Apresentada, ao militar, uma situ- ação, ou descrito um caso, que se caracterize pela carência de higie- nização e relacionado um conjun- to de materiais necessários à hi- giene. - Enumerar os materiais, substân- cias e as medidas de higiene a se- rem empregados em: - ambientes diversos; - situações específicas; - doentes e feridos; e - proteção de alimentos. - Enumerar os fatores e cuidados que justificam a necessidade de manu- tenção da higiene nos alojamentos, acantonamentos, bivaques, acampa- mentos, ranchos e no trato com ali- mentos, doentes e feridos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 2. Higiene coletiva: a. nos alojamentos; b. nas marchas; c. nos acantonamentos; d. nos bivaques; e. nos acampamentos; f. nos ranchos; g. na proteção dos alimentos; e h. com doentes e feridos. A descrição feita pelo militar deverá incluir: - indicação do material necessá- rio à higiene do local ou pesso- al; e - a maneira pela qual deverá ser utilizado o material selecionado. 10. HIGIENE MILITAR TEMPO ESTIMADO DIURNO: 08 h
  21. 21. 23.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Classificar as doenças transmissí- veis. - Descrever o processo de dissemi- nação. - Citar os meios de transmissão. - Identificar as fontes de contato. - Enumerar as medidas gerais de controle. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Doenças transmissíveis: a. medidas gerais de profilaxia e controle; b. classificação; c. disseminação; d. meios de transmissão; e. fontes de contato; e f. doenças transmissíveis de interesse militar. Q - 403 (AC) Caracterizar algumas das principais doenças trans- missíveis, particularmen- te as de interesse militar, e seus meios de dissemi- nação. Apresentada, ao militar, uma lista com o nome de 10 (dez) doenças transmissíveis. O militar deverá: - classificar as doenças trans- missíveis; - descrever a disseminação da doença de maneira genérica (ca- deia de disseminação); . identificar a fonte e citar os meios receptor; e - enumerar as doenças trans- missíveis de interesse militar: · modo de transmissão; e . medidas de controle. Q - 404 (AC) Descrever medidas de controle relativas às doen- ças veiculadas pela água e alimentos, relacionan- do-as aos diversos tipos de agentes transmisso- res. Apresentadas, ao militar, três do- enças transmitidas pela água e três pelos alimentos. - Citar o nome das doenças transmi- tidas pela água e alimentos. - Enumerar as medidas de controle. - Descrever o processo de purifica- ção da água por: - filtração; - cloração (no cantil e saco Lyster); e - halozone. - Auxiliar o Oficial Médico nas inspe- ções sanitárias. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 5. Tipos de inseticida: a. organoclorados; b. organofosforados; c. piretrinas; d. piretróides; e. creolina; e f. outros. O militar deverá realizar a tarefa com 100% de acerto. 4. Doenças veiculadas pela água e pelos alimentos: a. agentes transmissores; b. medidas de controle; e c. purificação da água: 1) filtração; 2) cloração (no cantil e saco Lyster); e 3) halozone. - Identificar as diferentes situações em que devam ser usados os inseti- cidas organoclorados , organofos- forados, piretrinas , entre outros. - Descrever os diferentes proces- sos de desinfecção ou expurgo. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Identificar, por suas carac- terísticas, os diversos ti- pos de inseticida. Q - 405 (AC) Apresentados, ao militar, os inse- ticidas em uso na OM. O militar deverá realizar a iden- tificação e citar as característi- cas dos inseticidas em uso na OM. 10. HIGIENE MILITAR TEMPO ESTIMADO DIURNO: 08 h
  22. 22. 24.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Identificar os diferentes tipos de in- setos, roedores e outros agentes. - Diferenciar as doenças transmiti- das pelos insetos e roedores. - Identificar medidas de combate aos insetos, roedores e outros agentes; - Citar as medidas de controle dos agentes transmissores. - Enumerar as doenças transmissí- veis, mais comuns. - Citar os agentes transmissores das doenças mais comuns. - Enumerar as medidas de profilaxia das doenças transmissíveis. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 6. Doenças transmissíveis por insetos, roedores e outros agen- tes: a. agentes transmissores (insetos, roedores e outros); b. meios de profilaxia das doenças transmissíveis; e c. medidas de combate aos insetos e roedores. Q - 406 (AC) Citar as medidas profiláti- cas e de controle de do- enças transmissíveis por insetos, roedores e ou- tros agentes. Apresentadas, ao militar, três ca- racterísticas de doenças trans- missíveis mais comuns na região. A citação deverá incluir: - a identificação do tipo de doen- ça apresentada; - as fontes de infecção das do- enças apresentadas; e - os cuidados que devem ser observados para os casos de isolamento do paciente e des- contaminação do local. Q - 407 (AC) Identificar as doenças se- xualmente transmissí- veis, citando os respecti- vos meios de profilaxia, com prioridade para a Sín- drome da Imunodeficiên- cia Adquirida (AIDS). Apresentados, ao militar, três tipos de doenças sexualmente trans- missíveis diferentes. - Citar os tipos de doenças sexual- mente transmissíveis. - Identificar os sinais e sintomas mais característicos de cada doença se- xualmente transmissível. - Descrever as medidas de profilaxia das doenças sexualmente transmis- síveis. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 8. Álcool, fumo e tóxicos: a. principais efeitos sobre o organismo humano; b. sinais e sintomas caracte- rísticos do uso abusivo de tais substâncias; e c. medidas profiláticas. O militar deverá identificar, pe- los sinais característicos, cada tipo de doença sexualmente transmissível, citando os mei- os de profilaxia adequados, dan- do prioridade para a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS). 7. Doenças sexualmente trans- missíveis: a. identificação; b. medidas higiênicas gerais; e profilaxia. - Citar as conseqüências médico-so- ciais do uso do álcool, fumo e tóxi- cos sobre o organismo. - Citar as medidas de profilaxia con- tra o uso de álcool, fumo e tóxicos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Identificar os principais efeitos do álcool, fumo e tóxicos. Q – 408 (AC) Apresentados, ao militar, os agen- tes nocivos à saúde. O militar deverá identificar o agente nocivo e citar os males que causam à saúde e à socie- dade. 10. HIGIENE MILITAR TEMPO ESTIMADO DIURNO: 08 h
  23. 23. 25.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Identificar os materiais necessá- rios à construção de instalações sa- nitárias de campanha: - latrina de vala; - latrina de fossa profunda; - latrina de monturo; - latrina de buraco; - latrina de balde; - mictórios de calha; e - poço de absorção de urina. - Identificar os materiais necessá- rios à construção de fossas de de- tritos: - fossa de cozinha; - valas de absorção; e - fossa ou vala de lixo. - Identificar os materiais necessá- rios à construção de fornos de inci- neração: - incineradores fechados; - incineradores de valas cruzadas; e - queimador de mistura de óleo e água. - Enumerar as etapas de construção de: - fossas de detritos; e - forno de incineração. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 9. Construção de: a. fossas de detritos; b. fornos de incineração; c. instalações sanitárias de campanha. Q - 409 (HT) Construir uma instalação sanitária de campanha ou uma fossa de detritos. Apresentados, ao militar, o mate- rial necessário e o local para ins- talação. O militar deverá realizar a cons- trução, observando aos seguin- tes aspectos: · escolha do material apropria- do à construção; · dimensões adequadas ao tipo de construção; · tipo de construção; · localização adequada; e . etapas a serem seguidas para a construção. 10. HIGIENE MILITAR TEMPO ESTIMADO DIURNO: 08 h
  24. 24. 26.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 11. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h - Realizar a Manutenção de 1o Es- calão do Mat Sau. - Realizar a Manutenção de 1o Escalão do Mat Sau. - O militar deverá executar, corretamente a manutenção de 1o Escalão do Mat Sau. Q – 401 (CH) 1. Manutenção de 1o Escalão: a. objetivo; b. procedimentos; c. responsabilidade; d. freqüência; e. desmontagem de 1o Escalão; f. montagem de 1o Escalão; e g. ferramental e material empregado na manutenção de 1o Escalão. - Entender a importância da manu- tenção do material de emprego mili- tar, em especial de Saúde. - Descrever os principais procedi- mentos e freqüência, a serem adotadas na manutenção de 1o Es- calão do Mat Sau. - Realizar a desmontagem e monta- gem de 1o Escalão do Mat Sau. - Realizar a manutenção de 1o Esca- lão do Mat Sau, utilizando as respec- tivas tabelas de manutenção. - Apresentado, ao militar, os equi- pamentos e instrumentos, empre- gados em instalações de Saúde, a ser manutenido e o material ne- cessário à manutenção de 1o Es- calão - Realizar a Manutenção de 1o Escalão dos equipa- mentos e instrumentos empregados em instala- ções de Saúde. - O militar deverá executar, corretamente, a manutenção de 1o Escalão dos equipamentos e instrumentos que utilizará no cumprimento de suas atribui- ções. Q – 402 (CH) 2. Manutenção de 1o Escalão: a. objetivo; b. procedimentos; c. responsabilidade; d. freqüência; e. desmontagem de 1o Escalão; f. montagem de 1o Escalão; e g. ferramental e material empregado na manutenção de 1o Escalão. - Entender a importância da manu- tenção dos equipamentos e instru- mentos para o cumprimento de suas atribuições. - Descrever os principais procedi- mentos e freqüência, a serem adota- dos na manutenção de 1o Escalão dos equipamentos e instrumentos. - Realizar a desmontagem e monta- gem de 1o Escalão dos equipamen- tos e instrumentos. - Realizar a manutenção de 1o Esca- lão dos equipamentos e instrumen- tos, utilizando as respectivas tabe- las de manutenção.
  25. 25. 27.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 11. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h - Apresentados, ao militar, os com- ponentes do Mat Sau a ser limpo e lubrificado. - Realizar a limpeza e lu- brificação de compo- nentes (peças e acessó- rios) do Mat Sau. - O militar deverá executar, corretamente, a limpeza e lubri- ficação dos componentes do Mat Sau. Q – 403 (CH) 3. Limpeza e lubrificação dos componentes (peças e acessó- rios) do Mat Sau: a. finalidade; b. Carta-Guia de Lubrificação, (sfc); e c. utilização das tabelas de manutenção do material. - Entender a importância da limpeza dos componentes do Mat Sau. - Citar as atribuições de cada militar de saúde na limpeza dos componen- tes. - Por ocasião da manutenção de 2o Escalão do Mat Sau. - Auxiliar na Manutenção de 2o Escalão do Mat Sau. - O militar deverá auxiliar de modo adequado a manutenção de 2o Escalão do Mat Sau. Q – 404 (CH) 4. Manutenção de 2o Escalão: a. objetivo; b. procedimentos; c. responsabilidade; d. freqüência; e.desmontagem de 2o Esca- lão; f. montagem de 2o Escalão; e g.ferramental e material empre- gados na manutenção de 2o Esca- lão. - Apresentados, ao militar, os Mat de Sau. - Inspecionar o Material de Saúde, antes, durante e depois do uso no quartel e em campanha - O militar deverá inspecionar o material corretamente antes, durante e após o uso no quartel e (ou) em campanha. Q – 405 (CH) 5. Inspeção do Material de Saú- de: a. antes, durante e após uso no quartel; b. antes, durante e após uso em campanha. - Citar os procedimentos necessári- os à inspeção do material de Saúde. - Citar os procedimentos necessári- os à inspeção do material de Saúde, antes, durante e após o uso no quartel e (ou) em campanha.
  26. 26. 28.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 11. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h - Apresentados, ao militar, um Li- vro Registro do Material de Saúde e os dados necessários ao seu preenchimento. - Preencher o Livro Regis- tro do Mat Sau e dos equipamentos e instru- mentos empregados na Atv Saúde. - O militar deverá preencher o livro, colocando os dados apre- sentados nos campos apropri- ados. Q – 406 (CH) 6. Livro Registro do Material de Saúde e dos Equipamentos e Ins- trumentos empregados na Atv Saúde: a. finalidade; e b. informações necessárias; e c. oportunidades de registro. - Citar a finalidade do Livro Registro do Material de Saúde. - Preencher o Livro Registro do Ma- terial de Saúde. - Apresentados, ao militar, o Ma- terial de Saúde e o suprimento ne- cessário para a utilização no pro- cesso úmido de descontaminação à água. - Realizar a descontamina- ção do Mat Sau e dos equipamentos e instru- mentos empregados na Atv Saúde. - O militar deverá realizar a tare- fa, observando todos os proce- dimentos preconizados no pro- cesso a ser utilizado. Q – 407 (CH) 7. Descontaminação do Material de Saúde e dos equipamentos e instrumentos empregados na Atv Saúde: a. finalidade; b. processos; e c. relação processos/agen- tes. - Relacionar os processos de descontaminação com o tipo de agen- te. - Apresentados, ao militar, os recepientes de coleta de materi- ais de descarte (fossas de detritos) e fornos de incineração. - Eliminar os rejeitos. - O militar deverá utilizar, corretamente, o incinerador e utilizar corretamente a fossa de detritos. Q – 409 (CH) 9. Eliminação de rejeitos. - Apresentados, ao militar, os rejeitos a serem eliminados os recepientes e os demais rejeitos. - Selecionar os rejeitos. Q – 408 (CH) 8. Seleção de rejeitos. - Citar a importância de selecionar os rejeitos. - Descrever os procedimentos a adotar com a seleção dos rejeitos. - Descrever cuidados a serem ob- servados para com a seleção dos rejeitos. - O militar deverá separar o ma- terial perfuro-cortante, o mate- rial contaminado e os demais rejeitos. - O militar deverá acondicionar os rejeitos nos recipientes de coleta adequados. - Citar a importância de eliminar os rejeitos. - Descrever os procedimentos a adotar com a eliminação dos rejeitos. - Descrever cuidados a serem ob- servados para com a eliminação dos rejeitos.
  27. 27. 29.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Q - 402 (AC) Q - 403 (OP) Tratar ferimentos. Apresentados, ao militar, em situ- ação simulada, quatro tipos de ferimento e fornecidos os mate- riais necessários ao tratamento. - Citar as características dos diver- sos tipos de ferimentos. - Indicar o procedimento adequado para cada tipo de ferimento. - Selecionar o material adequado ao tipo de ferimento. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Ferimentos de: a. tórax e abdome; b. cabeça; e c. maxilar. 4. Prioridade de tratamento. O militar deverá: - executar as operações na or- dem correta, de acordo com as prescrições e normas indicadas para o caso; - observar os cuidados a serem dispensados com o paciente; e - observar as condições de as- sepsia. 2. Tipos de Ferimento: a. contuso; b. cortante; c. perfurante; d. transfixante; e. perfuro-cortante; e f. perfuro-contuso. - Descrever os cuidados a serem ob- servados com o paciente, de acordo com o tipo de ferimento. - Identificar os casos em que houver prioridade de tratamento. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Tratar contusões no tórax e cabeça. Selecionar o material de primeiros socorros. Apresentados, ao militar, um indi- víduo simulando ter sintomas de dores, edemas localizados, fratu- ras, queimaduras, ferimentos ou outras lesões e dez materiais de primeiros socorros. Dentre os materiais apresenta- dos, deverá ser selecionado o material mais adequado. Preparar a gaze. Indicados, ao militar, um local do corpo humano com tipo de feri- mento e dado um rolo de gaze e uma tesoura. A gaze deverá estar adequada ao tipo de ferimento e ao local, quanto à dimensão e a espes- sura. 1. Primeiros Socorros: a. importância; e b. material. Q - 401 (AC) Q - 404 (OP) Apresentados, ao militar, em situ- ação simulada, os ferimentos na cabeça e no tórax. O militar deverá identificar o tipo de ferimento e tomar as medi- das de primeiros socorros. - Citar a importância dos primeiros socorros. - Identificar, pelo nome, o material de primeiros: - penso e algodão; - ataduras e faixas; - gazes; - talas; - lenços triangulares; - bolsa de gelo; - bolsa de água quente; - compressas quentes e frias; - garrotes; e - curativo individual. - Citar o nome dos materiais integran- tes do estojo de primeiros socorros. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 12. PRIMEIROS SOCORROS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h
  28. 28. 30.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Q - 405 (OP) Estancar hemorragias. Apresentados, ao militar, em situ- ação simulada, três indivíduos com diferentes tipos de hemorragia, em locais diversos, e fornecidos os materiais necessários. - Citar as características dos diferen- tes tipos de hemorragia. - Descrever hemorragia interna e externa. - Descrever os métodos de: - compressão; - tamponamento; - garrote; - pinçamento; e - torniquete. - Descrever os cuidados a serem ob- servados, com o paciente, de acordo com o tipo de hemorragia. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 6. Luxações, fraturas e entor- ses: a. tipos; e b. tratamento adequado. 7. Imobilizações provisórias: a. tipos; e b. finalidade. O militar deverá: · citar o nome do tipo de fratura; · estancar a hemorragia, aplican- do bandagem; · preparar as talas; e · colocar as talas . A colocação das talas deverá obedecer aos seguintes requi- sitos: · entre o local ferido e a tala de- verá existir curativo individual; e . a tala deverá estar atada ao pa- ciente, com bandagens em vári- os pontos, de modo a imobilizar as articulações acima e abaixo da fratura. 5. Hemorragia a. Tipos: 1) arterial; 2) venosa; e 3) capilar. b. Procedimentos e técnicas para seu estancamento: 1) compressão; 2) tamponamento; 3) garrote; e 4) pinçamento. - Citar as características dos diferen- tes tipos de luxações, fraturas e en- torses. - Descrever os procedimentos ade- quados de primeiros socorros aos ti- pos de luxações, fraturas e entor- ses. - Selecionar o tipo de tala a ser usa- da, de acordo com a imobilização ne- cessária. - Colocar no paciente a tala indicada. - Relacionar o tipo de fratura ao tipo de imobilização. - Enumerar, por ordem de execução, as etapas da imobilização provisória. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Colocar tala. O militar deverá: · citar o nome do método indica- do para cada tipo diferente de hemorragia; · obedecer a ordem das opera- ções a serem desenvolvidas, de acordo com as normas e pres- crições do método; · obedecer as condições de assepsia; e . utilizar o material específico. Apresentados, ao militar, em situ- ação simulada, um indivíduo com uma fratura exposta, localizada, que exige a colocação de talas e os materiais necessários ao caso. Q - 406 (OP / HT) 12. PRIMEIROS SOCORROS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h
  29. 29. 31.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Q - 407 (OP) O militar deverá indicar os trata- mentos de primeiros socorros a serem usados nos tipos de intoxicações apresentados, es- pecificando: · as ações a serem realizadas durante o atendimento; · o tempo máximo que pode de- correr entre a constatação dos primeiros sintomas de intoxica- ção e o socorro aos pacientes; e . os cuidados a serem observa- dos com os pacientes. Socorrer indivíduo vitima- do por intoxicação. Apresentados, ao militar, em situ- ação simulada, dois indivíduos com intoxicação por ingestão de alimentos deteriorados e por plantas venenosas, respectiva- mente. Q - 409 (OP) 9. Corpos estranhos nos olhos, ouvidos, nariz e garganta: a. procedimentos; b. sintomas; c. lesões provocadas; e d. tratamento de primeiros socorros. O militar deverá: · indicar o material ou instru- mento a ser usado; · citar os cuidados a serem to- mados para que sejam evitados danos ao globo ocular, ouvido, nariz e garganta; . citar , em seqüência, a ordem das ações que devam ser de- senvolvidas. - Descrever os procedimentos a ado- tar em casos de corpos estranhos localizados nos olhos, ouvidos, na- riz e garganta. - Descrever os cuidados a serem ob- servados com pacientes portadores de corpos estranhos nos olhos, ou- vidos, nariz e garganta. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Socorrer indivíduos com corpos estranhos nos olhos, ouvidos, nariz e garganta. Apresentados, ao militar, em situ- ação simulada, quatro indivíduos com corpos estranhos nos olhos, ouvidos, nariz e garganta . Q - 408 (OP) 8. Queimaduras: a. tipos; e b. técnicas de primeiros so- corros. O militar deverá seguir todas as operações a serem desenvolvi- das, de acordo com as normas e as prescrições da técnica do curativo considerado, de forma a atender às características do local, do grau e da extensão da queimadura. - Citar as características dos dife- rentes tipos de queimaduras. - Descrever as principais técnicas de primeiros socorros aos diferen- tes tipos de queimaduras. - Citar os cuidados a serem obser- vados, com o paciente, de acordo com os diferentes graus de queima- duras e o percentual de área corpo- ral atingida. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Socorrer feridos com queimaduras. Apresentados, ao militar, em situ- ação simulada, quatro indivíduos apresentando queimaduras em diferentes locais do corpo huma- no e de graus diversos. 12. PRIMEIROS SOCORROS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h - Descrever os tratamentos de pri- meiros socorros adequados às into- xicações provocadas pela ingestão de plantas venenosas e por alimen- tos deteriorados. - Citar os cuidados de primeiros so- corros a serem observados, com o paciente, de acordo com o tipo de envenenamento ou intoxicação por picada de cobra, escorpião e aracní- deos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 10. Intoxicação: a. tipos; b. plantas; c. alimentos; e d. tratamento de primeiros socorros.
  30. 30. 32.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Q - 410 (OP) 13. Agentes químicos, biológicos e radiológicos: a. lesões; e b. tratamento de primeiros- socorros. O militar deverá indicar, na or- dem correta, as operações a serem desenvolvidas para o atendimento de urgência, até a chegada do médico. - Distinguir os diferentes tipos de agentes químicos, biológicos e radio- lógicos. - Descrever as possíveis lesões pro- vocadas por tais agentes. - Descrever o tratamento de urgên- cia para as lesões provocadas pelos agentes acima citados. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Socorrer o indivíduo into- xicado ou vitimado por lesões provocadas por agentes químicos. Apresentados, ao militar, em situ- ação simulada, um indivíduo com lesões provocadas por agentes químicos. Q - 412 (OP) 12. Técnicas de reanimação em casos de choque elétrico, asfi- xia e afogamento: a. boca a boca; b. boca ao nariz; c. boca ao conduto de ar; d. pressão no tórax; e e. elevação dos braços ou “Sylvester” modificado. O militar deverá: - colocar os pacientes em posi- ções de modo que as cabeças fiquem mais baixas que os tron- cos; - desobstruir as vias aéreas; e - aplicar qualquer método de re- animação artificial. - Descrever os sintomas dos pacien- tes afetados por choques elétricos de grande intensidade, asfixiados ou afogados. - Descrever as diferentes técnicas de reanimação adequadas às con- seqüências de asfixia, afogamento e choque elétrico. - Enumerar os cuidados de primeiros- socorros a serem observados com o paciente afetado por choque elétrico e de grande intensidade, asfixia e afo- gamento. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Socorrer vítimas por afo- gamento, choque elétrico e asfixia. Apresentados, ao militar, em situ- ação simulada, três indivíduos ví- timas de afogamento, choque elétrico e asfixia, respectivamen- te. Q - 411 (OP) O militar deverá indicar as ope- rações a serem desenvolvidas durante os atendimentos e os cuidados a serem observados com os pacientes. Socorrer indivíduos viti- mados por: - animais peçonhentos; - ingestão de plantas ve- nenosas; e - ingestão de alimentos deteriorados. Apresentados, ao militar, em situ- ação simulada, cinco indivíduos com sintomas de envenenamen- to por picadas de cobra, escor- pião e aranha e devido a ingestão de plantas venenosas e alimentos deteriorados. 12. PRIMEIROS SOCORROS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h 11. Envenenamento: a. tipos de agentes: 1) cobras; 2) aracnídeos; 3) plantas; e 4) alimentos. b. tratamento de primeiros- socorros. - Descrever os sintomas de envene- namento provocados por: - picadas de cobras; - picadas de escorpiões; e - picadas de aracnídeos; - Descrever os sintomas de intoxi- cação provocados pela ingestão de: - plantas venenosas; e - alimentos deteriorados. - Descrever os tratamentos de pri- meiros-socorros nos envenenamen- tos provocados por picadas de co- bras, escorpiões e aracnídeos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII.
  31. 31. 33.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Q - 413 (OP) 14. Efeitos específicos do calor e do frio: a. intermação; b. insolação; c. prostração térmica; d. caimbras de calor; e. queimaduras solares; f. geladura; g. pé-de-trincheira; e h. pé-dos-trópicos. O militar deverá: - indicar o material a ser usado; - citar as ações a serem desen- volvidas, na ordem correta em que serão executadas; e - citar os cuidados de primeiros socorros a serem observados. - Descrever os sintomas das lesões ou das perturbações ocasionadas pelo frio ou pelo calor: - intermação; - insolação; - prostração térmica; - caimbras de calor; - queimaduras solares; - geladura; - pé-de-trincheira; e - pé-dos-trópicos. - Descrever os tratamentos adequa- dos a (o): - intermação; - insolação; - prostração térmica; - caimbra de calor; - queimaduras solares; - geladura; - pé-de-trincheira; e - pé-dos-trópicos. - Citar os cuidados a serem obser- vados com o paciente vitimado por intermação. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Socorrer indivíduos viti- mados por lesões ou per- turbações causadas pelo calor ou frio. Apresentados, ao militar, em situ- ação simulada, 2 (dois) indivíduos com sintomas de intermação e geladura, respectivamente. 12. PRIMEIROS SOCORROS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h
  32. 32. 34.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Realizar as medidas de prevenção e combate a incêndios. Q-402 (OP) O militar deverá: - colocar os extintores nos lo- cais determinados; e - recolher as estopas em um re- cipiente com água. - Identificar as classes de incêndio. - Realizar as medidas de prevenção e combate a incêndio nas instala- ções. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante dos OII. 4. Prevenção e combate a incêndios: a. classe de incêndio; b. utilização de extintores; e c. medidas de combates a incêndios. 13. SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES LOGÍSTICAS, DEPÓSITOS E OFICINAS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 4 h - Citar as principais regras de segu- rança das instalações constantes da NGA da Unidade. - Citar as principais medidas de con- trole e redução de danos. - Utilizar as intalações individuais na instalação logística, depósitos e ofi- cinas. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante dos OII. 1. Normas Gerais de Segurança das Instalações/Depósitos/Ofici- nas da Unidade. - Medidas de controle e redu- ção de danos. 2. Regras de segurança na utili- zação de máquinas, ferramen- tas e equipamentos. 3. Proteção indispensável ao mi- litar durante os trabalhos nas ins- talações logísticas, depósitos e oficinas. - Identificar as medidas de segurança na(s) instala- ções logísticas, depósi- tos e oficinas. Q-401 (AC) - Em uma instalação logística ou depósito, identificar os procedi- mentos adequados de segurança. - Após a identificação das medi- das de segurança, demonstrar os procedimentos adequados em cada situação. - O militar será conduzido à insta- lação logística ou depósito, onde vários extintores estarão fora dos locais determinados, e estopas com óleo ou outro material infla- mável estarão sobre as mesas e prateleiras.
  33. 33. 35.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 14. SERVIÇOS EM CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h 4. Cadeia de Evacuação. O militar deverá: · identificar as instalações de Saúde; · descrever o funcionamento da cadeia de evacuação; e · citar os principais meios de eva- cuação, em particular os de 1º e 2º Escalões. - Descrever, sumariamente, os mei- os de evacuação de 1º e 2º Esca- lões. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Descrever a cadeia de evacuação de 1º e 2º Esca- lões, citando os meios de evacuação disponíveis. Apresentado, ao militar, um mo- delo que represente instalações de Saúde e os meios disponíveis de evacuação. Q - 402 (AC) 1. Serviço de Saúde em campa- nha: a. princípios gerais; b. funções; c. responsabilidades; d. escalões funcionais; e e. circuito de Ambulâncias. 2. Pelotão de Saúde. 3. Companhia de Saúde do Batalhão Logístico. - Enumerar os princípios gerais do Serviço de Saúde em campanha. - Citar as funções do Serviço de Saúde em campanha. - Descrever as responsabilidades do Serviço de Saúde em campanha. - Citar os escalões do Serviço de Saúde no TO . - Descrever a organização e o funcionamento do Pelotão de Saúde nas Unidades. - Descrever o processo de evacua- ção de 1º Escalão . - Descrever a organização da Com- panhia de Saúde. - Descrever o desdobramento do P Trg e do P Distr Classe VIII. - Descrever o desdobramento do Cir- cuito de Ambulâncias. - Descrever o processo de evacua- ção de 2º Escalão. - Descrever a triagem das baixas. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Identificar as missões do Serviço de Saúde em campanha. Q – 401 (AC) O militar deverá identificar a estrutura de saúde em campa- nha e conhecer a sua missão. Apresentada, ao militar, a estrutu- ra de atendimentos de saúde.
  34. 34. 36.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 7. Barraca de Saúde: a. apresentação; b. nomenclatura; c. técnica de armar e desar- mar; d. proteção contra chuvas (valetas); e e. segurança da instalação. A montagem deverá ser feita observando-se a seguinte or- dem de execução: · a lona deverá ficar perfeitamen- te esticada; · os esteios deverão estar colo- cados nos locais adequados; e · as estacas deverão ser coloca- das nos locais adequados; · a barraca deverá estar circun- dada por valetas. A desmontagem deverá ser fei- ta, observando-se a seguinte ordem de execução: · limpesa do material antes da dobragem; · dobragem da lona ,corretamen- te; · colocação das cordas de sus- tentação no interior da lona; e . embalagem do material, corre- tamente. - Identificar os elementos da barra- ca. - Armar e desarmar a barraca; e - Realizar os trabalhos de organiza- ção do terreno ( OT ) necessários à proteção contra intempéries. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Armar e desarmar a bar- raca de Saúde. Apresentada, ao militar, uma bar- raca de Saúde desarmada. Q - 405 ( OP ) Identificar a estrutura de suprimento de material de Saúde. Identificar os dados a se- rem lançados na Ficha de Evacuação e providenciar o seu preenchimento. Apresentada, ao militar, uma Ficha de Evacuação, com um caso fictí- cio, para o preenchimento do do- cumento. O militar deverá identificar e co- locar os dados corretos nos lu- gares adequados, na Ficha de Evacuação. 5. Documentos médicos em campanha - Ficha de Evacuação. - Identificar a Ficha de Evacuação. - Descrever o preenchimento da Fi- cha de Evacuação. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 6. Suprimento de Saúde em campanha : a. funcionamento; b. instalações; e c. troca de material. - Descrever o funcionamento da ca- deia de suprimento Classe VIII, nos 1º e 2º Escalões. - Descrever o processo de troca de material Classe VIII. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Q - 403 (AC) Q – 404 (AC) Apresentada, ao militar, a estrutu- ra de suprimento. O militar deverá identificar, den- tro da estrutura de suprimento, o fluxo a ser seguido pelo mate- rial. 14. SERVIÇOS EM CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h
  35. 35. 37.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 14. SERVIÇOS EM CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h - Participar dos trabalhos de desdobramento no terreno de uma instala- ção de Saúde. Q-406 (HT / CH) 8. Material de Estacionamento: a. nomeclatura; b. aprestamento; c. carregameto; d. deslocamento; e. montagem; e f. manutenção. 9. Plano de Carregamento. 10. Requisitos para desdobra- mento da instalação logística em campanha. 11. NGA de Campanha. 12. Plano de Defesa do Estacio- namento. 13. Plano de Circulação na área de desdobramento. - Este OII será cumprido de forma conjunta por todos os integrantes do grupamento de instrução. - Os militares contarão com os materiais de estacionamento e de engenharia necessários aos trabalhos. - O militar deverá participar dos trabalhos desdobramento no terreno de uma instalação logística, de acordo com as atri- buições que lhe compete: - preparação do material de es- tacionamento; - escolha, segundo os fatores previstos em manuais de cam- panha, do local de desdobra- mento da instalação logística; - desdobramento da instalação logística; - realização dos trabalhos de OT necessários; - identificação da instalação; - manipulação e armazenagem dos suprimentos no interior da instalação logística; - estabelecimento do plano de circulação, manutenção e segu- rança da instalação; e - estabelecimento da rotina de trabalho do pessoal da instala- ção. 14. Camuflagem de Instalação de Saúde: a. utilização dos meios natu- rais e artificiais. b. emprego das redes de ca- muflagem. c. manutenção do material ar- tificial de camuflagem. - Este OII será cumprido de forma conjunta por todos os integrantes do grupamento de instrução. - Os militares contarão com mei- os naturais e artificiais necessá- rios à realização da camuflagem. Participar dos trabalhos de camuflagem de uma instalação de Saúde. Q-407 (HT / CH) - O militar deverá participar dos trabalhos de camuflagem de uma instalação logística, e de acordo com as atribuições que lhe compete: - preparação meios naturais e artificiais necessários à realiza- ção da camuflagem; e - camuflar a instalação de Saú- de. - Realizar o aprestamento do materi- al de estacionamento da instalação de Saúde. - Embarcar e arrumar o material de estacionamento nas viaturas. - Conhecer os requisitos para desdobramento da instalação de Saúde em campanha. - Desdobrar a instalação de Saúde. - Realizar as tarefas previstas na NGA de Campanha e no Plano de Defesa do Estacionamento. - Armar a rede de camuflagem. - Camuflar uma instalação de Saú- de empregando meios naturais e(ou) artificiais. - Citar os cuidados a serem obser- vados no emprego dos meios natu- rais para camuflagem de instala- ções de Saúde e dos acessos. - Preparar uma simulação de instalação de Saúde.
  36. 36. 38.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 15. Operação de Instalação de Saúde em Campanha: a. caracterização das tare- fas; b. rotina operacional; c. NGA de Campanha; e d. Plano de Defesa. - Este OII será cumprido de forma conjunta por todos os integrantes do grupamento de instrução. - Os militares contarão com os ma- teriais necessários aos trabalhos. Participar dos trabalhos de operação, no terreno, de uma instalação de Saú- de. Q-408 (HT / CH) - O militar deverá participar, de acordo com as atribuições que lhe compete, dos trabalhos de operação, no terreno, de uma instalação de Saúde. - Realizar as tarefas relativas ao fun- cionamento da instalação logística em campanha. - Auxiliar na Operação da Instalação de Saúde em Campanha. - Manipular e armazenar suprimen- tos no interior da instalação de Saú- de. - Mudar de posição a instalação de Saúde. 14. SERVIÇOS EM CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h
  37. 37. 39.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Identificar os termos empregados na linguagem do suprimento. - Citar as principais missões do su- primento. - Citar as principais instalações de suprimento em tempo de paz e em campanha. - Descrever a cadeia de suprimento de Material de Saúde. - Enumerar as operações de supri- mento. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da terefa constante do OII. - Identificar suprimentos de acordo com a classifi- cação. Q-401 (AC/OP) 1. Suprimento: a. noções gerais de suprimen- to; b. missões principais: 1) suprimento; e 2) serviço. c. principais instalações de suprimento: 1) depósitos centrais e re- gionais; 2) depósitos de campanha; 3) unidades de manuten- ção; e 4) pelotão de suprimento. d. Cadeia de suprimento; e. estrutura (fluxograma): 1) componentes; e 2) artigos de suprimento corrente: a) descrição; e b) noções sobre o fun- cionamento. f. operações de suprimento: 1) determinação das ne- cessidades; 2) obtenção; 3) armazenamento; e 4) distribuição. - Apresentado, ao militar, vários suprimentos de diferentes clas- sificações. - O militar deverá realizar a iden- tificação de forma correta. 15. SUPRIMENTO CLASSE VIII TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20h
  38. 38. 40.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Conceituar: - material permanente comum. - material permanente especializa- do; - material de aplicação; - material de transformação; - material de consumo; - material de suprimento de 1ª classe; - material de suprimento de 2ª Classe; - material de suprimento de 3ª Classe; e - material de suprimento de 4ª Classe. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - Separar suprimentos de acordo com a classifica- ção quanto ao controle e estado de conservação. Q-402 (AC/OP) 2. Classificação dos suprimen- tos: a. quanto ao controle: 1) material permanente comum; 2) material permanente especializado; 3) material de aplicação; 4) material de consumo controlado; e 5) demais material de consumo. b. quanto ao estado de conservação. - Apresentados, ao militar, vários suprimentos de diferentes clas- sificações quanto ao controle e estado de conservação. - O militar deverá realizar a se- paração de forma correta. - Identificar as classes de suprimento. Q-403 (AC) - Enumerar as classes de suprimen- to. - Identificar os suprimentos das di- versas classes. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Classes de suprimento: a. noções gerais; e b. especificações das clas- ses de suprimento. - Apresentados, ao militar, mate- riais de diversas classes. - Identificar, corretamente, a classe de suprimento de cada material apresentado. 15. SUPRIMENTO CLASSE VIII TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20h
  39. 39. 41.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 4. Classes de suprimento: a. noções gerais; e b. especificações das clas- ses de suprimento. - A separação deve ser feita, com acerto. - Identificar os suprimen- tos Classe VIII. Q-404 (AC/OP) - Apresentados, ao militar, vários suprimentos de diferentes clas- ses. - Enumerar as classes de suprimen- to. - Identificar, pela classe, itens de su- primento de Saúde. - Identificar os suprimentos das di- versas classes. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. 5. Identificação do suprimento de saúde. - O militar deverá conferir a lo- cação real do suprimento com os dados de locação constantes nas Fichas de Controle de Esto- que de cada item. - Conferir a locação do su- primento. Q-406 (AC) - No interior das instalações de su- primento da Unidade, serão apre- sentados ao militar cinco itens de suprimento diferentes e suas respectivas Fichas de Controle de Estoque . - Identificar os catálogos existentes na OM. - Manusear os catálogos. - Identificar o material de suprimento. - Identificar o suprimento. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - O militar deverá identificar os itens corretamente . - Identificar, pela classe, itens de Saúde. Q-405 (AC) - Apresentados, ao militar, ao ins- truendo dez itens diferentes de suprimento de Saúde. - O militar deverá localizar, cor- retamente, todos os itens da lis- ta. - Localizar os itens de su- primento. Q-407 (AC) - Apresentada, ao militar, uma lis- ta com dez itens de suprimento e suas respectivas Fichas Controle de Estoque. - O militar deverá etiquetar e fi- char, de acordo com os dados relativos ao suprimento apre- sentado. - Etiquetar e fichar os su- primentos de Saúde. Q-408 (OP) - Apresentado, ao militar, o mate- rial necessário para fichar e eti- quetar. - O militar deverá preencher as fichas, lançando, nos campos apropriados, os dados apresen- tados pelo instrutor. - Preencher a Guia de Re- messa, o Pedido de Ma- terial e a Guia de Recolhi- mento (sfc). Q-409 (OP) - Apresentados, ao militar, uma re- lação de suprimentos Classe VIII, uma Guia de Remessa, um for- mulário de Pedido de Material e uma Guia de Recolhimento em branco. - O instruendo preverá os dados necessários ao preenchimento. 6. Documentação de controle: a. ficha de Controle de Estoque; b. guia de Remessa; c. pedido de Material; d. guia de Recolhimento; e. mapas e Relatórios; f. arquivos e fichários; g. etiquetas e fichas de identificação; e h. empenhos e Notas Fis- cais. 7. Recebimento do Material: a. recebimento primário; b. recebimento definitivo e exame; e c. termo de Recebimento e Exame do Material. - Identificar a documentação de con- trole de suprimentos. - Anotar as saídas e entradas do ma- terial na Ficha Controle de Estoque. - Preencher a documentação de con- trole de suprimento. - Lançar na etiqueta e fichas, a iden- tificação do material. - Preencher os documentos de con- trole. - Conferir o empenho, Nota Fiscal e a Guia de Remessa. - Fornecer dados para a confecção de Mapas e Relatórios. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. 15. SUPRIMENTO CLASSE VIII TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20h
  40. 40. 42.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Descrever o recebimento do mate- rial e a documentação que a envol- ve. - Realizar o recebimento dos supri- mentos. - Preencher a documentação de con- trole sob a responsabilidade do des- pachante. - Conferir marcações de embalagens. - Despachar volumes a serem entre- gues. - Controlar o fornecimento, dentro do nível mínimo estabelecido para cada item de suprimento. - Identificar, na Ficha Controle de Es- toque, o lançamento da estatística de consumo. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas contantes dos OII. - Anotar as saídas e en- tradas do material. Q-410 (OP) 8. Despacho de Suprimento: a. conferência; b.entrega de volumes; c. operações de Carregamen- to; e d. inclusão em carga e/ou re- lacionamento de material de su- primento. 9. Noções sobre níveis de esto- que: a. estoque mínimo; e b. estoque base ou operacio- nal. 10. Noções sobre estatística de consumo: a. definição; e b. consumo periódico do item do suprimento. - Apresentados, ao militar, cinco Fichas de Controle de Estoque e uma relação de saída e entrada de cinco itens de suprimento de Ma- terial de Saúde. - O militar deverá preencher as fichas lançando, nos campos apropriados, os dados constan- tes da relação apresentada. O militar deverá: - conferir os volumes com a Guia de Remessa; - verificar e separar as vias de Guia de Remessa que irão com os volumes e aquelas que se- rão quitadas e ficarão no Depó- sito; - entregar os volumes ao desti- natário; - verificar as condições de se- gurança dos volumes; e - preencher a documentação de transporte. - Despachar volumes de suprimento. Q-411 (OP) - Apresentados, ao militar, cinco volumes e a Guia de Remessa respectiva. - O militar deverá executar o re- cebimento de acordo com as ordens em vigor. - Receber itens de supri- mento de Material de Saú- de. Q-412 (OP) - Apresentados, ao militar, vários itens de suprimento diferentes e a Guia de Remessa corresponden- te. - O militar deverá transportar os itens de suprimento, com se- gurança, acompanhados da do- cumentação referente. - Manipular itens de supri- mento. Q-413 (AC / OP) - Apresentados, ao militar, cinco itens de suprimento para serem entregues ao expedidor. - Manipular os itens de suprimento. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa contante do OII. 11. Manipulação e transporte dos suprimentos no interior das ins- talações. 15. SUPRIMENTO CLASSE VIII TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20h
  41. 41. 43.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 12. Balanços ou inventários: a. definição; e b. normas para realização. - Descrever os procedi- mentos para a realização de balanços ou inventári- os. Q-414 (AC) - Listar itens existentes nos depósi- tos quando na execução de balan- ços. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - Os militares deverão citar, cor- retamente, a finalidade de cada armazém apresentado. - Apresentadas, ao militar, várias categorias de armazéns . - Citar, por espécie, a fina- lidade de cada armazém. Q-415 (AC) 13. Armazenamento: a. armazenagem; b. recursos básicos para ar- mazenagem; c. categorias de armazéns: 1) armazéns cobertos; e 2) armazéns descobertos. d. planejamento da área de armazenagem; e. operações de armazena- mento: 1) recebimento de material de suprimento: a) recebimento primário; b) recebimento definitivo e exame; c) termo de recebimento e exame de material de suprimen- to; d) inclusão em carga e(ou) relacionamento de material de suprimento; e e) ficha de controle de esto- que. 2) locação do material no Depósito; 3) organização do arma- zém; e 4) preservação do esto- que: a) noções gerais; b) agentes corrosivos; e c) processamentos dos su- primentos no depósito. - Definir armazenagem. - Enumerar os recursos para a ar- mazenagem. - Citar os tipos de armazéns. - Citar os fatores determinantes do planejamento da área de armazena- gem. - Descrever o processamento do re- cebimento de material e suprimento. - Descrever os processos de loca- ção de suprimento no depósito. - Enumerar as operações de preser- vação de estoque. - Definir agentes corrosivos. Emba- lagem. - Identificar os métodos e subméto- dos de embalagem. - Citar normas utilizadas na marca- ção das embalagens. - Especificar o tamanho das inscri- ções utilizadas na identificação das embalagens. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. - O militar deverá realizar o re- cebimento, de acordo com as ordens em vigor na Unidade. - Apresentados, ao militar, vários suprimentos diferentes e a guia de remessa correspondente. - Realizar o recebimento dos suprimentos. Q-416 (OP) - Todos os itens devem ser loca- dos corretamente. - Apresentados, ao militar, cinco itens de suprimento diferentes. - Locar o item de supri- mento no depósito. Q-417 (OP) - O militar deverá marcar a em- balagem, de acordo com as nor- mas para marcação em vigor na Unidade. - Apresentados, ao militar, uma de- terminada embalagem e o materi- al necessário para marcação. - Marcar a embalagem.Q-418 (OP) - Apresentados, ao militar,os itens de suprimento existentes em es- toque e suas respectivas fichas de estoque. - Descrever, corretamente, os procedimentos a serem adota- dos para a realização de balan- ços ou inventários dos esto- ques existentes nos depósitos. 15. SUPRIMENTO CLASSE VIII TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20h
  42. 42. 44.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Expedir suprimentos. Q-419 (AC / OP) - Apresentados, ao militar, 10 (dez) suprimentos diferentes e a guia de remessa correspondente. O militar deverá: - pesar os volumes no caso de transporte; - embalar, enfardar ou encaixo- tar os suprimentos; - marcar os volumes; - conferir os volumes com a Guia de Remessa; e - entregar o material ao despa- chante. Protocolar e arquivar do- cumentos de controle. Q-420 (AC / HT) - Apresentados, ao militar, 10 (dez) documentos de controle. - O militar deverá: - ler com atenção a documenta- ção; - apor carimbo de protocolo da Seção ou do Pelotão; - registrar no livro de protocolo; - encaminhar a documentação para despacho; e - arquivar, por ordem de entra- da a documentação processada. 14. Pesagem de Volumes: a. balanças: 1) apresentação dos tipos existentes na Unidade; e 2) funcionamento. b. operações de pesagem. 15. Embalagem: a. noções gerais; b. métodos e submétodos de embalagem; e c. marcação das embala- gens. 16. Expedição de suprimentos. - Identificar os tipos de balanças exis- tentes na Unidade. - Operar com balanças. - Embalar, enfardar e encaixar os su- primentos para o transporte. - Marcar embalagens. - Expedir suprimentos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 17. Protocolos de documentos. 18. Escrituração. - Protocolar e arquivar documentos de controle externos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 15. SUPRIMENTO CLASSE VIII TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20h
  43. 43. 45.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 16. TRABALHOS DO AUXILIAR DE SAÚDE TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h Auxiliar nas atividades de trabalho relacionadas com anotação, armazena- mento, controle e expedi- ção de material Classe VIII em Instalações Logísticas de Saúde. Q-401 (OP/HT) Ao término da FIIQ, quando desig- nado para o cargo do Auxiliar de Instalação Logística de Saúde. O militar deverá , no final a FIIQ, ter condições de auxiliar, com correção, o desenvolvimento das atividades da Instalação Logística de Saúde, a que foi designado. - Auxiliar nas atividades de trabalho relacionadas com as ações de: - anotar a entrada ou saída do ma- terial de saúde para fins de armazenamento ou expedição; - separar o material de saúde rece- bido, para marcação de suas emba- lagens, separando-as de acordo com a sua classificação por tipos e qua- lidade do armazenamento; - fiscalizar o estado de conserva- ção da embalagem e, se possível, da matéria prima recebida, para anotar qualquer restrição que comprometa a qualidade do material recebido; - preparar o armazenamento do ma- terial de saúde recebido ou a expe- dir, segundo as condições ambientais de preservação necessárias ao tipo de material; - armazenar o material de saúde recebido, segundo a sua classifica- ção por tipos e qualidade de armazenamento; - abrir as fichas de controle do ma- terial de saúde recebido ou expedi- do, para fins de elaboração dos grá- ficos e mapas de entrada ou saída de material; - receber os pedidos para forneci- mento de material de saúde, para providenciar a separação do materi- al solicitado; - escolher a embalagem do material de saúde a expedir, conforme o trans- porte a utilizar e as condições de segurança recomendáveis; - etiquetar os volumes necessári- os à expedição do material de saú- de, segundo o meio de transporte a utilizar e o seu destino; 1. Atribuições Gerais do Auxiliar de Instalação Logística de Saú- de.
  44. 44. 46.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 16. TRABALHOS DO AUXILIAR DE SAÚDE TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h - preencher as guias para expedi- ção do material de saúde, segundo o meio de transporte a utilizar e o seu destino; - entregar os volumes ao respon- sável pelo transporte do material de saúde separado para remessa; - atualizar as fichas de estoque re- lativas ao material de saúde expedi- do; - controlar os níveis de estoque do material de saúde para que sejam ela- borados os pedidos de reposição; - elaborar a documentação neces- sária à solicitação do material de saú- de para reposição dos estoques da instalação logística; - limpar e fazer a manutenção da instalação logística, aplicando normas de segurança e restrição de danos a material; - realizar as medidas de preven- ção e combate a incêndio necessá- rias à preservação do material esto- cado na instalação logística; e - sanar os acidentes nas opera- ções de armazenagem através das medidas de controle de acidentes. (continuação) Auxiliar nas atividades de trabalho relacionadas com anotação, armazena- mento, controle e expedi- ção de material Classe VIII em Instalações Logísticas de Saúde. Q-401 (OP/HT) (continuação) Ao término da FIIQ, quando desig- nado para o cargo do Auxiliar de Instalação Logística de Saúde. (continuação) O militar deverá , no final a FIIQ, ter condições de auxiliar, com correção, o desenvolvimento das atividades da Instalação Logística de Saúde, a que foi designado. (continuação) 1. Atribuições Gerais do Auxiliar de Instalação Logística de Saú- de.
  45. 45. 47.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 16. TRABALHOS DO AUXILIAR DE SAÚDE TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h Realizar as atividades de trabalho relacionadas com as ações de: - receber os pacientes para o aten- dimento médico ambulatorial, prepa- rando a ficha de cada um para lan- çamento do diagnóstico correspon- dente; - coordenar a distribuição dos pa- cientes para o atendimento médico, segundo o tipo de tratamento a ser ministrado, verificando se existe al- guém para ser atendido em caráter urgente; - auxiliar, se necessário, e em ca- ráter urgente e preventivo, nas se- guintes medidas ambulatoriais a se- rem aplicadas nos pacientes: - primeiros socorros cardio-respi- ratórios nos casos de insuficiência respiratória; - soro antiofídico nos casos de pi- cada de animais peçonhentos; - isolamento das partes atingidas nos casos de queimaduras graves; - medidas antitérmicas naqueles que estejam apresentando sintomas de internação; - medidas de desintoxicação nas vítimas de agentes químicos, biológi- cos ou radiológicos; - imobilização dos membros inferi- ores ou superiores naqueles que te- nham sofrido acidente e necessitem desse cuidado; - lavagem estomacal nos casos de ingestão de produtos tóxicos ou qual- quer outro tipo de drogas; - aplicar injeções intramusculares ou endovenosas, seguindo prescri- ção médica; - efetuar a coleta de material dos pacientes para exames de laborató- rio; Realizar as atividades de trabalho relacionadas com o atendimento de pacientes em ambiente ambulatorial, hospitalar ou de campanha. Q-402 (OP/HT) Ao termino da FIIQ, quando desig- nado para o cargo de Padioleiro ou Atendente. O militar deverá, no final a FIIQ, ter condições auxiliar, com correção, o desenvolvimento das atividades da Instalação Logística de Saúde, a que foi designado. 2. Atribuições Gerais do Padioleiro e do Atendente
  46. 46. 48.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 16. TRABALHOS DO AUXILIAR DE SAÚDE TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12h - realizar pequenos curativos nos pacientes em tratamento médico; e - controlar a guarda e disponibilida- de do estoque de medicamentos para atendimento ambulatorial, verifican- do seu prazo de validade e cuidando da sua conservação; - receber e acomodar convenientemen- te, os pacientes que forem hospitalizados para tratamento médico ou para operações cirúrgicas; - recolher os pertences pessoais dos pacientes que tenham sido inter- nados em enfermarias coletivas para as medidas de guarda que se fize- rem necessárias; - ministrar aos pacientes os medi- camentos ou curativos prescritos na guia de internação observando ho- rários e posologia; - controlar os sinais vitais daqueles que requeiram cuidados especiais, tomando-lhes periodicamente a tem- peratura e batimentos cardíacos; - preparar e acompanhar os paci- entes que serão submetidos a con- sultas ou exames fora do seu local de internação conduzindo-os em padiola, maca ou cadeira de rodas; - cuidar da higienização e alimenta- ção dos pacientes internados que não possam se locomover do leito; - auxiliar nos cuidados post-mortem, fazendo tamponamentos e preparan- do o corpo para evitar secreções; e - praticar nas situações de campa- nha os mesmos atos acima descri- tos, de conformidade com a sua área de atuação. Q-402 (OP/HT) (continuação) Realizar as atividades de trabalho relacionadas com o atendimento de pacientes em ambiente ambulatorial, hospitalar ou de campanha. (continuação) Ao termino da FIIQ, quando desig- nado para o cargo de Padioleiro ou Atendente. (continuação) O militar deverá, no final a FIIQ, ter condições auxiliar, com correção, o desenvolvimento das atividades da Instalação Logística de Saúde, a que foi designado. (continuação) 2. Atribuições Gerais do Padioleiro e do Atendente

×